<ul><li>Nasceu em Berlim, Alemanha </li></ul><ul><li>Filho de um ministro evangélico </li></ul><ul><li>Estudou nas univers...
Como surgiu a ideia da deriva continental:   <ul><li>Em  1566 ,  Abraham Ortelius , um geógrafo flamengo, apontava para as...
Parece mais é uma pintura abstracta!
Para onde é que estão a olhar?!?  Nunca me viram, não?!? … mas piadas sobre o meu nome, sabem dizer!!!
Teoria da Deriva Continental
<ul><li>Em  1905 , Alfred Wegener foi trabalhar para o laboratório Aeronáutico perto de Berlim com o objectivo de estudar ...
“ A primeira ideia de translações continentais veio-me ao espírito em 1910. Ao considerar o mapa do globo, fui subitamente...
<ul><li>Em  1909  ganhou uma posição na Universidade de Marburgo como adjunto de Meteorologia.   </li></ul>Wegener, em Jan...
Baseada  nas diferentes litologias dos continentes e dos fundos oceânicos (Isostasia)-   Suess   contraccionista e catastr...
Para Suess, os continentes e os oceanos tinham a mesma composição.  <ul><li>um n ú cleo de n í quel e ferro que ele design...
Teoria da Deriva Continental Se existem movimentos verticais, porque não admitir movimentos laterais dos continentes?
<ul><li>Neste mesmo ano  (1912) , realiza uma nova expedição à Gronelãndia, expedição notória por ser a travessia mais ext...
Segundo a sua teoria, Wegener propôs a existência de um supercontinente ao qual denominou de  PANGEIA .   Teoria da Deriva...
A quebra deste originaria várias massas...   Teoria da Deriva Continental 180 milhões de anos 135 milhões de anos 65 milhõ...
...e levaria à formação dos continentes tais como os conhecemos hoje!   Teoria da Deriva Continental
Segundo Wegener, as massas continentais (menos densas), flutuam sobre as massas oceânicas (mais densas)
Argumentos e factos:   <ul><li>Paleontológicos   </li></ul><ul><li>Geofísicos   </li></ul><ul><li>Paleoclimáticos   </l...
Teoria da Deriva Continental Através do estudo de fósseis, Wegener encontrou, nos actuais continentes, vários exemplares d...
Teoria da Deriva Continental Wegener afirmava que se existiam movimentos verticais dos continentes, porque não admitir mov...
Teoria da Deriva Continental A paleoclimatologia é a ciência que estuda os climas das terras primitivas. Wegener observou ...
Teoria da Deriva Continental Wegener encontrou correspondência entre as rochas que se encontravam de um e de outro lado do...
Teoria da Deriva Continental A Geodesia estuda a forma, o tamanho e a localização precisa de pontos na superfície terrestr...
Teoria da Deriva Continental Segundo estes dados, concluo que:
Conclusões 1 .   As rochas continentais são fundamentalmente diferentes, menos densas, mais afins e menos altamente magnet...
4.  Os blocos continentais mantêm ainda seus limites iniciais, excepto nas regiões de elevação de montanhas, de tal  manei...
Que força é capaz  de fazer mover  os continentes ?!?  A acção das marés terrestres, isto é, a atracção da lua e do sol so...
Teoria da Deriva Continental
Teoria da Deriva Continental O movimento de rotação da Terra origina uma força centrífuga que, em conjugação com a força d...
         Alfred Wegener   morre  durante uma expedição meteorológica à Gronelândia que ensaiava as técnicas do “eco” para...
Teoria da Deriva Continental
Críticos:   <ul><li>Até  1922 , Wegener não conhecia nenhum  Geofísico  que se opusera à sua teoria. (estávamos em finais ...
<ul><li>Em  1926 , num Simpósio em New York, organizado pela  Sociedade Americana de Geólogos do Petróleo , a teoria de We...
<ul><li>Geofísicos : a isostasia apenas justificava os movimentos verticais  da crusta, sendo a sua extrapolação para movi...
Teoria da Deriva Continental
Chamberlin , um dos opositores de Wegener, afirmava que: “… se acreditarmos na hipótese de Wegener, devemos esquecer tudo ...
Defensores / Apoiantes:   <ul><li>Köpper , um geofísico, em  24 de Setembro de 1912 , manifesta o seu interesse por esta t...
Teoria dos Mantos de Corrimento dos Alpes
<ul><li>Em  1929 , Arthur Holmes propôs a ideia que o manto terrestre sofria  convecção termal   com base no aquecimento e...
Teoria da Deriva Continental
Teoria da Deriva Continental http://www.youtube.com/watch?v=ATQapeg57U0&feature=player_embedded
Teoria da Deriva Continental
Surgimento da Teoria   <ul><li>Após o  fim da II Grande Guerra , cientistas iniciaram estudos sobre o  fundo oceânico , fa...
Teoria da Deriva Continental joides  resolution    Glomar Challenger JOIDES =  J oint  O ceanographic  I nstitutions for  ...
Teoria da Deriva Continental Harry Hess (1906–1969) in his World War II Naval uniform. Photo courtesy of Princeton Univers...
Teoria da Deriva Continental
Teoria da Deriva Continental
<ul><li>B. Isacks, J. Oliver e L. Sykes  demonstraram entre  1966-1968  que os sismos davam elementos confirmativos da  ex...
Teoria da Deriva Continental
Teoria da Deriva Continental
Teoria da Deriva Continental
Paleomagnetismo Padrão &quot;zebrado&quot; de anomalias do assoalho oceânico Rochas que guardam um registro magnético do c...
Teoria da Deriva Continental
Teoria da Deriva Continental
Teoria da Deriva Continental Sismos  vulcões
Teoria da Deriva Continental http://www.meteo.pt/pt/sismologia/actividade/
Teoria da Deriva Continental
Algumas evidências da Deriva Continental:   <ul><li>Cristas Mesoceânicas   </li></ul><ul><li>Paleomagnetismo, com orientaç...
Teoria da Deriva Continental
Teoria da Deriva Continental
Teoria da Deriva Continental
Teoria da Deriva Continental
Teoria da Deriva Continental
Não existe dúvida de que a maior contribuição para a biogeografia moderna foi a aplicação da teoria sobre a  Tectónica de ...
A tectónica de placas tornou-se o novo paradigma  na teoria revolucionária das ciências da terra e tem conseguido com êxit...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Wegener geo 12

5.830 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

Wegener geo 12

  1. 1. <ul><li>Nasceu em Berlim, Alemanha </li></ul><ul><li>Filho de um ministro evangélico </li></ul><ul><li>Estudou nas universidades de Heidelberg, Innsbruck e Berlim </li></ul><ul><li>Doutorou-se em Astronomia ( 1905 ) </li></ul><ul><li>Revelou grande interesse por uma ciência “nova”- Meteorologia </li></ul><ul><li>Propôs a “Teoria da Deriva Continental” </li></ul>(1 de Novembro de 1880 — 5 de Novembro de 1930)
  2. 2. Como surgiu a ideia da deriva continental: <ul><li>Em 1566 , Abraham Ortelius , um geógrafo flamengo, apontava para as semelhanças entre as costas Sul Americana e Sul Africana afirmando que anteriormente estiveram juntas </li></ul><ul><li>Francis Bacon , em 1660 , alertava para o “puzzle” entre a América do Sul e África do Sul </li></ul><ul><li>Antônio Pellegrini em meados do século XIX , tenta explicar o paralelismo das costas do Atlântico a partir de simples observações do mapa-mundi; </li></ul><ul><li>F.B. Taylor , publicou em 1910 um modelo para demonstrar como os continentes se deslocavam, embora não correctamente como ocorre, mas demonstrava a relação entre a elevação de montanhas e o deslocamento dos continentes ( decaimento radioactivo ); </li></ul>Teoria da Deriva Continental
  3. 3. Parece mais é uma pintura abstracta!
  4. 4. Para onde é que estão a olhar?!? Nunca me viram, não?!? … mas piadas sobre o meu nome, sabem dizer!!!
  5. 5. Teoria da Deriva Continental
  6. 6. <ul><li>Em 1905 , Alfred Wegener foi trabalhar para o laboratório Aeronáutico perto de Berlim com o objectivo de estudar a atmosfera superior </li></ul><ul><li>Entre 1906-1908 , Alfred, integra-se numa expedição, como meteorologista, onde a partir desta apresentou a sua primeira exposição sobre a deriva dos continentes </li></ul>Teoria da Deriva Continental
  7. 7. “ A primeira ideia de translações continentais veio-me ao espírito em 1910. Ao considerar o mapa do globo, fui subitamente atingido pela concordância das costas do Atlântico, mas ao princípio não me detive, pois achava semelhantes translações inverosímeis. No Outono de 1911, tive conhecimento de conclusões paleontológicas que admitiam a existência de uma antiga ligação por terra entre o Brasil e a África. Isto levar-me-ia a fazer um exame prévio e sumário dos resultados relacionados com o problema das translações. ” in WEGENER, A., A Génese dos continentes e dos oceanos. Teoria das Translações Continentais  Teoria da Deriva Continental
  8. 8. <ul><li>Em 1909 ganhou uma posição na Universidade de Marburgo como adjunto de Meteorologia. </li></ul>Wegener, em Janeiro de 1912 , no encontro da Sociedade Geológica de Frankfurt , lança uma hipótese mais fundamentada: a Teoria da Deriva Continental - “ Die Entstehung der Kontinente” - teoria esta, já não baseada em simples observações do mapa–mundi, mas em constatações geológicas e físicas de carácter muito mais científico. ( Isostasia )   Teoria da Deriva Continental
  9. 9. Baseada nas diferentes litologias dos continentes e dos fundos oceânicos (Isostasia)- Suess contraccionista e catastrofista Teoria da Deriva Continental
  10. 10. Para Suess, os continentes e os oceanos tinham a mesma composição. <ul><li>um n ú cleo de n í quel e ferro que ele designou NIFE; </li></ul><ul><li>uma camada intermédia de silício e magnésio, o SIMA; </li></ul><ul><li>e uma fina camada externa de silício e alumínio, o SIAL. </li></ul>Nesse mesmo ano, Osmond Fisher e George Darwin desenvolveram a hipótese de que a Lua se formou por desprendimento de uma região do Oceano Pacífico, o que resultou no desequilíbrio e movimento dos continentes.
  11. 11. Teoria da Deriva Continental Se existem movimentos verticais, porque não admitir movimentos laterais dos continentes?
  12. 12. <ul><li>Neste mesmo ano (1912) , realiza uma nova expedição à Gronelãndia, expedição notória por ser a travessia mais extensa feita a pé. </li></ul><ul><li>Em 1915 , Wegener publicou no seu primeiro livro – “ Die Entstehung der Kontinente” - &quot;The Origen of Continents and Oceans&quot; , uma versão ampliada do seu artigo de 1912 . </li></ul><ul><li>Em 1922 publicava a sua terceira edição – “ Die Verschilbung der Kontinente” – “ Continental Displacement ”. </li></ul><ul><li>Por causa dos seus abusos em relação à sua Teoria, Wegener não pôde ser professor em nenhuma Universidade da Alemanha . Felizmente, a Universidade de Graz , na Áustria, era mais tolerante e em 1924 elegeu-o como professor de Meteorologia e Geofísica </li></ul><ul><li>Em 1929 tinha já a sua quarta edição revista, mesmo antes da sua morte </li></ul>Teoria da Deriva Continental
  13. 13. Segundo a sua teoria, Wegener propôs a existência de um supercontinente ao qual denominou de PANGEIA . Teoria da Deriva Continental 250 milhões de anos
  14. 14. A quebra deste originaria várias massas... Teoria da Deriva Continental 180 milhões de anos 135 milhões de anos 65 milhões de anos
  15. 15. ...e levaria à formação dos continentes tais como os conhecemos hoje! Teoria da Deriva Continental
  16. 16. Segundo Wegener, as massas continentais (menos densas), flutuam sobre as massas oceânicas (mais densas)
  17. 17. Argumentos e factos: <ul><li>Paleontológicos  </li></ul><ul><li>Geofísicos  </li></ul><ul><li>Paleoclimáticos  </li></ul><ul><li>Geológicos (apoiado por Du Toit - 1927)  </li></ul><ul><li>Geodésicos  </li></ul>Teoria da Deriva Continental
  18. 18. Teoria da Deriva Continental Através do estudo de fósseis, Wegener encontrou, nos actuais continentes, vários exemplares dos mesmos fósseis, que demonstra uma distribuição de seres vivos, no passado, em continentes que, actualmente, se encontram muito afastados .
  19. 19. Teoria da Deriva Continental Wegener afirmava que se existiam movimentos verticais dos continentes, porque não admitir movimentos horizontais destes. Assim, os continentes podiam mover-se devido à actuação continuada de forças, ao longo dos tempos geológicos. Este argumento foi proposto tendo em conta a bordadura dos continentes africano e América do Sul.
  20. 20. Teoria da Deriva Continental A paleoclimatologia é a ciência que estuda os climas das terras primitivas. Wegener observou a existência de depósitos sedimentares, como por exemplo, vestígios de glaciares (frequentes em regiões de clima frios) ou de carvão (frequentes em regiões de climas quentes), em regiões com climas onde não é usual a sua existência.
  21. 21. Teoria da Deriva Continental Wegener encontrou correspondência entre as rochas que se encontravam de um e de outro lado do Atlântico. Verificou que a natureza, a idade e as semelhanças estruturais entre as rochas deformadas na África do Sul são idênticas às existentes em Buenos Aires na Argentina.
  22. 22. Teoria da Deriva Continental A Geodesia estuda a forma, o tamanho e a localização precisa de pontos na superfície terrestre. Estimou o afastamento duas ilhas da Gronelândia (Beer e Sabine) na ordem dos 11 a 21m/ano, com o auxílio de da técnica de ondas rádio. Usando o mesmo princípio, Wegener estimou um afastamento entre a Gronelândia e a Europa da ordem dos 20 m/ano.
  23. 23. Teoria da Deriva Continental Segundo estes dados, concluo que:
  24. 24. Conclusões 1 . As rochas continentais são fundamentalmente diferentes, menos densas, mais afins e menos altamente magnetizadas do que aquelas do fundo do mar. Os blocos mais leves dos continentes bóiam numa camada viscosa do manto; 2. Os continentes estavam unidos num único supercontinente, a Pangeia , que dividiu-se em placas menores que moveram-se, flutuando no manto superior. A quebra da Pangeia começou no Mesozóico, mas a América do Norte ainda ficou conectada à Europa até o Terciário ou ainda até o Quaternário ; 3. A quebra do Pangeia começou num vale que gradualmente foi-se alargando num oceano. A distribuição dos maiores terremotos, regiões de vulcanismo activo e elevação está relacionada aos movimentos destas placas na crosta terrestre ; Teoria da Deriva Continental
  25. 25. 4. Os blocos continentais mantêm ainda seus limites iniciais, excepto nas regiões de elevação de montanhas, de tal maneira que se fossem unidos, haveria similaridades em relação à estratigrafia, fósseis, paleoclimas, etc. Estes padrões são inconsistentes com qualquer explicação que assuma a posição fixa dos continentes e oceanos; 5. Estimativas da velocidade de movimentação dos continentes mostra que a Groenlândia separou-se da Europa há apenas 50.000 a 100.000 anos atrás; 6. O aquecimento radiactivo do manto pode ser a causa primária da movimentação gradual dos blocos, mas outras forças podem estar envolvidas . Teoria da Deriva Continental
  26. 26. Que força é capaz de fazer mover os continentes ?!? A acção das marés terrestres, isto é, a atracção da lua e do sol sobre o próprio magma. Fuga dos pólos, resultante da rotação da Terra em torno do seu eixo. Teoria da Deriva Continental
  27. 27. Teoria da Deriva Continental
  28. 28. Teoria da Deriva Continental O movimento de rotação da Terra origina uma força centrífuga que, em conjugação com a força de atracção gravítica, origina uma força - que Wegener designou  polflucht - dirigida para o Equador, responsável pela deslocação, nesta direcção, dos continentes.
  29. 29.         Alfred Wegener morre durante uma expedição meteorológica à Gronelândia que ensaiava as técnicas do “eco” para medição da espessura da camada de gelo o que, mais tarde, vieram a ser úteis para a obtenção de dados confirmativos da sua teoria e que hoje é conhecida como a “Tectónica de Placas” Algumas outras contribuições de Wegener diziam respeito à idade do soalho oceânico onde afirmava que os oceanos mais rasos são os mais jovens, ou seja, que a crosta oceânica mais profunda é a mais velha. ...ano 1930... Teoria da Deriva Continental
  30. 30. Teoria da Deriva Continental
  31. 31. Críticos: <ul><li>Até 1922 , Wegener não conhecia nenhum Geofísico que se opusera à sua teoria. (estávamos em finais da 1ª grande guerra) </li></ul><ul><li>Após a sua terceira edição, numa conferência da Royal Geographycal Society, na Inglaterra em 1922 , Philip Lake expressa as suas críticas à teoria de Wegener tendo em vista a rescisão desta teoria </li></ul><ul><li>Harold Jeffeys , Geofisico e Matemático, condena a teoria de Wegener num Tratado de Geofísica em 1926 . As suas críticas foram o ponto de partida para as oposições, pois baseavam-se em dados geofisicos e matemáticos </li></ul>Teoria da Deriva Continental
  32. 32. <ul><li>Em 1926 , num Simpósio em New York, organizado pela Sociedade Americana de Geólogos do Petróleo , a teoria de Wegener seria sériamente contrariada, tendo mesmo em conta os argumentos Paleontológicos e Geomorfológicos. </li></ul><ul><li>Em 1943, G. Simpson falava na quase total unanimidade dos Paleontólogos contra a teoria de Wegener. </li></ul><ul><li>Em 1943 , num Simpósio em New York , dos 17 participantes, somente três eram a favor da teoria da Deriva Continental. </li></ul>Teoria da Deriva Continental
  33. 33. <ul><li>Geofísicos : a isostasia apenas justificava os movimentos verticais da crusta, sendo a sua extrapolação para movimentos horizontais considerada abusiva. </li></ul>Teoria da Deriva Continental <ul><li>Geodésicos : a fiabilidade dos métodos utilizados e os diferentes resultados obtidos não davam muita crença na sua teoria. </li></ul><ul><li>Geomorfológicos : o encaixe das linhas de costa não eram assim tão perfeitos quanto Wegener os fazia crer. </li></ul><ul><li>Geológicos : as sequências rochosas apresentavam variações diversas. Qual a razão pela qual os continentes começaram repentinamente a se moverem? </li></ul><ul><li>Paleontológicos : Defendiam a existência de pontes intercontinentais . </li></ul><ul><li>Foram encontrados fósseis de Glossopteris na Sibéria o que contrariava a ideia de existirem apenas na Gondwana. </li></ul>
  34. 34. Teoria da Deriva Continental
  35. 35. Chamberlin , um dos opositores de Wegener, afirmava que: “… se acreditarmos na hipótese de Wegener, devemos esquecer tudo o que temos aprendido nos últimos 70 anos e começar tudo de novo outra vez.” (b. Sept. 25, 1843, Mattoon, U.S.—d. Nov. 15, 1928, Chicago)
  36. 36. Defensores / Apoiantes: <ul><li>Köpper , um geofísico, em 24 de Setembro de 1912 , manifesta o seu interesse por esta teoria . </li></ul><ul><li>Emile Argand (1879-1940), um ilustre Geólogo suíço, apresentou as suas opiniões sobre a Teoria dos Mantos de Corrimento dos Alpes durante um Congresso Internacional de Geologia, realizado em 1922 , nas quais defendia o “ mobilísmo ” em oposição ao “fixismo”. </li></ul><ul><li>Reginald Aldworth Daly (1871-1957), apresentou as suas teorias no seu livro “Our Mobile Earth”, embora não aceitando plenamente a realidade da deriva, sugerindo uma outra alternativa. </li></ul>Teoria da Deriva Continental
  37. 37. Teoria dos Mantos de Corrimento dos Alpes
  38. 38. <ul><li>Em 1929 , Arthur Holmes propôs a ideia que o manto terrestre sofria convecção termal com base no aquecimento e arrefecimento dos materiais. </li></ul><ul><li>Alexander du Toit (1878-1948), defendia a teoria de Wegener embora não falasse em Pangeia, mas sim, em dois supercontinentes, a Laurásia e a Gondwana. </li></ul><ul><li>A . C. Seward , um Paleobotânico Britânico, era também um simpatizante da solução da Deriva, pois explicava muitos factos de uma forma precisa e eficaz . </li></ul>Teoria da Deriva Continental
  39. 39. Teoria da Deriva Continental
  40. 40. Teoria da Deriva Continental http://www.youtube.com/watch?v=ATQapeg57U0&feature=player_embedded
  41. 41. Teoria da Deriva Continental
  42. 42. Surgimento da Teoria <ul><li>Após o fim da II Grande Guerra , cientistas iniciaram estudos sobre o fundo oceânico , fazendo importantes descobertas sobre as cordilheiras submersas e o magnetismo das rochas do fundo oceânico, assim como as reversões magnéticas. Com isto, ressurgem as ideias da Deriva Continental de Wegener. ( década 50-60 ) </li></ul><ul><li>Foi também descoberto que o fundo oceânico , sob sedimentos recentes, era composto de basalto , com uma origem relativamente recente, datada do Jurássico (160 m.a.). </li></ul>Teoria da Deriva Continental <ul><li>Harry Hess e R. Dietz , entre 1960-1962 , propõem o movimento do dos continentes, baseado nas tectónicas de placas, postulando que nas trincheiras oceânicas ( zonas de subducção ), a crusta oceânica estaria a ser consumida , em contra posição com a criação de crusta nas dorsais oceânicas ( Geopoesia ) _ Seafloor Speanding Teory (acetato) </li></ul>
  43. 43. Teoria da Deriva Continental joides resolution    Glomar Challenger JOIDES = J oint O ceanographic I nstitutions for D eep E arth S ampling
  44. 44. Teoria da Deriva Continental Harry Hess (1906–1969) in his World War II Naval uniform. Photo courtesy of Princeton University, Department of Geosciences. Pag. 24
  45. 45. Teoria da Deriva Continental
  46. 46. Teoria da Deriva Continental
  47. 47. <ul><li>B. Isacks, J. Oliver e L. Sykes demonstraram entre 1966-1968 que os sismos davam elementos confirmativos da expansão dos fundos oceânicos e tectónica de placas </li></ul><ul><li>Com a teoria de Expansão do fundo oceânico bem fundamentada, principalmente com dados de paleomagnetismo pôde-se mostrar a idade e a origem das placas, e a teoria da Deriva Continental foi considerada um facto </li></ul>Teoria da Deriva Continental <ul><li>Em 1963 , J. Vine, com D. Matthews e T. Wilson correlacionaram a inversão de polaridade com as anomalias do actual campo magnético permitindo medir a razão de expansão do fundo oceânico e comprovam os dados de Hess, bem como a sua teoria. </li></ul>
  48. 48. Teoria da Deriva Continental
  49. 49. Teoria da Deriva Continental
  50. 50. Teoria da Deriva Continental
  51. 51. Paleomagnetismo Padrão &quot;zebrado&quot; de anomalias do assoalho oceânico Rochas que guardam um registro magnético do campo vigente na sua formação Minerais ferromagnesianos Vine e Mathews-1963 Bandas de rochas “normais”, alternado com rochas magnetizadas inversamente. Explicação Expansão do fundo oceânico e Reversões do campo geomagnético Como?
  52. 52. Teoria da Deriva Continental
  53. 53. Teoria da Deriva Continental
  54. 54. Teoria da Deriva Continental Sismos vulcões
  55. 55. Teoria da Deriva Continental http://www.meteo.pt/pt/sismologia/actividade/
  56. 56. Teoria da Deriva Continental
  57. 57. Algumas evidências da Deriva Continental: <ul><li>Cristas Mesoceânicas </li></ul><ul><li>Paleomagnetismo, com orientação para os Pólos e paralelas ; </li></ul><ul><li>Falha de San Andrews na Califórnia; </li></ul><ul><li>Rift Valley na Costa Africana ; </li></ul><ul><li>Mesosaurus existiu no Brasil e na África; </li></ul><ul><li>Flora de Glossopteris (Brasil, África, Índia, Austrália ). </li></ul>Teoria da Deriva Continental
  58. 58. Teoria da Deriva Continental
  59. 59. Teoria da Deriva Continental
  60. 60. Teoria da Deriva Continental
  61. 61. Teoria da Deriva Continental
  62. 62. Teoria da Deriva Continental
  63. 63. Não existe dúvida de que a maior contribuição para a biogeografia moderna foi a aplicação da teoria sobre a Tectónica de Placas . Com ela, houve a possibilidade de explicações sobre a distribuição de muitos táxons , que até então não passavam de mera especulação e de teorias que hoje parecem absurdas, como a das &quot;Pontes Continentais &quot;. Wegener é então considerado como o “Pai da tectónica de placas” Teoria da Deriva Continental
  64. 64. A tectónica de placas tornou-se o novo paradigma na teoria revolucionária das ciências da terra e tem conseguido com êxito a explicação de fenómenos interligados. Contudo, certos cientistas continuam convencidos que os continentes não derivam! Teoria da Deriva Continental

×