SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
PROTOCOLO DE CIRURGIA
SEGURA
Desafios e história da
implantação
Enfª Melina Schettini
Coordendora do Centro Cirúrgico Hospital Vera Cruz
Aliança Mundial
Em 2005, a OMS lançou a Aliança Mundial para
a Segurança do Paciente, com o objetivo de
, favorecer as normas e
práticas de segurança do paciente e o
comprometimento político para uma melhor
segurança na assistência a saúde e
.
“Soluções Simples para a Segurança do
Paciente“.
• 281 milhões de cirurgias no mundo/ ano;
• 1 operação para cada 25 pessoas vivas;
• A taxa de eventos adversos em pacientes internados
é de 3% ano;
• A mortalidade após cirurgias de grande porte é de
0,5%;
• Pelo menos 1 milhão de pacientes morrem a cada ano
durante ou após uma grande cirurgia;
• 7 milhões de pacientes sofrem complicações
cirúrgicas ao ano;
• Pelo menos metade dos casos de eventos
relacionados a cirurgia são evitáveis.
DADOS CONSIDERADOS
...no Brasil
Diante desse cenário, o Ministério da Saúde
em parceria com a Organização Pan-Americana da
Saúde (OPAS/OMS)
O que é segurança do paciente?
“É a redução de atos não seguros no
sistema de assistência à saúde, assim como a
utilização das melhores práticas que
conduzem a resultados ótimos para o
paciente”.
The Canadian Patient Safety Dictionary.
Canadá, 2006
Análise das causas dos eventos
adversos:
 65% comunicação
 58% orientação, treinamento
 36% avaliação inicial do paciente
 20% disponibilidade da informação
 18% diferenças entre níveis profissionais
 15% ambiente físico
 13% continuidade do cuidado
 12% competências/credenciamento
 12% conformidade com procedimentos
 8% sistemas de alarmes
 8% cultura organizacional
Dados da Joint Commission on Accreditation of Healthcare Organizations -
Janeiro 1995 à Dezembro 2007
Dez princípios para alcançar a Cirurgia Segura
1. Operar o paciente certo e o local cirúrgico certo.
2. Estabelecer métodos conhecidos para impedir danos na administração de anestésicos.
3. Reconhecer e estar efetivamente preparado para a perda de via aérea.
4. Reconhecer e estar efetivamente preparado para o risco de grandes perdas sanguíneas.
5. Evitar a indução de reação adversa a drogas ou reação alérgica sabidamente de risco ao
paciente.
6. Usar, de maneira sistemática, métodos conhecidos para minimizar o risco de infecção
no sitio cirúrgico.
7. Garantir a total retirada de instrumentais, agulhas e compressas das feridas cirúrgicas.
8. Manter seguras e identificadas precisamente todas as amostras de tecidos de pacientes.
9. Comunicar efetivamente e trocar informações vitais para a condução segura da cirurgia.
10. Estabelecer vigilância de rotina através de indicadores em relação a capacidade, volume e
resultados cirúrgicos.
Parece óbvio
mas não é!!!
Check list
Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da
OMS, desenvolvida para controlar o antes, durante e
após a cirurgia, de forma a garantir comunicação
eficaz entre as equipes e reduzir o risco à vida e ao
bem estar dos pacientes cirúrgicos.
Como funciona? – Etapas:
Antes da indução anestésica - sign in
Antes da incisão da pele - time out
Antes do paciente sair da sala cirúrgica - sign
out
CIRURGIA SEGURA
Estudo em hospitais participantes da
campanha Cirurgia Segura Salva Vidas da
OMS demonstrou que,
(New England Journal of Medicine, January 29, 2009)
HVC – etapas da cirurgia segura
Acolhendo o paciente cirúrgico:
Envolvimento do paciente desde a internação – folder
explicatvo
Participação na demarcação do
sítio cirúrgico
Aplicação do Check List
Aplicação do Checklist
Checklist para Centro Cirúrgico, Centro Obstétrico e C. Cirúrgico Ambulatorial
Colocar os
outros 2
Assistência de Enfermagem do Paciente Cirúrgico
Pré
Pós - transporte
Trans
Preparo
Histórico da cirurgia segura no HVC
 Planejamento estratégico de 2011: diretriz estratégica
 2012 Reuniões semanais para planejamento e adequações dos impressos do
CC, da implantação da cirurgia segura;
 Junho/2012: palestra para sensibilização dos médicos e colaboradores de
enfermagem com a participação Dr. Edmundo Ferraz que foi um dos
escritores do manual de cirurgia segura da OMS.
 Treinamento de toda a equipe em todas as modalidades
 Agosto/2012– Início do implantação CheckList no Centro Cirúrgico com
apenas 3 especialidades e consolidação dos Indicadores de Segurança do
Paciente cirúrgico.
 2013 - Início do CheckList no Centro Obstétrico
 2013 - Início do CheckList no C. Cirúrgico Ambulatorial
 2013 Apresentação sobre a Implantação do CheckList no Congresso da
SOBECC
 2013 Pesquisa de Aceitação do CheckList
Fechando 2013 com o CheckList da Cirurgia
Segura aplicada no bloco cirúrgico integralmente
- Dezembro de 2013, após instituir o CheckList no Bloco Cirúrgico, foi feita
uma pesquisa de aceitação com os anestesistas, cirurgiões e colaboradores de
enfermagem; divulgação dos resultados e indicadores de segurança.
Dessa maneira ficou claro que o esforço valeu à pena...
Desafios 2014 / 2015
 Melhorias do processo com revisão dos impressos.
 Consolidação dos Indicadores de Segurança do
Paciente
Divergência de
compressas
Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Média
Indicador 0,17 0,55 0,16 0,00 0,00
nº suspensas 1,00 3,00 1,00 0,00 0,00
Total de Cirurgias 585 544 620 581 559
INDICADOR INSTITUCIONAL
Indicador: Cirurgia Suspensa por motivo extra paciente (/100).
FICHATÉCNICADO INDICADOR
Definição: Relação entre o número cirurgias suspensas após o
pacientes ter número de atendimento no hospital. Esse número dar-se-á
pelos motivos relacionados à operação hospitalar, ou seja, motivos
relacionados ao paciente não será analisado nesse indicador.
Referencial comparativo: <1
Equação para cálculo: Número de cirurgias canceladas / total de
cirurgias eletivas *100.
Numerador: Dado extraído do Tasy CATE 1883
Denominador: Dado extraído do Tasy EisAte_R3
Responsável pelos dados: Centro Cirúrgico
Frequência de levantamento: Mensal.
Dimensão da coleta: Setorial
Responsável pela avaliação do indicador: Centro Cirúrgico
Análise Crítica
Janeiro: Único caso de suspensão, demonstra praxe de hospital particular. Indica processos estabelecidos.
Fevereiro: Segue analise dos dados pois ainda mantém abaixo do esperado. Verificaremos a possibilidade de recebermos o dado da cirurgia via tasy para analisar se é o mesmo médico e os porquês dos fatos.
Março: Caso único, demonstra tendência de hospital particular. Estamos melhorando o relatório do Tasy para que à partir de abril tenhamos o nome e atendimento para abordagem pontual.
Abril: não houve caso de suspensão de cirurgia por motivo extra paciente.
Maio: não houve caso de suspensão de cirurgia por motivo extra paciente.
Responsável pela análise mensal: Centro Cirúrgico Data
Nome: Lia Jeronymo Romero
2015
Função: Gerente Bloco Cirúrgico
jan/15 fev/15 mar/15 abr/15 mai/15
0,17
0,55
0,16
0,00 0,00
Painel de
Segurança
SuspensãoPor
especialidade
Produção
Taxa Infecção
Considerações Finais
Envolvimento do paciente e da equipe;
Processos e Registros Sistematizados;
Adaptação do check list;
Educação, prática e liderança;
Planejamento adequado;
Mudança de Cultura Organizacional;
Comprometimento da Diretoria;
“Pode parecer um estranho princípio
enunciar como primeiro dever de um
hospital não causar mal ao paciente” .
Florence Nightingale, 1859
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoConceição Quirino
 
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)JONAS ARAUJO
 
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzImplementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzProqualis
 
Aula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentesAula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentesProqualis
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppttuttitutti1
 
Cirurgia segura salva vidas
Cirurgia segura salva vidasCirurgia segura salva vidas
Cirurgia segura salva vidasAnestesiador
 
Enfermagem no-centro-cir%c3%b argico-e-central-de-material-est%c3%a9ril
Enfermagem no-centro-cir%c3%b argico-e-central-de-material-est%c3%a9rilEnfermagem no-centro-cir%c3%b argico-e-central-de-material-est%c3%a9ril
Enfermagem no-centro-cir%c3%b argico-e-central-de-material-est%c3%a9rilmujaci
 
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...Lucas Fontes
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoLuana Santos
 
Instrumental cirurgico
Instrumental cirurgicoInstrumental cirurgico
Instrumental cirurgicoUPA Fortaleza
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Rafaela Amanso
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosEduardo Bernardino
 

Mais procurados (20)

Centro cirurgico
Centro cirurgico Centro cirurgico
Centro cirurgico
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
Segurança do paciente e gerencimento de risco (slide)
 
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzImplementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Implementação do Check List de Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
 
Cirurgia segura
Cirurgia seguraCirurgia segura
Cirurgia segura
 
Aula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentesAula sobre notificação e análise de incidentes
Aula sobre notificação e análise de incidentes
 
Paciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.pptPaciente Critico 1.ppt
Paciente Critico 1.ppt
 
Cirurgia segura salva vidas
Cirurgia segura salva vidasCirurgia segura salva vidas
Cirurgia segura salva vidas
 
Enfermagem no-centro-cir%c3%b argico-e-central-de-material-est%c3%a9ril
Enfermagem no-centro-cir%c3%b argico-e-central-de-material-est%c3%a9rilEnfermagem no-centro-cir%c3%b argico-e-central-de-material-est%c3%a9ril
Enfermagem no-centro-cir%c3%b argico-e-central-de-material-est%c3%a9ril
 
Educação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em EnfermagemEducação Permanente em Enfermagem
Educação Permanente em Enfermagem
 
Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1Centro CirúRgico Parte 1
Centro CirúRgico Parte 1
 
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
 
Cuidados com Cateteres de Longa Permanência: orientações para a Atenção Primá...
Cuidados com Cateteres de Longa Permanência: orientações para a Atenção Primá...Cuidados com Cateteres de Longa Permanência: orientações para a Atenção Primá...
Cuidados com Cateteres de Longa Permanência: orientações para a Atenção Primá...
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
Instrumental cirurgico
Instrumental cirurgicoInstrumental cirurgico
Instrumental cirurgico
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatoriosCuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
Cuidados de Enfermagem pre e pos operatorios
 

Semelhante a Implantação da cirurgia segura

Protocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia seguraProtocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia seguraSocorro Carneiro
 
roseartigo (1) (1).docx
roseartigo (1) (1).docxroseartigo (1) (1).docx
roseartigo (1) (1).docxcybercom1
 
Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...
Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...
Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...Alessandra Floriano Amaro
 
Segurança do pasciente
Segurança do pascienteSegurança do pasciente
Segurança do pascienteIrYarasdp
 
saude do trabalho
saude do trabalhosaude do trabalho
saude do trabalhoLeon Brazyl
 
Segurança do paciente e procedimento invasivo - Tópico 10_Guia Curricular da OMS
Segurança do paciente e procedimento invasivo - Tópico 10_Guia Curricular da OMSSegurança do paciente e procedimento invasivo - Tópico 10_Guia Curricular da OMS
Segurança do paciente e procedimento invasivo - Tópico 10_Guia Curricular da OMSProqualis
 
acreditação em centro cirúrgico
acreditação em centro cirúrgicoacreditação em centro cirúrgico
acreditação em centro cirúrgicojosi uchoa
 
Apresentacao anvisa
Apresentacao anvisaApresentacao anvisa
Apresentacao anvisa07082001
 
Anestesia e Cirurgia Seguras
Anestesia e Cirurgia SegurasAnestesia e Cirurgia Seguras
Anestesia e Cirurgia SegurasAnestesiador
 
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptxPROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptxAdrianoCosta696471
 
04 sobecc v19n1
04 sobecc v19n104 sobecc v19n1
04 sobecc v19n1doriene
 
Gestão do Protocolo de Cirurgia Segura
Gestão do Protocolo de Cirurgia SeguraGestão do Protocolo de Cirurgia Segura
Gestão do Protocolo de Cirurgia Seguracmecc
 
Aula metas internacionais.pptx
Aula metas internacionais.pptxAula metas internacionais.pptx
Aula metas internacionais.pptxKelengomez
 
Camila_Barcia_Nucleo_de_Seguranca_do_Paciente.pdf
Camila_Barcia_Nucleo_de_Seguranca_do_Paciente.pdfCamila_Barcia_Nucleo_de_Seguranca_do_Paciente.pdf
Camila_Barcia_Nucleo_de_Seguranca_do_Paciente.pdfVanessaGoncalves26
 
Enfermagem centro cirurgico
Enfermagem centro cirurgicoEnfermagem centro cirurgico
Enfermagem centro cirurgicoCaroline Almeida
 

Semelhante a Implantação da cirurgia segura (20)

Cirurgia segura
Cirurgia seguraCirurgia segura
Cirurgia segura
 
Protocolo cirurgia-segura
Protocolo cirurgia-seguraProtocolo cirurgia-segura
Protocolo cirurgia-segura
 
Protocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia seguraProtocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia segura
 
roseartigo (1) (1).docx
roseartigo (1) (1).docxroseartigo (1) (1).docx
roseartigo (1) (1).docx
 
Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...
Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...
Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...
 
Segurança do pasciente
Segurança do pascienteSegurança do pasciente
Segurança do pasciente
 
saude do trabalho
saude do trabalhosaude do trabalho
saude do trabalho
 
Segurança do paciente e procedimento invasivo - Tópico 10_Guia Curricular da OMS
Segurança do paciente e procedimento invasivo - Tópico 10_Guia Curricular da OMSSegurança do paciente e procedimento invasivo - Tópico 10_Guia Curricular da OMS
Segurança do paciente e procedimento invasivo - Tópico 10_Guia Curricular da OMS
 
acreditação em centro cirúrgico
acreditação em centro cirúrgicoacreditação em centro cirúrgico
acreditação em centro cirúrgico
 
Apresentacao anvisa
Apresentacao anvisaApresentacao anvisa
Apresentacao anvisa
 
Anestesia e Cirurgia Seguras
Anestesia e Cirurgia SegurasAnestesia e Cirurgia Seguras
Anestesia e Cirurgia Seguras
 
cirurgia segura pptx
cirurgia segura pptxcirurgia segura pptx
cirurgia segura pptx
 
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptxPROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
 
04 sobecc v19n1
04 sobecc v19n104 sobecc v19n1
04 sobecc v19n1
 
Gestão do Protocolo de Cirurgia Segura
Gestão do Protocolo de Cirurgia SeguraGestão do Protocolo de Cirurgia Segura
Gestão do Protocolo de Cirurgia Segura
 
Aula metas internacionais.pptx
Aula metas internacionais.pptxAula metas internacionais.pptx
Aula metas internacionais.pptx
 
Segurança do Paciente.pptx
Segurança do Paciente.pptxSegurança do Paciente.pptx
Segurança do Paciente.pptx
 
Camila_Barcia_Nucleo_de_Seguranca_do_Paciente.pdf
Camila_Barcia_Nucleo_de_Seguranca_do_Paciente.pdfCamila_Barcia_Nucleo_de_Seguranca_do_Paciente.pdf
Camila_Barcia_Nucleo_de_Seguranca_do_Paciente.pdf
 
SegurançA.Ppt2
SegurançA.Ppt2SegurançA.Ppt2
SegurançA.Ppt2
 
Enfermagem centro cirurgico
Enfermagem centro cirurgicoEnfermagem centro cirurgico
Enfermagem centro cirurgico
 

Mais de cmecc

Implantação de Kits Cirúrgicos para Atendimento de Urgência e Emergência
Implantação de Kits Cirúrgicos para  Atendimento de Urgência e EmergênciaImplantação de Kits Cirúrgicos para  Atendimento de Urgência e Emergência
Implantação de Kits Cirúrgicos para Atendimento de Urgência e Emergênciacmecc
 
Ortogeriatria - Resultados de 2.5 Anos do Programa HVC
Ortogeriatria - Resultados de 2.5 Anos do Programa HVCOrtogeriatria - Resultados de 2.5 Anos do Programa HVC
Ortogeriatria - Resultados de 2.5 Anos do Programa HVCcmecc
 
Programas Multidisciplinares em Assistencia à Saude
Programas Multidisciplinares em Assistencia à SaudeProgramas Multidisciplinares em Assistencia à Saude
Programas Multidisciplinares em Assistencia à Saudecmecc
 
Upcycling - UM OLHAR SUSTENTÁVEL E GANHOS FINANCEIROS PARA COLABORADORES E ...
Upcycling - UM OLHAR SUSTENTÁVEL E  GANHOS FINANCEIROS  PARA COLABORADORES E ...Upcycling - UM OLHAR SUSTENTÁVEL E  GANHOS FINANCEIROS  PARA COLABORADORES E ...
Upcycling - UM OLHAR SUSTENTÁVEL E GANHOS FINANCEIROS PARA COLABORADORES E ...cmecc
 
Apresentação transfussional
Apresentação transfussionalApresentação transfussional
Apresentação transfussionalcmecc
 
Embalagens
EmbalagensEmbalagens
Embalagenscmecc
 
Protocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgico
Protocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgicoProtocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgico
Protocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgicocmecc
 
Pesquisa de aceitação do checklist
Pesquisa de aceitação do checklistPesquisa de aceitação do checklist
Pesquisa de aceitação do checklistcmecc
 
O papel da cme na segurança da videocirurgia
O papel da cme na segurança da videocirurgiaO papel da cme na segurança da videocirurgia
O papel da cme na segurança da videocirurgiacmecc
 
Explantes cirúrgicos
Explantes cirúrgicosExplantes cirúrgicos
Explantes cirúrgicoscmecc
 
Da limpeza à esterilização: validação dos processos, manutenção da segurança.
Da limpeza à esterilização: validação dos processos, manutenção da segurança.Da limpeza à esterilização: validação dos processos, manutenção da segurança.
Da limpeza à esterilização: validação dos processos, manutenção da segurança.cmecc
 

Mais de cmecc (11)

Implantação de Kits Cirúrgicos para Atendimento de Urgência e Emergência
Implantação de Kits Cirúrgicos para  Atendimento de Urgência e EmergênciaImplantação de Kits Cirúrgicos para  Atendimento de Urgência e Emergência
Implantação de Kits Cirúrgicos para Atendimento de Urgência e Emergência
 
Ortogeriatria - Resultados de 2.5 Anos do Programa HVC
Ortogeriatria - Resultados de 2.5 Anos do Programa HVCOrtogeriatria - Resultados de 2.5 Anos do Programa HVC
Ortogeriatria - Resultados de 2.5 Anos do Programa HVC
 
Programas Multidisciplinares em Assistencia à Saude
Programas Multidisciplinares em Assistencia à SaudeProgramas Multidisciplinares em Assistencia à Saude
Programas Multidisciplinares em Assistencia à Saude
 
Upcycling - UM OLHAR SUSTENTÁVEL E GANHOS FINANCEIROS PARA COLABORADORES E ...
Upcycling - UM OLHAR SUSTENTÁVEL E  GANHOS FINANCEIROS  PARA COLABORADORES E ...Upcycling - UM OLHAR SUSTENTÁVEL E  GANHOS FINANCEIROS  PARA COLABORADORES E ...
Upcycling - UM OLHAR SUSTENTÁVEL E GANHOS FINANCEIROS PARA COLABORADORES E ...
 
Apresentação transfussional
Apresentação transfussionalApresentação transfussional
Apresentação transfussional
 
Embalagens
EmbalagensEmbalagens
Embalagens
 
Protocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgico
Protocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgicoProtocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgico
Protocolo de normotermia, um sinal vital para segurança do paciente cirúrgico
 
Pesquisa de aceitação do checklist
Pesquisa de aceitação do checklistPesquisa de aceitação do checklist
Pesquisa de aceitação do checklist
 
O papel da cme na segurança da videocirurgia
O papel da cme na segurança da videocirurgiaO papel da cme na segurança da videocirurgia
O papel da cme na segurança da videocirurgia
 
Explantes cirúrgicos
Explantes cirúrgicosExplantes cirúrgicos
Explantes cirúrgicos
 
Da limpeza à esterilização: validação dos processos, manutenção da segurança.
Da limpeza à esterilização: validação dos processos, manutenção da segurança.Da limpeza à esterilização: validação dos processos, manutenção da segurança.
Da limpeza à esterilização: validação dos processos, manutenção da segurança.
 

Implantação da cirurgia segura

  • 1. PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA Desafios e história da implantação Enfª Melina Schettini Coordendora do Centro Cirúrgico Hospital Vera Cruz
  • 2. Aliança Mundial Em 2005, a OMS lançou a Aliança Mundial para a Segurança do Paciente, com o objetivo de , favorecer as normas e práticas de segurança do paciente e o comprometimento político para uma melhor segurança na assistência a saúde e . “Soluções Simples para a Segurança do Paciente“.
  • 3. • 281 milhões de cirurgias no mundo/ ano; • 1 operação para cada 25 pessoas vivas; • A taxa de eventos adversos em pacientes internados é de 3% ano; • A mortalidade após cirurgias de grande porte é de 0,5%; • Pelo menos 1 milhão de pacientes morrem a cada ano durante ou após uma grande cirurgia; • 7 milhões de pacientes sofrem complicações cirúrgicas ao ano; • Pelo menos metade dos casos de eventos relacionados a cirurgia são evitáveis. DADOS CONSIDERADOS
  • 4. ...no Brasil Diante desse cenário, o Ministério da Saúde em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS/OMS)
  • 5. O que é segurança do paciente? “É a redução de atos não seguros no sistema de assistência à saúde, assim como a utilização das melhores práticas que conduzem a resultados ótimos para o paciente”. The Canadian Patient Safety Dictionary. Canadá, 2006
  • 6. Análise das causas dos eventos adversos:  65% comunicação  58% orientação, treinamento  36% avaliação inicial do paciente  20% disponibilidade da informação  18% diferenças entre níveis profissionais  15% ambiente físico  13% continuidade do cuidado  12% competências/credenciamento  12% conformidade com procedimentos  8% sistemas de alarmes  8% cultura organizacional Dados da Joint Commission on Accreditation of Healthcare Organizations - Janeiro 1995 à Dezembro 2007
  • 7. Dez princípios para alcançar a Cirurgia Segura 1. Operar o paciente certo e o local cirúrgico certo. 2. Estabelecer métodos conhecidos para impedir danos na administração de anestésicos. 3. Reconhecer e estar efetivamente preparado para a perda de via aérea. 4. Reconhecer e estar efetivamente preparado para o risco de grandes perdas sanguíneas. 5. Evitar a indução de reação adversa a drogas ou reação alérgica sabidamente de risco ao paciente. 6. Usar, de maneira sistemática, métodos conhecidos para minimizar o risco de infecção no sitio cirúrgico. 7. Garantir a total retirada de instrumentais, agulhas e compressas das feridas cirúrgicas. 8. Manter seguras e identificadas precisamente todas as amostras de tecidos de pacientes. 9. Comunicar efetivamente e trocar informações vitais para a condução segura da cirurgia. 10. Estabelecer vigilância de rotina através de indicadores em relação a capacidade, volume e resultados cirúrgicos. Parece óbvio mas não é!!!
  • 8. Check list Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS, desenvolvida para controlar o antes, durante e após a cirurgia, de forma a garantir comunicação eficaz entre as equipes e reduzir o risco à vida e ao bem estar dos pacientes cirúrgicos.
  • 9. Como funciona? – Etapas: Antes da indução anestésica - sign in Antes da incisão da pele - time out Antes do paciente sair da sala cirúrgica - sign out
  • 10. CIRURGIA SEGURA Estudo em hospitais participantes da campanha Cirurgia Segura Salva Vidas da OMS demonstrou que, (New England Journal of Medicine, January 29, 2009)
  • 11. HVC – etapas da cirurgia segura Acolhendo o paciente cirúrgico: Envolvimento do paciente desde a internação – folder explicatvo Participação na demarcação do sítio cirúrgico Aplicação do Check List
  • 12.
  • 13.
  • 14. Aplicação do Checklist Checklist para Centro Cirúrgico, Centro Obstétrico e C. Cirúrgico Ambulatorial Colocar os outros 2
  • 15. Assistência de Enfermagem do Paciente Cirúrgico Pré Pós - transporte Trans Preparo
  • 16. Histórico da cirurgia segura no HVC  Planejamento estratégico de 2011: diretriz estratégica  2012 Reuniões semanais para planejamento e adequações dos impressos do CC, da implantação da cirurgia segura;  Junho/2012: palestra para sensibilização dos médicos e colaboradores de enfermagem com a participação Dr. Edmundo Ferraz que foi um dos escritores do manual de cirurgia segura da OMS.  Treinamento de toda a equipe em todas as modalidades  Agosto/2012– Início do implantação CheckList no Centro Cirúrgico com apenas 3 especialidades e consolidação dos Indicadores de Segurança do Paciente cirúrgico.  2013 - Início do CheckList no Centro Obstétrico  2013 - Início do CheckList no C. Cirúrgico Ambulatorial  2013 Apresentação sobre a Implantação do CheckList no Congresso da SOBECC  2013 Pesquisa de Aceitação do CheckList
  • 17. Fechando 2013 com o CheckList da Cirurgia Segura aplicada no bloco cirúrgico integralmente - Dezembro de 2013, após instituir o CheckList no Bloco Cirúrgico, foi feita uma pesquisa de aceitação com os anestesistas, cirurgiões e colaboradores de enfermagem; divulgação dos resultados e indicadores de segurança. Dessa maneira ficou claro que o esforço valeu à pena...
  • 18. Desafios 2014 / 2015  Melhorias do processo com revisão dos impressos.  Consolidação dos Indicadores de Segurança do Paciente
  • 20. Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Média Indicador 0,17 0,55 0,16 0,00 0,00 nº suspensas 1,00 3,00 1,00 0,00 0,00 Total de Cirurgias 585 544 620 581 559 INDICADOR INSTITUCIONAL Indicador: Cirurgia Suspensa por motivo extra paciente (/100). FICHATÉCNICADO INDICADOR Definição: Relação entre o número cirurgias suspensas após o pacientes ter número de atendimento no hospital. Esse número dar-se-á pelos motivos relacionados à operação hospitalar, ou seja, motivos relacionados ao paciente não será analisado nesse indicador. Referencial comparativo: <1 Equação para cálculo: Número de cirurgias canceladas / total de cirurgias eletivas *100. Numerador: Dado extraído do Tasy CATE 1883 Denominador: Dado extraído do Tasy EisAte_R3 Responsável pelos dados: Centro Cirúrgico Frequência de levantamento: Mensal. Dimensão da coleta: Setorial Responsável pela avaliação do indicador: Centro Cirúrgico Análise Crítica Janeiro: Único caso de suspensão, demonstra praxe de hospital particular. Indica processos estabelecidos. Fevereiro: Segue analise dos dados pois ainda mantém abaixo do esperado. Verificaremos a possibilidade de recebermos o dado da cirurgia via tasy para analisar se é o mesmo médico e os porquês dos fatos. Março: Caso único, demonstra tendência de hospital particular. Estamos melhorando o relatório do Tasy para que à partir de abril tenhamos o nome e atendimento para abordagem pontual. Abril: não houve caso de suspensão de cirurgia por motivo extra paciente. Maio: não houve caso de suspensão de cirurgia por motivo extra paciente. Responsável pela análise mensal: Centro Cirúrgico Data Nome: Lia Jeronymo Romero 2015 Função: Gerente Bloco Cirúrgico jan/15 fev/15 mar/15 abr/15 mai/15 0,17 0,55 0,16 0,00 0,00 Painel de Segurança SuspensãoPor especialidade Produção Taxa Infecção
  • 21. Considerações Finais Envolvimento do paciente e da equipe; Processos e Registros Sistematizados; Adaptação do check list; Educação, prática e liderança; Planejamento adequado; Mudança de Cultura Organizacional; Comprometimento da Diretoria;
  • 22. “Pode parecer um estranho princípio enunciar como primeiro dever de um hospital não causar mal ao paciente” . Florence Nightingale, 1859 Obrigada!