O Reino Messiânico 3 - Paz

405 visualizações

Publicada em

A continuação do estudo bíblico da doutrina do Reino Messiânico, apresentando a base escriturística que fala do aspecto da paz. Para mais conteúdo visite: http://profeciasmessianicas.blogspot.com.br/

Os primeiros estudos podem ser encontrados no blog http://profeciasmessianicas.blogspot.com.br/

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
405
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
66
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Reino Messiânico 3 - Paz

  1. 1. 1 A DOUTRINA ESCRITURAL DO REINO MESSIÂNICO “Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, PAZ e alegria no Espírito Santo” Romanos 14:17 A) O CARÁTER E AS CARACTERÍSTICAS DO REINO MESSIÂNICO Quando se descreve o caráter e as características do Reino Milenar: Justo, PACÍFICO, próspero, produtivo e de excelência espiritual, o que mais se destaca e aquilo de que mais se revela nas profecias é a justiça e, a sua grande e mais imediata consequência, é a PAZ. Daí que, na maior parte das passagens que fazem referência a justiça messiânica, o tema paz está sempre e igualmente associado... Como consequência da justiça, o Milênio será uma era de paz. Antigos inimigos como Israel, Egito e Assíria estarão em paz uns com os outros (“Naquele dia, haverá estrada do Egito até à Assíria (a Assíria compreendia o território que hoje é ocupado pela Turquia, Síria, Iraque, Irã, Líbano e Jordânia. Todos inimigos declarados de Israel), os assírios irão ao Egito, e os egípcios, à Assíria; e os egípcios adorarão com os assírios. Naquele dia, Israel será o terceiro com os egípcios e os assírios, uma bênção no meio da terra; porque o SENHOR dos Exércitos os abençoará, dizendo: Bendito seja o Egito, meu povo, e a Assíria, obra de minhas mãos, e Israel, minha herança.” - Isaías 19:23-25). Jerusalém, lugar de conflitos por tantos séculos, estará em paz (Salmos 72:3 / Isaías 32:17 / 60:18 / Zacarias 8:4,5). Atualmente a questão da defesa é tão importante e prioritária para o Estado de Israel, que ele gasta 7% do seu PIB com gastos militares (6º lugar mundial, atrás de 5 países árabes inimigos que gastam 10%), enquanto os países desenvolvidos gastam em média 1,5%. Isto equivale a aproximadamente 10 bilhões de dólares por ano (é o 10º país que mais gasta – o 1º: EUA, gasta 330 bilhões, o 2º e 3º: Rússia e China gastam 48 bilhões cada). Israel tem 2.482 soldados para cada 100 mil habitantes (161.500 soldados) enquanto os EUA tem 507 para cada 100 mil habitantes. A consequência da economia que se fará pela eliminação dos gastos com defesa, armas e guerras (Isaías 2:4 ”E ele julgará entre as nações, e repreenderá a muitos povos; e estes converterão as suas espadas em enxadões e as suas lanças em foices; uma nação não levantará espada contra outra nação, nem aprenderão mais a guerrear”), será um imenso investimento em progresso infraestrutural, ações sociais e o desenvolvimento, o que trará total prosperidade a todos. Uma pergunta se faz necessária: o que significa mesmo a palavra “paz”? Qual o seu real significado para o ser humano? Numa perspectiva mais profunda, a paz não é simplesmente uma situação de ausência de violência ou de guerra; também não se garante pelo equilíbrio das forças contrárias ou pelo aumento de forças armadas que garantam “segurança”. A pedra angular da Paz é a Justiça Social, garantia da vida e da dignidade para todos. Mas isso não é tudo... 1) A PAZ 1a) O significado da palavra paz na cultura judaica O termo hebraico shalom, traduzido da literatura judaica por paz, tem profundo significado. A paz nos textos sagrados da cultura judaica não é um pacto que possibilita uma vida tranquila, nem o tempo da paz
  2. 2. 2 por oposição ao tempo da guerra, como é o caso da palavra grega eirene, que é o nome de uma deusa de voz miúda e calma, era uma das doze Horas ou Hôrai (deusas que eram guardiãs da ordem natural: presidiam as estações do ano, o ciclo anual de crescimento da vegetação e as estações climáticas anuais). Ou seja, a paz era considerada pelos gregos como algo passageiro, algo temporário, assim como o passar de uma estação. Adotada pelos romanos, passou a se chamar Pax, que usaram o conceito para fracionar também o dia, conceito usado até hoje, o dia tem doze horas. A paz se tornou mais volátil ainda, e poderia passar não de uma estação para a outra, mas de um momento para outro...Os antigos preferiam atacar sob os auspícios de Clóris, a Hora da primavera. Mas Roma atacava com todo o poder, e em qualquer hora, sem dar chance para a resposta do inimigo, até mesmo no inverno e dias sagrados dos agredidos. Vide Mateus 24:20/1 Tessalonicenses 5:3/Apocalipse 18:8. Shalom deriva de um radical que, conforme sua maneira de ser empregado pode significar o fato de completar ou concluir um trabalho, por exemplo, completar a construção de uma casa (1Reis 9:25); o ato de restabelecer as coisas em seu antigo estado, em sua integridade, por exemplo, “apaziguar” um credor ao pagar o débito de uma transação comercial (Êxodo 21:34), ou cumprir os votos a Deus (Salmos 50:14). Nessa perspectiva, podemos afirmar que shalom é uma palavra que contém a idéia de perfeição e completude, situação em que tudo é perfeito. Designa o bem-estar da vida cotidiana, o estado do ser humano em que se vive em harmonia consigo mesmo, com o outro, com a comunidade, com o ecossistema em que tal comunidade está inserida e com o Deus Eterno. Quando irromper o novo tempo, o Messias esperado é chamado pelo profeta Isaías de Príncipe da Paz (Isaías 9:5). Por aí dá para se entender porque na cultura religiosa judaica o termo apareça como saudação e como expressão de bons desejos, é o ”tudo de bão” do mineiro, o desejo de que tudo na vida daquela pessoa esteja completa, sem dívidas, sem pendências, no seu lugar, situação esta que consequentemente permite que a pessoa descanse, fique tranquila...em paz, em um bom estado de espírito (é comum os mineiros dizermos algo como: “num tô devendo nada, graças a Deus, tá tudo tranquilo”). O completo bem-estar. Shalom não é só uma mera saudação habitual, como por exemplo “bom dia” ou “até logo”. Shalom soa como uma bênção, algo tão maravilhoso que só pode vir diretamente do poder de Deus, uma situação que Deus permite. O israelita reconhecia isto ao entoar em salmos “Iahweh dá força ao seu povo, Iahweh abençoa seu povo com paz” (Salmos 29:11). De fato, o Deus da Bíblia é concebido como o “Deus da Paz”. Por exemplo, em Juízes 6:24 o altar de Gideão era chamado “YHWH-Shalom”, que significa “YHWH é paz”. Shalom é, portanto, uma saudação impregnada de bênção escatológica uma vez que contempla um dos mais profundos desejos humanos: vida com dignidade e bem-estar, pela vontade de Deus. Um anseio universal, até dos mais brutos. 1b) A paz de Deus está de conformidade com a Sua justiça  Salmos 72:1-4,7 “Concede ao rei, ó Deus, os teus juízos...Julgue ele com justiça o teu povo e os teus aflitos, com equidade. Os montes (os governos) trarão paz ao povo, também as colinas (os magistrados) a trarão, com justiça. Julgue ele os aflitos do povo, salve os filhos dos necessitados e esmague ao opressor...Floresça em seus dias o justo, e haja abundância de paz até que cesse de haver lua.”
  3. 3. 3  Isaías 9:7 “Do aumento deste principado e da paz não haverá fim, sobre o trono de Davi e no seu reino, para o firmar e o fortificar com juízo e com justiça, desde agora e para sempre”  “O fruto da justiça será a paz, e a obra da justiça consistirá na tranquilidade e na segurança para sempre” (Isaías 32:18). Da mesma forma que Deus é Santo e exige santidade do Seu povo, por Ele ser justo, igualmente exige que o seu povo seja justo e aja com justiça (Levítico 5:7/1Pedro 1:15,16/Tito 2:12) Sendo a paz o fruto ou consequência direta da justiça, fica explicado porque Israel passou por tantos momentos de perturbação (Juízes 2:11-15/3:5-8,12/4:1,2/6:1/2Crônicas 36:11-21/Miquéias 7:13). Por aí se entende porque os profetas de Israel foram contundentes na crítica a todo comportamento social que se afasta da justiça exigida pelo Deus da Paz. Lembrando que a justiça é o objetivo divino para a Abraão e a sua descendência (“Porque eu o tenho escolhido, a fim de que ele ordene a seus filhos e a sua casa depois dele, para que guardem o caminho do Senhor, fazendo a justiça e o juízo; a fim de que o Senhor faça vir sobre Abraão o que tem falado a seu respeito." (Gênesis 18:17-19). Na literatura profética, bem como em toda literatura religiosa judaica, a prática da justiça social é, sem dúvida, uma das prioridades entre as exigências do Deus de Israel, o Deus da Paz. Amós, o primeiro profeta que temos conhecimento por meio da escrita, que atuou por volta de 760 a 750 a.C., em Israel (Reino do Norte), foi porta-voz da cólera divina por quem despreza o direito e escarneia da prática da justiça. Por isso o profeta denuncia a hipocrisia de um culto a Iahweh-Shalom hipócrita, desmentido diariamente pela prática daquilo que não corresponde à vontade divina: “Ai dos que transformam o direito em veneno e atiram a justiça por terra... Eu detesto e desprezo as festas de vocês... tenho horror dessas reuniões litúrgicas...Longe de mim o barulho de seus cânticos, nem quero ouvir a música de suas liras. Eu quero, isto sim, é ver brotar o direito como água e correr a justiça como riacho que não seca” (Amós 5:7,21-24). Desse modo, Amós critica duramente a quem se ilude pensando satisfazer ao Deus da Paz apenas participando de cultos religiosos. Louvar a Deus é importante para alimentar a fé no aspecto pessoal e coletivo, mas essa prática cultual deve estar expressa no cotidiano pela prática do direito e da justiça, fundamentos da paz social. Miquéias (que exerceu sua atividade profética em fins do século VIII a.C. e foi contemporâneo de Isaías) lembra que é impossível haver paz social enquanto se mantém a exploração econômica, empobrecendo e marginalizando socialmente grande parte da população. Ele denuncia o comércio com que se enriquece a classe dominante (“casa do ímpio”, ou seja, de quem não faz a vontade de Deus); isso terá como consequência profunda instabilidade social e consequente ausência de paz: “Acaso posso tolerar a casa do ímpio com seus tesouros ganhos injustamente, com sua medidas falsificadas e detestáveis: Acaso devo desculpar balanças viciadas, sacolas cheias de pesos adulterados? (“Tereis balanças justas, efa justo e bato justo.” - Ezequiel 45:10/Levítico 19:36/Deuteronômio 25:15). Os ricos prosperam com a exploração, os seus habitantes só falam mentiras e têm na boca uma língua mentirosa... Você comerá, mas não matará a fome; e a fome será a sua companheira. Você guardará, mas não poderá conservar; a sua reserva, eu a entregarei aos inimigos. Você plantará, mas não colherá; esmagará azeitonas, mas não se ungirá com azeite; pisará uvas, mas não beberá vinho...” (Miquéias 6:9-16)
  4. 4. 4 A instabilidade nas relações sociais (que é a contramão do “shalom”), a violência generalizada que amedronta todas as camadas sociais é, de algum modo, já concebida pelo profeta como consequência das relações sociais corrompidas pela prática da injustiça e da não observância do direito: “A terra será um lugar abandonado, por causa de seus moradores, como fruto de suas más ações” (Miquéias 7:13). Isaías, profeta que viveu no século VIII a.C. e desencadeou uma verdadeira escola inspirada em seu espírito profético, deixa claro que é possível construir a paz social por meio da urgente mudança de comportamento pessoal, aquilo que numa linguagem religiosa chamamos de conversão: “Lavem-se, purifiquem-se, tirem da minha vista as maldades que vocês praticam. Parem de fazer o mal, aprendam a fazer o bem; busquem o direito, socorram o oprimido, façam justiça ao órfão, defendam a causa da viúva.” (Isaías 1:16-17). Cabe ao ser humano, no seu livre arbítrio, seguir ou não ao projeto do Deus da Paz. Mas Israel não quis...apesar dos veementes apelos dos profetas que ecoaram ao longo de séculos seguidos, Israel não quis. E, pela quebra do pacto, agora se encontra disperso pelo planeta, até aquele dia em que o seu Messias, Jesus Cristo, há de converte-los e introduzi-los em uma era em que todas estas “pequenas” questões sociais serão respeitadas mas, que em seu somatório produzirão uma paz maior, que abrangerá não somente a Israel, mas a todas as nações. “Como são belos sobre os montes os pés do mensageiro que anuncia a paz, que traz a boa nova, que apregoa a vitória, que diz a Sião: ‘Já reina o teu Deus’.” (Isaías 52:7). A Paz é consequência da prática da justiça social: ter uma terra fecunda para plantar e colher os frutos para ter a mesa farta e comer até se saciar; habitar em segurança, sem medo de inimigos; dormir sem temor, com as portas abertas; não ter inimigos; multiplicar-se na face da terra, podendo passar por todas as etapas da vida, da fase de criança à terceira idade... E tudo isso porque o Deus da Paz está reinando no meio do seu povo (Lv 26:3-13/Isaías 65:17-25). Longe de ser simples ausência de guerra, shalom é vida em plenitude, na presença de Deus. Esta é a paz escatológica, que os profetas prometem da parte do SENHOR para Israel quando o Messias estabelecer o seu Reino: 1c) A manifestação da paz no Reino Messiânico  Salmos 29:11 “O Senhor dará força ao seu povo; o Senhor abençoará o seu povo com paz.”  Salmos 37:11 “Mas os mansos herdarão a terra, e se deleitarão na abundância de paz.”  Salmos 72:1-3,5,7,8,17 “Concede ao rei, ó Deus, os teus juízos...Julgue ele com justiça o teu povo e os teus aflitos, com equidade. Os montes (os governos) trarão paz ao povo, também as colinas (os magistrados) a trarão, com justiça. Ele permanecerá enquanto existir o sol e enquanto durar a lua, através das gerações (até o final do Milênio – Apocalipse 21:1)...Floresça em seus dias o justo, e haja abundância de paz até que cesse de haver lua (até o final do Milênio – Apocalipse 21:1). Domine ele de mar a mar e desde o rio até aos confins da terra. Subsista para sempre o seu nome e prospere enquanto resplandecer o sol (até o final do Milênio – Apocalipse 21:1); nele sejam abençoados todos os homens, e as nações lhe chamem bem-aventurado.”
  5. 5. 5  Salmos 122:6-8 “Orai pela paz de Jerusalém; prosperarão aqueles que te amam. Reine paz dentro de teus muros e prosperidade nos teus palácios. Por amor dos meus irmãos e amigos, eu peço: haja paz em ti!”  Salmos 125:5 “paz haverá sobre Israel.”  Salmos 128:6 “E verás os filhos de teus filhos, e a paz sobre Israel.”  Isaías 9:6.7 “e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. Do aumento deste principado e da paz não haverá fim, sobre o trono de Davi e no seu reino, para o firmar e o fortificar com juízo e com justiça, desde agora e para sempre.”  Isaías 11:10 “E acontecerá naquele dia que a raiz de Jessé, a qual estará posta por estandarte dos povos, será buscada pelos gentios; e o lugar do seu repouso será glorioso. ”  Isaías 14:7 “Já descansa, já está sossegada toda a terra; rompem cantando. ”  Isaías 32:1,17,18 “Eis que reinará um rei com justiça, e dominarão os príncipes segundo o juízo...e o juízo habitará no deserto, e a justiça morará no campo fértil. O efeito da justiça será paz, e a operação da justiça, repouso e segurança para sempre. E o meu povo habitará em morada de paz, e em moradas bem seguras, e em lugares quietos de descanso.”  Isaías 52:7 “Quão formosos são, sobre os montes, os pés do que anuncia as boas novas, que faz ouvir a paz, do que anuncia o bem, que faz ouvir a salvação, do que diz a Sião: O teu Deus reina!”  Isaías 53:5 “Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.”  Isaías 54:10 “Porque os montes se retirarão, e os outeiros serão abalados; porém a minha benignidade não se apartará de ti, e a aliança da minha paz não mudará, diz o Senhor que se compadece de ti.”  Isaías 54:13 “E todos os teus filhos serão ensinados do Senhor; e a paz de teus filhos será abundante.”  Isaías 55:10,12 “Porque com alegria saireis, e em paz sereis guiados; os montes e os outeiros romperão em cântico diante de vós, e todas as árvores do campo baterão palmas. ”  Isaías 57:19 “Eu crio os frutos dos lábios: paz, paz, para o que está longe; e para o que está perto, diz o Senhor, e eu o sararei.”  Isaías 60:17 “Por cobre trarei ouro, e por ferro trarei prata, e por madeira, bronze, e por pedras, ferro; e farei pacíficos os teus oficiais e justos os teus exatores.”  Isaías 66:12 “Porque assim diz o Senhor: Eis que estenderei sobre ela a paz como um rio, e a glória dos gentios como um ribeiro que transborda; então mamareis, ao colo vos trarão, e sobre os joelhos vos afagarão. ”  Jeremias 30:10 “Não temas, pois, tu, ó meu servo Jacó, diz o Senhor, nem te espantes, ó Israel; porque eis que te livrarei de terras de longe, e à tua descendência da terra do seu cativeiro; e Jacó voltará, e descansará, e ficará em sossego, e não haverá quem o atemorize.”  Jeremias 33:6 “Eis que eu trarei a ela saúde e cura, e os sararei, e lhes manifestarei abundância de paz e de verdade.”  Jeremias 33:9 “E este lugar me servirá de nome, de gozo, de louvor, e de glória, entre todas as nações da terra, que ouvirem todo o bem que eu lhe faço; e espantar-se-ão e perturbar-se-ão por causa de todo o bem, e por causa de toda a paz que eu lhe dou.”  Jeremias 23:5,6//33:15,16 “Eis que vêm dias, diz o SENHOR, em que levantarei a Davi um Renovo justo; e, rei que é, reinará, e agirá sabiamente, e executará o juízo e a justiça na terra. Nos seus dias, Judá será salvo, e Israel habitará seguro; será este o seu nome, com que será chamado: SENHOR, Justiça Nossa... Naqueles dias e naquele tempo farei brotar a Davi um Renovo de justiça,
  6. 6. 6 e ele fará juízo e justiça na terra. Naqueles dias Judá será salvo e Jerusalém habitará seguramente; e este é o nome com o qual Deus a chamará: O Senhor é a nossa justiça.”  Jeremias 46:27 “Mas não temas tu, servo meu, Jacó, nem te espantes, ó Israel; porque eis que te livrarei mesmo de longe, como também a tua descendência da terra do seu cativeiro; e Jacó voltará, e descansará, e sossegará, e não haverá quem o atemorize.”  Ezequiel 34:25 “E farei com elas uma aliança de paz, e acabarei com as feras da terra, e habitarão em segurança no deserto, e dormirão nos bosques. ”  Ezequiel 37:26 “E farei com eles uma aliança de paz; e será uma aliança perpétua. E os estabelecerei, e os multiplicarei, e porei o meu santuário no meio deles para sempre.”  Oséias 2:18 “E naquele dia farei por eles aliança com as feras do campo, e com as aves do céu, e com os répteis da terra; e da terra quebrarei o arco, e a espada, e a guerra, e os farei deitar em segurança.”  Naum 1:15 “Eis sobre os montes os pés do que traz as boas novas, do que anuncia a paz! Celebra as tuas festas, ó Judá, cumpre os teus votos, porque o ímpio não tornará mais a passar por ti; ele é inteiramente exterminado. ”  Zacarias 6:13 “Ele mesmo edificará o templo do Senhor, e ele levará a glória; assentar-se-á no seu trono e dominará, e será sacerdote no seu trono, e conselho de paz haverá entre ambos os ofícios”  Zacarias 8:16 “Eis as coisas que deveis fazer: Falai a verdade cada um com o seu próximo, executai juízo nas vossas portas, segundo a verdade, em favor da paz; nenhum de vós pense mal no seu coração contra o seu próximo, nem ame o juramento falso, porque a todas estas coisas eu aborreço, diz o SENHOR.”  Zacarias 8:19 “Assim diz o Senhor dos Exércitos: O jejum do quarto, e o jejum do quinto, e o jejum do sétimo, e o jejum do décimo mês será para a casa de Judá gozo, alegria, e festividades solenes; amai, pois, a verdade e a paz.”  Zacarias 9:10 “E de Efraim destruirei os carros, e de Jerusalém os cavalos; e o arco de guerra será destruído, e ele anunciará paz aos gentios; e o seu domínio se estenderá de mar a mar, e desde o rio até às extremidades da terra.”  Romanos 14:17 “Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo”  Tiago 3:18 “o fruto da justiça semeia-se na paz, para os que exercitam a paz. ”

×