Geografia da Europa 2015/2016 - Demografia

1.201 visualizações

Publicada em

Conjunto de dispositivos utilizados para o acompanhamento pedagógico da Unidade Curricular «Geografia da Europa» integrada no Programa de Estudos 2015/2016 da Dalian University of Foreign Languages com a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.201
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Geografia da Europa 2015/2016 - Demografia

  1. 1. Geografia da Europa Programa de Estudos 2015/2016 Dalian University of Foreign Languages Carlos Medeiros FSH/UNL - DUFL
  2. 2. GEOGRAFIA DA EUROPA Demografia 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 2
  3. 3. GEOGRAFIA DA EUROPA Demografia (do grego dẽmos, «povo» + gráphein, «escrever» +-ia) ◦ estudo estatístico das populações humanas, não só no que diz respeito às suas características numéricas, mas também à fenomenologia que condiciona aquelas características (Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora). A Demografia é atualmente definida como “uma ciência que tem por objeto o estudo das populações humanas, da sua estrutura, da sua evolução e dos seus caracteres gerais, encarados principalmente do ponto de vista quantitativo” (Dicionário da Nações Unidas). Demografia 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 3
  4. 4. Indicadores demográficos  População absoluta – corresponde ao n.º total de pessoas que reside num determinado local.  População relativa ou Densidade Populacional – corresponde à distribuição da população no espaço e obtém-se dividindo a população absoluta pela superfície do local em causa e expressa-se em habitantes por quilómetro quadrado (hab/Km2).  Saldo Fisiológico ou Crescimento Natural – Diferença entre a natalidade e a mortalidade.  Imigração – corresponde ao n.º de indivíduos que entram num determinado país ao longo de 1 ano.  Emigração – corresponde ao n.º de indivíduos que saem de um determinado país ao longo de 1 ano.  Crescimento Efetivo – permite saber qual foi o grau de crescimento ou de diminuição da população. 4 GEOGRAFIA DA EUROPA Demografia 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL
  5. 5. Indicadores demográficos  Natalidade (e Taxa de) – corresponde ao n.º de nados-vivos verificados num determinado local ao longo de 1 ano (por 1.000 hab).  Mortalidade (e Taxa de) – corresponde ao n.º de óbitos verificados num determinado local ao longo de 1 ano (por 1.000 hab).  Mortalidade Infantil (e Taxa de) – corresponde ao número de óbitos por cada 1.000 nascimentos de nados-vivos registados, durante o primeiro ano da sua vida.  Esperança Média de Vida – Número de anos que uma pessoa tem probabilidade de viver. Quanto maior for o desenvolvimento do país maiores serão as probabilidades de viver mais anos. 5 GEOGRAFIA DA EUROPA Demografia 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL
  6. 6. Alguns números  731 milhões de habitantes (2007)  6,2 milhões de km2 (23 milhões de km2 incluindo a Rússia)  fortes densidades em algumas regiões (média 118 hab/km2), mas desigual distribuição da população  perda de importância demográfica no contexto mundial  gradual redução do ritmo de crescimento da população da Europa  imigração responsável por 80% do crescimento da população na última década  envelhecimento significativo da população (menos 20 milhões de jovens desde 1980; aumento da esperança de vida – H=76 anos; M=82 anos (2004) 6 GEOGRAFIA DA EUROPA Demografia 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL
  7. 7. A Europa no mundo Importância relativa da população europeia no mundo (%) 1950 1975 2007 2050 Europa 21,6 16,6 11,0 5 a 7 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 7
  8. 8. Europa no mundo (2006)Superfície, população e rendimento (2006) Superfície (milhões km2 ) População (milhões) PPC per capita (em €) Europa 6,2 731 21 470* UE-27 4,2 492 23 600 USA 9,6 300 36 400 Rússia 16,9 142 9 500 China 9,6 1341 6 200 Índia 3,0 1117 2 900 Japão 0,3 128 26 750 Fonte: Eurostat, Banco Mundial *2005 82015/2016 FCSH/UNL - DUFL
  9. 9. Apesar de ser um continente de pequena dimensão, a Europa tem uma população bastante numerosa. Os + de 700 milhões de europeus distribuem-se de uma forma muito desigual:  áreas populosas com grande concentração da população e;  vazios humanos. A distribuição da população na Europa é desigual (> parte da população está concentrada num < número de países):  Destaca-se a Rússia, a Alemanha, a França, o Reino Unido, a Itália e a Ucrânia, que, em conjunto, representam cerca de 62% da população europeia;  Embora estas diferenças sejam verificadas através do valor da população absoluta entre os diferentes países europeus, é de notar que se registam contrastes acentuados na distribuição da população no interior de quase todos os países europeus. 9 GEOGRAFIA DA EUROPA Demografia 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL
  10. 10. As regiões da Europa (2007) Superfície (milhares km2 ) População (milhões) % Superfície % População Europa 23 062 733 100 100 Setentrional 1 810 98 7,9 13,4 Ocidental 1 109 187 4,8 25,5 Oriental 1 728 153 7,5 20,9 Rússia 17 098 142 74,1 19,3 Meridional 1 317 153 5,7 20,9 Fonte: PRB, World Population Data Sheet 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 10 Peso demográfico das várias regiões europeias
  11. 11. Os mais populosos (milhões, 2008) 1. Rússia 142 2. Alemanha 82 3. Turquia 71 4. França 64 5. Reino Unido 61 6. Itália 59 7. Ucrânia 47 8. Espanha 45 9. Polónia 38 10. Roménia 22 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 11 População da Europa
  12. 12. 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 12 Distribuição espacial da população Áreas de maior densidade: • “Centro” da Europa • Zonas litorais • Grandes cidades e metrópoles Principal condicionante: • antiguidade do povoamento Áreas de menor densidade: • “Periferia” da Europa • Áreas montanhosas • Difícil acesso • Clima rigoroso Principal condicionante: • quadro natural
  13. 13. Distribuição espacial da população ZONAS DE DENSIFICAÇÃO POPULACIONAL  Tendência para o heliotropismo em todo o território da UE  Zonas periurbanas  Litoralização – densificação das zonas costeiras  Ao longo dos eixos e corredores que ligam as grandes metrópoles  Regiões com recursos – densificação ZONAS DE DESPOVOAMENTO  Partes centrais das aglomerações urbanas  Zonas de industrialização antiga  Zonas rurais afastadas, montanhosas, isoladas e pouco atrativas 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 13
  14. 14. 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 14 Evolução popu- lacional 2001-2005 Países com maior crescimento Irlanda, Islândia, Espanha, Noruega, Albânia Países com fraco crescimento Reino Unido, Suécia, Finlândia, Portugal, França, Itália e Suíça Países com estagnação Alemanha, Croácia, Eslovénia, República Checa, Eslováquia, Sérvia e Montenegro, Grécia Países com decréscimo Restantes países da Europa de Leste e Sudeste
  15. 15. 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 15 Crescimento natural Maior crescimento Islândia, Irlanda, Albânia e Macedónia Crescimento moderado Noruega, Holanda e França Fraco crescimento Espanha, Finlândia, Dinamarca, Reino Unido, Suíça, Sérvia e Montenegro Estagnação Portugal, Suécia, Áustria Decréscimo moderado Alemanha, Itália, Polónia, República Checa, Eslováquia Decréscimo acentuado Restantes países da Europa de Este e Sudeste
  16. 16. Fecundidade (número médio de filhos/mulher) 1970-75 2005-2010 2045-2050 Europa 2,16 1,45 1,47 Mundo 4,47 2,55 2,02 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 16 Crescimento natural Causas do crescimento natural fraco ou negativo  Baixos níveis de fecundidade  Mortalidade baixa, com tendência a aumentar devido ao envelhecimento da população Razões: condicionantes socioeconómicas (mudança de valores, generalização do uso de contracetivos, crise económica, …)
  17. 17. 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 17 Crescimento migratório Maiores saldos positivos Espanha, Portugal, Irlanda, Bélgica e Suíça Saldo positivo moderado Islândia, Reino Unido, Noruega, Suécia, Alemanha, Áustria, Itália Estagnação Finlândia, Estónia, França, Rep. Checa, Eslováquia, Eslovénia, Hungria, Bielorrússia Emigração Letónia, Lituânia, Polónia, Albânia, Macedónia, Ucrânia, Moldávia
  18. 18. Migrações na Europa  Longa experiência de migrações: no passado, para o Novo Mundo e também dentro da própria Europa  Movimentações forçadas de populações no final de Segunda Guerra Mundial  Migrações laborais na Europa Ocidental (1950-1974)  Aumento dos fluxos migratórios nos anos 90. Diversificação das origens e dos destinos. Novas formas e tipos de migrantes  De 2002 a 2005, a imigração legal líquida para a UE saldou-se, em números globais, em mais de um milhão e meio de pessoas  A situação atual é caótica: a entrada de refugiados na UE atingiu 1 milhão de pessoas só em 2015 e foram apresentados cerca de 1,25 milhões de pedidos de asilo. 18 GEOGRAFIA DA EUROPA Migrações 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL
  19. 19. The European Commission, said it expected one million migrant arrivals in 2015, soaring to 1.5 million in 2016 then decreasing to half a million in 2017. That would represent a 0.4% EU population increase once unsuccessful asylum applications were taken into account, it said. Pierre Moscovici presenting the autumn 2015 economic forecast. [European Commission]
  20. 20. De onde vêm os migrantes que entram na Europa? http://frontex.europa.eu/trends-and-routes/migratory-routes-map/
  21. 21. A geografia da imigração é fortemente condicionada pela:  proximidade geográfica  herança colonial  mas a tendência é para a mundialização dos fluxos Causas das migrações:  baixo nível de desenvolvimento, associado a forte pressão demográfica  guerras e instabilidade política  crises económicas prolongadas  proximidade geográfica, que faz da UE um território acessível 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 21 De onde vêm os migrantes que entram na Europa? %deestrangeirosnapopulação,2007
  22. 22. Traços principais da evolução demográfica Taxa de crescimento anual da população (%) 1950- 2007 1950- 1975 1975- 2007 2007- 2050 Europa 0,51 0,84 0,27 -0,36 Mundo 1,7 1,9 1,54 1,33 Esperança de vida à nascença 2005-2010 2045-2050 Europa 74,6 81,0 Mundo 67,2 75,4 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 22 Fraco crescimento da população  Apesar dos saldos migratórios positivos, nas próximas décadas a Europa será a única região do mundo com uma taxa negativa Forte envelhecimento ↓ Consequências no futuro económico e social da Europa Esperança de vida  diferenças entre a Europa Ocidental e a Europa Oriental  diferença entre homens e mulheres
  23. 23. Desequilíbrios nas pirâmides de idades provocados por:  I e II GM (mortalidade, deficit de nascimentos)  baby boom  emigração (América)  imigração (extraeuropeia) Generalidade dos países em pós-transição demográfica Regimes demográficos diferentes – antigos e novos Estados membros UE 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 23 Pirâmide de idades UE-27, 2006
  24. 24. 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 24 Projecção da pirâmide de idades UE
  25. 25. 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 25 Pirâmides de idades CHINA
  26. 26. Índices mais elevados Regiões no Norte e Centro de Espanha e da Itália Sudoeste do Reino Unido França Central e Meridional Parte da Suécia Índice mais baixos Regiões da Polónia República Checa e Eslováquia Irlanda e Roménia 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 26 Índice de depen- dência dos idosos
  27. 27. DEMOGRÁFICAS Mudanças nos comportamentos reprodutivos ? Aumento da imigração ? POLÍTICAS Aumento da idade da reforma ? Reafectação de recursos do Estado ? Esquemas privados para pensões suplementares ? 2015/2016 FCSH/UNL - DUFL 27 Soluções para manter a sustentabilidade demográfica
  28. 28. 2014/2015 FCSH/UNL - DUFL 28 Ano Europeu da População Idosa e do Envelhecimento Ativo

×