SlideShare uma empresa Scribd logo
Paisagens Geológicas
“Não há nada
escondido na Terra que o
tempo não traga à luz do
dia”.
Horácio, 65 a.C.
Geologia – Ciência que estuda a Terra, os seus materiais
constituintes, como rochas e minerais, as suas propriedades
físicas e químicas, a sua história e os processos que nela
ocorrem.
Geólogo – Cientista que se dedica ao estudo da Geologia
2/5
Subdomínio
1
Compreender a Terra 7
Lagoa das sete cidades
A crusta terrestre é formada por uma
grande variedade de rochas - materiais que
ocorrem naturalmente, constituídos por um
ou mais minerais.
Rocha Associação de minerais.
Mineral Associação de elementos químicos; Principal constituinte
das rochas.
Granito
Quartzo
Plagioclase
Feldspato –K
Biotite
Olivina
Piroxena
Quartzo
Feldspato
Mica (moscovite)
Halite
Calcite
Calcário
Rochas Magmáticas ou Ígneas
Resultam do arrefecimento e consolidação de um magma.
Rochas Sedimentares
Formam-se à superfície da Terra, por acumulação de
fragmentos provenientes da erosão de outras rochas, de
restos de seres vivos ou, ainda, por precipitação química.
Rochas Sedimentares
Génese / origem:
Erosão Transporte Sedimentação / Deposição Diagénese
Rochas sedimentares
Rochas Sedimentares
Exemplos de rochas:
Areia
Arenito Calcário
Argilito
Argilito
Calcário
conquífero
Gás natural e Petróleo
Turfa (Carvão)
Conglomerado
Brecha
Petróleo
Rochas Metamórficas
Resultam da modificação mineralógica e/ou estrutural de
outras rochas, quando sujeitas a variações de temperatura
e/ou pressão, sem que ocorra fusão.
A5
Ciências Naturais – 7.º ano
Paisagens geológicas
em Portugal
Pasta imagens madeira
2/13
Açores
Madeira
3/13
Gerês
4/13
Minho
5/13
Douro,xistos
6/13
CasteloBranco,quartzitos
7/13
Peniche,lapiás
8/13
Algarve,ravinamentos
9/13
Algarve,areiasecalcários
10/13
Litoralalentejano
11/13
Litoralalentejano,dunas
12/13
Portugal apresenta
uma grande
diversidade de
paisagens
geológicas.
Constituem um
património natural
de grande valor que
importa conhecer e
conservar.
13/13
Paisagem geológica – Aspeto caraterístico de uma determinada
região, onde predomina um determinado tipo de rocha e relevo
a ela associado, incluindo também cursos de água, tipo de solo
e seres vivos.
3/5
GranitosdoGerês
Paisagem geológica Aspecto característico apresentado por uma
determinada região onde predomina determinado
tipo de rocha
As características podem diferir em:
Relevo;
Cursos de água;
Qualidade dos solos;
Distribuição dos seres vivos;
…
4/5
Arenito
Areia
Quartzito
Xisto
GranitoBasalto
As paisagens geológicas da Terra têm por base os principais tipos
de rochas: as rochas magmáticas, as rochas sedimentares e as
rochas metamórficas.
5/5
Tipos de paisagens
Paisagem Magmática Paisagem Sedimentar Paisagem Metamórfica
onde predominam
Rochas Magmáticas
Rochas que resultam
do arrefecimento e
solidificação do
magma.
Rochas Sedimentares
Rochas que formam-
se a partir de
fragmentos de rochas
já existentes, de
substâncias
dissolvidas nas águas
ou de restos de seres
vivos.
Rochas Metamórficas
Rochas que se formam
a partir da alteração da
estrutura e composição
de rochas já existentes
pela acção de agentes
de metamorfismo
(temperaturas e
pressões elevadas,
p.e.)
Ciências Naturais – 7.º ano
Paisagens
de rochas magmáticas
Plutónicas ou Intrusivas
Paisagensde rochas magmáticas
Vulcânicas ou Extrusivas
Formam-se em profundidade
Ex: granito
Formam-se à superfície
Ex: basalto
Rochas Magmáticas
Exemplos de rochas:
Granito
Granito
Granito
Basalto
Obsidiana ou
vidro vulcânico
Pedra-pomes
As paisagens de rochas magmáticas podem ser graníticas ou
basálticas.
2/6
Paisagem granítica
Paisagem basáltica
Paisagem granítica
• Localização: zona norte e
interior (Serra do Gerês e
da Estrela)
• Solos pobres, pequenos
bosques e vegetação
agreste
• Relevo: elevações
irregulares, forte
inclinação, planaltos
extensos, presença de
caos de blocos.
caos de blocos
• Devido à diminuição de pressão e às
variações de temperatura o maciço
granítico, sofre fratura originando
fendas chamadas diáclases.
• Os blocos graníticos vão-se
arredondando e ficam expostos em
amontoados desordenados de onde
vem o nome de caos de blocos.
• Os minerais menos resistentes vão-se
alterando e originam minerais de
argila enquanto que o quartzo, mais
resistente origina areia granítica.
• Os minerais alterados dão origem a
solos pouco profundos.
Características
Caos de blocos
Caos de blocos - Rio Douro
Caos de blocos - Sintra
Caos de blocos
Diáclases
rede de fraturas que os blocos rochosos apresentam devido à
descompressão e adaptação às novas condições.
Caos de blocos
Blocos rochosos que com a continuação da erosão, ficam com as suas
arestas arredondadas, dando origem a blocos esféricos, mais ou menos
dispersos na superfície .
Paisagem magmática basáltica
• Localização: arquipélagos da Madeira e dos Açores (e zona de
Lisboa);
• Solos muito férteis, vegetação densa e diversificada.
Lagoa verde e lagoa azul,
Açores
• Relevo: zonas elevadas e
de forte inclinação, cones
vulcânicos, lagoas naturais
em caldeiras naturais.
Lagoa do Fogo, Açores
Ilha da Madeira
Ilha do Pico, Açores
Disjunção colunar ou prismática do basalto
• a contração durante o
arrefecimento da lava.
Calçada do Gigante, Irlanda
Quando o material vulcânico ascende à superfície, consolida arrefecendo
rapidamente, dando lugar a um corpo tabular. O processo de arrefecimento,
predominantemente através de duas superfícies paralelas, cria tensões
internas que fraturam a rocha, dividindo a intrusão em blocos prismáticos
perpendiculares ao corpo tabular.
Calçada de gigante, Irlanda
Pico de Ana Ferreira, Porto Santo, Madeira
Disjunção colunar
Disjunção colunar
Caldeiras
Caldeiras
Cone vulcânico
Cones vulcânicos
Os cones vulcânicos, caldeiras vulcânicas e as
disjunções prismáticas do basalto são característicos da
paisagem basáltica.
Nos arquipélagos dos Açores e da Madeira encontram-se as
principais paisagens basálticas do país.
Cone vulcânico
Fumarola
?
?Caldeira?
Colunas de basalto?
Escoada lávica?
Manto de lava?
A5
Ciências Naturais – 7.º ano
Paisagens
de rochas Metamórficas
Paisagens metamórficas
• Localização: na zona
norte do país;
Alentejo
Rochas Metamórficas
Génese / origem:
Força Força
Metamorfismo de contacto Metamorfismo regional
Metamorfismo Processo que conduz à formação de rochas
metamórficas, pela acção dos agentes de
metamorfismo (temperaturas e pressões elevadas).
Exemplos de rochas:
Rochas Metamórficas
Gnaisse
Mármore
Mármore
Xisto
Xisto mosqueado
Micaxisto
Paisagens metamórficas
• Geralmente resultam da ação de pressão e
temperatura ao longo do tempo
• Ex: xistos, mármore
Características
• Dobras – encurvamento das rochas devido a
pressões
• Falhas – fraturas nas rochas devido a pressões
• Desfiladeiros – zonas profundas entre montanhas
• Ravinas – sulcos escavados nas montanhas devido à
ação da água
• Xistos
• Mármores
2/3
Falhas? Cristas quartzíticas?
Dobras?
As cristas quartzíticas, ravinas, desfiladeiros, falhas e as
dobras são características das paisagens metamórficas.
Em Portugal, regiões do Norte, do Centro, do Alentejo e do
interior do Algarve apresentam extensas paisagens metamórficas.
3/3
A4
Ciências Naturais – 7.º ano
Paisagens
de rochas sedimentares
Paisagens sedimentares
• Localização: nas
zonas costeiras
e metade sul do
país.
• Solo pobre e
vegetação
pouco
abundante.
• As dunas litorais, com a sua vegetação característica,
constituem uma paisagem sedimentar típica do
nosso país.
Características
• Dunas – paisagens formadas por areias através da açã
do vento. Podem ser costeiras ou continentais.
https://www.youtube.com/watch?v=tM1S1wtCAlY
Barreiras
Evitam o avanço das dunas.
Grande Duna de Pilat e o seu meio marítimo e florestal, na costa de Aquitânia, no
sudoeste de França.
É a formação de areia mais elevada da Europa e um dos espaços naturais protegidos
mais visitados do país.
Modelado Cársico
• O modelado cársico é o mais típico e
inconfundível relevo de origem sedimentar.
• Ocorre em zonas de maciços calcários.
• À superfície apresenta um aspecto característico
– os campos de lapiás.
Características
Campo de lapiás
Campo de lapiás
3/3
A água da chuva dissolve o calcário, abrindo sulcos cada vez
mais profundos, o campo de lapiás.
Formação de um campo de lapiás
Campo de lapiás
• A água da chuva arrasta consigo
o dióxido de carbono do ar.
• Quando cai em cima de um
maciço calcário, a água da
chuva infiltra-se nas fendas já
existentes e dissolve
substâncias que fazem parte da
constituição do calcário.
• A dissolução provoca a
formação de cavidades à
superfície e em profundidade.
• Dessa dissolução resulta uma
argila vermelha chamada terra
rossa.
Terra rossa
Dolina
Formas características do modelado cársico:
Dolinas
Rio subterrâneo
Lapiás
Algar
Gruta
Coluna
Estalactite
Estalagmite
3/3
No modelado cársico surgem depressões, as dolinas, os algares,
e grutas.
O modelado cársico surge em regiões do Centro (oeste), de
Lisboa e Vale do Tejo e do Algarve (litoral).
Dolina
Gruta
Estalactites
Relevos cársicos - Lapiás
Sulcos mais ou menos profundos, que recortam a superfície do maciço.
Relevos cársicos - Dolina
Ligeira depressão, de contorno circular ou oval. Tem profundi-
dade variável, onde se encontram depósitos de sedimentos
calcários e resíduos argilosos insolúveis (terra rossa).
Relevos cársicos - Algar
Poço alargado, mais ou menos profundo que pode fazer ligação a grutas.
Relevos cársicos - Gruta
Cavidade subterrânea de dimensões variáveis, onde, por
precipitação, podem observar-se estalactites, estalagmites e
colunas.
Relevos cársicos - Exsurgência
Aparecimento, ao ar livre, de águas que, por infiltração, se juntaram nas
fendas do calcário e avançaram por condutas subterrâneas.
grutas do Frade e do Zambujal – Sesimbra (fotos NECA)
Grutas, estalactites e estalagmites
Formação das grutas:
• À medida que a água se vai infiltrando e dissolvendo o
calcário vai formando cavidades à superfície – dolinas,
que podem ter contacto com cavidades interiores,
formando poços quase verticais – algares, que podem
ir alargando até formarem grutas .
• A água contendo minerais carbonatados ao gotejar do
tecto da gruta forma estalactites e no chão por baixo,
estalagmites. Quando estas se unem formam colunas.
• A água que se acumula dá frequentemente origem a
cursos de água subterrâneos.
Chaminés de Fada
Chaminés de Fada
Em Portugal são geralmente de dimensões modestas…
Mas na Capadócia, atingem dimensões consideráveis…
Águas da chuva – Chaminés de fada
http://3.bp.blogspot.com/--YM_lLCUxXE/TfYTnE5rufI/AAAAAAAAAKM/172NY7bdJqE/s1600/rui.jpg
Paisagens Geológicas
Ciências Naturais – 7º ano
3/3
A água da chuva pode formar chaminés de fada se o terreno
contiver blocos rochosos ou estratos com diferentes resistências à
erosão.
Formação de chaminés de fada
Chaminés de Fada
São estruturas de tamanho variável originadas pela chuva em solos de vegetação
pobre.
São frequentes em zonas montanhosas, como os Alpes e nas montanhas da Turquia
(Cappadocia).
Explicação:
A ação da chuva vai provocar uma erosão
diferencial: os materiais mais finos serão
erodidos enquanto que os materiais mais
volumosos e mais rígidos serão mais
poupados ao trabalho de desgaste das
águas de escorrência. Contudo, a erosão
não afectará os materiais por baixo dos
grandes blocos de rochas. A rocha de
cima funciona como protector da erosão
e acabará por colapsar quando, com o
continuar da erosão, não seja possível
sustentar o bloco de rocha maior.
http://www.sott.net/image/image/872/crystal-cave-1.jpg
Água do mar
http://3.bp.blogspot.com/_KkV24zGoRyE/ShBD1aOne-I/AAAAAAAAAWg/vStxzPHWcO8/s320/53.jpg
Paisagens Geológicas
Ciências Naturais – 7º ano
http://www.sott.net/image/image/872/crystal-cave-1.jpg
Ação do Vento – Blocos pedunculados
http://bp0.blogger.com/_CR93S5aBERk/Rqh-Azl73dI/AAAAAAAAB0g/4rG6HjjcczY/s400/Souro+Pires+2.JPG
Paisagens Geológicas
Ciências Naturais – 7º ano
Ação do Vento – Blocos pedunculados
Ação do Vento - dunas
http://1.bp.blogspot.com/_Drc_BL716Ww/TLO-TnehvlI/AAAAAAAAACQ/ZtDZw-k62Qs/s1600/Dunas+de+Sao+Jacinto+(9)%5B1%5D.JPG
Paisagens Geológicas
Ciências Naturais – 7º ano
3/3
As dunas e os blocos pedunculados ilustram o efeito do vento
em certas paisagens de rochas sedimentares.
Dunas Blocos pedunculados
3/3
As camadas ou estratos sedimentares, os ravinamentos e as
chaminés de fada também são característicos das paisagens de
rochas sedimentares.
Estratos
Ravinamentos
Chaminés de fada
2/3
Dolina
Gruta
?
?
Algar?
Estratos?
Chaminé de fada?
Ravinamentos?
Lapiás?
Formações Litológicas do País
Zonas Norte e Interior
Rochas magmáticas (granitos) e
metamórficas
Orlas Ocidental (oeste) e Meridional (sul)
Rochas sedimentares (calcários, arenitos,…)
Bacias do Tejo e do Sado
Rochas sedimentares (areias, aluviões,…)
Arquipélagos da Madeira e dos Açores
Rochas magmáticas vulcânicas (basaltos)
Aula interativa escola virtual: paisagens geológicas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Rochas Metamórficas
Rochas MetamórficasRochas Metamórficas
Rochas Metamórficas
Tânia Reis
 
Formações litológicas
Formações litológicasFormações litológicas
Paisagens geológicas
Paisagens geológicasPaisagens geológicas
Paisagens geológicas
Ana Ferreira
 
IX - ROCHAS MAGMÁTICAS
IX - ROCHAS MAGMÁTICASIX - ROCHAS MAGMÁTICAS
IX - ROCHAS MAGMÁTICAS
Sandra Nascimento
 
Rochas e minerais
Rochas e mineraisRochas e minerais
Rochas e minerais
Maria João Drumond
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
Catir
 
Rochas
RochasRochas
Rochas
Tânia Reis
 
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICASXI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
Sandra Nascimento
 
7 rochas metamórficas
7   rochas metamórficas7   rochas metamórficas
7 rochas metamórficas
margaridabt
 
Agentes de geodinâmica externa.pptx
Agentes de geodinâmica externa.pptxAgentes de geodinâmica externa.pptx
Agentes de geodinâmica externa.pptx
ssuserc73950
 
3 a formaçãorochassedimentares
3 a  formaçãorochassedimentares3 a  formaçãorochassedimentares
3 a formaçãorochassedimentares
margaridabt
 
Formaçao das Rochas Sedimentares
Formaçao das Rochas SedimentaresFormaçao das Rochas Sedimentares
Formaçao das Rochas Sedimentares
Arminda Malho
 
O ciclo das rochas
O ciclo das rochasO ciclo das rochas
O ciclo das rochas
Catir
 
tipos de-rochas-e-paisagens-geologicas
tipos de-rochas-e-paisagens-geologicastipos de-rochas-e-paisagens-geologicas
tipos de-rochas-e-paisagens-geologicas
Rigo Rodrigues
 
5 rochas magmáticas
5  rochas magmáticas5  rochas magmáticas
5 rochas magmáticas
margaridabt
 
Dinâmica do litoral
Dinâmica do litoralDinâmica do litoral
Dinâmica do litoral
Mayjö .
 
Ficha resumo rochas
Ficha resumo rochasFicha resumo rochas
Ficha resumo rochas
Flavio Mendes
 
Ambiente sedimentar: formação, tipos de rochas e paisagens
Ambiente sedimentar: formação, tipos de rochas e paisagensAmbiente sedimentar: formação, tipos de rochas e paisagens
Ambiente sedimentar: formação, tipos de rochas e paisagens
Catir
 
Tectónica de placas
Tectónica de placasTectónica de placas
Tectónica de placas
catiacsantos
 
Geologia 10 vulcanismo
Geologia 10   vulcanismoGeologia 10   vulcanismo
Geologia 10 vulcanismo
Nuno Correia
 

Mais procurados (20)

Rochas Metamórficas
Rochas MetamórficasRochas Metamórficas
Rochas Metamórficas
 
Formações litológicas
Formações litológicasFormações litológicas
Formações litológicas
 
Paisagens geológicas
Paisagens geológicasPaisagens geológicas
Paisagens geológicas
 
IX - ROCHAS MAGMÁTICAS
IX - ROCHAS MAGMÁTICASIX - ROCHAS MAGMÁTICAS
IX - ROCHAS MAGMÁTICAS
 
Rochas e minerais
Rochas e mineraisRochas e minerais
Rochas e minerais
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Rochas
RochasRochas
Rochas
 
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICASXI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
 
7 rochas metamórficas
7   rochas metamórficas7   rochas metamórficas
7 rochas metamórficas
 
Agentes de geodinâmica externa.pptx
Agentes de geodinâmica externa.pptxAgentes de geodinâmica externa.pptx
Agentes de geodinâmica externa.pptx
 
3 a formaçãorochassedimentares
3 a  formaçãorochassedimentares3 a  formaçãorochassedimentares
3 a formaçãorochassedimentares
 
Formaçao das Rochas Sedimentares
Formaçao das Rochas SedimentaresFormaçao das Rochas Sedimentares
Formaçao das Rochas Sedimentares
 
O ciclo das rochas
O ciclo das rochasO ciclo das rochas
O ciclo das rochas
 
tipos de-rochas-e-paisagens-geologicas
tipos de-rochas-e-paisagens-geologicastipos de-rochas-e-paisagens-geologicas
tipos de-rochas-e-paisagens-geologicas
 
5 rochas magmáticas
5  rochas magmáticas5  rochas magmáticas
5 rochas magmáticas
 
Dinâmica do litoral
Dinâmica do litoralDinâmica do litoral
Dinâmica do litoral
 
Ficha resumo rochas
Ficha resumo rochasFicha resumo rochas
Ficha resumo rochas
 
Ambiente sedimentar: formação, tipos de rochas e paisagens
Ambiente sedimentar: formação, tipos de rochas e paisagensAmbiente sedimentar: formação, tipos de rochas e paisagens
Ambiente sedimentar: formação, tipos de rochas e paisagens
 
Tectónica de placas
Tectónica de placasTectónica de placas
Tectónica de placas
 
Geologia 10 vulcanismo
Geologia 10   vulcanismoGeologia 10   vulcanismo
Geologia 10 vulcanismo
 

Semelhante a Paisagens geológicas

Rochas
RochasRochas
Rochas
ISPGAYA
 
Paisagens geolgicas.pptx
Paisagens geolgicas.pptxPaisagens geolgicas.pptx
Paisagens geolgicas.pptx
MarceloPereira990605
 
Paisagensgeolgicas 110215103340-phpapp01
Paisagensgeolgicas 110215103340-phpapp01Paisagensgeolgicas 110215103340-phpapp01
Paisagensgeolgicas 110215103340-phpapp01
Pelo Siro
 
Dinâmica externa da Terra -1
Dinâmica externa da Terra -1Dinâmica externa da Terra -1
Dinâmica externa da Terra -1
Catir
 
1 dinamica externa_1
1 dinamica externa_11 dinamica externa_1
1 dinamica externa_1
Leonardo Alves
 
Paisagens geológicas
Paisagens geológicasPaisagens geológicas
Paisagens geológicas
Bárbara Pereira
 
Minerais E Rochas
Minerais E RochasMinerais E Rochas
Minerais E Rochas
ceama
 
Agentes internos lili
Agentes internos    liliAgentes internos    lili
Agentes internos lili
Juliano Fernandes
 
Agentes internos
Agentes internosAgentes internos
Agentes internos
Juliano Fernandes
 
Minerais E Rochas
Minerais E RochasMinerais E Rochas
Minerais E Rochas
ceama
 
Rochas
Rochas Rochas
Rochas
VeraPereira96
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
VeraPereira96
 
7º 1.3.
7º 1.3.7º 1.3.
7º 1.3.
Nuno Coelho
 
Li ci plc0602-proddestresidurb-aula01
Li ci plc0602-proddestresidurb-aula01Li ci plc0602-proddestresidurb-aula01
Li ci plc0602-proddestresidurb-aula01
Vinícius Casimiro
 
Rochas Sedimentares
Rochas SedimentaresRochas Sedimentares
Rochas Sedimentares
Osmilde Lavigne Gaspar
 
Rochas e minerais
Rochas e mineraisRochas e minerais
Rochas e minerais
Fabrício Almeida
 
ROCHAS E MINERAIS
ROCHAS E MINERAISROCHAS E MINERAIS
ROCHAS E MINERAIS
Rogerio Lulim
 
Aula 03 relevo do brasil
Aula 03   relevo do brasilAula 03   relevo do brasil
Aula 03 relevo do brasil
Jonatas Carlos
 
Rochas
RochasRochas
Ciências
CiênciasCiências

Semelhante a Paisagens geológicas (20)

Rochas
RochasRochas
Rochas
 
Paisagens geolgicas.pptx
Paisagens geolgicas.pptxPaisagens geolgicas.pptx
Paisagens geolgicas.pptx
 
Paisagensgeolgicas 110215103340-phpapp01
Paisagensgeolgicas 110215103340-phpapp01Paisagensgeolgicas 110215103340-phpapp01
Paisagensgeolgicas 110215103340-phpapp01
 
Dinâmica externa da Terra -1
Dinâmica externa da Terra -1Dinâmica externa da Terra -1
Dinâmica externa da Terra -1
 
1 dinamica externa_1
1 dinamica externa_11 dinamica externa_1
1 dinamica externa_1
 
Paisagens geológicas
Paisagens geológicasPaisagens geológicas
Paisagens geológicas
 
Minerais E Rochas
Minerais E RochasMinerais E Rochas
Minerais E Rochas
 
Agentes internos lili
Agentes internos    liliAgentes internos    lili
Agentes internos lili
 
Agentes internos
Agentes internosAgentes internos
Agentes internos
 
Minerais E Rochas
Minerais E RochasMinerais E Rochas
Minerais E Rochas
 
Rochas
Rochas Rochas
Rochas
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
7º 1.3.
7º 1.3.7º 1.3.
7º 1.3.
 
Li ci plc0602-proddestresidurb-aula01
Li ci plc0602-proddestresidurb-aula01Li ci plc0602-proddestresidurb-aula01
Li ci plc0602-proddestresidurb-aula01
 
Rochas Sedimentares
Rochas SedimentaresRochas Sedimentares
Rochas Sedimentares
 
Rochas e minerais
Rochas e mineraisRochas e minerais
Rochas e minerais
 
ROCHAS E MINERAIS
ROCHAS E MINERAISROCHAS E MINERAIS
ROCHAS E MINERAIS
 
Aula 03 relevo do brasil
Aula 03   relevo do brasilAula 03   relevo do brasil
Aula 03 relevo do brasil
 
Rochas
RochasRochas
Rochas
 
Ciências
CiênciasCiências
Ciências
 

Mais de Francisco Vasconcelos

Reproducao
ReproducaoReproducao
Perfis Topográficos
Perfis TopográficosPerfis Topográficos
Perfis Topográficos
Francisco Vasconcelos
 
Datação da terra
Datação da terraDatação da terra
Datação da terra
Francisco Vasconcelos
 
Isostasia
IsostasiaIsostasia
Palavras paraquê
 Palavras paraquê Palavras paraquê
Palavras paraquê
Francisco Vasconcelos
 
Inferno
InfernoInferno
Wegener geo 12
Wegener geo 12Wegener geo 12
Wegener geo 12
Francisco Vasconcelos
 
Sucesso
SucessoSucesso
Reuniao geral1
Reuniao geral1Reuniao geral1
Reuniao geral1
Francisco Vasconcelos
 
Meio intra e extracelular
Meio intra e extracelularMeio intra e extracelular
Meio intra e extracelular
Francisco Vasconcelos
 
Divisao celular
Divisao celularDivisao celular
Divisao celular
Francisco Vasconcelos
 
O metodo científico
O metodo científicoO metodo científico
O metodo científico
Francisco Vasconcelos
 
A cigarra e a formiga
A cigarra e a formigaA cigarra e a formiga
A cigarra e a formiga
Francisco Vasconcelos
 
Turma do curso de informatica
Turma do curso de informaticaTurma do curso de informatica
Turma do curso de informatica
Francisco Vasconcelos
 
Trintamentiras
TrintamentirasTrintamentiras
Trintamentiras
Francisco Vasconcelos
 
Pai cria filho
Pai cria filhoPai cria filho
Pai cria filho
Francisco Vasconcelos
 
A celula
A celulaA celula
gastronomia madeirense
gastronomia madeirensegastronomia madeirense
gastronomia madeirense
Francisco Vasconcelos
 

Mais de Francisco Vasconcelos (20)

Reproducao
ReproducaoReproducao
Reproducao
 
Perfis Topográficos
Perfis TopográficosPerfis Topográficos
Perfis Topográficos
 
Datação da terra
Datação da terraDatação da terra
Datação da terra
 
Isostasia
IsostasiaIsostasia
Isostasia
 
Palavras paraquê
 Palavras paraquê Palavras paraquê
Palavras paraquê
 
Inferno
InfernoInferno
Inferno
 
Wegener geo 12
Wegener geo 12Wegener geo 12
Wegener geo 12
 
Sucesso
SucessoSucesso
Sucesso
 
Reuniao geral1
Reuniao geral1Reuniao geral1
Reuniao geral1
 
Meio intra e extracelular
Meio intra e extracelularMeio intra e extracelular
Meio intra e extracelular
 
Divisao celular
Divisao celularDivisao celular
Divisao celular
 
O metodo científico
O metodo científicoO metodo científico
O metodo científico
 
A cigarra e a formiga
A cigarra e a formigaA cigarra e a formiga
A cigarra e a formiga
 
Portas de garagem
Portas de garagemPortas de garagem
Portas de garagem
 
Turma do curso de informatica
Turma do curso de informaticaTurma do curso de informatica
Turma do curso de informatica
 
Trintamentiras
TrintamentirasTrintamentiras
Trintamentiras
 
Pai cria filho
Pai cria filhoPai cria filho
Pai cria filho
 
A celula
A celulaA celula
A celula
 
Mercedes Benz M Zeum
Mercedes Benz M ZeumMercedes Benz M Zeum
Mercedes Benz M Zeum
 
gastronomia madeirense
gastronomia madeirensegastronomia madeirense
gastronomia madeirense
 

Último

347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 

Último (20)

347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 

Paisagens geológicas

  • 1. Paisagens Geológicas “Não há nada escondido na Terra que o tempo não traga à luz do dia”. Horácio, 65 a.C.
  • 2. Geologia – Ciência que estuda a Terra, os seus materiais constituintes, como rochas e minerais, as suas propriedades físicas e químicas, a sua história e os processos que nela ocorrem. Geólogo – Cientista que se dedica ao estudo da Geologia 2/5
  • 4. Compreender a Terra 7 Lagoa das sete cidades
  • 5. A crusta terrestre é formada por uma grande variedade de rochas - materiais que ocorrem naturalmente, constituídos por um ou mais minerais.
  • 6. Rocha Associação de minerais. Mineral Associação de elementos químicos; Principal constituinte das rochas. Granito Quartzo Plagioclase Feldspato –K Biotite Olivina Piroxena Quartzo Feldspato Mica (moscovite) Halite Calcite Calcário
  • 7. Rochas Magmáticas ou Ígneas Resultam do arrefecimento e consolidação de um magma.
  • 8. Rochas Sedimentares Formam-se à superfície da Terra, por acumulação de fragmentos provenientes da erosão de outras rochas, de restos de seres vivos ou, ainda, por precipitação química.
  • 9. Rochas Sedimentares Génese / origem: Erosão Transporte Sedimentação / Deposição Diagénese Rochas sedimentares
  • 10. Rochas Sedimentares Exemplos de rochas: Areia Arenito Calcário Argilito Argilito Calcário conquífero Gás natural e Petróleo Turfa (Carvão) Conglomerado Brecha Petróleo
  • 11. Rochas Metamórficas Resultam da modificação mineralógica e/ou estrutural de outras rochas, quando sujeitas a variações de temperatura e/ou pressão, sem que ocorra fusão.
  • 12. A5 Ciências Naturais – 7.º ano Paisagens geológicas em Portugal Pasta imagens madeira
  • 24. Portugal apresenta uma grande diversidade de paisagens geológicas. Constituem um património natural de grande valor que importa conhecer e conservar. 13/13
  • 25. Paisagem geológica – Aspeto caraterístico de uma determinada região, onde predomina um determinado tipo de rocha e relevo a ela associado, incluindo também cursos de água, tipo de solo e seres vivos. 3/5 GranitosdoGerês
  • 26. Paisagem geológica Aspecto característico apresentado por uma determinada região onde predomina determinado tipo de rocha As características podem diferir em: Relevo; Cursos de água; Qualidade dos solos; Distribuição dos seres vivos; …
  • 28. As paisagens geológicas da Terra têm por base os principais tipos de rochas: as rochas magmáticas, as rochas sedimentares e as rochas metamórficas. 5/5
  • 29. Tipos de paisagens Paisagem Magmática Paisagem Sedimentar Paisagem Metamórfica onde predominam Rochas Magmáticas Rochas que resultam do arrefecimento e solidificação do magma. Rochas Sedimentares Rochas que formam- se a partir de fragmentos de rochas já existentes, de substâncias dissolvidas nas águas ou de restos de seres vivos. Rochas Metamórficas Rochas que se formam a partir da alteração da estrutura e composição de rochas já existentes pela acção de agentes de metamorfismo (temperaturas e pressões elevadas, p.e.)
  • 30. Ciências Naturais – 7.º ano Paisagens de rochas magmáticas
  • 31. Plutónicas ou Intrusivas Paisagensde rochas magmáticas Vulcânicas ou Extrusivas Formam-se em profundidade Ex: granito Formam-se à superfície Ex: basalto
  • 32. Rochas Magmáticas Exemplos de rochas: Granito Granito Granito Basalto Obsidiana ou vidro vulcânico Pedra-pomes
  • 33. As paisagens de rochas magmáticas podem ser graníticas ou basálticas. 2/6 Paisagem granítica Paisagem basáltica
  • 34. Paisagem granítica • Localização: zona norte e interior (Serra do Gerês e da Estrela) • Solos pobres, pequenos bosques e vegetação agreste • Relevo: elevações irregulares, forte inclinação, planaltos extensos, presença de caos de blocos.
  • 35. caos de blocos • Devido à diminuição de pressão e às variações de temperatura o maciço granítico, sofre fratura originando fendas chamadas diáclases. • Os blocos graníticos vão-se arredondando e ficam expostos em amontoados desordenados de onde vem o nome de caos de blocos. • Os minerais menos resistentes vão-se alterando e originam minerais de argila enquanto que o quartzo, mais resistente origina areia granítica. • Os minerais alterados dão origem a solos pouco profundos. Características
  • 36.
  • 38. Caos de blocos - Rio Douro Caos de blocos - Sintra
  • 40.
  • 41. Diáclases rede de fraturas que os blocos rochosos apresentam devido à descompressão e adaptação às novas condições.
  • 42. Caos de blocos Blocos rochosos que com a continuação da erosão, ficam com as suas arestas arredondadas, dando origem a blocos esféricos, mais ou menos dispersos na superfície .
  • 43. Paisagem magmática basáltica • Localização: arquipélagos da Madeira e dos Açores (e zona de Lisboa); • Solos muito férteis, vegetação densa e diversificada. Lagoa verde e lagoa azul, Açores
  • 44. • Relevo: zonas elevadas e de forte inclinação, cones vulcânicos, lagoas naturais em caldeiras naturais. Lagoa do Fogo, Açores Ilha da Madeira Ilha do Pico, Açores
  • 45. Disjunção colunar ou prismática do basalto • a contração durante o arrefecimento da lava. Calçada do Gigante, Irlanda Quando o material vulcânico ascende à superfície, consolida arrefecendo rapidamente, dando lugar a um corpo tabular. O processo de arrefecimento, predominantemente através de duas superfícies paralelas, cria tensões internas que fraturam a rocha, dividindo a intrusão em blocos prismáticos perpendiculares ao corpo tabular.
  • 46. Calçada de gigante, Irlanda Pico de Ana Ferreira, Porto Santo, Madeira
  • 53. Os cones vulcânicos, caldeiras vulcânicas e as disjunções prismáticas do basalto são característicos da paisagem basáltica. Nos arquipélagos dos Açores e da Madeira encontram-se as principais paisagens basálticas do país.
  • 54. Cone vulcânico Fumarola ? ?Caldeira? Colunas de basalto? Escoada lávica? Manto de lava?
  • 55. A5 Ciências Naturais – 7.º ano Paisagens de rochas Metamórficas
  • 56. Paisagens metamórficas • Localização: na zona norte do país; Alentejo
  • 57. Rochas Metamórficas Génese / origem: Força Força Metamorfismo de contacto Metamorfismo regional Metamorfismo Processo que conduz à formação de rochas metamórficas, pela acção dos agentes de metamorfismo (temperaturas e pressões elevadas).
  • 58. Exemplos de rochas: Rochas Metamórficas Gnaisse Mármore Mármore Xisto Xisto mosqueado Micaxisto
  • 59. Paisagens metamórficas • Geralmente resultam da ação de pressão e temperatura ao longo do tempo • Ex: xistos, mármore
  • 60. Características • Dobras – encurvamento das rochas devido a pressões
  • 61. • Falhas – fraturas nas rochas devido a pressões
  • 62. • Desfiladeiros – zonas profundas entre montanhas
  • 63. • Ravinas – sulcos escavados nas montanhas devido à ação da água
  • 65.
  • 66.
  • 67.
  • 70. As cristas quartzíticas, ravinas, desfiladeiros, falhas e as dobras são características das paisagens metamórficas. Em Portugal, regiões do Norte, do Centro, do Alentejo e do interior do Algarve apresentam extensas paisagens metamórficas. 3/3
  • 71. A4 Ciências Naturais – 7.º ano Paisagens de rochas sedimentares
  • 72. Paisagens sedimentares • Localização: nas zonas costeiras e metade sul do país. • Solo pobre e vegetação pouco abundante.
  • 73. • As dunas litorais, com a sua vegetação característica, constituem uma paisagem sedimentar típica do nosso país. Características • Dunas – paisagens formadas por areias através da açã do vento. Podem ser costeiras ou continentais.
  • 76. Grande Duna de Pilat e o seu meio marítimo e florestal, na costa de Aquitânia, no sudoeste de França. É a formação de areia mais elevada da Europa e um dos espaços naturais protegidos mais visitados do país.
  • 77. Modelado Cársico • O modelado cársico é o mais típico e inconfundível relevo de origem sedimentar. • Ocorre em zonas de maciços calcários. • À superfície apresenta um aspecto característico – os campos de lapiás. Características
  • 80. 3/3 A água da chuva dissolve o calcário, abrindo sulcos cada vez mais profundos, o campo de lapiás. Formação de um campo de lapiás
  • 81. Campo de lapiás • A água da chuva arrasta consigo o dióxido de carbono do ar. • Quando cai em cima de um maciço calcário, a água da chuva infiltra-se nas fendas já existentes e dissolve substâncias que fazem parte da constituição do calcário. • A dissolução provoca a formação de cavidades à superfície e em profundidade. • Dessa dissolução resulta uma argila vermelha chamada terra rossa.
  • 84.
  • 85. Formas características do modelado cársico: Dolinas Rio subterrâneo Lapiás Algar Gruta Coluna Estalactite Estalagmite
  • 86. 3/3 No modelado cársico surgem depressões, as dolinas, os algares, e grutas. O modelado cársico surge em regiões do Centro (oeste), de Lisboa e Vale do Tejo e do Algarve (litoral). Dolina Gruta Estalactites
  • 87. Relevos cársicos - Lapiás Sulcos mais ou menos profundos, que recortam a superfície do maciço.
  • 88. Relevos cársicos - Dolina Ligeira depressão, de contorno circular ou oval. Tem profundi- dade variável, onde se encontram depósitos de sedimentos calcários e resíduos argilosos insolúveis (terra rossa).
  • 89. Relevos cársicos - Algar Poço alargado, mais ou menos profundo que pode fazer ligação a grutas.
  • 90. Relevos cársicos - Gruta Cavidade subterrânea de dimensões variáveis, onde, por precipitação, podem observar-se estalactites, estalagmites e colunas.
  • 91. Relevos cársicos - Exsurgência Aparecimento, ao ar livre, de águas que, por infiltração, se juntaram nas fendas do calcário e avançaram por condutas subterrâneas.
  • 92. grutas do Frade e do Zambujal – Sesimbra (fotos NECA)
  • 93.
  • 94.
  • 95. Grutas, estalactites e estalagmites
  • 96. Formação das grutas: • À medida que a água se vai infiltrando e dissolvendo o calcário vai formando cavidades à superfície – dolinas, que podem ter contacto com cavidades interiores, formando poços quase verticais – algares, que podem ir alargando até formarem grutas . • A água contendo minerais carbonatados ao gotejar do tecto da gruta forma estalactites e no chão por baixo, estalagmites. Quando estas se unem formam colunas. • A água que se acumula dá frequentemente origem a cursos de água subterrâneos.
  • 99. Em Portugal são geralmente de dimensões modestas… Mas na Capadócia, atingem dimensões consideráveis…
  • 100. Águas da chuva – Chaminés de fada http://3.bp.blogspot.com/--YM_lLCUxXE/TfYTnE5rufI/AAAAAAAAAKM/172NY7bdJqE/s1600/rui.jpg Paisagens Geológicas Ciências Naturais – 7º ano
  • 101. 3/3 A água da chuva pode formar chaminés de fada se o terreno contiver blocos rochosos ou estratos com diferentes resistências à erosão. Formação de chaminés de fada
  • 102. Chaminés de Fada São estruturas de tamanho variável originadas pela chuva em solos de vegetação pobre. São frequentes em zonas montanhosas, como os Alpes e nas montanhas da Turquia (Cappadocia). Explicação: A ação da chuva vai provocar uma erosão diferencial: os materiais mais finos serão erodidos enquanto que os materiais mais volumosos e mais rígidos serão mais poupados ao trabalho de desgaste das águas de escorrência. Contudo, a erosão não afectará os materiais por baixo dos grandes blocos de rochas. A rocha de cima funciona como protector da erosão e acabará por colapsar quando, com o continuar da erosão, não seja possível sustentar o bloco de rocha maior.
  • 104. http://www.sott.net/image/image/872/crystal-cave-1.jpg Ação do Vento – Blocos pedunculados http://bp0.blogger.com/_CR93S5aBERk/Rqh-Azl73dI/AAAAAAAAB0g/4rG6HjjcczY/s400/Souro+Pires+2.JPG Paisagens Geológicas Ciências Naturais – 7º ano
  • 105. Ação do Vento – Blocos pedunculados
  • 106. Ação do Vento - dunas http://1.bp.blogspot.com/_Drc_BL716Ww/TLO-TnehvlI/AAAAAAAAACQ/ZtDZw-k62Qs/s1600/Dunas+de+Sao+Jacinto+(9)%5B1%5D.JPG Paisagens Geológicas Ciências Naturais – 7º ano
  • 107. 3/3 As dunas e os blocos pedunculados ilustram o efeito do vento em certas paisagens de rochas sedimentares. Dunas Blocos pedunculados
  • 108. 3/3 As camadas ou estratos sedimentares, os ravinamentos e as chaminés de fada também são característicos das paisagens de rochas sedimentares. Estratos Ravinamentos Chaminés de fada
  • 110. Formações Litológicas do País Zonas Norte e Interior Rochas magmáticas (granitos) e metamórficas Orlas Ocidental (oeste) e Meridional (sul) Rochas sedimentares (calcários, arenitos,…) Bacias do Tejo e do Sado Rochas sedimentares (areias, aluviões,…) Arquipélagos da Madeira e dos Açores Rochas magmáticas vulcânicas (basaltos)
  • 111.
  • 112. Aula interativa escola virtual: paisagens geológicas