SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 124
História1º ano
Prof.ª. Marília Pimentel
CAPÍTULO 9 - PÁG. 102
Grécia antiga Grécia atual
CARACTERÍSTICAS
 Base da cultura ocidental;
 Escravo = gerador de riquezas
(escravo = dívida / guerra /
crime);
 Intensa prática comercial.
“Modo de Produção Escravista”.
CIVILIZAÇÕES
 Grécia Antiga;
 Roma Antiga.
• Território acidentado;
• Desenvolvimento do
comércio e navegação;
• Descentralização política
(Cidade‐Estado);
• Modo de produção
escravista;
• Contribuições nas artes,
ciências e filosofia
(formadores da CULTURA
OCIDENTAL).
CARACTERÍSTICAS GERAIS
• Período Pré‐Homérico (2800 –
1100 a.C.) – povoamento da
Grécia.
• Período Homérico (1100 – 800
a.C) – chegada dos Dórios à
Grécia.
• Período Arcaico (800 – 500 a.C) –
formação da pólis (cidade‐Estado).
• Período Clássico (500 – 336 a.C) –
auge da pólis.
• Período Helenístico (336 – 146
a.C) – decadência da pólis/
domínio Macedônico.
FASES DA HISTÓRIA
FORMAÇÃO DO POVO HELENO (Grego)
Período Pré-homérico:
 Civilização Creto-
Micênica(cretenses+ aqueus).
• Cretenses: comércio marítimo,
talassocracia (poder nas mãos de
elite comerciante), escrita silábica
(Linear A e Linear B), destaque
para as mulheres;
• Micênicos: Grécia Continental –
aqueus. Conquistaram os
cretenses, porém, assimilaram
alguns dos valores culturais
cretenses.
TESEU
MINOTAURO
 Instalação dos vários povos que formaram a Civilização grega:
 Povoamento da Grécia
—Aqueus = Micenas.
—Jônios = Atenas
(Voltados para a filosofia)
—Eólios = Tessália.
—Dórios = Esparta
(Voltados para a guerra)
 1ª Diáspora:
‐ Devido à conquista dos dórios
(Ilhas do Mar Egeu e Ásia
Menor) – formação de
colônias.
Poucos registros escritos
( poemas épicos Ilíada e Odisseia)
A Ilíada vem da palavra grega
Ílion que significa Troia, tratando-
se, assim , da guerra entre gregos e
troianos.
A Odisseia trata do retorno do
herói grego Ulisses a sua terra
natal , depois da guerra de Troia.
PERÍODO HOMÉRICO
Origem das cidades-Estado: as transformações sociais
• As transformações ocorridas na organização dos génos (grandes famílias).
Comunidade Gentílica: (Genos)
– Antepassado comum;
– Produção coletiva;
– Não havia o Estado;
– Líder: Geronte, Pater;
– Não havia estratificação social.
Desagregação da comunidade gentílica:
— Devido ao aumento populacional e a divisão
desigual da terra entre os parentes mais próximos
do pater,
— Observa-se o aparecimento de uma estratificação e
conflitos sociais.
CIDADES-ESTADO
DEMO
TRIBO
1
TRIBO
1
FRÁTRIA
2
FRÁTRIA
1
FRÁTRIA
2
FRÁTRIA
1
GENO
2
GENO
1
GENO
2
GENO
1
GENO
2
GENO
1
GENO
2
GENO
1
MONARQUIA
(Rei = Basileu)
MONARQUIA
(Rei = Basileu)
 A importância de ser cidadão:
– Parentesco;
– Terra;
– Religião gentílica.
Póleis gregas:
Eram independentes entre si. Cada cidade possuía o
seu próprio governo, aparelho administrativo, leis
próprias, exército exclusivo, como qualquer estado.
Dois principais modelos:
• Ateniense desenvolveram a filosofia e a
democracia.
• Espartano–volta dos para a guerra e esporte.
PERÍODO ARCAICO: A FORMAÇÃO DAS PÓLEIS GREGAS
• Duas
características
físicas marcantes
da Grécia que
contribuíram para
a fragmentação
política helênica
(grega), segundo
alguns
historiadores:
O território montanhoso (cerca de
80%), fazendo com que os grupos
humanos se instalassem em
distintas planícies, separadas pelo
relevo
O litoral bastante recortado e
fragmentado em ilhas.
• O que integrava as diversas
populações das cidades
gregas eram elementos
culturais comuns; a língua
(apesar dos diferentes
dialetos), uma base religiosa
comum, certos eventos
periódicos em que se
reuniam (como os Jogos
Olímpicos) etc.
Cidades-Estado: elos de integração
• Os Jogos Olímpicos eram realizados em
honra a Zeus (o mais importante deus
grego) e incluíam provas de diversas
modalidades esportivas, musicais e
poéticas.
• As guerras entre cidades eram
interrompidas no período dos jogos
(trégua sagrada).
• Foram celebrados até o ano de 393 d.C.,
quando o imperador romano Teodósio I,
que era cristão, mandou fechar o templo
de Zeus, em Olímpia, provavelmente para
combater cultos não cristãos.
• Em 1896, foram realizados em Atenas os
primeiros Jogos Olímpicos da Era Moderna.
Os Jogos Olímpicos
MOTIVOS QUE LEVARAM À
EXPANSÃO
COLONIZADORA:
• Questões sociais
originadas por problemas
de posse de terra;
• Dificuldades na
agricultura;
• Aumento da população.
COLÔNIAS GREGAS
Relação entre a expansão
colonizadora da Grécia
Antiga e o aumento de suas
atividades comerciais:
• Após os primeiros momentos da
expansão, as regiões colonizadas
tornaram-se centros comerciais,
impulsionando as trocas entre
as cidades da Heláde e as
colônias.
• A expansão colonizadora
também impulsionou a
navegação marítima, as trocas
culturais e a produção artesanal.
Atividade nº 1
1. Pág.106 (1 a 7).
LOCALIZAÇÃO: península do
Peloponeso.
 nunca teve uma área urbana
importante.
Era uma cidade de caráter
militarista e oligárquico.
ESPARTA: o governo oligárquico
Mas, o que é
oligárquico?
Oligárquico: referente à
oligarquia, tipo de governo em
que um grupo reduzido de
pessoas poderosas domina de
acordo com seus próprios
interesses.
Entendendo o que é
oligárquico
O governo tinha
como um de seus
principais objetivos
fazer de seus cidadãos
modelos de soldados
– bem treinados
fisicamente, corajosos
e obedientes às leis e
às autoridades - , a
fim de engajá-los no
exército e manter o
modelo de Estado
espartano.
ESPARTA: o governo oligárquico
SOCIEDADE ESPARTANA
Esparciatas
(5%)
Periecos (10%)
Hilotas (85%)
Espartanos , ricos donos de terras
e escravos. Controlavam a política
e o exército de Esparta..
Homens livres, comerciantes e
artesãos, não eram considerados
cidadãos e não possuíam direitos
em Esparta.
Escravos pertencentes ao Estado
espartano, trabalhavam no campo
para sustentar a elite espartana.
• Desprezados
socialmente, os
hilotas promoviam
frequentes revoltas
contra os grupos
dominantes.
• As constantes
revoltas tornavam
fundamental a
existência de uma
força militar que
controlasse os
hilotas.
• Os hilotas, ao
lado dos
periecos, eram
os responsáveis
pelas
atividades
produtivas e,
portanto, pela
geração de
riquezas para
os esparciatas.
Importância dos hilotas
para os esparciatas
ESPARCIATAS
ESPARCIATAS
HILOTAS
PERIECOS
A sociedade espartana era
profundamente militarizada e
desigual. Como essas
características se traduziam na
estrutura de poder?
• A sociedade espartana, marcada
pelo caráter militarista da cidade,
era constituída por três grupos
sociais: esparciatas, periecos e os
hilotas.
• Essa organização se traduzia numa
estrutura de poder com o domínio
político exclusivo dos esparciatas,
que exerciam todos os cargos e
funções de governo.
O GOVERNO EM ESPARTA
 Diarquia(2):Era formada por dois reis
com função religiosa e militar(poder
simbólico);
 Gerúsia(28):Representava o poder
legislativo, era formado pelos mais
velhos(Conselho dos Anciãos);
 Ápela: Formada pelos cidadãos com a
função de votar as leis e os membros da
Gerúsia;
 Éforos(5):O poder de fato, controlavam
e vigiavam a vida dos cidadãos.
Estrutura administrativa
ÉFOROS(5)
GERÚSIA (28)
(CONSELHO DE ANCIÃOS)REIS(2)
EXÉRCITO
(5 COMPANHIAS)
ÁPELA (ASSEMBLEIA
DO POVO)
ESPARCIATAS
PERIECOS
HILOTAS
(DESPROVIDOS DE
DIREITOS)
E
L
E
G
E
ELEGE
VETO
COMPÕEM
PARTICIPAÇÃO NAS GUERRAS
CONSTITUIÇÃO
ESPARTANA
(LICURGO)
1.Nascimento–examinado pelo séforos
2. O–7anos–em poder da família
3. 8–11anos aprendizado coletivo: aprendia sobre a
cultura espartana.
4. 12–17anos–teste de sobrevivência em
acampamentos, retornavam uma vez por ano para a
cidade onde eram açoitados até o limite de sua
resistência.
5. Entre18 e 20anos(efebia)ingressava no exército
como hoplita.Passava pelo teste anual da kripteia.
Caso um hilota matasse um jovem espartano teria 2dias de
folga.
Educação –agogê do homem
6. Dos 18 aos 29 anos: servia ao exército, porém sem direitos políticos.
7. Dos 30 aos 60 anos: momento em que era reconhecidamente um
cidadão.
8. Acima de 60 anos: poderia participar da Gerúsia.
A mulher espartana: recebia uma educação mais avançada que o homem e
gozavam de certa liberdade.
Educação –da mulher
Em certa ocasião, um
estrangeiro perguntou por
que as espartanas eram as
únicas gregas que
mandavam nos homens. E
ela respondeu: "ora,
porque parimos homens
de verdade", rebateu.
Atividade nº 2
1. Pág.107 (1 a 4).
A. Localização: Península da Ática.
B. Origem: Jônios (voltados para a filosofia).
C. Economia comercial e marítima.
 Devido à pouca fertilidade dos solos da
região, os atenienses lançaram-se à
navegação marítima.
 Chegaram a dominar grande parte do
comércio pelo Mediterrâneo.
D. “Democracia” direta.
ATENAS
Obs.: Hoje a democracia é representativa, os
eleitores transferem para o legislativo o poder de
decidir o destino do país.
TODO O PODER AOS CIDADÃOS
Princípios base da Democracia:
 Isonomia: igualdade de todos
perante a lei.
 Isegoria: igualdade de direito ao
acesso à palavra na assembleia;
 Isocracia: igualdade de participação
no poder.
461 – 429 A.c. : Século de Péricles, ou
Século de Ouro de Atenas.
Demo (povo) + Kratia (governo) = Demokratia Democracia
Forma de governo pelo
povo no seu conjunto.
quem era
cidadão?
Mas
Para ser considerado um cidadão em
Atenas ,a pessoa deveria ser:
 HOMEM;
 LIVRE;
 18 ANOS;
 GREGO;
 PAIS GREGOS.
SOCIEDADE GREGA
CIDADÃO
NÃO ERAM CIDADÃOS
MULHERES ESTRANGEIROS ESCRAVOS
CLASSES SOCIAIS
EUPÁTRIDAS
METECOS
ESCRAVOS
Classe dominante, ocupavam cargos
públicos, administravam.
Estrangeiros que trabalhavam no comércio e no
artesanato.
A força de trabalho.
a) A primeira forma de governo foi a Monarquia,
onde o rei recebia o título de Basileu.
b) Evolução para uma estrutura oligárquico-
aristocrática como fortalecimento da aristocracia
eupátrida, o Basileu perde poder com a
instituição do Arcontado.(composto por 9
magistrados, com mandatos anuais eleitos pela
Areópago)
c) Areópago: Composto pela nobreza eupátrida,
com a função de eleger e regular a função dos
arcontes (detinha o poder legislativo).
d) Eclésia: Assembleia popular mais importante,
composta pelos cidadãos encarregados de votar
as propostas do Areópago.
ESTRUTURA ADMINISTRATIVA
ARISTOCRACIA – classe formada por
um grupo de pessoas que detêm o
poder econômico ou político.
Obs.: O Movimento de
colonização grega, devido as
lutas sociais internas, gerou
transformações na sociedade:
O incremento do comércio
marítimo;
A prosperidade que
enriqueceu a classe média dos
artesãos e
comerciantes(Demiurgos);
O aumento do número de
escravos (inclusive por dívida);
LEGISLADORES e TIRANOS
Devido ao acirramento das disputas de classes.
a) Drácon:
Elaborou o primeiro código de leis escritas para Atenas (extremamente
rigoroso não conseguiu resolver os problemas sociais, pois manteve os privilégios da
aristocracia).
b) Sólon:
1) Acabou com a escravidão por dívida.
2) Dividiu a sociedade censitariamente (abrindo espaço para os ricos
demiurgos)
3) Criou a Bulé ou Conselho dos 400 (100 de cada tribo).
4)Criou o Helieu (tribunal).
5) Suas medidas desagradaram a aristocracia e abriu espaço para os
Tiranos (Pisístrato-Hiparco-Hípias).
DRÁCON
A TIRANIA
1) Causa: Incompatibilidade dos
partidos aristocrático e popular.
(principalmente quanto as reformas
reclamadas pelos setores populares).
2) Particularidade: Os tiranos, em
particular Pisístrato, usurparam o
poder com apoio popular
fragilizando a aristocracia.
3) Ações: Obras públicas para gerar
empregos e diminuir atritos.
PISÍSTRATO
A DEMOCRACIA ATENIENSE
Clístenes : “Pai da Democracia
Ateniense”
1) Redividiu Atenas em 10 tribos,
redistribuiu as famílias em Atenas de
acordo com a renda do indivíduo,
reduzindo, assim, os laços de parentesco
entre a Nobreza.
2) Criou o Ostracismo para impedir a
ascensão de tiranos ao poder.
PERÍODO CLÁSSICO
A. Guerras Médicas
(490 –449 a.C.);
– Gregos* × Persas;
– Causa: Crescimento
do Império Persa e
avanço dos persas sobre
a Grécia;
– Confederação ou Liga
de Delos;
– Supremacia naval e
financeira de Atenas..
B. 461–429a.C.(séc. V a.C.) –
Auge de Atenas.
1) Século de Péricles (Idade de
Ouro).
2) Soldo (Misthoy)para exército.
3) Cargos públicos remunerados.
4) Imperialismo com cidades da
Liga de Delos.
5) Transferência de recursos de
Delos para Atenas.
C. Guerra do Peloponeso
(431–404a.C.)
1) ESPARTA* ×ATENAS.
2) Crise da democracia e das cidades-
estados gregas.
3) Breves períodos de preponderância
de Esparta e posteriormente Tebas.
PERÍODO HELENÍSTICO
A. Domínio Macedônico na Grécia :
Filipe II (359–336a.C.).
B. Alexandre(336–323a.C.) conquistas
territoriais amplas (Egito, Fenícia,
Palestina, Mesopotâmia e Pérsia),
fundação de cidades( Alexandrias).
C. Após a morte de Alexandre, Império
esfacela-se entre disputas de
generais.
FILIPE II ALEXANDRE
–Artes plásticas: Realismo, violência,
dor, sensualidade;
–Ciências: PTOLOMEU(Geocentrismo)
e ERASTÓSTENES(cálculo da
circunferência da Terra);
–Filosofia: ZENÃO(Estoicismo–
aceitação),EPÍCURO(Epicurismo–busca
do prazer),PIRRO(Ceticismo–não emitir
julgamentos definitivos.Nada é o que
parece).
HELENISMO Fusão da cultura grega com oriental.
A CULTURA GREGA
A. Teatro: tragédias e comédias. Ar
livre, utilização de máscaras e coros,
atores homens. Ésquilo, Sófocles e
Eurípedes(Tragédias) e Aristófones
(comédias).
B. História: Heródoto (Guerras
Médicas), Xenofonte e
Tucídides(Guerra do Peloponeso).
C. Poesia: Homero (Ilíada e
Odisseia),Píndaro(Jogos Olímpicos).
D. Filosofia: Tales, Pitágoras,
Protágoras, Sócrates, Platão e
Aristóteles.
TEOREMA DE
PITÁGORAS
PLATÃO E ARISTÓTELS
E. Arquitetura: Estilos JÔNICO
(elegância, beleza), DÓRICO
(funcionalidade e peso), CORÍNTIO (luxo,
riqueza de detalhes).
F. Escultura: FÍDIAS e MIRÓN.
G. Ciências: TALES e PITÁGORAS
(matemática), HIPÓCRATES (medicina). Athena, por Fídias.
Escultura por Mirón
RELIGIÃO GREGA  Religião: politeísta e antropomórfica
De acordo com a mitologia grega, havia doze deuses principais, que viviam no
monte Olimpo, o mais alto da Grécia.
Deus do mar Deus dos mortos Deusa do matrimônio/
parto
Líder dos deuses Deusa do amor
Deus do fogo/forja Deus da luz/artes
Medicina, da música
Deus da guerra Deusa da caça
Mensageiro dos deuses,
Protetor dos viajantes/mercadores
Deusa da sabedoria
Especialista nas artes e na guerra
A mitologia grega é composta por várias histórias em que os homens, deuses e heróis eram
frequentemente confrontados com desafios de matar ou domar algum monstro mitológico.
E nós estamos cercados por essas histórias, seja na literatura, nos filmes, nos quadrinhos e
jogos eletrônicos, temos um constante contato com essa cultura mãe. Muitas dessas criaturas
foram baseadas em misturas de animais, homens e mulheres, que eram de onde os gregos
tinham bases para criar coisas bizarras - até porque, esperar o que de uma cultura onde os
deuses são perfeitas representações humanas? com erros e pecados, mas que vive
eternamente?
Então hoje vamos ver as 15 criaturas mais lendárias e famosas da mitologia grega!
https://www.youtube.com/watch?v=qqyGbRRY9bs
Atividade nº 3
1. Pág.111 (1 a 4).
2. Pág. 113 (1)
3. Pág. 114 (1)
4. Pág. 117 (1 e 2)
5. Pág. 119 (Enem 2009)
1º ano História
CAPÍTULO 10 - PÁG. 121
Prof.ª. Marília Pimentel
ATUALMENTE CAPITAL
DA ITÁLIA
A FUNDAÇÃO DA CIDADE DE ROMA: O MITO DE RÔMULO E REMO
Segundo uma lenda romana,
os gémeos recém-nascidos,
Rómulo e Remo, foram
encontrados junto das
margens do rio Tibre por uma
loba, que os amamentou e
protegeu. Em 753 a. C., já
adultos, fundaram a cidade de
Roma. Mais tarde, Rómulo
matou Remo para assumir a
liderança da cidade, tornando-
se o primeiro rei de Roma.
ASPECTOS NATURAIS
Localização:
 Península itálica;
 Rio: Tibre;
 Relevo Moderado facilitou a comunicação;
 Litoral pouco recortado.
ECONOMIA
 Região da planície do Lácio favoreceu o
desenvolvimento da agricultura;
 Modo de Produção Escravista.
PARTICULARIDADES
 Língua e literatura: O latim, origem da língua
portuguesa, francesa, italiana e espanhola;
 Cristianismo e o calendário ocidental;
 Ciência (utilitarista):Ex. Arquitetura–termas, arcos,
arenas e aquedutos;
 Direito romano: início com a Lei das 12 Tábuas.
- Direito Público-Relações indivíduo e Estado.
- Direito Privado–relações dos indivíduos entre si.
+ Direito natural–origem dos Direitos Humanos.
+ Direito das gentes–origem do Direito Internacional.
+ Direito Civil–aplicado aos que possuem direitos
políticos.
HISTÓRIA POLÍTICA
 Monarquia (753 –509 a.C.);
 República (509 –27 a.C.);
 Império (27 a.C. –476).
FASES DA HISTÓRIA:
MONARQUIA
Os sete reis romanos:
Lendários (Latinos e
Sabinos)–Rômulo, Numa
Pompílio, Túlio Hostílio,Anco
Márcio.
Etruscos–Tarquínio Prisco,
Sérvio Túlio e Tarquínio, o
Soberbo.
POLÍTICA
ECONOMIA
SOCIEDADE
Patrícios
Eram o grupo detentor de
maior poder.
Formado por grandes
proprietários de terras, que
acreditavam descender de
Rômulo.
Plebeus
Composto de artesãos,
comerciantes e pequenos
proprietários. Não podiam
casar com patrícios nem
exercer cargos públicos ou
religiosos. Tinham que
servir no exército.
Clientes
Em geral,
ex-escravos.
Dependiam
completam
ente dos
patrícios..
Escravos
Prisioneiros de
guerra ou
devedores.
Eram usados
nos trabalhos
pesados. Seus
donos tinham
poder de vida e
de morte sobre
eles.
Atividade nº 4
1. Pág.123 (1 e 2).
2. Pág. 124 (1 a 5)
REPÚBLICA
 Em 509a.C.,com a
expulsão do rei Tarquínio
II, foi escolhido um novo
regime político: a
república.
 As características
principais desse regime
eram a escolha do
governante por meio de
eleições e o cargo não ser
vitalício.
REPÚBLICA
Estrutura Política:
a) SENADO–controlado pelos patrícios,
foi o principal órgão de poder.
REPÚBLICA
1)Cônsules(2) – eleitos anualmente,
presidiam o Senado e propunham leis;
2)Pretores – responsáveis pela justiça;
3)Ditadores – escolhidos pelo senado para
governar por 6 meses com plenos poderes em
momentos de crise;
4)Censores – faziam o censo da população
conforme a renda. A partir daí montavam o
Álbum Senatorial;
5)Edis – conservação, policiamento e
abastecimento da cidade;
6)Questores – tesouro público.
b) MAGISTRATURAS:
REPÚBLICA
1. Centurial – votação
de projetos + eleição
de cônsules;
100 soldados =
Centúria; (98 de patrícios
e 95 de plebeus).
2. Assembleia Curial
– assuntos religiosos;
3. Assembleia Tribal
– escolha de
Questores e Edis.
c) ASSEMBLEIAS:
REPÚBLICA LUTAS SOCIAS – CONQUISTAS DOS PLEBEUS
Sem direitos, obrigados a ir para o exército e expostos à escravidão
por dívidas. Revoltas do Monte Sagrado.
A ) 494a.C.– Tribunos da Plebe–
imunidade + veto sobre o senado;
B ) 450a.C.–Lei das 12 Tábuas –
primeiras leis escritas de Roma;
C ) 445a.C.–Lei Canuleia – permissão
para casamentos mistos entre patrícios
e plebeus.
REPÚBLICA LUTAS SOCIAS – CONQUISTAS DOS PLEBEUS
D ) 367a.C.–Leis Licínias–garantia um Cônsul
plebeu e pôs fim à escravidão por dívidas,
proibindo que os plebeus endividados fossem
escravizados pelos proprietários
rurais(326a.C.).
E )287a.C.–Comício–Lei Hortênsia reconhecia
os comícios da plebe como assembleia
popular, o plebiscito adquirindo força de lei,
independentemente da aprovação do Senado.
f) Lei Ogúlnia: A Igualdade religiosa–permite
o acesso dos Plebeus aos Colégios Sacerdotais
e ao cargo de Pontífice Máximo.
REPÚBLICA Formação e Expansão Romana
Expansão Territorial
a) I Fase (Séc. V ao III a.C.):
- Abastecimento e escravos;
- Península Itálica.
b) II Fase (séc. III –I a.C):
- Contexto: As rivalidades entre
Roma ×Cartago (Guerras Púnicas);
- Causas: Interesse na região da Sicília
(trigo), Espanha (metais preciosos); Os
interesses dos grandes comerciantes
(cavaleiros ou classe equestre em expandir seu
raio de ação pelo Mediterrâneo). Após dominar toda a Península itálica, os romanos
partiram para as conquistas de outros territórios
GUERRAS PÚNICAS
REPÚBLICA Formação e Expansão Romana - CONSEQUÊNCIAS
a) Roma tornou-se a maior potência do Mediterrâneo( Mare
Nostrum). Os cartagineses tiveram de pagar uma pesada
indenização, entregaram a Espanha e seus navios de guerra.
b) Maior influência da cultura Helenística, devido à
anexação da Grécia e Macedônia.( Utilização dos escravos
gregos como preceptores).
c)As mudanças provocadas pela expansão levou ao
acirramento, à crise da República e à Instauração do
Império(27a.C.).
1) Luta pelo poder pelos “homens novos”–elementos de
origem plebeia que enriqueceram com as conquistas;
2)Marginalização da plebe( aumento do número de
escravos).Crise da pequena propriedade, que não conseguia
concorrer com a produção do latifúndio escravista.
MARE
NOSTRUM
A SITUAÇÃO DOS ESCRAVOS
1) Constituíam uma mercadoria e a principal
fonte fornecedora eram as guerras.
2) Podiam se tornar livres: recompensa por
serviços prestados (manumissão).
3) A escravidão contribuiu para a falência do
trabalhador livre.
4) Devido às condições as quais eram
submetidos ocorreram várias revoltas, sendo a
de Espártaco a mais conhecida.
5) Os escravos eram utilizados no setor
produtivo e doméstico. Muitos escravos gregos
se notabilizaram por tomarem parte
importante na educação dos filhos de senhores
romanos.
Revolta de Espártaco
73 a.C. a 71 –que chegou a liderar 90 mil
combatentes.
A SITUAÇÃO DOS ESCRAVOS
As legiões
comandadas por
POMPEU e
CRASSO
conseguiram sufocar
a revolta de
Espártaco,
crucificando
6 mil de seus
homens.
ESCRAVIDÃO NA ANTIGUIDADE X ESCRAVIDÃO NA MODERNIDADE
Como semelhanças, observamos:
 A coerção física como forma de garantir a submissão do escravo;
 Em ambas as épocas era considerado mercadoria;
 Não possuíam direitos políticos.
Porém, se diferenciava devido:
 No mundo antigo constituía um “modo de produção” específico
(escravista), enquanto, na Idade Moderna, ligava-se acumulação do
modo de produção capitalista mercantil;
 A escravidão no mundo antigo não tinha caráter étnico-racial,
enquanto na América, na Idade Moderna, negros e índios foram
escravizados;
 A escravidão antiga estava associada à expansão militar e a
escravidão moderna ao apresamento e ao comércio relacionado ao
tráfico África-América.
A CRISE AGRÁRIA E AS TENTATIVAS DE REFORMAS
133 a.C.–Tibério Graco:
1) Limitava o tamanho da propriedade. Lex Sempronia
Agrária (310 acres ou aprox. 259 hectares);
2) Método: a terra livre seria distribuída entre os pobres na
forma de arrendamento;
3) Objetivo: reabilitar o pequeno proprietário rural, base do
recrutamento militar;
4) Resultados: O projeto foi vetado pelo Senado e Tibério
acabou assassinado juntamente com seus seguidores.
A CRISE AGRÁRIA E AS TENTATIVAS DE REFORMAS
123 a.C.– Caio Graco:
1) Contexto: Eleito Tribuno da Plebe em 123 a.C e
reeleito em 122 a.C., contou como apoio da plebe
urbana e dos cavaleiros.
2) Objetivo: Implantar uma democracia do tipo
ateniense.
3) Ações: As decisões importantes foram
transferidas do Senado para a Assembleia Popular.
Aprovação da Lei Frumentária, que obrigava o
Estado a vender trigo mais barato ao povo.
4) Consequência: Oposição do Senado termina
com a morte de Caio.
A morte de Caio Graco, por Jean-Baptiste Topino-Lebrun, 1792.
LUTAS CIVIS: AS DITADURAS DE MÁRIO E SILA
Mário – Reformou o exército:
 Profissionalização(soldados recebem
soldos, participação nos espólios e
após 25 anos de serviços passam a
ter direito a lote de terra);
 Com o apoio do exército, violou as
leis de Roma, implantando uma
ditadura elegendo-se 6 vezes para o
consulado.
LUTAS CIVIS: AS DITADURAS DE MÁRIO E SILA
SILA :
 Em 82 a.C., assumiu o poder e
proclamou-se ditador por tempo
indeterminado;
 Realizou violenta perseguição aos
cavaleiros e camadas populares;
 Restabeleceu os privilégios da
aristocracia e a autoridade do
Senado.(Veto senatorial às decisões
da Assembleia e à limitação dos
poderes dosTribunos).
OS TRIUNVIRATOS Depois de Sila, sobem ao poder generais importantíssimos.
1º– LICÍNIO CRASSO–ajudou a derrotar a
revolta de Espártaco;
2º-CNEU Pompeu–combateu na Espanha a
revolta popular de Sertório, discípulo de
Mário.(78a.C.–72a.C.), conquistou o restante da
Espanha e a Judeia (como os romanos
chamavam a Palestina em 64a.C.).
3º-JÚLIO César–sobrinho de Mário; tornou-se
o maior general de Roma ao conquistar Gália
(atual França) e parte da ilha da Bretanha (atual
Inglaterra).
Com a morte de Crasso, na Pérsia (54
a.C.), desfaz-se o triunvirato e inicia-se
uma disputa entre César e Pompeu.
Em 70 a.C., POMPEUE CRASSO foram
eleitos CÔNSULES e restabeleceram o
poder dos TRIBUNOS DA PLEBE, onde
senadores, plebeus e cavaleiros voltam a
ter igualdade na tribuna.
 Pompeu, com o apoio do Senado, torna-se
cônsul e destitui César do comando do
exército da Gália.
 Na fronteira entre sua província e Roma,
César teria dito “Alea jacta est”–“A sorte
está lançada”.
 César triunfa sobre Pompeu em Farsália que,
derrotado, fugiu para o Egito onde foi
assassinado.
 Júlio César interfere na disputa pelo trono no
Egito, apoiando Cleópatra contra Ptolomeu,
transformando o Egito num protetorado
romano.
 Na Ásia, venceu arnaces, rei do Ponto (a
campanha foi tão rápida que César teria
dito:“veni, vidi, Vinci”–“Vim, vi e venci”),
seguiu para a África e Espanha, onde venceu
os últimos partidários de Pompeu.
A ditadura de César:
 Ao regressar, tornou-se ditador
vitalício.
 Beneficiou cavaleiros e camadas
populares.
 Sofreu oposição no Senado
alegando que César pretendia ser
rei.
 Assassinado sob o comando de
Cássio e Brutus a punhaladas em
pleno Senado.
 Sua morte gerou reação popular
que serviu aos interesses daqueles
que comporiam o II Triunvirato.
O II TRIUNVIRATO: MARCO ANTÔNIO –OTÁVIO –LÉPIDO
O novo acordo em 43 a.C.:
 Marco Antônio: Importante general de
César (ficou com a Ásia);
 Otávio: Sobrinho de César (ficou com
a Europa);
 Lépido: Comandante da
cavalaria(ficou com a África);
 Em 42 a.C., derrotaram Cássius e
Brutus, líderes da conspiração contra
César na Grécia(batalha de Felipos).
O II TRIUNVIRATO: MARCO ANTÔNIO –OTÁVIO –LÉPIDO
Novas disputas:
 Lépido foi afastado do poder.
 Otávio(que ficou com o Ocidente e a
Itália) e Marco Antônio(que ficou
com a Ásia e o Egito) disputam a
supremacia.
 Vitória de Otávio em 31 a.C. na
batalha do Ácio.
 Em 30a.C.,Marco Antônio e Cleópatra
cometem suicídio e Otávio conquista
o Egito.
TRANSIÇÃO PARA O IMPÉRIO ROMANO
O Principado (30 a.C. –14 d.C.)
1). ) Otávio manteve as instituições
republicanas, mas concentrou o poder em suas
mãos;
2)Títulos de Otávio:
- Príncipe(primeiro cidadão da república e
líder do senado), Imperador (controle do
exército), Sumo pontífice (controlava a religião),
Augusto(o divino).
* Organiza um poderoso exército de mais de
300 mil homens divididos em 25 legiões(cada
uma com 5620 homens). A cidadania só era
adquirida após o serviço militar.
Era o fim da REPÚBLICA –
Tinha início em 27 a.C.,
o Império Romano
Ações de Otávio. A Pax Romana
ou Século De Augusto.
1)Obras públicas grandiosas e
ampliação do funcionalismo público;
2)Divisão censitária da sociedade;
3)Criou a Guarda Pretoriana e
organiza um poderoso exército
(proteger o imperador vigiar a
capital);
4)Desenvolvimento das artes:
Mecenas apoiou obras de Virgílio e
Horácio;
5)Desenvolveu a política do Pão e
Circo.
POLÍTICA do PÃO e
CIRCO
distribuía trigo e
promovia espetáculos
públicos.
AS DINASTIAS DO ALTO IMPÉRIO-JÚLIO CLAUDIANA
Família tradicional ligada ao patriciado romano;
 Desmoralização do império;
 Perseguição aos Cristãos.
 Um dos lacaios de Tibério foi
seu sobrinho-neto, que iria
suceder-lhe o trono, Calígula.
 Bom administrador,
multiplicou os recursos
deixados por Augusto,
preservando a Pax Romana.
 Nero iniciou a primeira e
intensa perseguição aos
cristãos.
Atitudes excêntricas:
nomear o seu cavalo de
corrida, Incitatus, senador e
cônsul.
mandou esculpir sua cabeça
em todas as estátuas de deuses
de Roma, intitulando a si mesmo
como um deus.
Calígula era ignorante e
mal preparado para governar.
A Dinastia dos Flávios
 Chegaram ao poder por intervenção militar, eram ligados
ao comércio. E x.:Vespasiano (Coliseu),Tito (destruição de
Pompeia pelo Vesúvio),Domiciano.
A Dinastia dos Antoninos
Período de apogeu do Império, relativa estabilidade e
prosperidade. Ex.: Nerva–Adriano–Antonino Pio–Marco
Aurélio–Cômodo.
A Dinastia dos Severos
 Início do processo de decadência, crises internas
(disputas pelo poder), crises externas (pressões
bárbaras). Ex.: Sétimo Severo, Caracala.
CRISE DO SÉCULO III
 Invasões bárbaras;
 Ascensão do cristianismo;
 Crise do escravismo;
 Anarquia militar.
CRISE DO SÉCULO III
A crise do século III, no Império Romano, teve sua
origem na cessação das guerras de conquista, o
que provocou a retração do escravismo e,
consequentemente, a queda da produção
agrícola, o êxodo urbano e a formação de
unidades rurais autossuficientes(vilas).
Tentando contornar a falta de mão de obra
escrava, os romanos intensificaram uma forma de
trabalho compulsório denominada colonato, que
fixava o camponês à terra, mas lhe reservava parte
da produção.
O colonato romano daria mais tarde origem à
servidão feudal.
O BAIXO IMPÉRIO
Processo de esgotamento econômico:
 Diocleciano: Divisão do Império com
a criação da Tetrarquia e a Lei do
Máximo.
 Constantino: Edito de Milão (313),
concedeu liberdade de culto aos
cristãos e à Lei do Colonato.
 Teodósio: Oficializou o Cristianismo
com Edito de Tessalônica (391) e
dividiu o Império Romano em 2
(Ocidente e Oriente).
BATISMO DO IMPERADOR TEODÓSIO
Pág. 130
Atividade nº 5
1. Pág.128(1 a 6).
2. Pág. 130 (1 a 4)
RELIGIÃO
• Os romanos
eram politeístas.
• Com a conquista
da Grécia,
assimilaram
diversas
divindades
gregas,
rebatizando-os
com nomes
latinos.
NOME GREGO NOME LATINO
Zeus – deus do céu e senhor do Olimpo Júpiter
Hera – esposa (e irmã) de Zeus. Juno
Atena – deusa da inteligência Minerva
Ares – deus da guerra. Marte
Afrodite – deusa do amor e da beleza. Vênus
Deméter – deusa da agricultura. Ceres
Héstia – deusa do lar. Vesta
Apolo – deus da razão Apolo
Ártemis – deusa da Lua, da caça e da
fecundidade.
Diana
Hefesto – deus do fogo. Vulcano
Hermes – deus do comércio e da
comunicação..
Mercúrio
Dioniso – deus do vinho, do prazer e da
aventura.
Baco
• A religião também era
um dos fundamentos do
Estado romano, sendo
utilizada
frequentemente com
finalidade política.
• No período imperial,
começou-se a venerar a
figura do imperador.
• Após a morte, os
imperadores romanos
passavam a ocupar lugar
entre os deuses
tradicionais, numa
cerimônia que se
denominava apoteose.
O CRISTIANISMO E O IMPÉRIO ROMANO
Entre as características do
cristianismo, podemos citar:
O monoteísmo(a crença em um único Deus);
O caráter universal, segundo o qual todos os
homens são iguais perante Deus;
A pregação do amor ao próximo;
A crença na ressurreição e no juízo final
Roma se estruturava no:
 Militarismo;
 Escravismo;
 Caráter augusto(DIVINO) dos
imperadores.
• .Foi durante o governo do imperador Nero (54-68) que tiveram início as primeiras
perseguições aos cristãos.
• Estas perduraram até o governo de Diocleciano, .que promoveu a última e mais cruel delas
(303 – 305).
Causas que explicam o combate violento aos cristãos:
A oposição dos cristãos à religião oficial de Roma, aos cultos pagãos
tradicionais e ao culto à pessoa do imperador romano;
A negação de diversas instituições romanas, como resultado dessa
oposição (por exemplo, a recusa em servir no exército pagão dos
romanos).
PERSEGUIÇÃO AOS CRISTÃOS
• A punição e o martírio dos cristãos eram aproveitados como
espetáculo trágico, de grande atração pública, que divertia a
população.
• Lançados numa arena, eles eram obrigados a enfrentar,
desarmados, leões e outras feras.
Pág. 132
• As conquistas romanas
permitiram o contato
com diversos povos,
absorvendo e recriando
elementos de suas
culturas, principalmente
da grega.
• Foram responsáveis por
difundir por todo o
Império ideias e
princípios que eles
mesmos haviam
incorporado, como foi o
caso da religião cristã.
CULTURA ROMANA
• Uma das mais significativas
contribuições da cultura
romana para os povos
ocidentais.
• Ainda hoje, diversos
preceitos do Direito romano
constituem fonte de
inspiração os juristas.
• O Direito romano tornou-se
tão abrangente, que boa
parte das relações sociais era
regida por normas jurídicas.
• Em 212 d.C., por meio de um edito
do imperador Caracala, foi
concedida a cidadania romana a
todos os habitantes livres das
províncias do Império Romano.
• Esse ato contribuiu para consolidar
a unidade jurídica do império.
• No entanto, numa sociedade com
tantas desigualdades, nem tudo o
que o Direito estabelecia
formalmente aplicava-se à vida
cotidiana da maioria das pessoas
DIREITO ROMANO
• A arte romana não buscava o belo em si (exceto no
artesanato de luxo;
• Valorizava especialmente os aspectos técnicos,
práticos e, por vezes, utilitários.
• A arquitetura destaca-se porque buscava a
convivência do útil com o belo.
• Produziram uma arquitetura grandiosa e
imponente (teatros, anfiteatros, basílicas, termas,
aquedutos, circos, templos e palácios).
• Notabilizou-se também pela construção e eficientes
estradas e pontes, que foram fundamentais para
garantir a unidade do império.
• Na escultura, destacaram-se os retratos (cabeça ou
busto) e as estátuas equestres. Os escultores
romanos preocupavam-se em conseguir a
reprodução mais fiel possível da realidade.
ARQUITETURA E ESCULTURA
Herança Arquitetônica Aqueduto na França
Fontana di Trevi: é a maior e mais famosa
fonte de Roma, e possivelmente a mais bela do
mundo.
Herança Arquitetônica Monumento à Abram Lincon, Washington
Herança Arquitetônica Complexo governamental norte americano,
Washington
BIS, VICE, GRATIS,
IPSIS LITERIS (nas mesmas letras -
transcrito literalmente),
PER CAPTA (por cabeça)
HABEAS CORPUS (tenha seu corpo)
Atividade nº 6
1. Pág.132(1 a 4).
2. Pág. 134 (1 e 2).
3. Pág. 136 (ENEM 2000).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
cattonia
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
Marcos Oliveira
 

Mais procurados (20)

Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
Mesopotâmia - 6º Ano (2018)
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
A DEMOCRACIA GREGA
A DEMOCRACIA GREGAA DEMOCRACIA GREGA
A DEMOCRACIA GREGA
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
Civilização Romana
Civilização RomanaCivilização Romana
Civilização Romana
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
 
Incas , astecas e maias
Incas , astecas e maiasIncas , astecas e maias
Incas , astecas e maias
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
A Idade Moderna
A Idade ModernaA Idade Moderna
A Idade Moderna
 

Destaque (7)

Religiosidade na Grécia Antiga
Religiosidade na Grécia AntigaReligiosidade na Grécia Antiga
Religiosidade na Grécia Antiga
 
Grécia
GréciaGrécia
Grécia
 
Religião grega
Religião gregaReligião grega
Religião grega
 
Grecia Antiga
Grecia AntigaGrecia Antiga
Grecia Antiga
 
103 grecia antiga mitologia e religião
103 grecia antiga mitologia e religião103 grecia antiga mitologia e religião
103 grecia antiga mitologia e religião
 
Religião e Filosofia da grécia antiga
Religião e Filosofia da grécia antigaReligião e Filosofia da grécia antiga
Religião e Filosofia da grécia antiga
 
A religiao e a cultura na grecia antiga
A religiao e a cultura na grecia antigaA religiao e a cultura na grecia antiga
A religiao e a cultura na grecia antiga
 

Semelhante a Antiguidade Clássica: Grécia e Roma

Antiguidade ocidental completo
Antiguidade ocidental completoAntiguidade ocidental completo
Antiguidade ocidental completo
Carlos Glufke
 
Grécia Resumo
Grécia ResumoGrécia Resumo
Grécia Resumo
dmflores21
 
Semi extensivo - frente 2 módulos 1 e 2- esparta e atenas
Semi extensivo - frente 2 módulos 1 e  2- esparta e atenasSemi extensivo - frente 2 módulos 1 e  2- esparta e atenas
Semi extensivo - frente 2 módulos 1 e 2- esparta e atenas
Lú Carvalho
 
Grécia: economia, sociedade, religião, aspectos culturais
Grécia: economia, sociedade, religião, aspectos culturaisGrécia: economia, sociedade, religião, aspectos culturais
Grécia: economia, sociedade, religião, aspectos culturais
Marilia Pimentel
 

Semelhante a Antiguidade Clássica: Grécia e Roma (20)

Antiguidade clássica grécia
Antiguidade clássica   gréciaAntiguidade clássica   grécia
Antiguidade clássica grécia
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
 
Antiguidade ocidental completo
Antiguidade ocidental completoAntiguidade ocidental completo
Antiguidade ocidental completo
 
História grecia-roma
História   grecia-romaHistória   grecia-roma
História grecia-roma
 
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade greciaCidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
 
Grecia antiga 2
Grecia antiga 2Grecia antiga 2
Grecia antiga 2
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
História grecia-roma - vetor
História   grecia-roma - vetorHistória   grecia-roma - vetor
História grecia-roma - vetor
 
Aula 4 grecia 2012
Aula 4 grecia  2012Aula 4 grecia  2012
Aula 4 grecia 2012
 
Grécia Resumo
Grécia ResumoGrécia Resumo
Grécia Resumo
 
Semi extensivo - frente 2 módulos 1 e 2- esparta e atenas
Semi extensivo - frente 2 módulos 1 e  2- esparta e atenasSemi extensivo - frente 2 módulos 1 e  2- esparta e atenas
Semi extensivo - frente 2 módulos 1 e 2- esparta e atenas
 
ANTIGUIDADE CLÁSSICA - Grécia e Roma Antiga
ANTIGUIDADE CLÁSSICA - Grécia e Roma AntigaANTIGUIDADE CLÁSSICA - Grécia e Roma Antiga
ANTIGUIDADE CLÁSSICA - Grécia e Roma Antiga
 
Cap 07 grecia
Cap 07 greciaCap 07 grecia
Cap 07 grecia
 
GRECIA 2013
GRECIA 2013GRECIA 2013
GRECIA 2013
 
GRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGAGRÉCIA ANTIGA
GRÉCIA ANTIGA
 
3
33
3
 
Grécia antiga.
Grécia antiga.Grécia antiga.
Grécia antiga.
 
Grécia: economia, sociedade, religião, aspectos culturais
Grécia: economia, sociedade, religião, aspectos culturaisGrécia: economia, sociedade, religião, aspectos culturais
Grécia: economia, sociedade, religião, aspectos culturais
 
GRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptxGRÉCIA ANTIGA.pptx
GRÉCIA ANTIGA.pptx
 

Mais de Marilia Pimentel

Mais de Marilia Pimentel (20)

1 colonizações espanhóis e ingleses na américa
1  colonizações espanhóis e ingleses na américa1  colonizações espanhóis e ingleses na américa
1 colonizações espanhóis e ingleses na américa
 
1 história, cultura, patrimônio e tempo
1   história, cultura, patrimônio e tempo1   história, cultura, patrimônio e tempo
1 história, cultura, patrimônio e tempo
 
2 revolução russa
2  revolução russa2  revolução russa
2 revolução russa
 
1 primeira guerra mundial
1   primeira guerra mundial 1   primeira guerra mundial
1 primeira guerra mundial
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
 
2 iluminismo e despotismo
2   iluminismo e despotismo2   iluminismo e despotismo
2 iluminismo e despotismo
 
1 antigo regime e revolução inglesa
1  antigo regime e revolução inglesa1  antigo regime e revolução inglesa
1 antigo regime e revolução inglesa
 
3 - As primeiras sociedades
3 -  As primeiras sociedades3 -  As primeiras sociedades
3 - As primeiras sociedades
 
2 origem humana
2   origem humana2   origem humana
2 origem humana
 
1 tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
1   tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio1   tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
1 tempo e historia - 1ºano do Ensino Médio
 
História do Brasil: da República a Era Vargas
História do Brasil: da República a Era VargasHistória do Brasil: da República a Era Vargas
História do Brasil: da República a Era Vargas
 
Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)Segundo Reinado (1840 – 1889)
Segundo Reinado (1840 – 1889)
 
Período regencial (1831 1840)
Período regencial (1831  1840)Período regencial (1831  1840)
Período regencial (1831 1840)
 
Primeiro reinado
Primeiro reinadoPrimeiro reinado
Primeiro reinado
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
História do Brasil: Brasil Colônia
História do Brasil: Brasil ColôniaHistória do Brasil: Brasil Colônia
História do Brasil: Brasil Colônia
 
História do Brasil : Brasil Colônia
História do Brasil : Brasil ColôniaHistória do Brasil : Brasil Colônia
História do Brasil : Brasil Colônia
 
Séculos finais da idade média
Séculos finais da idade médiaSéculos finais da idade média
Séculos finais da idade média
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Mundo islâmico: ontem e hoje
Mundo islâmico: ontem e hojeMundo islâmico: ontem e hoje
Mundo islâmico: ontem e hoje
 

Último

atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 

Último (20)

Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 

Antiguidade Clássica: Grécia e Roma

  • 1. História1º ano Prof.ª. Marília Pimentel CAPÍTULO 9 - PÁG. 102
  • 3. CARACTERÍSTICAS  Base da cultura ocidental;  Escravo = gerador de riquezas (escravo = dívida / guerra / crime);  Intensa prática comercial. “Modo de Produção Escravista”. CIVILIZAÇÕES  Grécia Antiga;  Roma Antiga.
  • 4. • Território acidentado; • Desenvolvimento do comércio e navegação; • Descentralização política (Cidade‐Estado); • Modo de produção escravista; • Contribuições nas artes, ciências e filosofia (formadores da CULTURA OCIDENTAL). CARACTERÍSTICAS GERAIS
  • 5. • Período Pré‐Homérico (2800 – 1100 a.C.) – povoamento da Grécia. • Período Homérico (1100 – 800 a.C) – chegada dos Dórios à Grécia. • Período Arcaico (800 – 500 a.C) – formação da pólis (cidade‐Estado). • Período Clássico (500 – 336 a.C) – auge da pólis. • Período Helenístico (336 – 146 a.C) – decadência da pólis/ domínio Macedônico. FASES DA HISTÓRIA
  • 6. FORMAÇÃO DO POVO HELENO (Grego) Período Pré-homérico:  Civilização Creto- Micênica(cretenses+ aqueus). • Cretenses: comércio marítimo, talassocracia (poder nas mãos de elite comerciante), escrita silábica (Linear A e Linear B), destaque para as mulheres; • Micênicos: Grécia Continental – aqueus. Conquistaram os cretenses, porém, assimilaram alguns dos valores culturais cretenses. TESEU MINOTAURO
  • 7.  Instalação dos vários povos que formaram a Civilização grega:  Povoamento da Grécia —Aqueus = Micenas. —Jônios = Atenas (Voltados para a filosofia) —Eólios = Tessália. —Dórios = Esparta (Voltados para a guerra)  1ª Diáspora: ‐ Devido à conquista dos dórios (Ilhas do Mar Egeu e Ásia Menor) – formação de colônias.
  • 8. Poucos registros escritos ( poemas épicos Ilíada e Odisseia) A Ilíada vem da palavra grega Ílion que significa Troia, tratando- se, assim , da guerra entre gregos e troianos. A Odisseia trata do retorno do herói grego Ulisses a sua terra natal , depois da guerra de Troia. PERÍODO HOMÉRICO
  • 9. Origem das cidades-Estado: as transformações sociais • As transformações ocorridas na organização dos génos (grandes famílias). Comunidade Gentílica: (Genos) – Antepassado comum; – Produção coletiva; – Não havia o Estado; – Líder: Geronte, Pater; – Não havia estratificação social. Desagregação da comunidade gentílica: — Devido ao aumento populacional e a divisão desigual da terra entre os parentes mais próximos do pater, — Observa-se o aparecimento de uma estratificação e conflitos sociais.
  • 11.  A importância de ser cidadão: – Parentesco; – Terra; – Religião gentílica. Póleis gregas: Eram independentes entre si. Cada cidade possuía o seu próprio governo, aparelho administrativo, leis próprias, exército exclusivo, como qualquer estado. Dois principais modelos: • Ateniense desenvolveram a filosofia e a democracia. • Espartano–volta dos para a guerra e esporte. PERÍODO ARCAICO: A FORMAÇÃO DAS PÓLEIS GREGAS
  • 12. • Duas características físicas marcantes da Grécia que contribuíram para a fragmentação política helênica (grega), segundo alguns historiadores: O território montanhoso (cerca de 80%), fazendo com que os grupos humanos se instalassem em distintas planícies, separadas pelo relevo O litoral bastante recortado e fragmentado em ilhas.
  • 13. • O que integrava as diversas populações das cidades gregas eram elementos culturais comuns; a língua (apesar dos diferentes dialetos), uma base religiosa comum, certos eventos periódicos em que se reuniam (como os Jogos Olímpicos) etc. Cidades-Estado: elos de integração
  • 14.
  • 15. • Os Jogos Olímpicos eram realizados em honra a Zeus (o mais importante deus grego) e incluíam provas de diversas modalidades esportivas, musicais e poéticas. • As guerras entre cidades eram interrompidas no período dos jogos (trégua sagrada). • Foram celebrados até o ano de 393 d.C., quando o imperador romano Teodósio I, que era cristão, mandou fechar o templo de Zeus, em Olímpia, provavelmente para combater cultos não cristãos. • Em 1896, foram realizados em Atenas os primeiros Jogos Olímpicos da Era Moderna. Os Jogos Olímpicos
  • 16. MOTIVOS QUE LEVARAM À EXPANSÃO COLONIZADORA: • Questões sociais originadas por problemas de posse de terra; • Dificuldades na agricultura; • Aumento da população. COLÔNIAS GREGAS
  • 17. Relação entre a expansão colonizadora da Grécia Antiga e o aumento de suas atividades comerciais: • Após os primeiros momentos da expansão, as regiões colonizadas tornaram-se centros comerciais, impulsionando as trocas entre as cidades da Heláde e as colônias. • A expansão colonizadora também impulsionou a navegação marítima, as trocas culturais e a produção artesanal.
  • 18. Atividade nº 1 1. Pág.106 (1 a 7).
  • 19.
  • 20. LOCALIZAÇÃO: península do Peloponeso.  nunca teve uma área urbana importante. Era uma cidade de caráter militarista e oligárquico. ESPARTA: o governo oligárquico Mas, o que é oligárquico?
  • 21. Oligárquico: referente à oligarquia, tipo de governo em que um grupo reduzido de pessoas poderosas domina de acordo com seus próprios interesses. Entendendo o que é oligárquico
  • 22. O governo tinha como um de seus principais objetivos fazer de seus cidadãos modelos de soldados – bem treinados fisicamente, corajosos e obedientes às leis e às autoridades - , a fim de engajá-los no exército e manter o modelo de Estado espartano. ESPARTA: o governo oligárquico
  • 23. SOCIEDADE ESPARTANA Esparciatas (5%) Periecos (10%) Hilotas (85%) Espartanos , ricos donos de terras e escravos. Controlavam a política e o exército de Esparta.. Homens livres, comerciantes e artesãos, não eram considerados cidadãos e não possuíam direitos em Esparta. Escravos pertencentes ao Estado espartano, trabalhavam no campo para sustentar a elite espartana.
  • 24. • Desprezados socialmente, os hilotas promoviam frequentes revoltas contra os grupos dominantes. • As constantes revoltas tornavam fundamental a existência de uma força militar que controlasse os hilotas.
  • 25. • Os hilotas, ao lado dos periecos, eram os responsáveis pelas atividades produtivas e, portanto, pela geração de riquezas para os esparciatas. Importância dos hilotas para os esparciatas ESPARCIATAS ESPARCIATAS HILOTAS PERIECOS
  • 26. A sociedade espartana era profundamente militarizada e desigual. Como essas características se traduziam na estrutura de poder? • A sociedade espartana, marcada pelo caráter militarista da cidade, era constituída por três grupos sociais: esparciatas, periecos e os hilotas. • Essa organização se traduzia numa estrutura de poder com o domínio político exclusivo dos esparciatas, que exerciam todos os cargos e funções de governo.
  • 27. O GOVERNO EM ESPARTA  Diarquia(2):Era formada por dois reis com função religiosa e militar(poder simbólico);  Gerúsia(28):Representava o poder legislativo, era formado pelos mais velhos(Conselho dos Anciãos);  Ápela: Formada pelos cidadãos com a função de votar as leis e os membros da Gerúsia;  Éforos(5):O poder de fato, controlavam e vigiavam a vida dos cidadãos. Estrutura administrativa ÉFOROS(5) GERÚSIA (28) (CONSELHO DE ANCIÃOS)REIS(2) EXÉRCITO (5 COMPANHIAS) ÁPELA (ASSEMBLEIA DO POVO) ESPARCIATAS PERIECOS HILOTAS (DESPROVIDOS DE DIREITOS) E L E G E ELEGE VETO COMPÕEM PARTICIPAÇÃO NAS GUERRAS CONSTITUIÇÃO ESPARTANA (LICURGO)
  • 28. 1.Nascimento–examinado pelo séforos 2. O–7anos–em poder da família 3. 8–11anos aprendizado coletivo: aprendia sobre a cultura espartana. 4. 12–17anos–teste de sobrevivência em acampamentos, retornavam uma vez por ano para a cidade onde eram açoitados até o limite de sua resistência. 5. Entre18 e 20anos(efebia)ingressava no exército como hoplita.Passava pelo teste anual da kripteia. Caso um hilota matasse um jovem espartano teria 2dias de folga. Educação –agogê do homem
  • 29. 6. Dos 18 aos 29 anos: servia ao exército, porém sem direitos políticos. 7. Dos 30 aos 60 anos: momento em que era reconhecidamente um cidadão. 8. Acima de 60 anos: poderia participar da Gerúsia.
  • 30. A mulher espartana: recebia uma educação mais avançada que o homem e gozavam de certa liberdade. Educação –da mulher Em certa ocasião, um estrangeiro perguntou por que as espartanas eram as únicas gregas que mandavam nos homens. E ela respondeu: "ora, porque parimos homens de verdade", rebateu.
  • 31. Atividade nº 2 1. Pág.107 (1 a 4).
  • 32.
  • 33.
  • 34. A. Localização: Península da Ática. B. Origem: Jônios (voltados para a filosofia). C. Economia comercial e marítima.  Devido à pouca fertilidade dos solos da região, os atenienses lançaram-se à navegação marítima.  Chegaram a dominar grande parte do comércio pelo Mediterrâneo. D. “Democracia” direta. ATENAS Obs.: Hoje a democracia é representativa, os eleitores transferem para o legislativo o poder de decidir o destino do país.
  • 35.
  • 36. TODO O PODER AOS CIDADÃOS Princípios base da Democracia:  Isonomia: igualdade de todos perante a lei.  Isegoria: igualdade de direito ao acesso à palavra na assembleia;  Isocracia: igualdade de participação no poder. 461 – 429 A.c. : Século de Péricles, ou Século de Ouro de Atenas. Demo (povo) + Kratia (governo) = Demokratia Democracia Forma de governo pelo povo no seu conjunto.
  • 37. quem era cidadão? Mas Para ser considerado um cidadão em Atenas ,a pessoa deveria ser:  HOMEM;  LIVRE;  18 ANOS;  GREGO;  PAIS GREGOS.
  • 38. SOCIEDADE GREGA CIDADÃO NÃO ERAM CIDADÃOS MULHERES ESTRANGEIROS ESCRAVOS
  • 39. CLASSES SOCIAIS EUPÁTRIDAS METECOS ESCRAVOS Classe dominante, ocupavam cargos públicos, administravam. Estrangeiros que trabalhavam no comércio e no artesanato. A força de trabalho.
  • 40. a) A primeira forma de governo foi a Monarquia, onde o rei recebia o título de Basileu. b) Evolução para uma estrutura oligárquico- aristocrática como fortalecimento da aristocracia eupátrida, o Basileu perde poder com a instituição do Arcontado.(composto por 9 magistrados, com mandatos anuais eleitos pela Areópago) c) Areópago: Composto pela nobreza eupátrida, com a função de eleger e regular a função dos arcontes (detinha o poder legislativo). d) Eclésia: Assembleia popular mais importante, composta pelos cidadãos encarregados de votar as propostas do Areópago. ESTRUTURA ADMINISTRATIVA ARISTOCRACIA – classe formada por um grupo de pessoas que detêm o poder econômico ou político.
  • 41.
  • 42. Obs.: O Movimento de colonização grega, devido as lutas sociais internas, gerou transformações na sociedade: O incremento do comércio marítimo; A prosperidade que enriqueceu a classe média dos artesãos e comerciantes(Demiurgos); O aumento do número de escravos (inclusive por dívida);
  • 43. LEGISLADORES e TIRANOS Devido ao acirramento das disputas de classes. a) Drácon: Elaborou o primeiro código de leis escritas para Atenas (extremamente rigoroso não conseguiu resolver os problemas sociais, pois manteve os privilégios da aristocracia). b) Sólon: 1) Acabou com a escravidão por dívida. 2) Dividiu a sociedade censitariamente (abrindo espaço para os ricos demiurgos) 3) Criou a Bulé ou Conselho dos 400 (100 de cada tribo). 4)Criou o Helieu (tribunal). 5) Suas medidas desagradaram a aristocracia e abriu espaço para os Tiranos (Pisístrato-Hiparco-Hípias). DRÁCON
  • 44. A TIRANIA 1) Causa: Incompatibilidade dos partidos aristocrático e popular. (principalmente quanto as reformas reclamadas pelos setores populares). 2) Particularidade: Os tiranos, em particular Pisístrato, usurparam o poder com apoio popular fragilizando a aristocracia. 3) Ações: Obras públicas para gerar empregos e diminuir atritos. PISÍSTRATO
  • 45. A DEMOCRACIA ATENIENSE Clístenes : “Pai da Democracia Ateniense” 1) Redividiu Atenas em 10 tribos, redistribuiu as famílias em Atenas de acordo com a renda do indivíduo, reduzindo, assim, os laços de parentesco entre a Nobreza. 2) Criou o Ostracismo para impedir a ascensão de tiranos ao poder.
  • 46. PERÍODO CLÁSSICO A. Guerras Médicas (490 –449 a.C.); – Gregos* × Persas; – Causa: Crescimento do Império Persa e avanço dos persas sobre a Grécia; – Confederação ou Liga de Delos; – Supremacia naval e financeira de Atenas..
  • 47.
  • 48. B. 461–429a.C.(séc. V a.C.) – Auge de Atenas. 1) Século de Péricles (Idade de Ouro). 2) Soldo (Misthoy)para exército. 3) Cargos públicos remunerados. 4) Imperialismo com cidades da Liga de Delos. 5) Transferência de recursos de Delos para Atenas.
  • 49.
  • 50. C. Guerra do Peloponeso (431–404a.C.) 1) ESPARTA* ×ATENAS. 2) Crise da democracia e das cidades- estados gregas. 3) Breves períodos de preponderância de Esparta e posteriormente Tebas.
  • 51.
  • 52. PERÍODO HELENÍSTICO A. Domínio Macedônico na Grécia : Filipe II (359–336a.C.). B. Alexandre(336–323a.C.) conquistas territoriais amplas (Egito, Fenícia, Palestina, Mesopotâmia e Pérsia), fundação de cidades( Alexandrias). C. Após a morte de Alexandre, Império esfacela-se entre disputas de generais. FILIPE II ALEXANDRE
  • 53.
  • 54. –Artes plásticas: Realismo, violência, dor, sensualidade; –Ciências: PTOLOMEU(Geocentrismo) e ERASTÓSTENES(cálculo da circunferência da Terra); –Filosofia: ZENÃO(Estoicismo– aceitação),EPÍCURO(Epicurismo–busca do prazer),PIRRO(Ceticismo–não emitir julgamentos definitivos.Nada é o que parece). HELENISMO Fusão da cultura grega com oriental.
  • 55. A CULTURA GREGA A. Teatro: tragédias e comédias. Ar livre, utilização de máscaras e coros, atores homens. Ésquilo, Sófocles e Eurípedes(Tragédias) e Aristófones (comédias). B. História: Heródoto (Guerras Médicas), Xenofonte e Tucídides(Guerra do Peloponeso). C. Poesia: Homero (Ilíada e Odisseia),Píndaro(Jogos Olímpicos). D. Filosofia: Tales, Pitágoras, Protágoras, Sócrates, Platão e Aristóteles. TEOREMA DE PITÁGORAS PLATÃO E ARISTÓTELS
  • 56.
  • 57. E. Arquitetura: Estilos JÔNICO (elegância, beleza), DÓRICO (funcionalidade e peso), CORÍNTIO (luxo, riqueza de detalhes). F. Escultura: FÍDIAS e MIRÓN. G. Ciências: TALES e PITÁGORAS (matemática), HIPÓCRATES (medicina). Athena, por Fídias. Escultura por Mirón
  • 58. RELIGIÃO GREGA  Religião: politeísta e antropomórfica De acordo com a mitologia grega, havia doze deuses principais, que viviam no monte Olimpo, o mais alto da Grécia.
  • 59. Deus do mar Deus dos mortos Deusa do matrimônio/ parto Líder dos deuses Deusa do amor Deus do fogo/forja Deus da luz/artes Medicina, da música Deus da guerra Deusa da caça Mensageiro dos deuses, Protetor dos viajantes/mercadores Deusa da sabedoria Especialista nas artes e na guerra
  • 60. A mitologia grega é composta por várias histórias em que os homens, deuses e heróis eram frequentemente confrontados com desafios de matar ou domar algum monstro mitológico. E nós estamos cercados por essas histórias, seja na literatura, nos filmes, nos quadrinhos e jogos eletrônicos, temos um constante contato com essa cultura mãe. Muitas dessas criaturas foram baseadas em misturas de animais, homens e mulheres, que eram de onde os gregos tinham bases para criar coisas bizarras - até porque, esperar o que de uma cultura onde os deuses são perfeitas representações humanas? com erros e pecados, mas que vive eternamente? Então hoje vamos ver as 15 criaturas mais lendárias e famosas da mitologia grega! https://www.youtube.com/watch?v=qqyGbRRY9bs
  • 61. Atividade nº 3 1. Pág.111 (1 a 4). 2. Pág. 113 (1) 3. Pág. 114 (1) 4. Pág. 117 (1 e 2) 5. Pág. 119 (Enem 2009)
  • 62. 1º ano História CAPÍTULO 10 - PÁG. 121 Prof.ª. Marília Pimentel
  • 64. A FUNDAÇÃO DA CIDADE DE ROMA: O MITO DE RÔMULO E REMO Segundo uma lenda romana, os gémeos recém-nascidos, Rómulo e Remo, foram encontrados junto das margens do rio Tibre por uma loba, que os amamentou e protegeu. Em 753 a. C., já adultos, fundaram a cidade de Roma. Mais tarde, Rómulo matou Remo para assumir a liderança da cidade, tornando- se o primeiro rei de Roma.
  • 65. ASPECTOS NATURAIS Localização:  Península itálica;  Rio: Tibre;  Relevo Moderado facilitou a comunicação;  Litoral pouco recortado. ECONOMIA  Região da planície do Lácio favoreceu o desenvolvimento da agricultura;  Modo de Produção Escravista.
  • 66.
  • 67. PARTICULARIDADES  Língua e literatura: O latim, origem da língua portuguesa, francesa, italiana e espanhola;  Cristianismo e o calendário ocidental;  Ciência (utilitarista):Ex. Arquitetura–termas, arcos, arenas e aquedutos;  Direito romano: início com a Lei das 12 Tábuas. - Direito Público-Relações indivíduo e Estado. - Direito Privado–relações dos indivíduos entre si. + Direito natural–origem dos Direitos Humanos. + Direito das gentes–origem do Direito Internacional. + Direito Civil–aplicado aos que possuem direitos políticos.
  • 68. HISTÓRIA POLÍTICA  Monarquia (753 –509 a.C.);  República (509 –27 a.C.);  Império (27 a.C. –476). FASES DA HISTÓRIA:
  • 69. MONARQUIA Os sete reis romanos: Lendários (Latinos e Sabinos)–Rômulo, Numa Pompílio, Túlio Hostílio,Anco Márcio. Etruscos–Tarquínio Prisco, Sérvio Túlio e Tarquínio, o Soberbo.
  • 72. SOCIEDADE Patrícios Eram o grupo detentor de maior poder. Formado por grandes proprietários de terras, que acreditavam descender de Rômulo. Plebeus Composto de artesãos, comerciantes e pequenos proprietários. Não podiam casar com patrícios nem exercer cargos públicos ou religiosos. Tinham que servir no exército. Clientes Em geral, ex-escravos. Dependiam completam ente dos patrícios.. Escravos Prisioneiros de guerra ou devedores. Eram usados nos trabalhos pesados. Seus donos tinham poder de vida e de morte sobre eles.
  • 73.
  • 74.
  • 75. Atividade nº 4 1. Pág.123 (1 e 2). 2. Pág. 124 (1 a 5)
  • 76. REPÚBLICA  Em 509a.C.,com a expulsão do rei Tarquínio II, foi escolhido um novo regime político: a república.  As características principais desse regime eram a escolha do governante por meio de eleições e o cargo não ser vitalício.
  • 77.
  • 78. REPÚBLICA Estrutura Política: a) SENADO–controlado pelos patrícios, foi o principal órgão de poder.
  • 79. REPÚBLICA 1)Cônsules(2) – eleitos anualmente, presidiam o Senado e propunham leis; 2)Pretores – responsáveis pela justiça; 3)Ditadores – escolhidos pelo senado para governar por 6 meses com plenos poderes em momentos de crise; 4)Censores – faziam o censo da população conforme a renda. A partir daí montavam o Álbum Senatorial; 5)Edis – conservação, policiamento e abastecimento da cidade; 6)Questores – tesouro público. b) MAGISTRATURAS:
  • 80. REPÚBLICA 1. Centurial – votação de projetos + eleição de cônsules; 100 soldados = Centúria; (98 de patrícios e 95 de plebeus). 2. Assembleia Curial – assuntos religiosos; 3. Assembleia Tribal – escolha de Questores e Edis. c) ASSEMBLEIAS:
  • 81. REPÚBLICA LUTAS SOCIAS – CONQUISTAS DOS PLEBEUS Sem direitos, obrigados a ir para o exército e expostos à escravidão por dívidas. Revoltas do Monte Sagrado. A ) 494a.C.– Tribunos da Plebe– imunidade + veto sobre o senado; B ) 450a.C.–Lei das 12 Tábuas – primeiras leis escritas de Roma; C ) 445a.C.–Lei Canuleia – permissão para casamentos mistos entre patrícios e plebeus.
  • 82. REPÚBLICA LUTAS SOCIAS – CONQUISTAS DOS PLEBEUS D ) 367a.C.–Leis Licínias–garantia um Cônsul plebeu e pôs fim à escravidão por dívidas, proibindo que os plebeus endividados fossem escravizados pelos proprietários rurais(326a.C.). E )287a.C.–Comício–Lei Hortênsia reconhecia os comícios da plebe como assembleia popular, o plebiscito adquirindo força de lei, independentemente da aprovação do Senado. f) Lei Ogúlnia: A Igualdade religiosa–permite o acesso dos Plebeus aos Colégios Sacerdotais e ao cargo de Pontífice Máximo.
  • 83. REPÚBLICA Formação e Expansão Romana Expansão Territorial a) I Fase (Séc. V ao III a.C.): - Abastecimento e escravos; - Península Itálica. b) II Fase (séc. III –I a.C): - Contexto: As rivalidades entre Roma ×Cartago (Guerras Púnicas); - Causas: Interesse na região da Sicília (trigo), Espanha (metais preciosos); Os interesses dos grandes comerciantes (cavaleiros ou classe equestre em expandir seu raio de ação pelo Mediterrâneo). Após dominar toda a Península itálica, os romanos partiram para as conquistas de outros territórios
  • 85. REPÚBLICA Formação e Expansão Romana - CONSEQUÊNCIAS a) Roma tornou-se a maior potência do Mediterrâneo( Mare Nostrum). Os cartagineses tiveram de pagar uma pesada indenização, entregaram a Espanha e seus navios de guerra. b) Maior influência da cultura Helenística, devido à anexação da Grécia e Macedônia.( Utilização dos escravos gregos como preceptores). c)As mudanças provocadas pela expansão levou ao acirramento, à crise da República e à Instauração do Império(27a.C.). 1) Luta pelo poder pelos “homens novos”–elementos de origem plebeia que enriqueceram com as conquistas; 2)Marginalização da plebe( aumento do número de escravos).Crise da pequena propriedade, que não conseguia concorrer com a produção do latifúndio escravista.
  • 87.
  • 88. A SITUAÇÃO DOS ESCRAVOS 1) Constituíam uma mercadoria e a principal fonte fornecedora eram as guerras. 2) Podiam se tornar livres: recompensa por serviços prestados (manumissão). 3) A escravidão contribuiu para a falência do trabalhador livre. 4) Devido às condições as quais eram submetidos ocorreram várias revoltas, sendo a de Espártaco a mais conhecida. 5) Os escravos eram utilizados no setor produtivo e doméstico. Muitos escravos gregos se notabilizaram por tomarem parte importante na educação dos filhos de senhores romanos. Revolta de Espártaco 73 a.C. a 71 –que chegou a liderar 90 mil combatentes.
  • 89. A SITUAÇÃO DOS ESCRAVOS As legiões comandadas por POMPEU e CRASSO conseguiram sufocar a revolta de Espártaco, crucificando 6 mil de seus homens.
  • 90. ESCRAVIDÃO NA ANTIGUIDADE X ESCRAVIDÃO NA MODERNIDADE Como semelhanças, observamos:  A coerção física como forma de garantir a submissão do escravo;  Em ambas as épocas era considerado mercadoria;  Não possuíam direitos políticos. Porém, se diferenciava devido:  No mundo antigo constituía um “modo de produção” específico (escravista), enquanto, na Idade Moderna, ligava-se acumulação do modo de produção capitalista mercantil;  A escravidão no mundo antigo não tinha caráter étnico-racial, enquanto na América, na Idade Moderna, negros e índios foram escravizados;  A escravidão antiga estava associada à expansão militar e a escravidão moderna ao apresamento e ao comércio relacionado ao tráfico África-América.
  • 91. A CRISE AGRÁRIA E AS TENTATIVAS DE REFORMAS 133 a.C.–Tibério Graco: 1) Limitava o tamanho da propriedade. Lex Sempronia Agrária (310 acres ou aprox. 259 hectares); 2) Método: a terra livre seria distribuída entre os pobres na forma de arrendamento; 3) Objetivo: reabilitar o pequeno proprietário rural, base do recrutamento militar; 4) Resultados: O projeto foi vetado pelo Senado e Tibério acabou assassinado juntamente com seus seguidores.
  • 92. A CRISE AGRÁRIA E AS TENTATIVAS DE REFORMAS 123 a.C.– Caio Graco: 1) Contexto: Eleito Tribuno da Plebe em 123 a.C e reeleito em 122 a.C., contou como apoio da plebe urbana e dos cavaleiros. 2) Objetivo: Implantar uma democracia do tipo ateniense. 3) Ações: As decisões importantes foram transferidas do Senado para a Assembleia Popular. Aprovação da Lei Frumentária, que obrigava o Estado a vender trigo mais barato ao povo. 4) Consequência: Oposição do Senado termina com a morte de Caio. A morte de Caio Graco, por Jean-Baptiste Topino-Lebrun, 1792.
  • 93. LUTAS CIVIS: AS DITADURAS DE MÁRIO E SILA Mário – Reformou o exército:  Profissionalização(soldados recebem soldos, participação nos espólios e após 25 anos de serviços passam a ter direito a lote de terra);  Com o apoio do exército, violou as leis de Roma, implantando uma ditadura elegendo-se 6 vezes para o consulado.
  • 94. LUTAS CIVIS: AS DITADURAS DE MÁRIO E SILA SILA :  Em 82 a.C., assumiu o poder e proclamou-se ditador por tempo indeterminado;  Realizou violenta perseguição aos cavaleiros e camadas populares;  Restabeleceu os privilégios da aristocracia e a autoridade do Senado.(Veto senatorial às decisões da Assembleia e à limitação dos poderes dosTribunos).
  • 95. OS TRIUNVIRATOS Depois de Sila, sobem ao poder generais importantíssimos. 1º– LICÍNIO CRASSO–ajudou a derrotar a revolta de Espártaco; 2º-CNEU Pompeu–combateu na Espanha a revolta popular de Sertório, discípulo de Mário.(78a.C.–72a.C.), conquistou o restante da Espanha e a Judeia (como os romanos chamavam a Palestina em 64a.C.). 3º-JÚLIO César–sobrinho de Mário; tornou-se o maior general de Roma ao conquistar Gália (atual França) e parte da ilha da Bretanha (atual Inglaterra). Com a morte de Crasso, na Pérsia (54 a.C.), desfaz-se o triunvirato e inicia-se uma disputa entre César e Pompeu. Em 70 a.C., POMPEUE CRASSO foram eleitos CÔNSULES e restabeleceram o poder dos TRIBUNOS DA PLEBE, onde senadores, plebeus e cavaleiros voltam a ter igualdade na tribuna.
  • 96.  Pompeu, com o apoio do Senado, torna-se cônsul e destitui César do comando do exército da Gália.  Na fronteira entre sua província e Roma, César teria dito “Alea jacta est”–“A sorte está lançada”.  César triunfa sobre Pompeu em Farsália que, derrotado, fugiu para o Egito onde foi assassinado.  Júlio César interfere na disputa pelo trono no Egito, apoiando Cleópatra contra Ptolomeu, transformando o Egito num protetorado romano.  Na Ásia, venceu arnaces, rei do Ponto (a campanha foi tão rápida que César teria dito:“veni, vidi, Vinci”–“Vim, vi e venci”), seguiu para a África e Espanha, onde venceu os últimos partidários de Pompeu.
  • 97. A ditadura de César:  Ao regressar, tornou-se ditador vitalício.  Beneficiou cavaleiros e camadas populares.  Sofreu oposição no Senado alegando que César pretendia ser rei.  Assassinado sob o comando de Cássio e Brutus a punhaladas em pleno Senado.  Sua morte gerou reação popular que serviu aos interesses daqueles que comporiam o II Triunvirato.
  • 98. O II TRIUNVIRATO: MARCO ANTÔNIO –OTÁVIO –LÉPIDO O novo acordo em 43 a.C.:  Marco Antônio: Importante general de César (ficou com a Ásia);  Otávio: Sobrinho de César (ficou com a Europa);  Lépido: Comandante da cavalaria(ficou com a África);  Em 42 a.C., derrotaram Cássius e Brutus, líderes da conspiração contra César na Grécia(batalha de Felipos).
  • 99. O II TRIUNVIRATO: MARCO ANTÔNIO –OTÁVIO –LÉPIDO Novas disputas:  Lépido foi afastado do poder.  Otávio(que ficou com o Ocidente e a Itália) e Marco Antônio(que ficou com a Ásia e o Egito) disputam a supremacia.  Vitória de Otávio em 31 a.C. na batalha do Ácio.  Em 30a.C.,Marco Antônio e Cleópatra cometem suicídio e Otávio conquista o Egito.
  • 100. TRANSIÇÃO PARA O IMPÉRIO ROMANO O Principado (30 a.C. –14 d.C.) 1). ) Otávio manteve as instituições republicanas, mas concentrou o poder em suas mãos; 2)Títulos de Otávio: - Príncipe(primeiro cidadão da república e líder do senado), Imperador (controle do exército), Sumo pontífice (controlava a religião), Augusto(o divino). * Organiza um poderoso exército de mais de 300 mil homens divididos em 25 legiões(cada uma com 5620 homens). A cidadania só era adquirida após o serviço militar. Era o fim da REPÚBLICA – Tinha início em 27 a.C., o Império Romano
  • 101. Ações de Otávio. A Pax Romana ou Século De Augusto. 1)Obras públicas grandiosas e ampliação do funcionalismo público; 2)Divisão censitária da sociedade; 3)Criou a Guarda Pretoriana e organiza um poderoso exército (proteger o imperador vigiar a capital); 4)Desenvolvimento das artes: Mecenas apoiou obras de Virgílio e Horácio; 5)Desenvolveu a política do Pão e Circo. POLÍTICA do PÃO e CIRCO distribuía trigo e promovia espetáculos públicos.
  • 102.
  • 103. AS DINASTIAS DO ALTO IMPÉRIO-JÚLIO CLAUDIANA Família tradicional ligada ao patriciado romano;  Desmoralização do império;  Perseguição aos Cristãos.  Um dos lacaios de Tibério foi seu sobrinho-neto, que iria suceder-lhe o trono, Calígula.  Bom administrador, multiplicou os recursos deixados por Augusto, preservando a Pax Romana.  Nero iniciou a primeira e intensa perseguição aos cristãos. Atitudes excêntricas: nomear o seu cavalo de corrida, Incitatus, senador e cônsul. mandou esculpir sua cabeça em todas as estátuas de deuses de Roma, intitulando a si mesmo como um deus. Calígula era ignorante e mal preparado para governar.
  • 104. A Dinastia dos Flávios  Chegaram ao poder por intervenção militar, eram ligados ao comércio. E x.:Vespasiano (Coliseu),Tito (destruição de Pompeia pelo Vesúvio),Domiciano. A Dinastia dos Antoninos Período de apogeu do Império, relativa estabilidade e prosperidade. Ex.: Nerva–Adriano–Antonino Pio–Marco Aurélio–Cômodo. A Dinastia dos Severos  Início do processo de decadência, crises internas (disputas pelo poder), crises externas (pressões bárbaras). Ex.: Sétimo Severo, Caracala.
  • 105. CRISE DO SÉCULO III  Invasões bárbaras;  Ascensão do cristianismo;  Crise do escravismo;  Anarquia militar.
  • 106. CRISE DO SÉCULO III A crise do século III, no Império Romano, teve sua origem na cessação das guerras de conquista, o que provocou a retração do escravismo e, consequentemente, a queda da produção agrícola, o êxodo urbano e a formação de unidades rurais autossuficientes(vilas). Tentando contornar a falta de mão de obra escrava, os romanos intensificaram uma forma de trabalho compulsório denominada colonato, que fixava o camponês à terra, mas lhe reservava parte da produção. O colonato romano daria mais tarde origem à servidão feudal.
  • 107. O BAIXO IMPÉRIO Processo de esgotamento econômico:  Diocleciano: Divisão do Império com a criação da Tetrarquia e a Lei do Máximo.  Constantino: Edito de Milão (313), concedeu liberdade de culto aos cristãos e à Lei do Colonato.  Teodósio: Oficializou o Cristianismo com Edito de Tessalônica (391) e dividiu o Império Romano em 2 (Ocidente e Oriente). BATISMO DO IMPERADOR TEODÓSIO
  • 109. Atividade nº 5 1. Pág.128(1 a 6). 2. Pág. 130 (1 a 4)
  • 110. RELIGIÃO • Os romanos eram politeístas. • Com a conquista da Grécia, assimilaram diversas divindades gregas, rebatizando-os com nomes latinos. NOME GREGO NOME LATINO Zeus – deus do céu e senhor do Olimpo Júpiter Hera – esposa (e irmã) de Zeus. Juno Atena – deusa da inteligência Minerva Ares – deus da guerra. Marte Afrodite – deusa do amor e da beleza. Vênus Deméter – deusa da agricultura. Ceres Héstia – deusa do lar. Vesta Apolo – deus da razão Apolo Ártemis – deusa da Lua, da caça e da fecundidade. Diana Hefesto – deus do fogo. Vulcano Hermes – deus do comércio e da comunicação.. Mercúrio Dioniso – deus do vinho, do prazer e da aventura. Baco
  • 111.
  • 112. • A religião também era um dos fundamentos do Estado romano, sendo utilizada frequentemente com finalidade política. • No período imperial, começou-se a venerar a figura do imperador. • Após a morte, os imperadores romanos passavam a ocupar lugar entre os deuses tradicionais, numa cerimônia que se denominava apoteose.
  • 113. O CRISTIANISMO E O IMPÉRIO ROMANO Entre as características do cristianismo, podemos citar: O monoteísmo(a crença em um único Deus); O caráter universal, segundo o qual todos os homens são iguais perante Deus; A pregação do amor ao próximo; A crença na ressurreição e no juízo final Roma se estruturava no:  Militarismo;  Escravismo;  Caráter augusto(DIVINO) dos imperadores.
  • 114. • .Foi durante o governo do imperador Nero (54-68) que tiveram início as primeiras perseguições aos cristãos. • Estas perduraram até o governo de Diocleciano, .que promoveu a última e mais cruel delas (303 – 305). Causas que explicam o combate violento aos cristãos: A oposição dos cristãos à religião oficial de Roma, aos cultos pagãos tradicionais e ao culto à pessoa do imperador romano; A negação de diversas instituições romanas, como resultado dessa oposição (por exemplo, a recusa em servir no exército pagão dos romanos). PERSEGUIÇÃO AOS CRISTÃOS
  • 115. • A punição e o martírio dos cristãos eram aproveitados como espetáculo trágico, de grande atração pública, que divertia a população. • Lançados numa arena, eles eram obrigados a enfrentar, desarmados, leões e outras feras. Pág. 132
  • 116. • As conquistas romanas permitiram o contato com diversos povos, absorvendo e recriando elementos de suas culturas, principalmente da grega. • Foram responsáveis por difundir por todo o Império ideias e princípios que eles mesmos haviam incorporado, como foi o caso da religião cristã. CULTURA ROMANA
  • 117. • Uma das mais significativas contribuições da cultura romana para os povos ocidentais. • Ainda hoje, diversos preceitos do Direito romano constituem fonte de inspiração os juristas. • O Direito romano tornou-se tão abrangente, que boa parte das relações sociais era regida por normas jurídicas. • Em 212 d.C., por meio de um edito do imperador Caracala, foi concedida a cidadania romana a todos os habitantes livres das províncias do Império Romano. • Esse ato contribuiu para consolidar a unidade jurídica do império. • No entanto, numa sociedade com tantas desigualdades, nem tudo o que o Direito estabelecia formalmente aplicava-se à vida cotidiana da maioria das pessoas DIREITO ROMANO
  • 118. • A arte romana não buscava o belo em si (exceto no artesanato de luxo; • Valorizava especialmente os aspectos técnicos, práticos e, por vezes, utilitários. • A arquitetura destaca-se porque buscava a convivência do útil com o belo. • Produziram uma arquitetura grandiosa e imponente (teatros, anfiteatros, basílicas, termas, aquedutos, circos, templos e palácios). • Notabilizou-se também pela construção e eficientes estradas e pontes, que foram fundamentais para garantir a unidade do império. • Na escultura, destacaram-se os retratos (cabeça ou busto) e as estátuas equestres. Os escultores romanos preocupavam-se em conseguir a reprodução mais fiel possível da realidade. ARQUITETURA E ESCULTURA
  • 120. Fontana di Trevi: é a maior e mais famosa fonte de Roma, e possivelmente a mais bela do mundo.
  • 121. Herança Arquitetônica Monumento à Abram Lincon, Washington
  • 122. Herança Arquitetônica Complexo governamental norte americano, Washington
  • 123. BIS, VICE, GRATIS, IPSIS LITERIS (nas mesmas letras - transcrito literalmente), PER CAPTA (por cabeça) HABEAS CORPUS (tenha seu corpo)
  • 124. Atividade nº 6 1. Pág.132(1 a 4). 2. Pág. 134 (1 e 2). 3. Pág. 136 (ENEM 2000).