Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas

13.141 visualizações

Publicada em

Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas

Publicada em: Engenharia
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.141
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
34
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
489
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Professor: ilustração do grande templo de Abu Simbel, Núbia, região sul do Egito. Construções imponentes são um testemunho da grandiosidade do Antigo Oriente.
  • Professor: a escala indicada se refere ao mapa impresso no módulo.
  • Professor: a imagem não se encontra no módulo. Ela mostra a hierarquia social da antiga Mesopotâmia.
  • Professor: a imagem não se encontra no módulo.
  • Professor: a imagem não se encontra no módulo. Ela mostra a hierarquia social do Egito antigo.
  • Professor: essa imagem não se encontra no módulo.
  • Professor: a escala indicada se refere ao mapa impresso no módulo.
  • Professor: a imagem não se encontra no módulo.
  • Professor: a imagem não se encontra no módulo.
  • Professor: essa questão está ligada à habilidade 29 da área de Ciências Humanas da matriz de referência.
  • Professor: essa questão está ligada à habilidade 3 da área de Ciências Humanas da matriz de referência.
  • Civilizações antigas - Mesopotâmia; Egito; Hebreus; Fenícios e Persas

    1. 1. HISTÓRIA M.2 Abertura: O espetáculo das antigas civilizações Abertura: O espetáculo das antigas civilizações Capítulo 1: Mesopotâmia Capítulo 1: Mesopotâmia Capítulo 2: Egito Capítulo 2: Egito Resolução dos exercíciosResolução dos exercícios Slides X SAIR Capítulo 3: Hebreus Capítulo 3: Hebreus Capítulo 4: Fenícios e persas Capítulo 4: Fenícios e persas Multimídia Trecho do filme: Egito Trecho do filme: Egito ANTIGO ORIENTE PRÓXIMO Mapa animado: Expansão do Império Persa Mapa animado: Expansão do Império Persa PALAVRA DO AUTOR Mapa animado: Rotas comerciais fenícias Mapa animado: Rotas comerciais fenícias Mapa animado: Povos da Mesopotâmia: domínios e expansão Mapa animado: Povos da Mesopotâmia: domínios e expansão
    2. 2. X SAIRX SAIRO espetáculo das antigas civilizações JEANPIERRELESCOURRET/CORBIS/LATINSTOCK
    3. 3. Capítulo 1 Mesopotâmia X SAIRX SAIR RICHARDASHWORTH/ ROBERTHARDINGWORLDIMAGERY/ CORBIS-LATINSTOCK
    4. 4. X SAIRX SAIR A Mesopotâmia A região ocupada pela antiga Mesopotâmia (atual Iraque) está cercada por montanhas ao norte, desertos ao sul e delimitada pelos vales dos rios Tigre e Eufrates. 1 Mesopotâmia
    5. 5. X SAIRX SAIR Sumérios e acádios  No fim do 4o milênio, sumérios fixaram-se na Média e Baixa Mesopotâmia.  Aperfeiçoamento das técnicas de irrigação, arquitetura, artes e comércio  Criação da escrita cuneiforme  Revolução Urbana (cerca de 3000 a.C.): 12 cidades-Estado  Cidade-Estado = núcleo urbano + terras circundantes  Patesi: rei-sacerdote  Cidades independentes e rivais. Em cerca de 2350 a.C., ficaram sob influência dos acádios Império Acádio. Placa de argila com escrita cuneiforme de aproximadamente 1359 a.C. 1 Mesopotâmia HERITAGE/OTHERIMAGES
    6. 6. X SAIRX SAIR Amoritas (ou babilônios)  Cerca de 1900 a.C. domínio dos amoritas Império Babilônico  Hamurábi (1728-1686 a.C.): rei autoritário que unificou a Mesopotâmia. criou um código de leis com 280 artigos (“olho por olho, dente por dente”). 1 Mesopotâmia
    7. 7. X SAIRX SAIR Assírios e caldeus  A partir de 1300 a.C., Império Assírio  Primeiro exército organizado, com tropas de arqueiros e lanceiros, carros de combate e cavalaria; dominou os territórios que hoje correspondem a Armênia, Síria, Palestina e Egito.  Em 612 a.C., os caldeus fundaram o Segundo Império Babilônico.  Apogeu: Nabucodonosor  Em 530 a.C., dominação persa Os Jardins Suspensos da Babilônia, de Ferdinand Knab (1886) 1 Mesopotâmia BRIDGEMANARTLIBRARY, LONDRES-KEYSTONE
    8. 8. X SAIRX SAIR Vida social Camponeses Escravos Trabalhadores • Serviço militar • Construção de obras públicas 1 Mesopotâmia Nobres Guerreiros Sacerdotes Palacianos Artesãos Comerciantes CID
    9. 9. X SAIRX SAIR Economia  Sistema de irrigação e drenagem, com a construção de diques e barreiras de proteção  Atividades agropastoris  Artesanato (vasilhas de argila, pedra, vidro e madeira)  Produção de cerveja, tijolos (base das construções), tecidos, objetos de metal, couro, artigos de madeira  Comércio: zona de passagem e ponto de encontro de povos e culturas 1 Mesopotâmia Relevo do palácio de Kalhu, do rei Assurbanípal (883-859 a.C.) GIANNIDAGLIORTI/CORBIS/LATINSTOCK
    10. 10. X SAIRX SAIR Aspectos culturais  Conhecimentos de astronomia (calendário) e matemática (divisão do círculo em 360°)  Zigurates: construções que aproximavam os homens dos deuses. 1 Mesopotâmia Zigurate de Nanna, construído há cerca de 4.100 anos, na cidade de Ur, na Mesopotâmia DIAHAMID/AFP
    11. 11. X SAIRX SAIR Religião e cultura  Obras literárias: Mito da Criação e Epopeia de Gilgamesh  Divindades antropomórficas (imortais, detentoras de grandes poderes sobre o homem e a natureza e associadas a características do comportamento humano, tanto positivas quanto negativas) 1 Mesopotâmia
    12. 12. X SAIRX SAIR RICHARDASHWORTH/ ROBERTHARDINGWORLDIMAGERY/ CORBIS-LATINSTOCK Capítulo 2 Egito
    13. 13. X SAIRX SAIR Os grupos sociais e suas funções 2 Egito Faraó e família real Sacerdotes Nomarcas Guerreiros Escribas Artesãos / camponeses Escravos Altos funcionários do reino CID
    14. 14. X SAIRX SAIR Crenças religiosas na base de manifestações culturais, na arte, na medicina, na astronomia, na literatura e no próprio governo do Egito 2 Egito A terra dos deuses Estátua do deus Knom-Amon H.LEWANDOWSKER.M.N./CORBISSYGMA-LATINSTOCK
    15. 15. X SAIRX SAIR 2 Egito Aton, o deus único Na imagem, Akenaton e sua família representados em relevo de cerca de 1349 a.C. GIANIDAGLIORTI/CORBIS-LATINSTOCK
    16. 16. X SAIRX SAIR 2 Egito Pequenas aldeias independentes lideradas por nomarcas:  Agricultura favorecida pelo quadro natural do território desenvolvimento da região e das primeiras cidades  União das populações do vale do Nilo dois reinos: Alto Egito (Terra do Sul) e Baixo Egito (Terra do Norte)  Por volta de 3200 a.C.: unificação do Egito toda autoridade ao faraó, Hórus Administração e tribunais de justiça Os templos O exército Intervenção no comércio, nas minas e nos celeiros Os impérios egípcios detinha
    17. 17. X SAIRX SAIR 2 Egito  Grandes obras de irrigação  Desenvolvimento da agricultura  Construção das grandes pirâmides  Estado pacifista e isolado de outros  Enfraquecimento gradativo  A partir de 2200 a.C. esfacelamento do império Antigo Império As grandes pirâmides de Quéops, Quéfren e Miquerinos, no planalto de Gizé, Egito JOSEFUSTERAGA/CORBIS–LATINSTOCK
    18. 18. X SAIRX SAIR Médio Império Restabelecimento da unidade do Egito:  Expansão territorial  Início de relações comerciais com outros povos  Impulso nas obras públicas de irrigação  Ampliação das áreas agrícolas  Florescimento da vida cultural  Trajetória do Médio Império interrompida por volta de 1630 a.C. conquistado pelos hicsos 2 Egito
    19. 19. X SAIRX SAIR Novo Império  União dos egípcios contra os hicsos  Expulsão de invasores  Perseguição e escravismo de outros povos  Pacifismo vira expansionismo  Anexos: Núbia, Palestina, Etiópia, Síria e Fenícia  Grandes construções  1075 a.C. período de decadência  Século VII a.C. território ocupado pelos assírios  525 a.C. Em poder dos persas  332 a.C. Alexandre da Macedônia  30 a.C. território romano 2 Egito
    20. 20. X SAIRX SAIR A chave da escrita egípcia 2 Egito Pedra de Roseta, lápide em que estava gravado um documento bilíngue – grego e egípcio – em três escritas. HERITAGE/OTHERIMAGES
    21. 21. X SAIRX SAIR Capítulo 3 Hebreus RICHARDASHWORTH/ ROBERTHARDINGWORLDIMAGERY/ CORBIS-LATINSTOCK
    22. 22. X SAIRX SAIR Hebreus 3 Hebreus Grande influência de outros povos: mais representativa a de judeus e árabes. Até hoje as relações entre esses dois povos são marcadas por conflitos. Ambos lutam pela hegemonia sobre a Palestina: os judeus por direitos históricos sobre a região, os árabes palestinos por direitos adquiridos pela longa e contínua ocupação. Antiga Palestina
    23. 23. X SAIRX SAIR  Formação no 2o milênio antes de Cristo  Torá: principal fonte histórica desse povo  Sociedade patriarcal e escravista  Consideravam-se o povo eleito de Deus (Iaweh ou Jeová). 3 Hebreus Hebreus BRIDGEMANARTLIBRARY/KEYSTONE
    24. 24. X SAIRX SAIR O exílio no Egito 3 Hebreus  Por volta de 1750 a.C. grande período de seca CID Moisés com as tábuas da lei, gravura de Gustave Doré  Migração para o Egito  Fixam-se no delta do Nilo (permanência por 400 anos).  Liderados por Moisés, deixam o Egito e iniciam o retorno à Palestina.
    25. 25. X SAIRX SAIR O Estado hebraico e sua decadência  Divisão do povo de Israel em 12 tribos 3 Hebreus constituição de um Estado politicamente organizado  Lutas com os cananeus  1000 a.C.: implantação da monarquia  Davi define e organiza o Estado.
    26. 26. X SAIRX SAIR  Salomão fortalece o poder do Estado.  Expansão do comércio com outros povos do Oriente  Construção de palácios e templos  Impostos opressivos  Camponeses recrutados à força para trabalhar nas obras públicas. Revoltas sociais O Estado hebraico e sua decadência 3 Hebreus
    27. 27. X SAIRX SAIR Formação de dois Estados Reino de Israel Reino de Judá (israelitas) (judeus) 3 Hebreus O Estado hebraico e sua decadência 935 a.C.: Instala-se uma crise político-sucessória.
    28. 28. X SAIRX SAIR  721 a.C. assírios conquistam Israel.  596 a.C.: rei da Babilônia conquista Judá 586 a.C.: transferência da população para a Mesopotâmia Cativeiro da Babilônia  332 a.C.: conquista da Palestina por Alexandre, o Grande  63 a.C.: território sob o controle de Roma  Judeus se organizam e incitam revoltas, mas no ano 70 d.C. são esmagados. Expulsos da Palestina, são proibidos de retornar àquela região e se dispersam pelas províncias romanas = Diáspora. O Estado hebraico e sua decadência 3 Hebreus
    29. 29. X SAIRX SAIR Judeus 3 Hebreus O detalhe em relevo apresenta os judeus carregando provisões enquanto caminham em direção ao cativeiro, na Babilônia. ERICHLESSING/ALBUM/LATINSTOCK
    30. 30. X SAIRX SAIR  Espalhados pelo mundo  Pequenas comunidades  Sem território próprio  Preservação da unidade cultural  Mantêm-se como nação até 1948 criação do Estado de Israel retorno do povo judeu ao território. Conflitos com palestinos 3 Hebreus Judeus
    31. 31. X SAIRX SAIR Capítulo 4 Fenícios e persas RICHARDASHWORTH/ ROBERTHARDINGWORLDIMAGERY/ CORBIS-LATINSTOCK
    32. 32. X SAIRX SAIR Fenícios 4 Fenícios e persas  Prática da agricultura  Contato com povos estrangeiros e atividade comercial  Escambo produção de moedas  Comércio de madeira, desenvolvimento da construção naval, metalurgia e produção têxtil  Divulgação da cultura fenícia  Crescimento de poderosas cidades
    33. 33. X SAIRX SAIR Sociedade e economia fenícias Relevo fenício do século VIII a.C. ERICHLESSING/ALBUM-LATINSTOCK 4 Fenícios e persas  Hábeis artesãos  Confecção de armas, joias, cerâmica e objetos de vidro transparente e colorido  Tinturaria de tecidos  Importação de produtos da Mesopotâmia, Arábia e Ásia Menor  Entre XII a.C. e IX a.C.: grande desenvolvimento e domínio dos mares Mediterrâneo, Negro e Cáspio  VIII a.C.: Fenícia anexada aos impérios Assírio, Babilônico, Persa e Macedônico  332 a.C.: hegemonia do universo fenício passa para Cartago (Guerras Púnicas).  146 a.C.: cartagineses escravizados
    34. 34. X SAIRX SAIR  2000 a.C.: terras do Irã habitadas pelos medos, que dominaram os persas.  De 550 a.C. a 539 a.C.: conquista do reino da Média; domínio da Babilônia e da Fenícia, Síria e Palestina  Ampliação das fronteiras do império: conquista da Lídia e das cidades gregas da Ásia Menor  Política de respeito às diferenças culturais e religiosas dos povos conquistados exército poderoso  525 a.C.: conquista do Egito  330 a.C.: desaparecimento do Estado persa, conquistado pelos exércitos da Macedônia 4 Fenícios e persas Persas
    35. 35. X SAIRX SAIR 4 Fenícios e persas Dárico de ouro do reinado de Dario I (521-486 a.C.) THEBRITISHMUSEUM/HERITAGE-IMAGES/OTHERIMAGES Uma nova forma de administrar
    36. 36. X SAIRX SAIR Religião 4 Fenícios e persas Dança ritual de zoroastrismo, Teerã, Irã, 2003 MARYAMBAKNSHI/REUTERS/LATINSTOCK
    37. 37. X SAIRX SAIR RICHARDASHWORTH/ ROBERTHARDINGWORLDIMAGERY/ CORBIS-LATINSTOCK Navegando no módulo
    38. 38. X SAIRX SAIR Navegando no módulo CIVILIZAÇÕES TEMPO ANTIGUIDADE ESPAÇO ORIENTE PRÓXIMO MESOPOTÂMIA EGITO ANTIGA PALESTINA FENÍCIA PÉRSIA
    39. 39. X SAIRX SAIR CIVILIZAÇÕES RELAÇÕES DE PODER RELAÇÕES SOCIAIS RELAÇÕES ECONÔMICAS CRITÉRIOS HEREDITARIEDADE FUNÇÃO PROPRIEDADE GRUPOS ARISTOCRACIA COMERCIANTES ARTESÃOS SERVOS ESCRAVOS PROCESSOS CENTRALIZAÇÃO DESCENTRALIZAÇÃO ESTRUTURAS E REGIMES CIDADE-ESTADO MONARQUIA IMPÉRIO ESTADO TEOCRÁTICO AGRICULTURA ARTESANATO TROCAS COMERCIAIS Navegando no módulo
    40. 40. X SAIRX SAIR RICHARDASHWORTH/ROBERTHARDINGWORLDIMAGERY/CORBIS-LATINSTOCK FIM SEQUÊNCIA DIDÁTICA Adaptação e consultoria: Professor Diogo Martins de Santana Revisão: Lara Milani (coord.), Adriana B. dos Santos, Alexandre Sansone, Amanda Ramos, Anderson Félix, André Annes Araujo, Aparecida Maffei, David Medeiros, Greice Furini, Maria Fernanda Neves, Renata Tavares Diagramação: Adailton Brito de Souza, Gustavo Sanches, Keila Grandis, Marlene Moreno, Valdei Prazeres, Vicente Valenti Ilustração: Alexandre Julran Cartografia: Alessandro Passos da Costa, Anderson de Andrade Pimentel Imagens:© Egito. The History Channel v.VI. (Série Construindo um Império)/ A&E Television Networks VÍDEOS Palavra do autor Produção: Estúdio Moderna Produções Edição: 3D LOGIC MULTIMÍDIA Consultoria: Professor Diogo Martins de Santana Edição: Daniel Lima, Luciana Scuarcialupi, Raphael Prado Revisão técnica: Professora Thaís Rocha da Silva Produção: Cricket Design Locução: Núcleo de Criação © 2009, Grupo Santillana/Sistema UNO Uso permitido apenas em escolas filiadas ao Sistema UNO Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, arquivada ou transmitida, de qualquer forma, em qualquer mídia, seja eletrônica, química, mecânica, óptica, de gravação ou de fotocópia, fora do âmbito das escolas do Sistema UNO. A violação dos direitos mencionados constitui delito contra a propriedade intelectual e os direitos de edição. GRUPO SANTILLANA Rua Padre Adelino, 758 – Belenzinho São Paulo − SP – Brasil – CEP 03303-904 Vendas e Atendimento: Tel.: (11) 2790-1500 Fax: (11) 2790-1501 www.sistemauno.com.br
    41. 41. X SAIRX SAIR X SAIR HISTÓRIA M.2 ANTIGO ORIENTE PRÓXIMO
    42. 42. X SAIRX SAIR 1 “O Egito é uma dádiva do rio Nilo.” Essa célebre frase do historiador grego Heródoto, por diversas vezes repetida, sugere que o esplendor do império egípcio se deveu mais aos fatores geográficos naturais do que aos esforços do povo egípcio. No entanto, o historiador brasileiro Jaime Pinsky propõe uma nova forma de analisar o fato: “O rio (Nilo), em si, oferece condições potenciais que foram aproveitadas pela força de trabalho dos camponeses egípcios. (...) Trabalho e organização foram, pois, os ingredientes principais da civilização egípcia. O rio, (...) ao mesmo tempo que fertilizava, inundava”. A partir do raciocínio exposto acima, adaptado à realidade das bacias hidrográficas brasileiras, pode-se afirmar que: a) As constantes enchentes do rio São Francisco, apesar de o tornarem inútil para navegação em todo o seu percurso, favorecem a irrigação do solo de suas margens, que são altamente aproveitadas pela agricultura local. b) O somatório dos esforços do Brasil e do Paraguai que resultou na construção da Usina Hidrelétrica Binacional de Itaipu possibilitou o aproveitamento do rio Paraná pelas duas nações, gerando energia elétrica de grande proveito para as respectivas populações. c) O rio Amazonas vem apresentando, com o passar dos anos, uma grande diminuição de seus afluentes devido ao baixo índice pluviométrico na região. ENEM – HISTÓRIA M.2
    43. 43. X SAIRX SAIR d) O Governo do Estado de São Paulo, juntamente com a população, iniciou recentemente um plano estadual de limpeza do rio Tietê para a utilização deste como uma possível fonte da piscicultura paulista do futuro. e) Devido às intensas inundações do rio Araguaia, o Governo do Estado de Goiás investiu R$ 1,5 milhão em construção de diques e sistemas de drenagem, evitando assim novos alagamentos nas regiões de concentração habitacional. RESPOSTA: B O texto coloca que o rio Nilo não trouxe por si só a grandeza do império egpício: foi necessário trabalho humano na transformação da natureza, como na construção de diques e canais. Do mesmo modo, o potencial energético do rio Paraná apenas pôde ser aproveitado com a intervenção de Brasil e Paraguai. ENEM – HISTÓRIA M.2
    44. 44. X SAIRX SAIR 2 Disponível em: <www.joacyjames.com.br>. Acesso em: 9 jun. 2009. ENEM – HISTÓRIA M.2
    45. 45. X SAIRX SAIR A figura expressa o conflito que se arrasta por décadas no Oriente Médio, mais especificamente na região da Palestina. A alternativa que melhor explica o motivo do conflito é: a) Depois do fim da Guerra Fria, cada grupo tenta impedir que o outro tenha acesso aos armamentos nucleares. b) Os judeus acreditam possuir direitos históricos sobre a região, enquanto os palestinos afirmam possuir direitos adquiridos pela longa e contínua permanência no local. c) O fator que motiva a ocupação da Palestina é o desejo de controlar a extração de petróleo nesse local e assumir maior poder de negociação frente às grandes potências atuais: Estados Unidos, China e União Europeia. d) As caveiras ilustradas na figura simbolizam o grande número de mortes provocadas pelo conflito, da ordem de milhões de indivíduos. e) Os balões da figura indicam que, tanto as questões religiosas como as econômicas, seriam facilmente solucionadas caso os dois grupos falassem a mesma língua. RESPOSTA: B A figura retrata o conflito entre judeus e palestinos pelo território da Palestina, atual Estado de Israel. No ano 70 d.C., os judeus foram expulsos pelas forças do Império Romano, iniciando sua dispersão pelo mundo. Já os palestinos são árabes, que ocuparam a região no século VII. No século XIX, surgiu na Europa o movimento sionista, que defendia a volta do povo hebreu para a Palestina. Esse movimento culminou em 1948 com a criação de Israel, tornando os palestinos um povo sem pátria. ENEM – HISTÓRIA M.2
    46. 46. X SAIRX SAIR QUESTÕES ENEM Elaboração: Tadeu Arantes Revisão técnica: Julio Pimentel e Mirtes Timpanaro Revisão: Lara Milani (coord.), Alexandre Sansone, André Annes Araujo, Débora Baroudi, Fabio Pagotto, Flávia Yacubian, Greice Furini, Luiza Delamare, Maria Fernanda Neves, Renata Tavares, Valéria C. Borsanelli Diagramação: Adailton Brito de Souza, Gustavo Sanches, Keila Grandis, Marlene Moreno, Valdei Prazeres, Vicente Valenti © 2009, Grupo Santillana/Sistema UNO Uso permitido apenas em escolas filiadas ao Sistema UNO Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, arquivada ou transmitida, de qualquer forma, em qualquer mídia, seja eletrônica, química, mecânica, óptica, de gravação ou de fotocópia, fora do âmbito das escolas do Sistema UNO. A violação dos direitos mencionados constitui delito contra a propriedade intelectual e os direitos de edição. GRUPO SANTILLANA Rua Padre Adelino, 758 – Belenzinho São Paulo − SP – Brasil – CEP 03303-904 Vendas e Atendimento: Tel.: (11) 2790-1500 Fax: (11) 2790-1501 www.sistemauno.com.br FIM

    ×