Mercado mercado[1]

587 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
587
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mercado mercado[1]

  1. 1. Caderno de feira, bloco de notas, fragmento filosófico, aforisma: MERCADO / MARCADO: M(E)(A)RCADO: Encontro m(e)rcado. Intervenção-instalação fotográfica de Cintia Guimarães1. Curadoria e Texto de Prof. Dr. Marcio Pizarro Noronha2 marcio.pizarro@hotmail.com www.scinestesia.blogspot.com www.scinestesia.wordpress.com 3 4 Agradecemos à liberação dos textos de Lucimar Bello e de Edson de Sousa para o uso neste caderno de feira. Eles resultam do trabalho de argüição da defesa de Tese de Doutorado em História, de Cíntia Guimarães, sob minha orientação. Pela comoção por eles provocada em todos nós, os fragmentos poéticos de seus textos são modos de operar a lembrança e nossa forma de homenageá-los. “Acredito que a arte seja a única forma de atividade na qual o homem se mostra de fato um ser humano. Somente por meio da arte ele vai além do estado animal, porque a arte é uma abertura para regiões que não são governadas pelo espaço e pelo tempo.” Marcel Duchamp in: Cintia Guimarães, tese de doutorado. Picasso – eu não busco, eu encontro (lembrança plena de Lucimar Bello) DAS UTOPIAS: “O seu valor epistemológico está nas paredes que ela nos permite perceber em torno das nossas mentes, nos limites invisíveis que nos permite detectar, por mera indução, no atoleiro das nossas imaginações no modo de produção. [...] o texto utópico realmente nos dá a vívida lição daquilo que não podemos imaginar: só que não o faz pela imaginação concreta, mas sim por meio dos buracos no texto. (Fredric Jameson em lembrança viva de Edson de Sousa)” Somos todos, como diria François Dosse, na fala de Lucimar Bello, “VIDOBRA, uma vida operada e arranjada em criações incessantes de deslocamentos”. “Relação do pensamento, com a ação. Pensar é classificar . Mas como poder reinventar as classificações? (Edson de Sousa)” ITrata-se de mostrar o registro do resto. Trata-se de demarcar um território. Marcado. ENCONTRO M(E)RCADO. Oencontro marcado no Mercado. Arcadas. Passagens. Paris, século XIX. Formas anunciadas do reclame, do capitalismo.Brasil, Minas Gerais. Brasil, Pernambuco. Séculos XVIII e XIX. Formas da troca que desaparecem. Relações arcaicas.Brasil colônia. Brasil dos escravos. Mercados públicos. Ponto de encontro, entroncamento, encruzilhada. Culturas.1 Cintia Guimarães... escrever duas linhas sobre cada um deles. Coisa bem curta.2 Marcio Pizarro Noronha...3 Lucimar Bello....4 Edson de Sousa...
  2. 2. Encravados nos grandes centros urbanos, mercados (de)marcam agora um novo tipo de circulação. Sobrepostas àsfantasmagorias coloniais encontram-se as imagens do turismo. Deambulação. IIOs mercados e suas vidas para os artistas. Os mercados marcam e territorializam os fluxos. Eles são enclaves. Sãoelementos arquitetônicos, relacionais e performáticos na paisagem das cidades. Eles estão aqui acompanhados destacaderneta de notas. Pequenas reflexões para te acompanhar durante as compras. A outra obra. A obra entretecidadas relações vividas às fotografias e geradoras de uma troca na palavra escrita. Cebola, café, pernil, vassoura, pirulito.O que você irá comprar hoje? O que você troca, intercambia? O que te convoca ludicamente a passear, perambular,deambular?“A palavra escrita, o intercâmbio, o lúdico, a deriva, a deambulação, UMA VIDA, fazendo viver e vazar a liquidez dopresente, com suas anterioridades, posterioridades e concomitâncias desordenadas. UMA VIDA com passos líquidosem constantes co-criações partilha de sensíveis e de compartilhamentos. (Lucimar Bello)” IIIDe lá para cá um novo encontro. Cintia Guimarães encontrando sua pesquisa e se perdendo na cidade e se(re)encontrando enquanto se perde, de um modo novo, a partir dos olhos do outro. Ela apreende-aprende,(re)inventa. Sua angústia e seu desejo são ativados por um perder-se e um ir-se de si. Viaja. Sai das Minas para oRecife. Sai do interior e olha ao longe, para a dimensão litorânea do viver, do existir. Faz uma passagem, muitaspassagens. São os caminhos a per.correr.“Quando é uma palavra, um tempo que instala e aguça caminhos a per.correr. E, neste sentido, ficam muitíssimoativados os meus percursos criadores, como artista, como pesquisadora e como atora sócio-cultural. (Lucimar Bello)”Nossos sentidos são ativados e compartilhados com as múltiplas experiências provocadas pela intercessão de Cíntiaem nós. Fita de cabelo, presilha, pano de prato, metros de tecido, potência das cores. IVPARA MONTAR UMA LISTA DE COMPRAS DE EDSON DE SOUSA, EM SEUS TÓPICOS:“Idéia de travessia – experiência em Walter Benjamin como travessia de um perigo.Trabalho de riscoMundo das águas como uma metáfora ainda possível de RecifeDiferença vivência e experiência – transmissãoObstinação da busca desta forma mas um pouco no estilo de Gordon Matta- Clark em seu fazer e desfazer a formaquando ele diz:“Fazer o corte certo entre o suporte e o colapso”Organização tênue, arquivo sempre chegando ao limite de seu suporte mostrando que o material ali esta vivo edemandando rearranjos, leituras, partituras, travessias.É isto que eu chamo desfazer a forma. (Edson de Sousa)”E disso nascem suas fotografias, que são dispostas em formato de livro e que agora ganham a dimensão da instalação.São registros de um mercado. Fontes históricas, figuras do popular, elementos do folclore, jóias do turismo, tudo istomisturado. Daqui para frente o que foi documento vira objeto. Fotografiaobjeto. Objetolivro. Objetoinstalado. Aformalização se reinventa. E agora ganha um espaço para uma nova experiência. Reinventar o mercado. Marcar o
  3. 3. mercado. A vida dos signos. A vida das cores. Reposicionar e rememorar a experiência para realocar o vivido. Assim,as imagens ganham uma tridimensionalidade e voltam a um lugar possível e imaginável, mas não o mesmo. Outracena. Outro mercado. De um lado a outro, do Recife à Uberlândia.“Recife como um “object trouvée” – a cidade como extrato de sedimentos, como camadas e camadas sem início semfinal. (Lucimar Bello)”Borra de café, conversa, passagem, cachaça, intriga, políticas. VE eu te pergunto, vamos ao mercado, com Cíntia. Vamos a este encontro marcado. Mais uma vez marcas. Mais-encontro. Vamos ver as coisas outra vez. Vamos ver intensivamente. Vamos“Como foi seu dia?Fugir das palavras prontas, palavras vazias como dizia Lacan. Método de apostar no fragmento, no pequeno gesto queilumina e escancara o que resistimos a ver.Trabalho, portanto de resistência, de trincheira no espírito de Appolinaire que fez na trincheira [de guerra] umpequeno anel com um resto de morteiro.Como recuperar a visão? (Edson de Sousa)”Experimente, sinta, observe, revolva, pense, organize, classifique, absorva, toque, caminhe por entre. Dos restos doarcaico dos mercados antigos ao enfrentamento dos trajetos modorrentos das cidades turísticas, Cíntia propõe umcolapso entre imagens e disto permite fazer ressurgir uma experiência, a da desordem das coisas que ainda insistemem viver num mundo todo fluxo, todo rede, todo capturado.Esta na hora da urgência. Esta na hora de reinventar a vida. Inventar sempre. Fazer as suturas. Abrir as portas dosmercados às marcas mais antigas de suas histórias. Ver outra vez o que foi marcado. Ir à arte do encontro. Feitura detopologias utópicas. Os mercados agora caminhos abertos implodem paredes que limitam nossas mentes,circunscrevendo nosso modo de pensar-imaginar o mundo, como diz Jameson. Pensar a utopia de um diálogo abertoentre as cidades através da história dos seus mercados, seus passados e todos os porvires não-realizados e daí iradiante, para frente e para trás, “aionicamente”, reaprender a imaginar a diferença.Mantras da lista de compras de todos os dias, da casa aos circuitos do mundo, da sua cidade à cidade outra, cidadepoiética, cidade dos sonhos, corpo-cidade. Depois disso, burburinhos rumorejam. E as fotografias poderão semultiplicar e continuar a caminhar. E fazer ruído em nossas escutas. Marcio Pizarro Noronha

×