Geografia da
Europa
Programa de Estudos 2015/2016
Dalian University of Foreign Languages
Carlos Medeiros
GEOGRAFIA
DA EUROPA
Teatro (Do grego théatron, «lugar donde se
vê um espetáculo», pelo latim teatru-,
«teatro»)
1. lugar o...
ARISTÓFANES
Lisístrata, 411 A.C
GRÉCIA
2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 3
TEATRO
SÓFOCLES
Édipo Rei, 427 A.C.
GRÉCIA
TEATRO
2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 4
GIL VICENTE
Auto da Barca do Inferno, 1517
PORTUGAL
2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 5
TEATRO
WILLIAM SHAKESPEARE
Romeu e Julieta, 1595
Hamlet, 1599-1601
INGLATERRA
2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 6
TEATRO
FRANÇOIS RABELAIS
Gargantua and Pantagruel,
Século XVI
FRANÇA
TEATRO
2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 7
MOLIÈRE
O avarento (L'Avare ou l'École
du mensonge), 1668
FRANÇA
2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 8
TEATRO
HENRIK IBSEN
Peer Gynt, 1867
NORUEGA
TEATRO
2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 9
ANTON TCHEKOV
As Três Irmãs, 1900
RÚSSIA
2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 10
TEATRO
BERTOLT BRECHT
A Ópera dos três vinténs,
1928
ALEMANHA
2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 11
TEATRO
JEAN COCTEAU
A Voz Humana, 1930
FRANÇA
2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 12
TEATRO
FEDERICO GARCÍA LORCA
A Casa de Bernarda Alba,
1936
ESPANHA
2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 13
TEATRO
SAMUEL BECKETT
Esperando Godot, 1953
Nobel de Literatura, 1969
IRLANDA
2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 14
TEATRO
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Geografia da Europa 2015-2016 - Artes - Teatro

168 visualizações

Publicada em

Conjunto de dispositivos utilizados para o acompanhamento pedagógico da Unidade Curricular «Geografia da Europa» integrada no Programa de Estudos 2015/2016 da Dalian University of Foreign Languages com a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
168
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Lisístrata é o nome de uma comédia antiguerra escrita por Aristófanes em 411 a.C..
    Na época em que foi escrita, Atenas atravessava um período difícil de sua história. Abandonados por seus aliados, os atenienses tinham ao redor das muralhas de suas cidades as tropas de Esparta. Essa luta fratricida enfraquecia a Grécia, pondo-a à mercê dos Persas. A peça de Aristófanes, faz uma crítica severa a essa guerra, envolvendo as mulheres das cidades gregas na Guerra do Peloponeso, lideradas pela ateniense Lisístrata, que decidem instituir uma greve de sexo até que seus maridos parem a luta e estabeleçam a paz. No final, graças às mulheres, as duas cidades celebram a paz.
  • Ibsen escreveu Peer Gynt em 1876 e nunca pretendeu que o seu poema fosse encenado. O autor encarava o seu texto como uma fantasia poética para ser lida. No entanto Peer Gynt depressa passou a ser considerada uma obra-prima da literatura escandinava, e em 1876 o próprio Ibsen adaptou o seu poema para o palco. Uma das razões para a popularidade desta peça devia-se ao facto de o autor se basear nalguns contos fantásticos noruegueses, nomeadamente de Peter Asbjornsen. Mas Ibsen estava também a utilizar algumas das novas ideias populares, nomeadamente as novas tendências de regresso à Natureza e à simplicidade.

    Enquanto texto dramático, Peer Gynt consiste quase inteiramente numa forma de veicular as aventuras de Peer, uma personagem que foge aos compromissos e que é completamente egoísta, sendo pouco sensível aos sacrifícios que os outros são obrigados a fazer para se moldar a si. O uso que Ibsen faz da sátira e do seu protagonista completamente voltado sobre si mesmo sugere implicações sociais com a sociedade da sua época, que o autor nunca deixou de questionar.

    Peer Gynt, filho único da pobre viúva Aase, era conhecido na sua aldeia como um contador de histórias. A lenda diz que costumava caçar veados nos cumes mais perigosos da montanha, juntamente com demónios, Trolls, e outras figuras mágicas que conhecia das histórias que contava — e que um dia anunciou que seria famoso. Rapta uma noiva rica de um casamento da aldeia, viola-a, abandona- a, e acaba por ser expulso para a floresta. Só a sua mãe e a jovem Solveig, que está apaixonada por ele, se lhe mantêm fiéis. Após a morte da mãe Peer abandona o país, acabando por se tornar rico e famoso graças aos negócios que desenvolve nos EUA. Numa zona litoral do Norte de África debate-se com ladrões, macacos e doentes psiquiátricos, finge ser profeta, sonha com um projecto de irrigação do deserto e resolve sem a ajuda de ninguém o enigma da Esfinge...

    Henrik Ibsen (1828-1906) é considerado um dos principais nomes da dramaturgia mundial, tendo vivido a maior parte da sua vida entre a Itália e a Alemanha. Peer Gynt e Brand, em verso, foram as peças que o consagraram. Em 1877 escreve, em prosa, cinco peças que abordam os temas da sociedade moderna, e que constituem um legado fundamental para a dramaturgia moderna: Os pilares da sociedade, Casa de bonecas, Fantasmas, Um inimigo do povo e O pato selvagem.
  • Três irmãs, Olga, Irina e Macha, vivem durante muitos anos na província, em companhia de seu irmão Andrei. Olga, solteira que vê os anos passarem e a oportunidade de casar; Macha, esposa de um ex-professor, aos poucos percebe a mediocridade do marido; e Irina, mais nova, que é a única que ainda acredita no futuro.
    Ambas idealizam Moscou como a sua única salvação, o lugar onde haviam passado uma infância feliz, e anseiam voltar para lá; porém, com o passar do tempo, o projeto é sempre adiado, devido à vida provinciana que levam.
    O comandante Verchinin e seu destacamento chegam à província, iniciando um interesse por Macha, enquanto dois de seus oficiais fazem a corte a Irina. Enquanto se desenrolam os problemas das três irmãs, Natália, esposa de Andrei, passa a dominar a casa.
    O destacamento se retira da cidade, levando a esperança de Macha e de Irina, cujo pretendente morre num duelo, enquanto Olga se conforma, aceitando o cargo de diretora da escola. As três abdicam, assim, de seus sonhos de mudança.
  • Em 1927, o autor dramático, poeta lírico e narrador alemão Bertolt Brecht propôs a Kurt Weill escrever a música para o libreto de Die Dreigroschenoper (A ópera dos três vinténs). Brecht baseou-se numa tradução de Elisabeth Hauptmann, da Beggar's opera (Ópera do mendigo), na qual, em 1728, John Gay havia feito um retrato satírico da classe dominante inglesa.
    Inspirados nos gêneros opereta e comédia musical, Brecht e o até então desconhecido Weill contaram a história de Mackie Messer e seu amor por Polly, a filha do inimigo J.J. Peachum,. Este, mais conhecido por Rei dos Mendigos, vestia sua gangue como deficientes ou mendigos e os mandava pedir esmolas. Mackie, por seu lado, defendia uma linha mais dura, explorando assaltos e prostituição.
    Sucesso até 1933
    Nem libreto, nem música estavam prontos na véspera da estreia, de forma que todos apostavam no seu fracasso. O nome da obra foi decidido poucos minutos antes de se abrir a cortina. O texto definitivo só ficou pronto em 1931. Apesar disso, o sucesso foi estrondoso, tanto na Alemanha como no exterior – até 1933, quando os nazistas tiraram a peça de cartaz.
    Em pouco tempo, números como a Balada da boa vida, que Mackie canta na prisão, ou a Canção da dependência sexual, da senhorita Peachum, adquiriram caráter popular. Além disso, Brecht conseguiu mexer com o público, levando-o a refletir.
    No final do segundo ato, por exemplo, o elenco discute a condição humana: "Num mundo como este, o homem, para sobreviver, tem de suprimir a sua humanidade e explorar o seu semelhante".
    Brecht criticava as disparidades sociais da sua época: "Quero fazer um teatro com funções sociais bem definidas. O palco deve refletir a vida real. O público deve ser confrontado com o que se passa lá fora para refletir como administrar melhor sua vida", dizia o autor.
  • Em A casa de Bernarda Alba, seu único texto de teatro escrito em prosa, Lorca recorre ao simbolismo para realizar uma nova investida no teatro. Bernarda Alba, personagem central do texto, é uma matriarca dominadora que mantém as cinco filhas, Angústias, Madalena, Martírio, Amélia e Adela sob vigilância implacável, transformando a casa onde vivem, situada em um pequeno povoado na Espanha, em um caldeirão de tensões prestes a explodir a qualquer momento.
    Com a morte de seu segundo marido, Bernarda decretara um luto de oito anos, submetendo suas filhas à reclusão dentro das frias paredes da casa, com as janelas cerradas. Duas das moças, porém, apaixonadas por um mesmo galanteador das redondezas, um rapaz de vinte e cinco anos chamado Pepe Romano, desencadeiam no meio daquele luto uma disputa cruel e perigosa para conquistarem o amor do mesmo homem, com conseqüências trágicas.
    A construção central do drama de Lorca – a casa na qual uma família de mulheres solitárias é controlada por uma mãe tirânica – teria sido inspirada em uma família da pequena cidade granadina de Valderrubio, onde os pais do poeta, que ali tinham uma propriedade rural, conheceram uma certa Frasquita Alba, mãe de quatro filhas, que comandava com mão de ferro, e um homem de nome Pepe de la Romilla, que teria se casado com a filha mais velha de Frasquita, somente por seu dote e, posteriormente, teria se envolvido com a mais jovem das irmãs. Dessa história real, Lorca apropriou-se da idéia de uma casa sem homens para compor o tema central de La Casa de Bernarda Alba: o lugar da mulher na sociedade espanhola.
  • Geografia da Europa 2015-2016 - Artes - Teatro

    1. 1. Geografia da Europa Programa de Estudos 2015/2016 Dalian University of Foreign Languages Carlos Medeiros
    2. 2. GEOGRAFIA DA EUROPA Teatro (Do grego théatron, «lugar donde se vê um espetáculo», pelo latim teatru-, «teatro») 1. lugar ou casa onde se representam comédias, tragédias, farsas, revistas, etc. 2. arte de representar 3. profissão de ator ou atriz 4. coleção das obras dramáticas de um autor ou de uma nação 5. conjunto da literatura dramática figurado ilusão figurado pejorativo fingimento; hipocrisia figurado lugar onde se deu um acontecimento http://www.infopedia.pt/lingua-portuguesa/teatro Teatro 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 2
    3. 3. ARISTÓFANES Lisístrata, 411 A.C GRÉCIA 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 3 TEATRO
    4. 4. SÓFOCLES Édipo Rei, 427 A.C. GRÉCIA TEATRO 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 4
    5. 5. GIL VICENTE Auto da Barca do Inferno, 1517 PORTUGAL 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 5 TEATRO
    6. 6. WILLIAM SHAKESPEARE Romeu e Julieta, 1595 Hamlet, 1599-1601 INGLATERRA 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 6 TEATRO
    7. 7. FRANÇOIS RABELAIS Gargantua and Pantagruel, Século XVI FRANÇA TEATRO 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 7
    8. 8. MOLIÈRE O avarento (L'Avare ou l'École du mensonge), 1668 FRANÇA 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 8 TEATRO
    9. 9. HENRIK IBSEN Peer Gynt, 1867 NORUEGA TEATRO 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 9
    10. 10. ANTON TCHEKOV As Três Irmãs, 1900 RÚSSIA 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 10 TEATRO
    11. 11. BERTOLT BRECHT A Ópera dos três vinténs, 1928 ALEMANHA 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 11 TEATRO
    12. 12. JEAN COCTEAU A Voz Humana, 1930 FRANÇA 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 12 TEATRO
    13. 13. FEDERICO GARCÍA LORCA A Casa de Bernarda Alba, 1936 ESPANHA 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 13 TEATRO
    14. 14. SAMUEL BECKETT Esperando Godot, 1953 Nobel de Literatura, 1969 IRLANDA 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 14 TEATRO

    ×