MATERIAIS CERÂMICOS
• AULA 9 – CURSO DE FESTÃO DE OBRAS
Materiais Cerâmicos
Materiais de construção obtidos pela secagem e cozimento de
materiais argilosos.
 Conjunto de minerais compostos, principalmente, de silicatos de alumínio hidratados
(decomposição de rochas feldspáticas...
• Etapas de Fabricação
Tipos de Materiais
Cerâmicos
• Blocos Cerâmicos Maciços(Tijolos)
Podem ser fabricados por extrusão ou
prensagem;
Normas:
...
Devem apresentar:
Ausência de eflorescências;
Queima uniforme;
Formato paralelepipédico;
Podem apresentar rebaixos de ...
Blocos cerâmicos vazados (vedação ou estruturais)
Tipos de Materiais Cerâmicos
paralelos a uma das faces;
De vedação ou ...
Tipos de Materiais Cerâmicos
Tipos de Materiais Cerâmicos
Tipos de Materiais
Cerâmicos
Tipos de Materiais Cerâmicos
Dimensões:
visam a modularidade(10 cm), considerando 1 cm de junta;
norma é apenas orientat...
Tipos de Materiais Cerâmicos
Tipos de Materiais Cerâmicos
Tipos de Materiais Cerâmicos
Tipos de Materiais Cerâmicos
• Absorção:
 Absorção de água total: entre 8 e 22%;
 Índice de absorção de água inicial: qu...
Tipos de Materiais Cerâmicos
• Queima: som vibrante e não abafado;
 Não pode ter “coração negro”;
 Módulo de deformação ...
Tipos de Materiais Cerâmicos
Tipos de Materiais Cerâmicos
• Telhas cerâmicas
 Telhas + componentes cerâmicos =
construção de telhados;
 Primeira etap...
Tipos de Materiais Cerâmicos
• NBR 15310:2005:
 Componentes cerâmicos –Telhas –Terminologia, requisitos e métodos de
ensa...
Tipos de Materiais Cerâmicos
• 4 tipos:
Tipos de Materiais Cerâmicos
• Tolerância dimensional: ±2% em relação à especificação;
• Absorção de água:
 Clima tempera...
Tipos de Materiais Cerâmicos
Tipos de Materiais Cerâmicos
• Resistência à flexão: transporte e montagem do telhado e trânsito
eventual de pessoas:
 Pl...
Tipos de Materiais Cerâmicos
•Tubos cerâmicos
“manilhas”;
Canalização de águas pluviais e esgoto;
Ponta e ponta / ponta...
Tipos de Materiais Cerâmicos
•Podem ser vidrados (cloreto de sódio);
•Diâmetros nominais: 75, 100, 150, 200,
250, 300, 375...
Tipos de Materiais Cerâmicos
•Tavelas:
Elementos retangulares utilizados na
confecção de lajes pré-moldadas;
Peças redut...
Tipos de Materiais Cerâmicos
•Elementos vazados:
•Elementos não estruturais, para ventilação e iluminação.
Tipos de Materiais Cerâmicos
•Placas cerâmicas:
Azulejos: peças porosas, destinadas
a revestimentos de paredes e vidradas...
Tipos de Materiais Cerâmicos
Peças decorativas (especiais):
molduras (listelos) e mosaicos
(tozetos);
Tipos de Materiais Cerâmicos
•Classificação quanto à qualidade:
Classe A (1ª): 95% das peças não
tem defeitos visíveis a ...
Pisos e Porcelanatos
Porcelanato Esmaltado
Porcelanato Técnico
Porcelanato Natural
Características Físicas :
a)Absorção de água
b) Resistência à flexão
c)Resistência à Abrasão Superficial
d) Resistência à...
Características dos pisos e
Porcelanatos
Características dos pisos e
Porcelanatos
•Importante:
Nunca especificar apenas o PEI!
A primeira especificação deve ser a
Absorção de água!
PEI: Porcelain Ename...
Características dos pisos e
Porcelanatos
Tipos de Materiais
Cerâmicos
Tijolos Refratários:
••Blocos maciços;
••Suportam altas temperaturas,
abrasão e ação química...
Cerâmicas e Azulejos
História:
das origens a seu
uso na atualidade
REVESTIMENTOS
CERÂMICOS
APLICAÇÃO DO
REVESTIMENTO CERÂMICO
DO PROJETO À EXECUÇÃO
Execução
Revestimento cerâmico vem sendo usado desde a
antigüidade para revestir pisos e paredes.
A grande vantagem de sua...
INTRODUÇÃO
A cerâmica é o material artificial mais antigo
produzido pelo homem. Do grego "kéramos”
("terra queimada" ou “a...
As primeiras cerâmicas de que se tem
notícia são da pré-história: vasos de barro,
sem asa, que tinham cor de argila natura...
A ORIGEM DA CERÂMICA NO BRASIL
No Brasil, a cerâmica tem seus primórdios
na Ilha de Marajó. A cerâmica marajoara
aponta à ...
Classificação
O setor cerâmico é amplo e heterogêneo o
que induz a dividi-lo em sub-setores ou
segmentos em função de dive...
Cerâmica Vermelha
Compreende aqueles materiais com
coloração avermelhada empregados na
construção civil (tijolos, blocos, ...
São aqueles materiais, na forma de placas
usados na construção civil para
revestimento de paredes, pisos, bancadas
e pisci...
Este grupo é bastante diversificado, compreendendo materiais constituídos por um
corpo branco e em geral recobertos por um...
Execução
Uma parede revestida
com placas cerâmicas é
formada basicamente por
6 camadas de materiais
diferentes:
• base
• c...
Normas para execução
Execução
O método de assentamento segue as seguintes etapas:
1 Escolha dos materiais, equipamentos e ferramentas
2 Definiç...
Materiais e Equipamentos
Certifique-se de que possui todas as ferramentas e
equipamentos essenciais para o assentamento, d...
Ferramentas
• Linha de nylon
• Colher de Pedreiro
• Espátula
• Lápis de Carpinteiro
• Régua de Alumínio
• Nível de Bolha
•...
Equipamentos de Corte
• Cortadores de vídia manuais
São mais utilizados para cortes retos, embora possam
também ser usados...
Equipamentos de Corte
• Serra elétrica portátil com disco de corte diamantado
Também usada para cortes retos, a serra elét...
Equipamentos de Corte
• Torquês
A torquês produz cortes irregulares, deixando cantos
denteados. Portanto, use-a somente pa...
Equipamentos de Corte
• Serra Circular
Para cortes irregulares. Cantos mais limpos e precisos que a
torquês.
Desempenadeiras
• Desempenadeira de aço denteada
• Ferramenta utilizada para a aplicação da argamassa
colante. As desempen...
Desempenadeiras
Desgaste da Desempenadeira: Quando os dentes da
desempenadeira se desgastarem em 1 mm na altura, eles
deve...
Desempenadeiras
• Desempenadeira de madeira
• Utilizada para o acabamento superficial da camada de
regularização (emboço).
Desempenadeiras
• Desempenadeira Emborrachada ou Fugalizador
Usada para pressionar o rejunte dentro das juntas existentes ...
Acessórios
• Martelo de Borracha
O martelo de borracha ou o vibrador mecânico é utilizado
para pressionar a placa cerâmica...
Acessórios
• Espaçadores
Espaçadores são pequenas peças de plástico, na forma de cruz ou T.
Estas peças são colocadas entr...
Equipamentos para
Perfuração
• Furadeira Elétrica
A furadeira elétrica com serra copo acoplada é usada para
fazer furos ci...
Equipamentos para
Perfuração
• Broca Tubular
Usada para fazer furos circulares em revestimentos
cerâmicos porosos
Equipamentos de Segurança
• O assentador não deverá descuidar de sua segurança
pessoal. Portanto, no assentamento do reves...
Materiais
• Água
A água utilizada deve ser limpa de impurezas. Não deve ser
usada água salgada em hipótese alguma.
Todos o...
Materiais
• Argamassa para chapisco
A argamassa para chapisco deve ter o traço em volumes
aparentes de 1:3 de cimento e ar...
Materiais
• Argamassa para emboço
A argamassa para o emboço deve ter o traço em volumes
aparentes variando de 1:1:6 a 1:2:...
Materiais
• Argamassa
Aspecto da mudança ocorrida nas características reológicas
da argamassa com aditivos.
Materiais
• Argamassa colante
Argamassa colante, também conhecida como cimento
colante, cimento cola ou argamassa adesiva,...
Materiais
• Argamassa colante
O tipo de adesivo a ser utilizado depende do ambiente em
que o revestimento está sendo assen...
Materiais
• Argamassa colante
As argamassas colantes são compradas em sacos.
Observar na embalagem:
• designação da mesma:...
Materiais
• Argamassa colante
Os sacos devem ser empilhados sobre estrados secos.
As pilhas não devem ter mais de 1,5 m de...
Materiais
• Argamassa colante
Materiais
• Argamassa de rejuntamento
A argamassa de rejuntamento, ou simplesmente rejunte, é
utilizada no preenchimento d...
Materiais
• Argamassa de rejuntamento
Revestimento Cerâmico
• Revestimento Cerâmico
Revestimentos cerâmicos são placas cerâmicas fabricadas a partir de
uma mist...
Revestimento Cerâmico
• O revestimento cerâmico pode ser comprado em qualquer
quantidade.
• Os revestimentos devem ser est...
Detalhamento de Projeto
Detalhamento de Projeto
• Alinhamentos
Execução
1 - Limpeza:
• Remoção de pó, sujeira e materiais soltos
• Remoção de partículas aderidas com espátula ou talhade...
Execução
2 – Aplicação do Chapisco
O objetivo de aumentar a rugosidade superficial e regular a absorção
da água, as parede...
Execução
3 – Aplicação do Emboço
• O emboço é uma camada de regularização que visa nivelar a
superfície da parede e corrig...
Execução
3 – Aplicação do Emboço
Execução
4 - Aplicação de Argamassa Colante
Para que o assentamento possa se iniciar, a superfície da parede para
aplicaçã...
Execução
Execução
Execução
Execução
Execução
5 - Assentamento
Serviços preliminares
• Verificar o esquadro e as dimensões da base a ser
revestida para definiç...
Execução
5 - Assentamento
• Marcar os alinhamentos das primeiras fiadas, nos dois sentidos, com
linhas de náilon, servindo...
Execução
5 - Assentamento
• Preparando a Argamassa Colante
Preparar a argamassa manualmente ou em misturador mecânico
limp...
Execução
5 - Assentamento
• Aplicando a Argamassa Colante
A argamassa deve ser espalhada com o lado liso da desempenadeira...
Execução
5 - Assentamento
• Aplicando a Argamassa Colante
Devem sempre ser respeitados os tempos de uso, tempo em aberto e...
Execução
5 - Assentamento
• Aplicando a Argamassa Colante
Periodicamente durante o assentamento, deve-se arrancar peças
al...
Execução
5 - Assentamento
• Colocação das Peças de Cerâmica
O tardoz das placas cerâmicas a serem assentadas deve estar li...
Execução
5 - Assentamento
Execução
6 – Argamassa de Rejuntamento
• O preenchimento das juntas de assentamento pode ser iniciado no mínimo 3
dias apó...
Argamassa de
Rejuntamento
• Dimensão mínima das Juntas (NBR 8214)
Argamassa de Rejuntamento
ou
Rejunte
Execução
Rejunte de cor similar ao revestimento
Efeito uniforme
Rejunte claro e revestimento escuro
Evidencia a cor e a te...
Execução
6 - Argamassa de Rejuntamento
• A largura das juntas de assentamento pode ser garantida com o uso
de espaçadores ...
Execução
6 – Argamassa de Rejuntamento
Execução
7 - Limpeza Final
Esta é a operação final e tem a finalidade de eliminar resíduos de
argamassas ou outros materia...
Execução
8 - Cura
Após a limpeza, as operações para o revestimento da
parede estão completas, muito embora a parede ainda ...
Aspecto Final
Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmicos
Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmicos
Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmicos
Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmicos
Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmicos
Aula 9   curso de gestão de obras - materiais cerâmicos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmicos

2.231 visualizações

Publicada em

materiais cerâmicos

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.231
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
123
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 9 curso de gestão de obras - materiais cerâmicos

  1. 1. MATERIAIS CERÂMICOS • AULA 9 – CURSO DE FESTÃO DE OBRAS
  2. 2. Materiais Cerâmicos Materiais de construção obtidos pela secagem e cozimento de materiais argilosos.
  3. 3.  Conjunto de minerais compostos, principalmente, de silicatos de alumínio hidratados (decomposição de rochas feldspáticas); Argilas  Material natural, terroso, de baixa granulometria (com elevado teor de partículas com φ < 2 µm), que apresentam plasticidade quando em contato com água;
  4. 4. • Etapas de Fabricação
  5. 5. Tipos de Materiais Cerâmicos • Blocos Cerâmicos Maciços(Tijolos) Podem ser fabricados por extrusão ou prensagem; Normas: NBR 7170/83 –Tijolo maciço cerâmico para alvenaria –especificação; NBR 6460/83 –Tijolo maciço cerâmico para alvenaria -verificação da resistência àcompressão; NBR 8041/83 –Tijolo maciço cerâmico para alvenaria –forma e dimensões.
  6. 6. Devem apresentar: Ausência de eflorescências; Queima uniforme; Formato paralelepipédico; Podem apresentar rebaixos de fabricação em uma das faces de maior área. Tipos de Materiais Cerâmicos Características: Dimensões: Comuns: 19 x 9 x 5,7 cm19 x 9 x 9 cm Especiais: formas ou dimensões diferentes;  Absorção: entre 15 e 25%; (Tolerância de mais ou menos 3mm) Resistência à compressão: De 1,5 a 20 MPa; Mais comuns: 1,5 (A), 2,5 (B) e 4,0 MPa(C); Ensaio: saturado; Tijolos cortados e unidos com argamassa; 25 peças em um lote de 50.000.
  7. 7. Blocos cerâmicos vazados (vedação ou estruturais) Tipos de Materiais Cerâmicos paralelos a uma das faces; De vedação ou estruturais Vedação:Suportam somente o peso próprio; Furos na vertical ou na horizontal. Estrutural:Suportam cargas previstas em alvenaria estrutural; Furos na vertical; Três tipos: •blocos com paredes maciças; •blocos com paredes vazadas; •blocos perfurados.
  8. 8. Tipos de Materiais Cerâmicos
  9. 9. Tipos de Materiais Cerâmicos
  10. 10. Tipos de Materiais Cerâmicos
  11. 11. Tipos de Materiais Cerâmicos Dimensões: visam a modularidade(10 cm), considerando 1 cm de junta; norma é apenas orientativa(também quanto ao número de furos); Principais dimensões especificadas por norma, com tolerância de 5 mm: tabela 1; Espessura das paredes: tabela 2;
  12. 12. Tipos de Materiais Cerâmicos
  13. 13. Tipos de Materiais Cerâmicos
  14. 14. Tipos de Materiais Cerâmicos
  15. 15. Tipos de Materiais Cerâmicos • Absorção:  Absorção de água total: entre 8 e 22%;  Índice de absorção de água inicial: quantidade de água absorvida em 1 min;  Se os valores > 30g/193,55 cm3-elevada absorção -recomendável umedecer o bloco antes do assentamento;
  16. 16. Tipos de Materiais Cerâmicos • Queima: som vibrante e não abafado;  Não pode ter “coração negro”;  Módulo de deformação longitudinal e coeficiente de Poisson:  Estimativa do comportamento da alvenaria quando submetida à carregamentos e variações de temperatura e umidade.
  17. 17. Tipos de Materiais Cerâmicos
  18. 18. Tipos de Materiais Cerâmicos • Telhas cerâmicas  Telhas + componentes cerâmicos = construção de telhados;  Primeira etapa de fabricação: extrusão da argila, formando um bastão que é cortado nas dimensões adequadas;  Segunda etapa: prensagem em fôrmas;  Terceira etapa: secagem e queima (900ºC a 1100ºC);  Algumas podem levar esmaltação (impermeabilidade, brilho e cor);
  19. 19. Tipos de Materiais Cerâmicos • NBR 15310:2005:  Componentes cerâmicos –Telhas –Terminologia, requisitos e métodos de ensaio;  Classificação é função das características geométricas e tipo de fixação;
  20. 20. Tipos de Materiais Cerâmicos • 4 tipos:
  21. 21. Tipos de Materiais Cerâmicos • Tolerância dimensional: ±2% em relação à especificação; • Absorção de água:  Clima temperado ou tropical: ≤20%;  Clima frio e temperado : ≤12%;  Clima muito frio ou úmido: ≤7%;  Características visuais (pequenos defeitos) e sonoridade (som metálico).
  22. 22. Tipos de Materiais Cerâmicos
  23. 23. Tipos de Materiais Cerâmicos • Resistência à flexão: transporte e montagem do telhado e trânsito eventual de pessoas:  Plana de encaixe: 1000 N;  Composta de encaixe: 1300 N;  Simples de sobreposição: 1000 N;  Plana de sobreposição: 1000 N.
  24. 24. Tipos de Materiais Cerâmicos •Tubos cerâmicos “manilhas”; Canalização de águas pluviais e esgoto; Ponta e ponta / ponta e bolsa; Fabricados por extrusão;
  25. 25. Tipos de Materiais Cerâmicos •Podem ser vidrados (cloreto de sódio); •Diâmetros nominais: 75, 100, 150, 200, 250, 300, 375, 400, 450, 500 e 600 mm; •Comprimentos: 600, 800, 1000, 1250, 1500 e 2000 mm; •São verificados quanto à: Dimensões; Permeabilidade e Absorção de água (A≤10%); Resistência à compressão diametral; Sonoridade; Aspecto visual (trincas e falhas); Resistência química. •Normas: NBR 5645:1991 –Tubos cerâmicos para canalizações; NBR 6549:1991 –Tubos cerâmicos para canalizações –verificação da permeabilidade; NBR 6582:1991 –Tubos cerâmicos para canalizações –verificação da resistência àcompressão diametral; NBR 7530:1991 –Tubos cerâmicos para canalizações –verificação dimensional.
  26. 26. Tipos de Materiais Cerâmicos •Tavelas: Elementos retangulares utilizados na confecção de lajes pré-moldadas; Peças redutoras de peso; Apóiam-se entre pequenas vigotas de concreto armado e servem de fôrma para a laje; Exigência: resistência à flexão ≥700 N.
  27. 27. Tipos de Materiais Cerâmicos •Elementos vazados: •Elementos não estruturais, para ventilação e iluminação.
  28. 28. Tipos de Materiais Cerâmicos •Placas cerâmicas: Azulejos: peças porosas, destinadas a revestimentos de paredes e vidradas em uma das faces; Pisos: mais compactos que a cerâmica vermelha e mais escuros que louça; Pastilhas: peças de pequena dimensão, coladas em folha de papel ou unidas por pontos de resina para facilitar o assentamento;
  29. 29. Tipos de Materiais Cerâmicos Peças decorativas (especiais): molduras (listelos) e mosaicos (tozetos);
  30. 30. Tipos de Materiais Cerâmicos •Classificação quanto à qualidade: Classe A (1ª): 95% das peças não tem defeitos visíveis a 1 m (separação por bitolas, tonalidades, curvaturas e ortogonalidade de acordo com as normas); Classe B: defeitos visíveis a 1 m; Classe C: defeitos visíveis a 3 m. •Normas: ••NBR 13816: 1997 –Placas cerâmicas para revestimento – Terminologia; ••NBR 13817: 1997 –Placas cerâmicas para revestimento – Classificação; ••NBR 13818: 1997 –Placas cerâmicas para revestimento – Especificação e métodos de ensaio; ••NBR 15463: 2007 –Placas cerâmicas para revestimento – Porcelanato;
  31. 31. Pisos e Porcelanatos
  32. 32. Porcelanato Esmaltado
  33. 33. Porcelanato Técnico
  34. 34. Porcelanato Natural
  35. 35. Características Físicas : a)Absorção de água b) Resistência à flexão c)Resistência à Abrasão Superficial d) Resistência à Abrasão Profunda e) Resistência ao risco – Dureza Mohs f) Expansão por Umidade - EPU g)Dilatação Térmica Linear h)Resistência ao Choque Térmico •i) Resistência ao Congelamento •j)Coeficiente de Atrito (resistência ao deslizamento) •k) Resistência ao Gretamento Características Químicas : a)Resistência ao manchamento b) Resistência ao ataque químico Características Geométricas: •a) Dimensionais: Lados e Espessura b)Forma: Ortogonalidade, retitude lateral, planaridade Características Visuais •a) Defeitos b) Tonalidade • Características dos pisos e Porcelanatos
  36. 36. Características dos pisos e Porcelanatos
  37. 37. Características dos pisos e Porcelanatos
  38. 38. •Importante: Nunca especificar apenas o PEI! A primeira especificação deve ser a Absorção de água! PEI: Porcelain Enamel Institute (Instituto de Esmalte para Porcelana) Características dos pisos e Porcelanatos
  39. 39. Características dos pisos e Porcelanatos
  40. 40. Tipos de Materiais Cerâmicos Tijolos Refratários: ••Blocos maciços; ••Suportam altas temperaturas, abrasão e ação química; ••Para o assentamento: argamassas especiais (geralmente com cimento aluminoso –resiste a altas temperaturas); ••Tipos: RMP 35 e RMP 42 (função do teor de alumina). •. ••NBR 10955 -Materiais refratários isolantes -Determinação das resistências à flexão e à compressão à temperatura ambiente.
  41. 41. Cerâmicas e Azulejos História: das origens a seu uso na atualidade
  42. 42. REVESTIMENTOS CERÂMICOS
  43. 43. APLICAÇÃO DO REVESTIMENTO CERÂMICO DO PROJETO À EXECUÇÃO
  44. 44. Execução Revestimento cerâmico vem sendo usado desde a antigüidade para revestir pisos e paredes. A grande vantagem de sua utilização reside principalmente nas características de durabilidade, facilidade de limpeza, além do aspecto estético agradável. O assentamento correto das peças cerâmicas é fundamental para garantir que estas não se desprendam das paredes ou pisos aos quais foram coladas.
  45. 45. INTRODUÇÃO A cerâmica é o material artificial mais antigo produzido pelo homem. Do grego "kéramos” ("terra queimada" ou “argila queimada”), é um material de grande resistência, frequentemente encontrado em escavações arqueológicas. Pesquisas apontam que a cerâmica é produzida há cerca de 10-15 mil anos. Compreende todos os materiais inorgânicos, não metálicos, obtidos geralmente após tratamento térmico em temperaturas extremamente elevadas.
  46. 46. As primeiras cerâmicas de que se tem notícia são da pré-história: vasos de barro, sem asa, que tinham cor de argila natural ou eram escurecidas por óxidos de ferro. A cerâmica para a construção e a cerâmica artística com características industriais só surgiram na Antiguidade em grandes centros comerciais. Mais recentemente, passou por uma vigorosa etapa após a Revolução Industrial.
  47. 47. A ORIGEM DA CERÂMICA NO BRASIL No Brasil, a cerâmica tem seus primórdios na Ilha de Marajó. A cerâmica marajoara aponta à avançada cultura indígena que floresceu na ilha. Estudos arqueológicos, contudo, indicam a presença de uma cerâmica mais simples, que indica ter sido criada na região amazônica por volta de cinco mil anos atrás.
  48. 48. Classificação O setor cerâmico é amplo e heterogêneo o que induz a dividi-lo em sub-setores ou segmentos em função de diversos fatores como matérias-primas, propriedades e áreas de utilização. Dessa forma, a seguinte classificação, em geral, é adotada:
  49. 49. Cerâmica Vermelha Compreende aqueles materiais com coloração avermelhada empregados na construção civil (tijolos, blocos, telhas, elementos vazados, lajes, tubos cerâmicos e argilas expandidas) e também utensílios de uso doméstico e de adorno. As lajotas muitas vezes são enquadradas neste grupo porém o mais correto é em Materiais de Revestimento.
  50. 50. São aqueles materiais, na forma de placas usados na construção civil para revestimento de paredes, pisos, bancadas e piscinas de ambientes internos e externos. Recebem designações tais como: azulejo, pastilha, porcelanato, grês, lajota, piso, etc. Materiais de Revestimento (Placas Cerâmicas)
  51. 51. Este grupo é bastante diversificado, compreendendo materiais constituídos por um corpo branco e em geral recobertos por uma camada vítrea transparente e incolor e que eram assim agrupados pela cor branca da massa, necessária por razões estéticas e/ou técnicas. Com o advento dos vidrados opacificados, muitos dos produtos enquadrados neste grupo passaram a ser fabricados , sem prejuízo das características para uma dada aplicação, com matérias-primas com certo grau de impurezas, responsáveis pela coloração. Dessa forma é mais adequado subdividir este grupo em: •louça sanitária •louça de mesa •isoladores elétricos para alta e baixa tensão •cerâmica artística (decorativa e utilitária). •cerâmica técnica para fins diversos, tais como: químico, elétrico, térmico e mecânico. Cerâmica Branca
  52. 52. Execução Uma parede revestida com placas cerâmicas é formada basicamente por 6 camadas de materiais diferentes: • base • chapisco • emboço • argamassa colante, • rejunte, • revestimento cerâmico.
  53. 53. Normas para execução
  54. 54. Execução O método de assentamento segue as seguintes etapas: 1 Escolha dos materiais, equipamentos e ferramentas 2 Definição do número e espessura das juntas estruturais e de movimentação 3 Preparo da base : Chapisco Emboço 4 Aplicação do revestimento cerâmico e execução alvenaria das juntas.
  55. 55. Materiais e Equipamentos Certifique-se de que possui todas as ferramentas e equipamentos essenciais para o assentamento, de forma a poupar tempo e trabalho durante a execução dos serviços.
  56. 56. Ferramentas • Linha de nylon • Colher de Pedreiro • Espátula • Lápis de Carpinteiro • Régua de Alumínio • Nível de Bolha • Trena • Esquadro • Nivel de Mangueira • Vasilhame para mistura de Argamassa Colante • Prumo
  57. 57. Equipamentos de Corte • Cortadores de vídia manuais São mais utilizados para cortes retos, embora possam também ser usados para a execução de cortes curvos. Nestes casos aconselha-se a colocação de uma peça cerâmica auxiliar embaixo daquela a ser cortada, para facilitar o giro do equipamento.
  58. 58. Equipamentos de Corte • Serra elétrica portátil com disco de corte diamantado Também usada para cortes retos, a serra elétrica produz linhas de corte mais limpas, sem o problema de fendilhamento do esmalte dos cortadores manuais.
  59. 59. Equipamentos de Corte • Torquês A torquês produz cortes irregulares, deixando cantos denteados. Portanto, use-a somente para pequenos cortes nos cantos das placas cerâmicas, a serem assentadas em áreas menos visíveis.
  60. 60. Equipamentos de Corte • Serra Circular Para cortes irregulares. Cantos mais limpos e precisos que a torquês.
  61. 61. Desempenadeiras • Desempenadeira de aço denteada • Ferramenta utilizada para a aplicação da argamassa colante. As desempenadeiras usadas para paredes internas possuem dentes de forma quadrada e cujas dimensões variam de acordo com a área da placa cerâmica a ser assentada, como mostra a tabela.
  62. 62. Desempenadeiras Desgaste da Desempenadeira: Quando os dentes da desempenadeira se desgastarem em 1 mm na altura, eles deverão ser refeitos com uma lima, ou a desempenadeira deverá ser substituída por uma nova.
  63. 63. Desempenadeiras • Desempenadeira de madeira • Utilizada para o acabamento superficial da camada de regularização (emboço).
  64. 64. Desempenadeiras • Desempenadeira Emborrachada ou Fugalizador Usada para pressionar o rejunte dentro das juntas existentes entre as placas cerâmicas. Segure a desempenadeira a aproximadamente 90 graus e a arraste diagonalmente com movimentos de vai e vem. Use a desempenadeira de canto, lado reto, para remover o excesso de argamassa de rejunte.
  65. 65. Acessórios • Martelo de Borracha O martelo de borracha ou o vibrador mecânico é utilizado para pressionar a placa cerâmica contra a parede a qual será colada.
  66. 66. Acessórios • Espaçadores Espaçadores são pequenas peças de plástico, na forma de cruz ou T. Estas peças são colocadas entre placas cerâmicas adjacentes, e servem para manter uniforme a largura das juntas, e o alinhamento das placas cerâmicas.
  67. 67. Equipamentos para Perfuração • Furadeira Elétrica A furadeira elétrica com serra copo acoplada é usada para fazer furos circulares em revestimentos cerâmicos mais resistentes, como o a cerâmica grês.
  68. 68. Equipamentos para Perfuração • Broca Tubular Usada para fazer furos circulares em revestimentos cerâmicos porosos
  69. 69. Equipamentos de Segurança • O assentador não deverá descuidar de sua segurança pessoal. Portanto, no assentamento do revestimento, deverá usar equipamentos de proteção, como, capacete, óculos de segurança, luvas de borracha e outros que se fizerem necessário.
  70. 70. Materiais • Água A água utilizada deve ser limpa de impurezas. Não deve ser usada água salgada em hipótese alguma. Todos os recipientes destinados a armazenagem ou transporte de água devem ser limpos.
  71. 71. Materiais • Argamassa para chapisco A argamassa para chapisco deve ter o traço em volumes aparentes de 1:3 de cimento e areia média úmida.
  72. 72. Materiais • Argamassa para emboço A argamassa para o emboço deve ter o traço em volumes aparentes variando de 1:1:6 a 1:2:9 de cimento, cal hidratada e areia média úmida.
  73. 73. Materiais • Argamassa Aspecto da mudança ocorrida nas características reológicas da argamassa com aditivos.
  74. 74. Materiais • Argamassa colante Argamassa colante, também conhecida como cimento colante, cimento cola ou argamassa adesiva, é um produto industrializado, utilizado na colocação de peças cerâmicas de revestimento, tanto de paredes como de pisos. Não use misturas “caseiras”, estas podem não produzir a aderência necessária entre a peça e a parede.
  75. 75. Materiais • Argamassa colante O tipo de adesivo a ser utilizado depende do ambiente em que o revestimento está sendo assentado. A norma brasileira (NBR 14081) especifica para paredes internas a argamassa colante industrializada do tipo AC-I.
  76. 76. Materiais • Argamassa colante As argamassas colantes são compradas em sacos. Observar na embalagem: • designação da mesma: AC-I, AC-II, AC-III ou AC-III-E • prazo de validade • condições de armazenamento • instruções e cuidados necessários para a aplicação, manuseio, quantidade de água de amassamento e tempo de maturação (repouso)
  77. 77. Materiais • Argamassa colante Os sacos devem ser empilhados sobre estrados secos. As pilhas não devem ter mais de 1,5 m de altura. Usar somente quando: saco não estiver molhado, dentro do prazo de validade.
  78. 78. Materiais • Argamassa colante
  79. 79. Materiais • Argamassa de rejuntamento A argamassa de rejuntamento, ou simplesmente rejunte, é utilizada no preenchimento dos espaços entre duas peças cerâmicas consecutivas, e tem por função apoiar e proteger as arestas das peças cerâmicas. Da mesma forma que para a argamassa colante, o tipo de rejunte a ser usado depende do ambiente onde será aplicado. A argamassa de rejuntamento é vendida em sacos ou caixas. Atualmente existe no mercado rejuntes de diversas cores. A cor do rejunte pode afetar significativamente o efeito visual da parede.
  80. 80. Materiais • Argamassa de rejuntamento
  81. 81. Revestimento Cerâmico • Revestimento Cerâmico Revestimentos cerâmicos são placas cerâmicas fabricadas a partir de uma mistura de argila. As costas das placas possuem garras, para auxiliar na aderência com a superfície onde serão assentadas, e são denominadas de tardoz. .
  82. 82. Revestimento Cerâmico • O revestimento cerâmico pode ser comprado em qualquer quantidade. • Os revestimentos devem ser estocados em local plano e firme, protegidos do sol e da chuva. As caixas podem ser empilhadas em pilhas de no máximo 2 metros de altura.
  83. 83. Detalhamento de Projeto
  84. 84. Detalhamento de Projeto • Alinhamentos
  85. 85. Execução 1 - Limpeza: • Remoção de pó, sujeira e materiais soltos • Remoção de partículas aderidas com espátula ou talhadeira • Remoção de desmoldantes, graxa e gordura • Remoção de eflorescências • Remoção de bolor e fungos • Remoção de elementos metálicos (pregos, fios, etc.) • Remoção de película de tinta • Podem também ser usados removedores químicos, desde que sejam posteriormente retirados através de enxágüe com água pura em abundância.
  86. 86. Execução 2 – Aplicação do Chapisco O objetivo de aumentar a rugosidade superficial e regular a absorção da água, as paredes devem ser chapiscadas. • Chapisco convencional • Chapisco rolado • Chapisco industrializado Paredes em alvenaria de blocos de concreto celular e blocos sílico - calcários apresentam absorção elevada, não devendo receber chapisco. Tais bases devem ser umedecidas antes da aplicação da camada de regularização.
  87. 87. Execução 3 – Aplicação do Emboço • O emboço é uma camada de regularização que visa nivelar a superfície da parede e corrigir defeitos e irregularidades da mesma. • Somente depois de transcorridos no mínimo 7 dias da aplicação do chapisco é que poderão ser iniciados os trabalhos de execução da camada de emboço. • A execução do emboço deve seguir o estabelecido na NBR 7200 (Revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas - procedimentos para execução), da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) • A camada de emboço deverá ser reforçada com tela de arame galvanizado nos encontros entre estruturas • de concreto armado e alvenaria nos três últimos pavimentos e no primeiro pavimento sobre pilotis
  88. 88. Execução 3 – Aplicação do Emboço
  89. 89. Execução 4 - Aplicação de Argamassa Colante Para que o assentamento possa se iniciar, a superfície da parede para aplicação da argamassa colante deve apresentar-se da seguinte forma: • Limpa sem fissuras ou rachaduras • Coesa (não deve se esfarelar) • Bem aderida à base (não deve apresentar som cavo quando percutida) • Para aplicação do revestimento cerâmico, a camada de emboço deverá ter idade mínima de 21 dias. • Alinhada em todas as direções (toda a superfície deve pertencer ao mesmo plano) • O desvio máximo de planeza deve ser de 3 mm em relação a uma régua de 2 metros de comprimento
  90. 90. Execução
  91. 91. Execução
  92. 92. Execução
  93. 93. Execução
  94. 94. Execução 5 - Assentamento Serviços preliminares • Verificar o esquadro e as dimensões da base a ser revestida para definição da largura das juntas entre as peças, buscando reduzir o número de recortes e o melhor posicionamento destes. • Locar, sobre a superfície a ser revestida, as juntas horizontais e verticais entre as peças cerâmicas.
  95. 95. Execução 5 - Assentamento • Marcar os alinhamentos das primeiras fiadas, nos dois sentidos, com linhas de náilon, servindo então de referência para as demais fiadas, ou então a partir da fixação de uma régua de alumínio junto à base. • Arranjar as peças de forma que sejam feitos cortes iguais nos lados opostos à superfície a ser revestida. • Planejar a colocação das peças com relação: à decoração das peças, ao encaixe preciso dos desenhos, à colocação em diagonais e perpendiculares. • Para o caso de assentamento de paisagens ou mosaicos, desenhar com giz as figuras a serem formadas, colocando entre as linhas desenhadas o formato e a cor das peças que fazem parte do desenho.
  96. 96. Execução 5 - Assentamento • Preparando a Argamassa Colante Preparar a argamassa manualmente ou em misturador mecânico limpo, adicionando-se a água, na quantidade recomendada na embalagem do produto, até que seja verificada homogeneidade da mistura. A quantidade a ser preparada deve ser suficiente para um período de trabalho de no máximo 2 a 3 horas, levando-se em consideração a habilidade do assentador e as condições climáticas. Após a mistura, a argamassa deve ficar em repouso pelo período de tempo indicado na embalagem, para que ocorram as reações dos aditivos, sendo a seguir reamassada. No caso de preparo manual, utilizar um recipiente plástico ou metálico limpo, para fazer a mistura. • Durante a aplicação do revestimento, nunca se deve adicionar água à argamassa já preparada.
  97. 97. Execução 5 - Assentamento • Aplicando a Argamassa Colante A argamassa deve ser espalhada com o lado liso da desempenadeira, comprimindo-a contra a parede num ângulo de 45º, formando uma camada uniforme. A seguir, utilizar o lado denteado da desempenadeira sobre a camada de argamassa, para formar cordões que facilitarão o nivelamento e a fixação das peças cerâmicas. Durante a colocação das peças os cordões de cola devem ser totalmente esmagados, formando uma camada uniforme, e garantindo o contato pleno da argamassa com todo o verso da peça. A espessura da camada final de argamassa colante deve ser de 4 a 5 mm, podendo chegar a 12 mm em pequenas áreas isoladas, onde existam irregularidades superficiais na base. As reentrâncias de altura maior que 1 mm, eventualmente presentes no tardoz das peças cerâmicas, devem ser preenchidas com argamassa colante no momento do assentamento.
  98. 98. Execução 5 - Assentamento • Aplicando a Argamassa Colante Devem sempre ser respeitados os tempos de uso, tempo em aberto e tempo de ajuste, indicados na embalagem do produto, levando-se em conta que em dias secos, quentes e com muito vento, estes tempos são diminuídos. O final do tempo em aberto da argamassa é indicado pela formação de uma película esbranquiçada sobre os cordões de cola. A partir deste momento as condições de assentamento ficam prejudicadas, podendo favorecer o descolamento precoce da peça cerâmica. .
  99. 99. Execução 5 - Assentamento • Aplicando a Argamassa Colante Periodicamente durante o assentamento, deve-se arrancar peças aleatoriamente (1% das peças), verificando se estão com o verso totalmente preenchido com argamassa. Este procedimento é denominado de Teste de Arrancamento e se destina a avaliar a qualidade do assentamento, e fazer ajustes caso seja necessário. .
  100. 100. Execução 5 - Assentamento • Colocação das Peças de Cerâmica O tardoz das placas cerâmicas a serem assentadas deve estar limpo, isento de pó, gorduras, ou partículas secas e não deve ser molhado antes do assentamento. A colocação das placas cerâmicas deve ser feita debaixo para cima, uma fiada de cada vez. As placas cerâmicas devem ser colocadas, ligeiramente fora de posição, sobre os cordões de cola. O posicionamento da peça é então ajustado e o revestimento cerâmico é fixado através de um ligeiro movimento de rotação. Para a retirada do excesso de argamassa, devem ser dadas leves batidas com um martelo de borracha sobre a face da cerâmica, ou mesmo batidas com cabos de madeira de martelos comuns e colher de pedreiro. A argamassa que escorrer deve ser limpa antes do seu endurecimento, evitando que esta prejudique a junta de assentamento (rejunte).
  101. 101. Execução 5 - Assentamento
  102. 102. Execução 6 – Argamassa de Rejuntamento • O preenchimento das juntas de assentamento pode ser iniciado no mínimo 3 dias após concluído o assentamento das peças. • Se alguma delas apresentar som cavo (barulho oco), esta deve ser removida e imediatamente assentada. • Utilizar somente argamassas de rejunte industrializadas, ou dosadas na obra desde que sejam aditivadas com produtos químicos que garantam elasticidade e impermeabilidade às mesmas. • Após secagem inicial da argamassa, remover o excesso com pano, esponja ou estopa úmidos. • Após transcorrido mais algum tempo, que garanta princípio de endurecimento da argamassa, frisar as juntas, obtendo assim acabamento liso e regular. • Molhar periodicamente o revestimento pronto com água, nos três primeiros dias após o rejuntamento.
  103. 103. Argamassa de Rejuntamento • Dimensão mínima das Juntas (NBR 8214) Argamassa de Rejuntamento ou Rejunte
  104. 104. Execução Rejunte de cor similar ao revestimento Efeito uniforme Rejunte claro e revestimento escuro Evidencia a cor e a textura do revestimento Rejunte cinza Cor neutra que fica melhor em pisos. Rejunte escuro e revestimento claro Enfatiza o layout da parede
  105. 105. Execução 6 - Argamassa de Rejuntamento • A largura das juntas de assentamento pode ser garantida com o uso de espaçadores plásticos. • Em paredes expostas a ação da umidade, como por exemplo box de banheiro, deve ser usado rejunte impermeável, para evitar que a água penetre para o interior da parede, aumentando, com isto, a durabilidade do revestimento e evitando a eflorescência.
  106. 106. Execução 6 – Argamassa de Rejuntamento
  107. 107. Execução 7 - Limpeza Final Esta é a operação final e tem a finalidade de eliminar resíduos de argamassas ou outros materiais usados no processo de assentamento. A limpeza de revestimentos com ácido é contra-indicada, pois pode prejudicar tanto a superfície da peça cerâmica como o rejunte. Entretanto, quando for necessária a limpeza com ácido, deve-se usar uma parte de ácido para dez partes de água. Neste caso, deve-se proteger previamente com vaselina os componentes susceptíveis ao ataque pelo ácido. Após a limpeza, que deve ser feita com água em abundância, utiliza-se uma solução neutralizante de amônia (uma parte de amônia para cinco partes de água) e se enxágua com água em abundância. Finalmente, enxuga-se com um pano, para remover a água presente nas juntas.
  108. 108. Execução 8 - Cura Após a limpeza, as operações para o revestimento da parede estão completas, muito embora a parede ainda não esteja adequada para uso. É necessário esperar aproximadamente 15 dias para que as reações físicas e químicas, que ocorrem com as argamassas, possam acontecer. Estas reações são fundamentais para a qualidade da aderência entre as diversas camadas que compõe a parede revestida com placas cerâmicas.
  109. 109. Aspecto Final

×