História de Dores do Indaiá
Escola Municipal “Mestre Tonico”
Dores do Indaiá MG
Projeto Educar - 2013

Ligue o som

Avanço...
Fotos
O Arraial da Boa Vista
Quando surgiu o arraial da Boa Vista, núcleo
original da cidade de Dores do Indaiá?
A história de D...
O primeiro povoador de nosso município,
DOMINGOS DE BRITO, não deixou
vestígios de sua permanência em nossa
região, nenhum...
De JERÔNIMO DA COSTA GUIMARÃES, português,
natural da Freguesia de SãoTorquato, e de
DOMICIANA MARIA DE SÃO JOSÉ.
Amaro da...
Fazenda Santa Fé – antes da
restauração
Amaro da Costa Guimarães foi, sem
dúvida, uma espécie de líder. Seu nome
figura na história da fundação do Arraial
da Boa ...
A Igreja e o Largo de São Sebastião
.
Em Minas Gerais, como no Brasil inteiro,
90% das cidades surgiram em torno de
uma capela, e por essa tradição, Dores do
In...
Finalmente, decidiu-se que a localização
ideal, seria nas terras de MANOEL
CORREIA DE SOUZA, mais conhecido
por “Correinha...
A construção da Matriz definitiva foi lenta,
muito lenta, dadas as dificuldades
financeiras dos fazendeiros. Começou de
ac...
Registro do Assentamento
documental da Matriz
Segundo o escritor Waldemar de Almeida
Barbosa em seu livro “História de Dor...
Foto: Matriz e a Praça em dia festivo.
Provavelmente das duas primeiras
décadas do século XX.
O primeiro vigário, Pe. Francisco Luís de Souza,
só chegou e tomou posse em 20 de novembro
de 1806 e ficou à frente da par...
No ano de 1867, a velha igreja de São
Sebastião passou por reforma completa e
em agosto de 1873, por iniciativa do
mission...
Matriz de São Sebastião. Foto de
autor desconhecido e sem data. A
igreja passava por reforma.
A partir de 1832, a Igreja era dedicada a
São Sebastião, este nome aparece para
designar
o
povoado
em
alguns
documentos da...
No ano de 1885, a cidade se resumia no Largo de São
Sebastião, onde residiam as principais figuras e onde
funcionavam as p...
Ao todo havia na cidade umas 290 casas e
cerca de 2000 habitantes. A vida social
era bem agitada. Havia bailes nas casas
d...
O arraial foi crescendo... Pela Lei nº 8333 de 8
de outubro de 1885, foi elevado à cidade – Vila
de Dores do Indaiá. Dr. A...
Casa construida por Francisco de Sousa Coelho, em
1830.Hoje, restaurada, pertence ao Sr. Homero Ribeiro
O fim do Largo de São Sebastião se inicia com a
destruição da Igreja de São Sebastião em 1937.
O bispo da época D.Manuel, ...
O Prefeito da época Cornélio Caetano se
incumbiu de administrar as obras de
demolição e, Dores cometeu o primeiro
grande c...
Destruída a igreja, a praça foi cedida para
o INSS e há poucos anos o município
cedeu um terreno para a construção da
sede...
Pelo Decreto nº 13/2009 de 6 de abril de
2009 com o assentamento de nº 002/2009
no Livro de Tombo é tombada junto com o
en...
A memória de um povo é feita
pela sua história
Fonte:
 Livro: História de Dores do Indaiá –

Waldemar de Almeida Barbosa.
 Serra da Saudade – Carlos Cunha
Corrêa.
 Bl...
Obrigada!

 Marina
Música – Hino a Dores do Indaiá
Autoria de Luiz Melgaço e Waldemar A. Barbosa
História de Dores do Indaiá - MG - Brasil
História de Dores do Indaiá - MG - Brasil
História de Dores do Indaiá - MG - Brasil
História de Dores do Indaiá - MG - Brasil
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

História de Dores do Indaiá - MG - Brasil

1.670 visualizações

Publicada em

História de Dores do Indaiá, MG, Brasil.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.670
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
137
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História de Dores do Indaiá - MG - Brasil

  1. 1. História de Dores do Indaiá Escola Municipal “Mestre Tonico” Dores do Indaiá MG Projeto Educar - 2013 Ligue o som Avanço Manual
  2. 2. Fotos
  3. 3. O Arraial da Boa Vista Quando surgiu o arraial da Boa Vista, núcleo original da cidade de Dores do Indaiá? A história de Dores do Indaiá teve início no século XVIII. Em busca das minas de ouro, desbravadores abriam picadas, alargando trilhas, construindo portos e erguendo ranchos. Mas, antes disso, índios e bandeirantes já haviam trilhado os sertões do Indaiá e do São Francisco.
  4. 4. O primeiro povoador de nosso município, DOMINGOS DE BRITO, não deixou vestígios de sua permanência em nossa região, nenhum sinal dele ficou. Anos depois, quatro irmãos aqui se estabeleceram e aqui obtêm suas sesmarias: AMARO, JOSÉ, JOAQUIM E JOÃO DA COSTA GUIMARÃES. Eram filhos
  5. 5. De JERÔNIMO DA COSTA GUIMARÃES, português, natural da Freguesia de SãoTorquato, e de DOMICIANA MARIA DE SÃO JOSÉ. Amaro da Costa Guimarães apossou-se de terras da parte além do Rio São Francisco e confrontava, ao nascente, com o Rio São Francisco, ao poente com terras de João da Costa Guimarães, ao Norte, com o ribeirão das Antas e, ao Sul, com o ribeirão Jorge do Meio. Nesse mundo de terras, criou a Fazenda da Santa Fé, que existe até os dias de hoje.
  6. 6. Fazenda Santa Fé – antes da restauração
  7. 7. Amaro da Costa Guimarães foi, sem dúvida, uma espécie de líder. Seu nome figura na história da fundação do Arraial da Boa Vista.
  8. 8. A Igreja e o Largo de São Sebastião .
  9. 9. Em Minas Gerais, como no Brasil inteiro, 90% das cidades surgiram em torno de uma capela, e por essa tradição, Dores do Indaiá também tem sua origem em torno de uma capela. Os fazendeiros estabelecidos por aqui, em conversa,levantaram a ideia da construção de uma capela e foi unanimemente aceita. Cada um queria a capela construída em sua fazenda.
  10. 10. Finalmente, decidiu-se que a localização ideal, seria nas terras de MANOEL CORREIA DE SOUZA, mais conhecido por “Correinha”, num platô, divisor de águas, entre o córrego de Nossa Senhora e o córrego Condutas. O local da igreja, futura Matriz, é hoje exatamente onde se encontra a Praça Alexandre Lacerda Filho, mais conhecida como “Praça Lacerda” ou “Praça dos 100”.
  11. 11. A construção da Matriz definitiva foi lenta, muito lenta, dadas as dificuldades financeiras dos fazendeiros. Começou de acordo com assentamentos em 1805 e só foi terminar por volta de 1832. Para alguns, sua construção final, incluindo a sacristia, quase do mesmo tamanho da Matriz, e em seus fundos, terminou mesmo em meados do século XIX.
  12. 12. Registro do Assentamento documental da Matriz Segundo o escritor Waldemar de Almeida Barbosa em seu livro “História de Dores do Indaiá”, o assentamento foi feito pelo visitador, Pe. Francisco José Correia, no primeiro livro de assentos de casamentos da paróquia, com data de 2 DE JULHO DE 1805: “Este livro é para assentos dos casamentos desta Nova Freguesia de Nossa Senhora das Dores, do Arraial da Boa Vista.”
  13. 13. Foto: Matriz e a Praça em dia festivo. Provavelmente das duas primeiras décadas do século XX.
  14. 14. O primeiro vigário, Pe. Francisco Luís de Souza, só chegou e tomou posse em 20 de novembro de 1806 e ficou à frente da paróquia até 15 de agosto de 1810, nesta época o Arraial já devia contar com uma dezena de casas, no Largo de São Sebastião. Fora da praça, apenas a Casa de Nossa Senhora, além da periferia do Arraial.
  15. 15. No ano de 1867, a velha igreja de São Sebastião passou por reforma completa e em agosto de 1873, por iniciativa do missionário Frei Paulino, foi construída grande e espaçosa sacristia.
  16. 16. Matriz de São Sebastião. Foto de autor desconhecido e sem data. A igreja passava por reforma.
  17. 17. A partir de 1832, a Igreja era dedicada a São Sebastião, este nome aparece para designar o povoado em alguns documentos da Diocese de Olinda. Em 1847, o Arraial de Dores tinha 740 habitantes, sendo 321 brancos, 1 índio, 210 pardos,crioulos e pretos livres e 208 pardos,crioulos e pretos cativos.
  18. 18. No ano de 1885, a cidade se resumia no Largo de São Sebastião, onde residiam as principais figuras e onde funcionavam as principais casas comerciais – do Juca de Souza (José de Souza Coelho),Ricardo Pinto Fiúza, Salvador da Costa, Antônio Caetano da Silva Guimarães e João de Faria. Algumas casas já se estendiam pela Rua Rui Barbosa, o Cemitério localizava-se na periferia da cidade, além do atual Santuário, a Capela de Nossa Senhora do Rosário em completa ruína, situava-se onde hoje é a Igreja Matriz. Algumas casas poucas viam-se na saída do Largo de São Sebastião. Na Rua de Baixo havia algumas casas só do lado esquerdo de quem desce rumo onde é hoje a Escola Francisco Campos.
  19. 19. Ao todo havia na cidade umas 290 casas e cerca de 2000 habitantes. A vida social era bem agitada. Havia bailes nas casas do Largo de São Sebastião (Capitão Jacinto Alvares ou na de D.Luiza Melgaço).Havia bailes na Rua de Baixo onde moravam os mais humildes.
  20. 20. O arraial foi crescendo... Pela Lei nº 8333 de 8 de outubro de 1885, foi elevado à cidade – Vila de Dores do Indaiá. Dr. Antônio Zacarias Álvares da Silva, presidente da Câmara e Chefe do Executivo da época, contratou um engenheiro Francisco Palmério, que foi o responsável pelo traçado da cidade. A cidade a partir de então, amplia seus horizontes e sai definitivamente do entorno do Largo de São Sebastião. Nessa época estima-se que a população seria em torno de 2.500 habitantes, passando a ter 48 ruas e 22 praças.
  21. 21. Casa construida por Francisco de Sousa Coelho, em 1830.Hoje, restaurada, pertence ao Sr. Homero Ribeiro
  22. 22. O fim do Largo de São Sebastião se inicia com a destruição da Igreja de São Sebastião em 1937. O bispo da época D.Manuel, foi procurado por uma comissão constituída dos Srs. Mário Caetano, Isauro Caetano de Fonseca e outro, expuseram ao Sr. Bispo o “perigo” que representava a Igreja, pois ameçava ruir, havia necessidade de demolí-la. A verdade, porém,é que a velha igreja achava-se bem firme e segura, os grossos esteios de madeira sustentavam suas paredes e garantiam sua estabilidade ainda por muitos anos.
  23. 23. O Prefeito da época Cornélio Caetano se incumbiu de administrar as obras de demolição e, Dores cometeu o primeiro grande crime com o Patrimônio Histórico, o que não parou de acontecer até os dias atuais.
  24. 24. Destruída a igreja, a praça foi cedida para o INSS e há poucos anos o município cedeu um terreno para a construção da sede do INSS e a praça voltou a pertencer ao município.
  25. 25. Pelo Decreto nº 13/2009 de 6 de abril de 2009 com o assentamento de nº 002/2009 no Livro de Tombo é tombada junto com o entorno e está sujeita à proteção especial de acordo com a Lei Municipal nº 2.183 de 30 de dezembro de 2005 e ata do dia 6 de abril de 2009.
  26. 26. A memória de um povo é feita pela sua história
  27. 27. Fonte:  Livro: História de Dores do Indaiá – Waldemar de Almeida Barbosa.  Serra da Saudade – Carlos Cunha Corrêa.  Blog Retratos de Família (Recordações impagáveis) – Antônio Carlos de Oliveira Corrêa.  Documentos arquivos da Prefeitura Municipal – Departamento de Cultura.
  28. 28. Obrigada!  Marina Música – Hino a Dores do Indaiá Autoria de Luiz Melgaço e Waldemar A. Barbosa

×