O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

As provas de uma teoria valor econômico

256 visualizações

Publicada em

Por Luiz Carlos Mendonça de Barros

Publicada em: Economia e finanças
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

As provas de uma teoria valor econômico

  1. 1. Im prim ir () 18/08/2014 - 05:00 As provas de uma teoria Por Luiz Carlos Mendonça de Barros Aos 7 2 anos de idade minha v isão da economia brasileira parte sempre de uma leitura estrutural dos fatores principais que comandam sua dinâmica. Neste sentido procuro construir um futuro ainda hipotético a partir de mov imentos que entendo dev am influir progressiv amente no comportamento dos mercados. Este é um ex ercício quase solitário, pois o número de analistas com esta v isão da economia é muito menor do que o dos palpiteiros do dia a dia. Por isto, quando uma pesquisa de campo, como a realizada pelo diretor do Instituto Data Popular - e publicada pelo Valor na sua edição do último dia 1 3 -, confirma minha leitura do futuro, sinto um conforto muito grande. No final são dados reais caminhando na direção do cenário idealizado por mim há alguns anos. A entrev ista de Renato Meirelles trata dos efeitos da formalização do emprego, ocorrida principalmente a partir de 2005 entre os brasileiros das classes D e E. Este mov imento de formalização do trabalho das classes de renda mais baix a no Brasil ocorreu em dois momentos distintos: o primeiro, nos anos seguintes ao Plano Real, quando o número de brasileiros que v iv iam no espaço do emprego formal passou de 33% do total para 44%. O segundo momento ocorre a partir de 2005, quando a formalização v olta a ganhar força e chega a 67 % da população agora no final do mandato da presidente Dilma (v eja gráfico). Estudo recente realizado pela equipe do Banco Itaú mostra que este processo dev e se estabilizar quando atingir 7 0% da população brasileira, por v olta de 201 6. O cidadão que ingressa na econom ia form al passa a ter um futuro relativam ente previsível pela frente Minha conv ersão à tese de que v iv íamos realmente uma mudança estrutural importante na sociedade brasileira ocorreu em fins de 2008. Afinal o gráfico nesta página, construído pela equipe da Quest Inv estimentos em 2005, já falav a por si mesmo. A partir de 2008 minha preocupação foi procurar entender os efeitos que este nov o desenho da sociedade teria sobre as dinâmicas política e econômica em nosso país. Venho fazendo este ex ercício de forma continuada desde então e, por isto, a matéria do Valor tev e um impacto muito grande para mim. Afinal, uma pesquisa de campo, com credibilidade, mostrav a que meu ex ercício de abstração estav a correto e que poderia dar um passo adiante - mais ambicioso - nas minhas prev isões. Antes de fazê-lo v ou mostrar ao leitor quais as mudanças importantes que a passagem de um brasileiro comum da informalidade para a formalidade econômica traz no seu comportamento como cidadão. Creio ter encontrado uma ideia que resume de forma sintética estas mudanças: o cidadão na economia formal passa a ter um futuro relativ amente prev isív el pela frente. Entendo como um futuro relativ amente prev isív el o fato de ter um contrato formal de trabalho que lhe permite ter acesso, entre outros, a programas sociais como FGTS e PIS/Pasep, ao credito bancário e, principalmente, ao direito de ter seu salário corrigido anualmente com base na inflação passada e, em certos períodos, com um ganho real no v alor de seu salário. Apenas o fantasma do desemprego pode mudar este quadro.
  2. 2. A formalização do trabalho, em uma sociedade em que o nív el de consumo tem um v alor muito forte, responde por grande parte do boom de consumo do segundo mandato do presidente Lula. A sincronia destas mudanças com o aumento da confiança do sistema bancário na economia acelerou ainda mais seu crescimento. Entre 2006 e 2008, as v endas ao v arejo nas regiões Norte e Nordeste chegaram a crescer a tax a anuais superiores a 1 5%. Na esteira deste aumento do consumo seguiu-se um aumento significativ o do inv estimento na medida em que as empresas mais conserv adoras passaram a perder fatias de mercado. E a economia brasileira - e o gov erno do PT - v iv eram anos de ouro. Deix o de lado a questão econômica e v olto agora a especular sobre os efeitos defasados no tempo que esta formalização do emprego terá sobre a sociedade brasileira. Mais uma v ez recorro a entrev ista do presidente do Data Popular ao Valor para reforçar minha tese de que a formalização do emprego trará mudanças no comportamento político destes brasileiros e na sua forma de av aliar o Estado. Renato Meirelles cita, por ex emplo, o fato de que pela primeira v ez estes brasileiros estão encarando de frente os impostos cobrados em seus salários. "A fav ela cresceu junto com a economia e esse cara passou a pagar imposto na fonte. Ele não tem noção de imposto indireto. Então, ele não sabia o que era pagar imposto. Agora sabe. Com isso, passa a cobrar mais dos serv iços públicos. Deix a de entender serv iço público como um fav or do gov erno e passa a entender como uma contrapartida pelo que ele paga. Isso é ótimo. Ele não quer mais cesta básica. Quer plano nacional de banda larga. Não quer dentadura. Quer ProUni". Esta é uma diferença fundamental para que possamos entender o Brasil dos próx imos anos. Quando o cidadão não tem futuro somente o gov erno pode garantir a ele alguma segurança em relação ao futuro; quando ele passa a ter o emprego formal e começa a pagar impostos ao gov erno esta lógica se inv erte, principalmente na situação em que os serv iços públicos prestados pelo gov erno são de péssima qualidade. Dentro desta ótica fica mais fácil entender a Constituição brasileira de 1 988, quando o emprego formal atingia menos de 30% da população. E certamente poderemos esperar que, talv ez no fim dessa década, haja condições políticas para sua rev isão. Luiz Carlos Mendonça de Barros, engenheiro e econom ista, é diretor-estrategista da Quest Inv estim entos. Foi presidente do BNDES e m inistro das Com unicações. Escrev e m ensalm ente às segundas.

×