SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
O SOLO
Formação e tipos
ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES:
 PEDOLOGIA: CIÊNCIA RESPONSÁVEL PELOS
ESTUDOS RELACIONADOS AOS SOLOS.
 EDAFOLOGIA: CIÊNCIA RESPONSÁVEL PELO
ESTUDO DOS SOLOS CULTIVADOS OU AGRÍCOLAS
(SEGUNDA NATUREZA).
 PEDOGÊNESE: PROCESSOS RESPONSÁVEIS PELA
ORIGEM DOS SOLOS.
 Durante a formação da Terra, a superfície não tinha o aspecto
atual.
 Era composta de grandes rochas sem vegetação.
 Estas rochas deram origem ao solo como conhecemos hoje.
PEDOGÊNESE:
 Corresponde ao processo de formação e do
desenvolvimento do perfil e dos horizontes do solo,
iniciado a partir a partir da decomposição das
rochas, auxiliado por processos físicos, químicos e
biológicos.
FATORES NATURAIS DE FORMAÇÃO DOS SOLOS
 Intemperismo Físico:
aquecimento (dilatação) e
resfriamento (compressão) das
rochas e ventos.
 Intemperismo Químico:
ação das águas na dissolução de
sedimentos em ambientes
úmidos.
 Intemperismo Biológico:
atuação da matéria orgânica
(seres vivos, vegetais, fungos,
etc.)
FATORES DE FORMAÇÃO DOS SOLOS
OS SOLOS SÃO FORMADOS A PARTIR DE CINCO FATORES NATURAIS QUE
INTERAGEM ENTRE SI:
 Primeiro fator: a rocha mãe ou matriz em
decomposição.
 Segundo fator: o clima, responsável pela
origem dos processos de intemperismos.
 Terceiro fator: os organismos vivos,
formando uma massa de matéria orgânica
decomposta.
 Quarto fator: o relevo, que através da
inclinação vai determinar a profundidade dos
solos.
 Quinto fator: a evolução do tempo, através
de processos contínuos.
 Denominamos de húmus todo o material de natureza orgânica
que sofre degradação no solo. Já o húmus de minhoca é um tipo
de adubo produzido por minhocas a partir de restos de matéria
orgânica (animais e vegetais). É a excreção desse animal.
 O húmus de minhocas é uma substância que confere uma
nutrição de qualidade para as plantas, além de prevenir algumas
doenças. Ele possui diversos nutrientes, tais como nitrogênio,
fósforo e potássio, além de alguns hormônios. Todos esses
nutrientes são facilmente absorvidos pela planta, o que torna o
húmus de minhoca muito eficiente. Vale lembrar que as
minhocas, além de produzirem esse importante adubo, são
responsáveis também pela aeração do solo e, portanto, são
ótimas para a agricultura.
PROCESSO DE FORMAÇÃO DOS SOLOS
COMPOSIÇÃO DO SOLO
COMPOSIÇÃO DO SOLO
PERFIL E HORIZONTES DO SOLO
 Um solo maduro, após sofrer meteorização
mecânica, meteorização química e
incorporação da matéria orgânica, encontra-se
dividido em camadas (horizontes). O solo deve
apresentar 4 horizontes que se podem dividir
em sub-horizontes. Ao conjunto destes
horizontes, a sua ordem e constituição dá-se o
nome de perfil pedológico.

As camadas distinguem-se pelas diferentes
características de composição química, textura,
cor, porosidade, riqueza em matéria orgânica
e/ou mineral, etc.
PROCESSO EVOLUTIVO – FORMAÇÃO DO SOLO
CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS
 Quanto à origem, os solos são
classificados em eluviais e aluviais.
 1. Eluviais: quando os solos se formam
por rochas encontradas no mesmo local
da formação, ou seja, quando a rocha que
se decompôs e se alterou para a formação
do solo se encontra no mesmo local do
solo;
 2. Aluviais: quando os solos foram
formados por rochas localizadas em
outros lugares e que graças à ação das
águas e dos ventos os sedimentos foram
transportados para outro local.
PRINCIPAIS SOLOS BRASILEIROS
 No Brasil, são encontrados quatro tipos de solo, são eles: terra roxa,
massapé, salmorão e aluviais.
 Terra roxa: corresponde a um tipo de solo de extrema fertilidade que
detém uma tonalidade avermelhada. Pode ser encontrado em Goiás,
Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e São Paulo. É originado a partir da
decomposição de rochas, nesse caso de basalto.
 Massapé: é um solo encontrado principalmente no litoral nordestino
constituído a partir da decomposição de rochas com características
minerais de gnaisses de tonalidade escura, calcários e filitos.
 Salmorão: esse tipo de solo é encontrado ao longo das regiões Sul,
Sudeste e Centro-Oeste do Brasil, é constituído pela fragmentação de
rochas graníticas e gnaisses.
 Aluviais: é um tipo de solo formado em decorrência da sedimentação
em áreas de várzea ou vales, é possível de ser encontrado em diversos
pontos do país.
PROBLEMAS NATURAIS DOS SOLOS
PROBLEMAS NATURAIS DOS SOLOS
 Esse elemento natural passa por diversas
transformações, fenômeno natural que pode ser
agravado pela ação humana. As modificações do
solo podem ser motivadas pela ação das chuvas,
dos ventos, dos rios, asfaltamento, construções de
cidades, etc.
 Áreas Tropicais são mais suscetíveis aos processos
de degradação natural dos solos, em função da
presença de índices pluviométricos mais elevados e
de chuvas mais intensas e volumosas.
PROBLEMAS NATURAIS DOS SOLOS
 Lixiviação: é uma espécie de
lavagem dos nutrientes do solo,
que ocorre quando existe o
transporte dos nutrientes do solo
pela água que se infiltra no
mesmo. Pode ser provocada pelo
desmatamento, chuvas intensas
ou uma conjugação destes dois
fatores. Este processo deixa as
camadas superficiais do solo com
baixa quantidade de nutrientes.
PROBLEMAS NATURAIS DOS SOLOS
 Laterização: processo que provoca
a formação de uma camada dura de
hidróxido de ferro ou alumínio na
superfície do solo. É causada,
principalmente, pelo escoamento
dos nutrientes do solo e pela
decomposição de rochas. O
desmatamento, que deixa o solo
mais exposto e vulnerável, pode
acelerar este processo, que
inviabiliza a prática da agricultura.
Esse tipo de solo é encontrado em
regiões quentes e úmidas, como a
Amazônia.
PROBLEMAS NATURAIS DOS SOLOS
 Solos Ácidos: os solos ácidos são
aqueles que apresentam um pH
menor do que 6,5. A acidez elevada
dos solos é provocada pela
infiltração das chuvas em regiões
com pouca cobertura vegetal. No
Brasil, as áreas que mais
apresentam solos ácidos são as
regiões Centro-Oeste e Sul. A
redução do pH diminui
consideravelmente a fertilidade dos
solos.
PROBLEMAS DOS SOLOS – CAUSAS ANTRÓPICAS
PROBLEMAS DOS SOLOS – CAUSAS ANTRÓPICAS
 Voçorocas ou Boçorocas: A
voçoroca ou boçoroca é um
fenômeno geológico que consiste
na formação de grandes buracos
(sulcos) de erosão, causados
pela chuva e intempéries, em
solos onde a vegetação é
escassa e não mais protege o
solo, que fica cascalhento e
suscetível de carregamento por
enxurradas.
 Ravinas: sulcos mais
superficiais, com menores
profundidades.
PROBLEMAS DOS SOLOS – CAUSAS ANTRÓPICAS
 Deslizamento de Terras ou
Movimentos de Massas: é na verdade
apenas uma categoria dos chamados
“movimentos de massa”: processo de
vertente que envolve o desprendimento
e transporte de solo e/ou material
rochoso encosta abaixo.
 Os deslizamentos, assim como outros
movimentos de massa, fazem parte da
dinâmica natural de transformação e
formação da crosta terrestre e estão
relacionados também a fenômenos
naturais como gravidade e variações
climáticas.
PROBLEMAS DOS SOLOS – CAUSAS ANTRÓPICAS
 Assoreamento: é o processo em
que cursos d'água são afetados
pelo acúmulo de sedimentos, o que
resulta no excesso de material
sobre o seu leito e dificulta a
navegabilidade e o seu
aproveitamento. Originalmente,
esse é um processo natural, mas
que é intensificado pelas ações
humanas, sobretudo a partir da
remoção da vegetação das
margens dos rios (matas ciliares).
PROBLEMAS DOS SOLOS – CAUSAS ANTRÓPICAS
 Salinização: ocorre em áreas muito
quentes, pois a intensa evaporação
da água vai deixando sobre a
camada superficial do solo uma
dura camada de sais.
 O Mar de Aral é testemunho de
uma grande catástrofe ambiental,
em menos de trinta anos perdeu
tamanho de forma considerável
causado pela ação antrópica, mais
especificamente pelo desvio de
parte de suas águas que foram
destinadas à irrigação.
PROBLEMAS DOS SOLOS – CAUSAS ANTRÓPICAS
 Desertificação: é a degradação dos solos, representadas
principalmente pelo uso intenso dos mesmos, que perdem
sua fertilidade em áreas de clima árido, semiárido e
subúmido, em que o índice de chuvas costuma ser baixo,
geralmente bem inferior a 1400 mm anuais de chuva.
Nesses casos, os níveis de evaporação são maiores do
que os de precipitação.
PROBLEMAS DOS SOLOS – CAUSAS ANTRÓPICAS
 Arenização: é a remoção da
cobertura vegetal e superficial
de solos que já são arenosos,
ou seja, que já apresentam
uma predisposição a se
transformarem em areais,
sendo comuns em zonas de
climas mais úmidos.
 No Brasil, o problema da
desertificação abrange, de
forma mais destacada, algumas
zonas localizadas na região
Nordeste. Já a arenização
atinge algumas cidades do Rio
Grande do Sul.
TÉCNICAS DE CONSERVAÇÃO DOS SOLOS
 O mau uso dos solos pode
ocasionar sérios danos
ambientais e econômicos,
transformando terras férteis em
áreas improdutivas e agredindo
seriamente o meio natural. Por
esse motivo, existem diversas
técnicas de cultivo e
conservação dos solos, visando
ao seu melhor aproveitando e à
sua máxima preservação.
TÉCNICAS DE CONSERVAÇÃO DOS SOLOS
 Reflorestamento e Cultivo de Plantas Nativas:
manutenção dos nutrientes e proteção às intempéries;
 Conservação das Matas Ciliares: proteção contra a
erosão fluvial e proteção das nascentes;
 Pousio: descanso da terra após um ciclo de cultivo;
 Rotação de Culturas: alternância anual de diferentes
espécies vegetais numa mesma área de cultivo, evitando o
esgotamento do solo;
TÉCNICAS DE CONSERVAÇÃO DOS SOLOS
 Plantio Direto: resíduos vegetais de cultivos anteriores
não são retirados e passam a proteger os solos;
 Associação de Culturas: cultivo simultâneo de duas ou
mais espécies vegetais, com características heterogêneas
e com a finalidade de melhor aproveitar os solos e os
sistemas de irrigação;
TÉCNICAS DE CONSERVAÇÃO DOS SOLOS
 Terraceamento: é uma técnica
agrícola de plantio elaborada para a
contenção de erosões causadas pelo
escoamento da água em áreas de
vertentes. Essa técnica é aplicada ao
parcelar uma área inclinada em várias
rampas. Com isso, as águas das
chuvas, ao escoarem
superficialmente, perdem sua força,
removendo menos sedimentos do solo
e causando menos impactos sobre
ele.
TÉCNICAS DE CONSERVAÇÃO DOS SOLOS
 Calagem: A calagem é uma
etapa do preparo do solo para o
cultivo agrícola em que materiais
de caráter básico são
adicionados ao solo para
neutralizar a sua acidez. Os
principais sais adicionados ao
solo na calagem são
o calcário e a cal virgem.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Solos
SolosSolos
Solos
 
Erosões
ErosõesErosões
Erosões
 
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
 
Tipos de Rochas
Tipos de RochasTipos de Rochas
Tipos de Rochas
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
 
Desertificação
DesertificaçãoDesertificação
Desertificação
 
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores ClimáticosClima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
 
Tipos de rochas
Tipos de rochasTipos de rochas
Tipos de rochas
 
Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.
Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.
Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.
 
O uso dos solos 7 ano
O uso dos solos 7 anoO uso dos solos 7 ano
O uso dos solos 7 ano
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Bioma: Cerrado
Bioma: CerradoBioma: Cerrado
Bioma: Cerrado
 
Tectonica Placas
Tectonica PlacasTectonica Placas
Tectonica Placas
 
Aula origem dos solos
Aula  origem dos solosAula  origem dos solos
Aula origem dos solos
 
Apresentação argissolo
Apresentação argissoloApresentação argissolo
Apresentação argissolo
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
Os fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solosOs fatores e processos de formação dos solos
Os fatores e processos de formação dos solos
 
Os Recursos Naturais
Os Recursos NaturaisOs Recursos Naturais
Os Recursos Naturais
 
Aula Geologia
Aula Geologia Aula Geologia
Aula Geologia
 

Destaque

Solo e subsolo erosão prof Ivanise Meyer
Solo e subsolo erosão prof Ivanise MeyerSolo e subsolo erosão prof Ivanise Meyer
Solo e subsolo erosão prof Ivanise MeyerIvanise Meyer
 
Geografia os tipos de solo e as formas de ocupação humana
Geografia   os tipos de solo e as formas de ocupação humanaGeografia   os tipos de solo e as formas de ocupação humana
Geografia os tipos de solo e as formas de ocupação humanaGustavo Soares
 
o sistema respiratório
o sistema respiratórioo sistema respiratório
o sistema respiratórioCatir
 
Livro projeto telaris capitulo 1 ciencias 6 ano
Livro projeto telaris capitulo 1 ciencias 6 anoLivro projeto telaris capitulo 1 ciencias 6 ano
Livro projeto telaris capitulo 1 ciencias 6 anoRenan Silva
 
Livro projeto telaris capitulo 6 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 6 ciencias 6º anoLivro projeto telaris capitulo 6 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 6 ciencias 6º anoRenan Silva
 
Sistema respiratório 8º ano
Sistema respiratório 8º anoSistema respiratório 8º ano
Sistema respiratório 8º anordsantos
 
O homem e o meio ambiente
O homem e o meio ambienteO homem e o meio ambiente
O homem e o meio ambientePaulo Gomes
 
Formação e composição do solo
Formação e composição do soloFormação e composição do solo
Formação e composição do soloNute Jpa
 
3 sistema respiratorio-pdf
3 sistema respiratorio-pdf3 sistema respiratorio-pdf
3 sistema respiratorio-pdfmarcommendes
 
I.2 O ser humano no ambiente
I.2 O ser humano no ambienteI.2 O ser humano no ambiente
I.2 O ser humano no ambienteRebeca Vale
 
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solosAula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solosLeonardo Kaplan
 
I.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambienteI.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambienteRebeca Vale
 

Destaque (20)

Solo e subsolo erosão prof Ivanise Meyer
Solo e subsolo erosão prof Ivanise MeyerSolo e subsolo erosão prof Ivanise Meyer
Solo e subsolo erosão prof Ivanise Meyer
 
Geografia os tipos de solo e as formas de ocupação humana
Geografia   os tipos de solo e as formas de ocupação humanaGeografia   os tipos de solo e as formas de ocupação humana
Geografia os tipos de solo e as formas de ocupação humana
 
Uso e ocupação do solo
Uso e ocupação do soloUso e ocupação do solo
Uso e ocupação do solo
 
Uso do Solo
Uso do SoloUso do Solo
Uso do Solo
 
o sistema respiratório
o sistema respiratórioo sistema respiratório
o sistema respiratório
 
Livro projeto telaris capitulo 1 ciencias 6 ano
Livro projeto telaris capitulo 1 ciencias 6 anoLivro projeto telaris capitulo 1 ciencias 6 ano
Livro projeto telaris capitulo 1 ciencias 6 ano
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Livro projeto telaris capitulo 6 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 6 ciencias 6º anoLivro projeto telaris capitulo 6 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 6 ciencias 6º ano
 
Tipos de-solo-6º-ano (1)
Tipos de-solo-6º-ano (1)Tipos de-solo-6º-ano (1)
Tipos de-solo-6º-ano (1)
 
Homem natureza
Homem naturezaHomem natureza
Homem natureza
 
Sistema respiratório 8º ano
Sistema respiratório 8º anoSistema respiratório 8º ano
Sistema respiratório 8º ano
 
Tipos de Poluição
Tipos de PoluiçãoTipos de Poluição
Tipos de Poluição
 
A importância dos solos
A importância dos solosA importância dos solos
A importância dos solos
 
O homem e o meio ambiente
O homem e o meio ambienteO homem e o meio ambiente
O homem e o meio ambiente
 
Formação e composição do solo
Formação e composição do soloFormação e composição do solo
Formação e composição do solo
 
3 sistema respiratorio-pdf
3 sistema respiratorio-pdf3 sistema respiratorio-pdf
3 sistema respiratorio-pdf
 
I.2 O ser humano no ambiente
I.2 O ser humano no ambienteI.2 O ser humano no ambiente
I.2 O ser humano no ambiente
 
Conservação do solo
Conservação do soloConservação do solo
Conservação do solo
 
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solosAula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
 
I.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambienteI.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambiente
 

Semelhante a Solos: origem, evolução, degradação e conservação

DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxssuser51d27c1
 
Solos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No MundoSolos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No MundoProfMario De Mori
 
A formação dos solos
A formação dos solosA formação dos solos
A formação dos solosEstude Mais
 
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).pptGilson Nachtigall
 
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluiçãoCiências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluiçãoelonvila
 
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.pptSolo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.pptGilson Nachtigall
 
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º AnoOs solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º AnoFellipe Prado
 
powerpoint-solo-100405103213-phpapp01.ppt
powerpoint-solo-100405103213-phpapp01.pptpowerpoint-solo-100405103213-phpapp01.ppt
powerpoint-solo-100405103213-phpapp01.pptRhuanPablo26
 
Solos e Recursos Minerais do Brasil e do Mundo
Solos e Recursos Minerais do Brasil e do MundoSolos e Recursos Minerais do Brasil e do Mundo
Solos e Recursos Minerais do Brasil e do MundoGiovani Leite
 

Semelhante a Solos: origem, evolução, degradação e conservação (20)

DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
 
Solos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No MundoSolos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No Mundo
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
Origem dos Solos
Origem dos SolosOrigem dos Solos
Origem dos Solos
 
A formação dos solos
A formação dos solosA formação dos solos
A formação dos solos
 
Formação dos solos.docx
Formação dos solos.docxFormação dos solos.docx
Formação dos solos.docx
 
O solo
O soloO solo
O solo
 
GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO
 
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
 
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluiçãoCiências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
 
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.pptSolo - Ciências do Ambiente.ppt
Solo - Ciências do Ambiente.ppt
 
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º AnoOs solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia  2º Ano
Os solos e seus usos - Aulas 6 e 7 Geografia 2º Ano
 
powerpoint-solo-100405103213-phpapp01.ppt
powerpoint-solo-100405103213-phpapp01.pptpowerpoint-solo-100405103213-phpapp01.ppt
powerpoint-solo-100405103213-phpapp01.ppt
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
 
Ciencias 6ano
Ciencias 6anoCiencias 6ano
Ciencias 6ano
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Solos e Recursos Minerais do Brasil e do Mundo
Solos e Recursos Minerais do Brasil e do MundoSolos e Recursos Minerais do Brasil e do Mundo
Solos e Recursos Minerais do Brasil e do Mundo
 

Mais de Rodrigo Pavesi

Classificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo BrasileiroClassificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo BrasileiroRodrigo Pavesi
 
Estrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da TerraEstrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da TerraRodrigo Pavesi
 
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo Rodrigo Pavesi
 

Mais de Rodrigo Pavesi (7)

Transportes no Brasil
Transportes no BrasilTransportes no Brasil
Transportes no Brasil
 
Fontes de Energia
Fontes de EnergiaFontes de Energia
Fontes de Energia
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
 
Classificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo BrasileiroClassificação do Relevo Brasileiro
Classificação do Relevo Brasileiro
 
Movimentos da Terra
Movimentos da TerraMovimentos da Terra
Movimentos da Terra
 
Estrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da TerraEstrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da Terra
 
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
Taylorismo, Fordismo e Toyotismo
 

Último

Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docxSílvia Carneiro
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 

Último (20)

Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 

Solos: origem, evolução, degradação e conservação

  • 2. ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES:  PEDOLOGIA: CIÊNCIA RESPONSÁVEL PELOS ESTUDOS RELACIONADOS AOS SOLOS.  EDAFOLOGIA: CIÊNCIA RESPONSÁVEL PELO ESTUDO DOS SOLOS CULTIVADOS OU AGRÍCOLAS (SEGUNDA NATUREZA).  PEDOGÊNESE: PROCESSOS RESPONSÁVEIS PELA ORIGEM DOS SOLOS.
  • 3.  Durante a formação da Terra, a superfície não tinha o aspecto atual.  Era composta de grandes rochas sem vegetação.  Estas rochas deram origem ao solo como conhecemos hoje.
  • 4. PEDOGÊNESE:  Corresponde ao processo de formação e do desenvolvimento do perfil e dos horizontes do solo, iniciado a partir a partir da decomposição das rochas, auxiliado por processos físicos, químicos e biológicos.
  • 5. FATORES NATURAIS DE FORMAÇÃO DOS SOLOS  Intemperismo Físico: aquecimento (dilatação) e resfriamento (compressão) das rochas e ventos.  Intemperismo Químico: ação das águas na dissolução de sedimentos em ambientes úmidos.  Intemperismo Biológico: atuação da matéria orgânica (seres vivos, vegetais, fungos, etc.)
  • 6. FATORES DE FORMAÇÃO DOS SOLOS OS SOLOS SÃO FORMADOS A PARTIR DE CINCO FATORES NATURAIS QUE INTERAGEM ENTRE SI:  Primeiro fator: a rocha mãe ou matriz em decomposição.  Segundo fator: o clima, responsável pela origem dos processos de intemperismos.  Terceiro fator: os organismos vivos, formando uma massa de matéria orgânica decomposta.  Quarto fator: o relevo, que através da inclinação vai determinar a profundidade dos solos.  Quinto fator: a evolução do tempo, através de processos contínuos.
  • 7.  Denominamos de húmus todo o material de natureza orgânica que sofre degradação no solo. Já o húmus de minhoca é um tipo de adubo produzido por minhocas a partir de restos de matéria orgânica (animais e vegetais). É a excreção desse animal.  O húmus de minhocas é uma substância que confere uma nutrição de qualidade para as plantas, além de prevenir algumas doenças. Ele possui diversos nutrientes, tais como nitrogênio, fósforo e potássio, além de alguns hormônios. Todos esses nutrientes são facilmente absorvidos pela planta, o que torna o húmus de minhoca muito eficiente. Vale lembrar que as minhocas, além de produzirem esse importante adubo, são responsáveis também pela aeração do solo e, portanto, são ótimas para a agricultura.
  • 11. PERFIL E HORIZONTES DO SOLO  Um solo maduro, após sofrer meteorização mecânica, meteorização química e incorporação da matéria orgânica, encontra-se dividido em camadas (horizontes). O solo deve apresentar 4 horizontes que se podem dividir em sub-horizontes. Ao conjunto destes horizontes, a sua ordem e constituição dá-se o nome de perfil pedológico.  As camadas distinguem-se pelas diferentes características de composição química, textura, cor, porosidade, riqueza em matéria orgânica e/ou mineral, etc.
  • 12.
  • 13. PROCESSO EVOLUTIVO – FORMAÇÃO DO SOLO
  • 14. CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS  Quanto à origem, os solos são classificados em eluviais e aluviais.  1. Eluviais: quando os solos se formam por rochas encontradas no mesmo local da formação, ou seja, quando a rocha que se decompôs e se alterou para a formação do solo se encontra no mesmo local do solo;  2. Aluviais: quando os solos foram formados por rochas localizadas em outros lugares e que graças à ação das águas e dos ventos os sedimentos foram transportados para outro local.
  • 15. PRINCIPAIS SOLOS BRASILEIROS  No Brasil, são encontrados quatro tipos de solo, são eles: terra roxa, massapé, salmorão e aluviais.  Terra roxa: corresponde a um tipo de solo de extrema fertilidade que detém uma tonalidade avermelhada. Pode ser encontrado em Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e São Paulo. É originado a partir da decomposição de rochas, nesse caso de basalto.  Massapé: é um solo encontrado principalmente no litoral nordestino constituído a partir da decomposição de rochas com características minerais de gnaisses de tonalidade escura, calcários e filitos.  Salmorão: esse tipo de solo é encontrado ao longo das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil, é constituído pela fragmentação de rochas graníticas e gnaisses.  Aluviais: é um tipo de solo formado em decorrência da sedimentação em áreas de várzea ou vales, é possível de ser encontrado em diversos pontos do país.
  • 17. PROBLEMAS NATURAIS DOS SOLOS  Esse elemento natural passa por diversas transformações, fenômeno natural que pode ser agravado pela ação humana. As modificações do solo podem ser motivadas pela ação das chuvas, dos ventos, dos rios, asfaltamento, construções de cidades, etc.  Áreas Tropicais são mais suscetíveis aos processos de degradação natural dos solos, em função da presença de índices pluviométricos mais elevados e de chuvas mais intensas e volumosas.
  • 18. PROBLEMAS NATURAIS DOS SOLOS  Lixiviação: é uma espécie de lavagem dos nutrientes do solo, que ocorre quando existe o transporte dos nutrientes do solo pela água que se infiltra no mesmo. Pode ser provocada pelo desmatamento, chuvas intensas ou uma conjugação destes dois fatores. Este processo deixa as camadas superficiais do solo com baixa quantidade de nutrientes.
  • 19. PROBLEMAS NATURAIS DOS SOLOS  Laterização: processo que provoca a formação de uma camada dura de hidróxido de ferro ou alumínio na superfície do solo. É causada, principalmente, pelo escoamento dos nutrientes do solo e pela decomposição de rochas. O desmatamento, que deixa o solo mais exposto e vulnerável, pode acelerar este processo, que inviabiliza a prática da agricultura. Esse tipo de solo é encontrado em regiões quentes e úmidas, como a Amazônia.
  • 20. PROBLEMAS NATURAIS DOS SOLOS  Solos Ácidos: os solos ácidos são aqueles que apresentam um pH menor do que 6,5. A acidez elevada dos solos é provocada pela infiltração das chuvas em regiões com pouca cobertura vegetal. No Brasil, as áreas que mais apresentam solos ácidos são as regiões Centro-Oeste e Sul. A redução do pH diminui consideravelmente a fertilidade dos solos.
  • 21. PROBLEMAS DOS SOLOS – CAUSAS ANTRÓPICAS
  • 22. PROBLEMAS DOS SOLOS – CAUSAS ANTRÓPICAS  Voçorocas ou Boçorocas: A voçoroca ou boçoroca é um fenômeno geológico que consiste na formação de grandes buracos (sulcos) de erosão, causados pela chuva e intempéries, em solos onde a vegetação é escassa e não mais protege o solo, que fica cascalhento e suscetível de carregamento por enxurradas.  Ravinas: sulcos mais superficiais, com menores profundidades.
  • 23. PROBLEMAS DOS SOLOS – CAUSAS ANTRÓPICAS  Deslizamento de Terras ou Movimentos de Massas: é na verdade apenas uma categoria dos chamados “movimentos de massa”: processo de vertente que envolve o desprendimento e transporte de solo e/ou material rochoso encosta abaixo.  Os deslizamentos, assim como outros movimentos de massa, fazem parte da dinâmica natural de transformação e formação da crosta terrestre e estão relacionados também a fenômenos naturais como gravidade e variações climáticas.
  • 24. PROBLEMAS DOS SOLOS – CAUSAS ANTRÓPICAS  Assoreamento: é o processo em que cursos d'água são afetados pelo acúmulo de sedimentos, o que resulta no excesso de material sobre o seu leito e dificulta a navegabilidade e o seu aproveitamento. Originalmente, esse é um processo natural, mas que é intensificado pelas ações humanas, sobretudo a partir da remoção da vegetação das margens dos rios (matas ciliares).
  • 25. PROBLEMAS DOS SOLOS – CAUSAS ANTRÓPICAS  Salinização: ocorre em áreas muito quentes, pois a intensa evaporação da água vai deixando sobre a camada superficial do solo uma dura camada de sais.  O Mar de Aral é testemunho de uma grande catástrofe ambiental, em menos de trinta anos perdeu tamanho de forma considerável causado pela ação antrópica, mais especificamente pelo desvio de parte de suas águas que foram destinadas à irrigação.
  • 26. PROBLEMAS DOS SOLOS – CAUSAS ANTRÓPICAS  Desertificação: é a degradação dos solos, representadas principalmente pelo uso intenso dos mesmos, que perdem sua fertilidade em áreas de clima árido, semiárido e subúmido, em que o índice de chuvas costuma ser baixo, geralmente bem inferior a 1400 mm anuais de chuva. Nesses casos, os níveis de evaporação são maiores do que os de precipitação.
  • 27. PROBLEMAS DOS SOLOS – CAUSAS ANTRÓPICAS  Arenização: é a remoção da cobertura vegetal e superficial de solos que já são arenosos, ou seja, que já apresentam uma predisposição a se transformarem em areais, sendo comuns em zonas de climas mais úmidos.  No Brasil, o problema da desertificação abrange, de forma mais destacada, algumas zonas localizadas na região Nordeste. Já a arenização atinge algumas cidades do Rio Grande do Sul.
  • 28. TÉCNICAS DE CONSERVAÇÃO DOS SOLOS  O mau uso dos solos pode ocasionar sérios danos ambientais e econômicos, transformando terras férteis em áreas improdutivas e agredindo seriamente o meio natural. Por esse motivo, existem diversas técnicas de cultivo e conservação dos solos, visando ao seu melhor aproveitando e à sua máxima preservação.
  • 29. TÉCNICAS DE CONSERVAÇÃO DOS SOLOS  Reflorestamento e Cultivo de Plantas Nativas: manutenção dos nutrientes e proteção às intempéries;  Conservação das Matas Ciliares: proteção contra a erosão fluvial e proteção das nascentes;  Pousio: descanso da terra após um ciclo de cultivo;  Rotação de Culturas: alternância anual de diferentes espécies vegetais numa mesma área de cultivo, evitando o esgotamento do solo;
  • 30. TÉCNICAS DE CONSERVAÇÃO DOS SOLOS  Plantio Direto: resíduos vegetais de cultivos anteriores não são retirados e passam a proteger os solos;  Associação de Culturas: cultivo simultâneo de duas ou mais espécies vegetais, com características heterogêneas e com a finalidade de melhor aproveitar os solos e os sistemas de irrigação;
  • 31. TÉCNICAS DE CONSERVAÇÃO DOS SOLOS  Terraceamento: é uma técnica agrícola de plantio elaborada para a contenção de erosões causadas pelo escoamento da água em áreas de vertentes. Essa técnica é aplicada ao parcelar uma área inclinada em várias rampas. Com isso, as águas das chuvas, ao escoarem superficialmente, perdem sua força, removendo menos sedimentos do solo e causando menos impactos sobre ele.
  • 32. TÉCNICAS DE CONSERVAÇÃO DOS SOLOS  Calagem: A calagem é uma etapa do preparo do solo para o cultivo agrícola em que materiais de caráter básico são adicionados ao solo para neutralizar a sua acidez. Os principais sais adicionados ao solo na calagem são o calcário e a cal virgem.