SlideShare uma empresa Scribd logo
ERIC COSTA | TÂNIA ARDITO 
GABRIELA RUGGIERO NOR | ANDRÉ VICTOR MARQUES 
ESTEVAN DE NEGREIROS KETZER | SAT AM 
MORGANA RECH | PEDRO JUNG 
6ª Edição | NOV 2014
WWW.FACEBOOK.COM/CANALSUBVERSA 
CONTATO.SUBVERSA@GMAIL.COM 
@CanalSubversa 
SubVersa 
| literatura luso-brasileira | 
© originalmente publicado em Novembro de 2014 sob o título de SubVersa © 
6ª Edição 
Responsáveis técnicas: 
Morgana Rech e Tânia Ardito 
Os colaboradores preservam seu direito de serem identificados e citados como autores desta obra.
6ª Edição 
Novembro de 2014 
ERIC COSTA | CRIATIVIDADE | 4 
ANDRÉ VITOR MARQUES | ME PERMITA | 6 
GABRIELA RUGGIERO NOR | SEU NOME |8 
TÂNIA ARDITO | AZULEJOS |12 
MORGANA RECH | EM TEMPO REAL |14 
SAT AM | ATÉ TODAS AS ESTRELAS CAÍREM NA NOITE | 16 
ESTEVAN DE NEGREIROS KETZER | VESTÍGIOS | 18 
PEDRO JUNG | DITORÂMBICOS N. II |19
CANALSUBVERSA.com 
4 
ERIC COSTA 
SÃO LUIS, MARANHÃO, BRASIL. 
E a criatividade do ser humano? Não há quem me faça pensar que ela não está inferior a outrora. 
Se Jacques Bossuet disse ser a contemplação a janela e olhos da alma, não vejo outra explicação para tal paradoxo da humanidade. E o paradoxo não é entre a criatividade atual e a de outrora. É o paradoxo no que vivemos hoje. O ser humano especializou-se em duas rotinas: buscar inovações e cair no mais do mesmo. E, acreditem, elas coexistem. 
Sempre procuramos inovações em nossa busca por conhecimento. Em uma velocidade e disposição desenfreadas, diga-se de passagem. Quando não produzimos conhecimento, estamos insatisfeitos com a velocidade que os artigos científicos chegam às revistas. Quando produzimos, achamos que poderíamos fazer mais. 
A inovação dita o dia-a-dia. Novas formas de conhecer, novas 
CRIATIVIDADE
CANALSUBVERSA.com 
5 
formas de até mesmo fazer outros conhecerem movem nosso cotidiano. Pena que mesma vontade não se reflete no autoconhecimento. 
Quantos nessa desenfreada corrida pelo lucro e conhecimento param e refletem acerca de si mesmo? O “eu”, que está aqui, que é você, é mais distante e menos palpável do que pesquisar a função da proteína das células da mucosa do rabo da salamandra, às vezes.(!!!) 
Se os grandes pensadores faziam da contemplação uma rotina, inevitável associar a ausência de autoconhecimento atual a falta de momentos de reflexão. Talvez até falte o que contemplar para muitos de nós, solenemente imersos em selvas de pedra sem fim. 
O homem de hoje pensa mais. Sim, pensa bem mais. O homem, de séculos atrás, que contemplava a natureza, pensava com mais inteligência e conhecia-se primeiro para conhecer mais depois. 
Jacques Bossuet falou dos olhos da alma na contemplação. Victor Hugo, porém, disse e diria de novo que contemplar o mar, em certas ocasiões, é sorver um veneno. 
Ah, a oração intercalada. Tudo ali, entre vírgulas. Porque o mar ao qual Victor Hugo se refere talvez seja não o de sua época, mas o de hoje: o ser humano, que só contempla o mar da produtividade, do lucro e do próprio capital, sorve um incrível veneno. Veneno mortal de uma sociedade oriunda de si próprio. 
Produzimos, criamos, mas conhecemos mais o alheio do que o próprio. Vivemos? Ora em acepção física do termo. Ora, muito raramente, na acepção mais plena. E, no fim de tudo, nos envenenamos: afogamo-nos em nossas próprias criações e entranhas.
CANALSUBVERSA.com 
6 
ANDRÉ 
VICTOR MARQUES 
RIO DE JANEIRO, RIO DE JANEIRO, BRASIL 
Olhou e sentiu aquele arrepiar, de desconstruir qualquer possível ideia de fingimento. Foi espontâneo, foi mágico. Foi algo que nem ele mesmo soube dizer o que era. Viveu a vida a procurar. Se entregou nessa procura incansável, nessa rotina de busca implacável. E foi então, que estranhamente, construiu todo seu império de sonhos. Todas as suas fantasias vieram à realidade. Havia conseguido seu amor: seu amor correspondido, sua solidão retirada, sua vaidade aguçada. Seu coração transbordava. Sentiu como se tudo, absolutamente tudo, fosse infinito. Até mesmo as horas, que se passavam como a máquina a correr na cidade moderna, era infinito. Os instantes curtos e rápidos, tornou-se uma vida inteira, um carnaval a ser contemplado. Seu amor, era sua fantasia, sua fantasia mais bonita de todas. Esqueceu-se, até, da triste roupa cinza e sem graça, que a solidão lhe vestia. Mas desconsertadamente, assim como tudo foi construído, passou a ser temido. Agora era tanta correria, ainda se viam, mas com a triste sensação de tudo acabar. De tudo se desmoronar. O trem parou, seus olhares se cruzaram, em rápidos e decisivos minutos, e tudo se 
ME PERMITA
CANALSUBVERSA.com 
7 
descortinou, tudo virou fumaça. Seu amor desceu, e ele, que ficou, se despiu de forma tão bruta, grosseira. Ainda tentou avistar pela janela, mas agora começavam a ganhar velocidade, andando rumo ao próximo destino. Seu olhar voltou ao vácuo, ao nada, sem profundidade, eram somente lamentações. Seus olhares cruzados, fixados na alma de cada um, foi a realidade imaginada. Tudo ali se fez. Tudo ali virou tudo. Seu amor não lhe permitiu, ele deixou-se levar. Num desencontro, o tudo agora era nada. Eram somente lembranças de um passado acontecido quase agora. Permitiu-se amar tão humanamente, inteiramente. Ficou entregue. Mas deixou de se conectar, deixou de amar no momento que perdeu de vista, na rapidez com que um cisco vai encontrar o chão. Vestiu seu uniforme cinza novamente e se perdeu. Seu mar de solidão já havia preenchido tudo. Seu corpo era tomado pela inércia. Transformou-se num náufrago. Um náufrago só.
CANALSUBVERSA.com 
8 
GABRIELA RUGGIERO NOR 
SÃO PAULO, SÃO PAULO, BRASIL 
Foi outro dia que seu nome foi parar na minha língua, quase saindo da boca, quase invadindo ar e mundo. Mas eu, que num instante sentira o estômago se retorcer em falta, busquei alento no gosto fervido em memória e segui caminhando; mas eram seus passos que eu repetia, após cada esquina cruzada, um sinal, e mal sei como cheguei em casa depois de tanto lutar contra as letras que escorriam cálidas, uma após a outra; mas eu disse: 
- Eu moro na rua Flórida número 165 – procuro a rua Flórida número 165 – o senhor pode por favor me ajudar?, num soco só, letra atropelando letra. 
Ele me indicou o caminho e com as mãos tremendo eu girei a chave do meu apartamento, que é no prédio da Rua Flórida, no décimo andar. 
Ninguém mais me viu entrar em casa fugida. 
No meu quarto há estantes de livros meus e há também os livros que você deixou. Eu os guardo debaixo da cama e quando não posso dormir folheio as páginas que discutimos juntos. Ali está sua letra, seu 
SEU 
NOME
CANALSUBVERSA.com 
9 
nome, sua caligrafia vacilante, torcida para a esquerda, seus floreios para as letras maiúsculas e as diferentes cores para marcar as passagens mais bonitas. E quantas vezes não estávamos tão cansados depois do trabalho, mas ao chegar em meu quarto, quando você vinha me ver, e eu cozinhava para nós dois, e você abria o vinho, e eu fingia não saber usar o saca rolhas, só para elogiar sua perícia, e depois deitávamos e o abajur cintilava em suas pálpebras calmas de homem calmo, e nós, mesmo cansados, líamos algumas dúzias de frases e o encanto se fazia, a pele tocava o livro que tocava o corpo que tocava a cama. De madrugada era tropeçar na pilha de livros, ao beber água, e lembrar dos momentos anteriores enquanto os goles gelados iam lavando o vinho do corpo, e lá fora um ônibus anunciava o recomeço do dia; assim foi que diversas páginas dos seus livros ficaram marcadas, mas também eram seus dedos enterrados em mim que depois passavam pelas margens enquanto você alcançava a taça ao lado da escrivaninha, e depois os cheiros se misturaram às folhas dos livros e hoje é difícil ler certas coisas sem lembrar de você, sem que eu mesma não me sinta como a personagem infame de um romance de banca. 
Às vezes, também viajávamos e então era a música que ditava a nossa postura, e íamos das odes melancólicas ao som mais pesado e insuportável. O sol entrava quente pelos vidros do carro. A pele arrepiava e os corpos se tornavam informes. Uma massa de gente grudada. E por mais fundo que você viesse, nunca era suficiente: havia um ponto qualquer que não se podia alcançar. Muita fome, muita sede, muita dor, e o deslumbre contínuo do corpo, que saciava e anestesiava, até o ponto em que as palavras abafadas quase não faziam mais diferença. A indiferença entre o sim e o não. Você sabia que eu nunca havia sido tão apaixonada: você adivinhava, pelas minhas pálpebras que pulsavam e tremiam continuamente. Eu pensava que éramos de outros tempos. O seu nome explode ainda em mim.
CANALSUBVERSA.com 
10 
Ancestral. 
Quando não havia desejo, eu duvidava de nós, mas suas mãos calmas pegavam nas minhas e sua cabeça repousava cansada em meus braços, e de pouco o choro vinha manso, você não precisava explicar, mas mesmo assim tentava, balbuciando nomes e ocorrências. Ah, você dizia, “ele”, “ela”, “a minha família”, “quando eu era mais jovem”, “o meu trabalho”, “aquele dia em que você”, eu te ouvia no desespero de não ajudar, pois não se compreende inteiramente o sofrimento do outro, eu não entendia, mas eu sofria tanto junto, e você se afogava no meu peito, naqueles momentos eu me sentia cuidando de você, mas você sempre soube que éramos uma dupla de elos frágeis, como é difícil o encontro de iguais. Eu também tentava te dizer da minha dor, eu também tentava te falar da minha angústia, ou da sensação perpétua de observar o mundo sem estar de fato nele. Você estava nele, tanto. Não pôde me guiar para dentro. Esta não é a responsabilidade de um homem. Eu tentava te dizer o que era ter crescido à sombra, o que era estar sempre à margem, mas as palavras que saíam de minha boca eram “minha avó”, “o meu pai”, “houve um dia”. E a frase permanecia incompleta no silêncio. Infinitamente suspensa. 
O nosso entendimento sempre foi de corpo, veja como a vida é, os dois tão apaixonados pelas palavras e pelos sons, eu dizia, “encantamento”, e você me chamava de bruxa, cada palavra que eu dizia era um gozo a mais na boca, cada sílaba formando uma nova pessoa e um novo continente, mas quando eram espontâneas machucavam: você dizia, “dor”, eu entendia que era eu, e assim se formava um zumbido, amor, foi se formando um zumbido que ensurdeceu o que havia de real, a parede foi ficando cada vez mais espessa, ao ponto de não podermos mais trocar palavras, mas só carinhos, ou ler a literatura que era sempre segura; sempre segura
CANALSUBVERSA.com 
11 
porque apesar de ser nossa não eram nossas palavras, assim como quando você me chamava de cachorra, de putinha, e dizia impropérios e absurdos, e segurava minha cabeça, e rompia feliz meu corpo como se eu fosse virgem – não éramos nós – e eu sofregamente ia a seu encontro, porque era seguro, porque era bom, porque não era exatamente você. Mas era o que eu tinha, afinal. Pedaços seus. 
Um dia a parede ficou difícil demais de se atravessar, eu ouvia ao longe alguns ruídos, minha voz eu sei que te chegava subterrânea, minha figura embaçada, sem que nos pudéssemos ver direito. O para sempre preso novamente na incompreensão. E em vez de sentir aquela descarga de energia que rotineiramente me toma com as rupturas, senti o despegar leve de um membro: lá se foi a perna, lá se foi meu corpo, lá se foi ao longe. Imagino você caminhando anônimo pelo mundo que te pertence: caminhando anônimo, ninguém te conhece, ninguém sabe os atalhos, ninguém sabe seus inícios. Com o desabar do muro o seu nome veio morar em mim. Você vaga com meu endereço jorrando dos dentes, e eu caminho perdida pela cidade que tem só seu nome como sinal.
CANALSUBVERSA.com 
12 
TÂNIA ARDITO 
SÃO PAULO – PORTO 
Olhem que lindo este painel de azulejo! – Foi o que a guia acabou de dizer, mas se você estivesse aqui, não estaria prestando atenção ao que foi dito, aliás, como era de costume, você nunca dava ouvidos ao que ninguém dizia, sim ninguém… nem a mim. Realmente, o painel é lindo… todo o lugar… marca o esplendor de uma Era… e, que voltas deram para que esta Era acontecesse… mortes, conspirações… e está inaugurada a Era Manuelina… com a sua nova forma de entender o mundo. Entender… nunca vou conseguir entender… por mais que o tempo passe… não dá para entender… não podia ter sido de outra forma? Com tantas saídas e foi logo justamente escolher essa… queria entender… País do azulejo… alguém falou algo sobre isso… acho que foi a guia novamente… tenho que me juntar ao grupo… você também poderia estar aqui… agora eu ri de mim… 
AZULEJOS
CANALSUBVERSA.com 
13 
provavelmente não estaria prestando atenção a azulejo nenhum… e eu te cutucando o tempo todo… nem prestaria atenção a este painel que é formado por 1384 azulejos e que já mudou várias vezes de endereço para continuar representando a Vida… por que você também não mudou de lugar para preservar a Vida? Escolher ao seu contrário… não entendo… este medo de enfrentar… de se olhar… Cena de caça… a armadilha é montada com um espelho… a onça não resistirá a olhar-se… será isso? Não conseguiu olhar e encarar a si próprio, era tão doloroso… tão vergonhoso... Por isso montou a sua própria armadilha… pensou que desta forma resolveria tudo… país do azulejo… aqui há igrejas todas decoradas de azulejos, tirei muitas fotos… um dia te mostro... Queria que estivesse vendo isto… é toda azule… azul… é a sua cor preferida, né? Agora chegamos aos frontais… neles está representada a fauna… pavão… tái um bicho que combina com você… orgulhoso da própria beleza… representa a ressurreição de Cristo… como queria que você ressurgisse… imortalidade… era isso que buscava? A imortalidade… egoísta… sim egoísta! Pensou que desta forma acabaria com a dor… não pensou que a dor assim como a alma é imortal… egoísta… não passou pela sua cabeça que eu sentiria tanta dor? Acho que por isso vim para cá… uma maneira de iludir-me dia após dia… que a dor não existe… que tudo esta tal e qual… iludir-me que se um dia voltar com fotos, postais e presentes… e na ansiedade de contar tudo o que vi… você com o seu ar distraído me perguntaria… e então, comprou o azulejo?
CANALSUBVERSA.com 
14 
MORGANA RECH 
PORTO ALEGRE, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL 
É incrível que mais um outono já esteja chegando a Portugal. Do outro lado do mundo vejo fotografias da cidade onde renasci e que trazem consigo um pedaço da minha nova nação. 
Tão contraditório é ter a experiência de pertença a uma nova pátria e ela permanecer do outro lado do oceano! Por mais que Portugal tenha vindo, em espírito, no meu novo corpo que pegou o avião, a vida e o cotidiano português estão lá, vivendo continuamente sem mim. Posso ver hoje outras pessoas habitando lugares que conquistei, ainda que brevemente, vestindo “casacas” confortantes perante as tardes cinzentas que se aproximam. Elas sentam nas mesmas cadeiras, nas mesmas poltronas, visitam os mesmos cafés, conversam (quem sabe) com pessoas que conheci, fazem provavelmente perguntas inocentes que só será respondida, mais do que nunca, em um bom português. 
O outono em Portugal é como um revisitar diário à infância. Posso sentir como deve ser estar lá agora. Avós, doces e braços dados estão por todo o lado. Sim, talvez tenha sido uma questão de sorte, ter encontrado na minha trajetória lusa pessoas que tinham braços para 
EM 
TEMPO 
REAL
CANALSUBVERSA.com 
15 
me oferecer e agarrar-se aos meus, mas, ao ver as fotografias em tempo real de um Portugal no qual já não vivo, tenho a estranha sensação de que uma parte deste tempo real fica sempre muito exclusivamente, lá. 
Outro dia acordei no meio da noite assustada pois estava nas Galerias de Paris, uma rua agitada e boêmia que remonta, no ar que circula entre os casarões, épocas sobre épocas de gargalhadas, exuberância e uma diversidade de amores achados e perdidos. Era verão, estação na qual a tristeza se afasta de Portugal exatamente como as chuvas que só retornam no outono e permanecem por longos dias. 
Mais estranho do que a questão sazonal em si, foi a sensação de pertença que, no meu êxtase onírico, voltei a sentir por meu segundo país. Uma coisa é sonhar com um belo parque onde nunca estive, uma praia paradisíaca que me alivia a pressão do dia a dia, mas sonhar com a baixa do Porto foi como estar lá de verdade. Eu estava sentada descansadamente numa cadeira de alumínio dizendo aos meus amigos que seria o último copo, pois eu deveria ir para casa dormir e acordar cedo no dia seguinte para terminar a tese. Vê, como eu estava lá, e o verão era interminável? 
Sim, é incrível que mais um outono esteja chegando a Portugal, que hoje guarda mais um pedaço de vida real que lá ficou, inalcançável às fotografias e às redes sociais que demonstram o seu agora. Isso porque não há tempo real em Portugal, lá a vida é pura realidade, e não é à toa que uma grande parte da boa literatura sobreviva nesta terra. O tempo real em Portugal leva o sujeito de volta para um lugar que quer ser uma grande morada para todos e que, no meu caso, não só conseguiu, mas fez questão de jogar na minha cara o significado de uma palavra tão brasileira como a saudade.
CANALSUBVERSA.com 
16 
SAT AM 
CURITIBA, PARANÁ, BRASIL 
Pelo som que corre por minhas veias e corrompe meus ouvidos, 
Em bálsamo frio e musgoso, 
Tenebroso aos olhares vistos. 
Sua voz que em emaranhadas cobertas torna minha visão turva. 
E o som da chuva fria que cai e se choca em meu rosto, 
O som da agonia translúcida que chama a gritar, 
O som que a solidão de meus dias provoca em mim, 
Nada se compara a isso! 
Não há paz no mundo de um deus cego! 
Surdo aos clamores daqueles que se dizem seus filhos, 
Mudo aos corpos cremados e agonizantes de dor e fúria! 
Eu, que aqui estou e vos vejo, 
ATÉ TODAS 
AS ESTRELAS 
CAÍREM DA NOITE
CANALSUBVERSA.com 
17 
E te desejo o mesmo fim. 
Para você que se diz existir desde o início das estrelas, 
Você, que se diz o único do nascimento do universo até a queda de todas as constelações na noite, 
Você, a quem desejamos todas as pragas malditas deste mundo, 
Junto às almas desses pobres cães imundos que se alto declaram sua imagem. 
Certas chamas não me queimam mais! 
O corpo, a alma... "adormecidos" pelas dores e por suas falhas, 
O grito no escuro...
CANALSUBVERSA.com 
18 
VESTÍGIOS 
ESTEVAN DE NEGREIROS KETZER 
PORTO ALEGRE, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL 
Só calei depois de muito tempo. Chamam isso de cansaço, eu acho. Caminhei bastante entre os escombros e uma pequena murada. Tão leve que eu era, pulei na pilha de tijolos amontoados. Ali me atrevi a ousadia. Sentar e chorar. Foi assim até que finalmente desisti de tentar esquecer.
CANALSUBVERSA.com 
19 
PEDRO JUNG 
PORTO ALEGRE, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL 
Há singular beleza nos dias sem sol - de somente nuvens cinzentas e sequer uma vaga brisa ao sopro - beleza monoforme e cromática, donde nunca raia feixe que não do indivíduo em si e por si; dias de perscrutar um mar que não se estende aos olhos, mas adentro; aos quais a tempestade de sentimentos a mente invoca, não nuvens claras ou clarões ao céu - todos curtos e breves - sobretudo, vãos. 
DITORÂMBICOS Nº. II
CANALSUBVERSA.com 
20 
Edição e revisão: 
Morgana Rech e Tânia Ardito 
Colaboração fotográfica: 
Luciana Belinazo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Livro Itinerância Poética
Livro Itinerância PoéticaLivro Itinerância Poética
Livro Itinerância Poética
guieduca
 
Acre 012 Ouro Preto - MG
Acre 012 Ouro Preto - MGAcre 012 Ouro Preto - MG
Acre 012 Ouro Preto - MG
AMEOPOEMA Editora
 
Recanto das letras carol
Recanto das letras   carolRecanto das letras   carol
Recanto das letras carol
Rui da Silveira Cruz Ventura
 
Powerpoint 6 Modernidade E HiperestíMulo
Powerpoint 6   Modernidade E HiperestíMuloPowerpoint 6   Modernidade E HiperestíMulo
Powerpoint 6 Modernidade E HiperestíMulo
Erly Vieira Jr
 
Poemas de amor
Poemas de amorPoemas de amor
Poemas de amor
Alexandra Santos
 
Wine side stories
Wine side storiesWine side stories
Wine side stories
Vera Margarida Cunha
 
Lp 8ano
Lp 8anoLp 8ano
Versos e Obras
Versos e ObrasVersos e Obras
Versos e Obras
tchriscoutinho
 
“Grande Sertão Veredas” e a Banda de Möbius
“Grande Sertão Veredas” e a Banda de Möbius“Grande Sertão Veredas” e a Banda de Möbius
“Grande Sertão Veredas” e a Banda de Möbius
peloburaco
 
Linha cruzada - Luis Fernando Veríssimo
Linha cruzada - Luis Fernando VeríssimoLinha cruzada - Luis Fernando Veríssimo
Linha cruzada - Luis Fernando Veríssimo
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Oficinas de escrita
Oficinas de escritaOficinas de escrita
Oficinas de escrita
davidaaduarte
 
A teia de Germano
A teia de GermanoA teia de Germano
A teia de Germano
robertomundias
 
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIAMEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
Breados Online
 
Projeto rosa e lilás 2º d
Projeto rosa e lilás   2º dProjeto rosa e lilás   2º d
Projeto rosa e lilás 2º d
Sandra Cavalcanti
 
fernando pessoa
 fernando pessoa fernando pessoa
fernando pessoa
Vinicius Lutz
 
Projeto rosa e lilás 2º c - clarice lispector
Projeto rosa e lilás   2º c - clarice lispectorProjeto rosa e lilás   2º c - clarice lispector
Projeto rosa e lilás 2º c - clarice lispector
Sandra Cavalcanti
 
114592028 analise-de-poemas-de-alvaro-de-campos
114592028 analise-de-poemas-de-alvaro-de-campos114592028 analise-de-poemas-de-alvaro-de-campos
114592028 analise-de-poemas-de-alvaro-de-campos
Elizabeth Simão Miguens
 
Direct and indirect speech through Literature in English
Direct and indirect speech through Literature in EnglishDirect and indirect speech through Literature in English
Direct and indirect speech through Literature in English
Ana Polo
 
Revista Outras Farpas [terceira edição]
Revista Outras Farpas [terceira edição]Revista Outras Farpas [terceira edição]
Revista Outras Farpas [terceira edição]
Acton Lobo
 
A gávea
A gáveaA gávea
A gávea
Rober Sánchez
 

Mais procurados (20)

Livro Itinerância Poética
Livro Itinerância PoéticaLivro Itinerância Poética
Livro Itinerância Poética
 
Acre 012 Ouro Preto - MG
Acre 012 Ouro Preto - MGAcre 012 Ouro Preto - MG
Acre 012 Ouro Preto - MG
 
Recanto das letras carol
Recanto das letras   carolRecanto das letras   carol
Recanto das letras carol
 
Powerpoint 6 Modernidade E HiperestíMulo
Powerpoint 6   Modernidade E HiperestíMuloPowerpoint 6   Modernidade E HiperestíMulo
Powerpoint 6 Modernidade E HiperestíMulo
 
Poemas de amor
Poemas de amorPoemas de amor
Poemas de amor
 
Wine side stories
Wine side storiesWine side stories
Wine side stories
 
Lp 8ano
Lp 8anoLp 8ano
Lp 8ano
 
Versos e Obras
Versos e ObrasVersos e Obras
Versos e Obras
 
“Grande Sertão Veredas” e a Banda de Möbius
“Grande Sertão Veredas” e a Banda de Möbius“Grande Sertão Veredas” e a Banda de Möbius
“Grande Sertão Veredas” e a Banda de Möbius
 
Linha cruzada - Luis Fernando Veríssimo
Linha cruzada - Luis Fernando VeríssimoLinha cruzada - Luis Fernando Veríssimo
Linha cruzada - Luis Fernando Veríssimo
 
Oficinas de escrita
Oficinas de escritaOficinas de escrita
Oficinas de escrita
 
A teia de Germano
A teia de GermanoA teia de Germano
A teia de Germano
 
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIAMEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
MEMÓRIA E IDENTIDADE NAS NARRATIVAS ORAIS DA AMAZÔNIA
 
Projeto rosa e lilás 2º d
Projeto rosa e lilás   2º dProjeto rosa e lilás   2º d
Projeto rosa e lilás 2º d
 
fernando pessoa
 fernando pessoa fernando pessoa
fernando pessoa
 
Projeto rosa e lilás 2º c - clarice lispector
Projeto rosa e lilás   2º c - clarice lispectorProjeto rosa e lilás   2º c - clarice lispector
Projeto rosa e lilás 2º c - clarice lispector
 
114592028 analise-de-poemas-de-alvaro-de-campos
114592028 analise-de-poemas-de-alvaro-de-campos114592028 analise-de-poemas-de-alvaro-de-campos
114592028 analise-de-poemas-de-alvaro-de-campos
 
Direct and indirect speech through Literature in English
Direct and indirect speech through Literature in EnglishDirect and indirect speech through Literature in English
Direct and indirect speech through Literature in English
 
Revista Outras Farpas [terceira edição]
Revista Outras Farpas [terceira edição]Revista Outras Farpas [terceira edição]
Revista Outras Farpas [terceira edição]
 
A gávea
A gáveaA gávea
A gávea
 

Destaque

גל ארד / אבולוציה
גל ארד / אבולוציהגל ארד / אבולוציה
גל ארד / אבולוציה
Anochi.com.
 
frmyq.pdf
frmyq.pdffrmyq.pdf
frmyq.pdf
Jeff Smith
 
Productes immobiliaris 06-2014
Productes immobiliaris 06-2014Productes immobiliaris 06-2014
Productes immobiliaris 06-2014
Cleries Administracio de Finques SL
 
4545
45454545
4545
Ari Murti
 
xxsz7.pdf
xxsz7.pdfxxsz7.pdf
xxsz7.pdf
Jeff Smith
 
Ikastolako jaia ekainak 14
Ikastolako jaia ekainak 14Ikastolako jaia ekainak 14
Ikastolako jaia ekainak 14
Ander Deuna Ikastola
 
Bba603
Bba603Bba603
Dualboard set up poster
Dualboard set up posterDualboard set up poster
Dualboard set up poster
William McIntosh
 
Panduan pelaksanaan bridging course smp
Panduan pelaksanaan bridging course smpPanduan pelaksanaan bridging course smp
Panduan pelaksanaan bridging course smp
Nandang Sukmara
 
xxsz7.pdf
xxsz7.pdfxxsz7.pdf
xxsz7.pdf
Jeff Smith
 
Mat pmntn x ukk juni 2014.
Mat pmntn x ukk juni 2014.Mat pmntn x ukk juni 2014.
Mat pmntn x ukk juni 2014.
maudya09
 
Learn About Long Term Care
Learn About Long Term CareLearn About Long Term Care
Learn About Long Term Care
tgmoreland
 
Doubel page spraed
Doubel page spraedDoubel page spraed
Doubel page spraed
alexclare
 
Teaching simulator images
Teaching simulator imagesTeaching simulator images
Teaching simulator images
JordanSmith96
 
Doc. dr Branka Drašković, Gloria, maj 2014.
Doc. dr Branka Drašković, Gloria, maj 2014.Doc. dr Branka Drašković, Gloria, maj 2014.
Doc. dr Branka Drašković, Gloria, maj 2014.
FEFA Faculty
 
Bluze, haine la comanda, www.hainelacomanda.com
Bluze, haine la comanda, www.hainelacomanda.comBluze, haine la comanda, www.hainelacomanda.com
Bluze, haine la comanda, www.hainelacomanda.com
Luiza Branescu
 
How did you use media technologies in the construction and research, planning...
How did you use media technologies in the construction and research, planning...How did you use media technologies in the construction and research, planning...
How did you use media technologies in the construction and research, planning...
arfa4739
 
No Existe la Tal Etica de Negocios - Michael J. Josephson
No Existe la Tal Etica de Negocios - Michael J. JosephsonNo Existe la Tal Etica de Negocios - Michael J. Josephson
No Existe la Tal Etica de Negocios - Michael J. Josephson
Oscar Ayala A. International Consulting Services
 
Altea e Tagetik per la pianificazione finanziaria e patrimoniale
Altea e Tagetik per la pianificazione finanziaria e patrimonialeAltea e Tagetik per la pianificazione finanziaria e patrimoniale
Altea e Tagetik per la pianificazione finanziaria e patrimoniale
Altea SpA
 

Destaque (20)

גל ארד / אבולוציה
גל ארד / אבולוציהגל ארד / אבולוציה
גל ארד / אבולוציה
 
Banner
BannerBanner
Banner
 
frmyq.pdf
frmyq.pdffrmyq.pdf
frmyq.pdf
 
Productes immobiliaris 06-2014
Productes immobiliaris 06-2014Productes immobiliaris 06-2014
Productes immobiliaris 06-2014
 
4545
45454545
4545
 
xxsz7.pdf
xxsz7.pdfxxsz7.pdf
xxsz7.pdf
 
Ikastolako jaia ekainak 14
Ikastolako jaia ekainak 14Ikastolako jaia ekainak 14
Ikastolako jaia ekainak 14
 
Bba603
Bba603Bba603
Bba603
 
Dualboard set up poster
Dualboard set up posterDualboard set up poster
Dualboard set up poster
 
Panduan pelaksanaan bridging course smp
Panduan pelaksanaan bridging course smpPanduan pelaksanaan bridging course smp
Panduan pelaksanaan bridging course smp
 
xxsz7.pdf
xxsz7.pdfxxsz7.pdf
xxsz7.pdf
 
Mat pmntn x ukk juni 2014.
Mat pmntn x ukk juni 2014.Mat pmntn x ukk juni 2014.
Mat pmntn x ukk juni 2014.
 
Learn About Long Term Care
Learn About Long Term CareLearn About Long Term Care
Learn About Long Term Care
 
Doubel page spraed
Doubel page spraedDoubel page spraed
Doubel page spraed
 
Teaching simulator images
Teaching simulator imagesTeaching simulator images
Teaching simulator images
 
Doc. dr Branka Drašković, Gloria, maj 2014.
Doc. dr Branka Drašković, Gloria, maj 2014.Doc. dr Branka Drašković, Gloria, maj 2014.
Doc. dr Branka Drašković, Gloria, maj 2014.
 
Bluze, haine la comanda, www.hainelacomanda.com
Bluze, haine la comanda, www.hainelacomanda.comBluze, haine la comanda, www.hainelacomanda.com
Bluze, haine la comanda, www.hainelacomanda.com
 
How did you use media technologies in the construction and research, planning...
How did you use media technologies in the construction and research, planning...How did you use media technologies in the construction and research, planning...
How did you use media technologies in the construction and research, planning...
 
No Existe la Tal Etica de Negocios - Michael J. Josephson
No Existe la Tal Etica de Negocios - Michael J. JosephsonNo Existe la Tal Etica de Negocios - Michael J. Josephson
No Existe la Tal Etica de Negocios - Michael J. Josephson
 
Altea e Tagetik per la pianificazione finanziaria e patrimoniale
Altea e Tagetik per la pianificazione finanziaria e patrimonialeAltea e Tagetik per la pianificazione finanziaria e patrimoniale
Altea e Tagetik per la pianificazione finanziaria e patrimoniale
 

Semelhante a Revista subversa 6ª ed.

Acre e-book #22 (julho, agosto, setembro 2021)
Acre e-book #22 (julho, agosto, setembro 2021)Acre e-book #22 (julho, agosto, setembro 2021)
Acre e-book #22 (julho, agosto, setembro 2021)
AMEOPOEMA Editora
 
Obra literária "O caçador de palavras" de Walcyr Carrasco
Obra literária "O caçador de palavras" de Walcyr CarrascoObra literária "O caçador de palavras" de Walcyr Carrasco
Obra literária "O caçador de palavras" de Walcyr Carrasco
IEE Wilcam
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
Fabi
 
A teia de Germano (primeiro capítulo)
A teia de Germano (primeiro capítulo)A teia de Germano (primeiro capítulo)
A teia de Germano (primeiro capítulo)
robertomundias
 
Duas Crônicas Poéticas de Pedro Chagas Freitas
Duas Crônicas Poéticas de Pedro Chagas FreitasDuas Crônicas Poéticas de Pedro Chagas Freitas
Duas Crônicas Poéticas de Pedro Chagas Freitas
Giba Canto
 
Duas Crônicas Poéticas de Pedro Chagas Freitas
Duas Crônicas Poéticas de Pedro Chagas FreitasDuas Crônicas Poéticas de Pedro Chagas Freitas
Duas Crônicas Poéticas de Pedro Chagas Freitas
Gilberto Canto
 
Noite profunda
Noite profundaNoite profunda
Noite profunda
Carol Cardoso
 
Noite profunda
Noite profundaNoite profunda
Noite profunda
Carol Cardoso
 
2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) 2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945)
Andriane Cursino
 
Uma lua de urano
Uma lua de uranoUma lua de urano
Uma lua de urano
Rafa Rodriguez
 
Portfolio cláudia lopes 2011
Portfolio cláudia lopes 2011Portfolio cláudia lopes 2011
Portfolio cláudia lopes 2011
encontroartistasnovos
 
Epopéia do meu amor
Epopéia do meu amorEpopéia do meu amor
Epopéia do meu amor
wilkerfilipel
 
Suplemento acre 0011 e book
Suplemento acre 0011 e book Suplemento acre 0011 e book
Suplemento acre 0011 e book
AMEOPOEMA Editora
 
A persistência das memórias
A persistência das memóriasA persistência das memórias
A persistência das memórias
escritamemorialistica
 
A superfície do mundo, Sarah Vervloet (2016)
A superfície do mundo, Sarah Vervloet (2016)A superfície do mundo, Sarah Vervloet (2016)
A superfície do mundo, Sarah Vervloet (2016)
Sarah Vervloet
 
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
Hadassa Castro
 
Carla (poesia)
Carla (poesia)Carla (poesia)
Carla (poesia)
Roosevelt F. Abrantes
 
Acre 3ª edição (março maio 2014)
Acre 3ª edição (março maio 2014)Acre 3ª edição (março maio 2014)
Acre 3ª edição (março maio 2014)
AMEOPOEMA Editora
 
Modernismo 2ª fase (Poesia)
Modernismo  2ª fase (Poesia)Modernismo  2ª fase (Poesia)
Modernismo 2ª fase (Poesia)
Cynthia Funchal
 
E-book O Mosaico dos Raros
E-book O Mosaico dos Raros E-book O Mosaico dos Raros
E-book O Mosaico dos Raros
Lara Utzig
 

Semelhante a Revista subversa 6ª ed. (20)

Acre e-book #22 (julho, agosto, setembro 2021)
Acre e-book #22 (julho, agosto, setembro 2021)Acre e-book #22 (julho, agosto, setembro 2021)
Acre e-book #22 (julho, agosto, setembro 2021)
 
Obra literária "O caçador de palavras" de Walcyr Carrasco
Obra literária "O caçador de palavras" de Walcyr CarrascoObra literária "O caçador de palavras" de Walcyr Carrasco
Obra literária "O caçador de palavras" de Walcyr Carrasco
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
 
A teia de Germano (primeiro capítulo)
A teia de Germano (primeiro capítulo)A teia de Germano (primeiro capítulo)
A teia de Germano (primeiro capítulo)
 
Duas Crônicas Poéticas de Pedro Chagas Freitas
Duas Crônicas Poéticas de Pedro Chagas FreitasDuas Crônicas Poéticas de Pedro Chagas Freitas
Duas Crônicas Poéticas de Pedro Chagas Freitas
 
Duas Crônicas Poéticas de Pedro Chagas Freitas
Duas Crônicas Poéticas de Pedro Chagas FreitasDuas Crônicas Poéticas de Pedro Chagas Freitas
Duas Crônicas Poéticas de Pedro Chagas Freitas
 
Noite profunda
Noite profundaNoite profunda
Noite profunda
 
Noite profunda
Noite profundaNoite profunda
Noite profunda
 
2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945) 2ª fase Modernismo (1930-1945)
2ª fase Modernismo (1930-1945)
 
Uma lua de urano
Uma lua de uranoUma lua de urano
Uma lua de urano
 
Portfolio cláudia lopes 2011
Portfolio cláudia lopes 2011Portfolio cláudia lopes 2011
Portfolio cláudia lopes 2011
 
Epopéia do meu amor
Epopéia do meu amorEpopéia do meu amor
Epopéia do meu amor
 
Suplemento acre 0011 e book
Suplemento acre 0011 e book Suplemento acre 0011 e book
Suplemento acre 0011 e book
 
A persistência das memórias
A persistência das memóriasA persistência das memórias
A persistência das memórias
 
A superfície do mundo, Sarah Vervloet (2016)
A superfície do mundo, Sarah Vervloet (2016)A superfície do mundo, Sarah Vervloet (2016)
A superfície do mundo, Sarah Vervloet (2016)
 
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - LiteraturaA Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
A Geração De 45 - Prof. Kelly Mendes - Literatura
 
Carla (poesia)
Carla (poesia)Carla (poesia)
Carla (poesia)
 
Acre 3ª edição (março maio 2014)
Acre 3ª edição (março maio 2014)Acre 3ª edição (março maio 2014)
Acre 3ª edição (março maio 2014)
 
Modernismo 2ª fase (Poesia)
Modernismo  2ª fase (Poesia)Modernismo  2ª fase (Poesia)
Modernismo 2ª fase (Poesia)
 
E-book O Mosaico dos Raros
E-book O Mosaico dos Raros E-book O Mosaico dos Raros
E-book O Mosaico dos Raros
 

Revista subversa 6ª ed.

  • 1. ERIC COSTA | TÂNIA ARDITO GABRIELA RUGGIERO NOR | ANDRÉ VICTOR MARQUES ESTEVAN DE NEGREIROS KETZER | SAT AM MORGANA RECH | PEDRO JUNG 6ª Edição | NOV 2014
  • 2. WWW.FACEBOOK.COM/CANALSUBVERSA CONTATO.SUBVERSA@GMAIL.COM @CanalSubversa SubVersa | literatura luso-brasileira | © originalmente publicado em Novembro de 2014 sob o título de SubVersa © 6ª Edição Responsáveis técnicas: Morgana Rech e Tânia Ardito Os colaboradores preservam seu direito de serem identificados e citados como autores desta obra.
  • 3. 6ª Edição Novembro de 2014 ERIC COSTA | CRIATIVIDADE | 4 ANDRÉ VITOR MARQUES | ME PERMITA | 6 GABRIELA RUGGIERO NOR | SEU NOME |8 TÂNIA ARDITO | AZULEJOS |12 MORGANA RECH | EM TEMPO REAL |14 SAT AM | ATÉ TODAS AS ESTRELAS CAÍREM NA NOITE | 16 ESTEVAN DE NEGREIROS KETZER | VESTÍGIOS | 18 PEDRO JUNG | DITORÂMBICOS N. II |19
  • 4. CANALSUBVERSA.com 4 ERIC COSTA SÃO LUIS, MARANHÃO, BRASIL. E a criatividade do ser humano? Não há quem me faça pensar que ela não está inferior a outrora. Se Jacques Bossuet disse ser a contemplação a janela e olhos da alma, não vejo outra explicação para tal paradoxo da humanidade. E o paradoxo não é entre a criatividade atual e a de outrora. É o paradoxo no que vivemos hoje. O ser humano especializou-se em duas rotinas: buscar inovações e cair no mais do mesmo. E, acreditem, elas coexistem. Sempre procuramos inovações em nossa busca por conhecimento. Em uma velocidade e disposição desenfreadas, diga-se de passagem. Quando não produzimos conhecimento, estamos insatisfeitos com a velocidade que os artigos científicos chegam às revistas. Quando produzimos, achamos que poderíamos fazer mais. A inovação dita o dia-a-dia. Novas formas de conhecer, novas CRIATIVIDADE
  • 5. CANALSUBVERSA.com 5 formas de até mesmo fazer outros conhecerem movem nosso cotidiano. Pena que mesma vontade não se reflete no autoconhecimento. Quantos nessa desenfreada corrida pelo lucro e conhecimento param e refletem acerca de si mesmo? O “eu”, que está aqui, que é você, é mais distante e menos palpável do que pesquisar a função da proteína das células da mucosa do rabo da salamandra, às vezes.(!!!) Se os grandes pensadores faziam da contemplação uma rotina, inevitável associar a ausência de autoconhecimento atual a falta de momentos de reflexão. Talvez até falte o que contemplar para muitos de nós, solenemente imersos em selvas de pedra sem fim. O homem de hoje pensa mais. Sim, pensa bem mais. O homem, de séculos atrás, que contemplava a natureza, pensava com mais inteligência e conhecia-se primeiro para conhecer mais depois. Jacques Bossuet falou dos olhos da alma na contemplação. Victor Hugo, porém, disse e diria de novo que contemplar o mar, em certas ocasiões, é sorver um veneno. Ah, a oração intercalada. Tudo ali, entre vírgulas. Porque o mar ao qual Victor Hugo se refere talvez seja não o de sua época, mas o de hoje: o ser humano, que só contempla o mar da produtividade, do lucro e do próprio capital, sorve um incrível veneno. Veneno mortal de uma sociedade oriunda de si próprio. Produzimos, criamos, mas conhecemos mais o alheio do que o próprio. Vivemos? Ora em acepção física do termo. Ora, muito raramente, na acepção mais plena. E, no fim de tudo, nos envenenamos: afogamo-nos em nossas próprias criações e entranhas.
  • 6. CANALSUBVERSA.com 6 ANDRÉ VICTOR MARQUES RIO DE JANEIRO, RIO DE JANEIRO, BRASIL Olhou e sentiu aquele arrepiar, de desconstruir qualquer possível ideia de fingimento. Foi espontâneo, foi mágico. Foi algo que nem ele mesmo soube dizer o que era. Viveu a vida a procurar. Se entregou nessa procura incansável, nessa rotina de busca implacável. E foi então, que estranhamente, construiu todo seu império de sonhos. Todas as suas fantasias vieram à realidade. Havia conseguido seu amor: seu amor correspondido, sua solidão retirada, sua vaidade aguçada. Seu coração transbordava. Sentiu como se tudo, absolutamente tudo, fosse infinito. Até mesmo as horas, que se passavam como a máquina a correr na cidade moderna, era infinito. Os instantes curtos e rápidos, tornou-se uma vida inteira, um carnaval a ser contemplado. Seu amor, era sua fantasia, sua fantasia mais bonita de todas. Esqueceu-se, até, da triste roupa cinza e sem graça, que a solidão lhe vestia. Mas desconsertadamente, assim como tudo foi construído, passou a ser temido. Agora era tanta correria, ainda se viam, mas com a triste sensação de tudo acabar. De tudo se desmoronar. O trem parou, seus olhares se cruzaram, em rápidos e decisivos minutos, e tudo se ME PERMITA
  • 7. CANALSUBVERSA.com 7 descortinou, tudo virou fumaça. Seu amor desceu, e ele, que ficou, se despiu de forma tão bruta, grosseira. Ainda tentou avistar pela janela, mas agora começavam a ganhar velocidade, andando rumo ao próximo destino. Seu olhar voltou ao vácuo, ao nada, sem profundidade, eram somente lamentações. Seus olhares cruzados, fixados na alma de cada um, foi a realidade imaginada. Tudo ali se fez. Tudo ali virou tudo. Seu amor não lhe permitiu, ele deixou-se levar. Num desencontro, o tudo agora era nada. Eram somente lembranças de um passado acontecido quase agora. Permitiu-se amar tão humanamente, inteiramente. Ficou entregue. Mas deixou de se conectar, deixou de amar no momento que perdeu de vista, na rapidez com que um cisco vai encontrar o chão. Vestiu seu uniforme cinza novamente e se perdeu. Seu mar de solidão já havia preenchido tudo. Seu corpo era tomado pela inércia. Transformou-se num náufrago. Um náufrago só.
  • 8. CANALSUBVERSA.com 8 GABRIELA RUGGIERO NOR SÃO PAULO, SÃO PAULO, BRASIL Foi outro dia que seu nome foi parar na minha língua, quase saindo da boca, quase invadindo ar e mundo. Mas eu, que num instante sentira o estômago se retorcer em falta, busquei alento no gosto fervido em memória e segui caminhando; mas eram seus passos que eu repetia, após cada esquina cruzada, um sinal, e mal sei como cheguei em casa depois de tanto lutar contra as letras que escorriam cálidas, uma após a outra; mas eu disse: - Eu moro na rua Flórida número 165 – procuro a rua Flórida número 165 – o senhor pode por favor me ajudar?, num soco só, letra atropelando letra. Ele me indicou o caminho e com as mãos tremendo eu girei a chave do meu apartamento, que é no prédio da Rua Flórida, no décimo andar. Ninguém mais me viu entrar em casa fugida. No meu quarto há estantes de livros meus e há também os livros que você deixou. Eu os guardo debaixo da cama e quando não posso dormir folheio as páginas que discutimos juntos. Ali está sua letra, seu SEU NOME
  • 9. CANALSUBVERSA.com 9 nome, sua caligrafia vacilante, torcida para a esquerda, seus floreios para as letras maiúsculas e as diferentes cores para marcar as passagens mais bonitas. E quantas vezes não estávamos tão cansados depois do trabalho, mas ao chegar em meu quarto, quando você vinha me ver, e eu cozinhava para nós dois, e você abria o vinho, e eu fingia não saber usar o saca rolhas, só para elogiar sua perícia, e depois deitávamos e o abajur cintilava em suas pálpebras calmas de homem calmo, e nós, mesmo cansados, líamos algumas dúzias de frases e o encanto se fazia, a pele tocava o livro que tocava o corpo que tocava a cama. De madrugada era tropeçar na pilha de livros, ao beber água, e lembrar dos momentos anteriores enquanto os goles gelados iam lavando o vinho do corpo, e lá fora um ônibus anunciava o recomeço do dia; assim foi que diversas páginas dos seus livros ficaram marcadas, mas também eram seus dedos enterrados em mim que depois passavam pelas margens enquanto você alcançava a taça ao lado da escrivaninha, e depois os cheiros se misturaram às folhas dos livros e hoje é difícil ler certas coisas sem lembrar de você, sem que eu mesma não me sinta como a personagem infame de um romance de banca. Às vezes, também viajávamos e então era a música que ditava a nossa postura, e íamos das odes melancólicas ao som mais pesado e insuportável. O sol entrava quente pelos vidros do carro. A pele arrepiava e os corpos se tornavam informes. Uma massa de gente grudada. E por mais fundo que você viesse, nunca era suficiente: havia um ponto qualquer que não se podia alcançar. Muita fome, muita sede, muita dor, e o deslumbre contínuo do corpo, que saciava e anestesiava, até o ponto em que as palavras abafadas quase não faziam mais diferença. A indiferença entre o sim e o não. Você sabia que eu nunca havia sido tão apaixonada: você adivinhava, pelas minhas pálpebras que pulsavam e tremiam continuamente. Eu pensava que éramos de outros tempos. O seu nome explode ainda em mim.
  • 10. CANALSUBVERSA.com 10 Ancestral. Quando não havia desejo, eu duvidava de nós, mas suas mãos calmas pegavam nas minhas e sua cabeça repousava cansada em meus braços, e de pouco o choro vinha manso, você não precisava explicar, mas mesmo assim tentava, balbuciando nomes e ocorrências. Ah, você dizia, “ele”, “ela”, “a minha família”, “quando eu era mais jovem”, “o meu trabalho”, “aquele dia em que você”, eu te ouvia no desespero de não ajudar, pois não se compreende inteiramente o sofrimento do outro, eu não entendia, mas eu sofria tanto junto, e você se afogava no meu peito, naqueles momentos eu me sentia cuidando de você, mas você sempre soube que éramos uma dupla de elos frágeis, como é difícil o encontro de iguais. Eu também tentava te dizer da minha dor, eu também tentava te falar da minha angústia, ou da sensação perpétua de observar o mundo sem estar de fato nele. Você estava nele, tanto. Não pôde me guiar para dentro. Esta não é a responsabilidade de um homem. Eu tentava te dizer o que era ter crescido à sombra, o que era estar sempre à margem, mas as palavras que saíam de minha boca eram “minha avó”, “o meu pai”, “houve um dia”. E a frase permanecia incompleta no silêncio. Infinitamente suspensa. O nosso entendimento sempre foi de corpo, veja como a vida é, os dois tão apaixonados pelas palavras e pelos sons, eu dizia, “encantamento”, e você me chamava de bruxa, cada palavra que eu dizia era um gozo a mais na boca, cada sílaba formando uma nova pessoa e um novo continente, mas quando eram espontâneas machucavam: você dizia, “dor”, eu entendia que era eu, e assim se formava um zumbido, amor, foi se formando um zumbido que ensurdeceu o que havia de real, a parede foi ficando cada vez mais espessa, ao ponto de não podermos mais trocar palavras, mas só carinhos, ou ler a literatura que era sempre segura; sempre segura
  • 11. CANALSUBVERSA.com 11 porque apesar de ser nossa não eram nossas palavras, assim como quando você me chamava de cachorra, de putinha, e dizia impropérios e absurdos, e segurava minha cabeça, e rompia feliz meu corpo como se eu fosse virgem – não éramos nós – e eu sofregamente ia a seu encontro, porque era seguro, porque era bom, porque não era exatamente você. Mas era o que eu tinha, afinal. Pedaços seus. Um dia a parede ficou difícil demais de se atravessar, eu ouvia ao longe alguns ruídos, minha voz eu sei que te chegava subterrânea, minha figura embaçada, sem que nos pudéssemos ver direito. O para sempre preso novamente na incompreensão. E em vez de sentir aquela descarga de energia que rotineiramente me toma com as rupturas, senti o despegar leve de um membro: lá se foi a perna, lá se foi meu corpo, lá se foi ao longe. Imagino você caminhando anônimo pelo mundo que te pertence: caminhando anônimo, ninguém te conhece, ninguém sabe os atalhos, ninguém sabe seus inícios. Com o desabar do muro o seu nome veio morar em mim. Você vaga com meu endereço jorrando dos dentes, e eu caminho perdida pela cidade que tem só seu nome como sinal.
  • 12. CANALSUBVERSA.com 12 TÂNIA ARDITO SÃO PAULO – PORTO Olhem que lindo este painel de azulejo! – Foi o que a guia acabou de dizer, mas se você estivesse aqui, não estaria prestando atenção ao que foi dito, aliás, como era de costume, você nunca dava ouvidos ao que ninguém dizia, sim ninguém… nem a mim. Realmente, o painel é lindo… todo o lugar… marca o esplendor de uma Era… e, que voltas deram para que esta Era acontecesse… mortes, conspirações… e está inaugurada a Era Manuelina… com a sua nova forma de entender o mundo. Entender… nunca vou conseguir entender… por mais que o tempo passe… não dá para entender… não podia ter sido de outra forma? Com tantas saídas e foi logo justamente escolher essa… queria entender… País do azulejo… alguém falou algo sobre isso… acho que foi a guia novamente… tenho que me juntar ao grupo… você também poderia estar aqui… agora eu ri de mim… AZULEJOS
  • 13. CANALSUBVERSA.com 13 provavelmente não estaria prestando atenção a azulejo nenhum… e eu te cutucando o tempo todo… nem prestaria atenção a este painel que é formado por 1384 azulejos e que já mudou várias vezes de endereço para continuar representando a Vida… por que você também não mudou de lugar para preservar a Vida? Escolher ao seu contrário… não entendo… este medo de enfrentar… de se olhar… Cena de caça… a armadilha é montada com um espelho… a onça não resistirá a olhar-se… será isso? Não conseguiu olhar e encarar a si próprio, era tão doloroso… tão vergonhoso... Por isso montou a sua própria armadilha… pensou que desta forma resolveria tudo… país do azulejo… aqui há igrejas todas decoradas de azulejos, tirei muitas fotos… um dia te mostro... Queria que estivesse vendo isto… é toda azule… azul… é a sua cor preferida, né? Agora chegamos aos frontais… neles está representada a fauna… pavão… tái um bicho que combina com você… orgulhoso da própria beleza… representa a ressurreição de Cristo… como queria que você ressurgisse… imortalidade… era isso que buscava? A imortalidade… egoísta… sim egoísta! Pensou que desta forma acabaria com a dor… não pensou que a dor assim como a alma é imortal… egoísta… não passou pela sua cabeça que eu sentiria tanta dor? Acho que por isso vim para cá… uma maneira de iludir-me dia após dia… que a dor não existe… que tudo esta tal e qual… iludir-me que se um dia voltar com fotos, postais e presentes… e na ansiedade de contar tudo o que vi… você com o seu ar distraído me perguntaria… e então, comprou o azulejo?
  • 14. CANALSUBVERSA.com 14 MORGANA RECH PORTO ALEGRE, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL É incrível que mais um outono já esteja chegando a Portugal. Do outro lado do mundo vejo fotografias da cidade onde renasci e que trazem consigo um pedaço da minha nova nação. Tão contraditório é ter a experiência de pertença a uma nova pátria e ela permanecer do outro lado do oceano! Por mais que Portugal tenha vindo, em espírito, no meu novo corpo que pegou o avião, a vida e o cotidiano português estão lá, vivendo continuamente sem mim. Posso ver hoje outras pessoas habitando lugares que conquistei, ainda que brevemente, vestindo “casacas” confortantes perante as tardes cinzentas que se aproximam. Elas sentam nas mesmas cadeiras, nas mesmas poltronas, visitam os mesmos cafés, conversam (quem sabe) com pessoas que conheci, fazem provavelmente perguntas inocentes que só será respondida, mais do que nunca, em um bom português. O outono em Portugal é como um revisitar diário à infância. Posso sentir como deve ser estar lá agora. Avós, doces e braços dados estão por todo o lado. Sim, talvez tenha sido uma questão de sorte, ter encontrado na minha trajetória lusa pessoas que tinham braços para EM TEMPO REAL
  • 15. CANALSUBVERSA.com 15 me oferecer e agarrar-se aos meus, mas, ao ver as fotografias em tempo real de um Portugal no qual já não vivo, tenho a estranha sensação de que uma parte deste tempo real fica sempre muito exclusivamente, lá. Outro dia acordei no meio da noite assustada pois estava nas Galerias de Paris, uma rua agitada e boêmia que remonta, no ar que circula entre os casarões, épocas sobre épocas de gargalhadas, exuberância e uma diversidade de amores achados e perdidos. Era verão, estação na qual a tristeza se afasta de Portugal exatamente como as chuvas que só retornam no outono e permanecem por longos dias. Mais estranho do que a questão sazonal em si, foi a sensação de pertença que, no meu êxtase onírico, voltei a sentir por meu segundo país. Uma coisa é sonhar com um belo parque onde nunca estive, uma praia paradisíaca que me alivia a pressão do dia a dia, mas sonhar com a baixa do Porto foi como estar lá de verdade. Eu estava sentada descansadamente numa cadeira de alumínio dizendo aos meus amigos que seria o último copo, pois eu deveria ir para casa dormir e acordar cedo no dia seguinte para terminar a tese. Vê, como eu estava lá, e o verão era interminável? Sim, é incrível que mais um outono esteja chegando a Portugal, que hoje guarda mais um pedaço de vida real que lá ficou, inalcançável às fotografias e às redes sociais que demonstram o seu agora. Isso porque não há tempo real em Portugal, lá a vida é pura realidade, e não é à toa que uma grande parte da boa literatura sobreviva nesta terra. O tempo real em Portugal leva o sujeito de volta para um lugar que quer ser uma grande morada para todos e que, no meu caso, não só conseguiu, mas fez questão de jogar na minha cara o significado de uma palavra tão brasileira como a saudade.
  • 16. CANALSUBVERSA.com 16 SAT AM CURITIBA, PARANÁ, BRASIL Pelo som que corre por minhas veias e corrompe meus ouvidos, Em bálsamo frio e musgoso, Tenebroso aos olhares vistos. Sua voz que em emaranhadas cobertas torna minha visão turva. E o som da chuva fria que cai e se choca em meu rosto, O som da agonia translúcida que chama a gritar, O som que a solidão de meus dias provoca em mim, Nada se compara a isso! Não há paz no mundo de um deus cego! Surdo aos clamores daqueles que se dizem seus filhos, Mudo aos corpos cremados e agonizantes de dor e fúria! Eu, que aqui estou e vos vejo, ATÉ TODAS AS ESTRELAS CAÍREM DA NOITE
  • 17. CANALSUBVERSA.com 17 E te desejo o mesmo fim. Para você que se diz existir desde o início das estrelas, Você, que se diz o único do nascimento do universo até a queda de todas as constelações na noite, Você, a quem desejamos todas as pragas malditas deste mundo, Junto às almas desses pobres cães imundos que se alto declaram sua imagem. Certas chamas não me queimam mais! O corpo, a alma... "adormecidos" pelas dores e por suas falhas, O grito no escuro...
  • 18. CANALSUBVERSA.com 18 VESTÍGIOS ESTEVAN DE NEGREIROS KETZER PORTO ALEGRE, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL Só calei depois de muito tempo. Chamam isso de cansaço, eu acho. Caminhei bastante entre os escombros e uma pequena murada. Tão leve que eu era, pulei na pilha de tijolos amontoados. Ali me atrevi a ousadia. Sentar e chorar. Foi assim até que finalmente desisti de tentar esquecer.
  • 19. CANALSUBVERSA.com 19 PEDRO JUNG PORTO ALEGRE, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL Há singular beleza nos dias sem sol - de somente nuvens cinzentas e sequer uma vaga brisa ao sopro - beleza monoforme e cromática, donde nunca raia feixe que não do indivíduo em si e por si; dias de perscrutar um mar que não se estende aos olhos, mas adentro; aos quais a tempestade de sentimentos a mente invoca, não nuvens claras ou clarões ao céu - todos curtos e breves - sobretudo, vãos. DITORÂMBICOS Nº. II
  • 20. CANALSUBVERSA.com 20 Edição e revisão: Morgana Rech e Tânia Ardito Colaboração fotográfica: Luciana Belinazo