SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Baixar para ler offline
Intemperismo e a formação dos
solos

 Professor:
 Elias Nascentes Borges
 Grupo GB1:
 Henrique Francisco Pires
 Leonardo Ramos Machado
 Maria Laura Ferreira Soares Alves
 Leandro Esteves de Melo
 Gustavo Fernandes da Silva
 Giovana Damianna Martins de Oliveira
 Izabela Fernandes e Silva.

Regolito ou Manto de
Intemperização

 É o conjunto de modificações de ordem física
(desagregação) e química (decomposição) que as rochas
sofrem ao aflorar na superfície da Terra.
 Fatores que influenciam o Intemperismo:
 Clima (temperatura e chuvas);
 Relevo (infiltração e drenagem da água);
 Fauna e Flora (matéria orgânica e remobilização de
materiais);
 Material de Origem (resistência ao intemperismo) ;
 Tempo (exposição aos agentes intempéricos).
Mas o que é Intemperismo?

 Desagregação de fragmentos cada vez menores
 Conservando as características de seus minerais
 Aumentando a superfície de contato dos fragmentos
 Colabora com o intemperismo químico
 Mais intenso em regiões desérticas e de clima
semiárido.
Intemperismo Físico

Intemperismo
Físico
Químico
Congelamento
Cristalização de Sais
Variação de
Temperatura
Alívio de Pressão
Crescimento de
Raízes
Intemperismo Físico

Congelamento

 Dias e noites, inverno e verão e pressões elevadas causam
expansão e contração ocasionando fragmentação dos
minerais, rachaduras nas rochas e penetração de
umidade.
Variações de Temperatura

 Os sais das rochas solúveis em água são levados à
atmosfera e quando precipitados em fendas tendem a
alargar estas fendas e promovem a desagregação das
rochas.
Cristalização de Sais
Alívio de
Pressão

 Fragmentação da rocha provocada pela pressão
exercida pelas raízes que crescem em suas fissuras.
Crescimento de Raízes

 Reações químicas que desmantelam o arranjo
original dos cristais dos quais se desprendem alguns
dos elementos químicos que estavam retidos na
estrutura original.
Intemperismo Químico

 O mecanismo do intemperismo químico consiste na troca
lenta e gradual de íons, durante milhares (ou milhões) de
anos entre os solutos e os colóides das águas de infiltração
de um lado e os minerais das rochas de outro lado.
Predomina em climas úmidos.
 Mineral I + Solução de alteração → Mineral II + Solução
de lixiviação
 Estas reações estão sujeitas às leis do equilíbrio químico e
as oscilações ambientais, como a própria água, que se
retirada ou adicionada poderá acelerar ou retardar a
reação.
Intemperismo Químico
  Nos ambientes onde os
pH's das águas
percolantes variam de 5 a
9 , as principais reações
do intemperismo são:
Intemperismo Químico
Intemperismo
Físico
Químico
Hidratação
Dissolução
Hidrólise
Acidólise
Oxidação

 A hidratação ocorre pela atração dos dipolos das
moléculas de água e as cargas elétricas não neutralizadas
das superfícies dos grãos. Na hidratação moléculas de
água entram na estrutura mineral modificando-a e
formando, portanto, um novo mineral.
Hidratação

 Transformação total do mineral em compostos solúveis.
 Exemplo: Carbonatos – Mineral calcita CaCO3
Dissolução

 É a reação química entre o mineral e a água, ou seja
entre os íons H+ e OH- da água e os íons do mineral.
Hidrólise
Olivina Água Dióxido de Íons em Ácido silícico
carbono solução

 A sílica, apesar de pouco
solúvel na faixa de pH da
hidrólise, pode ser
totalmente eliminada se as
soluções de alteração
permanecerem diluídas.
 Na hidrólise total, o Fe
também permanece no
perfil.
Hidrólise Total

 Drenagem menos eficiente, parte da sílica
permanece no perfil.
 100% do potássio são eliminados em reação.
o 2KAISI3O3+11H20(l) SI2Al2O5(OH)4+4H4
SIO4(aq)+2K(aq)+2OH(aq)
 Formação da caulinita, com eliminação de 66% da
sílica e permanência de todo o alumínio.
Hidrólise Parcial

 Parte do potássio não é eliminado em solução.
o 2,3KAISI3O8 + 8,4H20
SI3,7AL0,3º10AL2(OH)2K0,3+3,2H4SIO4(aq)+2K(aq)+
2OH(aq).
 Formação da esmectita, com eliminação de 87% do
potássio, 46% da sílica e permanência de todo o
alumínio.
Hidrólise Parcial

Acidólise:
 É a reação de decomposição de minerais que ocorre
em ambientes de clima frio, onde a decomposição da
matéria orgânica é incompleta, formando ácidos
orgânicos que diminuem muito o pH(pH < 5) das
águas, complexando e solubilizando o Fe e o Al.

 Reação com oxigênio para formar óxidos ou com
oxigênio e água para formar hidróxidos.
 Perda de H
 Perda de elétrons
Oxidação
Pirita Sulfato de Ácido
Ferro Sulfúrico

Fatores que Influenciam a Ação
Intempérica
 Os fatores de controle são características do ambiente
onde os processos de alteração intempéricos são
realizados, no que se diz respeito à natureza,
velocidade e intensidade. São eles:
 Material Parental
 Clima
 Topografia
 Biosfera
 Tempo

 São os materiais que constituem as rochas: minerais,
texturas e estruturas.
 De acordo com mineral de origem, a rocha pode
estar mais ou menos suscetível as alterações
intempéricas.
 Pode ser de origem orgânica ou mineral.
 Ígneas ou magmáticas: intrusivas(granito),
extrusivas(basalto);
 Metamórficas: quartzito e ardósia
 Sedimentares: arenitos e argilitos
Material Parental

Clima
 É o fator que mais influência no intemperismo, sua
natureza e velocidade pois controla os dois parâmetros
climáticos mais relevantes: as precipitações e temperatura.
 Quanto maior a disponibilidade de água, mais completas
serão as reações químicas do intemperismo, influenciando
na natureza e quantidade de seus produtos.
 A temperatura ao condicionar a ação da água, pode:
acelerar as reações químicas e aumentar a evaporação,
diminuindo a quantidade de água para outros processos.

Topografia
 A topografia é o agente
que regula a velocidade
do escoamento superficial
das águas pluviais e sua
infiltração nos perfis,
levando em consideração
a cobertura vegetal.
 As reações químicas do
intemperismo ocorrem
mais intensamente nos
compartimentos do relevo
onde há boa infiltração.

 O relevo influencia nos caminhos de drenagem da água e no clima.
Pode deixar o solo protegido dos processos erosivos, como águas e
ventos, podendo também determinar microclimas .
Relevo

 O intemperismo é bastante influenciado pela ação da
biosfera.
 Com a decomposição da matéria orgânica no solo,
libera CO2 que fica concentrado no solo diminuindo o
pH das águas de infiltração. A biosfera também
participa com os líquens nas superfícies das rochas que
secretam ácidos que são atacados mais rápido pelo
intemperismo químico
 O tempo necessário para intemperizar uma rocha
depende de variados fatores.
Biosfera & Tempo

 Quanto mais jovem o solo, mais características
manterá do material original.
 Diz-se que um solo, conforme se passa o tempo
busca “maturidade”, ganhando profundidade e
tendo altos teores de argila. Contudo, tal é a
dinâmica da pedogênese e da litosfera, implica
reciclagem de materiais e paisagens, solos
dificilmente serão vistos como maduros.
Tempo

 Organismos podem desagregar o solo
mecanicamente, abrindo poros, e quimicamente,
criando ácidos. Pode, ainda, proteger o solo da
atuação direta de chuvas e erosões.
Organismos

 Reorganização dos produtos formados pelo
intemperismo sob a ação dos organismos, dando
origem a um material organizado em horizontes, com
forte associação entre a matéria mineral e orgânica.
 A fauna e a flora, ao realizarem suas funções vitais,
desempenham um papel fundamental na mobilização
de matéria e na aeração do solo.
Pedogênese

 O Intemperismo e a Pedogênese levam à formação
de um perfil de alteração ou perfil de solo.
 Subentende o desenvolvimento do perfil, com suas
camadas mais ou menos
distintas denominadas
horizontes e também
aspectos relativos à
morfogênese ou gênese
da Pedoforma.
Formação do Solo

Meio complexo e heterogêneo, produto de
intemperismo, do remanejamento e da organização
do material original (rocha, sedimento ou outro solo),
sob a ação da vida, da atmosfera e das trocas de
energia que aí se manifestam, e constituído por
quantidades variáveis de minerais, matéria orgânica,
água da zona não saturada e saturada, ar e organismos
vivos, incluindo plantas, bactérias, fungos,
protozoários, invertebrados e outros animais.
Solo

 Os solos apresentam grande diversidade
em função das diferentes combinações de
seus fatores de formação.
 A classificação é importante e essencial
pois permite estabelecer correlações entre
solos encontrados em diferentes regiões
Caracterização dos solos



 A formação dos depósitos lateríticos se dá a partir de
intensas modificações intempéricas sobre a rocha
parental ocorrendo uma convergência de fatores de
ordem litológica, climática e morfotectônica.
 Por fator litológico, entende-se a natureza da rocha
sobre a qual o intemperismo vai atuar.
Depósitos Lateríticos do Brasil


 Intemperismo e Formação do Solo. Por Maria
Cristina M. Toledo, Sônia Maria B. de Oliveira,
Adolfo J. Melfi
 Google Images
 www3.fsa.br/localuser/formsolos.pdf
 www.cesec.ufpr.br/
intemperismoeformacaodossolos.pdf
Referências

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Thamires Bragança
 
Tipos de rochas sedimentares
Tipos de rochas sedimentaresTipos de rochas sedimentares
Tipos de rochas sedimentares
Géssica Santos
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
karolpoa
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solo
daianeagricola
 

Mais procurados (20)

Solos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservaçãoSolos: origem, evolução, degradação e conservação
Solos: origem, evolução, degradação e conservação
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Aula origem dos solos
Aula  origem dos solosAula  origem dos solos
Aula origem dos solos
 
Estruturas geológicas
Estruturas geológicasEstruturas geológicas
Estruturas geológicas
 
Propriedades do Solo
Propriedades do SoloPropriedades do Solo
Propriedades do Solo
 
Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12
Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12
Intemperismo e Erosão e Movimento de Massa - Capítulos 7 e 12
 
Processo de Erosão
Processo de ErosãoProcesso de Erosão
Processo de Erosão
 
Solos 2
Solos 2Solos 2
Solos 2
 
O solo 6o ano
O solo 6o anoO solo 6o ano
O solo 6o ano
 
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
 
Morfologia spa i_2006
Morfologia spa i_2006Morfologia spa i_2006
Morfologia spa i_2006
 
Intemperismo quimico
Intemperismo quimicoIntemperismo quimico
Intemperismo quimico
 
Tipos de rochas sedimentares
Tipos de rochas sedimentaresTipos de rochas sedimentares
Tipos de rochas sedimentares
 
Geologia estrutural foliações em rochas
Geologia estrutural   foliações em rochasGeologia estrutural   foliações em rochas
Geologia estrutural foliações em rochas
 
Tipos de Rochas
Tipos de RochasTipos de Rochas
Tipos de Rochas
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
 
Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do Solo
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solo
 
Introdução a ciência do solo
Introdução a ciência do soloIntrodução a ciência do solo
Introdução a ciência do solo
 
Aula propriedades solo
Aula propriedades  soloAula propriedades  solo
Aula propriedades solo
 

Semelhante a Intemperismo e formação dos solos

Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
Mateus Ribeiro
 
Estrutura Forma Relevo
Estrutura Forma RelevoEstrutura Forma Relevo
Estrutura Forma Relevo
antoniogeo
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solosTrabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
engenhar
 
Leitura 25 comportamento dos herbicidas no solo
Leitura 25   comportamento dos herbicidas no soloLeitura 25   comportamento dos herbicidas no solo
Leitura 25 comportamento dos herbicidas no solo
Fellipe Lousada
 

Semelhante a Intemperismo e formação dos solos (20)

Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluiçãoCiências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
 
Intemperismo químico
Intemperismo químicoIntemperismo químico
Intemperismo químico
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
 
Química Ambiental
Química AmbientalQuímica Ambiental
Química Ambiental
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
 
Aula 4-química do-solo
Aula 4-química do-soloAula 4-química do-solo
Aula 4-química do-solo
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicosCiclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos
 
Estrutura Forma Relevo
Estrutura Forma RelevoEstrutura Forma Relevo
Estrutura Forma Relevo
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
Química Ambiental
Química AmbientalQuímica Ambiental
Química Ambiental
 
Macronutrientes na água oceânica
Macronutrientes na água oceânicaMacronutrientes na água oceânica
Macronutrientes na água oceânica
 
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solosTrabalho de mecânica dos solos   propriedade das particulas sólidas dos solos
Trabalho de mecânica dos solos propriedade das particulas sólidas dos solos
 
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1aAula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
 
O ciclo das rochas e a formação do solo.
O ciclo das rochas e a formação do solo.O ciclo das rochas e a formação do solo.
O ciclo das rochas e a formação do solo.
 
UNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTES
UNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTESUNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTES
UNIDADE I - SOLOS, ORIGEM, FORMAÇÃO E MINERAis CONSTITUINTES
 
Intemperismo e Saibro
Intemperismo e SaibroIntemperismo e Saibro
Intemperismo e Saibro
 
Leitura 25 comportamento dos herbicidas no solo
Leitura 25   comportamento dos herbicidas no soloLeitura 25   comportamento dos herbicidas no solo
Leitura 25 comportamento dos herbicidas no solo
 
Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos Ciclos biogeoquímicos
Ciclos biogeoquímicos
 
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º AnoResumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
Resumos Biologia Geologia (GEOLOGIA) 10º Ano
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 

Intemperismo e formação dos solos

  • 1. Intemperismo e a formação dos solos
  • 2.   Professor:  Elias Nascentes Borges  Grupo GB1:  Henrique Francisco Pires  Leonardo Ramos Machado  Maria Laura Ferreira Soares Alves  Leandro Esteves de Melo  Gustavo Fernandes da Silva  Giovana Damianna Martins de Oliveira  Izabela Fernandes e Silva.
  • 3.
  • 4.  Regolito ou Manto de Intemperização
  • 5.   É o conjunto de modificações de ordem física (desagregação) e química (decomposição) que as rochas sofrem ao aflorar na superfície da Terra.  Fatores que influenciam o Intemperismo:  Clima (temperatura e chuvas);  Relevo (infiltração e drenagem da água);  Fauna e Flora (matéria orgânica e remobilização de materiais);  Material de Origem (resistência ao intemperismo) ;  Tempo (exposição aos agentes intempéricos). Mas o que é Intemperismo?
  • 6.   Desagregação de fragmentos cada vez menores  Conservando as características de seus minerais  Aumentando a superfície de contato dos fragmentos  Colabora com o intemperismo químico  Mais intenso em regiões desérticas e de clima semiárido. Intemperismo Físico
  • 7.  Intemperismo Físico Químico Congelamento Cristalização de Sais Variação de Temperatura Alívio de Pressão Crescimento de Raízes Intemperismo Físico
  • 9.   Dias e noites, inverno e verão e pressões elevadas causam expansão e contração ocasionando fragmentação dos minerais, rachaduras nas rochas e penetração de umidade. Variações de Temperatura
  • 10.   Os sais das rochas solúveis em água são levados à atmosfera e quando precipitados em fendas tendem a alargar estas fendas e promovem a desagregação das rochas. Cristalização de Sais
  • 12.   Fragmentação da rocha provocada pela pressão exercida pelas raízes que crescem em suas fissuras. Crescimento de Raízes
  • 13.   Reações químicas que desmantelam o arranjo original dos cristais dos quais se desprendem alguns dos elementos químicos que estavam retidos na estrutura original. Intemperismo Químico
  • 14.   O mecanismo do intemperismo químico consiste na troca lenta e gradual de íons, durante milhares (ou milhões) de anos entre os solutos e os colóides das águas de infiltração de um lado e os minerais das rochas de outro lado. Predomina em climas úmidos.  Mineral I + Solução de alteração → Mineral II + Solução de lixiviação  Estas reações estão sujeitas às leis do equilíbrio químico e as oscilações ambientais, como a própria água, que se retirada ou adicionada poderá acelerar ou retardar a reação. Intemperismo Químico
  • 15.   Nos ambientes onde os pH's das águas percolantes variam de 5 a 9 , as principais reações do intemperismo são: Intemperismo Químico Intemperismo Físico Químico Hidratação Dissolução Hidrólise Acidólise Oxidação
  • 16.   A hidratação ocorre pela atração dos dipolos das moléculas de água e as cargas elétricas não neutralizadas das superfícies dos grãos. Na hidratação moléculas de água entram na estrutura mineral modificando-a e formando, portanto, um novo mineral. Hidratação
  • 17.   Transformação total do mineral em compostos solúveis.  Exemplo: Carbonatos – Mineral calcita CaCO3 Dissolução
  • 18.   É a reação química entre o mineral e a água, ou seja entre os íons H+ e OH- da água e os íons do mineral. Hidrólise Olivina Água Dióxido de Íons em Ácido silícico carbono solução
  • 19.   A sílica, apesar de pouco solúvel na faixa de pH da hidrólise, pode ser totalmente eliminada se as soluções de alteração permanecerem diluídas.  Na hidrólise total, o Fe também permanece no perfil. Hidrólise Total
  • 20.   Drenagem menos eficiente, parte da sílica permanece no perfil.  100% do potássio são eliminados em reação. o 2KAISI3O3+11H20(l) SI2Al2O5(OH)4+4H4 SIO4(aq)+2K(aq)+2OH(aq)  Formação da caulinita, com eliminação de 66% da sílica e permanência de todo o alumínio. Hidrólise Parcial
  • 21.   Parte do potássio não é eliminado em solução. o 2,3KAISI3O8 + 8,4H20 SI3,7AL0,3º10AL2(OH)2K0,3+3,2H4SIO4(aq)+2K(aq)+ 2OH(aq).  Formação da esmectita, com eliminação de 87% do potássio, 46% da sílica e permanência de todo o alumínio. Hidrólise Parcial
  • 22.  Acidólise:  É a reação de decomposição de minerais que ocorre em ambientes de clima frio, onde a decomposição da matéria orgânica é incompleta, formando ácidos orgânicos que diminuem muito o pH(pH < 5) das águas, complexando e solubilizando o Fe e o Al.
  • 23.
  • 24.   Reação com oxigênio para formar óxidos ou com oxigênio e água para formar hidróxidos.  Perda de H  Perda de elétrons Oxidação Pirita Sulfato de Ácido Ferro Sulfúrico
  • 25.  Fatores que Influenciam a Ação Intempérica  Os fatores de controle são características do ambiente onde os processos de alteração intempéricos são realizados, no que se diz respeito à natureza, velocidade e intensidade. São eles:  Material Parental  Clima  Topografia  Biosfera  Tempo
  • 26.   São os materiais que constituem as rochas: minerais, texturas e estruturas.  De acordo com mineral de origem, a rocha pode estar mais ou menos suscetível as alterações intempéricas.  Pode ser de origem orgânica ou mineral.  Ígneas ou magmáticas: intrusivas(granito), extrusivas(basalto);  Metamórficas: quartzito e ardósia  Sedimentares: arenitos e argilitos Material Parental
  • 27.  Clima  É o fator que mais influência no intemperismo, sua natureza e velocidade pois controla os dois parâmetros climáticos mais relevantes: as precipitações e temperatura.  Quanto maior a disponibilidade de água, mais completas serão as reações químicas do intemperismo, influenciando na natureza e quantidade de seus produtos.  A temperatura ao condicionar a ação da água, pode: acelerar as reações químicas e aumentar a evaporação, diminuindo a quantidade de água para outros processos.
  • 28.  Topografia  A topografia é o agente que regula a velocidade do escoamento superficial das águas pluviais e sua infiltração nos perfis, levando em consideração a cobertura vegetal.  As reações químicas do intemperismo ocorrem mais intensamente nos compartimentos do relevo onde há boa infiltração.
  • 29.   O relevo influencia nos caminhos de drenagem da água e no clima. Pode deixar o solo protegido dos processos erosivos, como águas e ventos, podendo também determinar microclimas . Relevo
  • 30.   O intemperismo é bastante influenciado pela ação da biosfera.  Com a decomposição da matéria orgânica no solo, libera CO2 que fica concentrado no solo diminuindo o pH das águas de infiltração. A biosfera também participa com os líquens nas superfícies das rochas que secretam ácidos que são atacados mais rápido pelo intemperismo químico  O tempo necessário para intemperizar uma rocha depende de variados fatores. Biosfera & Tempo
  • 31.   Quanto mais jovem o solo, mais características manterá do material original.  Diz-se que um solo, conforme se passa o tempo busca “maturidade”, ganhando profundidade e tendo altos teores de argila. Contudo, tal é a dinâmica da pedogênese e da litosfera, implica reciclagem de materiais e paisagens, solos dificilmente serão vistos como maduros. Tempo
  • 32.   Organismos podem desagregar o solo mecanicamente, abrindo poros, e quimicamente, criando ácidos. Pode, ainda, proteger o solo da atuação direta de chuvas e erosões. Organismos
  • 33.   Reorganização dos produtos formados pelo intemperismo sob a ação dos organismos, dando origem a um material organizado em horizontes, com forte associação entre a matéria mineral e orgânica.  A fauna e a flora, ao realizarem suas funções vitais, desempenham um papel fundamental na mobilização de matéria e na aeração do solo. Pedogênese
  • 34.   O Intemperismo e a Pedogênese levam à formação de um perfil de alteração ou perfil de solo.  Subentende o desenvolvimento do perfil, com suas camadas mais ou menos distintas denominadas horizontes e também aspectos relativos à morfogênese ou gênese da Pedoforma. Formação do Solo
  • 35.  Meio complexo e heterogêneo, produto de intemperismo, do remanejamento e da organização do material original (rocha, sedimento ou outro solo), sob a ação da vida, da atmosfera e das trocas de energia que aí se manifestam, e constituído por quantidades variáveis de minerais, matéria orgânica, água da zona não saturada e saturada, ar e organismos vivos, incluindo plantas, bactérias, fungos, protozoários, invertebrados e outros animais. Solo
  • 36.
  • 37.   Os solos apresentam grande diversidade em função das diferentes combinações de seus fatores de formação.  A classificação é importante e essencial pois permite estabelecer correlações entre solos encontrados em diferentes regiões Caracterização dos solos
  • 38.
  • 39.
  • 40.   A formação dos depósitos lateríticos se dá a partir de intensas modificações intempéricas sobre a rocha parental ocorrendo uma convergência de fatores de ordem litológica, climática e morfotectônica.  Por fator litológico, entende-se a natureza da rocha sobre a qual o intemperismo vai atuar. Depósitos Lateríticos do Brasil
  • 41.
  • 42.   Intemperismo e Formação do Solo. Por Maria Cristina M. Toledo, Sônia Maria B. de Oliveira, Adolfo J. Melfi  Google Images  www3.fsa.br/localuser/formsolos.pdf  www.cesec.ufpr.br/ intemperismoeformacaodossolos.pdf Referências