SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Doação de Órgãos 
• O que é? 
A doação de órgãos ou de tecidos é um ato pelo qual doamos uma ou mais partes do 
nosso corpo para ajudar no tratamento de outras pessoas. 
A doação pode ser de órgãos: rim, fígado, coração, pâncreas e pulmão 
ou de tecidos: córnea, pele, ossos, válvulas cardíacas, cartilagem, medula óssea e 
sangue de cordão umbilical. 
• A doação de órgãos como o rim, parte do fígado e da medula óssea pode ser 
feita em vida. 
• Como podemos definir um doador de órgãos? 
Quando um transplante é bem sucedido, uma vida é salva e com ele resgata-se 
também a saúde física e psicológica de toda uma família envolvida com o paciente 
transplantado, portanto, ser doador de órgãos é praticar um ato de amor e 
solidariedade.
Como ser Doador de Órgãos após a morte? 
Para ser doador não é necessário deixar nada por escrito, mas é 
fundamental comunicar à sua família o desejo de ser um doador, pois, é 
sempre ela, a família, que se aplica na realização deste último desejo, 
que só se concretiza após a autorização da mesma, portanto, mesmo que 
você deixe documentado a vontade, a família ainda poderá barrar 
judicialmente e acabar com as esperanças de muita gente.
Procedimentos com o potencial Doador 
Cadáver: 
Considera-se como potencial Doador todo paciente em morte encefálica. No 
Brasil, esse diagnóstico é definido pela Resolução do CFM nº 1480/97, devendo 
o mesmo ser registrado em prontuário, Termo de Declaração de Morte 
Encefálica, descrevendo os elementos do exame neurológico que demonstram 
ausência dos reflexos do tronco cerebral, bem como o relatório de um exame 
complementar para constatação do diagnóstico de Morte Encefálica.
A avaliação do potencial doador deve considerar a 
inexistência 
de contra-indicações clínicas e laborais à doação. Dessa 
forma, 
não devem ser considerados • Portadores de enfermidades infecto-contagiosas ctroamnsmo idssoívaedis oproer sm:eio de transplante; 
Ex: Soros + para HIV, doença de Chagas, Hepatite B e C, etc. 
• Pacientes portadores de insuficiência orgânica que comprometa o funcionamento dos 
órgãos e tecidos que possam ser doados; 
Ex: Insuficiência Renal, hepática, cardíaca, pulmonar, pancreática e medular. 
• Portadores de Neoplasias malignas, excetuando-se tumor restrito 
ao SNC, Carcinoma basocelular e Carcinoma de Cérvix uterino in situ; 
• Pacientes em sepse ou em insuficiência de Múltiplos órgãos e 
Sistemas (IMOS); e 
• Doenças degenerativas crônicas e com caráter de transmissibilidade
Também é necessário a certificação de: 
1 - O paciente tenha identificação e registro hospitalar; 
2 - A causa do coma seja conhecida e estabelecida; 
3 - O paciente não esteja hipotérmico (temperatura <35ºC); 
4 - O paciente não esteja usando drogas depressoras do Sistema Nervoso Central; 
5 - O paciente não esteja em hipotensão arterial.
Após essas certificações, o paciente deve ser submetido a dois exames 
neurológicos que avaliem a integridade do Tronco Cerebral. 
Estes exames são realizados por dois médicos não participantes das equipes 
de captação e transplantes. 
O intervalo de tempo entre um exame e outro é definido em relação a 
idade do paciente (Resolução CFM 1480/97)
Após o segundo exame clínico, 
é realizado um exame complementar 
que demonstre: 
Ausência de perfusão sanguínea cerebral; 
ou 
Ausência de atividade elétrica cerebral; 
ou 
Ausência de atividade metabólica cerebral.
Procedimento após o diagnóstico 
de Morte Encefálica: 
Após esse diagnóstico deve-se, de imediato, notificar a Central de Notificação, 
Captação e Distribuição de Órgãos (CNCDOs) dentro do Estado, informando o 
nome, idade, causa da morte e o Hospital onde o paciente se encontra. Essa 
notificação é compulsória e independe do desejo familiar de doação ou da 
condição clínica do Potencial doador em converter-se em doador efetivo. 
IMPORTANTE: 
• O óbito deve ser constatado no momento do diagnóstico de morte encefálica, com 
registro da data e horário do mesmo; 
• Pacientes vítimas de morte violenta são obrigatoriamente autopsiados. Após a retirada 
dos órgãos, o atestado de óbito é fornecido por médicos legistas; 
• Pacientes com morte natural (AVC ou TC) recebem o atestado no hospital.
Principais causas de morte Encefálica: 
• Traumatismo Crânio Encefálico; 
• Acidente Vascular Encefálico (hemorrágico ou isquêmico); 
• Encefalopatia Anóxica e Tumor Cerebral Primário.
Consentimento Familiar 
Após o diagnóstico de morte encefálica, a família deve ser consultada e orientada 
sobre o processo de doação de órgãos. 
Essa entrevista deve ser clara e objetiva, informando «que a pessoa está morta e 
que, nesta situação, os órgãos podem ser doados para transplante». 
Esta conversa normalmente é feita pela equipe de captação de órgãos.
Nº de Transplantes de Órgãos Sólidos e Tecidos
Número Absoluto de transplantes (anual)
Notificações de potenciais doadores efetivos e 
doadores cujos órgãos foram transplantados por 
Estado, entre janeiro a setembro de 2014.
Causas da não concretização da doação de órgãos
Pacientes ativos em Lista de Espera 
Dados por centro transplantador - Setembro 2014
Perfil etário, gênero, causa do óbito e grupo 
sanguíneo dos doadores nos Estados Brasileiros
Pacientes ativos em Lista de Espera Set/2014
Tempos para retirada de órgãos
Informações sobre doação de órgãos e 
tecidos: 
Disque Saúde: 0800 61 1997 
Central Nacional de Transplantes: 0800 6646 445 
ABTO: (11) 3283-1753 / 3262-3353 
Sistema Nacional de Transplantes (SNT) 
Heder Murari Borba 
Fone: (61) 3315-9212 e-mail: snt@Saúde.gov.br 
Central Nacional de Transplantes (CNT) 
Evelyn Heinzen 
Fone(61) 3345-8465 / 3363-1314 
e-mail: cnncdo@Saúde.gov.br 
Central de Transplantes do Pará 
Dra. Ana Cristina Simões Beltrão 
Fone/Fax: (91) 4006-4284 
E-Mail: cncdo.transplantes@gmail.com
Outras Informações: 
O trabalho de implantes e todo o aparato que o envolve cresceu sobremaneira 
devido aos bons incentivos dados pela iniciativa privada, onde, boa parte da 
premiação, consistia de bolsas de estudos e viagens ao exterior, além de bom 
patrocínio financeiro às pesquisas. Hoje, essa prática caiu muito e, com isso, 
esfriou-se a corrida de boa parte de profissionais interessados no assunto. 
Os laboratórios e institutos que muito contribuíram para essas pesquisas: 
Genzyme - Janssen Cilag – Novartis (o principal) 
Declaração de Istambul 
sobre Tráfico de Órgãos e Turismo de Transplantação 
No intuito de colocar limites, coibir o tráfico de órgãos e a falta de ética 
profissional, e, ainda, um maior sacrifício da população carente e de poucos 
recursos que seriam penalizadas pelo turismo de transplantação e venda de órgãos, 
que Membros de diversas Entidades reuniram-se para discutir o tema e disto 
resultou o ‘Declaração de Istambul’, documento este -com forte base na 
‘Declaração Universal dos direitos do Homem’- que rege todos os países que 
trabalham com transplantação de órgãos e tecidos. Ocasionando com isso, um maior 
conforto tanto a doadores como a transplantados.
CURSO GERÊNCIA EM SAÚDE 
CEBETEC 2014/2 – TURMA ‘C’ 
Trabalho feito por: 
Clodomir Araújo
REFERÊNCIAS 
• Associação Brasileira de Transplante de Órgãos - 
www.abto.org.br 
• Jornal Brasileiro de Transplantes,Vol. 15, 
Nº 1, jan/mar 2012 - última até o momento 
publicada.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemYasmin Casini
 
Aula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_examesAula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_examesMarci Oliveira
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)resenfe2013
 
Aula sobre Transplantes de órgãos e tecidos EPD 280913
Aula sobre Transplantes de órgãos e tecidos EPD 280913Aula sobre Transplantes de órgãos e tecidos EPD 280913
Aula sobre Transplantes de órgãos e tecidos EPD 280913Rosalia Ometto
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Aline Bandeira
 
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemPaciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemBruna Guimarães
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Aline Bandeira
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Aline Bandeira
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaMario Gandra
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfThiagoCunha93
 

Mais procurados (20)

Doação de Órgãos
Doação de ÓrgãosDoação de Órgãos
Doação de Órgãos
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
 
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEMBIOÉTICA EM ENFERMAGEM
BIOÉTICA EM ENFERMAGEM
 
Aula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_examesAula 2 __posicoes_para_exames
Aula 2 __posicoes_para_exames
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
Aula sobre Transplantes de órgãos e tecidos EPD 280913
Aula sobre Transplantes de órgãos e tecidos EPD 280913Aula sobre Transplantes de órgãos e tecidos EPD 280913
Aula sobre Transplantes de órgãos e tecidos EPD 280913
 
Introducao a-saude-publica-1
Introducao a-saude-publica-1Introducao a-saude-publica-1
Introducao a-saude-publica-1
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemPaciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
 
Transplante de orgaos
Transplante de orgaosTransplante de orgaos
Transplante de orgaos
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 
1 aula enfermagem em oncologia
1 aula enfermagem em oncologia1 aula enfermagem em oncologia
1 aula enfermagem em oncologia
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
RCP
RCPRCP
RCP
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
 
Hemotransfusao
HemotransfusaoHemotransfusao
Hemotransfusao
 

Semelhante a Apresentação doação de órgãos

Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01Rogerio Novais
 
Aula Sobre Tx Abto
Aula Sobre Tx AbtoAula Sobre Tx Abto
Aula Sobre Tx Abtoguest90b4b7
 
DOAÇÃO DE ÓRGÃO.pptx
DOAÇÃO DE ÓRGÃO.pptxDOAÇÃO DE ÓRGÃO.pptx
DOAÇÃO DE ÓRGÃO.pptxMIRIAN FARIA
 
doação de órgãos
doação de órgãosdoação de órgãos
doação de órgãossabrinabc1
 
Aula sobre doa+ç+âo de +ôrg+âos
Aula sobre doa+ç+âo de +ôrg+âosAula sobre doa+ç+âo de +ôrg+âos
Aula sobre doa+ç+âo de +ôrg+âosPrLinaldo Oliveira
 
Transplantes de +ôrg+âos
Transplantes de +ôrg+âosTransplantes de +ôrg+âos
Transplantes de +ôrg+âosPrLinaldo Junior
 
Apresentacao de ciencias (Transfusão Sanguínea e Transplante de Órgãos)
Apresentacao de ciencias (Transfusão Sanguínea e Transplante de Órgãos)Apresentacao de ciencias (Transfusão Sanguínea e Transplante de Órgãos)
Apresentacao de ciencias (Transfusão Sanguínea e Transplante de Órgãos)MurilloMelo3
 
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01Sirlene Cláudio
 
2011 aguardando o transplante de fígado orientações para o paciente - hospit...
2011 aguardando o transplante de fígado  orientações para o paciente - hospit...2011 aguardando o transplante de fígado  orientações para o paciente - hospit...
2011 aguardando o transplante de fígado orientações para o paciente - hospit...Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Projeto medula óssea institui a semana municipal de incentivo à doação de m...
Projeto medula óssea   institui a semana municipal de incentivo à doação de m...Projeto medula óssea   institui a semana municipal de incentivo à doação de m...
Projeto medula óssea institui a semana municipal de incentivo à doação de m...LitaEvangelista
 
doacao_da_medula.ppt
doacao_da_medula.pptdoacao_da_medula.ppt
doacao_da_medula.pptSilvioMattos3
 
Aula_04 Transplantes de órgãos e tecidos (1).ppt
Aula_04 Transplantes de órgãos e tecidos  (1).pptAula_04 Transplantes de órgãos e tecidos  (1).ppt
Aula_04 Transplantes de órgãos e tecidos (1).pptCamila528767
 
Doação de Órgãos Fígado Ética e Deontologia para Fisioterapia
Doação de Órgãos Fígado   Ética e Deontologia para Fisioterapia Doação de Órgãos Fígado   Ética e Deontologia para Fisioterapia
Doação de Órgãos Fígado Ética e Deontologia para Fisioterapia Universidade Norte do Paraná
 
Palestra Para Padres Arquidiocese Londrina 2008
Palestra Para Padres Arquidiocese Londrina 2008Palestra Para Padres Arquidiocese Londrina 2008
Palestra Para Padres Arquidiocese Londrina 2008hilemorfismo
 

Semelhante a Apresentação doação de órgãos (20)

Doação De órgãospp
Doação De órgãosppDoação De órgãospp
Doação De órgãospp
 
DoaçãO+De..
DoaçãO+De..DoaçãO+De..
DoaçãO+De..
 
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
 
Aula Sobre Tx Abto
Aula Sobre Tx AbtoAula Sobre Tx Abto
Aula Sobre Tx Abto
 
DOAÇÃO DE ÓRGÃO.pptx
DOAÇÃO DE ÓRGÃO.pptxDOAÇÃO DE ÓRGÃO.pptx
DOAÇÃO DE ÓRGÃO.pptx
 
doação de órgãos
doação de órgãosdoação de órgãos
doação de órgãos
 
Aula sobre doa+ç+âo de +ôrg+âos
Aula sobre doa+ç+âo de +ôrg+âosAula sobre doa+ç+âo de +ôrg+âos
Aula sobre doa+ç+âo de +ôrg+âos
 
Transplantes de +ôrg+âos
Transplantes de +ôrg+âosTransplantes de +ôrg+âos
Transplantes de +ôrg+âos
 
Apresentacao de ciencias (Transfusão Sanguínea e Transplante de Órgãos)
Apresentacao de ciencias (Transfusão Sanguínea e Transplante de Órgãos)Apresentacao de ciencias (Transfusão Sanguínea e Transplante de Órgãos)
Apresentacao de ciencias (Transfusão Sanguínea e Transplante de Órgãos)
 
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
Trabalhodeetica apresentao-110728134806-phpapp01
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 
2011 aguardando o transplante de fígado orientações para o paciente - hospit...
2011 aguardando o transplante de fígado  orientações para o paciente - hospit...2011 aguardando o transplante de fígado  orientações para o paciente - hospit...
2011 aguardando o transplante de fígado orientações para o paciente - hospit...
 
Doação intervivos
Doação intervivosDoação intervivos
Doação intervivos
 
Projeto medula óssea institui a semana municipal de incentivo à doação de m...
Projeto medula óssea   institui a semana municipal de incentivo à doação de m...Projeto medula óssea   institui a semana municipal de incentivo à doação de m...
Projeto medula óssea institui a semana municipal de incentivo à doação de m...
 
doacao_da_medula.ppt
doacao_da_medula.pptdoacao_da_medula.ppt
doacao_da_medula.ppt
 
Aula_04 Transplantes de órgãos e tecidos (1).ppt
Aula_04 Transplantes de órgãos e tecidos  (1).pptAula_04 Transplantes de órgãos e tecidos  (1).ppt
Aula_04 Transplantes de órgãos e tecidos (1).ppt
 
Doação de Órgãos Fígado Ética e Deontologia para Fisioterapia
Doação de Órgãos Fígado   Ética e Deontologia para Fisioterapia Doação de Órgãos Fígado   Ética e Deontologia para Fisioterapia
Doação de Órgãos Fígado Ética e Deontologia para Fisioterapia
 
Me
MeMe
Me
 
Palestra Para Padres Arquidiocese Londrina 2008
Palestra Para Padres Arquidiocese Londrina 2008Palestra Para Padres Arquidiocese Londrina 2008
Palestra Para Padres Arquidiocese Londrina 2008
 

Apresentação doação de órgãos

  • 1.
  • 2. Doação de Órgãos • O que é? A doação de órgãos ou de tecidos é um ato pelo qual doamos uma ou mais partes do nosso corpo para ajudar no tratamento de outras pessoas. A doação pode ser de órgãos: rim, fígado, coração, pâncreas e pulmão ou de tecidos: córnea, pele, ossos, válvulas cardíacas, cartilagem, medula óssea e sangue de cordão umbilical. • A doação de órgãos como o rim, parte do fígado e da medula óssea pode ser feita em vida. • Como podemos definir um doador de órgãos? Quando um transplante é bem sucedido, uma vida é salva e com ele resgata-se também a saúde física e psicológica de toda uma família envolvida com o paciente transplantado, portanto, ser doador de órgãos é praticar um ato de amor e solidariedade.
  • 3. Como ser Doador de Órgãos após a morte? Para ser doador não é necessário deixar nada por escrito, mas é fundamental comunicar à sua família o desejo de ser um doador, pois, é sempre ela, a família, que se aplica na realização deste último desejo, que só se concretiza após a autorização da mesma, portanto, mesmo que você deixe documentado a vontade, a família ainda poderá barrar judicialmente e acabar com as esperanças de muita gente.
  • 4. Procedimentos com o potencial Doador Cadáver: Considera-se como potencial Doador todo paciente em morte encefálica. No Brasil, esse diagnóstico é definido pela Resolução do CFM nº 1480/97, devendo o mesmo ser registrado em prontuário, Termo de Declaração de Morte Encefálica, descrevendo os elementos do exame neurológico que demonstram ausência dos reflexos do tronco cerebral, bem como o relatório de um exame complementar para constatação do diagnóstico de Morte Encefálica.
  • 5. A avaliação do potencial doador deve considerar a inexistência de contra-indicações clínicas e laborais à doação. Dessa forma, não devem ser considerados • Portadores de enfermidades infecto-contagiosas ctroamnsmo idssoívaedis oproer sm:eio de transplante; Ex: Soros + para HIV, doença de Chagas, Hepatite B e C, etc. • Pacientes portadores de insuficiência orgânica que comprometa o funcionamento dos órgãos e tecidos que possam ser doados; Ex: Insuficiência Renal, hepática, cardíaca, pulmonar, pancreática e medular. • Portadores de Neoplasias malignas, excetuando-se tumor restrito ao SNC, Carcinoma basocelular e Carcinoma de Cérvix uterino in situ; • Pacientes em sepse ou em insuficiência de Múltiplos órgãos e Sistemas (IMOS); e • Doenças degenerativas crônicas e com caráter de transmissibilidade
  • 6. Também é necessário a certificação de: 1 - O paciente tenha identificação e registro hospitalar; 2 - A causa do coma seja conhecida e estabelecida; 3 - O paciente não esteja hipotérmico (temperatura <35ºC); 4 - O paciente não esteja usando drogas depressoras do Sistema Nervoso Central; 5 - O paciente não esteja em hipotensão arterial.
  • 7. Após essas certificações, o paciente deve ser submetido a dois exames neurológicos que avaliem a integridade do Tronco Cerebral. Estes exames são realizados por dois médicos não participantes das equipes de captação e transplantes. O intervalo de tempo entre um exame e outro é definido em relação a idade do paciente (Resolução CFM 1480/97)
  • 8. Após o segundo exame clínico, é realizado um exame complementar que demonstre: Ausência de perfusão sanguínea cerebral; ou Ausência de atividade elétrica cerebral; ou Ausência de atividade metabólica cerebral.
  • 9. Procedimento após o diagnóstico de Morte Encefálica: Após esse diagnóstico deve-se, de imediato, notificar a Central de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos (CNCDOs) dentro do Estado, informando o nome, idade, causa da morte e o Hospital onde o paciente se encontra. Essa notificação é compulsória e independe do desejo familiar de doação ou da condição clínica do Potencial doador em converter-se em doador efetivo. IMPORTANTE: • O óbito deve ser constatado no momento do diagnóstico de morte encefálica, com registro da data e horário do mesmo; • Pacientes vítimas de morte violenta são obrigatoriamente autopsiados. Após a retirada dos órgãos, o atestado de óbito é fornecido por médicos legistas; • Pacientes com morte natural (AVC ou TC) recebem o atestado no hospital.
  • 10. Principais causas de morte Encefálica: • Traumatismo Crânio Encefálico; • Acidente Vascular Encefálico (hemorrágico ou isquêmico); • Encefalopatia Anóxica e Tumor Cerebral Primário.
  • 11. Consentimento Familiar Após o diagnóstico de morte encefálica, a família deve ser consultada e orientada sobre o processo de doação de órgãos. Essa entrevista deve ser clara e objetiva, informando «que a pessoa está morta e que, nesta situação, os órgãos podem ser doados para transplante». Esta conversa normalmente é feita pela equipe de captação de órgãos.
  • 12. Nº de Transplantes de Órgãos Sólidos e Tecidos
  • 13. Número Absoluto de transplantes (anual)
  • 14. Notificações de potenciais doadores efetivos e doadores cujos órgãos foram transplantados por Estado, entre janeiro a setembro de 2014.
  • 15.
  • 16. Causas da não concretização da doação de órgãos
  • 17. Pacientes ativos em Lista de Espera Dados por centro transplantador - Setembro 2014
  • 18. Perfil etário, gênero, causa do óbito e grupo sanguíneo dos doadores nos Estados Brasileiros
  • 19. Pacientes ativos em Lista de Espera Set/2014
  • 20. Tempos para retirada de órgãos
  • 21. Informações sobre doação de órgãos e tecidos: Disque Saúde: 0800 61 1997 Central Nacional de Transplantes: 0800 6646 445 ABTO: (11) 3283-1753 / 3262-3353 Sistema Nacional de Transplantes (SNT) Heder Murari Borba Fone: (61) 3315-9212 e-mail: snt@Saúde.gov.br Central Nacional de Transplantes (CNT) Evelyn Heinzen Fone(61) 3345-8465 / 3363-1314 e-mail: cnncdo@Saúde.gov.br Central de Transplantes do Pará Dra. Ana Cristina Simões Beltrão Fone/Fax: (91) 4006-4284 E-Mail: cncdo.transplantes@gmail.com
  • 22. Outras Informações: O trabalho de implantes e todo o aparato que o envolve cresceu sobremaneira devido aos bons incentivos dados pela iniciativa privada, onde, boa parte da premiação, consistia de bolsas de estudos e viagens ao exterior, além de bom patrocínio financeiro às pesquisas. Hoje, essa prática caiu muito e, com isso, esfriou-se a corrida de boa parte de profissionais interessados no assunto. Os laboratórios e institutos que muito contribuíram para essas pesquisas: Genzyme - Janssen Cilag – Novartis (o principal) Declaração de Istambul sobre Tráfico de Órgãos e Turismo de Transplantação No intuito de colocar limites, coibir o tráfico de órgãos e a falta de ética profissional, e, ainda, um maior sacrifício da população carente e de poucos recursos que seriam penalizadas pelo turismo de transplantação e venda de órgãos, que Membros de diversas Entidades reuniram-se para discutir o tema e disto resultou o ‘Declaração de Istambul’, documento este -com forte base na ‘Declaração Universal dos direitos do Homem’- que rege todos os países que trabalham com transplantação de órgãos e tecidos. Ocasionando com isso, um maior conforto tanto a doadores como a transplantados.
  • 23. CURSO GERÊNCIA EM SAÚDE CEBETEC 2014/2 – TURMA ‘C’ Trabalho feito por: Clodomir Araújo
  • 24. REFERÊNCIAS • Associação Brasileira de Transplante de Órgãos - www.abto.org.br • Jornal Brasileiro de Transplantes,Vol. 15, Nº 1, jan/mar 2012 - última até o momento publicada.