SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
CIRURGIA
SEGURA
Universidade Federal de Roraima
Enfermagem
Dra. Carla Bastos
Enfermeira. PhD e Me. em Enfermagem
Psiquiátrica Pela EERP-USP
Docente da Universidade Federal de
Roraima -UFRR
♀ 37 anos, IMC 48, colecistite litiasica, dor + irritação peritonial – 4o dia. Laparo +
diverticulite perfurada do sigma + peritonite difusa + colostomia + 4 cirurgias (4
meses) + óbito - sepse
SEGURANÇA DO PACIENTE
•
- Proteger os pacientes contra lesão é um dos principais papeis da enfermagem no
período perioperatório;
- Desde a década de 90, iniciou-se um movimento mundial para a segurança do
paciente/doente. No brasil, em 2009, o ministério da saúde (MS), em parceria com
a organização pan-americana da saúde (OPAS), ligada à OMS, publicou o manual
“cirurgias seguras salvam vidas” – que visa à implantação e à garantia da assistência
segura e de boa qualidade (BRASIL, 2009; HINKLE; CHEEVER, 2016; SOBECC, 2017).
- Para que ocorra todo e qualquer procedimento anestésico-cirúrgico, é necessário
garantir esse monitoramento e a qualidade contínua da assistência. Por isso, o
trabalho em equipe é fundamental para melhorar a segurança da cirurgia e salvar
vidas (SOBECC, 2017).
CONCEITOS E DIRETRIZES DE CIRURGIA SEGURA
HISTÓRICO
- 2004 – A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou a aliança mundial para a segurança do paciente;
OBJETIVO:
Despertar a consciência e comprometimento profissional no desenvolvimento de boas práticas
assistenciais.
DESAFIOS:
O primeiro desafio global focou o controle de infecções relacionadas à assistência;
O segundo refere-se aos fundamentos e práticas da segurança cirúrgica.
RELEVÂNCIA DAS DIRETRIZES DE CIRURGIA
SEGURA
• Para cada 4 pacientes cirúrgicos, 1 apresenta algum tipo de complicação no pós-
operatório;
• Cerca de 50% dos eventos adversos em pacientes hospitalizados estão
relacionados com a assistência durante o período perioperatório;
• A taxa de mortalidade relatada após cirurgias é de 0,4 a 0,8% em países
desenvolvidos e de 5 a 10% em países em desenvolvimento.
VALE SABER!!
EVENTO ADVERSO: QUALQUER OCORRÊNCIA MÉDICA DESFAVORÁVEL, QUE PODE
OCORRER DURANTE O TRATAMENTO COM UM MEDICAMENTO, MAS QUE NÃO
POSSUI, NECESSARIAMENTE, RELAÇÃO CAUSAL COM ESSE TRATAMENTO
RELEVÂNCIA DAS
DIRETRIZES DE CIRURGIA
SEGURA
Aproximadamente 7 milhões de pacientes
que se submetem à cirurgias sofrem algum
tipo de complicação por ano;
1 milhão destes pacientes evoluem para óbito
durante ou após a cirurgia;
Metade das lesões eram evitáveis;
Síndrome de Fournier – Diabetes
descompensada
Cirurgia Segura
Dez Objetivos Essenciais
1 – A equipe operará paciente e local corretos
2 – A equipe impedirá danos na administração de anestésicos enquanto
protege o paciente da dor
3 – A equipe deve estar preparada para perda da via aérea ou da função
respiratória que ameaçam a vida do paciente
4 – A equipe deve estar preparada para grandes perdas de sangue
5 – A equipe evitará a indução de efeitos adversos e a reação alérgica a drogas
de risco para o paciente.
Cirurgia Segura
Dez Objetivos Essenciais
6 – A equipe utilizará procedimentos de evidência para evitar ISC
7 – A equipe impedirá a retenção de compressas e de instrumentos cirúrgicos
nos sítios operatórios
8 – A equipe identificará todas as peças cirúrgicos retiradas
9 – A equipe dialogará com o objetivo de realizar cirurgia de modo seguro
10 – Os Hospitais e os sistemas de saúde estabelecerão a vigilância sobre o
número e resultados do tratamento cirúrgico realizados.
OMS - 2008
Cirurgia Segura
Checklist reduz morbidade e mortalidade
 Estudo de 7.688 pacientes antes e depois da utilização do check-list
(Boston. Seattle, Toronto, Londres, Nova Delhi, Aukland, Aman,
Manilha, Tanzânia)
– Grandes complicações 11 para 7%
p < 0,001
– Mortalidade 1 para 0,8%
p = 0,03
New Engl J Med Jan 14 e 29, 2009
OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Cirurgia Segura: Conceitos e Diretrizes

Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data showCésar Müller
 
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manualSeguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manualIlanna Albuquerque
 
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manualSeguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manualHelena Vianna
 
Protocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia seguraProtocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia seguraSocorro Carneiro
 
Manual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidasManual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidasJlioAlmeida21
 
04 sobecc v19n1
04 sobecc v19n104 sobecc v19n1
04 sobecc v19n1doriene
 
Cirurgia da Obesidade Morbida
Cirurgia da Obesidade MorbidaCirurgia da Obesidade Morbida
Cirurgia da Obesidade MorbidaAdriana Rickli
 
roseartigo (1) (1).docx
roseartigo (1) (1).docxroseartigo (1) (1).docx
roseartigo (1) (1).docxcybercom1
 
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptxPROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptxAdrianoCosta696471
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do pacienteHIAGO SANTOS
 
Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...
Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...
Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...Alessandra Floriano Amaro
 
acreditação em centro cirúrgico
acreditação em centro cirúrgicoacreditação em centro cirúrgico
acreditação em centro cirúrgicojosi uchoa
 
Treinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do PacienteTreinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do PacienteMarco Lamim
 
segurancapaciente-210906120932.pdf
segurancapaciente-210906120932.pdfsegurancapaciente-210906120932.pdf
segurancapaciente-210906120932.pdfMarcioCruz62
 

Semelhante a Cirurgia Segura: Conceitos e Diretrizes (20)

Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
 
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manualSeguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
 
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manualSeguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
 
Cirurgias seguras salvam vidas
Cirurgias seguras salvam vidasCirurgias seguras salvam vidas
Cirurgias seguras salvam vidas
 
Cirurgia segura
Cirurgia seguraCirurgia segura
Cirurgia segura
 
Protocolo cirurgia-segura
Protocolo cirurgia-seguraProtocolo cirurgia-segura
Protocolo cirurgia-segura
 
Protocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia seguraProtocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia segura
 
Manual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidasManual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidas
 
04 sobecc v19n1
04 sobecc v19n104 sobecc v19n1
04 sobecc v19n1
 
Cirurgia da Obesidade Morbida
Cirurgia da Obesidade MorbidaCirurgia da Obesidade Morbida
Cirurgia da Obesidade Morbida
 
roseartigo (1) (1).docx
roseartigo (1) (1).docxroseartigo (1) (1).docx
roseartigo (1) (1).docx
 
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptxPROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
 
segurança do paciente
segurança do paciente segurança do paciente
segurança do paciente
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...
Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...
Acompanhamento da rotina de um centro cirúrgico há um protocolo de cirurgia s...
 
PACIENTE É O FOCO 2.pptx
PACIENTE É O FOCO 2.pptxPACIENTE É O FOCO 2.pptx
PACIENTE É O FOCO 2.pptx
 
Manual cirurgia segura
Manual cirurgia seguraManual cirurgia segura
Manual cirurgia segura
 
acreditação em centro cirúrgico
acreditação em centro cirúrgicoacreditação em centro cirúrgico
acreditação em centro cirúrgico
 
Treinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do PacienteTreinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do Paciente
 
segurancapaciente-210906120932.pdf
segurancapaciente-210906120932.pdfsegurancapaciente-210906120932.pdf
segurancapaciente-210906120932.pdf
 

Último

Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 

Último (20)

Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 

Cirurgia Segura: Conceitos e Diretrizes

  • 1. CIRURGIA SEGURA Universidade Federal de Roraima Enfermagem Dra. Carla Bastos Enfermeira. PhD e Me. em Enfermagem Psiquiátrica Pela EERP-USP Docente da Universidade Federal de Roraima -UFRR
  • 2. ♀ 37 anos, IMC 48, colecistite litiasica, dor + irritação peritonial – 4o dia. Laparo + diverticulite perfurada do sigma + peritonite difusa + colostomia + 4 cirurgias (4 meses) + óbito - sepse
  • 3. SEGURANÇA DO PACIENTE • - Proteger os pacientes contra lesão é um dos principais papeis da enfermagem no período perioperatório; - Desde a década de 90, iniciou-se um movimento mundial para a segurança do paciente/doente. No brasil, em 2009, o ministério da saúde (MS), em parceria com a organização pan-americana da saúde (OPAS), ligada à OMS, publicou o manual “cirurgias seguras salvam vidas” – que visa à implantação e à garantia da assistência segura e de boa qualidade (BRASIL, 2009; HINKLE; CHEEVER, 2016; SOBECC, 2017). - Para que ocorra todo e qualquer procedimento anestésico-cirúrgico, é necessário garantir esse monitoramento e a qualidade contínua da assistência. Por isso, o trabalho em equipe é fundamental para melhorar a segurança da cirurgia e salvar vidas (SOBECC, 2017).
  • 4. CONCEITOS E DIRETRIZES DE CIRURGIA SEGURA HISTÓRICO - 2004 – A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou a aliança mundial para a segurança do paciente; OBJETIVO: Despertar a consciência e comprometimento profissional no desenvolvimento de boas práticas assistenciais. DESAFIOS: O primeiro desafio global focou o controle de infecções relacionadas à assistência; O segundo refere-se aos fundamentos e práticas da segurança cirúrgica.
  • 5. RELEVÂNCIA DAS DIRETRIZES DE CIRURGIA SEGURA • Para cada 4 pacientes cirúrgicos, 1 apresenta algum tipo de complicação no pós- operatório; • Cerca de 50% dos eventos adversos em pacientes hospitalizados estão relacionados com a assistência durante o período perioperatório; • A taxa de mortalidade relatada após cirurgias é de 0,4 a 0,8% em países desenvolvidos e de 5 a 10% em países em desenvolvimento. VALE SABER!! EVENTO ADVERSO: QUALQUER OCORRÊNCIA MÉDICA DESFAVORÁVEL, QUE PODE OCORRER DURANTE O TRATAMENTO COM UM MEDICAMENTO, MAS QUE NÃO POSSUI, NECESSARIAMENTE, RELAÇÃO CAUSAL COM ESSE TRATAMENTO
  • 6. RELEVÂNCIA DAS DIRETRIZES DE CIRURGIA SEGURA Aproximadamente 7 milhões de pacientes que se submetem à cirurgias sofrem algum tipo de complicação por ano; 1 milhão destes pacientes evoluem para óbito durante ou após a cirurgia; Metade das lesões eram evitáveis;
  • 7.
  • 8. Síndrome de Fournier – Diabetes descompensada
  • 9. Cirurgia Segura Dez Objetivos Essenciais 1 – A equipe operará paciente e local corretos 2 – A equipe impedirá danos na administração de anestésicos enquanto protege o paciente da dor 3 – A equipe deve estar preparada para perda da via aérea ou da função respiratória que ameaçam a vida do paciente 4 – A equipe deve estar preparada para grandes perdas de sangue 5 – A equipe evitará a indução de efeitos adversos e a reação alérgica a drogas de risco para o paciente.
  • 10. Cirurgia Segura Dez Objetivos Essenciais 6 – A equipe utilizará procedimentos de evidência para evitar ISC 7 – A equipe impedirá a retenção de compressas e de instrumentos cirúrgicos nos sítios operatórios 8 – A equipe identificará todas as peças cirúrgicos retiradas 9 – A equipe dialogará com o objetivo de realizar cirurgia de modo seguro 10 – Os Hospitais e os sistemas de saúde estabelecerão a vigilância sobre o número e resultados do tratamento cirúrgico realizados. OMS - 2008
  • 11.
  • 12. Cirurgia Segura Checklist reduz morbidade e mortalidade  Estudo de 7.688 pacientes antes e depois da utilização do check-list (Boston. Seattle, Toronto, Londres, Nova Delhi, Aukland, Aman, Manilha, Tanzânia) – Grandes complicações 11 para 7% p < 0,001 – Mortalidade 1 para 0,8% p = 0,03 New Engl J Med Jan 14 e 29, 2009
  • 13.