SlideShare uma empresa Scribd logo
www.elton.pro.br
HISTÓRIA DE SANTA CATARINA
O início da ocupação
Nas primeiras décadas após a chegada dos
portugueses ao Brasil, em 1500, o território que
viria a ser Santa Catarina se resumia à condição de
local de passagem, uma base de apoio para os
interesses dos portugueses e dos espanhóis na
região do rio do Prata. As exceções eram alguns
poucos integrantes das expedições pioneiras, que
acabaram por permanecer no litoral catarinense. O
mesmo aconteceu com náufragos, como os 11
sobreviventes do afundamento da embarcação
comandada pelo espanhol Juan Días de Solís, em
1512, nas proximidades da Ilha de Santa Catarina,
que ainda não tinha esse nome. Desse grupo fazia
parte Aleixo Garcia, futuro protagonista de uma
história fantástica: foi levado pelos índios a
percorrer o Caminho de Peabiru, trilha que ligava o
litoral catarinense à civilização Inca, nos Andes.
Além dos portugueses e dos espanhóis,
aventureiros de outras procedências passaram pelo
litoral catarinense naquele período.
Em 1504, o francês Binot Paulmier de
Gonneville chegou à Baía da Babitonga a bordo da
embarcação L’Espoir, avariada por uma
tempestade. Após permanecer seis meses na ilha
que mais tarde viria a sediar São Francisco do Sul,
Gonneville voltou à Europa levando um jovem índio,
Essemeric, filho do cacique local. Moldado ao estilo
de vida do homem branco, o índio viria a se casar
com a filha do navegador francês, Susana. O
povoado de Nossa Senhora das Graças do Rio de
São Francisco seria oficialmente fundado por
bandeirantes em 1658, tornando-se o primeiro
núcleo populacional catarinense.
Chegada dos navegadores franceses, Kurt G. Hermann
Museu Histórico Municipal de São Francisco do Sul
Os guaranis que viviam no litoral
catarinense – chamados pelos europeus de carijós
– eram amigáveis e se habituaram rapidamente a
esses contatos, que se tornaram mais frequentes
com a chegada de catequizadores jesuítas, a partir
de 1549. Já os dois outros grupos indígenas
catarinenses – os kaingangs, que ocupavam os
campos de cima da Serra, e os xoklengs, na região
entre o litoral e o planalto – só viveriam
experiências semelhantes quase 200 anos depois
da chegada dos europeus ao litoral. Esses índios
descendiam de povos que já circulavam pela região
pelo menos 10.000 anos antes, de acordo com
registros arqueológicos e inscrições rupestres
encontradas em vários pontos do Estado. Hoje há
cerca de 10.000 remanescentes indígenas vivendo
em Santa Catarina, a maior parte em reservas
instituídas oficialmente para proteção desses
grupos.
A homenagem a Santa Catarina
É comum afirmar que nome Ilha de Santa
Catarina foi ideia do navegador italiano Sebastião
Caboto – que, a serviço do reino espanhol, passou
pelo litoral catarinense em 1526. A ilha havia sido
chamada de diferentes formas até então. Para os
índios carijós que a ocupavam antes da chegada
dos europeus, o nome era Meiembipe, que significa
“lugar acima do rio”. Em 1514, os navegadores
portugueses Nuno Manoel e Cristóvão de Haro a
batizaram de Ilha dos Patos. Em 1516, depois do
naufrágio do barco de Juan Días de Solís, houve
quem tenha chamado a região de Baía dos
Perdidos, em referência aos 11 tripulantes que se
salvaram e passaram a viver na ilha, junto com os
índios. Mas o nome que se consolidou e se tornou o
definitivo foi mesmo o escolhido por Caboto,
registrado pela primeira vez em um mapa
desenhado por Diego Ribeiro em 1529. Especula-se
que Caboto pode ter aproveitado a oportunidade
para fazer um agrado à esposa, Catarina Medrano.
O fato inegável é que, de qualquer forma, a
homenageada é mesmo a santa, cuja memória é
celebrada em 25 de novembro.
www.elton.pro.br
A capitania de Santa Catarina
Em 1534, o território brasileiro foi dividido
em 12 capitanias hereditárias, entregues à
administração de homens de confiança da coroa
portuguesa. Os principais objetivos eram incentivar
a ocupação das terras e fomentar atividades
econômicas que pudessem se desenvolver sem a
interferência direta de um governo central. A
Capitania de São Vicente, abrangendo partes dos
atuais territórios do Paraná e de São Paulo, foi
entregue a Martim Afonso de Sousa. As Terras de
Sant’Anna, mais ao sul – se estendiam de Laguna
até a Baía de Paranaguá, no atual Estado do Paraná
– ficaram com seu irmão, Pero Lopes de Sousa.
Com a morte de Pero, seis anos depois, em um
naufrágio em Madagascar, iniciou-se um período de
marasmo para a capitania e também uma disputa
entre os herdeiros da família. A questão se arrastou
por quase dois séculos e só foi resolvida com a
recompra da área pelo império, em 1711. A decisão
de retomar a administração do território era uma
consequência do aumento das tensões entre
Portugal e Espanha desde o rompimento da União
Ibérica, em 1640, momento em que os reinos se
tornaram inimigos. Portugal acreditava que
precisava estruturar melhor o povoamento de Santa
Catarina, ponto crítico de uma região sob disputa.
Fez parte dessa mesma estratégia a fundação do
povoado de Nossa Senhora do Desterro (atual
cidade de Florianópolis), em 1672, por Francisco
Dias Velho. Tratava-se do segundo núcleo
populacional do Estado – São Francisco havia sido
fundado 15 anos antes. Dias Velho chegou à Ilha de
Santa Catarina acompanhado da mulher, duas
filhas, três filhos, uma família de empregados, dois
padres e 500 índios domesticados. Numa colina em
frente ao mar, ergueu uma capela consagrada a
Nossa Senhora do Desterro – referência à fuga de
Maria para o Egito, com o pequeno Jesus, para
escapar da perseguição de Herodes. O local é hoje
ocupado pela Catedral Metropolitana.
O bandeirante paulista Francisco Dias Velho
Estátua existente em Florianópolis
Em 1689, a vila foi invadida por piratas, que
dominaram seus habitantes e cometeram uma série
de atrocidades. Dias Velho buscou refúgio dentro da
capela, mas foi descoberto e morto. O povoado só
não foi extinto pela perseverança de alguns
integrantes do grupo, que se recusaram a
abandonar o local. Nesse meio tempo, surgiu o
terceiro núcleo habitacional do litoral catarinense –
a vila de Santo Antônio dos Anjos de Laguna, mais
tarde conhecida apenas como Laguna, fundada em
1676, com a chegada do bandeirante Domingos de
Brito Peixoto. Em 1738, Santa Catarina foi
desmembrada de São Paulo, tornando-se capitania
autônoma. O império português nomeou para o
cargo de governador o brigadeiro José da Silva
Paes. Ele recebeu a missão de planejar um sistema
de fortalezas que protegesse a Ilha de Santa
Catarina de possíveis invasões. O brigadeiro
providenciou os projetos e iniciou a construção de
quatro fortalezas, posicionadas para estabelecer
um sistema de fogo cruzado.
Imigração açoriana
Outro ponto importante da estratégia de
ocupação do litoral catarinense traçada pelo reino
português viria a ser a imigração de açorianos.
Como o Arquipélago dos Açores enfrentava uma
série de dificuldades – excesso populacional,
escassez de alimentos e ocorrência de terremotos –
www.elton.pro.br
enviar parte dos habitantes ao Brasil seria uma
forma de amenizar dois problemas ao mesmo
tempo. O alistamento foi aberto em 1746 e, ao
longo da década seguinte, Santa Catarina recebeu
5.500 açorianos e também moradores da Ilha de
Madeira, o que fez triplicar sua população. Os
imigrantes se instalaram nos núcleos populacionais
já existentes e fundaram outros, tanto na Ilha de
Santa Catarina quanto na área continental. Uma
das primeiras atividades econômicas exercidas
pelos açorianos em Santa Catarina foi a pesca da
baleia – o óleo extraído do animal era usado como
combustível de iluminação, entre outras aplicações.
Algumas “armações”, complexos construídos para
viabilizar a pesca de baleia e a transformação de
sua carne em óleo, foram instaladas em diferentes
partes do litoral catarinense.
Outras heranças dos açorianos são a renda
de bilro, a produção de cerâmica utilitária e a
fabricação de farinha de mandioca em engenhos.
No campo da religião e do folclore, há as
benzedeiras, a devoção ao Divino Espírito Santo e
ao Senhor dos Passos, o terno de reis e as lendas
de bruxas. Na culinária, peixe com pirão é um
clássico prato açoriano. Há que se mencionar ainda
o sotaque típico dos descendentes, marcado pelo
jeito “apressado” de falar e pela sonoridade que
remete à forma como o idioma é praticado em
Portugal. A arquitetura também é uma das heranças
trazidas dos Açores.
Caminho das tropas
Por volta de 1720, Portugal determinou a
abertura de um caminho para o transporte de gado
entre o Rio Grande do Sul e São Paulo. Seria uma
forma de ocupar e desenvolver o interior da região
Sul, motivo de disputas com a Espanha, e também
de levar os animais até Minas Gerais, que vivia uma
fase de franco desenvolvimento decorrente da
exploração do ouro. Dos povoados à beira desse
caminho se originaram cidades como Lages,
oficialmente fundada em 1766. Antônio Correa
Pinto foi quem organizou a povoação, pertencente
no início a São Paulo, sendo que apenas em 1820
seria incorporada a Santa Catarina. Para
estabelecer uma ligação entre o planalto e o litoral,
criou-se um caminho até Laguna – essa é a origem
da estrada da Serra do Rio do Rastro, hoje um dos
pontos turísticos mais conhecidos do Estado. O
tropeirismo foi um ciclo importante, também, para
viabilizar a ocupação do Oeste catarinense –
realizada em grande parte por gaúchos e
paranaenses descendentes de imigrantes
europeus. Quando outras regiões do país
começaram a explorar a pecuária, já no início do
século 20, a utilização do antigo caminho das
tropas perdeu força, restando a cultura do
tropeirismo como uma permanência dessa época.
A disputa pelo território
Demorou um bom tempo até que Portugal e
Espanha se entendessem sobre as fronteiras do
“Novo Mundo”. De certa forma, a disputa começou
ainda em 1494, antes mesmo da chegada dos
portugueses ao Brasil, quando o Tratado de
Tordesilhas estabeleceu previamente, com base em
referenciais já conhecidos, uma regra para a divisão
das terras que viessem a ser descobertas por
ambas as potências. A aplicação dessa regra ao
território brasileiro resultou no traçado de uma linha
imaginária que cortava o país desde Belém, no
Pará, até Laguna, em Santa Catarina. A faixa
litorânea pertenceria a Portugal e o interior do
continente à Espanha. O problema é que o extremo
sul do território destinado a Portugal era uma faixa
muito estreita de terra, correspondente ao atual
litoral catarinense. A Espanha passou a cobiçar
aquele território, que poderia aumentar seu acesso
ao mar, e traçou uma estratégia de ocupação.
Sebastião Caboto, italiano a serviço da Espanha,
permaneceu na costa catarinense por cinco meses
entre 1526 e 1527, com o objetivo de conhecer
melhor o terreno – foi nesse período que ele batizou
a Ilha de Santa Catarina.
Em 1541, Dom Alvar Nuñez Cabeza de Vaca
chegou à ilha, junto com 400 homens,
representando o rei da Espanha, com a missão de
tomar posse das terras. A disputa ficou adormecida
no período entre 1580 e 1640, em que vigorou a
União Ibérica. Voltou à tona, porém, após o
rompimento. Em 1750 foi assinado o Tratado de
Madri, que estabelecia com precisão a linha da
fronteira. Pelo acordo, Portugal abria mão da
www.elton.pro.br
Colônia de Sacramento (atual Uruguai), que vinha
cobiçando, e ficava com os Sete Povos das Missões
(atual oeste do Rio Grande do Sul). Para que o
acordo fosse concretizado, contudo, as populações
das áreas envolvidas teriam que se tornar súditas
da realeza rival, condição que gerou muita revolta e
fez com que o acordo fosse anulado. As duas
potências se lançaram então à Guerra dos Sete
Anos na Europa, com Portugal aliado à Inglaterra e a
Espanha, da França. A Espanha passou a preparar
em segredo uma grande esquadra para invadir a
Ilha de Santa Catarina.
Em novembro de 1776, nada menos que
116 embarcações, com 920 canhões no total e
quase 16.000 soldados e marinheiros, partiu rumo
ao Brasil, sob o comando de Dom Pedro de Cevallos
– que já havia visitado a Ilha de Santa Catarina e
conhecia bem o sistema local de defesa. Quando a
esquadra espanhola chegou à Ilha, em fevereiro de
1777, as fortalezas se demonstraram incapazes de
conter os avanços de invasores tão numerosos e
potentes. Alguns disparos até foram realizados pela
fortaleza de São José da Ponta Grossa, no Norte da
Ilha, mas sem qualquer efeito prático. Os espanhóis
desembarcaram tranquilamente na praia de
Canasvieiras e as autoridades locais assinaram sem
resistência o termo de rendição. A Ilha de Santa
Catarina passava naquele momento ao comando da
Espanha. Com a morte do rei de Portugal, Dom José
I, e a consequente queda do Marquês de Pombal,
em março de 1777, as negociações evoluíram até
chegarem ao Tratado de Santo Ildefonso, assinado
em outubro daquele mesmo ano. Por esse novo
acordo, Portugal receberia de volta a Ilha de Santa
Catarina, comprometendo-se a não utilizá-la como
base de navios de guerra ou porto de comércio com
outros países. Era o início de uma nova fase para
Santa Catarina. Em 1800, sua população chegou a
21.000 pessoas, com divisão mais ou menos
proporcional entre os três principais núcleos –
Desterro, São Francisco e Laguna –, cada um com
cerca de 4.000 habitantes.
Brasil logo após a Independência (1822)
No destaque, a Província de Santa Catarina
Colonização alemã
A primeira colônia alemã em Santa Catarina
foi instalada em São Pedro de Alcântara, em 1829.
Esse grupo pioneiro, de 523 pessoas, vindas de
Bremen, enfrentou todo tipo de problemas, desde a
falta de pagamento na íntegra das diárias
combinadas até as dificuldades de adaptação ao
clima tropical. Como se não bastasse, temporais
destruíram suas primeiras plantações. Muitos
persistiram, enquanto outros decidiram tentar a
sorte em outra região, o Vale do Itajaí. O
farmacêutico alemão Hermann Bruno Otto
Blumenau, que veio ao Brasil em 1846 contratado
pela Sociedade de Proteção aos Emigrantes
Alemães, para desenvolver um projeto de
colonização, também escolheu o Vale do Itajaí.
Enquanto os trâmites burocráticos eram
encaminhados, Blumenau recebeu a notícia de que
a instituição que ele representava fechara as
portas. Mesmo assim, decidiu tocar adiante o
projeto por conta própria. Associou-se ao
comerciante Fernando Hackradt e voltou à
Alemanha para recrutar colonos – os primeiros 17
chegaram em agosto de 1850. Eram quase todos
artesãos – carpinteiros, marceneiros, funileiros,
ferreiros –, contra apenas dois lavradores. Essa
seria uma tendência dos grupos seguintes de
colonos alemães.
Diversas novas levas de imigrantes
chegariam nos anos seguintes. No final dessa
década, a população já estava próxima de 1.000
pessoas – e a cidade foi batizada de Blumenau. Já
Joinville surgiu de um processo oficial de
colonização. Em 1829, a Sociedade Colonizadora
de Hamburgo comprou 81 léguas de terras em
www.elton.pro.br
Santa Catarina, pertencentes ao príncipe francês
François Ferdinand Philippe. Ele havia recebido as
terras como dote ao se casar com Francisca, irmã
de Dom Pedro II. A colônia foi batizada de Dona
Francisca, mas, quando virou cidade, ganhou o
nome de Joinville em homenagem a François, que
ostentava o título nobre de Príncipe de Joinville, um
vilarejo medieval francês. Em 1851 chegou o
primeiro grupo de 192 imigrantes alemães, suíços e
noruegueses. Nas levas seguintes, predominaram
os alemães. Entre as influências mais marcantes da
colonização alemã estão a arquitetura enxaimel –
construções cuja estrutura combina madeira e
tijolos aparentes – e a culinária, com pratos como
chucrute e eisbein, o joelho de porco. Nas colônias
alemãs, a cerveja é até hoje fabricada com os
requintes ensinados pelos pioneiros. A cultura
deixada pelos antepassados é celebrada
anualmente com a realização de diversas festas
típicas no território catarinense, das quais a mais
famosa é a Oktoberfest de Blumenau.
Colonização italiana
Dois europeus que viviam em Desterro – o
italiano Carlo Demaria e o suíço Henrique Schutel –
se uniram para fundar uma empresa de
colonização, Demaria & Schutel. Em 1835, pediram
à província uma série de benefícios para instalar
grupos de lavradores a serem trazidos da Itália.
Assim, em março de 1836, chegaram ao porto de
Desterro 186 colonos, quase todos oriundos da Ilha
da Sardenha. O governo de Santa Catarina cedeu
uma área no município de São Miguel e a colônia foi
denominada “Nova Itália”, atual município de São
João Batista. Novas colônias italianas só viriam a
ser criadas em Santa Catarina bem mais tarde, em
consequência do contrato estabelecido em 1874
entre o Império brasileiro e o empreendedor
Joaquim Caetano Pinto Jr.. Eram instaladas em
áreas periféricas das colônias alemãs, a exemplo de
Rio dos Cedros, Rodeio, Ascurra, Botuverá e Nova
Trento, organizadas em torno de Blumenau e
Brusque. O Sul do Estado também se tornou destino
a partir de 1877, com o desembarque de 291
colonos vênetos em Laguna, para ocupar o Núcleo
de Azambuja e o Núcleo Urussanga.
A região se tornaria destino preferencial dos
italianos, com novas levas de imigrantes instalando-
se em Criciúma, Pedras Grandes, Treze de Maio,
Acioli de Vasconcelos (atual Cocal), Grão-Pará
(atuais municípios de Orleans, Grão-Pará, São
Ludgero e Braço do Norte) e Nova Veneza
(municípios de Nova Veneza e Siderópolis). Essas
colônias se especializaram desde o início na
produção agrícola, com o uso de técnicas trazidas
da terra natal para o cultivo de uva, milho e arroz.
Os italianos se espalharam por boa parte dos
municípios catarinenses – cerca de 220, bem mais
do que qualquer outro grupo de imigrantes. Estima-
se que quatro em cada dez catarinenses tenham
ascendência italiana. Essa tradição se manifesta na
culinária – polenta e vinho são presenças
constantes na mesa dos descendentes –, nas
vocações econômicas desenvolvidas no Sul de
Santa Catarina, como a produção cerâmica, e até
em atividades de lazer, a exemplo do jogo de bocha.
Outras nacionalidades
Dos poloneses aos gregos, dos africanos
aos japoneses, descendentes dos mais diversos
povos se fazem presentes em Santa Catarina.
Marcante também é a presença austríaca em Santa
Catarina. Imigrantes oriundos da região do Tirol
fundaram, em 1933, a cidade de Treze Tílias, numa
região cuidadosamente escolhida pelo governo da
Áustria pela semelhança com as paisagens
originais. O país havia perdido território após a
derrota na Primeira Guerra Mundial e já não havia
lugar para todos. Hoje Treze Tílias mantém muitas
das tradições trazidas pelos colonizadores, como as
casas em estilo alpino e a prática de esculturas em
madeira. Santa Catarina tem também influência
árabe. Sírios e libaneses chegaram a partir de 1885
a cidades como Florianópolis, Biguaçu, Caçador,
Canoinhas, Criciúma e Lages, dedicando-se,
sobretudo, ao comércio. Já os japoneses vieram em
pequenos grupos, na primeira metade do século 20,
e se instalaram especialmente no atual município
de Frei Rogério, no Meio-Oeste, e em São Joaquim,
na Serra, onde contribuíram para o aprimoramento
da produção de maçãs com a introdução de novas
variedades.
Não se pode deixar de citar a presença e a
influência marcante dos africanos, que na maior
parte dos casos, chegaram a Santa Catarina como
escravos. Em 1810, dos 30.000 habitantes de
Santa Catarina, 7.000 eram escravos negros, quase
sempre descendentes de bantos e sudaneses que
desembarcavam nas regiões Nordeste e Sudeste do
país e desciam por terra rumo ao Sul, com o tráfico
interno. Em 1872, a proporção havia caído para
10% dos 158.000 habitantes, mas ainda assim sua
cultura permaneceu presente, como se pode
constatar pelas práticas religiosas – a umbanda e o
candomblé – e culturais, a exemplo do carnaval e
do samba. O Estado mantém várias áreas
quilombolas, originalmente ocupadas por ex-
escravos, como o Sertão do Valongo, em Porto Belo,
e a Lagoa de Acaraí, em São Francisco do Sul. O
maior nome da nossa literatura catarinense era
negro: o poeta João da Cruz e Sousa.
A imigração polonesa é possivelmente a
mais relevante depois da açoriana, da alemã e da
www.elton.pro.br
italiana. Em 1871, o primeiro grupo chegou a
Brusque. Em 1882, foi a vez de Jacinto Machado,
no Sul do Estado. Em 1889, o entusiasmo com a
perspectiva de uma nova vida no Sul do Brasil
tomou conta de muitos poloneses. No ano seguinte,
nada menos que 29.200 vieram ao país, contra não
mais de 4.500 ao longo dos 15 anos anteriores. A
maior parte eram agricultores. Os poloneses se
alojaram especialmente no Sul, nos vales dos rios
Urussanga, Tubarão e Araranguá, com maior
concentração na cidade de Criciúma, e também nos
vales do Itajaí e do Itapocu, ao norte, em cidades
como Mafra, Itaiópolis, Canoinhas, São Bento do Sul
e Brusque. Após a Segunda Guerra Mundial, novas
levas chegaram a Mondaí e Pouso Redondo.
Os franceses, além de terem sido uns dos
primeiros europeus a conhecer Santa Catarina, em
1504, quando Binot Paulmier de Gonneville chegou
à futura cidade de São Francisco do Sul, viveram
outra experiência marcante por aqui, na mesma
região. Foi a instalação, em 1841, de um
experimento socialista, a Colônia Industrial da Barra
do Saí. Idealizado por um médico homeopata,
Benoit Joseph Mure, o projeto contou com o apoio e
a simpatia da monarquia brasileira. Mais de 400
franceses se estabeleceram na colônia, que tinha
como princípio a inexistência da propriedade
privada – tudo era comum e o resultado do trabalho
seria desfrutado igualmente por todos. A colônia
alcançou rápido desenvolvimento, com uma olaria e
uma forja que ganharam muitos clientes na região.
Essas notícias chegavam à França e em 1844 havia
milhares de pessoas interessadas em integrar a
célebre colônia. Contudo, não tiveram vida longa,
em razão das dificuldades de comercializar o que
produziam, dada a baixa densidade demográfica da
região naqueles anos.
Revolução Farroupilha
O período regencial, entre 1831 e 1840 –
desde a renúncia de Dom Pedro I até a ascensão ao
trono de seu filho Dom Pedro II –, viu surgir uma
série de revoltas no país. A mais significativa foi a
Revolução Farroupilha, que eclodiu em 1835 no Rio
Grande do Sul e se prolongou por dez anos. Foi um
movimento impulsionado por ideais republicanos e
pela insatisfação com os altos impostos cobrados
pela Monarquia sobre produtos típicos do Sul, a
exemplo do charque e da erva-mate. Essa ideologia
encontrou muitos apoiadores no território
catarinense, que também seria palco do conflito.
Depois de tomarem Porto Alegre em 1835 e terem
sido repelidos pelas forças do governo, os
revoltosos, conhecidos como “farrapos”, dirigiram-
se a outros pontos de interesse, como Bagé, no
território gaúcho, Lages, na Serra catarinense, e
Laguna, no litoral Sul de Santa Catarina. Laguna foi
tomada em 1839, num esforço conjunto das forças
de terra, lideradas por Davi Canabarro, e de mar,
sob comando do italiano Giuseppe Garibaldi. Na
pacata cidade catarinense foi proclamada a
República Juliana, em 29 de julho de 1839 – nome
que fazia referência ao mês em que ocorria aquele
episódio histórico. O interesse dos farrapos era
obter uma saída para o mar, visto que o litoral
gaúcho estava tomado pelas forças do governo.
A presença dos farrapos em Laguna se
prolongou por seis meses, até que o governo se
reorganizou para retomar a cidade, obrigando os
revoltosos a escapar de volta para o Rio Grande do
Sul. O movimento continuaria até 1845, quando
chegou ao fim por meio de um acordo em que o
governo concordava em reduzir substancialmente
os impostos cobrados sobre o charque. Mas a
permanência em Laguna foi suficiente para que
Garibaldi se apaixonasse pela catarinense Ana
Maria de Jesus Ribeiro e se unisse à jovem – que
dali em diante ficaria conhecida como Anita
Garibaldi. Depois de lutar no Brasil, o casal partiu
para o Uruguai e, de lá, para a Itália, onde Garibaldi
foi o grande líder do processo de Unificação do país,
que se encontrava esfacelado e submetido ao
controle de diversos governos estrangeiros. Anita foi
companheira inseparável, inclusive nos campos de
batalha, do chamado Herói dos Dois Mundos – até
morrer em 1849, aos 28 anos, quando adoeceu em
meio à perseguição pelos austríacos. Tornou-se
sinônimo de mulher destemida e é uma figura
heroicizada tanto na Itália quanto no Brasil,
especialmente na cidade de Laguna.
A Guerra do Contestado
Ao mesmo tempo em que a Primeira Guerra
Mundial agitava o mundo, o conflito do Contestado
abalava a paz em território catarinense. Ocorrido
numa zona de disputa por terras entre Paraná e
Santa Catarina – 48.000 km² no Meio-Oeste e
Oeste catarinenses –, durou de 1912 a 1916 e
vitimou, estima-se, pelo menos 20.000 pessoas. Foi
provocado por uma conjunção de fatores que se
somaram às incertezas causadas pela longa disputa
judicial entre os dois Estados. Um desses fatores foi
a construção da Estrada de Ferro São Paulo-Rio
Grande, entre 1907 e 1910, pela Brazil Railway
Company. Os objetivos da obra eram dar saída à
produção de madeira e iniciar ao redor da ferrovia
um processo consistente de ocupação – para isso,
a empresa receberia 6.000 km² de terras como
parte do pagamento, com a possibilidade de
explorar toda a madeira existente ali e a obrigação
de assentar imigrantes estrangeiros. O problema é
que as famílias que ocupavam esse território – uma
faixa de 15 km em cada lado da ferrovia – foram
simplesmente expulsas e não tinham para onde ir.
www.elton.pro.br
Para tornar a situação ainda mais complexa, cerca
de 8.000 operários trazidos para a obra ficaram
sem o ganha-pão assim que a ferrovia ficou pronta.
Essa multidão de pessoas encontrou nos diversos
líderes religiosos que apareceram na região as
palavras de fé que precisavam para seguir adiante.
Em 1912, o monge-curandeiro José Maria
arrebanhou milhares de seguidores, multidão que
assustava os poderes constituídos. Os governos de
Santa Catarina e Paraná deram uma trégua na
disputa que travavam entre si para enfrentar juntos
o movimento, contando ainda com a ajuda do
Governo Federal. O conflito foi desigual. De um lado,
metralhadoras, canhões e até aviões. De outro,
paus e facões. Mesmo assim, foi preciso mobilizar
grande parte do exército brasileiro ao longo de
quatro anos para abafar de vez o Contestado. Do
ponto de vista social, a guerra não trouxe solução
alguma – só agravou o sentimento de revolta da
população e os problemas da região. Mas serviu, ao
menos, para pôr fim à disputa entre os dois
Estados, que firmaram um acordo em 1916,
estabelecendo os limites que permanecem até hoje.
Com isso, surgiram municípios como Mafra (nome
dado em homenagem ao Conselheiro Mafra,
defensor de Santa Catarina na disputa judicial),
Porto União, Joaçaba e Chapecó.
Em 1943, Santa Catarina sofreu uma
modificação geográfica, que se mostrou temporária,
com a criação do Território do Iguaçu pelo governo
Getúlio Vargas, abrangendo a região Oeste dos
Estados do Paraná e de Santa Catarina. No lado de
Santa Catarina, o novo território incluía cidades
como Chapecó, Concórdia, Caçador, Joaçaba,
Xanxerê e São Miguel d’Oeste. Os objetivos eram
fortalecer a ocupação da fronteira depois da
entrada do Brasil na Segunda Guerra e ao mesmo
tempo dar autonomia a uma região que se sentia
distanciada do poder estabelecido no Litoral. A
mudança durou apenas três anos, sendo revogada
pela Constituição de 1946.
Santa Catarina na Era Republicana
A proclamação da República e o
consequente fim da Monarquia, em 15 de
novembro de 1889, marcariam um novo período
para o Brasil e para todas as suas províncias, que
passaram a ser chamadas de Estados. O presidente
de Santa Catarina, Luís Alves Leite de Oliveira Bello,
foi pacificamente destituído e muitos deputados
monarquistas aderiram espontaneamente ao novo
regime. Lauro Müller tornou-se o primeiro
governador de Santa Catarina na era republicana. A
Constituição Federal de 1891 estabeleceu eleições
diretas e Gustavo Richard foi o escolhido.
O Estado se viu involuntariamente envolvido
na Revolta da Armada, que eclodiu no Rio de
Janeiro em 1893. A Marinha, em parte por ter
resquícios monarquistas em seus quadros, e
também insatisfeita pelo fato de que apenas
representantes do Exército estavam assumindo o
governo do país após a proclamação da República,
revoltou-se sob a liderança do almirante Custódio
de Melo. Os navios rebeldes bombardearam o Rio
de Janeiro e, atacados pelas forças
governamentais, escaparam rumo ao Sul do país,
onde se juntaram aos revoltosos da Revolução
Federalista e invadiram a pacata e indefesa capital
catarinense, Desterro. Floriano Peixoto adquiriu
novos navios e retomou a cidade, com forte
repressão – incluindo quase duas centenas de
fuzilamentos e enforcamentos realizados na Ilha de
Anhatomirim, sob comando do temido coronel
Moreira Cesar. As vítimas foram não apenas
membros comprovados do movimento original, mas
também simples moradores de Desterro que teriam,
na avaliação do governo, colaborado de alguma
forma com os revoltosos. Santa Catarina entraria no
século 20 com muitos traumas a superar e uma
nova identidade para a capital, cujo nome foi
trocado de Desterro para Florianópolis.
Em 1900, Santa Catarina somava 320.300
habitantes. Florianópolis e Blumenau eram as
maiores cidades, com cerca de 31.000 habitantes
cada. O Estado consolidava o modelo de ocupação
por pequenas propriedades agrícolas, de
administração familiar, sem latifúndios e sem uma
metrópole predominante. Com o passar das
décadas, esse se tornaria um dos principais
diferenciais de Santa Catarina em relação à maioria
dos Estados brasileiros. As limitações econômicas
do início do século foram sendo gradualmente
superadas. A pauta de exportações, antes limitada
às madeiras, à erva-mate e à farinha de mandioca,
foi reforçada pelo gado e o arroz.
Com o advento da industrialização no
Estado, processo iniciado ainda na década de
1880, com a fundação de uma fábrica de camisetas
www.elton.pro.br
em Blumenau pelos irmãos Hermann e Bruno
Hering, Santa Catarina passou a ter produção
relevante também de tecidos e fios, camisas,
bordados e meias de algodão. Impulsionado pelo
desenvolvimento da indústria têxtil, Blumenau logo
se tornaria o maior município catarinense – em
1920, a cidade somava 68.000 habitantes,
enquanto nenhuma outra do Estado chegava a
40.000.
Fábrica de Tecidos Carlos Renaux
Primeira indústria têxtil de Brusque
Florianópolis, a capital, vivia isolada pela
inexistência de uma ligação da Ilha de Santa
Catarina com o continente. O governador Hercílio
Luz resolveu enfrentar esse problema ao
providenciar a construção, entre 1922 e 1926, da
ponte que seria batizada com o seu nome. O
desenvolvimento trazido pela obra foi inegável,
assim como o endividamento do Estado, que
precisou fazer um empréstimo de 20.000 contos
(quantia equivalente a 5 milhões de dólares) para
executar essa e outras obras de infraestrutura. O
valor correspondia a quase quatro anos de receita.
Em 1955, o lageano Nereu Ramos, que
havia sido governador de Santa Catarina entre
1935 e 1945 (e era filho do também ex-governador
Vidal Ramos), tornou-se o político mais importante
da história catarinense ao assumir a Presidência da
República por um período de três meses, após o
suicídio de Getúlio Vargas. Ramos era o primeiro
vice-presidente do Senado Federal e foi alçado ao
cargo após o impedimento do vice de Getúlio, Café
Filho, e do presidente da Câmara dos Deputados,
Carlos Luz. Conduziu o governo até a posse de
Juscelino Kubitschek, tornando-se a partir daí
ministro da Justiça. Nereu Ramos morreria num
acidente aéreo, em 1958, que vitimou também o
então governador de Santa Catarina, Jorge Lacerda,
e outro importante político do Estado, Leoberto Leal.
O golpe militar de 1964 impôs um período
de duas décadas de ditadura no Brasil. Santa
Catarina teve um papel destacado no processo de
redemocratização do país ao desencadear um
movimento popular que entrou para a história como
Novembrada, referência ao mês de 1979 em que o
episódio ocorreu em Florianópolis. Durante visita do
presidente João Figueiredo à cidade, estava prevista
a inauguração de uma placa em homenagem a
Floriano Peixoto – contestada por boa parte da
população em decorrência da memória dos
acontecimentos que haviam culminado com a troca
do nome da cidade para Florianópolis, em 1894. Os
protestos se transformaram em tumulto e a
população arrancou à força a placa recém-instalada
na Praça 15 de Novembro, manifestação que foi
interpretada como sinal do enfraquecimento do
governo militar e contribuiu para o advento do
processo de abertura política que se daria dali em
diante.
Em 1983, o voto voltou a ser direto para a
escolha de governadores. Em Santa Catarina, foram
eleitos sucessivamente Esperidião Amin (1983-
1987), Pedro Ivo Campos (para o mandato entre
1987 e 1990, com o vice Casildo Maldaner
assumindo por pouco mais de um ano após a morte
do governador), Vilson Kleinübing (para o período
www.elton.pro.br
entre 1991 e 1995, com seu vice Antônio Carlos
Konder Reis também assumindo por quase um ano
em decorrência do titular ter concorrido ao Senado),
Paulo Afonso Vieira (1995-1999), novamente
Esperidião Amin (1999-2003), Luiz Henrique da
Silveira (que cumpriu dois mandatos, entre 2003 e
2010, com o vice Leonel Pavan assumindo por
quase um ano, ao final do período, para que o
governador se candidatasse ao Senado) e
Raimundo Colombo, a partir de 2011.
Adaptado de:
Dia de Santa Catarina, Florianópolis: Insular, 2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Encontre no caça palavras as capitais dos estados ao lado
Encontre no caça palavras as capitais dos estados ao ladoEncontre no caça palavras as capitais dos estados ao lado
Encontre no caça palavras as capitais dos estados ao lado
Atividades Diversas Cláudia
 
III Atividade Avaliatíva de Geo 4º e 5º ano pdf
III Atividade Avaliatíva de Geo 4º e 5º ano pdfIII Atividade Avaliatíva de Geo 4º e 5º ano pdf
III Atividade Avaliatíva de Geo 4º e 5º ano pdf
André Moraes
 
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdfHistoria Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
marilei4
 
Avaliação Ciências
Avaliação CiênciasAvaliação Ciências
Avaliação Ciências
Isa ...
 
III Atividade Avaliatíva de Geofgrafia e História 3º ano pdf
III Atividade Avaliatíva de Geofgrafia e História 3º ano pdfIII Atividade Avaliatíva de Geofgrafia e História 3º ano pdf
III Atividade Avaliatíva de Geofgrafia e História 3º ano pdf
André Moraes
 

Mais procurados (20)

Encontre no caça palavras as capitais dos estados ao lado
Encontre no caça palavras as capitais dos estados ao ladoEncontre no caça palavras as capitais dos estados ao lado
Encontre no caça palavras as capitais dos estados ao lado
 
III Atividade Avaliatíva de Geo 4º e 5º ano pdf
III Atividade Avaliatíva de Geo 4º e 5º ano pdfIII Atividade Avaliatíva de Geo 4º e 5º ano pdf
III Atividade Avaliatíva de Geo 4º e 5º ano pdf
 
A paz - Análise e entendimento da música
A paz   - Análise e entendimento da músicaA paz   - Análise e entendimento da música
A paz - Análise e entendimento da música
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdfHistoria Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
Historia Atividade Cidadania Diversidade Cultural e Respeito 5º ano (1).pdf
 
Texto e interpretação - A origem do Carnaval
Texto e interpretação - A origem do Carnaval Texto e interpretação - A origem do Carnaval
Texto e interpretação - A origem do Carnaval
 
Avaliação Ciências
Avaliação CiênciasAvaliação Ciências
Avaliação Ciências
 
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...
AVALIAÇÃO DE HISTÓRIA: 4º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - II CICLO - 2° BIMESTR...
 
Avaliação expansão marítima
Avaliação expansão marítimaAvaliação expansão marítima
Avaliação expansão marítima
 
Caça palavras brasil pre colonial
Caça palavras brasil pre colonialCaça palavras brasil pre colonial
Caça palavras brasil pre colonial
 
Atividade avaliativa de história
Atividade avaliativa de históriaAtividade avaliativa de história
Atividade avaliativa de história
 
III Atividade Avaliatíva de Geofgrafia e História 3º ano pdf
III Atividade Avaliatíva de Geofgrafia e História 3º ano pdfIII Atividade Avaliatíva de Geofgrafia e História 3º ano pdf
III Atividade Avaliatíva de Geofgrafia e História 3º ano pdf
 
Texto sobre a água com interpretação e gramática
Texto sobre a água com interpretação e gramáticaTexto sobre a água com interpretação e gramática
Texto sobre a água com interpretação e gramática
 
Aula de religião 4
Aula de religião 4Aula de religião 4
Aula de religião 4
 
Poluição - Texto e atividade de Ciências
Poluição  - Texto e atividade de Ciências Poluição  - Texto e atividade de Ciências
Poluição - Texto e atividade de Ciências
 
Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2
Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2
Prova 7ano ensino religioso 2b pet 2
 
De olho na dengue - Análise e entendimento do texto
De olho na dengue -   Análise e entendimento do textoDe olho na dengue -   Análise e entendimento do texto
De olho na dengue - Análise e entendimento do texto
 
Geografia 3º ano
Geografia 3º anoGeografia 3º ano
Geografia 3º ano
 
Avaliação de história 6º ano
Avaliação de história 6º anoAvaliação de história 6º ano
Avaliação de história 6º ano
 
Apostila do 1° ano 5° ano 2011
Apostila do 1° ano 5° ano 2011Apostila do 1° ano 5° ano 2011
Apostila do 1° ano 5° ano 2011
 

Destaque

3 ano história de santa catarina -parte 01
3 ano   história de santa catarina -parte 013 ano   história de santa catarina -parte 01
3 ano história de santa catarina -parte 01
Daniel Alves Bronstrup
 
Pré história de santa catarina: sambaquianos e carijós
Pré história de santa catarina: sambaquianos e carijósPré história de santa catarina: sambaquianos e carijós
Pré história de santa catarina: sambaquianos e carijós
Viegas Fernandes da Costa
 
Geografia de santa catarina
Geografia de santa catarinaGeografia de santa catarina
Geografia de santa catarina
lucianeg02blog1
 
Historia de santa catarina
Historia de santa catarinaHistoria de santa catarina
Historia de santa catarina
Carlos Glufke
 
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdfAtividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
André Moraes
 
PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL
PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SULPRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL
PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL
ANDRADELIMA
 
Curiosidades (revista de historia)
Curiosidades (revista de historia)Curiosidades (revista de historia)
Curiosidades (revista de historia)
mahhhluiza
 

Destaque (20)

História e Geografia de Santa Catarina
História e Geografia de Santa Catarina História e Geografia de Santa Catarina
História e Geografia de Santa Catarina
 
3 ano história de santa catarina -parte 01
3 ano   história de santa catarina -parte 013 ano   história de santa catarina -parte 01
3 ano história de santa catarina -parte 01
 
Questões de História de Santa Catarina
Questões de História de Santa CatarinaQuestões de História de Santa Catarina
Questões de História de Santa Catarina
 
Pré história de santa catarina: sambaquianos e carijós
Pré história de santa catarina: sambaquianos e carijósPré história de santa catarina: sambaquianos e carijós
Pré história de santa catarina: sambaquianos e carijós
 
História de Santa Catarina
História de Santa CatarinaHistória de Santa Catarina
História de Santa Catarina
 
História de Santa Catarina - parte 1 de 3
História de Santa Catarina - parte 1 de 3História de Santa Catarina - parte 1 de 3
História de Santa Catarina - parte 1 de 3
 
Geografia de santa catarina
Geografia de santa catarinaGeografia de santa catarina
Geografia de santa catarina
 
Historia de santa catarina
Historia de santa catarinaHistoria de santa catarina
Historia de santa catarina
 
História pré-colonial de Santa Catarina (com foco no patrimônio arqueológico ...
História pré-colonial de Santa Catarina (com foco no patrimônio arqueológico ...História pré-colonial de Santa Catarina (com foco no patrimônio arqueológico ...
História pré-colonial de Santa Catarina (com foco no patrimônio arqueológico ...
 
Santa catarina
Santa catarinaSanta catarina
Santa catarina
 
História de Santa Catarina - parte 2 de 3
História de Santa Catarina - parte 2 de 3História de Santa Catarina - parte 2 de 3
História de Santa Catarina - parte 2 de 3
 
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdfAtividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
Atividade avaliatíva de hist 4º e 5º ano pdf
 
Aula polos industriais sc
Aula polos industriais scAula polos industriais sc
Aula polos industriais sc
 
Salto, por que me encanta? Histórias imperdíveis sobre a terra de Tavares
Salto, por que me encanta? Histórias imperdíveis sobre a terra de TavaresSalto, por que me encanta? Histórias imperdíveis sobre a terra de Tavares
Salto, por que me encanta? Histórias imperdíveis sobre a terra de Tavares
 
PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL
PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SULPRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL
PRÉ-HISTÓRIA DO MATO GROSSO DO SUL
 
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnicaHistória de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
 
Aula 01 LocalizaçAo Caracteristica
Aula 01   LocalizaçAo CaracteristicaAula 01   LocalizaçAo Caracteristica
Aula 01 LocalizaçAo Caracteristica
 
Curiosidades (revista de historia)
Curiosidades (revista de historia)Curiosidades (revista de historia)
Curiosidades (revista de historia)
 
Santa catarina
Santa catarinaSanta catarina
Santa catarina
 
História de Santa Catarina - parte 3 de 3
História de Santa Catarina - parte 3 de 3História de Santa Catarina - parte 3 de 3
História de Santa Catarina - parte 3 de 3
 

Semelhante a Resumo - História de Santa Catarina

Santa catarina prof.samanta
Santa catarina  prof.samantaSanta catarina  prof.samanta
Santa catarina prof.samanta
jacoanderle
 
OcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato GrossoOcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato Grosso
Paticx
 
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
Professor: Ellington Alexandre
 
Espírito santo colonial
Espírito  santo colonialEspírito  santo colonial
Espírito santo colonial
Yara Ribeiro
 

Semelhante a Resumo - História de Santa Catarina (20)

Santa catarina prof.samanta
Santa catarina  prof.samantaSanta catarina  prof.samanta
Santa catarina prof.samanta
 
Historia da paraiba
Historia da paraibaHistoria da paraiba
Historia da paraiba
 
História do paraná
História do paranáHistória do paraná
História do paraná
 
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptxHISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
 
Le revista appers
Le revista appersLe revista appers
Le revista appers
 
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesaCapítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
Capítulo 7 - Expansão e ouro na américa portuguesa
 
História do ceará voliii
História do ceará voliiiHistória do ceará voliii
História do ceará voliii
 
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
História do Mato Grosso do Sul - Ocupação do território - Início do período c...
 
História de Santa Catarina
História de Santa CatarinaHistória de Santa Catarina
História de Santa Catarina
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
OcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato GrossoOcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato Grosso
 
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
seminário do 9º ano A turno manhã escola MHS Santa Rita PB tema História da P...
 
Espírito santo colonial
Espírito  santo colonialEspírito  santo colonial
Espírito santo colonial
 
HP
HPHP
HP
 
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do BrasilSistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
Sistema colonial - Questões dos últimos vestibulares do Sul do Brasil
 
Geografia- conteúdo
Geografia- conteúdo Geografia- conteúdo
Geografia- conteúdo
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
 
Apostila turismohistoriadoceara
Apostila turismohistoriadocearaApostila turismohistoriadoceara
Apostila turismohistoriadoceara
 
Historia do-brasil
Historia do-brasilHistoria do-brasil
Historia do-brasil
 

Mais de Elton Zanoni

Mais de Elton Zanoni (20)

Depoimento de Anselmo Duarte (1991)
Depoimento de Anselmo Duarte (1991)Depoimento de Anselmo Duarte (1991)
Depoimento de Anselmo Duarte (1991)
 
Painel - Italianos em Salto
Painel - Italianos em SaltoPainel - Italianos em Salto
Painel - Italianos em Salto
 
Salto: história de suas ruas e praças (Ettore Liberalesso, 1998)
Salto: história de suas ruas e praças (Ettore Liberalesso, 1998)Salto: história de suas ruas e praças (Ettore Liberalesso, 1998)
Salto: história de suas ruas e praças (Ettore Liberalesso, 1998)
 
Memória em postais - Salto/SP
Memória em postais - Salto/SPMemória em postais - Salto/SP
Memória em postais - Salto/SP
 
Histórico da Capela e Irmandade de Nossa Senhora das Neves (1992)
Histórico da Capela e Irmandade de Nossa Senhora das Neves (1992)Histórico da Capela e Irmandade de Nossa Senhora das Neves (1992)
Histórico da Capela e Irmandade de Nossa Senhora das Neves (1992)
 
O fim do Antigo Regime
O fim do Antigo RegimeO fim do Antigo Regime
O fim do Antigo Regime
 
O Segundo Reinado
O Segundo ReinadoO Segundo Reinado
O Segundo Reinado
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
O século XVIII
O século XVIIIO século XVIII
O século XVIII
 
Aspectos políticos da colonização
Aspectos políticos da colonizaçãoAspectos políticos da colonização
Aspectos políticos da colonização
 
Apostila de História - UFSC 2017 [amostra]
Apostila de História - UFSC 2017 [amostra]Apostila de História - UFSC 2017 [amostra]
Apostila de História - UFSC 2017 [amostra]
 
Mecanismos econômicos da colonização portuguesa no Brasil - séculos XVI e XVII
Mecanismos econômicos da colonização portuguesa no Brasil - séculos XVI e XVIIMecanismos econômicos da colonização portuguesa no Brasil - séculos XVI e XVII
Mecanismos econômicos da colonização portuguesa no Brasil - séculos XVI e XVII
 
A Antiguidade Oriental
A Antiguidade OrientalA Antiguidade Oriental
A Antiguidade Oriental
 
Introdução ao estudo da História
Introdução ao estudo da HistóriaIntrodução ao estudo da História
Introdução ao estudo da História
 
As origens da presença europeia no Brasil
As origens da presença europeia no BrasilAs origens da presença europeia no Brasil
As origens da presença europeia no Brasil
 
Revolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império NapoleônicoRevolução Francesa e Império Napoleônico
Revolução Francesa e Império Napoleônico
 
República dos Militares (1964-1985)
República dos Militares (1964-1985)República dos Militares (1964-1985)
República dos Militares (1964-1985)
 
Apostila - História no Vestibular da UDESC
Apostila - História no Vestibular da UDESCApostila - História no Vestibular da UDESC
Apostila - História no Vestibular da UDESC
 
República Populista
República PopulistaRepública Populista
República Populista
 
Era Vargas
Era VargasEra Vargas
Era Vargas
 

Último

GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 

Último (20)

São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 

Resumo - História de Santa Catarina

  • 1. www.elton.pro.br HISTÓRIA DE SANTA CATARINA O início da ocupação Nas primeiras décadas após a chegada dos portugueses ao Brasil, em 1500, o território que viria a ser Santa Catarina se resumia à condição de local de passagem, uma base de apoio para os interesses dos portugueses e dos espanhóis na região do rio do Prata. As exceções eram alguns poucos integrantes das expedições pioneiras, que acabaram por permanecer no litoral catarinense. O mesmo aconteceu com náufragos, como os 11 sobreviventes do afundamento da embarcação comandada pelo espanhol Juan Días de Solís, em 1512, nas proximidades da Ilha de Santa Catarina, que ainda não tinha esse nome. Desse grupo fazia parte Aleixo Garcia, futuro protagonista de uma história fantástica: foi levado pelos índios a percorrer o Caminho de Peabiru, trilha que ligava o litoral catarinense à civilização Inca, nos Andes. Além dos portugueses e dos espanhóis, aventureiros de outras procedências passaram pelo litoral catarinense naquele período. Em 1504, o francês Binot Paulmier de Gonneville chegou à Baía da Babitonga a bordo da embarcação L’Espoir, avariada por uma tempestade. Após permanecer seis meses na ilha que mais tarde viria a sediar São Francisco do Sul, Gonneville voltou à Europa levando um jovem índio, Essemeric, filho do cacique local. Moldado ao estilo de vida do homem branco, o índio viria a se casar com a filha do navegador francês, Susana. O povoado de Nossa Senhora das Graças do Rio de São Francisco seria oficialmente fundado por bandeirantes em 1658, tornando-se o primeiro núcleo populacional catarinense. Chegada dos navegadores franceses, Kurt G. Hermann Museu Histórico Municipal de São Francisco do Sul Os guaranis que viviam no litoral catarinense – chamados pelos europeus de carijós – eram amigáveis e se habituaram rapidamente a esses contatos, que se tornaram mais frequentes com a chegada de catequizadores jesuítas, a partir de 1549. Já os dois outros grupos indígenas catarinenses – os kaingangs, que ocupavam os campos de cima da Serra, e os xoklengs, na região entre o litoral e o planalto – só viveriam experiências semelhantes quase 200 anos depois da chegada dos europeus ao litoral. Esses índios descendiam de povos que já circulavam pela região pelo menos 10.000 anos antes, de acordo com registros arqueológicos e inscrições rupestres encontradas em vários pontos do Estado. Hoje há cerca de 10.000 remanescentes indígenas vivendo em Santa Catarina, a maior parte em reservas instituídas oficialmente para proteção desses grupos. A homenagem a Santa Catarina É comum afirmar que nome Ilha de Santa Catarina foi ideia do navegador italiano Sebastião Caboto – que, a serviço do reino espanhol, passou pelo litoral catarinense em 1526. A ilha havia sido chamada de diferentes formas até então. Para os índios carijós que a ocupavam antes da chegada dos europeus, o nome era Meiembipe, que significa “lugar acima do rio”. Em 1514, os navegadores portugueses Nuno Manoel e Cristóvão de Haro a batizaram de Ilha dos Patos. Em 1516, depois do naufrágio do barco de Juan Días de Solís, houve quem tenha chamado a região de Baía dos Perdidos, em referência aos 11 tripulantes que se salvaram e passaram a viver na ilha, junto com os índios. Mas o nome que se consolidou e se tornou o definitivo foi mesmo o escolhido por Caboto, registrado pela primeira vez em um mapa desenhado por Diego Ribeiro em 1529. Especula-se que Caboto pode ter aproveitado a oportunidade para fazer um agrado à esposa, Catarina Medrano. O fato inegável é que, de qualquer forma, a homenageada é mesmo a santa, cuja memória é celebrada em 25 de novembro.
  • 2. www.elton.pro.br A capitania de Santa Catarina Em 1534, o território brasileiro foi dividido em 12 capitanias hereditárias, entregues à administração de homens de confiança da coroa portuguesa. Os principais objetivos eram incentivar a ocupação das terras e fomentar atividades econômicas que pudessem se desenvolver sem a interferência direta de um governo central. A Capitania de São Vicente, abrangendo partes dos atuais territórios do Paraná e de São Paulo, foi entregue a Martim Afonso de Sousa. As Terras de Sant’Anna, mais ao sul – se estendiam de Laguna até a Baía de Paranaguá, no atual Estado do Paraná – ficaram com seu irmão, Pero Lopes de Sousa. Com a morte de Pero, seis anos depois, em um naufrágio em Madagascar, iniciou-se um período de marasmo para a capitania e também uma disputa entre os herdeiros da família. A questão se arrastou por quase dois séculos e só foi resolvida com a recompra da área pelo império, em 1711. A decisão de retomar a administração do território era uma consequência do aumento das tensões entre Portugal e Espanha desde o rompimento da União Ibérica, em 1640, momento em que os reinos se tornaram inimigos. Portugal acreditava que precisava estruturar melhor o povoamento de Santa Catarina, ponto crítico de uma região sob disputa. Fez parte dessa mesma estratégia a fundação do povoado de Nossa Senhora do Desterro (atual cidade de Florianópolis), em 1672, por Francisco Dias Velho. Tratava-se do segundo núcleo populacional do Estado – São Francisco havia sido fundado 15 anos antes. Dias Velho chegou à Ilha de Santa Catarina acompanhado da mulher, duas filhas, três filhos, uma família de empregados, dois padres e 500 índios domesticados. Numa colina em frente ao mar, ergueu uma capela consagrada a Nossa Senhora do Desterro – referência à fuga de Maria para o Egito, com o pequeno Jesus, para escapar da perseguição de Herodes. O local é hoje ocupado pela Catedral Metropolitana. O bandeirante paulista Francisco Dias Velho Estátua existente em Florianópolis Em 1689, a vila foi invadida por piratas, que dominaram seus habitantes e cometeram uma série de atrocidades. Dias Velho buscou refúgio dentro da capela, mas foi descoberto e morto. O povoado só não foi extinto pela perseverança de alguns integrantes do grupo, que se recusaram a abandonar o local. Nesse meio tempo, surgiu o terceiro núcleo habitacional do litoral catarinense – a vila de Santo Antônio dos Anjos de Laguna, mais tarde conhecida apenas como Laguna, fundada em 1676, com a chegada do bandeirante Domingos de Brito Peixoto. Em 1738, Santa Catarina foi desmembrada de São Paulo, tornando-se capitania autônoma. O império português nomeou para o cargo de governador o brigadeiro José da Silva Paes. Ele recebeu a missão de planejar um sistema de fortalezas que protegesse a Ilha de Santa Catarina de possíveis invasões. O brigadeiro providenciou os projetos e iniciou a construção de quatro fortalezas, posicionadas para estabelecer um sistema de fogo cruzado. Imigração açoriana Outro ponto importante da estratégia de ocupação do litoral catarinense traçada pelo reino português viria a ser a imigração de açorianos. Como o Arquipélago dos Açores enfrentava uma série de dificuldades – excesso populacional, escassez de alimentos e ocorrência de terremotos –
  • 3. www.elton.pro.br enviar parte dos habitantes ao Brasil seria uma forma de amenizar dois problemas ao mesmo tempo. O alistamento foi aberto em 1746 e, ao longo da década seguinte, Santa Catarina recebeu 5.500 açorianos e também moradores da Ilha de Madeira, o que fez triplicar sua população. Os imigrantes se instalaram nos núcleos populacionais já existentes e fundaram outros, tanto na Ilha de Santa Catarina quanto na área continental. Uma das primeiras atividades econômicas exercidas pelos açorianos em Santa Catarina foi a pesca da baleia – o óleo extraído do animal era usado como combustível de iluminação, entre outras aplicações. Algumas “armações”, complexos construídos para viabilizar a pesca de baleia e a transformação de sua carne em óleo, foram instaladas em diferentes partes do litoral catarinense. Outras heranças dos açorianos são a renda de bilro, a produção de cerâmica utilitária e a fabricação de farinha de mandioca em engenhos. No campo da religião e do folclore, há as benzedeiras, a devoção ao Divino Espírito Santo e ao Senhor dos Passos, o terno de reis e as lendas de bruxas. Na culinária, peixe com pirão é um clássico prato açoriano. Há que se mencionar ainda o sotaque típico dos descendentes, marcado pelo jeito “apressado” de falar e pela sonoridade que remete à forma como o idioma é praticado em Portugal. A arquitetura também é uma das heranças trazidas dos Açores. Caminho das tropas Por volta de 1720, Portugal determinou a abertura de um caminho para o transporte de gado entre o Rio Grande do Sul e São Paulo. Seria uma forma de ocupar e desenvolver o interior da região Sul, motivo de disputas com a Espanha, e também de levar os animais até Minas Gerais, que vivia uma fase de franco desenvolvimento decorrente da exploração do ouro. Dos povoados à beira desse caminho se originaram cidades como Lages, oficialmente fundada em 1766. Antônio Correa Pinto foi quem organizou a povoação, pertencente no início a São Paulo, sendo que apenas em 1820 seria incorporada a Santa Catarina. Para estabelecer uma ligação entre o planalto e o litoral, criou-se um caminho até Laguna – essa é a origem da estrada da Serra do Rio do Rastro, hoje um dos pontos turísticos mais conhecidos do Estado. O tropeirismo foi um ciclo importante, também, para viabilizar a ocupação do Oeste catarinense – realizada em grande parte por gaúchos e paranaenses descendentes de imigrantes europeus. Quando outras regiões do país começaram a explorar a pecuária, já no início do século 20, a utilização do antigo caminho das tropas perdeu força, restando a cultura do tropeirismo como uma permanência dessa época. A disputa pelo território Demorou um bom tempo até que Portugal e Espanha se entendessem sobre as fronteiras do “Novo Mundo”. De certa forma, a disputa começou ainda em 1494, antes mesmo da chegada dos portugueses ao Brasil, quando o Tratado de Tordesilhas estabeleceu previamente, com base em referenciais já conhecidos, uma regra para a divisão das terras que viessem a ser descobertas por ambas as potências. A aplicação dessa regra ao território brasileiro resultou no traçado de uma linha imaginária que cortava o país desde Belém, no Pará, até Laguna, em Santa Catarina. A faixa litorânea pertenceria a Portugal e o interior do continente à Espanha. O problema é que o extremo sul do território destinado a Portugal era uma faixa muito estreita de terra, correspondente ao atual litoral catarinense. A Espanha passou a cobiçar aquele território, que poderia aumentar seu acesso ao mar, e traçou uma estratégia de ocupação. Sebastião Caboto, italiano a serviço da Espanha, permaneceu na costa catarinense por cinco meses entre 1526 e 1527, com o objetivo de conhecer melhor o terreno – foi nesse período que ele batizou a Ilha de Santa Catarina. Em 1541, Dom Alvar Nuñez Cabeza de Vaca chegou à ilha, junto com 400 homens, representando o rei da Espanha, com a missão de tomar posse das terras. A disputa ficou adormecida no período entre 1580 e 1640, em que vigorou a União Ibérica. Voltou à tona, porém, após o rompimento. Em 1750 foi assinado o Tratado de Madri, que estabelecia com precisão a linha da fronteira. Pelo acordo, Portugal abria mão da
  • 4. www.elton.pro.br Colônia de Sacramento (atual Uruguai), que vinha cobiçando, e ficava com os Sete Povos das Missões (atual oeste do Rio Grande do Sul). Para que o acordo fosse concretizado, contudo, as populações das áreas envolvidas teriam que se tornar súditas da realeza rival, condição que gerou muita revolta e fez com que o acordo fosse anulado. As duas potências se lançaram então à Guerra dos Sete Anos na Europa, com Portugal aliado à Inglaterra e a Espanha, da França. A Espanha passou a preparar em segredo uma grande esquadra para invadir a Ilha de Santa Catarina. Em novembro de 1776, nada menos que 116 embarcações, com 920 canhões no total e quase 16.000 soldados e marinheiros, partiu rumo ao Brasil, sob o comando de Dom Pedro de Cevallos – que já havia visitado a Ilha de Santa Catarina e conhecia bem o sistema local de defesa. Quando a esquadra espanhola chegou à Ilha, em fevereiro de 1777, as fortalezas se demonstraram incapazes de conter os avanços de invasores tão numerosos e potentes. Alguns disparos até foram realizados pela fortaleza de São José da Ponta Grossa, no Norte da Ilha, mas sem qualquer efeito prático. Os espanhóis desembarcaram tranquilamente na praia de Canasvieiras e as autoridades locais assinaram sem resistência o termo de rendição. A Ilha de Santa Catarina passava naquele momento ao comando da Espanha. Com a morte do rei de Portugal, Dom José I, e a consequente queda do Marquês de Pombal, em março de 1777, as negociações evoluíram até chegarem ao Tratado de Santo Ildefonso, assinado em outubro daquele mesmo ano. Por esse novo acordo, Portugal receberia de volta a Ilha de Santa Catarina, comprometendo-se a não utilizá-la como base de navios de guerra ou porto de comércio com outros países. Era o início de uma nova fase para Santa Catarina. Em 1800, sua população chegou a 21.000 pessoas, com divisão mais ou menos proporcional entre os três principais núcleos – Desterro, São Francisco e Laguna –, cada um com cerca de 4.000 habitantes. Brasil logo após a Independência (1822) No destaque, a Província de Santa Catarina Colonização alemã A primeira colônia alemã em Santa Catarina foi instalada em São Pedro de Alcântara, em 1829. Esse grupo pioneiro, de 523 pessoas, vindas de Bremen, enfrentou todo tipo de problemas, desde a falta de pagamento na íntegra das diárias combinadas até as dificuldades de adaptação ao clima tropical. Como se não bastasse, temporais destruíram suas primeiras plantações. Muitos persistiram, enquanto outros decidiram tentar a sorte em outra região, o Vale do Itajaí. O farmacêutico alemão Hermann Bruno Otto Blumenau, que veio ao Brasil em 1846 contratado pela Sociedade de Proteção aos Emigrantes Alemães, para desenvolver um projeto de colonização, também escolheu o Vale do Itajaí. Enquanto os trâmites burocráticos eram encaminhados, Blumenau recebeu a notícia de que a instituição que ele representava fechara as portas. Mesmo assim, decidiu tocar adiante o projeto por conta própria. Associou-se ao comerciante Fernando Hackradt e voltou à Alemanha para recrutar colonos – os primeiros 17 chegaram em agosto de 1850. Eram quase todos artesãos – carpinteiros, marceneiros, funileiros, ferreiros –, contra apenas dois lavradores. Essa seria uma tendência dos grupos seguintes de colonos alemães. Diversas novas levas de imigrantes chegariam nos anos seguintes. No final dessa década, a população já estava próxima de 1.000 pessoas – e a cidade foi batizada de Blumenau. Já Joinville surgiu de um processo oficial de colonização. Em 1829, a Sociedade Colonizadora de Hamburgo comprou 81 léguas de terras em
  • 5. www.elton.pro.br Santa Catarina, pertencentes ao príncipe francês François Ferdinand Philippe. Ele havia recebido as terras como dote ao se casar com Francisca, irmã de Dom Pedro II. A colônia foi batizada de Dona Francisca, mas, quando virou cidade, ganhou o nome de Joinville em homenagem a François, que ostentava o título nobre de Príncipe de Joinville, um vilarejo medieval francês. Em 1851 chegou o primeiro grupo de 192 imigrantes alemães, suíços e noruegueses. Nas levas seguintes, predominaram os alemães. Entre as influências mais marcantes da colonização alemã estão a arquitetura enxaimel – construções cuja estrutura combina madeira e tijolos aparentes – e a culinária, com pratos como chucrute e eisbein, o joelho de porco. Nas colônias alemãs, a cerveja é até hoje fabricada com os requintes ensinados pelos pioneiros. A cultura deixada pelos antepassados é celebrada anualmente com a realização de diversas festas típicas no território catarinense, das quais a mais famosa é a Oktoberfest de Blumenau. Colonização italiana Dois europeus que viviam em Desterro – o italiano Carlo Demaria e o suíço Henrique Schutel – se uniram para fundar uma empresa de colonização, Demaria & Schutel. Em 1835, pediram à província uma série de benefícios para instalar grupos de lavradores a serem trazidos da Itália. Assim, em março de 1836, chegaram ao porto de Desterro 186 colonos, quase todos oriundos da Ilha da Sardenha. O governo de Santa Catarina cedeu uma área no município de São Miguel e a colônia foi denominada “Nova Itália”, atual município de São João Batista. Novas colônias italianas só viriam a ser criadas em Santa Catarina bem mais tarde, em consequência do contrato estabelecido em 1874 entre o Império brasileiro e o empreendedor Joaquim Caetano Pinto Jr.. Eram instaladas em áreas periféricas das colônias alemãs, a exemplo de Rio dos Cedros, Rodeio, Ascurra, Botuverá e Nova Trento, organizadas em torno de Blumenau e Brusque. O Sul do Estado também se tornou destino a partir de 1877, com o desembarque de 291 colonos vênetos em Laguna, para ocupar o Núcleo de Azambuja e o Núcleo Urussanga. A região se tornaria destino preferencial dos italianos, com novas levas de imigrantes instalando- se em Criciúma, Pedras Grandes, Treze de Maio, Acioli de Vasconcelos (atual Cocal), Grão-Pará (atuais municípios de Orleans, Grão-Pará, São Ludgero e Braço do Norte) e Nova Veneza (municípios de Nova Veneza e Siderópolis). Essas colônias se especializaram desde o início na produção agrícola, com o uso de técnicas trazidas da terra natal para o cultivo de uva, milho e arroz. Os italianos se espalharam por boa parte dos municípios catarinenses – cerca de 220, bem mais do que qualquer outro grupo de imigrantes. Estima- se que quatro em cada dez catarinenses tenham ascendência italiana. Essa tradição se manifesta na culinária – polenta e vinho são presenças constantes na mesa dos descendentes –, nas vocações econômicas desenvolvidas no Sul de Santa Catarina, como a produção cerâmica, e até em atividades de lazer, a exemplo do jogo de bocha. Outras nacionalidades Dos poloneses aos gregos, dos africanos aos japoneses, descendentes dos mais diversos povos se fazem presentes em Santa Catarina. Marcante também é a presença austríaca em Santa Catarina. Imigrantes oriundos da região do Tirol fundaram, em 1933, a cidade de Treze Tílias, numa região cuidadosamente escolhida pelo governo da Áustria pela semelhança com as paisagens originais. O país havia perdido território após a derrota na Primeira Guerra Mundial e já não havia lugar para todos. Hoje Treze Tílias mantém muitas das tradições trazidas pelos colonizadores, como as casas em estilo alpino e a prática de esculturas em madeira. Santa Catarina tem também influência árabe. Sírios e libaneses chegaram a partir de 1885 a cidades como Florianópolis, Biguaçu, Caçador, Canoinhas, Criciúma e Lages, dedicando-se, sobretudo, ao comércio. Já os japoneses vieram em pequenos grupos, na primeira metade do século 20, e se instalaram especialmente no atual município de Frei Rogério, no Meio-Oeste, e em São Joaquim, na Serra, onde contribuíram para o aprimoramento da produção de maçãs com a introdução de novas variedades. Não se pode deixar de citar a presença e a influência marcante dos africanos, que na maior parte dos casos, chegaram a Santa Catarina como escravos. Em 1810, dos 30.000 habitantes de Santa Catarina, 7.000 eram escravos negros, quase sempre descendentes de bantos e sudaneses que desembarcavam nas regiões Nordeste e Sudeste do país e desciam por terra rumo ao Sul, com o tráfico interno. Em 1872, a proporção havia caído para 10% dos 158.000 habitantes, mas ainda assim sua cultura permaneceu presente, como se pode constatar pelas práticas religiosas – a umbanda e o candomblé – e culturais, a exemplo do carnaval e do samba. O Estado mantém várias áreas quilombolas, originalmente ocupadas por ex- escravos, como o Sertão do Valongo, em Porto Belo, e a Lagoa de Acaraí, em São Francisco do Sul. O maior nome da nossa literatura catarinense era negro: o poeta João da Cruz e Sousa. A imigração polonesa é possivelmente a mais relevante depois da açoriana, da alemã e da
  • 6. www.elton.pro.br italiana. Em 1871, o primeiro grupo chegou a Brusque. Em 1882, foi a vez de Jacinto Machado, no Sul do Estado. Em 1889, o entusiasmo com a perspectiva de uma nova vida no Sul do Brasil tomou conta de muitos poloneses. No ano seguinte, nada menos que 29.200 vieram ao país, contra não mais de 4.500 ao longo dos 15 anos anteriores. A maior parte eram agricultores. Os poloneses se alojaram especialmente no Sul, nos vales dos rios Urussanga, Tubarão e Araranguá, com maior concentração na cidade de Criciúma, e também nos vales do Itajaí e do Itapocu, ao norte, em cidades como Mafra, Itaiópolis, Canoinhas, São Bento do Sul e Brusque. Após a Segunda Guerra Mundial, novas levas chegaram a Mondaí e Pouso Redondo. Os franceses, além de terem sido uns dos primeiros europeus a conhecer Santa Catarina, em 1504, quando Binot Paulmier de Gonneville chegou à futura cidade de São Francisco do Sul, viveram outra experiência marcante por aqui, na mesma região. Foi a instalação, em 1841, de um experimento socialista, a Colônia Industrial da Barra do Saí. Idealizado por um médico homeopata, Benoit Joseph Mure, o projeto contou com o apoio e a simpatia da monarquia brasileira. Mais de 400 franceses se estabeleceram na colônia, que tinha como princípio a inexistência da propriedade privada – tudo era comum e o resultado do trabalho seria desfrutado igualmente por todos. A colônia alcançou rápido desenvolvimento, com uma olaria e uma forja que ganharam muitos clientes na região. Essas notícias chegavam à França e em 1844 havia milhares de pessoas interessadas em integrar a célebre colônia. Contudo, não tiveram vida longa, em razão das dificuldades de comercializar o que produziam, dada a baixa densidade demográfica da região naqueles anos. Revolução Farroupilha O período regencial, entre 1831 e 1840 – desde a renúncia de Dom Pedro I até a ascensão ao trono de seu filho Dom Pedro II –, viu surgir uma série de revoltas no país. A mais significativa foi a Revolução Farroupilha, que eclodiu em 1835 no Rio Grande do Sul e se prolongou por dez anos. Foi um movimento impulsionado por ideais republicanos e pela insatisfação com os altos impostos cobrados pela Monarquia sobre produtos típicos do Sul, a exemplo do charque e da erva-mate. Essa ideologia encontrou muitos apoiadores no território catarinense, que também seria palco do conflito. Depois de tomarem Porto Alegre em 1835 e terem sido repelidos pelas forças do governo, os revoltosos, conhecidos como “farrapos”, dirigiram- se a outros pontos de interesse, como Bagé, no território gaúcho, Lages, na Serra catarinense, e Laguna, no litoral Sul de Santa Catarina. Laguna foi tomada em 1839, num esforço conjunto das forças de terra, lideradas por Davi Canabarro, e de mar, sob comando do italiano Giuseppe Garibaldi. Na pacata cidade catarinense foi proclamada a República Juliana, em 29 de julho de 1839 – nome que fazia referência ao mês em que ocorria aquele episódio histórico. O interesse dos farrapos era obter uma saída para o mar, visto que o litoral gaúcho estava tomado pelas forças do governo. A presença dos farrapos em Laguna se prolongou por seis meses, até que o governo se reorganizou para retomar a cidade, obrigando os revoltosos a escapar de volta para o Rio Grande do Sul. O movimento continuaria até 1845, quando chegou ao fim por meio de um acordo em que o governo concordava em reduzir substancialmente os impostos cobrados sobre o charque. Mas a permanência em Laguna foi suficiente para que Garibaldi se apaixonasse pela catarinense Ana Maria de Jesus Ribeiro e se unisse à jovem – que dali em diante ficaria conhecida como Anita Garibaldi. Depois de lutar no Brasil, o casal partiu para o Uruguai e, de lá, para a Itália, onde Garibaldi foi o grande líder do processo de Unificação do país, que se encontrava esfacelado e submetido ao controle de diversos governos estrangeiros. Anita foi companheira inseparável, inclusive nos campos de batalha, do chamado Herói dos Dois Mundos – até morrer em 1849, aos 28 anos, quando adoeceu em meio à perseguição pelos austríacos. Tornou-se sinônimo de mulher destemida e é uma figura heroicizada tanto na Itália quanto no Brasil, especialmente na cidade de Laguna. A Guerra do Contestado Ao mesmo tempo em que a Primeira Guerra Mundial agitava o mundo, o conflito do Contestado abalava a paz em território catarinense. Ocorrido numa zona de disputa por terras entre Paraná e Santa Catarina – 48.000 km² no Meio-Oeste e Oeste catarinenses –, durou de 1912 a 1916 e vitimou, estima-se, pelo menos 20.000 pessoas. Foi provocado por uma conjunção de fatores que se somaram às incertezas causadas pela longa disputa judicial entre os dois Estados. Um desses fatores foi a construção da Estrada de Ferro São Paulo-Rio Grande, entre 1907 e 1910, pela Brazil Railway Company. Os objetivos da obra eram dar saída à produção de madeira e iniciar ao redor da ferrovia um processo consistente de ocupação – para isso, a empresa receberia 6.000 km² de terras como parte do pagamento, com a possibilidade de explorar toda a madeira existente ali e a obrigação de assentar imigrantes estrangeiros. O problema é que as famílias que ocupavam esse território – uma faixa de 15 km em cada lado da ferrovia – foram simplesmente expulsas e não tinham para onde ir.
  • 7. www.elton.pro.br Para tornar a situação ainda mais complexa, cerca de 8.000 operários trazidos para a obra ficaram sem o ganha-pão assim que a ferrovia ficou pronta. Essa multidão de pessoas encontrou nos diversos líderes religiosos que apareceram na região as palavras de fé que precisavam para seguir adiante. Em 1912, o monge-curandeiro José Maria arrebanhou milhares de seguidores, multidão que assustava os poderes constituídos. Os governos de Santa Catarina e Paraná deram uma trégua na disputa que travavam entre si para enfrentar juntos o movimento, contando ainda com a ajuda do Governo Federal. O conflito foi desigual. De um lado, metralhadoras, canhões e até aviões. De outro, paus e facões. Mesmo assim, foi preciso mobilizar grande parte do exército brasileiro ao longo de quatro anos para abafar de vez o Contestado. Do ponto de vista social, a guerra não trouxe solução alguma – só agravou o sentimento de revolta da população e os problemas da região. Mas serviu, ao menos, para pôr fim à disputa entre os dois Estados, que firmaram um acordo em 1916, estabelecendo os limites que permanecem até hoje. Com isso, surgiram municípios como Mafra (nome dado em homenagem ao Conselheiro Mafra, defensor de Santa Catarina na disputa judicial), Porto União, Joaçaba e Chapecó. Em 1943, Santa Catarina sofreu uma modificação geográfica, que se mostrou temporária, com a criação do Território do Iguaçu pelo governo Getúlio Vargas, abrangendo a região Oeste dos Estados do Paraná e de Santa Catarina. No lado de Santa Catarina, o novo território incluía cidades como Chapecó, Concórdia, Caçador, Joaçaba, Xanxerê e São Miguel d’Oeste. Os objetivos eram fortalecer a ocupação da fronteira depois da entrada do Brasil na Segunda Guerra e ao mesmo tempo dar autonomia a uma região que se sentia distanciada do poder estabelecido no Litoral. A mudança durou apenas três anos, sendo revogada pela Constituição de 1946. Santa Catarina na Era Republicana A proclamação da República e o consequente fim da Monarquia, em 15 de novembro de 1889, marcariam um novo período para o Brasil e para todas as suas províncias, que passaram a ser chamadas de Estados. O presidente de Santa Catarina, Luís Alves Leite de Oliveira Bello, foi pacificamente destituído e muitos deputados monarquistas aderiram espontaneamente ao novo regime. Lauro Müller tornou-se o primeiro governador de Santa Catarina na era republicana. A Constituição Federal de 1891 estabeleceu eleições diretas e Gustavo Richard foi o escolhido. O Estado se viu involuntariamente envolvido na Revolta da Armada, que eclodiu no Rio de Janeiro em 1893. A Marinha, em parte por ter resquícios monarquistas em seus quadros, e também insatisfeita pelo fato de que apenas representantes do Exército estavam assumindo o governo do país após a proclamação da República, revoltou-se sob a liderança do almirante Custódio de Melo. Os navios rebeldes bombardearam o Rio de Janeiro e, atacados pelas forças governamentais, escaparam rumo ao Sul do país, onde se juntaram aos revoltosos da Revolução Federalista e invadiram a pacata e indefesa capital catarinense, Desterro. Floriano Peixoto adquiriu novos navios e retomou a cidade, com forte repressão – incluindo quase duas centenas de fuzilamentos e enforcamentos realizados na Ilha de Anhatomirim, sob comando do temido coronel Moreira Cesar. As vítimas foram não apenas membros comprovados do movimento original, mas também simples moradores de Desterro que teriam, na avaliação do governo, colaborado de alguma forma com os revoltosos. Santa Catarina entraria no século 20 com muitos traumas a superar e uma nova identidade para a capital, cujo nome foi trocado de Desterro para Florianópolis. Em 1900, Santa Catarina somava 320.300 habitantes. Florianópolis e Blumenau eram as maiores cidades, com cerca de 31.000 habitantes cada. O Estado consolidava o modelo de ocupação por pequenas propriedades agrícolas, de administração familiar, sem latifúndios e sem uma metrópole predominante. Com o passar das décadas, esse se tornaria um dos principais diferenciais de Santa Catarina em relação à maioria dos Estados brasileiros. As limitações econômicas do início do século foram sendo gradualmente superadas. A pauta de exportações, antes limitada às madeiras, à erva-mate e à farinha de mandioca, foi reforçada pelo gado e o arroz. Com o advento da industrialização no Estado, processo iniciado ainda na década de 1880, com a fundação de uma fábrica de camisetas
  • 8. www.elton.pro.br em Blumenau pelos irmãos Hermann e Bruno Hering, Santa Catarina passou a ter produção relevante também de tecidos e fios, camisas, bordados e meias de algodão. Impulsionado pelo desenvolvimento da indústria têxtil, Blumenau logo se tornaria o maior município catarinense – em 1920, a cidade somava 68.000 habitantes, enquanto nenhuma outra do Estado chegava a 40.000. Fábrica de Tecidos Carlos Renaux Primeira indústria têxtil de Brusque Florianópolis, a capital, vivia isolada pela inexistência de uma ligação da Ilha de Santa Catarina com o continente. O governador Hercílio Luz resolveu enfrentar esse problema ao providenciar a construção, entre 1922 e 1926, da ponte que seria batizada com o seu nome. O desenvolvimento trazido pela obra foi inegável, assim como o endividamento do Estado, que precisou fazer um empréstimo de 20.000 contos (quantia equivalente a 5 milhões de dólares) para executar essa e outras obras de infraestrutura. O valor correspondia a quase quatro anos de receita. Em 1955, o lageano Nereu Ramos, que havia sido governador de Santa Catarina entre 1935 e 1945 (e era filho do também ex-governador Vidal Ramos), tornou-se o político mais importante da história catarinense ao assumir a Presidência da República por um período de três meses, após o suicídio de Getúlio Vargas. Ramos era o primeiro vice-presidente do Senado Federal e foi alçado ao cargo após o impedimento do vice de Getúlio, Café Filho, e do presidente da Câmara dos Deputados, Carlos Luz. Conduziu o governo até a posse de Juscelino Kubitschek, tornando-se a partir daí ministro da Justiça. Nereu Ramos morreria num acidente aéreo, em 1958, que vitimou também o então governador de Santa Catarina, Jorge Lacerda, e outro importante político do Estado, Leoberto Leal. O golpe militar de 1964 impôs um período de duas décadas de ditadura no Brasil. Santa Catarina teve um papel destacado no processo de redemocratização do país ao desencadear um movimento popular que entrou para a história como Novembrada, referência ao mês de 1979 em que o episódio ocorreu em Florianópolis. Durante visita do presidente João Figueiredo à cidade, estava prevista a inauguração de uma placa em homenagem a Floriano Peixoto – contestada por boa parte da população em decorrência da memória dos acontecimentos que haviam culminado com a troca do nome da cidade para Florianópolis, em 1894. Os protestos se transformaram em tumulto e a população arrancou à força a placa recém-instalada na Praça 15 de Novembro, manifestação que foi interpretada como sinal do enfraquecimento do governo militar e contribuiu para o advento do processo de abertura política que se daria dali em diante. Em 1983, o voto voltou a ser direto para a escolha de governadores. Em Santa Catarina, foram eleitos sucessivamente Esperidião Amin (1983- 1987), Pedro Ivo Campos (para o mandato entre 1987 e 1990, com o vice Casildo Maldaner assumindo por pouco mais de um ano após a morte do governador), Vilson Kleinübing (para o período
  • 9. www.elton.pro.br entre 1991 e 1995, com seu vice Antônio Carlos Konder Reis também assumindo por quase um ano em decorrência do titular ter concorrido ao Senado), Paulo Afonso Vieira (1995-1999), novamente Esperidião Amin (1999-2003), Luiz Henrique da Silveira (que cumpriu dois mandatos, entre 2003 e 2010, com o vice Leonel Pavan assumindo por quase um ano, ao final do período, para que o governador se candidatasse ao Senado) e Raimundo Colombo, a partir de 2011. Adaptado de: Dia de Santa Catarina, Florianópolis: Insular, 2013.