Prova classificação de rochas e minerais

2.388 visualizações

Publicada em

Rochas e minerais.

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.388
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
43
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Prova classificação de rochas e minerais

  1. 1. 1 PROVA CLASSIFICAÇÃO DE ROCHAS E MINERAIS. Rochas são agregados naturais de um ou mais minerais (mono ou pluriminerálicas) Apresentam cores, tamanhos e tipos de cristais ou grãos variados · O que determina essa variedade? Mineralogia, Textura e Origem Geológica da Rocha (determinante da Mineralogia e da Textura) 1. Mineralogia Ramo da Geologia que estuda a composição química, a estrutura, o hábito / feições externas, a estabilidade, a ocorrência e a associação de minerais. · Mineral: substâncias sólidas, cristalinas, inorgânicas, com composição química definida. · Mineralóides: Petróleo (rocha?) – líquido/orgânico Minerais do carvão (vitrinita) – origem orgânica Vidro vulcânico – amorfo 1.1. Minerais · Alguns minerais ocorrem como elementos puros (elementos nativos): Ex: cobre, ouro · Maioria dos minerais conhecidos é resultado da combinação dos principais elementos químicos existentes na crosta – O, Si, Al, Fe, Mg, Ca, K, Na. · Minerais conhecidos são milhares. Minerais comuns ~ 30 1.2 Grupos Principais de Minerais · Silicatos – grupo dos minerais mais abundantes na crosta; combinação de Si e O ( + 2-4 Si4 O )4- · Carbonatos – ânion ( )2- 3 CO Ex: CaCO3 – calcita; CaMg(CO3)2 – dolomita Minerais comuns na crosta e formadores de calcários e mármores · Óxidos – O2- se liga a cátions de outros elementos, principalmente a ions metálicos Ex: Hematita – Fe2O3; Espinélio – MgAl2O4 · Sulfetos – S2- ligado a cátions metálicos Ex: FeS2 – Pirita (ouro de trouxa) (sist. cúbico); PbS – Galena · Sulfatos – ânion (SO4)2 - (organizados em tetraedros com perda de 6 elétrons) Ex: CaSO4.2H2O – Gipsita; CaSO4 - Anidrita 1.3. Propriedades Físicas · Resultam da estrutura cristalina e da composição química dos minerais · Diferenças entre minerais podem ser determinadas a partir das propriedades físicas. a. Dureza: medida da resistência do mineral à abrasãoEscala de Mohs 1. Talco 1 2. Gipsita 2 Unha 3. Calcita 3 4. Fluorita 4 5. Apatita 5 Aço 6. Ortoclásio 6 Vidro 7. Quartzo 7 8. Topázio 8 9. Coríndon 9 10. Diamante 10 b. Clivagem: tendência do cristal em quebrar-se ao longo de superfícies planas
  2. 2. 2 Cf.. Fratura – quebra em superfície irregulares. Ex: fratura conchoidal c. Brilho: resultante da reflexão da luz pela superfície do mineral · - vítreo · - metálico: metais puros, sulfetos. · - peroláceo / pérleo / sedoso: resultado de reflexões múltiplas de superfícies dos minerais d. Cor: deve-se à luz transmitida através do mineral ou refletida Traço: cor do delgado depósito deixado pelo mineral sobre uma superfície abrasiva e. Densidade: massa / unidade de volume (g/cm3)É medida pelo peso específico = peso do mineral no ar ÷ pelo peso de um volume igual de água pura a 4oC f. Hábito do cristal:: forma de crescimento do cristal. Reflexo da estrutura cristalina e da velocidade de crescimento Ex: laminar, prismático, piramidal, acicular (agulhas), fibroso 2. Textura Refere-se ao tamanho, à forma e ao arranjo dos cristais ou grãos numa rocha · Tamanho / granulometria: fino /médio /grosso · Forma: acicular, achatado, alongado, equigranular, etc. · Arranjo: organização segundo estruturas 3. Origem Onde e como a rocha foi formada Ex: Rocha vulcânica (consolidação de lavas) vs. Rocha formada pela litificação de areias de praia 4. Tipos de Rochas São 03 grandes grupos de rochas 4.1. Rochas Ígneas ou Magmáticas · Ignis (latim) = fogo (das erupções vulcânicas) · Magma = rocha fundida · Massa em fusão, originada nas profundezas da crosta ou porção superior do manto, onde temperaturas · alcançam 700oC ou mais, fundindo rochas a) Rochas Ígneas formam-se pela consolidação do magma em profundidade na crosta* ou à superfície** Rochas Intrusivas* Rochas extrusivas ou vulcânicas** b) Composição Mineral Dominante: Silicatos Ex: Qz, Fd, Mica, Piroxênio, Anfibólio, Olivina (silicatos em grande parte se fundem em condições de P e T de formação dos magmas; os óxidos em geral não se fundem nessas condições) 4.2. Rochas Sedimentares Formam-se à superfície da crosta, pelo soterramento e litificação de sedimentos a. Sedimentos ou Depósitos Sedimentares · Acúmulo de partículas ou grãos de rochas e organismos (areias, cascalhos, conchas) preexistentes · Resultam de atuação de processos de intemperismo* e erosão** + transporte
  3. 3. 3 Desintegra e/ou decompõe a rocha* Retira material intemperizado por meio agentes de transporte (rios e ventos) e deposita-o em áreas rebaixadas** b. Tipos de Sedimentos · Sedimentos Clásticos Klastos (grego) = quebrado São depósitos formados fisicamente, sendo as partículas depositadas pela água corrente, vento ou geleira Ex: camadas de areias, cascalheiras · Sedimentos Químicos Depósitos formados pela precipitação química de substâncias dissolvidas na água marinha ou em lagos (evaporação ou saturação) Ex: calcários , sal gema, evaporitos · Sedimentos Bioquímicos ou Organogênicos Formados pelo acúmulo de caracapaças e estruturas orgânicas (micro ou macroscópicas) após a morte Ex: coquinas, turfas c. Litificação Processo ´por meio do qual o sedimento é transformado em rocha · Compactação – pelo soterramento /peso da coluna sedimentar sobreposta · Cimentação – precipitação de minerais em torno dos grãos d. Minerais mais comuns – Silicatos R. S. Clásticas: ( Qz, Fd, Argilo-minerais) R. S. Químicas (Dolomita; Gipsita; Halita) e Biogênicas : (Calcita) 4.3 Rochas Metamórficas Meta (mudança) Morphe (forma) [grego] Formadas a partir de outras rochas – R.I., R.S. ou R.M. – que, submetidas a altas P e T, têm sua composições mineral, textural e/ou química modificadas, mesmo mantendo seu estado sólido. · Limites de Temperatura T < 700°C ? ponto de fusão T > 250°C ? T elevada o suficiente para ocasionar reações químicas e recristalização · Minerais mais comuns – Silicatos Qz, Fd, Mica, Piroxênios, Anfibólios cianita/estaurolita/granada ® típicas de R.M. calcita – mármores (metamorfismo de calcários) 5. Registro Geológico As rochas são o arquivo da história geológica de uma determinada área Traduzem as condições físicas e químicas em que se formaram e/ou a que foram submetidas após sua formação, e também a posição de gênese na crosta 6 Ciclo das Rochas Processos geológicos levam à formação de um tipo de rocha a partir dos outros dois 7. Onde os Magmas se Formam? a) Cadeias Médio – Oceânicas · Correntes de convecção elevam o manto nesta zona · Magma basáltico migra e forma câmaras magmáticas próximo à CMO · Grandes quantidades de lavas basálticas extravasam, formando as. CMO e a crosta oceânica b) Zonas de Subducção Magmas formam-se pela fusão de sedimentos oceânicos (arenitos e folhelhos ricos em água) + crosta oceânica + manto ~ 5 km profundidade ® T ~ 150°C (reações químicas intensificadas)
  4. 4. 4 ~ 10 – 20 km profundidade ® Água promove redução do P.F. Þ fusão das rochas + manto · Magmas de zonas de subducção podem ter composição muito variada. São geralmente mais félsicos (siálicos) – ricos em (SiO2 + Al) c. Plumas do Manto · Basaltos ~ aos das CMO são encontrados em regiões continentais, distante dos limites entre placas Ex: basaltos da Fm. Serra Geral no Sul do Brasil e Ilhas Havaianas · Hot spots – plumas alongadas de magmas basálticos, que provém do manto inferior, encontram passagem e extravasam. MINERALOGIA Um mineral pode ser definido como: uma substância natural, homogêna, sólida, com composição química bem definida (ou variando dentro de certos limites), arranjo atômico ordenado, que pode estar expresso numa forma geométrica externa (poliedros mais ou menos perfeitos) formada por processos inorgânicos Assim, por exemplo, a substância química CaSO4 ocorre na Natureza sob a forma de um mineral denominado anidrita mas, se a mesma substância for preparada em laboratório já não é interpretada como mineral, sendo denominada apenas por sulfato de cálcio. Isto não significa que alguns minerais não possam e não sejam, obtidos artificialmente, e em grandes quantidades, para usos comerciais. São os denomidados "minerais sintéticos" como, por exemplo, os rubis e as safiras para gemas, e o corindon para abrasivo e fins refratários. Ca(Mg,Fe,Mn)(CO3)2 Arranjo atômico interno ordenado: quando os sólidos são desprovidos de arranjo interno ordenado dos átomos constituintes são designado por não cristalinos ou amorfos tais como, por exemplo os vidros e a opala. Forma geométrica externa: Algumas substâncias naturais ou obtidas laboratorialmente, além de possuirem um arranjo interno mais ou menos ordenado das suas partículas constituintes (estrutura cristalina), podem ter formas poliédricas mais ou menos perfeitas, isto é serem limitados por superfícies planas, as faces. Alguns minerais aparecem na Natureza sob a forma de excelentes cristais, permitindo a sua identificação com base nas formas perfeitas poliédricas, sendo essencial o conhecimento da cristalografia morfológica das diferentes espécies minerais. Fluorita cubos.
  5. 5. 5 Mineralogia minerais biogênicos (formados por organismos), tais como a aragonita da concha dos moluscos, e outros que podem ser precipitado por organismos, como a opala (SiO2 nH2O), magnetita (Fe3O4 ), fluorita (CaF2 ), pirita (FeS2 ), óxidos de Mn, etc. No corpo humano também se formam substâncias minerais, tais como a apatita [Ca5 (PO4 )3 (OH)] nos ossos e nos dentes; fosfatos e oxalatos de cálcio e fosfatos de magnésio nos cálculos renais. Porém, as camadas de carvão, quando submetidas a altas temperaturas, libertam voláteis e hidrocarbonetos cristalizando sob a forma de grafita. A Mineralogia pode ser dividida nos seguintes ramos ou capítulos: Mineralogia física: onde se estudam as várias propriedades físicas dos minerais. Mineralogia óptica (Óptica cristalina): capítulo dedicado ao estudo e interpretação das propriedades ópticas dos minerais incluindo a descrição dos instrumentos ópticos e métodos necessários para a sua determinação por meio do denominado microscópio petrográfico. Difratometria x: capítulo dedicado à aplicação da radiação X ao estudo da matéria cristalina Mineralogia química: estudo da composição química e das propriedades químicas dos minerais. Gema: provem de pegmatitos grandes dimensões é favorecido pela abundancia de compostos voláteis como vapor de água e flúor. Os pegmatitos produtores de gemas são quimicamente complexo, pois são ricos em gases contem cavidades onde cristalizam minerais grandes e límpidos e bem formados.O diamante, rubi, safira, esmeralda, água marinha e turmalina.
  6. 6. 6 Aula 3: Mineral é constituído por um grande número de diminutas unidades de arranjo cristalino, que vão se agrupando definindo uma forma cristalina. • Estas unidades são denominadas de celas unitárias, e são consideradas as menores unidades básicas da estrutura cristalina.• As celas unitárias são caracterizadas de modo que cada nó representa um arranjo de partículas idêntico que por translação vai se repetido indefinidamente. Evaporação lenta e gradual de soluções superssaturadas, depositando-se os cristais lentamente em virtude do solvente não poder reter o soluto em solução. Cristalização a partir de uma solução Tomando como exemplo uma solução de NaCl, os íons Cl- e Na+ vão-se agrupando conforme se separam da solução e, gradualmente, edificando um corpo sólido definitivo a que chamamos CRISTAL. A matéria cristalina pode formar-se de diferentes maneiras: - a partir de uma solução - a partir de uma substância fundida - a partir de um gás Além destes processos existe um outro processo
  7. 7. 7 importante de cristalização denominado Devitrificação porque é a forma cristalina que lhe confere maior estabilidade de acordo com o princípio fundamental da mecânica. A matéria procura o mínimo de energia potencial pois um sólido é tanto mais estável quanto menor for a sua energia potencial. Verifica-se que o vidro, sólido e amorfo tende a desvitrificar-se, embora muito lentamente. É a difusão que consegue vencer a enorme viscosidade do meio sólido. Por que a matéria sólida tende a tornar-se cristalina? A tendência para a cristalização é tão grande que consegue vencer a grande viscosidade do meio sólido. Este processo é observado nos vidros vulcânicos (ex. obsidianas) e também nos vidros das indústrias onde se verificam, microscopicamente, a existência de pequenos cristais, que são como que núcleos de cristalização (denominados cristalitos). A classificação dos minerais baseada no Dana's System of Mineralogy é: 1. -Elementos nativos 2. -Sulfetos 3. -Sulfossais 4. -Óxidos e Hidróxidos) 5. -Halóides (Haletos) 6. -Carbonatos 7. -Nitratos 8. -Boratos 9. -Fosfatos 10. -Sulfatos 11. -Tungstatos 12. -Silicatos Na classe dos Silicatos estão representados cerca de 25% de todos os minerais conhecidos e, aproximadamente, 40% dos minerais mais comuns. As rochas ígneas e as rochas metamórficas são, quase exclusivamente, constituídas por Silicatos.
  8. 8. 8 1-Elementos nativos : ex.ouro. 2-Sulfetos: São compostos por metais combinados com o ânion S- ou S-2.Os sulfetos são importantes minerais de minérios incluindo pirita (FeS2) calcopirita (CuFeS2), galena, (PbS) e pentlandita. Esta classe consiste, na maior parte, em combinações de vários metais com S, Te, Se e Te. A maioria dos minérios metálicos estão nesta classe. Exemplo, Galena, PbS 3-Sulfossais : Os minerais de compostos de chumbo, cobre ou prata em combinação com enxofre e antimônio, arsênio ou bismuto são incluidos na classe dos sulfossais. 4-Óxidos e Hidróxidos São minerais com ânion O2- e constituem importante fonte de bens minerais metálicos, tais como hematita (fe2o3), magnetita, cromita, espinélio e rutilo. a) Óxidos simples e múltiplos. Os minerais desta classe contêm um metal em combinação com o oxigênio. Exemplo, hematita, Fe2O3 b) Hidróxidos. Os óxidos contendo água ou hidróxila (OH-), como radical importante, estão incluídos nesta classe. Exemplo. Brucita, Mg(OH)2 5-Halóides (Haletos): São a classe de minerais que apresentam ânions da coluna VII da tabela periódica (halogênios), que são F, Cl, Br e I. Os haletos mais comuns são fluorita (CaF2), halita, fluorita, halita e silvita. Esta classe inclui os cloretos, fluoretos, brometos e iodetos naturais. Exemplo, fluorita, CaF2 6-Carbonatos São minerais com radical aniônico CO3, cujos principais exemplos são a calcita e aragonita e dolomito. Os carbonatos são importantes insumos minerais de industria,
  9. 9. 9 usados na fabricação de cimento portland e como corretivos de solos, entre numero de outras aplicações. Eles se formam comumente por precipitação química a partir de soluções aquosas saturadas em ambientes marinhos ou lacustres. Nesta classe, estão os minerais, cujas fórmulas incluem o radical carbonato, CO3 . Exemplo, calcita, CaCO3 7-Nitratos Incluem-se nesta classe os minerais que podem ser considerados sais do ácido nítrico e contêm o radical NO3 . Exemplo, salitre, KNO3 8-Boratos: Os boratos contêm o grupo BO3. Exemplo, bórax Na2B4O7.10H2O. 9-Fosfatos 10-Sulfatos Estão nesta classe os minerais cujas fórmulas incluem o radical sulfato SO4. Exemplo, Gipso CaSO4 11-Tungstatos Os poucos minerais que estão incluídos nesta classe têm o radical tungstato, WO4 , nas suas fórmulas. Exemplo, scheelita, CaWO4. 12-Silicatos: os silicatos são os mais abundantes minerais da crosta e do manto terrestre. Se radical aniônico, a sílica SiO4, forma tetraedros que se unem entre si ou com cátions pelo compartilhamento dos átomos apicais de oxigênios. A polimerização da sílica é possível possível em cirtude da distribuição interna de cargas nos tetraedros, em que cada um dos quatro aniôns oxigênios fornece metade de sua carga negativa para
  10. 10. 10 neutralidade de sua carga negativa para neutralizar o cátion silíco que se encontra no centro do tetraedro de coordenação. Há sete tipos geométricos fundamentais de cadeias polimerizadas e a classe dos silicatos é dividida em subclasses de acordo com tipo de polimerização, que condicionam aspectos estruturais, composicionais e morfológicos. Os principais minerais formadores de rochas são silicatos, tais como feldspatos, quartzo, olivinas, piroxênios, anfibólios, granadas e micas. Os silicatos formam a classe química mais importante entre os minerais. Contém vários elementos, dos quais os mais comuns são o sódio, o potássio, o cálcio, o magnésio, o alumínio e o ferro, em combinação com o silício e o oxigênio, formando frequentemente estruturas químicas muito complexas. 1. Nesossilicatos: tem tetraedros independentes ligados por Fe, Mg, etc. Olivina: ocorre rochas ígneas básicas e ultrabásica, sua alteração hidrotermal produz serpentina verde e óxidos de ferro (magnetitia). Granada: mineral das rochas metamórficas (xistos e gnaisses), produz clorita e hidróxidos de ferro. 2. Inossilicatos: subdivide-se em piroxênios e anfibólios. Augita especialmente abundante em rochas ígneas básicas (gabros e basaltos) e ultrabásicas (piroxenitos). A alteração destas minerais produz clorita, serpentina, talco e óxidos de ferro. Clorita. Serpentina Talco Oxido de ferro (hematita) 3. Filossilicatos: são hidratados e suas unidade se dispóesm em folhas, onde cada tetraedro é ligado a outros três por oxigênios em comum.
  11. 11. 11 Mica: mais importante das rochas metamórficas (gnaisses, xistos e quartzitos).
  12. 12. 12 Biotita: é encontrada em rochas ígneas ácidas (granitos, riólitos) e intermediárias e rochas metamórficas (xistos, gnaisses). Caulinita: constituem rochas sedimentares detríticas e da argila dos solos. Origina-se da alteração de aluminiossilicatos (feldspato e mica). 4. Tectossilicatos: Os minerais desta subclasse, grupos reúnem os principais formadores de rochas são feldspatos, a sílica, os feldspatóides Feldspato potássio: é comum nas rochas ígneas (granito, sienito), nas sedimentares detríticas (arenito, arcóseo) e nas metamórficas (gnaisses e xistos). É mineral predominante em pegmatitos.altera-se e vira caulinita. Plagioclásios: embora sendo óxido o tipo de estrutura da sílica permite enquadrá-la nos silicatos. Quartzo, calcedônia, opala. Quartzo Calcedônia Opala AULA 5: PROPRIEDADES FÍSICAS. A estrutura cristalina e a composição química dos minerais são responsáveis por diversas propriedades físicas dos minerais uteis para a sua determinação macroscópica. A dureza é a resistência do material ao risco e abrasão. É medida pela resistência que a superfície do mineral oferece ao risco por outro mineral de superfície qualquer. A determinação desta propriedade é referida na escala de Mohs.
  13. 13. 13 • A escala de Mohs é constituída por 10 minerais, classificados em ordem crescente de dureza; Cada um dos minerais desta escala risca o anterior, de dureza inferior, e é riscado pelo seguinte na escala, portanto de dureza superior; • Para auxiliar na determinação da dureza de um mineral, usam-se outros minerais já identificados e, portanto, com dureza conhecida, bem como outros materiais de dureza relativa conhecida, quando não dispomos da escala de Mohs. Minerais Euedrais. Como Usar a Escala de Dureza Relativa
  14. 14. 14 TRAÇO: é a cor do pó mineral que se observa quando este risca uma superfície áspera de porcelana branca e dura. Nos minerais opacos de brilho metálico (óxidos e sulfetos), esta é uma das propriedades diagnósticas para a identificação da espécie.  Transparentes e translúcidos: possuem traço branco;  Escuros de brilho não metálico: possuem um traço normalmente mais claro do que a sua cor;  Brilho metálico: possuem traço geralmente mais escuro do que a cor.
  15. 15. 15 - Hábito, densidade e propriedades organolépticas (tato, sabor e odor). Dificilmente os minerais desenvolvem formas geométricas perfeitas. Normalmente acontece o crescimento desproporcional das faces, originando uma grande variedade de formas, raramente mostrando uma simetria ideal. Os minerais se encontram na natureza, na maioria dos casos, em forma de grãos irregulares, sem faces cristalinas, porém com estrutura cristalina interna. Os minerais raramente ocorrem de forma isolada, normalmente ocorrem intercrescidos com os da mesma espécie. Se dois ou mais cristais da mesma espécie estão intercrescidos de forma regular, seguindo uma lei definida, chamamos de cristais geminados. Caso contrário chama-se o conjunto de cristais agregados. Então o hábito de um mineral pode ser analisado quando: 1- Ocorre de forma isolada; 2- Ocorre como agregado. Além disso, há dois tipos de agrupamento para o hábito, o grupamento geral e o grupamento especial. HÁBITO e Forma GRUPAMENTO GERAL O hábito não leva em consideração a estrutura interna, principalmente quando ela não é visível ou perceptível externamente, pelo crescimento desordenado e ou irregular das faces nas diferentes direções. Neste caso as denominações abaixo estão principalmente na dependência do crescimento diferencial nas três direções cristalográficas É quando o hábito do mineral individual reflete uma forma cristalina, isto é, formas cristalográficas próprias, geradas pela aplicação de elementos de simetria. Este agrupamento é baseado segundo os ângulos e comprimentos entre os 3 eixos cristalográficos. Podemos reconhecer os seguintes hábitos:
  16. 16. 16
  17. 17. 17 Hábitos De Minerais Que Ocorrem Como Cristais Isolados: Apenas quando as condições são extremamente favoráveis, um germe cristalino pode se desenvolver isoladamente dentro de uma solução-mãe, formando um cristal único. Dá- se a seguir certos termos usados para exprimir a aparência ou o hábito dos cristais individuais, ou dos agregados de cristais, apesar de que nem MUSCOVITA sempre se podem conhecer todos os minerais pelas suas formas, mas para muitos a forma é tão caracaracterística que pode servir como principal característica diagnóstica. FOLIÁCEO OU MICÁCEO: indivíduos que possuem duas direções equivalentes, mas uma terceira muito fina, originando cristais na forma de lâminas ou folhas muito delgadas, como as placas de micas. MUSCOVITA BIOTITA CLORITA: mineral secundário produto da alteração de silicatos de alumínio, ferro e magnésio. Alguns xistos são quase exclusivamente compostos por clorita LAMINAR: cristais achatados como laminas, porém mais espessos do que o foliáceo. Ex.: hematita TABULAR: Tabular: cristais com duas direções equivalentes, mais ou menos desenvolvidas (até 1/3 de diferença), bem maiores que uma terceira. Assemelha-se a tábuas. Ex.: cianita. ACICULAR: cristais delgados e rígidos em formas de agulhas devido o crescimento preferencial em uma direção, bem maior do que nas outras duas. Exs.: rutilo, estibinita, etc.
  18. 18. 18 Quartzo rutilado. COLUNAR: indivíduos grossos semelhantes a colunas, com terminações aproximadamente equidimensionais. Ex.: turmalina Turmalina FIBROSO: cristais na forma de fibras. Ex.: amianto, gipsita. GRANULAR: cristais que possuem as três dimensões mais ou menos semelhantes. Ex.: granada Almadina. HÁBITOS DE MINERAIS QUE OCORREM COMO CRISTAIS AGREGADOS Drusas: são associações freqüentemente desordenadas de cristais pequenos sobre uma superfície comum, plana ou convexa. Crescem em superfícies livres, tais como fraturas, cavidades, etc. Exemplos comunssão cristais de calcita sobre uma base rochosa, cristais de quartzo sobre paredes de rochas e gesso sobre argila. GEODOS: quando os cristais recobrem o interior de uma cavidade crescendo perpendicularmente às paredes, mas não preenchendo totalmente a cavidade.A cristalização migra das paredes para o centro da cavidade, sendo que às vezes no contato com a cavidade ocorrem formas micro-cristalinas como o caso dos geodos de ametista do Rio Grande do Sul, que normalmente apresentam uma camada externa de calcedonia (fibrosa) ou ágata (alternância de calcedonia e opala-amorfa).
  19. 19. 19 Geodos: Ametista e opala. CRISTAIS EM ROSETA: arranjos de cristais lamelares, dispostos em torno de um centro, dando a impressão de pétalas de rosa. Ex.: rosa do deserto (gesso=gipsita), hematita DENDRÍTICO: os cristais se dispõem com um aspecto arborescente, em ramos delgados divergentes, semelhantes a uma planta constituída de cristais mais ou menos distintos (grego: dendron = árvore). São formados geralmente por via úmida no interior de rochas porosas que permitem a circulação de fluidos. Exs.: óxidos e hidróxidos de ferro e manganês em ágatas e fraturas de rochas e certos metais nativos como cobre, prata, bismuto, ouro, etc.
  20. 20. 20

×