SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
David Gaspar 7ºC Avelar Brotero
(Odivelas – Lisboa –Portugal)
Alfred Wegener nasceu no dia 1 de Novembro de
1880 , e morreu em 5 Novembro de 1930 , morreu
com 50 anos de Hipotermia.
Alfred Wegener era um astrónomo , que deu origem
á teoria da deriva continental.
Formou-se em astronomia na universidade de Berlim
e conclui o doutoramento em 1904.
A teoria da deriva continental foi proposta pela
primeira vez em 1912 por Alfred Wegener .
Muito tempo antes de Wegener , outros cientistas
notaram neste fato. A ideia da deriva continental
surgiu pela primeira vez no final do século XVI, com o
trabalho do cartografo Abraham Ortelius. Na sua obra
de 1596, Thesaurus Geographicus, Ortelius sugeriu
que os continentes estivessem unidos no passado. A
sua sugestão teve origem apenas na similaridade
geométrica das costas atuais da Europa e África com
as costas da América do Norte e do Sul; mesmo para
os mapas relativamente imperfeitos da época, ficava
evidente que havia um bom encaixe entre os
continentes. A ideia evidentemente não passou de
uma curiosidade que não produziu consequências.
Intrigado com esse fato, Wegener iniciou uma pesquisa, com
sucesso, de outros casos de organismos semelhantes separados
por oceanos. A comunidade científica ortodoxa da época tentou
explicar esses casos afirmando que pontes terrestres, hoje
submersas, em outros tempos ligaram os continentes. Wegener
notou também que as costas da África e da América do Sul se
encaixavam. Poderiam então as semelhanças entre organismos
dever-se não à existência de pontes terrestres, mas ao fato de
os continentes em tempos remotos terem estado ligados? Uma
teoria dessas, para ser aceita, necessitaria de uma grande
quantidade de provas que a suportassem. Wegener descobriu
então que grandes estruturas geológicas em diferentes
continentes pareciam ter ligação.
Os Apalaches na América do Norte ligavam-se às terras altas escocesas e os
estratos rochosos existentes na África do Sul eram idênticos àqueles encontrados
em Santa Catarina no Brasil (Argumento Morfológico). Ao encontrar vestígios de
glaciares em continentes com clima tropical, Wenener admitiu que no passado
esses continentes ocupariam outra posição possivelmente mais próxima da
Antárctida (Argumento Paleoclimático). O meteorologista constatou também que
fósseis muitas vezes encontrados em certos locais indicavam um clima muito
diferente do clima dos dias de hoje. Por exemplo, fósseis de plantas tropicais
encontravam-se na ilha de Spitsbergen no Ártico (Argumento Paleontológico).
Descobriu também que rochas com a mesma idade e do mesmo tipo se formaram
ao mesmo tempo numa altura em que os continentes tinham estado juntos
(Argumento Geológico). Todos essas evidências davam suporte à teoria de Alfred
Wegener da deriva continental. Em 1915 a primeira edição de A Origem dos
Continentes e Oceanos, na qual Wegener explicava a sua teoria, foi publicada,
sendo sucedida por outras edições em 1920, 1922 e 1929. Wegener afirmava que
há cerca de 300 milhões de anos os continentes formavam uma única massa,
Pangeia (do grego "toda a Terra").
A Origem dos Continentes e Oceanos, na qual
Wegener explicava a sua teoria, foi publicada,
sendo sucedida por outras edições em 1920,
1922 e 1929. Wegener afirmava que há cerca
de 300 milhões de anos os continentes
formavam uma única massa, Pangeia (do
grego "toda a Terra"). A Pangeia fragmentouse e os seus fragmentos andaram "à deriva"
desde então. Wegener não foi o primeiro a
sugerir que os continentes estiveram ligados
em outros tempos, mas foi o primeiro a
apresentar provas extensas de vários campos
de estudo.
A teoria da expansão dos fundos
oceânicos (apresentada por
Hess em 1959) definia que: a
ascensão de magma do interior
da terra ao longo do vale de rifte
forma crusta oceânica a qual se
expande a partir da dorsal
médio-oceânica em direcção as
fossas oceânicas onde será
destruída. Esta teoria foi
formulada a partir da descoberta
da alternância de polaridade
magnética das rochas dos
fundos marinhos e da sua
simetria relativamente às cristas
meso-oceânicas.
O magma fresco proveniente do
interior da Terra flui ao longo das
cristas criando nova crusta
oceânica.
Teoria da deriva continental e da expansão oceânica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Deriva dos Continentes
Deriva dos ContinentesDeriva dos Continentes
Deriva dos Continentesspondias
 
Dinâmica Interna da Terra
Dinâmica Interna da TerraDinâmica Interna da Terra
Dinâmica Interna da Terratrizfernandes
 
A Deriva Dos Continentes
A Deriva Dos ContinentesA Deriva Dos Continentes
A Deriva Dos Continentesfbsantos
 
Deriva dos continentes
Deriva dos continentesDeriva dos continentes
Deriva dos continentestalexandra
 
1 ppt deriva dos continentes
1 ppt deriva dos continentes1 ppt deriva dos continentes
1 ppt deriva dos continentesanabela
 
deriva continental, tectonica de placas e dobras e falhas
deriva continental, tectonica de placas e dobras e falhasderiva continental, tectonica de placas e dobras e falhas
deriva continental, tectonica de placas e dobras e falhasTiago Pengui
 
Teoria da-mobilidade-dos-fundos-oceânicos
Teoria da-mobilidade-dos-fundos-oceânicosTeoria da-mobilidade-dos-fundos-oceânicos
Teoria da-mobilidade-dos-fundos-oceânicosBárbara Pereira
 
Teoria Da Mobilidade Dos Fundos Oceânicos
Teoria Da Mobilidade Dos Fundos OceânicosTeoria Da Mobilidade Dos Fundos Oceânicos
Teoria Da Mobilidade Dos Fundos OceânicosCatir
 
Apresentação sem título (1)
Apresentação sem título (1)Apresentação sem título (1)
Apresentação sem título (1)Diogo_Lampreia
 
Formação dos continentes
Formação dos continentesFormação dos continentes
Formação dos continentesNaira Delazari
 
A Teoria da Deriva Continental
A Teoria da Deriva ContinentalA Teoria da Deriva Continental
A Teoria da Deriva ContinentalFernando Delgado
 
Teoria da deriva dos continentes
Teoria da deriva dos continentesTeoria da deriva dos continentes
Teoria da deriva dos continentescatiacsantos
 
Mobilidade Geológica
Mobilidade GeológicaMobilidade Geológica
Mobilidade GeológicaTânia Reis
 
Ciências naturais 7 deriva dos continentes
Ciências naturais 7   deriva dos continentesCiências naturais 7   deriva dos continentes
Ciências naturais 7 deriva dos continentesNuno Correia
 

Mais procurados (20)

Deriva dos Continentes
Deriva dos ContinentesDeriva dos Continentes
Deriva dos Continentes
 
Deriva dos continentes
Deriva dos continentesDeriva dos continentes
Deriva dos continentes
 
Deriva dos Continentes
Deriva dos ContinentesDeriva dos Continentes
Deriva dos Continentes
 
Dinâmica Interna da Terra
Dinâmica Interna da TerraDinâmica Interna da Terra
Dinâmica Interna da Terra
 
A Deriva Dos Continentes
A Deriva Dos ContinentesA Deriva Dos Continentes
A Deriva Dos Continentes
 
Teoria da Deriva continental
 Teoria da Deriva continental Teoria da Deriva continental
Teoria da Deriva continental
 
Deriva dos continentes
Deriva dos continentesDeriva dos continentes
Deriva dos continentes
 
1 ppt deriva dos continentes
1 ppt deriva dos continentes1 ppt deriva dos continentes
1 ppt deriva dos continentes
 
deriva continental, tectonica de placas e dobras e falhas
deriva continental, tectonica de placas e dobras e falhasderiva continental, tectonica de placas e dobras e falhas
deriva continental, tectonica de placas e dobras e falhas
 
Teoria da-mobilidade-dos-fundos-oceânicos
Teoria da-mobilidade-dos-fundos-oceânicosTeoria da-mobilidade-dos-fundos-oceânicos
Teoria da-mobilidade-dos-fundos-oceânicos
 
Teoria Da Mobilidade Dos Fundos Oceânicos
Teoria Da Mobilidade Dos Fundos OceânicosTeoria Da Mobilidade Dos Fundos Oceânicos
Teoria Da Mobilidade Dos Fundos Oceânicos
 
Apresentação sem título (1)
Apresentação sem título (1)Apresentação sem título (1)
Apresentação sem título (1)
 
II - DERIVA CONTINENTAL
II - DERIVA CONTINENTALII - DERIVA CONTINENTAL
II - DERIVA CONTINENTAL
 
Deriva continental e tectonica
Deriva continental e tectonicaDeriva continental e tectonica
Deriva continental e tectonica
 
Formação dos continentes
Formação dos continentesFormação dos continentes
Formação dos continentes
 
A Teoria da Deriva Continental
A Teoria da Deriva ContinentalA Teoria da Deriva Continental
A Teoria da Deriva Continental
 
Teoria da deriva dos continentes
Teoria da deriva dos continentesTeoria da deriva dos continentes
Teoria da deriva dos continentes
 
Mobilidade Geológica
Mobilidade GeológicaMobilidade Geológica
Mobilidade Geológica
 
Deriva Continental
Deriva Continental Deriva Continental
Deriva Continental
 
Ciências naturais 7 deriva dos continentes
Ciências naturais 7   deriva dos continentesCiências naturais 7   deriva dos continentes
Ciências naturais 7 deriva dos continentes
 

Semelhante a Teoria da deriva continental e da expansão oceânica

Teoria da deriva dos continentes
Teoria da deriva dos continentes Teoria da deriva dos continentes
Teoria da deriva dos continentes cristina603
 
Tema I - Teoria Deriva Continental 1ª parte
Tema I - Teoria Deriva Continental  1ª parteTema I - Teoria Deriva Continental  1ª parte
Tema I - Teoria Deriva Continental 1ª parteIsabel Henriques
 
Deriva continental
Deriva continentalDeriva continental
Deriva continentalsmafalda
 
Deriva Continental
Deriva ContinentalDeriva Continental
Deriva ContinentalCatir
 
Nº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continentalNº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continentalMINEDU
 
Deriva dos continentes
Deriva dos continentesDeriva dos continentes
Deriva dos continentesmariana0023
 
Deriva dos continentes
Deriva dos continentesDeriva dos continentes
Deriva dos continentesLeonardo Alves
 
Nº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continentalNº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continentalMINEDU
 
A Deriva continental
A Deriva continentalA Deriva continental
A Deriva continentalRubenMSV
 
A Deriva dos Continentes
A Deriva dos ContinentesA Deriva dos Continentes
A Deriva dos ContinentesJosé Morgado
 
Deriva Dos Continentes
Deriva Dos Continentes Deriva Dos Continentes
Deriva Dos Continentes pimkiegirl21
 
Teoria da deriva continental
Teoria da deriva continentalTeoria da deriva continental
Teoria da deriva continentalSarita Cuma
 
Teoria da Deriva Ciontinental
Teoria da Deriva CiontinentalTeoria da Deriva Ciontinental
Teoria da Deriva CiontinentalPaulo Martins
 
Deriva dos continentes
Deriva dos continentesDeriva dos continentes
Deriva dos continentesIngrid Bispo
 

Semelhante a Teoria da deriva continental e da expansão oceânica (20)

Teoria continental
Teoria continentalTeoria continental
Teoria continental
 
Teoria da deriva dos continentes
Teoria da deriva dos continentes Teoria da deriva dos continentes
Teoria da deriva dos continentes
 
Tema I - Teoria Deriva Continental 1ª parte
Tema I - Teoria Deriva Continental  1ª parteTema I - Teoria Deriva Continental  1ª parte
Tema I - Teoria Deriva Continental 1ª parte
 
Wegener geo 12
Wegener geo 12Wegener geo 12
Wegener geo 12
 
Deriva continental
Deriva continentalDeriva continental
Deriva continental
 
Deriva Continental
Deriva ContinentalDeriva Continental
Deriva Continental
 
A Deriva Continental
A Deriva Continental A Deriva Continental
A Deriva Continental
 
Nº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continentalNº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continental
 
Deriva dos continentes
Deriva dos continentesDeriva dos continentes
Deriva dos continentes
 
Deriva dos continentes
Deriva dos continentesDeriva dos continentes
Deriva dos continentes
 
Nº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continentalNº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continental
 
A Deriva continental
A Deriva continentalA Deriva continental
A Deriva continental
 
Deriva continental
Deriva continentalDeriva continental
Deriva continental
 
Atividades 1 serie
Atividades 1 serieAtividades 1 serie
Atividades 1 serie
 
A Deriva dos Continentes
A Deriva dos ContinentesA Deriva dos Continentes
A Deriva dos Continentes
 
wegener
wegenerwegener
wegener
 
Deriva Dos Continentes
Deriva Dos Continentes Deriva Dos Continentes
Deriva Dos Continentes
 
Teoria da deriva continental
Teoria da deriva continentalTeoria da deriva continental
Teoria da deriva continental
 
Teoria da Deriva Ciontinental
Teoria da Deriva CiontinentalTeoria da Deriva Ciontinental
Teoria da Deriva Ciontinental
 
Deriva dos continentes
Deriva dos continentesDeriva dos continentes
Deriva dos continentes
 

Último

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 

Teoria da deriva continental e da expansão oceânica

  • 1. David Gaspar 7ºC Avelar Brotero (Odivelas – Lisboa –Portugal)
  • 2. Alfred Wegener nasceu no dia 1 de Novembro de 1880 , e morreu em 5 Novembro de 1930 , morreu com 50 anos de Hipotermia. Alfred Wegener era um astrónomo , que deu origem á teoria da deriva continental. Formou-se em astronomia na universidade de Berlim e conclui o doutoramento em 1904.
  • 3. A teoria da deriva continental foi proposta pela primeira vez em 1912 por Alfred Wegener . Muito tempo antes de Wegener , outros cientistas notaram neste fato. A ideia da deriva continental surgiu pela primeira vez no final do século XVI, com o trabalho do cartografo Abraham Ortelius. Na sua obra de 1596, Thesaurus Geographicus, Ortelius sugeriu que os continentes estivessem unidos no passado. A sua sugestão teve origem apenas na similaridade geométrica das costas atuais da Europa e África com as costas da América do Norte e do Sul; mesmo para os mapas relativamente imperfeitos da época, ficava evidente que havia um bom encaixe entre os continentes. A ideia evidentemente não passou de uma curiosidade que não produziu consequências.
  • 4. Intrigado com esse fato, Wegener iniciou uma pesquisa, com sucesso, de outros casos de organismos semelhantes separados por oceanos. A comunidade científica ortodoxa da época tentou explicar esses casos afirmando que pontes terrestres, hoje submersas, em outros tempos ligaram os continentes. Wegener notou também que as costas da África e da América do Sul se encaixavam. Poderiam então as semelhanças entre organismos dever-se não à existência de pontes terrestres, mas ao fato de os continentes em tempos remotos terem estado ligados? Uma teoria dessas, para ser aceita, necessitaria de uma grande quantidade de provas que a suportassem. Wegener descobriu então que grandes estruturas geológicas em diferentes continentes pareciam ter ligação.
  • 5. Os Apalaches na América do Norte ligavam-se às terras altas escocesas e os estratos rochosos existentes na África do Sul eram idênticos àqueles encontrados em Santa Catarina no Brasil (Argumento Morfológico). Ao encontrar vestígios de glaciares em continentes com clima tropical, Wenener admitiu que no passado esses continentes ocupariam outra posição possivelmente mais próxima da Antárctida (Argumento Paleoclimático). O meteorologista constatou também que fósseis muitas vezes encontrados em certos locais indicavam um clima muito diferente do clima dos dias de hoje. Por exemplo, fósseis de plantas tropicais encontravam-se na ilha de Spitsbergen no Ártico (Argumento Paleontológico). Descobriu também que rochas com a mesma idade e do mesmo tipo se formaram ao mesmo tempo numa altura em que os continentes tinham estado juntos (Argumento Geológico). Todos essas evidências davam suporte à teoria de Alfred Wegener da deriva continental. Em 1915 a primeira edição de A Origem dos Continentes e Oceanos, na qual Wegener explicava a sua teoria, foi publicada, sendo sucedida por outras edições em 1920, 1922 e 1929. Wegener afirmava que há cerca de 300 milhões de anos os continentes formavam uma única massa, Pangeia (do grego "toda a Terra").
  • 6. A Origem dos Continentes e Oceanos, na qual Wegener explicava a sua teoria, foi publicada, sendo sucedida por outras edições em 1920, 1922 e 1929. Wegener afirmava que há cerca de 300 milhões de anos os continentes formavam uma única massa, Pangeia (do grego "toda a Terra"). A Pangeia fragmentouse e os seus fragmentos andaram "à deriva" desde então. Wegener não foi o primeiro a sugerir que os continentes estiveram ligados em outros tempos, mas foi o primeiro a apresentar provas extensas de vários campos de estudo.
  • 7. A teoria da expansão dos fundos oceânicos (apresentada por Hess em 1959) definia que: a ascensão de magma do interior da terra ao longo do vale de rifte forma crusta oceânica a qual se expande a partir da dorsal médio-oceânica em direcção as fossas oceânicas onde será destruída. Esta teoria foi formulada a partir da descoberta da alternância de polaridade magnética das rochas dos fundos marinhos e da sua simetria relativamente às cristas meso-oceânicas. O magma fresco proveniente do interior da Terra flui ao longo das cristas criando nova crusta oceânica.