Coleção de ruínas

167 visualizações

Publicada em

Plaquette, 2013.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
167
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Coleção de ruínas

  1. 1. Frederico Spada Silva Coleção de ruínas
  2. 2. Frederico Spada Silva Coleção de ruínas Edição do Autor Juiz de Fora 2013
  3. 3. Copyright © 2013 by Frederico Spada Silva Impresso no Brasil Printed in Brazil Todos os direitos reservados. Arte da capa: Frederico Spada Silva, a partir da fotografia “Holland House library after an air raid, 1940” © English Heritage Projeto gráfico e revisão: Frederico Spada Silva Texto revisado segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, em vigor no Brasil desde 2009. S586c Silva, Frederico Spada Coleção de ruínas / Frederico Spada Silva. – Juiz de Fora: Edição do Autor, 2013. 13 p. 1. Poesia brasileira. I. Título. CDD: B869.91
  4. 4. Atravessar a língua, esta grande fratura, exige silêncio e mapas.
  5. 5. Arquivo Colecionava miudezas, pequeno e íntimo museu de fragmentos coletados ao acaso– como a própria vida.
  6. 6. Dicionário de palavras esquecidas A memória se perde entre os tipos esmaecidos e esta língua que já pouco –ou nada– me diz: folheio o esquecimento, entre dois muros de meio-couro.
  7. 7. Geografia do abandono I Gering Dome Theater Nova York, E.U.A. Luxo e opulência não mais se conjugam no presente. As partículas de pó que o habitam bailam à luz do sol, buscando seus lugares. A cortina, inerte, pouco revela: nada aqui se apresenta– o último monólogo em cena, ainda a ecoar, é o silêncio.
  8. 8. II Lungenkrankenhaus Hornberg, Alemanha Paredes descamam como pele. Bolor e umidade aderem-se aos menores interstícios. Há tosses, ainda, ressoando em solidão. Hoje, o ar é pesado demais.
  9. 9. III Palácio Al-Fared Madain Saleh, Arábia Saudita Era uma vez um monte em meio ao deserto, entalhado pelas mãos famintas de milhares de súditos leais à espada que lhes cortaria o pescoço, caso se cansassem. O portal que se abre às dunas dá a ver miragens de outros tempos: caravanas de mercadores, dançarinas, poetas, profetas e astrólogos que nunca souberam antever, nos céus, o vazio que os habitaria.
  10. 10. IV Kostroma, Rússia O que os homens já não podem contar revela-nos o que foi deixado para trás. Os retratos esquecidos nas paredes, as imagens que adornam as ruínas, tudo atesta a pressa com que fugiram. As portas e janelas abertas confirmam que nunca cogitaram retornar.
  11. 11. V Antigo farol de Point of Ayr Talacre, Reino Unido nada i l u m ino ao redor de mim.
  12. 12. VI Catedral submersa (Uma imagem) Anjos-medusas flutuam sobre nós; a multiplicação dos peixes se dá diante dos olhos; os ramos de algas se movem embalados pela cega fé das correntes. Para os que caminham sob as águas, o verdadeiro milagre é respirar.
  13. 13. Arquitetura do tempo No plano, enfim, se configura a letra de que se ergue o poema em construção, e a voz, magna mater de todas as palavras, funda outra realidade, ampla e contínua, que escava o tempo em nova direção.

×