A ciência na história CHAUÍ_ Pedagogia- Camila Aparecida, Anderson e Thais

650 visualizações

Publicada em

A ciência na história (Unid.7, cap2,3 e 4 Convite à Filosofia, CHAUÌ).

Publicada em: Educação
2 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Gostei desse trabalho que sintetizado possibilitou compreender o quais as divisões da ciências e a função de cada divisão. Só acho que poderia ter colocado mais fotos a respeito do assunto.Todos que lerem este slide vão compreender aquilo que se pede do trabalho. Parabéns ao empenho do grupo.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • O grupo realizou o trabalho com muita destreza e eficácia, priorizaram os pontos chave dos textos, abordaram imagens condizentes com o tema proposto e seguiram as regras com perfeição de acordo com o que foi solicitado. Um ponto importante foi que conseguiram sintetizar todos os capítulos sem falhar nas informações necessárias; não houve erros de ortografia e as imagens estão bem limpas em todo o contexto do trabalho. Conseguimos entender o conteúdo e indicamos os slides para serem aproveitados em sala com finalidade lúdica educativa.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
650
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
2
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A ciência na história CHAUÍ_ Pedagogia- Camila Aparecida, Anderson e Thais

  1. 1. A CIENCIA NA HISTÓRIA AS TRÊS PRINCIPAIS CONCEPÇÕES DE CIÊNCIA Historicamente tem sido as principais concepções de ciência: Racionalismo, Empirista e o Construtivista. O Racionalismo afirma que a ciência é um conhecimento racional dedutivo e demostrativo como a matemática, portanto, capaz de provar a verdade necessária universal de seus enunciados e resultados sem deixar qualquer duvida possível. As experiencias cientificas são realizadas apenas para verificar e confirmar as demostrações teóricas e não para produzir o conhecimento do objeto.
  2. 2. O Empirista afirma que a ciência é uma interpretação dos fatos baseados em observações e experimentos que permitem estabelecer indução e que, ao serem completadas, oferecem a definição do objeto. A teoria cientifica resulta das observações e dos experimentos de modo que a experiencia não tem o papel simplesmente de de verificar e confirmar conceitos, mas tem a função de produzi-los. A concepção Construtivista considera a ciência uma construção de modelos explicativos para a realidade e não uma representação da própria realidade. São três exigências do seu ideal cientifico : ● Que haja coerência entre os princípios que orienta que orientam a teoria. ● Que os modelos dos objetos sejam construídos com base na observação e na experimentação. ● Que os resultados obtidos possam alterar os modelos construídos e também o principio da teoria.
  3. 3. DIFERENÇAS ENTRE A CIÊNCIA ANTIGA E MODERNA A ciência Antiga era uma ciência teorética, a técnica era um saber empírico, ligada as práticas necessárias à vida e nada tinha a oferecer à ciência nem a receber dela. AS MUDANÇAS CIENTIFÍCAS A primeira mudança se refere à passagem do racionalismo e empirismo ao construtivismo. A segunda mudança refere-se a passagem da ciência antiga teorética, qualitativa – a ciência moderna tecnológica, quantitativa. Verificou-se, uma descontinuidade e uma diferença temporal entre as teorias científicas como consequência não de uma forma mais evoluída, mais progressiva ou melhor de fazer ciência, e sim como resultado de diferentes maneiras de conhecer e construir os objetos científicos, de elaborar os métodos e inventar tecnologias. DESMITINDO A EVOLUÇÃO E O PROGRESSO CIENTÍFICO A ciência Moderna nasce vinculada à ideia de intervir na Natureza, de conhecê-la para para apropria-se dela, para controlá-la e dominá-la. A ciência moderna tornou-se inseparável da tecnologia.
  4. 4. O Campo das Ciências da Natureza As ciências da Natureza estudam duas ordens de fenômenos: Os físicos ou coisas; Os vitais ou organismos vivos.
  5. 5. O Campo das Ciências da Natureza Que por sua vez subdivide em duas ciências:  Física: de que fazem parte a química, mecânica, óptica, acústica, astronomia, e o estudo dos sólidos, líquidos e gasosos; Biologia: ramificada em fisiologia, botânica, zoologia, paleontologia, anatomia, genética e etc.
  6. 6. O Campo das Ciências da Natureza As ciências da natureza teve sua origem nas primeiras observações de grandes filósofos, e posteriormente nas observações controlada(experimentação). A experimentação permite ao cientista formular hipóteses que podem ser: Hipotético - indutivo; Hipotético - dedutivo.
  7. 7. As ciências humanas A expressão ciências humanas refere-se àquelas ciências que têm o próprio ser humano como objeto. Do século XV ao inicio do século XX, a investigação do humano realizou-se de três maneiras: Período do humanismo: O humanismo não separa homem e Natureza, mas considera o homem um ser natural diferente dos demais, manifestando essa diferença como ser racional e livre, agente ético, político, técnico e artístico. Período do positivismo: O homem como um ser social e propõe o estudo científico da sociedade: assim como há uma física da Natureza, deve haver uma física do social, a sociologia, que deve estudar os fatos humanos usando procedimentos, métodos e técnicas empregados pelas ciências da Natureza. Período do historicismo: insiste na diferença profunda entre homem e Natureza e entre ciências naturais e humanas, chamadas por Dilthey de ciências do espírito ou da cultura.
  8. 8. Relativismo, marxismo, fenomenologia e estruturalismo. O marxismo permitiu compreender que os fatos humanos são historicamente determinados e que a historicidade, longe de impedir que sejam conhecidos, garante a interpretação racional deles e o conhecimento de suas leis. A fenomenologia permitiu a definição e a delimitação dos objetos das ciências humanas O estruturalismo permitiu uma metodologia que chega às leis dos fatos humanos, sem que seja necessário imitar ou copiar os procedimentos das ciências natural.
  9. 9. Os campos de estudo das ciências humanas Psicologia: estudo das estruturas, do desenvolvimento das operações da mente humana Sociologia: estudo das estruturas sociais: origem e forma das sociedades, tipos de organizações sociais, econômicas e políticas; Economia: estudo das condições materiais (naturais e sociais) de produção e reprodução da riqueza, de suas formas de distribuição, circulação e consumo Antropologia: estudo das estruturas ou formas culturais em sua singularidade ou particularidade, isto é, como diferentes entre si por seus princípios internos de funcionamento e transformação. Historia: estudo das transformações das sociedades e comunidades como resultado e expressão de conflitos, lutas, contradições internas às formações sociais Lingüística: estudo das estruturas da linguagem como sistema dotado de princípios internos de funcionamento e transformação. Psicanálise: estudo da estrutura e do funcionamento do inconsciente e de suas relações com o consciente
  10. 10. Os campos de estudo das ciências humanas Psicologia: estudo das estruturas, do desenvolvimento das operações da mente humana Sociologia: estudo das estruturas sociais: origem e forma das sociedades, tipos de organizações sociais, econômicas e políticas; Economia: estudo das condições materiais (naturais e sociais) de produção e reprodução da riqueza, de suas formas de distribuição, circulação e consumo Antropologia: estudo das estruturas ou formas culturais em sua singularidade ou particularidade, isto é, como diferentes entre si por seus princípios internos de funcionamento e transformação. Historia: estudo das transformações das sociedades e comunidades como resultado e expressão de conflitos, lutas, contradições internas às formações sociais Lingüística: estudo das estruturas da linguagem como sistema dotado de princípios internos de funcionamento e transformação. Psicanálise: estudo da estrutura e do funcionamento do inconsciente e de suas relações com o consciente

×