OLHOSNUSCARMIMMPACMariadaPenhaBoina
OLHOSNUS,CARMIM
Antologia Poética
Maria da Penha Boina
MPAC EDITORA
OLHOS NUS, CARMIM
Onde vês o espiritual
Sou laica
Onde vês o uno
Sou dicotômica
Onde vês o passional
Observo consumação
On...
MARIA DA PENHA BOINA
OLHOS NUS, CARMIM
Antologia Poética
MPAC DESIGN EDITORA
Espírito Santo, 2013
Edição original: 2013
Copyright © by MPAC DESIGN Ltda
Copyright © by Maria da Penha Boina
COLEÇÃO MPAC DESIGN - 2013
Edito...
...olhos nus, carmim, o título, é homenagem aos meu
momentos de copos de vinho em meu metro quadrado,
de frente para o mar...
7
SUMÁRIO
Introdução						 13
Memento I						 19
A cegueira					 19
Teatro						 21
O sonho						 22
Mente demente					 23...
8
Sem destino II					 55
Psicopata					 56
A crise do lamento				 57
Assalto ao coração				 58
Telefone						 59
Ódio					...
9
Mestre
Um mestre instila informações nos seus discípulos, os
bons discípulos serão aqueles capazes de contextualizar
tai...
10
Liberdade
Tiram-me as algemas d’alma
Sinto-me em total liberdade
Como uma gaivota que alça voo
Ao mais alto dos ares.
11
INTRODUÇÃO
Canto 0.
Um dia me perguntaram quem você é? Como você se vê?
Eis a minha humilde resposta.
	 Sou uma pessoa ...
12
dependendo do objeto em causa, aplicar modestamente um
argumento e tê-lo verdadeiro, cumpre somente explicá-lo dentro
d...
13
	 Concluo este tema tão complexo de como sou e me
vejo, tentando elucidar como analiso o meu eu no contexto
social, nom...
14
ANTOLOGIA DE 35 ANOS
15
Memento I
Canto 1.
A CEGUEIRA
Olha, olha não consegue ver.
Você sabe que não ficou cego
Mas não entende porque não enxe...
16
CONSCIÊNCIA
Você achou que o tempo não passaria?
Tentou se convencer de que nada aconteceria?
Fez com que o seu cérebro...
17
TEATRO
O relacionamento acabou, mas existe amor?
O ódio, a vingança se apresenta.
E o vazio? Que tormenta!
E chora-se e...
18
O SONHO
Você corre, corre atrás de um sonho.
Mas você não conhece o sonho
Então, você vaga de um lado para o outro,
Con...
19
MENTE DEMENTE
O corpo não mente
O que mente é a mente
Vergar-se na mente que mente
Tem-se a mente demente
E na noa que ...
20
ODEIO
Odeio o sorriso pálido
Odeio os bons dias sem nexo
Odeio os muito obrigados
Odeio o silêncio alheio
Odeio quem mu...
21
EU E A MARIPOSA
Estou hoje de frente ao oceano cinzento,
Lindo
Dentro deste apartamento com o físico esquálido
Observei...
22
VOO
Se alçares voo
Deverá ser para chegares o mais alto dos ares
Para ver com outros olhos os mares,
E sonhares.
Mesmo ...
23
OCULTO
Fartei-me de mostrar o meu encanto
De cair em pranto
De elucidar minha ternura.
Hoje sei de que nada adianta
O q...
24
MANÉ
Nasceu ignorante
Sem berço para levá-lo adiante.
Sem esforço,
Descambou para a vida errante.
Teve muitas amantes.
...
25
SEM DESTINO
Você deseja chegar?
Você sabe que o caminho é longo
E sabe que existe várias formar de ir.
Mas não será ass...
26
ODISSEIA
Levantou
Alçou voo
Viu com encanto
Todos os recantos
As maravilhas dos campos
As luzes das metrópoles
Os índio...
27
BEM-TE-VI
Bem-te-vi, bem-te-vi...
Bem me viu e eu não te vejo?
Não quero este bem, não o desejo,
Que me vês e eu não o ...
28
FUGA A ESMO
Fez juras que não pode cumprir,
Agiu como se conhecesse o futuro,
Criou expectativas no outro,
Conjeturou p...
29
INSIGNIFICÂNCIA
Cura a sua dor meu caro
Assim sai da latência do imaginário,
Honra-te da insignificância.
O trabalho é ...
30
LEMBRANÇAS PERFEITAS I
O seu mundo não se move mais pelas lembranças?
Então por que, se sentir assim todo o tempo?
E te...
31
LEMBRANÇAS PERFEITAS II
O semáforo da ponte no lugar desconhecido não dá o verde, e
a espera é longa?
Não sabíamos que ...
32
A melhor das pescarias.
Sentados na areia da praia depois de consumirmos carapau
seco?
Que viagem!
Os bocejos no carro ...
33
LEMBRANÇA PERFEITAS III
É tarde de outono,
O oceano, da janela do apartamento, se apresenta mais
cinzento.
O homem nada...
34
METÁFORAS
Os galos da Dona Lena
Cantam muito cedo
Uns às vezes morrem
Outros passam a cantar
Noutros terreiros.
Quase n...
35
DESCARTE
Descarte a carta que te prende ao jogo
A angústia do egoísmo evasivo
Por abnegação o incontestável
A patente v...
36
O HOMEM AVESTRUZ
O homem que fortemente criticou o que lhe era desconhecido
Sentia-se o maior dos protegidos
E sem nenh...
37
MÁSCARAS
Eu vivo com as minhas seis máscaras que confeccionei.
O dia da máscara de político para poder lidar com uma
so...
38
INDECISÃO
Essas dores!!!
Vou, porque tenho de ir;
Volto por não poder ficar.
Se pudesse, nem iria e nem ficaria.
Dói-me...
39
ESQUECIMENTO
O homem que esquece a poesia
Esquece os gestos e as manias
Dilacera com os ancestrais.
O homem que se pass...
40
O homem que ignora a realidade
Desconsidera o papel que o caos inevitável tem
Conjectura outra objeção.
O homem que se ...
41
COMPREENSÃO
Existem coisas que não compreendo
Como a morte
Não entendo o romantismo barato pelo telefone
Não compreendo...
42
ROMANTISMO
Gostaria que soubesse:
O que se vive juntos não passa
Portanto, não diga que eu matei a nós.
Meu ser não con...
43
ESCREVO
Na segunda-feira, escrevo;
Na terça e quarta, também;
Às vezes escrevo na quinta e
Na sexta quando sinto que co...
44
PASSADO E FUTURO
Sem passado o presente não terá futuro.
Quem somente vive intensamente no presente e não examina o
pas...
45
MARIA DA PENHA BOINA - AUTOESTIMA
Sempre achei que fosse censurada pelos meus defeitos
Comecei a mensurá-los para corri...
46
VIRTUALIDADE
A vida, amigos, amantes, exposições,
Tudo virtual.
As músicas, poesias, filosofias, psicologias,
Tudo virt...
47
ELES E AS MULHERES
Eles são passionais às Joanas, Cristinas e Helenas.
Suas vidas não passam além das que vivem das mes...
48
PERNAMBUCO
Conhecer Pernambuco é giro, como se diz na boa gíria de
Portugal.
Baila-se cavalo marinho pra esquecer-se a ...
49
AMOR REVERSO
Num belo dia eu ouvi falar
Fizeram-te uma imprecação de males
Como prenúncio de morte.
Praga de gente sórd...
50
SEM DESTINO I
Não, não é assim que você é,
Você é mais, muito mais de tão pouco,
É o verão que está a consumir o seu pe...
51
SEM DESTINO II
Viveu e viu as façanhas da vida
Armou-se em seu campo de força
Arrebanhou todas as ovelhas
Caricaturou a...
52
PSICOPATA
Leva anos e anos
Delineando a sua armadilha
Estudando a sua vítima.
Falante, charmoso, simpático, sedutor,
Ca...
53
A CRISE DO LAMENTO
Apoio os dedos finos
Das mãos enrugadas no teclado
Nenhum, encanto vejo acontecer
Nada surge em pala...
54
ASSALTO AO CORAÇÃO
Bateram em minha porta
Eu a abri com um sorriso
E para a minha surpresa
Era um assalto.
Fiquei estar...
55
TELEFONE
Estou concentrada e, num disparate, o susto
Um trim, trim, trim
É o telefone a tocar
Esvazia-se momentaneament...
56
ÓDIO
Amo alimentar o meu ódio
Quero beber deste ódio eternamente.
É ele que nutre a minha existência
Sem essa lâmina nã...
57
PAIXÃO
Sê como amigo,
O mais verdadeiro.
Sê por gratidão,
com a maior vontade.
Sê por justiça,
bem feita.
Sê por teimos...
58
PERDI
Perdi
Sei que é minha culpa
Não contemplei e não mensurei as consequências
Deduzi que todos seriam fortes como eu...
59
Mas fui sincera e continuo a ser
Jamais apontarei um erro seu
Pois nunca fizestes por merecer.
Fostes e agora estou só
...
60
ACONCHEGO
Que belo o que ousas proclamar,
Mesmo que seja em nome alheio
De ti, nunca vou me separar
Pois um grande amor...
61
MEUS HOMENS
Estou cansada das reverências
Tenho como liberdade
O antissocial
A minha própria forma de pronunciar.
Não q...
62
LÁPIDE
Lapidei durante toda uma vida
As coisas mais coloridas
Nas artes que criei.
Hoje, já quase morta,
Em preto e bra...
63
Memento II
Canto 2.
OMISSÃO
Proibiu as suas palavras de me visitarem,
teus olhos de me enxergarem,
teus ouvidos de me e...
64
AMOR AMIGO
Amor amigo é aquele que existe sem interesse,
sem querer nada em troca.
É o amor perfeito
não anedota.
Amor ...
65
INSATISFAÇÃO
O teu elogio não cura mais a minha insatisfação.
As tuas ideias consomem a minha alegria.
O teu juízo desa...
66
QUEM TU ÉS?
Quem és tu?
Em que mundo tu vives?
Quais são os teus sonhos?
O que queres?
Porque tropeças tanto?
Porque nã...
67
SONHOS DE MENINA MULHER
Fantasiei quando menina
Casar e ter meus filhos
Um menino e uma menina
De olhos bem clarinhos
N...
68
TATUAGEM
Vou tatuar o meu corpo
Com um Escorpião
Porque sou racional,
Mas destrutiva de coração.
Não, não - Vou tatuar ...
69
AMOR
Amor é somar, dividir e multiplicar
Nunca, jamais, subtrair.
70
FERA DOMADA
Nasci fera e fui domada
pelas chicotadas da vida.
E para cada chicotada
Uma literatura inteira foi percebid...
71
É TARDE (16/08/01)
De que adianta seu amor agora
Se quando te amei você nem ligou
O quê me importa seu carinho agora
Se...
72
Memento III
Canto 3.
NOVOS TEMPOS
Acordo e começa o corre-corre
Para chegar, não sei aonde.
Durante o dia, trabalho
A n...
73
SETEMBRO DE 2003 EM PORTUGAL
Está um lindo dia
O sol brilhante o céu sem nuvens
Dá vontade de sair.
Imagino o mar deve ...
74
Passo agora este mal presságio
Para os entes mais queridos
Que no futuro se acharão esquecidos
Do ventre que os gerou
M...
75
MEU AMIGO PEDRO (03/1998)
A adolescência conta histórias
E nestas histórias loucas, tem a do Pedro.
Ah! Meu amigo Pedro...
76
TESTAMENTO DO AMOR DE UMA MULHER
(02/2001)
Mulher não pode amar
na essência da palavra
Somente pode ser amada
na fadiga...
77
por deixar-me ser conquistada.
SOFRIMENTO VIRTUAL (10/1999)
Nas noites escuras e frias
Não se faz mais barquinhos de pa...
78
A alegria do dado impasse
De vencer o que aparecia vencido.
Mas a tormenta não termina
A dor é mais intensa
Quando na d...
79
CONDENAÇÃO (03/2001)
É ímpar, é demais poder amar
Mas amor é como o satanás
Faz proteger o nome do condenado
Precisando...
80
TELEFONE (03/2001)
Estou escravizada
Por este aparelho maldito,
Fico constantemente a espera
Que ele me chame do longín...
81
POETISA FERIDA (03/2001)
Sempre fui poetisa da alegria
Das grandes virtudes e glórias
Como um poeta deve ser.
	 Mas uma...
82
PAULO (07/1989)
Paulo Fernando
Na intimidade - Paulo
Que no telefone brincava
E cá, também eu.
Que em um encontro nosso...
83
JOSINO O GÊNIO (1980)
Josino pequenino
Josino tão inocente
Aquele moleque trapo
Josino transumano.
Josino cresceu
Pois ...
84
TEMPO (1979)
Mestre e correto é o tempo
Todas as coisas norteiam o tempo
Até o sobrenatural depende
Do tempo
O querer é...
85
PERTENCER (05/1979)
Santo, peregrino faceiro
Peco e Tu perdoa-me
Forma que Tu, qualidade divina
Mostras o que és.
Brilh...
86
CÓLOFON
Cantos escritos de 1979 a 2013, em estações e sítios bastantes
diferenciados, na tentativa apenas, de compreend...
A cegueira
Olha, olha não consegue ver.
Você sabe que não ficou cego
Mas não entende porque não enxerga
Mas você sabe que ...
Livro 1 - Olhos nus, carmim
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Livro 1 - Olhos nus, carmim

1.399 visualizações

Publicada em

Livro de poesias - Olhos nus, carmim.
Maria da Penha Boina (2013)

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Livro 1 - Olhos nus, carmim

  1. 1. OLHOSNUSCARMIMMPACMariadaPenhaBoina OLHOSNUS,CARMIM Antologia Poética Maria da Penha Boina MPAC EDITORA
  2. 2. OLHOS NUS, CARMIM Onde vês o espiritual Sou laica Onde vês o uno Sou dicotômica Onde vês o passional Observo consumação Onde vês a interação Enxergo recusa Onde vês ódio Percebo excitação Onde vês o latente Descortino o manifesto. Veem os olhos antagônicos A maneira que se vê, É atração Shekespeariana Dos olhos cinza e belos Contra os meus olhos Nus, carmim. OLHOS NUS, CARMIM Antologia Poética
  3. 3. MARIA DA PENHA BOINA OLHOS NUS, CARMIM Antologia Poética MPAC DESIGN EDITORA Espírito Santo, 2013
  4. 4. Edição original: 2013 Copyright © by MPAC DESIGN Ltda Copyright © by Maria da Penha Boina COLEÇÃO MPAC DESIGN - 2013 Editores: Antenor Cesar Dalvi e Maria da Penha Boina Capa: Antenor Cesar Dalvi e Maria da Penha Boina Fotos: divulgação Direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19.02.1998. Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida ou transmitida sob qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico ou sistemas magnéticos recuperáveis, sem permissão, por escrito, do Editor. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil Direitos desta edição: MPAC DESIGN Editora Rua Dulce Brito Espíndula, 72, Jardim Camburi, Vitória - ES http://vergeldebits.blogspot.com (27) 3336.4916 Impresso no Brasil - 2013 Boina, Maria da Penha OLHOS NUS, CARMIM: antologia poética; Maria da Penha Boina; Vitória, ES. MPAC DESIGN Editora, 2013. 86p; 19 cm. ISBN Não requerido 1. Poesias Brasileiras 2. Poesias Capixabas CDD-Não requerido
  5. 5. ...olhos nus, carmim, o título, é homenagem aos meu momentos de copos de vinho em meu metro quadrado, de frente para o mar, lugar único.
  6. 6. 7 SUMÁRIO Introdução 13 Memento I 19 A cegueira 19 Teatro 21 O sonho 22 Mente demente 23 Odeio 24 Eu e a mariposa 25 Voo 26 Oculto 27 Mané 28 Sem destino 29 Odisseia 30 Bem-te-vi 31 Fuga a esmo 32 Insignificância 33 Lembranças perfeitas I 34 Lembranças perfeitas II 35 Lembrança perfeitas III 37 Metáforas 38 Descarte 39 O homem avestruz 40 Máscaras 41 Indecisão 42 Esquecimento 43 Compreensão 45 Romantismo 46 Escrevo 47 Passado e futuro 48 Maria da Penha Boina - Autoestima 49 Virtualidade 50 Eles e as mulheres 51 Pernambuco 52 Amor reverso 53 Sem destino I 54
  7. 7. 8 Sem destino II 55 Psicopata 56 A crise do lamento 57 Assalto ao coração 58 Telefone 59 Ódio 60 Paixão 61 Perdi 62 Aconchego 64 Meus homens 65 Lápide 66 Memento II 67 Omissão 67 Amor amigo 68 Insatisfação 69 Quem tu és? 70 Sonhos de menina mulher 71 Tatuagem 72 Amor 73 Fera domada 74 É Tarde (16/08/01) 75 Memento III 77 Novos tempos 77 Setembro de 2003 em Portugal 78 Meu Amigo Pedro (03/1998) 80 Testamento do Amor de uma Mulher(02/2001) 81 Sofrimento Virtual (10/1999) 82 Condenação (03/2001) 84 Telefone (03/2001) 85 Poetisa Ferida (03/2001) 86 Paulo (07/1989) 87 Josino o gênio (1980) 88 Tempo (1979) 89 Pertencer (05/1979) 90
  8. 8. 9 Mestre Um mestre instila informações nos seus discípulos, os bons discípulos serão aqueles capazes de contextualizar tais informações numa estrutura não elementar e, através de suas ações passarão a ter conhecimento, mas, para se tornarem mestres, terão de discernir o axiomático, transcendendo a sua máxima, e assim alçarem sabedoria.
  9. 9. 10 Liberdade Tiram-me as algemas d’alma Sinto-me em total liberdade Como uma gaivota que alça voo Ao mais alto dos ares.
  10. 10. 11 INTRODUÇÃO Canto 0. Um dia me perguntaram quem você é? Como você se vê? Eis a minha humilde resposta. Sou uma pessoa que adota certa severidade para comigo. A estranheza que tenho é a máscara do meu ser, o ser que é sempre acolhido pelos outros como um convidado, e que, todos tratam com amabilidade, sem nenhum sentimento, usando as suas máscaras da educação. Não tenho felicidade e nem infelicidade, nenhuma das situações podem me constranger, não tenho ânsia no trato por estes sentimentos. O que os outros querem de mim? Querem que o meu habitat e estilo estejam no modelo social, à imitação, portanto, não o serei, pois carrego o que me prometo, mas o que a mim faço, não posso muitas vezes cumprir pelo desejo. Desejar é um momento muito volátil e nesta inconstância do ambicionar não cumpre o que se desprende da alma e o corpo mente. Abstraio-me dos olhos dos outros, das ações de que necessitam transfigurar-se para a vivência que o natural lhes delineia, assim, corrompo com os estilos com o factual. Tenho a capacidade de abandonar uma vida material concreta e segura para passar anos distantes dos entes que julgo queridos na busca de novos valores para quando voltar. Procuro a cada dia aprender com a vida e com isso construir valores para alimentar a minha sabedoria. O meu desejo não é tentar compreender o incompreensível. Tenho como verdade que a menor porção de algo quando bem analisado e compreendido, pode explicar o todo complexo. Não sou inteiramente a favor do cartesianismo, mas Descarte na sua lógica procurou explicar deveras bem o que hoje à ciência se faz coçar em pelo. Fica assim claro que,
  11. 11. 12 dependendo do objeto em causa, aplicar modestamente um argumento e tê-lo verdadeiro, cumpre somente explicá-lo dentro desta verdade, o que vem a ser também bastante aristotélico. Poupo-me do óbvio, a religião já a faz por si há milênios com o objetivo da doutrina. Os livros de autoajuda já são muitos para consolidar as opiniões fracas, se posso dizer que mentes fracas têm alguma opinião e condição de crítica. Obstante a sua característica doutrinaria, são deveras importantes os pilares para a sustentabilidade à massa dominada que creem no livre arbítrio para depois se consultarem com os ícones personificados no subconsciente, salvaguardando uma idolatria que massageia o ego com o perdão imaginário. Brilhantes são as regras explicitas que comovem nações e povos, discorrendo regras conceituais de amor, ódio, perdão, caos, e tudo o mais, que traduz uma época, uma necessidade política, econômica e social para e pelo poder. O poder é o método capaz de controlar o caos que poderia acontecer sem a regulamentação doutrinária. A preguiça cerebral da humanidade propõe o melhor para cada ser. Não ter que pensar é a forma mais simples de passar pela vida, sofre-se menos por não conhecer, acreditando em tudo que é experienciado e viver pela fé, e assim estarão todos a salvos dos males. A leveza pela purificação das almas doutrinadas suplanta quaisquer obstáculos do mundo. Almas perfeitas e lavadas, os ícones pensam por essas almas, assim não existe nada de melhor para viver pensando que existe o livre arbítrio. O alívio das almas pela preguiça, pela ignorância, destitui grande parte da humanidade do compromisso de si e do outro. Suas almas já estão regulamentadas e controladas por suas crenças “vazias”, por significados não compreendidos, mas com fé. Acredito que na ignorância não se é capaz do autoconhecimento, e o que permanece é um objeto, o corpo biológico que acredita por ter nascido com um cérebro evoluído, já não é mais um ser limitado. Diante desse pensamento, não corroboro com o que os gregos antigos e os escolásticos acreditavam afirmando que, as coisas existem simplesmente porque precisam existir, ou porque assim deve ser.
  12. 12. 13 Concluo este tema tão complexo de como sou e me vejo, tentando elucidar como analiso o meu eu no contexto social, nomeadamente como ser sociável e uno que se julga num contexto de crença puramente científica. Sucintamente e de forma mais simples, eu me vejo como um ser que admite internalizar as externalidades, mas com uma barreira de fogo bastante bem implementada.
  13. 13. 14 ANTOLOGIA DE 35 ANOS
  14. 14. 15 Memento I Canto 1. A CEGUEIRA Olha, olha não consegue ver. Você sabe que não ficou cego Mas não entende porque não enxerga Mas você sabe que está sobre a ponte E sabe que o mar azul está adiante Existem navios no horizonte Você tem consciência de tudo Mas não consegue ver Ei? Não tente abrir mais os olhos Você não vê por falta da visão O muro é muito mais alto Faça o esforço para subir até o topo É muito alto, e você não suporta mais o cansaço? Tente mais uma vez. Sente-se fraco Não tem mais tempo? Dê mais uma gota do seu sangue Sei que é a última gota Está quase, vai. Sente-se melhor agora? Você chegou ao topo. Mas o seu corpo é só dor Você demorou demais O muro é alto E não teve tempo de ver os navios A correnteza mudou a cor do mar. Não salte agora. Use a sua imaginação. Tente enxergar assim mesmo.
  15. 15. 16 CONSCIÊNCIA Você achou que o tempo não passaria? Tentou se convencer de que nada aconteceria? Fez com que o seu cérebro queimasse no alto-forno? Esqueceu-se de que o fogo queima? Mas o produto escorreu Petrificou com o ar Tentou a picareta para quebrar e nada Tentou um componente químico Mas a química não permitiu que se liquidificasse novamente Pronto, você envelheceu e ficou pronto. Nada mais é capaz de modificar Nem os vermes conseguirão devorar. E você ainda nem percebeu Que o tempo passou e se foi para bem longe Nem é capaz de processar lembranças e a dor aumenta Mas o que solidificou nem pensa Só sofre e nem sabe discernir em que consiste.
  16. 16. 17 TEATRO O relacionamento acabou, mas existe amor? O ódio, a vingança se apresenta. E o vazio? Que tormenta! E chora-se e ri-se. O corpo fica esquálido. Os olhos não veem os campos, as ruas e as cidades. Não se escuta os cumprimentos, são sussurros desnexos. Quer-se a amizade? Não, não existe possibilidade – É amor. Sente-se a senhora de cetim negro, mais próxima. Caminha junto a todos os passos. Então o que é melhor? Lembrar-se que a vida é uma peça de teatro, E o vivido não foi mais que meio ato.
  17. 17. 18 O SONHO Você corre, corre atrás de um sonho. Mas você não conhece o sonho Então, você vaga de um lado para o outro, Considerando as coisas pontuais como realizadas Mas você volta para casa Fica ali calado Frio Embutido Imundo Moribundo Chora e ri embriagado A noite cai O estomago enjoado Adormece E o sonho que sequer foi sonhado Morre com o sono O dia nasce novamente E você volta a correr e corre atrás do sonho.
  18. 18. 19 MENTE DEMENTE O corpo não mente O que mente é a mente Vergar-se na mente que mente Tem-se a mente demente E na noa que vai além da hora por ora A mente que mente Estagna na imensidão do céu noturno Na recordação do momento divino No sorriso amigo Na sensibilidade do choro ou sorriso No amor e na fé Mente que mente indeterminadamente No decifrar os enigmas das emoções Os pensamentos abstratos A consciência. Absurdo de mente demente.
  19. 19. 20 ODEIO Odeio o sorriso pálido Odeio os bons dias sem nexo Odeio os muito obrigados Odeio o silêncio alheio Odeio quem muito fala Odeio a voz meiga massageada Odeio quem desfila sem palco Odeio aceitar o imperdoável Odeio as sanguessugas Odeio as juras secretas Odeio o cheiro das flores mortas Odeio a política Odeio religião Odeio a falta de espiritualidade Odeio quem reverencia Odeio a inércia destemida Odeio carros e casas de outros Odeio gente fedorenta Odeio o perfeccionismo Odeio compromissos indigestos Odeio gente Odeio quem dissimula o ódio Odeio com todo o meu ódio Ódio de quem sabe odiar.
  20. 20. 21 EU E A MARIPOSA Estou hoje de frente ao oceano cinzento, Lindo Dentro deste apartamento com o físico esquálido Observei novamente a mariposa que na parede da sala, Estava há mais de semanas pousada Imaginei que ela, como eu Estava meio morta Ao remexê-la Ela se apossou de outro sítio. A expressão da mariposa e a minha Deveria ser retratada em um filme.
  21. 21. 22 VOO Se alçares voo Deverá ser para chegares o mais alto dos ares Para ver com outros olhos os mares, E sonhares. Mesmo que esteja longe a terra Não tenhas medo da queda Que um dia estará por vir. Se não conseguires pousar Então permaneça na correnteza quente dos ares Com as asas paradas E irás a outros lugares Sem te cansares. A vista de cima é das mais belas É lúdica, é singela. E quando conseguires um bom pouso Pousa suave Outros voos assim São seculares.
  22. 22. 23 OCULTO Fartei-me de mostrar o meu encanto De cair em pranto De elucidar minha ternura. Hoje sei de que nada adianta O que me é sentimental. O que eleva o meu feitio e Coloca noutro coração A minha galhardia É o meu intencional.
  23. 23. 24 MANÉ Nasceu ignorante Sem berço para levá-lo adiante. Sem esforço, Descambou para a vida errante. Teve muitas amantes. Sua felicidade? Deitar-se com as Maneias, Eram as suas odisseias. Pensava só com o falo O que de mais honroso tinhas, Só poderia se tornar inábil. E agora Mané, que o seu corpo, Chegou ao desmonte? Desmoronou. Mas, o caminho já foi percorrido, A herança é da inconsequência, Restando os poucos fragmentos Da vida que você traçou.
  24. 24. 25 SEM DESTINO Você deseja chegar? Você sabe que o caminho é longo E sabe que existe várias formar de ir. Mas não será assim tão fácil. Traça os objetivos e as metas para cada ato E você vê que é sofrível. Busque, o projeto está traçado. Já está em exaustão? Ou é medo da ação? Potencialize as energias Deixa de lado a aflição. Não será mais um decadente Juntando angústias e inquietação. Sei, o esforço é hercúleo, A ânsia é muita Que causa náuseas E ainda nem deu o primeiro passo. Vai de bote? Decidiu, Fico aqui a ver da praia. Você foi, Vejo você distante A sumir no horizonte.
  25. 25. 26 ODISSEIA Levantou Alçou voo Viu com encanto Todos os recantos As maravilhas dos campos As luzes das metrópoles Os índios, as florestas, As acrópoles Os oceanos. Aterrissou. Viu a guarda inimiga O sangue e a falta de comida A doença, a má sorte.
  26. 26. 27 BEM-TE-VI Bem-te-vi, bem-te-vi... Bem me viu e eu não te vejo? Não quero este bem, não o desejo, Que me vês e eu não o vejo. Abra as tuas asas Pouse na minha arcada Saia do anonimato. Não sou assim tão tolerante Para que fiques de longe Fustigado a minha alma. Se assim continuares Vou armar o meu arco E a esmo, disparo, Levando na ponta da flecha de aço O que será o seu último abraço.
  27. 27. 28 FUGA A ESMO Fez juras que não pode cumprir, Agiu como se conhecesse o futuro, Criou expectativas no outro, Conjeturou promessas em devaneios, Gritou com sentimento único, Humilhou-se, Iludiu-se, Destituiu-se, Faltou-lhe o poder de mostrar a própria força, À sua amante prepotente. Atuou de fato, Uniformizou o ato Tornou-se dependente de haveres. Impotente, buscou a própria acepção. Foi certo na escolha, Estás agora no seu impressionante cenário, Hilário. Não tens mais juras a fazer. Uniu-se a pessoa de iguais atributos, Num Estado de quinta classe, No país de terceiro mundo, Florescendo da história de um passado Das coisas habituais. Nada notável, Escondeu-se.
  28. 28. 29 INSIGNIFICÂNCIA Cura a sua dor meu caro Assim sai da latência do imaginário, Honra-te da insignificância. O trabalho é pouco, Mas tens um teto com palmos medidos, A abrigar os teus prazeres. És tão apoucado Que esta choça O torna ancho. Não lutaste pelo abundante, E a pouca monta em que tu te apoias Irá satisfazer-te.
  29. 29. 30 LEMBRANÇAS PERFEITAS I O seu mundo não se move mais pelas lembranças? Então por que, se sentir assim todo o tempo? E tenta corromper com esse sentimento de angústia. Mas não consegue! É mais forte que você. Vai ao mar? Estou lá Vai à montanha? Também estou lá Vai à beira do rio? Sentes falta de mim. Deita-se na cama e pela janela vês as estrelas? Eu sou uma delas. Atravessou o oceano para sentir a mesma coisa de antes? Errou. Nada é igual. O cheiro é diferente O diálogo é diferente A música é diferente E então, a poesia? Bem diferente. È débil demais, não é? São muitas as tentativas do esquecimento, Mas você não consegue me esquecer.
  30. 30. 31 LEMBRANÇAS PERFEITAS II O semáforo da ponte no lugar desconhecido não dá o verde, e a espera é longa? Não sabíamos que deveria apertar o botão. Estamos no carro há horas e temos fome e sem dinheiro? Comemos pão com chouriça. A sapateira é só moscas? Não se come sapateira a beira rio. Os portais dos castelos e outras obras milenares são magníficos? Esquecemos novamente da máquina fotográfica. As idas de férias são cansativas e curtas? Mas vale a pena o oceano com um espeto de churrasco a pescar, Ou um mergulho com os corpos equipados a beira mar. A lida dos dias é exaustiva? Mas compensa no fim da noite. O frio é insuportável na serra? Mas a profissão é o resgate. Repetimos as idas nos mesmo sítios? Mas as cores são sempre diferentes. As músicas no carro podem vir do rádio ou CD e se repetirem? Mas é a hora de dizer que nos amamos. A Leiria ficou próxima a Coimbra? É o prazer da espera. Cada percebe e ameijoa ingerida? Tudo sabe bem. Cada montra apreciada? É tudo lindo com a loja fechada. Cada compra realizada para a casa? Horas e horas de apreciação. Cada taça de vinho consumida sentados à mesa da cozinha com os corpos nus? É o diálogo doravante do delírio dos melhores amantes. Cada pescaria sem nexo no frio intenso?
  31. 31. 32 A melhor das pescarias. Sentados na areia da praia depois de consumirmos carapau seco? Que viagem! Os bocejos no carro no fim da noite? Uma praga que pega. E depois de tudo as lembranças, E ri-se e ri-se sem parar, das mais fúteis e idolatradas conquistas.
  32. 32. 33 LEMBRANÇA PERFEITAS III É tarde de outono, O oceano, da janela do apartamento, se apresenta mais cinzento. O homem nada todos os dias no mesmo lugar, Deve ser norma do seu médico, pois água está fria. Mergulha e, em cada braçada quando, A cabeça vem à tona para respirar É você a nadar no meu mar. Corro à varanda Fixo bem os olhos para distinguir quem realmente é, Leva tempo para decifrar. O cérebro está condicionado Para enxergar o que desejo Que deveria além do horizonte estar. Depois de algumas horas Com olhos a transmitir ao cérebro a real imagem, Conscientiza a interpretação, É outra pessoa a se exercitar e, já caminhando, Ele sai do meio da nuance preguiçosa da estação. Achei que seria possível ser você vindo a nado, Mas você já cá está a nadar em outro mar. Talvez, mesmo sendo outono, Seja um mar mais significante e mais brilhante Que o mar que lhe tenho a ofertar.
  33. 33. 34 METÁFORAS Os galos da Dona Lena Cantam muito cedo Uns às vezes morrem Outros passam a cantar Noutros terreiros. Quase não sonho Passo a ter sonhos confusos e difusos Com o ator quando ele, Despe-se de seu papel.
  34. 34. 35 DESCARTE Descarte a carta que te prende ao jogo A angústia do egoísmo evasivo Por abnegação o incontestável A patente vulnerável. Descarte meu caro A serenidade do rio onde tu lamentas A seriedade de como tu gargalhas O triste riso do palhaço. Descarte a empáfia O rigor não excessivo O ato fastidioso A clarividência do fato. Descarte a literatura sem censura O rito benevolente O peso ao revés A desafinação da autoria. Descarte o lhano Que de cândido e despretensioso nada tem. DescARTE Não, a arte de Descartes.
  35. 35. 36 O HOMEM AVESTRUZ O homem que fortemente criticou o que lhe era desconhecido Sentia-se o maior dos protegidos E sem nenhum escrúpulo, julgou o ser amado, E acabou se acabrunhando no silêncio. Num momento sequer esperado Viu-se totalmente desamparado Teve medo da recusa e de ficar ilhado. Sua autoconsciência saiu da inércia, da paralisia, Tudo agora se podia. O desconhecido que por ora criticado Torna-se o recanto mais privilegiado, a zona de conforto, a sua nova ilha. Como o novo encontrado é o diferente Tenta a amnésia afetiva para adiar decisões, Coloca-se em territórios movediços Criando armadilhas para sua própria dignidade. O que o move agora é o inconsciente Com esperança no que lhe é variado, O que lhe trava a nostalgia. Para não incorrer no perigo de fazer a história irreconciliável E por medo da verdade que na ponta de seu nariz se encontra Cobre a cabeça como a avestruz, sentindo-se protegido. Criando um inimigo eloquente demais, que para um poeta, Não existe comentário. O seu amado, agora o seu inimigo imaginário, Avança meticulosamente E quando da sua passagem da opulência e da felicidade à pobreza e desgraça Será o único que estará a seguir os seus passos Para te elevar do seu estado de aflição, do seu infortúnio e desventura, Da calamidade em que se encafuou.
  36. 36. 37 MÁSCARAS Eu vivo com as minhas seis máscaras que confeccionei. O dia da máscara de político para poder lidar com uma sociedade medíocre. O dia da máscara de palhaço para fazer rir pessoas que não conseguem observar a tristeza do meu eu mais profundo. O dia da máscara da fantasia para consolar os sonhos, alheio. O dia da máscara da verdade para que duvidem de mim. O dia da máscara da extravagância para que vejam, a minha versatilidade, a minha intolerância e a minha sabedoria, para que assim, eu seja reconhecida. O dia da máscara da bondade e da feminilidade para que sintam a minha fragilidade. São seis máscaras para cada um dos seis dias da semana que fazem a minha sobrevivência neste mundo insano. A sétima máscara eu não consegui criar, nesse dia sou eu na minha performance real e louca que só uma pessoa no mundo conhece.
  37. 37. 38 INDECISÃO Essas dores!!! Vou, porque tenho de ir; Volto por não poder ficar. Se pudesse, nem iria e nem ficaria. Dói-me por demais a carne e ossos que compõe a estrutura de uma alma; Pasmo sempre, por ir e não voltar.
  38. 38. 39 ESQUECIMENTO O homem que esquece a poesia Esquece os gestos e as manias Dilacera com os ancestrais. O homem que se passa pelo capricho Esquece a filosofia Quebra os cristais. O homem que se derrama em lágrimas Mas se esquece da sociologia Dilacera com a dicotomia. O homem que dramatiza uma história Esquece que na luta pode-se chegar à vitória Mortifica a glória. O homem que foge da realidade Luta pela unicidade Difama sentimentos da igualdade. O homem que utiliza o seu olho cego Vagueia na hipotética realidade Rasga as páginas da história. O homem que se esquece da empatia simbiótica Relega as variáveis pela ausência do evento Desvia a relevância. O homem que rompe com a pintura abstrata Deseja o que vê Perde a imaginação. O homem que a isto demonstra Acomoda-se na ignorância Rompe com a esperança.
  39. 39. 40 O homem que ignora a realidade Desconsidera o papel que o caos inevitável tem Conjectura outra objeção. O homem que se exime de toda culpa Extingue a projeção imaginária Elucubra em si. O homem que imagina possuir com perfeição destinada Esquece experiências compartilhadas Despedaça o brio do porvir. O homem que assim se coloca Torna-se acre e esmaece à conquista. E qualquer paixão lhe diverte. O homem com essas atitudes Perde todas as suas posses E chora desgraçado. Este homem não pode ser meu.
  40. 40. 41 COMPREENSÃO Existem coisas que não compreendo Como a morte Não entendo o romantismo barato pelo telefone Não compreendo indecisão. Não consigo entender o verbo amar vazio Nem o sorriso forçado. Não compreendo a virtude pelo interesse. Muito menos as pessoas que deixam de viver Para viver a vida de alguém. O que menos entendo mesmo é o silêncio. Será que morri?
  41. 41. 42 ROMANTISMO Gostaria que soubesse: O que se vive juntos não passa Portanto, não diga que eu matei a nós. Meu ser não consegue assassinar o que abastece o sentimento. A minha poesia fica guardada em minha alma Será a você passada pelos meus abraços e beijos aqui preservados. Fico lucubrando para reter o estágio de loucura. Toco na jovial borboleta para sentir a seda da sua pele Inclino-me à rosa para recuperar o seu cheiro e revivenciar a sua beleza. Só não posso dar a você o que não possuo E o que possuo, talvez não o satisfaça. Perdão por eu ser tão inferior. Na minha frágil e inconstante sabedoria Para não dizer literalmente, ignorância, Alimento-me deste amor que sinto por você. Não sou a súcubo como você me intitula e queima na fogueira. Mate-me de forma mais misericordiosa. Já que soube matar o seu amor do seu eu Saiba então matar o seu ódio. Preserve de nós algo de bom Se alguma coisa boa realmente existiu para você. Aprenda ao menos, a não cumprir o seu ritual de horror. Colocaste-me no túmulo ainda viva. Desculpa-me, tira-me daqui. Deixa-me inspirar só um pouco de ar. Não me mate assim, vivo ainda por respirar você.
  42. 42. 43 ESCREVO Na segunda-feira, escrevo; Na terça e quarta, também; Às vezes escrevo na quinta e Na sexta quando sinto que convém. Escrevo nos fins de semana Nos feriados escrevo quando me apetece; Em momento de orgulho No mundo que é só meu Faço a hora de escrever. Pasmo sempre quando leio Admito que não seja eu. Mas escrevo que importa? Mais me admira quem não o faz, Nada sente nada pensa, pois Nada tem por dizer. Faço sentir nas palavras Momentos obscuros de reflexão; De amor e ódio sou cúmplice; Hoje entendo o que escrevo, amanhã Talvez, não. Que importa então? Não entendo muito das palavras, Não sou poetisa E seria muita audácia Se a quisesse ser.
  43. 43. 44 PASSADO E FUTURO Sem passado o presente não terá futuro. Quem somente vive intensamente no presente e não examina o passado não será capaz de prognosticar o futuro. Passa a pensar o futuro como a possibilidade de tudo e o passado, como a realidade do nada. Assim, não tem esperanças nem saudades, e o presente tornará a vida contrária do que desejaria. Sem que prevaleça a história no cérebro de um homem, o que poderá ser a vida amanhã se não a pode presumir? É através do passado empírico que se mantém o controle do que se quer, do que acontece de fora, exercendo a própria vontade. Quem repudia o legado do passado, arreda-se de si, levando ao desejo inútil de repeti-lo, com a sensação do momento. A rejeição do passado modifica o espectro da sensibilidade, pelo fato elementar de consciência provocado pela modificação de um sentido externo e ou interno. Sem conhecimento do passado, o presente é um simulacro de si, vive-se de aparência sem realidade. O presente descalçado é a ilusão transcendendo as premissas das incertezas do futuro, o qual vivenciará como já fora um dia. A simulação do futuro torna-se fantasmagórica e o texto se repetirá. E ri-se íncubo.
  44. 44. 45 MARIA DA PENHA BOINA - AUTOESTIMA Sempre achei que fosse censurada pelos meus defeitos Comecei a mensurá-los para corrigi-los Não os defeitos físicos, estes são o meu patrimônio. Quanto mais corrigia as minhas imperfeições morais Mais repreensão acontecia. Demorei a compreender tanta condenação Foi o tempo que me elucidou Não existiam intrigas sobre as minhas deformidades A aversão que de mim sentiam Não eram sob o ponto de mira que eu imaginava Os agulhões estavam direcionados eram para a minha excelência.
  45. 45. 46 VIRTUALIDADE A vida, amigos, amantes, exposições, Tudo virtual. As músicas, poesias, filosofias, psicologias, Tudo virtual. Os sonhos, as flores, as paixões e os amores, Tudo virtual. As religiões, as crenças os mitos e ritos, Também virtual. Ódios, rancores, dissabores, Mundo virtual. E quando tudo isso foi real?
  46. 46. 47 ELES E AS MULHERES Eles são passionais às Joanas, Cristinas e Helenas. Suas vidas não passam além das que vivem das mesmas penas. Compartilham compaixões com as Joanas, Colocam os seus dotes de aparências nas Cristinas, Fantasiam como mães as Helenas. Nomes que lembram filhas, netas, enteadas, amigas de seus círculos virtuosos. Que indubitavelmente não são mais que as suas amantes e Que se contorcem em suas camas usando formas sensuais. Mas no cair da realidade, As Joanas, que eles acham carismáticas, se encontram nos bordeis. As Cristinas, de seus reinos de cuidados têm as almas disfarçadas de damas da traição. As Helenas, que imaginam a súbita certeza do seu amor, São as suas imaculadas serpentes São seus impérios sem futuro Seus mantos de amargura Que na medida exata de suas primeiras fragilidades Elas os colocam para fora de suas camas Como um rebuçado desgastado Baldeando-se em outros méis. E agora, como pobres desgraçados, Irão dar glória, glória as suas subestimadas Marias.
  47. 47. 48 PERNAMBUCO Conhecer Pernambuco é giro, como se diz na boa gíria de Portugal. Baila-se cavalo marinho pra esquecer-se a lida negreira Nos batentes dos pandeiros, da rebeca e do ganzá. Na colheita e na caçada indígena A velocidade impetuosa do ganzá a arrebentar maracatu. Pólvora, cachaça e limão. Mamulengo, que delícia, dá pra ri e pra chorar. Da quadrilha, do maxixe e do galope, vem o frevo se exaltar. É alegria da tesoura da pernada do carrossel nos passinhos a sublimar. Tem a coco a pastoril a ciranda É pra tudo o carnavá. Além da linda Oh! Linda tem Recife De arrecifes de corá.
  48. 48. 49 AMOR REVERSO Num belo dia eu ouvi falar Fizeram-te uma imprecação de males Como prenúncio de morte. Praga de gente sórdida. Que nocividade é essa? Uma árvore nascer dentro de mim? Para que eu exploda? Não entendi a malícia. Fiquei torpe. Predestinei à aversão. E o infortúnio aconteceu. A árvore nasceu, cresceu e criou raízes. Dissipou dentro de mim. Gerou frutos maravilhosos As raízes entranharam-se no coração Era a praga do amor reverso De um amante em solidão.
  49. 49. 50 SEM DESTINO I Não, não é assim que você é, Você é mais, muito mais de tão pouco, É o verão que está a consumir o seu pensamento. O outono já vem, E logo, logo o inverno, para esfriar a sua irreflexão. Quando fores refletir no inverno Sentirás como foi o inferno De como o verão te encolheu. Não te aflijas por enquanto O inverno tem os seus encantos De curar os desencantos, De um verão discricionário. Não, não é culpa sua, Faltou-lhe a decência plena De um homem que não cresceu.
  50. 50. 51 SEM DESTINO II Viveu e viu as façanhas da vida Armou-se em seu campo de força Arrebanhou todas as ovelhas Caricaturou a própria vida. Fumou, bebeu, iludiu Construiu e destruiu Sem arregaçar as mangas. Vida fácil, vida bruta, Enquanto encontrou certezas Que não fez por merecer. Agora, homem, chegou a verdade Das incertezas incondicionais. Ontem o seu passado Hoje o seu futuro impensado Resultando na sua tormenta. Escreveu a vida e criou os próprios tropeços Devido o seu desajeito e negligência Da sua bússola desordenada Que insistiu seguir. Não tem como seguir mais caminho Vai navegar sozinho No mundo único que construiu.
  51. 51. 52 PSICOPATA Leva anos e anos Delineando a sua armadilha Estudando a sua vítima. Falante, charmoso, simpático, sedutor, Capaz de impressionar e cativar rapidamente as pessoas. Bonzinho, educado e inofensivo, é impecável. É só fachada, um teatro muito bem engendrado, Que esconde seus atributos perturbadores. Capaz de enganar com suas mentiras repetidas, À obtenção de seu lucro ou prazer. Desrespeitador e imprudente, Até da sua segurança e a dos outros. Irresponsável de suas obrigações. Sem nenhum sentimento de remorso, Culpa por ferir, maltratar, Roubar, enganar ou mesmo matar. Nada disso faz parte do seu íntimo. Inteligente, mas insensível, frio manipulador. Fingidor de sentimentos perfeitos. Quando descoberto? Mestre inversor do jogo. Agora vítima de convencer De que foi mal interpretado. É consciente de todos os seus atos. Não desiste é incansável e Com seu charme e bem humorado Vem o golpe da sua lâmina fatal. Vai-se embora dissimuladamente Parte para a próxima ação, sacrificar.
  52. 52. 53 A CRISE DO LAMENTO Apoio os dedos finos Das mãos enrugadas no teclado Nenhum, encanto vejo acontecer Nada surge em palavras Lá vão dias e noites, adentro Pescoço cansado Ombros caídos E dedilhando com os dedos finos no teclado Não inspira, nenhum lamento Será que também há crise No sentimento? Que lamento!
  53. 53. 54 ASSALTO AO CORAÇÃO Bateram em minha porta Eu a abri com um sorriso E para a minha surpresa Era um assalto. Fiquei estarrecida Numa mistura de êxtase e medo Mas, durante aqueles momentos Tentei fazer todas as leituras possíveis. Mas, quando a porta se fechou Notei que o meu estômago não mais aceitava a comida Os meus pulmões já não queriam respirar O meu coração sangrava. As minhas pernas paralisavam Os meus dedos começaram a esfriar. Mas, na fuga do sentimento a razão sobressaiu Pensei então… Cometi um grande erro Abri a porta desprevenida Deixei entrar com um sorriso Quem me era desconhecido.
  54. 54. 55 TELEFONE Estou concentrada e, num disparate, o susto Um trim, trim, trim É o telefone a tocar Esvazia-se momentaneamente o meu cérebro Inusitadamente, inconscientemente Como um afogamento é a sensação Raiva, ódio, sofrimento Mas tenho que falar Alô, Oi, Sim, sei lá o quê Do outro lado, um “como vai você”? Então reflito, falar Como vou? Nada mudou Vou indo, sem pensar Num presente indecente Com um muro a minha frente Mas o que interessa, como vou? Vou a pé, de trem, de ônibus Vou como bem me apetecer Como posso também, não ir Vou bem, vou mal Que diferença faz Que farás por mim Independente da resposta que receber? Mas depois que me deixou por um momento, no vazio Minhas respostas se tornam monossilábicas Como tu queres ser perfeito Com seu tosco telefonema? Atrapalhando o meu estado criativo Minha concentração perfeita Meu invólucro intransponível Quebrado por um telefonema inútil.
  55. 55. 56 ÓDIO Amo alimentar o meu ódio Quero beber deste ódio eternamente. É ele que nutre a minha existência Sem essa lâmina não consigo enxergar a indiferença. Na indiferença dos outros Encontro a minha sensatez A minha filosofia do amor que pensa Na ciência que investiga No estudo que analisa. Ao me alimentar do ódio Estudo a paixão que desequilibra O orgulho que enlouquece as pessoas O sensualismo que envenena. Necessito do ódio para saber Lidar com a indiferença. Pode vir de terno, vir com olhos, boca, coração e cérebro Nada, nada mesmo dará conta dessa presença Muito menos da ausência. Por isso preciso beber mais ódio Pois é neste ódio que preciso de um coração De uma frieza, de um raciocínio Mesmo que doente. Preciso aprender, e o ódio é a matéria-prima dessa ânsia que alimento. Este alimento está no objeto do ódio Alimenta o meu rancor, a minha ira O meu pouco humor e A minha pouca sabedoria para entender E aturar. Quero o ódio para mim, dessa forma Nunca serei indiferente.
  56. 56. 57 PAIXÃO Sê como amigo, O mais verdadeiro. Sê por gratidão, com a maior vontade. Sê por justiça, bem feita. Sê por teimosia, com orgulho. Sê por caridade, de coração. Sê por ganância, para valer o esforço. Sê por obrigação, para o certo. Sê por paixão, a mais intensa. Sê por impulso, sem arrependimentos. Sê por amor, irás ao céu Sê assim, que com o manto de minha paixão te doutrinarei.
  57. 57. 58 PERDI Perdi Sei que é minha culpa Não contemplei e não mensurei as consequências Deduzi que todos seriam fortes como eu. Sempre fui dura para suportar Dores, ódios, amarguras e saudades. Mas hoje sinto o pranto em minha face Pois perdi o amor maior que Deus me deu. Para mim o tempo sempre foi e será relativo Nunca me acomodo pelo tempo perdido Mas sinto que ninguém pensa assim. Vou cortar meus pulsos ou tomar aquela caixa de comprimidos Por deixar a emoção dominar a razão E sufocar pela morte a dor que sinto em meu coração. Tenho culpa, não escondo Deixei-te só e sofrido E o tempo foi capaz de trazer-te novos caminhos. Viva, então, seja feliz Pois não sou nenhuma imperatriz Sou comum, uma reles infeliz Que confiou em ti e num horrendo erro Cai do pedestal, para os servis. Algo me dizia, que eu ouviria somente de ti A desistência da luta da nossa união. Mas, em pelo, em febre e em duras penas Outros dedos foram os que teclaram Para dizer que estavas afastado Dos nossos sonhos, amor e paixão. O teu adeus não precisava ser assim Podias ter confiado em mim Pois quem julga e o indicador aponta Esquece de ver que os outros dedos para si confrontam. Errei e bato em meu peito
  58. 58. 59 Mas fui sincera e continuo a ser Jamais apontarei um erro seu Pois nunca fizestes por merecer. Fostes e agora estou só Sem chão, com pés descalços Por perder o meu amor maior, Que se foi sorrateiro e apático. O gosto de fel em minha boca é doce Perante a facada dissimulada que recebi.
  59. 59. 60 ACONCHEGO Que belo o que ousas proclamar, Mesmo que seja em nome alheio De ti, nunca vou me separar Pois um grande amor é sempre verdadeiro. Se sou rosa e tenho espinhos Tu és um cravo macio em que posso me aconchegar.
  60. 60. 61 MEUS HOMENS Estou cansada das reverências Tenho como liberdade O antissocial A minha própria forma de pronunciar. Não quero nada que seja comedido. Quero a relevância do meu próprio ato. Quero os meus homens E desejo amá-los a todos. E nada que seja singular e exclusivista. Nada de domínio público Que exaurem os meus recursos mentais. Não os quero fisicamente Desejo-os de pés assentes Mas sem muita intelectualidade. Imagino-os com as suas esposas e amantes Suas ternurinhas errantes e eu, Os quero pelas suas melhores partes, Aos meus pés pela minha genialidade Na libertinagem de pensamentos, Para que tenham sonhos De um dia possuir, a mim, A mulher intensidade. E que ambicionem a minha extravagância, Para que não morram as minhas nostalgias E alimente as suas agonias Daquilo que lhes é imparcial. Que minha autenticidade Sempre os deixem na busca Da minha real personalidade.
  61. 61. 62 LÁPIDE Lapidei durante toda uma vida As coisas mais coloridas Nas artes que criei. Hoje, já quase morta, Em preto e branco vou tentar deixar em minha futura porta Os dizeres que nunca pronunciarei. - Aqui jaz uma niilista agnóstica que almas fez sofrer e nem se deu por isso-. Nenhum dizer será mais importante Incrustado no granito frio Que também da natureza vem. E se abrirem a minha nova porta Não terei como recebê-los, pois em nenhum lugar estarei.
  62. 62. 63 Memento II Canto 2. OMISSÃO Proibiu as suas palavras de me visitarem, teus olhos de me enxergarem, teus ouvidos de me escutarem. Improvisou outra voz mísera que descarinhosamente negou, escondendo de mim o que vivias. As promessas não falam por mim e já trouxe o amanhã para o hoje confessando que pela compleição débil o destino errou. Desisto de lutar pela faculdade de perceber. Prendi a palavra, fechei os olhos. O que há mais de existir? Um mundo desbotado e sem pessoas, uma ave que não voa nada mais de mim..., nada!
  63. 63. 64 AMOR AMIGO Amor amigo é aquele que existe sem interesse, sem querer nada em troca. É o amor perfeito não anedota. Amor amigo não aconselha Não se envolve no âmago do que mais belo o seu dito amigo já construiu. Amor amigo é participação exponencial. Amor amigo não chora mágoas pela compaixão. Amigo não aceita por devoção tudo que lhe é dito. Amor amigo discute se defende, possuem pontos de vista diferentes, combatem os seus princípios e vontades. Ser seletivo na amizade é o estado da arte. O amigo não é só meu, É da vida pelo amor da amizade.
  64. 64. 65 INSATISFAÇÃO O teu elogio não cura mais a minha insatisfação. As tuas ideias consomem a minha alegria. O teu juízo desapareceu sem harmonia. Os teus gestos declaram sempre falta de emoção. Tudo em ti é insosso. Tudo que praticas não é natural. Tudo o que demonstras é em razão de um esforço hercúleo. Tu não tens opinião. Tu és um fantoche. Não possuis uma personalidade definida. Um adulto cheio de mentiras. Não és capaz de atuar com a razão. És um ser sem atitude, mas cheio de malícias. És uma criatura que esconde sentimentos. És o que trai na defensiva. És sempre a vítima em cada situação. Ser imundo que não satisfaz. Verme maldito do pecado. Traidor dos que o amam, Fere sem compaixão.
  65. 65. 66 QUEM TU ÉS? Quem és tu? Em que mundo tu vives? Quais são os teus sonhos? O que queres? Porque tropeças tanto? Porque não pulas os obstáculos? Não vês que estás a cair A definhar e a sumir! Fala alguma coisa Diga o que queres Mate o teu medo Estirpe o teu ódio. Não mates a mim É o que fazes um pouco a cada dia. Sejas menos cruel. Dá-me mais alegria.
  66. 66. 67 SONHOS DE MENINA MULHER Fantasiei quando menina Casar e ter meus filhos Um menino e uma menina De olhos bem clarinhos Não foi fantasia Foi um sonho realizado Tive um casalzinho De olhos clareados Sonhei também como mulher Fantasias até perversas De viver com o meu companheiro Como amantes exotéricos Neste sonho glorioso Quis conhecer lugares Fazer coisas loucas Sem traição, na liberdade Mas este companheiro? Não tive Não acompanhou a minha ilusão Achou melhor a acomodação Sobre o mesmo colchão Não cativou a amada Para viver os mesmos valores Preferiu afagar os seus sonhos Com a mulher da vida errada. Neste caso, só agradeço Ao sonho que tive com os filhos Pois o sonho de mulher Caiu no precipício.
  67. 67. 68 TATUAGEM Vou tatuar o meu corpo Com um Escorpião Porque sou racional, Mas destrutiva de coração. Não, não - Vou tatuar Ideograma japonês. Representando a minha índole refinada Pelo meu bom gosto estético Fidelidade e amor. Oras! O Coração em chamas Para mostrar o meu domínio Tipificar este poder Apenas cognitivo do meu ser. E o Tubarão? Caminho na solidão Curiosa por missão Sem submissão. Vou, é tatuar um Dragão Para sentir o meu controle Meu desejo Minha autoafirmação. Ou caio na esparrela Tatuando os símbolos Tribais Neste motivo abstrato Voltar-se-ão olhares que sinto escasso. Ou uma Lagartixa? Para manter o meu autocontrole E a contenção dos sentimentos? Que lamento! Tatuagem.
  68. 68. 69 AMOR Amor é somar, dividir e multiplicar Nunca, jamais, subtrair.
  69. 69. 70 FERA DOMADA Nasci fera e fui domada pelas chicotadas da vida. E para cada chicotada Uma literatura inteira foi percebida. Aprendi comportamentos, ética e filosofia sociologia social e psicologia. Mesmo tendo tudo inato, em cada chicotada os conceitos postos em prática afloraram dia-a-dia. Reconheço no silêncio alheio a não cumplicidade, se não fala é por comodismo por rancor e por maldade. Estes seres mal iluminados utilizam por efeito a alienação a desculpa depressiva como doença mental pela preguiça. Analiso nos seres que se dizem ingênuos, no abafo da sua sublimar inteligência, achando que nesta obstinação será capaz de não transmitir o seu real sentimento. Oh! Fraqueza mental amadora, Oh! Inteligência fatal do erro que não tolero é o ser que é capaz de confundir conceitos das palavras sem contexto. As chicotadas me acresceram conhecimentos, sou seletiva por excelência, só compreendo conceitos verdadeiros.
  70. 70. 71 É TARDE (16/08/01) De que adianta seu amor agora Se quando te amei você nem ligou O quê me importa seu carinho agora Se já é tarde para eu te amar O quê me interessa seu sofrimento agora Se quando eu lhe quis você nem mesmo soube dar amor O que me leva a pensar da tristeza em seu olhar Têm-se mais tristezas no meu De que valem suas palavras agora Se quando as disse você nem ouviu De que valem seus sentimentos agora Se os meus já se esvaíram De que vale meu perdão agora Se não existe mais essência para perdoar O que me leva ter que sofrer por você agora Se sempre sofri e você nunca percebeu O que me vale ser cedo para você agora Se para mim você já morreu.
  71. 71. 72 Memento III Canto 3. NOVOS TEMPOS Acordo e começa o corre-corre Para chegar, não sei aonde. Durante o dia, trabalho A noite também. Nos pequenos espaços diários Estudo Depois o “stress” o cansaço Por não saber se o dinheiro vem… As vezes vêm o mal presságio Será que amanhã vou ter trabalho? Então, estudo Mesmo sem o dinheiro para fazer o itinerário. Não tenho tempo, sem tempo Mas com tempo Não concentro Hoje isso, amanhã aquilo. Para relaxar, escrevo Perdendo tempo Deveria mesmo estar lendo Reverenciando os mestres. Mas não me façam críticas Eu gosto dos novos tempo Mesmo sem tempo, dê-me tempo Para ler poesias.
  72. 72. 73 SETEMBRO DE 2003 EM PORTUGAL Está um lindo dia O sol brilhante o céu sem nuvens Dá vontade de sair. Imagino o mar deve estar magnífico Mas estou presa as raízes Dos meus sonhos infantis. Coisas que idealizei Momentos que revelei Decisões que tomei Estão agora reflectidos Em minha face lânguida Da perversidade que não imaginei. Sofro ora agora Pelo destino que me dei Que outrora não consegui, livrar-me. Chora meu coração Pela empatia que concebe Pelo outro sofrimento. O quê deu errado? Quem foi o culpado? Que magia negra foi esta? Que consegue sempre me consternar Colocando-me com o ego arrependido Daquilo que não quis fazer? Foram erros de placenta Que a regressão não consegue explicar. Concepção talvez indesejada Que reflecte na pessoa mal amada De forma desesperada Mas não consegue se livrar.
  73. 73. 74 Passo agora este mal presságio Para os entes mais queridos Que no futuro se acharão esquecidos Do ventre que os gerou Moribundos e mal amados Na mesma cadeia de valor.
  74. 74. 75 MEU AMIGO PEDRO (03/1998) A adolescência conta histórias E nestas histórias loucas, tem a do Pedro. Ah! Meu amigo Pedro Amigo de amores Incertezas também. Nada de grandioso Também nada vulgar Bom menino Que mesmo em minha inocência Já sentia, já sabia que iria afundar. Não sei se no despreparo da criação Talvez no gene da transformação Desvirtuou aquele menino Desprovido de amor Não vingou. Drogas, sexo e muito mais Desenfreou e quebrou as virtudes Do homem que se tornou. Por quê? Por quê? Eu te avisei e você não acreditou. Foi-se assim tão cedo e drasticamente Amigo Pedro, ferro e fogo te feriram Não amou a ti mesmo E com isto fizestes sofrer Pessoas que queriam ver-te florescer E o carrasco, ferrenho e sem amor Que te fez sentir no peito o peso da dor Tenho a satisfação de saber Que o lugar onde estás Amigo, será capaz de reflorescer.
  75. 75. 76 TESTAMENTO DO AMOR DE UMA MULHER (02/2001) Mulher não pode amar na essência da palavra Somente pode ser amada na fadiga doutrinária. Por isso compreendo agora o meu grande erro na vida Erro ou experiência? Erro, experiência é a degradante escusa do desacerto. Amei, então errei na essência da palavra No desacerto perdi o amor da pessoa amada. Quando a mulher ama verdadeiramente Torna-se cúmplice de um amor decadente. No âmago do ser amado depois do alcance da conquista pleiteada exaure da sua alma todo o amor, e logo depois vulgariza sua amada. Quer ele ser o caçador perpétuo da pureza nunca conquistada Que desatinado e exasperado é este ser que jamais poderá ser amado? Amei, então errei e sofro na essência da palavra, mas Sou feliz por ter amado Mesmo sendo vulgarizada
  76. 76. 77 por deixar-me ser conquistada. SOFRIMENTO VIRTUAL (10/1999) Nas noites escuras e frias Não se faz mais barquinhos de papel Como antigamente se fazia Para encher de satisfação e alegria Esta vida de aluguel. Hoje nas noites, finge-se Fazer amigos virtuais Amigos, amantes e tudo mais Para encher mais de saudade os corações Pois eles, assim como os barquinhos não voltam jamais. Ficando no coração O frio denso de uma ilusão Que talvez em uma noite de verão Possa tornar realidade os sonhos dos amantes virtuais. Sufocando toda uma vida Acreditando em curar uma ferida Que na verdade não será vencida E cresce cada vez mais Em cada noite de despedida. Mas quando se torna realidade Que satisfação! Até amedronta Ficando registrado nas faces
  77. 77. 78 A alegria do dado impasse De vencer o que aparecia vencido. Mas a tormenta não termina A dor é mais intensa Quando na despedida Vendo um amor que fica Na dura hora da partida. Quanto arrependimento E que no íntimo do ser vem o lamento Sabendo assim que era menor o sofrimento Da despedida virtual E a maldita ferida nunca será vencida.
  78. 78. 79 CONDENAÇÃO (03/2001) É ímpar, é demais poder amar Mas amor é como o satanás Faz proteger o nome do condenado Precisando usar codinome para o ser amado A sociedade não permite Um amor assim tão alvo Tão leve, tão solto, tão verdadeiro Mas que nada tem de arbitrário O satanás quem criou o dinheiro Quem criou os valores materiais Mas Deus criou o amor Para combater o satanás Quem é o homem? Que se julga capaz de condenar Um amor assim tão presente No íntimo de um ser? A liberdade existe Mas na insensatez A sociedade Protege-se com Deus E ama o satanás Como um carrasco Usando sua lâmina afiada Cravando no coração amante Mata morbidamente este amor tão presente.
  79. 79. 80 TELEFONE (03/2001) Estou escravizada Por este aparelho maldito, Fico constantemente a espera Que ele me chame do longínquo lugar. Aquele toque lusitano Que só eu sei decifrar. O som mais lindo que já pude ouvir em minha vida, Sem instrumentos, mas é uma verdadeira sinfonia Que me faz delirar. Os prazeres já me tocam Quando em seu visor maloca O número além mar. A prata da voz que sussurra do outro lado, Transforma em ouro o meu coração. É uma magia este som de notas poucas Que atinge um grau de maestria E transforma-se em melodia E quando silencia me faz chorar.
  80. 80. 81 POETISA FERIDA (03/2001) Sempre fui poetisa da alegria Das grandes virtudes e glórias Como um poeta deve ser. Mas uma grande decepção Sem compaixão e com precisão Feriu as palavras do meu ser. Neste momento escrevo as tristezas Que a vida nos prega De maneira irônica e desprezível. Os sonhos e realidades incompletas Por minha insensatez Pregou-me esta peça. Que fraqueza a minha Cai na própria armadilha De que tanto dava gargalhada e contestava. Cedo ou tarde Nunca faltará essa realidade No íntimo de cada ser. Esta droga maldita Que me colocou em delírios Que não é injetada e nem bebida. A ânsia me devora Mas no grito da vitória Vou me safar dessa agonia. Mas neste momento Desafogo em lamentos Minha dor contraída. Perdoai então Meu momento sofrível De poetisa ferida.
  81. 81. 82 PAULO (07/1989) Paulo Fernando Na intimidade - Paulo Que no telefone brincava E cá, também eu. Que em um encontro nosso mais tarde De mentiras escrotas Um enrolo só, nos envolveu. Risos e sonhos concebidos Levou-me a sério E sofreu. Eu não tinha consciência Do sofrimento que lhe causava Então, seu pai experiente Colocou Paulo em um avião Indecente E na Austrália Desapareceu. Encontrei Paulo muito tempo depois vagando E de mais nada fiquei sabendo Do que em sua vida aconteceu.
  82. 82. 83 JOSINO O GÊNIO (1980) Josino pequenino Josino tão inocente Aquele moleque trapo Josino transumano. Josino cresceu Pois criança cresce Homem, Josino continuou maltrapilho. Mas com o coração de Josino. E hoje, aqueles Que brincaram com Josino Ah! Josino Brinca com eles.
  83. 83. 84 TEMPO (1979) Mestre e correto é o tempo Todas as coisas norteiam o tempo Até o sobrenatural depende Do tempo O querer é algo com que sonhamos O querer é o precisar O morrer não é o querer É o ter é o depender. Maldito tempo Faz-nos mendigar na vida E traz-nos o necessitar Por ser um cruel inimigo em apoiar. Deveríamos fugir Do maldito tempo Pois dele não podemos Vingar.
  84. 84. 85 PERTENCER (05/1979) Santo, peregrino faceiro Peco e Tu perdoa-me Forma que Tu, qualidade divina Mostras o que és. Brilhar na vida Ser faceiro peregrino É ser Santo? Ou pertencer a satã? Com crueldade e pertinência Usando da nossa inocência Faz com que sejamos pecaminosos Talvez para fazer mostrar sua qualidade de Santo. E nos coloca em uma roda viva Envolvendo o mundo com justiça Para ser Rei hoje e amanhã E em cada manhã seguinte é Santo pelas idiotices. Como há séculos Peregrino e Santo faceiro, Pertenço a Ti Assim como a humanidade diz pertencer. De um farsante Peregrino Que se diz Cristo Em cada amanhecer.
  85. 85. 86 CÓLOFON Cantos escritos de 1979 a 2013, em estações e sítios bastantes diferenciados, na tentativa apenas, de compreender o mundo. Explicit. Este livro foi composto em fonte Life BT corpo 11, e paginado em InDesign. A impressão e o acabamento foram feitos por Gráfica MPAC, em Vitória -ES, O papel utilizado na impressão do livro é o alcalino original, alto alvura, opacidade 92 e gramatura 90 g/m², na cor branca e com espessura de 110 µm em março de 2013.
  86. 86. A cegueira Olha, olha não consegue ver. Você sabe que não ficou cego Mas não entende porque não enxerga Mas você sabe que está sobre a ponte E sabe que o mar azul está adiante Existem navios no horizonte Você tem consciência de tudo Mas não consegue ver Ei? Não tente abrir mais os olhos Você não vê por falta da visão O muro é muito mais alto Faça o esforço para subir até o topo É muito alto, e você não suporta mais o cansaço? Tente mais uma vez. Sente-se fraco Não tem mais tempo? Dê mais uma gota do seu sangue Sei que é a última gota Está quase, vai. Sente-se melhor agora? Você chegou ao topo. Mas o seu corpo é só dor Você demorou demais O muro é alto E não teve tempo de ver os navios A correnteza mudou a cor do mar. Não salte agora. Use a sua imaginação. Tente enxergar assim mesmo.

×