SlideShare uma empresa Scribd logo
CONSEQUÊNCIA
s.f.
1. Designação daquilo que resulta ou é causado na seqüência de; efeito ou resultado
espontâneo, presumível ou inevitável de algo;
2. Designação atribuída ao resultado de um pensamento lógico; denominação
daquilo que se depreende ou conclui através de raciocínio; dedução ou ilação;
3. Resultado ou efeito de enorme relevância; designação do resultado de relevância ou
peso descomedido; alcance, influência ou valor de algo.
(Etm. do latim: consequentia, ae “série, ordem, sucessão de acontecimentos”)
DESCRIÇÃO
CON(S)EQUÊNCIA... é uma EXPOSIÇÃO DE
EXPERIMENTOS VISUAIS, ora bidimensionais, ora tridimensionais, a
depender da vivência do espectador, concepcionada pelo cenógrafo,
aderecista, performer e artísta visual JOSAPHAT, que refletem o
estado de espirito do artísta na atualidade. Através dela, o artísta busca
devolver à sociedade em forma de obra de arte, os encontros e
desencontros com os elementos vitais que permitem a evolução
social, espiritual, cultural e financeira do homem contemporâneo,
roboticamente programado para gerar resultados.
As aspirações e inspirações para composição de suas obras
continuam as mesmas, porém, o apuro técnico e estético de sua
produção, encontra – se em plena evolução. Ressignificação de obras,
aplicações com restos de madeira, folhas de zinco e pedaços de ferros,
com pouca ou nenhuma intervenção do artísta, a não ser sua
composição, criam a atmosfera desta exposição, que vai do CAOS
social à HARMONIA espiritual em 21 (vinte e uma) inquietantes, e
por vezes , desconfortantes “OBRAS DE ARTE”.
As interposições, sobreposições, ou simplesmente
composições de camadas, ganham conotação de atmosfera, através
dos materiais utilizados, e revelam a visceralidade do artísta, que
desprende – se de preconceitos, e se deixa observar evidenciando a
áspera poesia das formas, ou ausência delas, despreocupado com o
belo e com as mensagens pré-formatadas. Neste caso, e em especifico,
o artísta é (ou está), exatamente como se vê!
OBJETIVOS
A exposição CON(S)EQUÊNCIA... tem por objetivo
apresentar a sociedade macapaense o trabalho artístico de JOSAPHAT,
ampliando as discussões acerca da arte que renega princípios
meramente estéticos, abrindo possibilidades para discussões ampliadas
e fundamentadas em conceitos/ inquietações. Trata – se de um
processo de ruptura com os padrões convencionais de exposições,
difundidas convencionalmente com o passar dos anos ao redor do
mundo. Neste caso, CON(S)EQUÊNCIA, uma exposição de
experimentos visuais, concepcionada para “galerias”, pode ser
experimentadas em outros formatos e ambientes.
Trata – de do aprofundamento das discussões da cultura e
das artes enquanto direitos humanos, e conseqüentemente, cidadãos,
pois esta deve ser encarada como bem de direito publico, necessária
ao entendimento do processo evolutivo da humanidade, e de
emancipação social da espécie humana.
A simplicidade, sutileza e sensibilidade empregada na
concepção das obras, deixa claro o pensamento do autor sobre o fato
da arte não conseguir dissociar-se da vida. Neste caso em especifico,
os resídios sólidos, antes lixo, resignificados pelo artístas, já imbuídos
da conotação de obra de arte nos fazem questionar sobre nossas
atitudes em prol da preservação da vida humana, deixando bem claro,
que seu papel enquanto artísta, vai muito além da CULTURA e das
ARTES!
JUSTIFICATIVA
Expor CON(S)EQUÊNCIAS, dentro da grade de
programação do SESC AMAZÔNIA DAS ARTES, vitrine de
bens, produtos e serviços artísticos e culturais da Região Norte
do Brasil, é compreender a potência da cultura e das artes
enquanto vetores de desenvolvimento social e humano, visto
que por décadas estiveram distantes do cotidiano das classes
populares, bombardeados pelas grandes mídias, fundamentado
apenas por seu valor mercantil.
Com esta exposição, o artista busca a resignificação
não somente da obra de arte, cuja intervenção do artista por
vezes se dá apenas na composição, mas também do espaço
expositivo, que apresenta – se cada vez mais distante das pálidas
paredes das galerias de arte convencionais. Acreditamos que
esta aproximação com o publico, favorece uma relação mais
profícua entre os mesmos, com possibilidades de despertá – los
enquanto apreciadores em potencial, e porque não o
sentimento: “Se isto é arte, eu também consigo fazer!”
Este tipo de relação pode e deve servir para
desmistificar conceitos errôneos acerca das artes
contemporâneas, atribuindo lugar de destaque a esta, nas
discussões sobre as inquietações, aspirações e inspirações do
homem, também contemporâneo. Discussão tardia por estas
bandas, porém, necessária!
CURRÍCULO DO ARTÍSTA
Cenógrafo, aderecista, performer e artísta visual,
JOSAPHAT, é conseqüência de divagações, restrições e inquietações
que permeiam sua vivência desde suas primeiras experimentações
artísticas e/ ou convencionais. Divagações personificadas pelo sonho,
às vezes confundido com a loucura de poder viver de arte no Extremo
Norte do Brasil. Restrições, ora geográficas, ora formativa e ora de
recursos. E inquietações, em busca de uma arte que o identifique. O
ano era 1997, e eis que a identificação surge com o nome de
CONART (Consciência Artística), que posteriormente, transformaria
- se no GRUPO URUCUM, em parceria com Nonato Reis (in
memoriam) e José Ribas. Com producões artísticas executadas na
Itália, Alemanha e Guiana Francesa, JOSAPHAT adquiriu prestígio
com exposições, performances e intervenções urbanas que
impulsionaram as discussões acerca da ARTE CONTEMPORÂNEA
por estas bandas, junto ao Grupo Urucum. Destaque para: Lotação de
Paus Mandados, Divisória Imaginária, Mensagens Vazias, Os Catadores
de Orvalho...e, Desculpe o Transtorno, Estamos em Obras,
apresentado no Rio de Janeiro, dentro da programação do “Açúcar
Invertido”, sob a curadoria de Edson Barrus. Com o Grupo Urucum,
foram os grandes homenageados do IV SALÃO DO SESC-AMAPÁ.
Suas obras também marcaram presença no SALÃO ARTE PARÁ de
2009, na Sala Poeira, com curadoria de Emanuel Franco, MOSTRA
AMAZÔNIA, A ARTE em 2010, MUSEU VALE no Espírito Santo e
PALÁCIO DAS ARTES em Belo Horizonte.
CLAUDIO SILVA/ O CURADOR
Graduado em Artes visuais pela Universidade Federal do Amapá –
UNIFAP, especialista em Gestão e Docência no Ensino Superior pela
FATECH e mestrando em Ciências da Educação, possui uma vida dedicada
a cultura e as artes do Estado do Amapá, em especial as artes do corpo,
com especial atenção e apreço pela performance e pela vídeo-arte. A
parceria e os experimentos ao lado de Josaphat iniciaram em 2008,
quando e coprodução com outras artístas visuais concepcionaram a
intervenção-instalação FELIZ 2009. Nela, à véspera de réveillon, os
artístas interventores após um dia inteiro catando lixo jogados na Foz do
Rio Amazonas, escrevem com pneus, garrafas, sofás, carcaças de fogão e
outro objetos inimagináveis descartados incorretamente sobre o leito do
maior rio do mundo, FELIZ 2009, propondo mudanças de hábitos para o
ano que se inicia.
Em conjunto também são coautores da intervenção artística feita no
muro da Fundação Municipal de Cultura de Macapá – FUMCULT, no ano
de 2015. Possui experiência no campo da cenografia, tendo assinado
importantes projeto para a Cia. Ói Nóiz Akí, onde atua como diretor
executivo e artístico. Parecerista/ curador selecionado para analise dos
projetos de artes visuais do SIMDEC pela Prefeitura de Joinville.
Atualmente dedica – se à gestão cultural e aos estudos informais na arte
da fotografia, com a qual esta a concepcionar alguns experimentos, a
serem expostos em breve!
Macapá está no „meio do mundo‟, ao mesmo tempo no centro e na periferia do mundo, atravessada
que é pela linha [imaginária] do equador, o círculo máximo da esfera terrestre, perpendicular e
eqüidistante à linha que une os dois pólos, que formam o eixo rotor da terra. Cortada pela linha do
equador, o cotidiano da cidade projeta-se continuamente sobre o trânsito dessa demarcação de
fronteiras que dividem o mundo em diásporas metades em diapasão. Em Macapá, deslocar-se para
casa, para o trabalho, para o mercado etc., pode significar mudar de hemisfério, sul-norte/ norte-
sul. A narrativa da situação evoca a compreensão de se estar vivendo também, em transito, entre a
abstração transposta pelo passo no espaço físico e o rigor da demarcação da fronteira cultural, como
quem não sabe ao certo a sua exata localização nos mundos, sua própria situação entre limites no
mundo. O universo que Josaphat reinvidicava nos anos de 1990, se apresentava como um mundo
marginal que agregava esforços de sobrevivência material, mas concomitantemente experimenta
linguagens artísticas que não cale a fala de suas origens e de suas vivencias em um transito infiel
pelos conflituosos territórios da arte, da história, da geografia, da economia, da política e da cultura
Mas o que seria a con(s)equência das poéticas de visualidade propostas por Josaphat? Vilén Flusser
concebe para a língua uma função poética. É o poético, conforme ele argumenta, que possibilita o
contato direto com o indizível, mas o indizível fala sem explicitar, com uma potência de significado.
Flusser diz então que o poeta arranca dessa potência a palavra primordial que dá início à conversação
a qual posteriormente se desdobrará em pensamentos e conhecimento. Josaphat é um catador de
estórias, ele anda pelas ruas, palcos de existências múltiplas, catando os resquícios de vivências dele
mesmo e de outras pessoas, ele mesmo entre tantos e tantos desconhecidos, e reconstrói o mundo
em pinturas que transitam pelos vários hemisférios de Macapá, transitam entre norte e sul, arte e
cultura, sociedade e política, particularidade e singularidade - do artista...? É essa singularidade de
uma narrativa sensível coletivizada na experiência amazônida que vemos nesta exposição, mas talvez
seja mais do que arte, talvez se aproxime daquilo que Walter Benjamim projetava quando dizia que
o menor fragmento de realidade falava mais do que a pintura. As con(s)equências de Josaphat são
como rastros de realidades que saltam aos seus olhos. Arthur Leandro/ Dr. Artes Visuais pela UFPA.
Todas as obras foram
executadas na segunda
quinzena de 2016,
utilizando-se de técnica
mista, que se utiliza de
assemblage, pintura,
escultura, reciclagem e
ressignificação de obras do
autor e intervenções
manuais.
Con(S)equência nº 01
Con(S)equência nº 02
Con(S)equência nº 03
Con(S)equência nº 04
Con(S)equência nº 05
Con(S)equência nº 06
Con(S)equência nº 07
Con(S)equência nº 08
Con(S)equência nº 09
Con(S)equência nº 10
Con(S)equência nº 11
Con(S)equência nº 12
Con(S)equência nº 13
Con(S)equência nº 14
Con(S)equência nº 15
Con(S)equência nº 16
Con(S)equência nº 17
Con(S)equência nº 18
Con(S)equência nº 19
Con(S)equência nº 20
Con(S)equência nº 21
1,10Cm X 0,80Cm 1,10Cm X 0,80Cm
1,10Cm X 0,80Cm
1,20Cm X 0,60Cm 1,20Cm X 0,60Cm
1,20Cm X 0,60Cm 1,20Cm X 0,60Cm
1,00Cm X 1,00Cm
1,00Cm X 1,00Cm
1,00Cm X 1,00Cm
0,70Cm X 0,70Cm 0,70Cm X 0,70Cm
0,70Cm X 0,70Cm 0,70Cm X 0,70Cm
0,70Cm X 0,70Cm 0,70Cm X 0,70Cm
0,70Cm X 0,70Cm0,70Cm X 0,70Cm
0,90Cm X 0,90Cm 0,90Cm X 0,90Cm 0,90Cm X 0,90Cm
http://chicoterra.com/2017/04/03/sesc-realiza-exposicao-consequencia-do-artista-josaphat/
https://www.diariodoamapa.com.br/2017/03/21/mais-25-milhoes-para-o-audiovisual-brasileiro/
http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa249362/josaphat
https://tribunaamapaense.blogspot.com.br/2017/05/cultura.html
https://www.diariodoamapa.com.br/2016/07/20/j-marcio-e-amigos-caricaturas/
http://www.blogderocha.com.br/o-valor-das-artes-e-os-artistas-plasticos-fernando-canto/
http://mzportal.com.br/?p=28041
http://www.experienciamazonia.org/site/grupo-urucum.php
http://www.amapadigital.net/cultura_amapa_view.php?id_noticia=125909
http://acucarinvertido.blogspot.com.br
http://www.blogderocha.com.br/visite-exposicao-consequencia-artista-josaphat/
http://www.jornalagazeta-
ap.com.br/info/noticia/7331/artistas_plasticos_amapaenses_recebem_homenagem_do_conselho_d
e_cultura.php
CLIPPING
SALA DE PRODUÇÃO
0xx (96) 9 8114-9655
0xx (96) 9 8404-6317
Cia Óinóizaquitraveiz
Ói Nóiz Akí
oinoizaquitraveiz
Avª Mãe Luzia – 352 - Laguinho
www.ciaoinoizaki.blogspot.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de apresentação ensino médio 01-02-13
Aula de apresentação ensino médio   01-02-13Aula de apresentação ensino médio   01-02-13
Aula de apresentação ensino médio 01-02-13Andrea Prado
 
Encontros arte como arqueologia, arqueologia como arte (sara navarro, 2013)
Encontros arte como arqueologia, arqueologia como arte (sara navarro, 2013)Encontros arte como arqueologia, arqueologia como arte (sara navarro, 2013)
Encontros arte como arqueologia, arqueologia como arte (sara navarro, 2013)arqueomike
 
Criação do humano maquina
Criação do humano maquinaCriação do humano maquina
Criação do humano maquinaVenise Melo
 
O Arqueologismo na Escultura de Jorge Vieira - Sara Navarro
O Arqueologismo na Escultura de Jorge Vieira - Sara NavarroO Arqueologismo na Escultura de Jorge Vieira - Sara Navarro
O Arqueologismo na Escultura de Jorge Vieira - Sara Navarroarqueomike
 
Definições de arte pergunta resposta
Definições de arte pergunta respostaDefinições de arte pergunta resposta
Definições de arte pergunta respostaTina Lima
 
Releitura de obras de arte
Releitura de obras de arteReleitura de obras de arte
Releitura de obras de artelisneia2012
 
9.cap3 estetica relacional
9.cap3 estetica relacional9.cap3 estetica relacional
9.cap3 estetica relacionalhistoartetatiana
 
EHA 05 Arte Urbana
EHA 05 Arte UrbanaEHA 05 Arte Urbana
EHA 05 Arte UrbanaOdair Tuono
 
1 o que é arte- Texto-
1 o que é arte- Texto-1 o que é arte- Texto-
1 o que é arte- Texto-ArtesElisa
 

Mais procurados (20)

Aula de apresentação ensino médio 01-02-13
Aula de apresentação ensino médio   01-02-13Aula de apresentação ensino médio   01-02-13
Aula de apresentação ensino médio 01-02-13
 
EHA01 Conceitos
EHA01 ConceitosEHA01 Conceitos
EHA01 Conceitos
 
Trabalho de Semiótica
Trabalho de SemióticaTrabalho de Semiótica
Trabalho de Semiótica
 
Curso de historia da arte
Curso de historia da arteCurso de historia da arte
Curso de historia da arte
 
Encontros arte como arqueologia, arqueologia como arte (sara navarro, 2013)
Encontros arte como arqueologia, arqueologia como arte (sara navarro, 2013)Encontros arte como arqueologia, arqueologia como arte (sara navarro, 2013)
Encontros arte como arqueologia, arqueologia como arte (sara navarro, 2013)
 
Moderno e pós moderno
Moderno e pós modernoModerno e pós moderno
Moderno e pós moderno
 
Criação do humano maquina
Criação do humano maquinaCriação do humano maquina
Criação do humano maquina
 
O Arqueologismo na Escultura de Jorge Vieira - Sara Navarro
O Arqueologismo na Escultura de Jorge Vieira - Sara NavarroO Arqueologismo na Escultura de Jorge Vieira - Sara Navarro
O Arqueologismo na Escultura de Jorge Vieira - Sara Navarro
 
Definições de arte pergunta resposta
Definições de arte pergunta respostaDefinições de arte pergunta resposta
Definições de arte pergunta resposta
 
Comunicação, arte e cultura contemporânea
Comunicação, arte e cultura contemporâneaComunicação, arte e cultura contemporânea
Comunicação, arte e cultura contemporânea
 
A arte na história
A arte na históriaA arte na história
A arte na história
 
Paleolítico
PaleolíticoPaleolítico
Paleolítico
 
Mundo da arte - 5º Ano
Mundo da arte - 5º AnoMundo da arte - 5º Ano
Mundo da arte - 5º Ano
 
EHA 04 Kitsch
EHA 04 KitschEHA 04 Kitsch
EHA 04 Kitsch
 
Releitura de obras de arte
Releitura de obras de arteReleitura de obras de arte
Releitura de obras de arte
 
9.cap3 estetica relacional
9.cap3 estetica relacional9.cap3 estetica relacional
9.cap3 estetica relacional
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
EHA 05 Arte Urbana
EHA 05 Arte UrbanaEHA 05 Arte Urbana
EHA 05 Arte Urbana
 
1 o que é arte- Texto-
1 o que é arte- Texto-1 o que é arte- Texto-
1 o que é arte- Texto-
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 

Semelhante a Exposição con(s)equência

Anexo B - Projeto de pesquisa
Anexo B - Projeto de pesquisaAnexo B - Projeto de pesquisa
Anexo B - Projeto de pesquisaSandro Bottene
 
A rte cidade e patrimonio cultural
A rte cidade e patrimonio culturalA rte cidade e patrimonio cultural
A rte cidade e patrimonio culturalAna Costa E Silva
 
Celso favaretto o que e arte
Celso favaretto o que e arteCelso favaretto o que e arte
Celso favaretto o que e arteFundação Casa
 
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE Professor.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE Professor.pdfLinguagens 1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE Professor.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE Professor.pdfGernciadeProduodeMat
 
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE Professor.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE Professor.pdfLinguagens 1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE Professor.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE Professor.pdfGernciadeProduodeMat
 
Literatura brasileira no século XXI
Literatura brasileira no século XXILiteratura brasileira no século XXI
Literatura brasileira no século XXIJaqueline Salles
 
Pensar o curriculo_de_arte_2014
Pensar o curriculo_de_arte_2014Pensar o curriculo_de_arte_2014
Pensar o curriculo_de_arte_2014Andreia Carla Lobo
 
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE - Estudante.pdf
Linguagens  1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE - Estudante.pdfLinguagens  1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE - Estudante.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE - Estudante.pdfGernciadeProduodeMat
 
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE - Estudante.pdf
Linguagens  1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE - Estudante.pdfLinguagens  1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE - Estudante.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE - Estudante.pdfGernciadeProduodeMat
 
O retrato mais que óbvio daquilo que não vemos (Programa do espetáculo. Colet...
O retrato mais que óbvio daquilo que não vemos (Programa do espetáculo. Colet...O retrato mais que óbvio daquilo que não vemos (Programa do espetáculo. Colet...
O retrato mais que óbvio daquilo que não vemos (Programa do espetáculo. Colet...Natalia Vianna
 
O lugar da arte contemporânea e seu processo de patrimonialização. a historic...
O lugar da arte contemporânea e seu processo de patrimonialização. a historic...O lugar da arte contemporânea e seu processo de patrimonialização. a historic...
O lugar da arte contemporânea e seu processo de patrimonialização. a historic...grupointerartes
 
O lugar da arte contemporânea e seu processo de patrimonialização. a historic...
O lugar da arte contemporânea e seu processo de patrimonialização. a historic...O lugar da arte contemporânea e seu processo de patrimonialização. a historic...
O lugar da arte contemporânea e seu processo de patrimonialização. a historic...grupointerartes
 
Etnografia da duração, estudos de memoria coletiva
Etnografia da duração, estudos de memoria coletivaEtnografia da duração, estudos de memoria coletiva
Etnografia da duração, estudos de memoria coletivaAna Rocha
 

Semelhante a Exposição con(s)equência (20)

Páginas amarelas
Páginas amarelasPáginas amarelas
Páginas amarelas
 
Anexo B - Projeto de pesquisa
Anexo B - Projeto de pesquisaAnexo B - Projeto de pesquisa
Anexo B - Projeto de pesquisa
 
A rte cidade e patrimonio cultural
A rte cidade e patrimonio culturalA rte cidade e patrimonio cultural
A rte cidade e patrimonio cultural
 
Celso favaretto o que e arte
Celso favaretto o que e arteCelso favaretto o que e arte
Celso favaretto o que e arte
 
Movimento Lascivinista
Movimento LascivinistaMovimento Lascivinista
Movimento Lascivinista
 
Dez anos de fotografia espanhola contemporânea
Dez anos de fotografia espanhola contemporâneaDez anos de fotografia espanhola contemporânea
Dez anos de fotografia espanhola contemporânea
 
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE Professor.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE Professor.pdfLinguagens 1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE Professor.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE Professor.pdf
 
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE Professor.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE Professor.pdfLinguagens 1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE Professor.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE Professor.pdf
 
Literatura brasileira no século XXI
Literatura brasileira no século XXILiteratura brasileira no século XXI
Literatura brasileira no século XXI
 
Pensar o curriculo_de_arte_2014
Pensar o curriculo_de_arte_2014Pensar o curriculo_de_arte_2014
Pensar o curriculo_de_arte_2014
 
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE - Estudante.pdf
Linguagens  1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE - Estudante.pdfLinguagens  1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE - Estudante.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE - Estudante.pdf
 
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE - Estudante.pdf
Linguagens  1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE - Estudante.pdfLinguagens  1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE - Estudante.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE - Estudante.pdf
 
O retrato mais que óbvio daquilo que não vemos (Programa do espetáculo. Colet...
O retrato mais que óbvio daquilo que não vemos (Programa do espetáculo. Colet...O retrato mais que óbvio daquilo que não vemos (Programa do espetáculo. Colet...
O retrato mais que óbvio daquilo que não vemos (Programa do espetáculo. Colet...
 
Cintia sousa
Cintia sousaCintia sousa
Cintia sousa
 
O lugar da arte contemporânea e seu processo de patrimonialização. a historic...
O lugar da arte contemporânea e seu processo de patrimonialização. a historic...O lugar da arte contemporânea e seu processo de patrimonialização. a historic...
O lugar da arte contemporânea e seu processo de patrimonialização. a historic...
 
O lugar da arte contemporânea e seu processo de patrimonialização. a historic...
O lugar da arte contemporânea e seu processo de patrimonialização. a historic...O lugar da arte contemporânea e seu processo de patrimonialização. a historic...
O lugar da arte contemporânea e seu processo de patrimonialização. a historic...
 
Comunicologia
ComunicologiaComunicologia
Comunicologia
 
Etnografia da duração, estudos de memoria coletiva
Etnografia da duração, estudos de memoria coletivaEtnografia da duração, estudos de memoria coletiva
Etnografia da duração, estudos de memoria coletiva
 
Mestrado Gestão Cultural
Mestrado Gestão CulturalMestrado Gestão Cultural
Mestrado Gestão Cultural
 
Recrearte
RecrearteRecrearte
Recrearte
 

Mais de Claudio Silva

IV Festival Curta Teatro Regulamento
IV Festival Curta Teatro RegulamentoIV Festival Curta Teatro Regulamento
IV Festival Curta Teatro RegulamentoClaudio Silva
 
III Festival Curta Teatro FICHA DE INSCRICAO
III Festival Curta Teatro FICHA DE INSCRICAOIII Festival Curta Teatro FICHA DE INSCRICAO
III Festival Curta Teatro FICHA DE INSCRICAOClaudio Silva
 
III Festival Curta Teatro REGULAMENTO
III Festival Curta Teatro   REGULAMENTOIII Festival Curta Teatro   REGULAMENTO
III Festival Curta Teatro REGULAMENTOClaudio Silva
 
II Festival Curta Teatro regulamento
II Festival Curta Teatro   regulamentoII Festival Curta Teatro   regulamento
II Festival Curta Teatro regulamentoClaudio Silva
 
Os saltimbancos 2016
Os saltimbancos 2016Os saltimbancos 2016
Os saltimbancos 2016Claudio Silva
 
Bonequinha de pano 2016
Bonequinha de pano 2016Bonequinha de pano 2016
Bonequinha de pano 2016Claudio Silva
 
I festival curta teatro ficha de inscrição
I festival curta teatro   ficha de inscriçãoI festival curta teatro   ficha de inscrição
I festival curta teatro ficha de inscriçãoClaudio Silva
 
I festival curta teatro regulamento
I festival curta teatro   regulamentoI festival curta teatro   regulamento
I festival curta teatro regulamentoClaudio Silva
 

Mais de Claudio Silva (9)

IV Festival Curta Teatro Regulamento
IV Festival Curta Teatro RegulamentoIV Festival Curta Teatro Regulamento
IV Festival Curta Teatro Regulamento
 
III Festival Curta Teatro FICHA DE INSCRICAO
III Festival Curta Teatro FICHA DE INSCRICAOIII Festival Curta Teatro FICHA DE INSCRICAO
III Festival Curta Teatro FICHA DE INSCRICAO
 
III Festival Curta Teatro REGULAMENTO
III Festival Curta Teatro   REGULAMENTOIII Festival Curta Teatro   REGULAMENTO
III Festival Curta Teatro REGULAMENTO
 
II Festival Curta Teatro regulamento
II Festival Curta Teatro   regulamentoII Festival Curta Teatro   regulamento
II Festival Curta Teatro regulamento
 
Os saltimbancos 2016
Os saltimbancos 2016Os saltimbancos 2016
Os saltimbancos 2016
 
Bonequinha de pano 2016
Bonequinha de pano 2016Bonequinha de pano 2016
Bonequinha de pano 2016
 
I festival curta teatro ficha de inscrição
I festival curta teatro   ficha de inscriçãoI festival curta teatro   ficha de inscrição
I festival curta teatro ficha de inscrição
 
I festival curta teatro regulamento
I festival curta teatro   regulamentoI festival curta teatro   regulamento
I festival curta teatro regulamento
 
Arte verdade
Arte verdadeArte verdade
Arte verdade
 

Exposição con(s)equência

  • 1.
  • 2. CONSEQUÊNCIA s.f. 1. Designação daquilo que resulta ou é causado na seqüência de; efeito ou resultado espontâneo, presumível ou inevitável de algo; 2. Designação atribuída ao resultado de um pensamento lógico; denominação daquilo que se depreende ou conclui através de raciocínio; dedução ou ilação; 3. Resultado ou efeito de enorme relevância; designação do resultado de relevância ou peso descomedido; alcance, influência ou valor de algo. (Etm. do latim: consequentia, ae “série, ordem, sucessão de acontecimentos”)
  • 3. DESCRIÇÃO CON(S)EQUÊNCIA... é uma EXPOSIÇÃO DE EXPERIMENTOS VISUAIS, ora bidimensionais, ora tridimensionais, a depender da vivência do espectador, concepcionada pelo cenógrafo, aderecista, performer e artísta visual JOSAPHAT, que refletem o estado de espirito do artísta na atualidade. Através dela, o artísta busca devolver à sociedade em forma de obra de arte, os encontros e desencontros com os elementos vitais que permitem a evolução social, espiritual, cultural e financeira do homem contemporâneo, roboticamente programado para gerar resultados. As aspirações e inspirações para composição de suas obras continuam as mesmas, porém, o apuro técnico e estético de sua produção, encontra – se em plena evolução. Ressignificação de obras, aplicações com restos de madeira, folhas de zinco e pedaços de ferros, com pouca ou nenhuma intervenção do artísta, a não ser sua composição, criam a atmosfera desta exposição, que vai do CAOS social à HARMONIA espiritual em 21 (vinte e uma) inquietantes, e por vezes , desconfortantes “OBRAS DE ARTE”. As interposições, sobreposições, ou simplesmente composições de camadas, ganham conotação de atmosfera, através dos materiais utilizados, e revelam a visceralidade do artísta, que desprende – se de preconceitos, e se deixa observar evidenciando a áspera poesia das formas, ou ausência delas, despreocupado com o belo e com as mensagens pré-formatadas. Neste caso, e em especifico, o artísta é (ou está), exatamente como se vê!
  • 4. OBJETIVOS A exposição CON(S)EQUÊNCIA... tem por objetivo apresentar a sociedade macapaense o trabalho artístico de JOSAPHAT, ampliando as discussões acerca da arte que renega princípios meramente estéticos, abrindo possibilidades para discussões ampliadas e fundamentadas em conceitos/ inquietações. Trata – se de um processo de ruptura com os padrões convencionais de exposições, difundidas convencionalmente com o passar dos anos ao redor do mundo. Neste caso, CON(S)EQUÊNCIA, uma exposição de experimentos visuais, concepcionada para “galerias”, pode ser experimentadas em outros formatos e ambientes. Trata – de do aprofundamento das discussões da cultura e das artes enquanto direitos humanos, e conseqüentemente, cidadãos, pois esta deve ser encarada como bem de direito publico, necessária ao entendimento do processo evolutivo da humanidade, e de emancipação social da espécie humana. A simplicidade, sutileza e sensibilidade empregada na concepção das obras, deixa claro o pensamento do autor sobre o fato da arte não conseguir dissociar-se da vida. Neste caso em especifico, os resídios sólidos, antes lixo, resignificados pelo artístas, já imbuídos da conotação de obra de arte nos fazem questionar sobre nossas atitudes em prol da preservação da vida humana, deixando bem claro, que seu papel enquanto artísta, vai muito além da CULTURA e das ARTES!
  • 5. JUSTIFICATIVA Expor CON(S)EQUÊNCIAS, dentro da grade de programação do SESC AMAZÔNIA DAS ARTES, vitrine de bens, produtos e serviços artísticos e culturais da Região Norte do Brasil, é compreender a potência da cultura e das artes enquanto vetores de desenvolvimento social e humano, visto que por décadas estiveram distantes do cotidiano das classes populares, bombardeados pelas grandes mídias, fundamentado apenas por seu valor mercantil. Com esta exposição, o artista busca a resignificação não somente da obra de arte, cuja intervenção do artista por vezes se dá apenas na composição, mas também do espaço expositivo, que apresenta – se cada vez mais distante das pálidas paredes das galerias de arte convencionais. Acreditamos que esta aproximação com o publico, favorece uma relação mais profícua entre os mesmos, com possibilidades de despertá – los enquanto apreciadores em potencial, e porque não o sentimento: “Se isto é arte, eu também consigo fazer!” Este tipo de relação pode e deve servir para desmistificar conceitos errôneos acerca das artes contemporâneas, atribuindo lugar de destaque a esta, nas discussões sobre as inquietações, aspirações e inspirações do homem, também contemporâneo. Discussão tardia por estas bandas, porém, necessária!
  • 6. CURRÍCULO DO ARTÍSTA Cenógrafo, aderecista, performer e artísta visual, JOSAPHAT, é conseqüência de divagações, restrições e inquietações que permeiam sua vivência desde suas primeiras experimentações artísticas e/ ou convencionais. Divagações personificadas pelo sonho, às vezes confundido com a loucura de poder viver de arte no Extremo Norte do Brasil. Restrições, ora geográficas, ora formativa e ora de recursos. E inquietações, em busca de uma arte que o identifique. O ano era 1997, e eis que a identificação surge com o nome de CONART (Consciência Artística), que posteriormente, transformaria - se no GRUPO URUCUM, em parceria com Nonato Reis (in memoriam) e José Ribas. Com producões artísticas executadas na Itália, Alemanha e Guiana Francesa, JOSAPHAT adquiriu prestígio com exposições, performances e intervenções urbanas que impulsionaram as discussões acerca da ARTE CONTEMPORÂNEA por estas bandas, junto ao Grupo Urucum. Destaque para: Lotação de Paus Mandados, Divisória Imaginária, Mensagens Vazias, Os Catadores de Orvalho...e, Desculpe o Transtorno, Estamos em Obras, apresentado no Rio de Janeiro, dentro da programação do “Açúcar Invertido”, sob a curadoria de Edson Barrus. Com o Grupo Urucum, foram os grandes homenageados do IV SALÃO DO SESC-AMAPÁ. Suas obras também marcaram presença no SALÃO ARTE PARÁ de 2009, na Sala Poeira, com curadoria de Emanuel Franco, MOSTRA AMAZÔNIA, A ARTE em 2010, MUSEU VALE no Espírito Santo e PALÁCIO DAS ARTES em Belo Horizonte.
  • 7. CLAUDIO SILVA/ O CURADOR Graduado em Artes visuais pela Universidade Federal do Amapá – UNIFAP, especialista em Gestão e Docência no Ensino Superior pela FATECH e mestrando em Ciências da Educação, possui uma vida dedicada a cultura e as artes do Estado do Amapá, em especial as artes do corpo, com especial atenção e apreço pela performance e pela vídeo-arte. A parceria e os experimentos ao lado de Josaphat iniciaram em 2008, quando e coprodução com outras artístas visuais concepcionaram a intervenção-instalação FELIZ 2009. Nela, à véspera de réveillon, os artístas interventores após um dia inteiro catando lixo jogados na Foz do Rio Amazonas, escrevem com pneus, garrafas, sofás, carcaças de fogão e outro objetos inimagináveis descartados incorretamente sobre o leito do maior rio do mundo, FELIZ 2009, propondo mudanças de hábitos para o ano que se inicia. Em conjunto também são coautores da intervenção artística feita no muro da Fundação Municipal de Cultura de Macapá – FUMCULT, no ano de 2015. Possui experiência no campo da cenografia, tendo assinado importantes projeto para a Cia. Ói Nóiz Akí, onde atua como diretor executivo e artístico. Parecerista/ curador selecionado para analise dos projetos de artes visuais do SIMDEC pela Prefeitura de Joinville. Atualmente dedica – se à gestão cultural e aos estudos informais na arte da fotografia, com a qual esta a concepcionar alguns experimentos, a serem expostos em breve!
  • 8. Macapá está no „meio do mundo‟, ao mesmo tempo no centro e na periferia do mundo, atravessada que é pela linha [imaginária] do equador, o círculo máximo da esfera terrestre, perpendicular e eqüidistante à linha que une os dois pólos, que formam o eixo rotor da terra. Cortada pela linha do equador, o cotidiano da cidade projeta-se continuamente sobre o trânsito dessa demarcação de fronteiras que dividem o mundo em diásporas metades em diapasão. Em Macapá, deslocar-se para casa, para o trabalho, para o mercado etc., pode significar mudar de hemisfério, sul-norte/ norte- sul. A narrativa da situação evoca a compreensão de se estar vivendo também, em transito, entre a abstração transposta pelo passo no espaço físico e o rigor da demarcação da fronteira cultural, como quem não sabe ao certo a sua exata localização nos mundos, sua própria situação entre limites no mundo. O universo que Josaphat reinvidicava nos anos de 1990, se apresentava como um mundo marginal que agregava esforços de sobrevivência material, mas concomitantemente experimenta linguagens artísticas que não cale a fala de suas origens e de suas vivencias em um transito infiel pelos conflituosos territórios da arte, da história, da geografia, da economia, da política e da cultura Mas o que seria a con(s)equência das poéticas de visualidade propostas por Josaphat? Vilén Flusser concebe para a língua uma função poética. É o poético, conforme ele argumenta, que possibilita o contato direto com o indizível, mas o indizível fala sem explicitar, com uma potência de significado. Flusser diz então que o poeta arranca dessa potência a palavra primordial que dá início à conversação a qual posteriormente se desdobrará em pensamentos e conhecimento. Josaphat é um catador de estórias, ele anda pelas ruas, palcos de existências múltiplas, catando os resquícios de vivências dele mesmo e de outras pessoas, ele mesmo entre tantos e tantos desconhecidos, e reconstrói o mundo em pinturas que transitam pelos vários hemisférios de Macapá, transitam entre norte e sul, arte e cultura, sociedade e política, particularidade e singularidade - do artista...? É essa singularidade de uma narrativa sensível coletivizada na experiência amazônida que vemos nesta exposição, mas talvez seja mais do que arte, talvez se aproxime daquilo que Walter Benjamim projetava quando dizia que o menor fragmento de realidade falava mais do que a pintura. As con(s)equências de Josaphat são como rastros de realidades que saltam aos seus olhos. Arthur Leandro/ Dr. Artes Visuais pela UFPA.
  • 9. Todas as obras foram executadas na segunda quinzena de 2016, utilizando-se de técnica mista, que se utiliza de assemblage, pintura, escultura, reciclagem e ressignificação de obras do autor e intervenções manuais. Con(S)equência nº 01 Con(S)equência nº 02 Con(S)equência nº 03 Con(S)equência nº 04 Con(S)equência nº 05 Con(S)equência nº 06 Con(S)equência nº 07 Con(S)equência nº 08 Con(S)equência nº 09 Con(S)equência nº 10 Con(S)equência nº 11 Con(S)equência nº 12 Con(S)equência nº 13 Con(S)equência nº 14 Con(S)equência nº 15 Con(S)equência nº 16 Con(S)equência nº 17 Con(S)equência nº 18 Con(S)equência nº 19 Con(S)equência nº 20 Con(S)equência nº 21
  • 10. 1,10Cm X 0,80Cm 1,10Cm X 0,80Cm 1,10Cm X 0,80Cm
  • 11. 1,20Cm X 0,60Cm 1,20Cm X 0,60Cm 1,20Cm X 0,60Cm 1,20Cm X 0,60Cm
  • 12. 1,00Cm X 1,00Cm 1,00Cm X 1,00Cm 1,00Cm X 1,00Cm
  • 13. 0,70Cm X 0,70Cm 0,70Cm X 0,70Cm 0,70Cm X 0,70Cm 0,70Cm X 0,70Cm
  • 14. 0,70Cm X 0,70Cm 0,70Cm X 0,70Cm 0,70Cm X 0,70Cm0,70Cm X 0,70Cm
  • 15. 0,90Cm X 0,90Cm 0,90Cm X 0,90Cm 0,90Cm X 0,90Cm
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24. http://chicoterra.com/2017/04/03/sesc-realiza-exposicao-consequencia-do-artista-josaphat/ https://www.diariodoamapa.com.br/2017/03/21/mais-25-milhoes-para-o-audiovisual-brasileiro/ http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa249362/josaphat https://tribunaamapaense.blogspot.com.br/2017/05/cultura.html https://www.diariodoamapa.com.br/2016/07/20/j-marcio-e-amigos-caricaturas/ http://www.blogderocha.com.br/o-valor-das-artes-e-os-artistas-plasticos-fernando-canto/ http://mzportal.com.br/?p=28041 http://www.experienciamazonia.org/site/grupo-urucum.php http://www.amapadigital.net/cultura_amapa_view.php?id_noticia=125909 http://acucarinvertido.blogspot.com.br http://www.blogderocha.com.br/visite-exposicao-consequencia-artista-josaphat/ http://www.jornalagazeta- ap.com.br/info/noticia/7331/artistas_plasticos_amapaenses_recebem_homenagem_do_conselho_d e_cultura.php CLIPPING
  • 25. SALA DE PRODUÇÃO 0xx (96) 9 8114-9655 0xx (96) 9 8404-6317 Cia Óinóizaquitraveiz Ói Nóiz Akí oinoizaquitraveiz Avª Mãe Luzia – 352 - Laguinho www.ciaoinoizaki.blogspot.com.br