SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
www.geemgrupo.blogspot.com.br
CAPÍTULO I
DATA: 22-02-2016
O Vale dos Suicidas
Palavras iniciais
Rogo à Espiritualidade Benfeitora que guie
minhas palavras e inspire meus mais elevados
sentimentos de amor, respeito e humildade,
para que eu transmita, com a maior fidelidade
possível, o verdadeiro ensinamento de amor
contido nestas páginas.
vam
As primeiras impressões de Camilo...
“Panorama desolador, composto
por vales profundos com
gargantas sinuosas e cavernas
sinistras, no interior das quais
uivavam, quais maltas de
demônios enfurecidos, Espíritos
que foram homens, dementados
pela intensidade e estranheza
verdadeiramente inconcebíveis, dos sofrimentos que
os martirizavam.”
Nenhuma forma de vida penetrava nessa paragem
aflitiva, a não ser a nossa própria presença,
traduzida por supremo horror...
O solo: imundo, pastoso,
escorregadio, fétido e
repugnante!
O ar: pesado, asfixiante, gelado; nevoeiros
ameaçadores; sufocante, submetendo os Espíritos a
um suplício inconcebível ao cérebro humano,
habituado às gloriosas claridades do Sol .
Os sentimentos: “não havia, ali, nem paz, nem
consolo, nem esperança; tudo era marcado pela
desgraça, miséria, assombro, desespero e horror.”.
Comparado ao vale dos leprosos da antiga Jerusalém,
Camilo afirma que aquele “seria consolador estágio
de repouso [...] Pelo menos ali existiria
solidariedade entre os renegados!”
Os leprosos faziam
amigos, irmanavam-se na
dor, criavam a sua
sociedade, divertiam-se,
prestavam-se favores,
dormiam e sonhavam que
eram felizes!
No vale dos leprosos era possível sentir o calor do
sol e o ar fresco da madrugada; contemplar uma
faixa de céu azul e acompanhar a revoada das
andorinhas e dos pombos; apreciar a lua cheia e
sonhar, quem sabe, com consolações futuras...
E tudo isso era como dádivas celestiais para reconciliá-los com
Deus, fornecendo-lhes tréguas na desgraça.
Mas pobre Camilo...
“Na caverna onde padeci o
martírio que me
surpreendeu além do
túmulo, nada disso havia!
Aqui, era a dor que nada
consola, a desgraça que
nenhum favor ameniza, a tragédia que ideia alguma
tranquilizadora vem orvalhar de esperança! Não há
céu, não há luz, não há sol, não há perfume, não há
tréguas!”
... o que há é o choro convulso e inconsolável; é a
raiva envenenada daquele que já não pode chorar;
é o desaponto do que se sente vivo a despeito de se
haver arrojado na morte; é a revolta; é a
consciência em luta, a alma ofendida, a mente
torturada, as faculdades espirituais envolvidas nas
trevas oriundas de si mesma!
E ele conta mais...
“É o inferno, na mais
hedionda e dramática
exposição, porque, além do
mais, existem cenas
repulsivas de animalidade,
práticas abjetas dos mais
sórdidos instintos, as quais
eu me pejaria de revelar
aos meus irmãos, os
homens!”
‘Mas porque o suicida não
recebe ajuda?’ ou...
...‘quanto tempo
esse infeliz
espírito fica preso
ao corpo físico?’
... ou ainda:
‘existiriam
agravantes e
atenuantes para
o crime do
suicídio’?
Deus, em sua infinita bondade, jamais abandona
seus filhos, especialmente os mais faltosos e
sofredores...
Contudo, não há previsão para o tempo que os
suicidas ficam presos ao corpo vendo sua
decomposição, vagando nas regiões umbralinas, ou
prisioneiros de obsessores. Isso varia de Espírito para
Espírito, de caso para caso...
No suicida, as forças vitais encontram-se geralmente
intactas, revestindo-lhes os envoltórios físico-
espirituais;
para que ele possa ser
ajudado, é preciso exaurir
essa força vital; enquanto isso
não acontece o infeliz fica
aprisionado ao corpo físico,
acompanhando sua
deterioração e revivendo o
ato do suicídio.
O escritor conta que nos
primeiros meses após o
desencarne, vagava entre o
cemitério e a região onde
morava, sentindo fortes dores na
área atingida pela bala e com
grave perturbação mental, pelas
Por muitas vezes, apesar de continuar sentindo-se
cego na Espiritualidade, deparou-se com a imagem de
seu corpo em estado de decomposição.
sensações físicas impregnadas em seu períspirito;
“Não sei como decorrerão os trabalhos
correcionais para suicidas nos demais núcleos
espirituais destinados aos mesmos fins. Sei apenas
que fiz parte de sinistra falange detida nessa
paragem horrenda cuja lembrança ainda hoje me
repugna à sensibilidade.”
“É bem possível que haja
quem duvide da veracidade
do que vai descrito nestas
páginas.”
Não os convidarei a crer...
O Além-túmulo acha-se longe de
ser a abstração que supomos na
Terra. Ele é simplesmente a Vida
Real, vida intensa a se desdobrar
em modalidades infinitas,
dividida em continentes e
falanges como a Terra é dividida
em nações e raças, dispondo de
organizações sociais e
educativas a servirem de modelo para o progresso da
Humanidade.
“Eu os convido, e
ardentemente desejo, que se
eximam de conhecer essa
realidade pelos canais
trevosos a que me expus,
entregando-me ao suicídio
por não crer na advertência
de que a morte nada mais é
do que a verdadeira forma
de existir!...”
O Inferno de Dante...
O Espírito de Dante desprendia-se do corpo físico e ia, em
companhia de seu Guia Espiritual, identificado por ele
como sendo o poeta romano Virgílio, visitar essas regiões
tenebrosas. Ao voltar ao corpo somático, a sua
impressão de angústia e
pavor se lhe refletia no
rosto.
(Os Grandes Vultos da
Humanidade e o Espiritismo –
Sylvio Brito Soares, Ed. FEB)
A cegueira de Camilo
A cegueira, impiedosa e cruel, que o
retirara do mundo das letras,
também acabou retirando-o da vida
pela porta do suicídio... Mas
mesmo sentindo-se ainda cego após
a morte, não lhe passava despercebido tudo que se
apresentasse feio, sinistro, imoral, obsceno, pois
“conservavam meus olhos visão bastante para toda
essa escória contemplar – agravando-se mais a
minha desdita”.
Fato digno de nota é o que ele conta sobre sua
sensibilidade superexcitada que o levava a
“experimentar também os sofrimentos dos
outros companheiros de desdita, fenômeno esse
ocasionado pelas
correntes mentais
que se despejavam
sobre toda a falange
e oriundas dela
própria.”
Façamos uma breve pausa neste ponto...
Será que não existe esperança para este desafortunado?
Sim... sabemos que sim!!! Nosso Pai Celestial,
infinitamente bom e justo, jamais nos
abandonaria à própria sorte.
“Contudo, o sofrimento do suicida só termina
quando o Espírito consegue passar com êxito por
todas as provações que o levaram ao ato
criminoso e ainda resgatar os prejuízos
acumulados com o feito.”
O Espírito desencarnado, detém-se nas regiões
purgatoriais, até que seja naturalmente
"desanimalizado", isto é, que se desfaça dos fluidos
e forças vitais.
O tempo e o sofrimento nesse local, são função do
caráter, das ações praticadas, do gênero de vida e
do gênero de morte.
Alguns demoram-se apenas algumas horas; outros
levarão meses, anos consecutivos, voltando à
reencarnação sem atingirem a Espiritualidade.
Em geral, o suicida demora-se nessas regiões pelo
tempo que ainda lhe restava para concluir o
compromisso que prematuramente rompeu.
Em certos casos, a reencarnação compulsória torna-se a
única terapêutica. Embora dolorosa, é mais rápida e
preferível do que permanecer naquele cárcere sinistro.
Isso evidencia a Misericórdia Divina em ação!!!
“Às vezes, conflitos brutais se verificavam pelos
becos lamacentos onde se enfileiravam as cavernas
que nos serviam de domicílio. Invariavelmente
irritados, por motivos insignificantes nos atirávamos
uns contra os outros em lutas corporais violentas.”
“Frequentemente fui insultado, ridicularizado,
apedrejado e espancado até que, excitado por fobia
idêntica, eu me atirava a represálias selvagens,
ombreando com os agressores e com eles refocilando
na lama da mesma ceva espiritual!”
Exigências físicas martirizantes
A fome, a sede, o frio, a fadiga, a insônia...
A natureza como que aguçada em todos os seus desejos e
apetites, como se carregássemos ainda o corpo carnal...
A promiscuidade vexatória de espíritos que foram
homens e dos que animaram corpos femininos...
mmm
Nem mesmo sonhar ou orar...
Naquele ambiente superlotado de males, o
pensamento jazia encarcerado, só podendo emitir
vibrações que se afinassem com a própria perfídia
local; não podíamos nem sequer orar...
“Impossível contar o tempo ou saber onde estávamos...”
Os Espíritos ali confinados não sabiam quando era dia
ou noite, porque sombras perenes os envolviam.
Perderem totalmente a noção do tempo...
Ignoravam também o local
onde estavam, sem
perceber que era
patrimônio de suas próprias
mentes em conflito, de suas
vibrações tumultuadas por
martírios indescritíveis!
“Vivos, em espírito, diante do corpo putrefato,
sentíamos a corrupção atingir-nos!...
Doíam em nossa configuração astral as picadas
monstruosas dos vermes! Enfurecia-nos até à
demência a martirizante repercussão que levava
nosso perispírito, ainda animalizado e provido de
abundantes forças vitais, a refletir o que se
passava com seu antigo envoltório limoso...”
Diante do corpo morto...
À frente do tribunal dos infernos...
“Obsessores que pululam por todas
as camadas inferiores, tanto da
Terra como do Além; os mesmos
que haviam alimentado em nós as
sugestões suicidas, divertiam-se
com nossas angústias e
convenciam-nos de que eram juízes
que nos deveriam julgar e castigar,
apresentando-se às nossas
faculdades conturbadas como seres
fantásticos, fantasmas
impressionantes e trágicos.”
“A lembrança dos erros, das quedas pecaminosas,
dos crimes mesmo, corporificavam-se à frente de
nossas consciências culpadas...”
“As vítimas do nosso egoísmo
reapareciam em recordações
vergonhosas, indo e vindo ao
nosso lado em atropelos
pertinazes, infundindo em nossa
combalida organização
espiritual o mais angustioso
desequilíbrio nervoso forjado
pelo remorso!”
Periodicamente, singular caravana visitava esse
antro de sombras à procura daqueles cujos fluidos
vitais, arrefecidos pela desintegração completa da
matéria, permitissem locomoção para outras
camadas do invisível.
LEGIÃO DOS SERVOS DE MARIA
‘Supúnhamos tratar-se de um
grupo de homens, mas eram, sim,
Espíritos...”
Vestiam branco e traziam ao
peito uma cruz azul celeste;
senhoras também faziam parte
da caravana...
Apresentavam-se caminhando nas ruas lamacentas, um
a um...
Vinham precedidos de um grupo de lanceiros,
que formavam um cordão de isolamento,
protegendo-os dos ataques da turba.
“E, chefiando a expedição,
destacava-se varão
respeitável, o qual trazia
avental branco e insígnias
de médico a par da cruz já
referida. Cobria-lhe a
cabeça, um turbante
hindu, cujas dobras eram
atadas à frente pela
tradicional esmeralda,
símbolo dos esculápios.”
Os socorridos eram
conduzidos em macas,
protegidos pelo cordão de
isolamento e abrigados
em veículos brancos,
leves, burilados em
matérias habilmente
laqueadas, e
puxados por formosas
parelhas de cavalos
também brancos...
Os que não eram ajudados, em vão suplicavam justiça e
compaixão ou se amotinavam, revoltados...
Os caravaneiros não respondiam e, se alguém tentasse
assaltar as viaturas, dez, vinte lanças faziam-no recuar.
Então, um coro hediondo de uivos e choro sinistros, de
pragas e gargalhadas satânicas, o ranger de dentes,
repercutiam longa e dolorosamente...
E assim ficam... quanto tempo?... Oh! Deus
piedoso! Quanto tempo?...
Até que suas inimagináveis condições de suicidas, de
mortos-vivos, lhes permitam também a transferência
para localidade menos trágica...
Allan Kardec
O Livro dos Espíritos, Parte Quarta, 943 – 957
O Livro dos Espíritos, Parte Primeira, 60 – 70
O Céu e o Inferno, Segunda Parte, Cap. V [Suicidas] e cap. I [O Passamento]
Evangelho segundo o Espiritismo, Cap. XXVIII: 71 e 72; Cap. V: 14-17
A Gênese, Capítulo X – Gênese Orgânica
Marlene Nobre
A Alma da Matéria
F.C. Xavier / André Luiz
Mecanismos da Mediunidade, Capítulo 4: Matéria mental
F.C. Xavier / Emmanuel
Pensamento e Vida, Capítulo 29: Morte
O Consolador, 2ª Parte – Vida, perg. 154
Léon Denis
Depois da Morte, Primeira Parte, Capítulo 7: O Materialismo e o Positivismo
Depois da Morte, Terceira Parte, Capítulo 28: Utilidade dos Estudos Psicológicos
Depois da Morte, Quarta Parte, Capítulo 36: Espíritos Inferiores

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 05 Ouvindo instruções
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 05 Ouvindo instruçõesEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 05 Ouvindo instruções
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 05 Ouvindo instruçõesJose Luiz Maio
 
Viagem Espírita em 1862
Viagem Espírita em 1862Viagem Espírita em 1862
Viagem Espírita em 1862igmateus
 
Seminário Memórias de um Suicida - Segunda Parte - Capítulo I - A Torre de Vi...
Seminário Memórias de um Suicida - Segunda Parte - Capítulo I - A Torre de Vi...Seminário Memórias de um Suicida - Segunda Parte - Capítulo I - A Torre de Vi...
Seminário Memórias de um Suicida - Segunda Parte - Capítulo I - A Torre de Vi...Cynthia Castro
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo IV - Outra Vez Je...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo IV - Outra Vez Je...Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo IV - Outra Vez Je...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo IV - Outra Vez Je...Cynthia Castro
 
O céu e o Inferno
O céu e o InfernoO céu e o Inferno
O céu e o Infernoigmateus
 
Espiritismo e mediunidade - 11 - obsessão
Espiritismo e mediunidade - 11 - obsessãoEspiritismo e mediunidade - 11 - obsessão
Espiritismo e mediunidade - 11 - obsessãoLeonardo Pereira
 
Simpatia e antipatia
Simpatia e antipatiaSimpatia e antipatia
Simpatia e antipatiaGraça Maciel
 
Missionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidaçãoMissionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidaçãoSergio Rodriguez
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...Cynthia Castro
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo II - Os Arquivos ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo II - Os Arquivos ...Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo II - Os Arquivos ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo II - Os Arquivos ...Cynthia Castro
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33Jose Luiz Maio
 
Diferentes estados da alma na erraticidade - Danilo Galvão Saj BA
Diferentes estados da alma na erraticidade - Danilo Galvão Saj BADiferentes estados da alma na erraticidade - Danilo Galvão Saj BA
Diferentes estados da alma na erraticidade - Danilo Galvão Saj BADanilo Galvão
 
Roteiro 3 metodologia e critérios utilizados na codificação espírita
Roteiro 3   metodologia e critérios utilizados na codificação espíritaRoteiro 3   metodologia e critérios utilizados na codificação espírita
Roteiro 3 metodologia e critérios utilizados na codificação espíritaBruno Cechinel Filho
 
Nos domínios da mediunidade aula11
Nos domínios da mediunidade aula11Nos domínios da mediunidade aula11
Nos domínios da mediunidade aula11Leonardo Pereira
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo III - Homem, Con...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo III - Homem, Con...Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo III - Homem, Con...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo III - Homem, Con...Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...Cynthia Castro
 
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)Jorge Luiz dos Santos
 
Influência do Pensamento Positivo- Espiritismo
Influência do Pensamento Positivo- EspiritismoInfluência do Pensamento Positivo- Espiritismo
Influência do Pensamento Positivo- EspiritismoValéria Domingues
 

Mais procurados (20)

Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 05 Ouvindo instruções
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 05 Ouvindo instruçõesEstudando com Andre Luiz - Os Mensageiros   capitulo 05 Ouvindo instruções
Estudando com Andre Luiz - Os Mensageiros capitulo 05 Ouvindo instruções
 
Viagem Espírita em 1862
Viagem Espírita em 1862Viagem Espírita em 1862
Viagem Espírita em 1862
 
Seminário Memórias de um Suicida - Segunda Parte - Capítulo I - A Torre de Vi...
Seminário Memórias de um Suicida - Segunda Parte - Capítulo I - A Torre de Vi...Seminário Memórias de um Suicida - Segunda Parte - Capítulo I - A Torre de Vi...
Seminário Memórias de um Suicida - Segunda Parte - Capítulo I - A Torre de Vi...
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo IV - Outra Vez Je...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo IV - Outra Vez Je...Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo IV - Outra Vez Je...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo IV - Outra Vez Je...
 
O céu e o Inferno
O céu e o InfernoO céu e o Inferno
O céu e o Inferno
 
Temor da morte – Livro dos Espíritos
Temor  da  morte – Livro dos EspíritosTemor  da  morte – Livro dos Espíritos
Temor da morte – Livro dos Espíritos
 
7 aula reencarnação
7   aula reencarnação7   aula reencarnação
7 aula reencarnação
 
Espiritismo e mediunidade - 11 - obsessão
Espiritismo e mediunidade - 11 - obsessãoEspiritismo e mediunidade - 11 - obsessão
Espiritismo e mediunidade - 11 - obsessão
 
Simpatia e antipatia
Simpatia e antipatiaSimpatia e antipatia
Simpatia e antipatia
 
Missionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidaçãoMissionários da luz resumo de consolidação
Missionários da luz resumo de consolidação
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulos XVI e XVII - Mecanismos ...
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo II - Os Arquivos ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo II - Os Arquivos ...Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo II - Os Arquivos ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo II - Os Arquivos ...
 
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
Estudando André Luiz Nosso Lar cap. 24 a 33
 
Diferentes estados da alma na erraticidade - Danilo Galvão Saj BA
Diferentes estados da alma na erraticidade - Danilo Galvão Saj BADiferentes estados da alma na erraticidade - Danilo Galvão Saj BA
Diferentes estados da alma na erraticidade - Danilo Galvão Saj BA
 
Roteiro 3 metodologia e critérios utilizados na codificação espírita
Roteiro 3   metodologia e critérios utilizados na codificação espíritaRoteiro 3   metodologia e critérios utilizados na codificação espírita
Roteiro 3 metodologia e critérios utilizados na codificação espírita
 
Nos domínios da mediunidade aula11
Nos domínios da mediunidade aula11Nos domínios da mediunidade aula11
Nos domínios da mediunidade aula11
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo III - Homem, Con...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo III - Homem, Con...Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo III - Homem, Con...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo III - Homem, Con...
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...
 
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
DOLOROSO REMÉDIO (O MAL E O REMÉDIO)
 
Influência do Pensamento Positivo- Espiritismo
Influência do Pensamento Positivo- EspiritismoInfluência do Pensamento Positivo- Espiritismo
Influência do Pensamento Positivo- Espiritismo
 

Semelhante a Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo I - O Vale dos Suicidas - 22-02-2016

Livro ação e reação cap 01 - parte 02
Livro ação e reação   cap 01 - parte 02Livro ação e reação   cap 01 - parte 02
Livro ação e reação cap 01 - parte 02Lar Irmã Zarabatana
 
Ação e Reação - Cap. 4 - Slides.pdf
Ação e Reação - Cap. 4 - Slides.pdfAção e Reação - Cap. 4 - Slides.pdf
Ação e Reação - Cap. 4 - Slides.pdfMarivaineDias
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VI - O Elemento ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VI - O Elemento ...Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VI - O Elemento ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VI - O Elemento ...Cynthia Castro
 
Nosso lar 01naszonasinferiores
Nosso lar 01naszonasinferioresNosso lar 01naszonasinferiores
Nosso lar 01naszonasinferioresDuda Neto
 
Nosso lar 02clarêncio
Nosso lar 02clarêncioNosso lar 02clarêncio
Nosso lar 02clarêncioDuda Neto
 
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morteA Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morteRicardo Azevedo
 
Conversando o Evangelho - Suicídio
Conversando o Evangelho - SuicídioConversando o Evangelho - Suicídio
Conversando o Evangelho - SuicídioFatoze
 
6 aos que ainda se acham...
6   aos que ainda se acham...6   aos que ainda se acham...
6 aos que ainda se acham...Fatoze
 
9 desapontamento de um suicida
9   desapontamento de um suicida9   desapontamento de um suicida
9 desapontamento de um suicidaFatoze
 
Conto Black Wings- especial Dia dos Namorados
Conto Black Wings- especial Dia dos NamoradosConto Black Wings- especial Dia dos Namorados
Conto Black Wings- especial Dia dos NamoradosRaquel Alves
 
Nosso lar 04omédicoespiritual
Nosso lar 04omédicoespiritualNosso lar 04omédicoespiritual
Nosso lar 04omédicoespiritualDuda Neto
 
Livro oração aos moços Rui Barbosa
Livro   oração aos moços Rui BarbosaLivro   oração aos moços Rui Barbosa
Livro oração aos moços Rui BarbosaPaulo Henrique
 
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das MãesLivro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das MãesPatricia Farias
 
Livro dos espiritos Q377e 378 ESE cap 28 item46
Livro dos espiritos Q377e 378 ESE cap 28 item46Livro dos espiritos Q377e 378 ESE cap 28 item46
Livro dos espiritos Q377e 378 ESE cap 28 item46Patricia Farias
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VII - Os Primeiro...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VII - Os Primeiro...Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VII - Os Primeiro...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VII - Os Primeiro...Cynthia Castro
 
Tédio de viver
Tédio de viverTédio de viver
Tédio de viverHelio Cruz
 

Semelhante a Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo I - O Vale dos Suicidas - 22-02-2016 (20)

Livro ação e reação cap 01 - parte 02
Livro ação e reação   cap 01 - parte 02Livro ação e reação   cap 01 - parte 02
Livro ação e reação cap 01 - parte 02
 
Ação e Reação - Cap. 4 - Slides.pdf
Ação e Reação - Cap. 4 - Slides.pdfAção e Reação - Cap. 4 - Slides.pdf
Ação e Reação - Cap. 4 - Slides.pdf
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VI - O Elemento ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VI - O Elemento ...Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VI - O Elemento ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VI - O Elemento ...
 
Nosso lar 01naszonasinferiores
Nosso lar 01naszonasinferioresNosso lar 01naszonasinferiores
Nosso lar 01naszonasinferiores
 
Nosso lar 02clarêncio
Nosso lar 02clarêncioNosso lar 02clarêncio
Nosso lar 02clarêncio
 
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morteA Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
A Passagem - Uma visão espírita sobre o momento da morte
 
Suicídio
SuicídioSuicídio
Suicídio
 
Conversando o Evangelho - Suicídio
Conversando o Evangelho - SuicídioConversando o Evangelho - Suicídio
Conversando o Evangelho - Suicídio
 
6 aos que ainda se acham...
6   aos que ainda se acham...6   aos que ainda se acham...
6 aos que ainda se acham...
 
9 desapontamento de um suicida
9   desapontamento de um suicida9   desapontamento de um suicida
9 desapontamento de um suicida
 
Céu e Inferno definitivo
Céu e Inferno definitivoCéu e Inferno definitivo
Céu e Inferno definitivo
 
Tributo a um guerreiro
Tributo a um guerreiro   Tributo a um guerreiro
Tributo a um guerreiro
 
Conto Black Wings- especial Dia dos Namorados
Conto Black Wings- especial Dia dos NamoradosConto Black Wings- especial Dia dos Namorados
Conto Black Wings- especial Dia dos Namorados
 
Nosso lar 04omédicoespiritual
Nosso lar 04omédicoespiritualNosso lar 04omédicoespiritual
Nosso lar 04omédicoespiritual
 
Livro oração aos moços Rui Barbosa
Livro   oração aos moços Rui BarbosaLivro   oração aos moços Rui Barbosa
Livro oração aos moços Rui Barbosa
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarnação
 
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das MãesLivro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
Livro dos Espíritos Questão 307 - Evangelho Especial dia das Mães
 
Livro dos espiritos Q377e 378 ESE cap 28 item46
Livro dos espiritos Q377e 378 ESE cap 28 item46Livro dos espiritos Q377e 378 ESE cap 28 item46
Livro dos espiritos Q377e 378 ESE cap 28 item46
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VII - Os Primeiro...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VII - Os Primeiro...Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VII - Os Primeiro...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VII - Os Primeiro...
 
Tédio de viver
Tédio de viverTédio de viver
Tédio de viver
 

Mais de Cynthia Castro

Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XIX e XX - Predisposições...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XIX e XX - Predisposições...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XIX e XX - Predisposições...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XIX e XX - Predisposições...Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XVI, XVII e XVIII - Deter...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XVI, XVII e XVIII - Deter...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XVI, XVII e XVIII - Deter...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XVI, XVII e XVIII - Deter...Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XII, XIII e XIV - Diferen...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XII, XIII e XIV - Diferen...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XII, XIII e XIV - Diferen...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XII, XIII e XIV - Diferen...Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos VIII, IX, X e XI - Matrim...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos VIII, IX, X e XI - Matrim...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos VIII, IX, X e XI - Matrim...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos VIII, IX, X e XI - Matrim...Cynthia Castro
 
Evolução Em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos V_VI_VII - Apresentação d...
Evolução Em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos V_VI_VII - Apresentação d...Evolução Em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos V_VI_VII - Apresentação d...
Evolução Em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos V_VI_VII - Apresentação d...Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos I e II - Alimentação e Li...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos I e II - Alimentação e Li...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos I e II - Alimentação e Li...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos I e II - Alimentação e Li...Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...Cynthia Castro
 
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...Cynthia Castro
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIII - Alma e Fluidos - 0...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIII - Alma e Fluidos - 0...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIII - Alma e Fluidos - 0...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIII - Alma e Fluidos - 0...Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...Cynthia Castro
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XI - Existência da Alma -...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XI - Existência da Alma -...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XI - Existência da Alma -...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XI - Existência da Alma -...Cynthia Castro
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...Cynthia Castro
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VII - Evolução e Heredita...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VII - Evolução e Heredita...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VII - Evolução e Heredita...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VII - Evolução e Heredita...Cynthia Castro
 

Mais de Cynthia Castro (20)

Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XIX e XX - Predisposições...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XIX e XX - Predisposições...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XIX e XX - Predisposições...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XIX e XX - Predisposições...
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XVI, XVII e XVIII - Deter...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XVI, XVII e XVIII - Deter...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XVI, XVII e XVIII - Deter...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XVI, XVII e XVIII - Deter...
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulo XV - Passe Magnético - 02/...
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XII, XIII e XIV - Diferen...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XII, XIII e XIV - Diferen...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XII, XIII e XIV - Diferen...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos XII, XIII e XIV - Diferen...
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos VIII, IX, X e XI - Matrim...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos VIII, IX, X e XI - Matrim...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos VIII, IX, X e XI - Matrim...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos VIII, IX, X e XI - Matrim...
 
Evolução Em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos V_VI_VII - Apresentação d...
Evolução Em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos V_VI_VII - Apresentação d...Evolução Em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos V_VI_VII - Apresentação d...
Evolução Em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos V_VI_VII - Apresentação d...
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos III e IV - Corpo Espiritu...
 
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos I e II - Alimentação e Li...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos I e II - Alimentação e Li...Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos I e II - Alimentação e Li...
Evolução em Dois Mundos - Segunda Parte - Capítulos I e II - Alimentação e Li...
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIX - Alma e Reencarnação...
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XVIII - Sexo e Corpo Espi...
 
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
Evolução Em Dois Mundos - Debate - Capítulos I ao XV - 24072017
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XV - Vampirismo Espiritua...
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIV - Simbiose Espiritual...
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIII - Alma e Fluidos - 0...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIII - Alma e Fluidos - 0...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIII - Alma e Fluidos - 0...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XIII - Alma e Fluidos - 0...
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XII - Alma e Desencarnaçã...
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XI - Existência da Alma -...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XI - Existência da Alma -...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XI - Existência da Alma -...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XI - Existência da Alma -...
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo X - Palavra e Responsabil...
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo IX - Evolução e Cérebro -...
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VIII - Evolução e Metabol...
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VII - Evolução e Heredita...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VII - Evolução e Heredita...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VII - Evolução e Heredita...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo VII - Evolução e Heredita...
 

Último

Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Nilson Almeida
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxManoel Candido Pires Junior
 
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfDaddizinhaRodrigues
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfFrancisco Baptista
 
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Fraternitas Movimento
 

Último (7)

Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
 
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
 

Seminário Memórias de Um Suicida - Capítulo I - O Vale dos Suicidas - 22-02-2016

  • 2. CAPÍTULO I DATA: 22-02-2016 O Vale dos Suicidas
  • 3. Palavras iniciais Rogo à Espiritualidade Benfeitora que guie minhas palavras e inspire meus mais elevados sentimentos de amor, respeito e humildade, para que eu transmita, com a maior fidelidade possível, o verdadeiro ensinamento de amor contido nestas páginas.
  • 4. vam As primeiras impressões de Camilo... “Panorama desolador, composto por vales profundos com gargantas sinuosas e cavernas sinistras, no interior das quais uivavam, quais maltas de demônios enfurecidos, Espíritos que foram homens, dementados pela intensidade e estranheza verdadeiramente inconcebíveis, dos sofrimentos que os martirizavam.”
  • 5. Nenhuma forma de vida penetrava nessa paragem aflitiva, a não ser a nossa própria presença, traduzida por supremo horror... O solo: imundo, pastoso, escorregadio, fétido e repugnante! O ar: pesado, asfixiante, gelado; nevoeiros ameaçadores; sufocante, submetendo os Espíritos a um suplício inconcebível ao cérebro humano, habituado às gloriosas claridades do Sol .
  • 6. Os sentimentos: “não havia, ali, nem paz, nem consolo, nem esperança; tudo era marcado pela desgraça, miséria, assombro, desespero e horror.”.
  • 7. Comparado ao vale dos leprosos da antiga Jerusalém, Camilo afirma que aquele “seria consolador estágio de repouso [...] Pelo menos ali existiria solidariedade entre os renegados!” Os leprosos faziam amigos, irmanavam-se na dor, criavam a sua sociedade, divertiam-se, prestavam-se favores, dormiam e sonhavam que eram felizes!
  • 8. No vale dos leprosos era possível sentir o calor do sol e o ar fresco da madrugada; contemplar uma faixa de céu azul e acompanhar a revoada das andorinhas e dos pombos; apreciar a lua cheia e sonhar, quem sabe, com consolações futuras... E tudo isso era como dádivas celestiais para reconciliá-los com Deus, fornecendo-lhes tréguas na desgraça.
  • 9. Mas pobre Camilo... “Na caverna onde padeci o martírio que me surpreendeu além do túmulo, nada disso havia! Aqui, era a dor que nada consola, a desgraça que nenhum favor ameniza, a tragédia que ideia alguma tranquilizadora vem orvalhar de esperança! Não há céu, não há luz, não há sol, não há perfume, não há tréguas!”
  • 10. ... o que há é o choro convulso e inconsolável; é a raiva envenenada daquele que já não pode chorar; é o desaponto do que se sente vivo a despeito de se haver arrojado na morte; é a revolta; é a consciência em luta, a alma ofendida, a mente torturada, as faculdades espirituais envolvidas nas trevas oriundas de si mesma! E ele conta mais...
  • 11. “É o inferno, na mais hedionda e dramática exposição, porque, além do mais, existem cenas repulsivas de animalidade, práticas abjetas dos mais sórdidos instintos, as quais eu me pejaria de revelar aos meus irmãos, os homens!”
  • 12. ‘Mas porque o suicida não recebe ajuda?’ ou... ...‘quanto tempo esse infeliz espírito fica preso ao corpo físico?’ ... ou ainda: ‘existiriam agravantes e atenuantes para o crime do suicídio’?
  • 13. Deus, em sua infinita bondade, jamais abandona seus filhos, especialmente os mais faltosos e sofredores... Contudo, não há previsão para o tempo que os suicidas ficam presos ao corpo vendo sua decomposição, vagando nas regiões umbralinas, ou prisioneiros de obsessores. Isso varia de Espírito para Espírito, de caso para caso...
  • 14. No suicida, as forças vitais encontram-se geralmente intactas, revestindo-lhes os envoltórios físico- espirituais; para que ele possa ser ajudado, é preciso exaurir essa força vital; enquanto isso não acontece o infeliz fica aprisionado ao corpo físico, acompanhando sua deterioração e revivendo o ato do suicídio.
  • 15. O escritor conta que nos primeiros meses após o desencarne, vagava entre o cemitério e a região onde morava, sentindo fortes dores na área atingida pela bala e com grave perturbação mental, pelas Por muitas vezes, apesar de continuar sentindo-se cego na Espiritualidade, deparou-se com a imagem de seu corpo em estado de decomposição. sensações físicas impregnadas em seu períspirito;
  • 16. “Não sei como decorrerão os trabalhos correcionais para suicidas nos demais núcleos espirituais destinados aos mesmos fins. Sei apenas que fiz parte de sinistra falange detida nessa paragem horrenda cuja lembrança ainda hoje me repugna à sensibilidade.” “É bem possível que haja quem duvide da veracidade do que vai descrito nestas páginas.”
  • 17. Não os convidarei a crer... O Além-túmulo acha-se longe de ser a abstração que supomos na Terra. Ele é simplesmente a Vida Real, vida intensa a se desdobrar em modalidades infinitas, dividida em continentes e falanges como a Terra é dividida em nações e raças, dispondo de organizações sociais e educativas a servirem de modelo para o progresso da Humanidade.
  • 18. “Eu os convido, e ardentemente desejo, que se eximam de conhecer essa realidade pelos canais trevosos a que me expus, entregando-me ao suicídio por não crer na advertência de que a morte nada mais é do que a verdadeira forma de existir!...”
  • 19. O Inferno de Dante... O Espírito de Dante desprendia-se do corpo físico e ia, em companhia de seu Guia Espiritual, identificado por ele como sendo o poeta romano Virgílio, visitar essas regiões tenebrosas. Ao voltar ao corpo somático, a sua impressão de angústia e pavor se lhe refletia no rosto. (Os Grandes Vultos da Humanidade e o Espiritismo – Sylvio Brito Soares, Ed. FEB)
  • 20. A cegueira de Camilo A cegueira, impiedosa e cruel, que o retirara do mundo das letras, também acabou retirando-o da vida pela porta do suicídio... Mas mesmo sentindo-se ainda cego após a morte, não lhe passava despercebido tudo que se apresentasse feio, sinistro, imoral, obsceno, pois “conservavam meus olhos visão bastante para toda essa escória contemplar – agravando-se mais a minha desdita”.
  • 21. Fato digno de nota é o que ele conta sobre sua sensibilidade superexcitada que o levava a “experimentar também os sofrimentos dos outros companheiros de desdita, fenômeno esse ocasionado pelas correntes mentais que se despejavam sobre toda a falange e oriundas dela própria.”
  • 22. Façamos uma breve pausa neste ponto... Será que não existe esperança para este desafortunado? Sim... sabemos que sim!!! Nosso Pai Celestial, infinitamente bom e justo, jamais nos abandonaria à própria sorte. “Contudo, o sofrimento do suicida só termina quando o Espírito consegue passar com êxito por todas as provações que o levaram ao ato criminoso e ainda resgatar os prejuízos acumulados com o feito.”
  • 23. O Espírito desencarnado, detém-se nas regiões purgatoriais, até que seja naturalmente "desanimalizado", isto é, que se desfaça dos fluidos e forças vitais. O tempo e o sofrimento nesse local, são função do caráter, das ações praticadas, do gênero de vida e do gênero de morte. Alguns demoram-se apenas algumas horas; outros levarão meses, anos consecutivos, voltando à reencarnação sem atingirem a Espiritualidade.
  • 24. Em geral, o suicida demora-se nessas regiões pelo tempo que ainda lhe restava para concluir o compromisso que prematuramente rompeu. Em certos casos, a reencarnação compulsória torna-se a única terapêutica. Embora dolorosa, é mais rápida e preferível do que permanecer naquele cárcere sinistro. Isso evidencia a Misericórdia Divina em ação!!!
  • 25. “Às vezes, conflitos brutais se verificavam pelos becos lamacentos onde se enfileiravam as cavernas que nos serviam de domicílio. Invariavelmente irritados, por motivos insignificantes nos atirávamos uns contra os outros em lutas corporais violentas.” “Frequentemente fui insultado, ridicularizado, apedrejado e espancado até que, excitado por fobia idêntica, eu me atirava a represálias selvagens, ombreando com os agressores e com eles refocilando na lama da mesma ceva espiritual!”
  • 26. Exigências físicas martirizantes A fome, a sede, o frio, a fadiga, a insônia... A natureza como que aguçada em todos os seus desejos e apetites, como se carregássemos ainda o corpo carnal... A promiscuidade vexatória de espíritos que foram homens e dos que animaram corpos femininos...
  • 27. mmm Nem mesmo sonhar ou orar... Naquele ambiente superlotado de males, o pensamento jazia encarcerado, só podendo emitir vibrações que se afinassem com a própria perfídia local; não podíamos nem sequer orar...
  • 28. “Impossível contar o tempo ou saber onde estávamos...” Os Espíritos ali confinados não sabiam quando era dia ou noite, porque sombras perenes os envolviam. Perderem totalmente a noção do tempo... Ignoravam também o local onde estavam, sem perceber que era patrimônio de suas próprias mentes em conflito, de suas vibrações tumultuadas por martírios indescritíveis!
  • 29. “Vivos, em espírito, diante do corpo putrefato, sentíamos a corrupção atingir-nos!... Doíam em nossa configuração astral as picadas monstruosas dos vermes! Enfurecia-nos até à demência a martirizante repercussão que levava nosso perispírito, ainda animalizado e provido de abundantes forças vitais, a refletir o que se passava com seu antigo envoltório limoso...” Diante do corpo morto...
  • 30. À frente do tribunal dos infernos... “Obsessores que pululam por todas as camadas inferiores, tanto da Terra como do Além; os mesmos que haviam alimentado em nós as sugestões suicidas, divertiam-se com nossas angústias e convenciam-nos de que eram juízes que nos deveriam julgar e castigar, apresentando-se às nossas faculdades conturbadas como seres fantásticos, fantasmas impressionantes e trágicos.”
  • 31. “A lembrança dos erros, das quedas pecaminosas, dos crimes mesmo, corporificavam-se à frente de nossas consciências culpadas...” “As vítimas do nosso egoísmo reapareciam em recordações vergonhosas, indo e vindo ao nosso lado em atropelos pertinazes, infundindo em nossa combalida organização espiritual o mais angustioso desequilíbrio nervoso forjado pelo remorso!”
  • 32. Periodicamente, singular caravana visitava esse antro de sombras à procura daqueles cujos fluidos vitais, arrefecidos pela desintegração completa da matéria, permitissem locomoção para outras camadas do invisível.
  • 33. LEGIÃO DOS SERVOS DE MARIA ‘Supúnhamos tratar-se de um grupo de homens, mas eram, sim, Espíritos...” Vestiam branco e traziam ao peito uma cruz azul celeste; senhoras também faziam parte da caravana... Apresentavam-se caminhando nas ruas lamacentas, um a um...
  • 34. Vinham precedidos de um grupo de lanceiros, que formavam um cordão de isolamento, protegendo-os dos ataques da turba.
  • 35. “E, chefiando a expedição, destacava-se varão respeitável, o qual trazia avental branco e insígnias de médico a par da cruz já referida. Cobria-lhe a cabeça, um turbante hindu, cujas dobras eram atadas à frente pela tradicional esmeralda, símbolo dos esculápios.”
  • 36. Os socorridos eram conduzidos em macas, protegidos pelo cordão de isolamento e abrigados em veículos brancos, leves, burilados em matérias habilmente laqueadas, e puxados por formosas parelhas de cavalos também brancos...
  • 37. Os que não eram ajudados, em vão suplicavam justiça e compaixão ou se amotinavam, revoltados... Os caravaneiros não respondiam e, se alguém tentasse assaltar as viaturas, dez, vinte lanças faziam-no recuar. Então, um coro hediondo de uivos e choro sinistros, de pragas e gargalhadas satânicas, o ranger de dentes, repercutiam longa e dolorosamente...
  • 38. E assim ficam... quanto tempo?... Oh! Deus piedoso! Quanto tempo?...
  • 39. Até que suas inimagináveis condições de suicidas, de mortos-vivos, lhes permitam também a transferência para localidade menos trágica...
  • 40. Allan Kardec O Livro dos Espíritos, Parte Quarta, 943 – 957 O Livro dos Espíritos, Parte Primeira, 60 – 70 O Céu e o Inferno, Segunda Parte, Cap. V [Suicidas] e cap. I [O Passamento] Evangelho segundo o Espiritismo, Cap. XXVIII: 71 e 72; Cap. V: 14-17 A Gênese, Capítulo X – Gênese Orgânica Marlene Nobre A Alma da Matéria F.C. Xavier / André Luiz Mecanismos da Mediunidade, Capítulo 4: Matéria mental F.C. Xavier / Emmanuel Pensamento e Vida, Capítulo 29: Morte O Consolador, 2ª Parte – Vida, perg. 154 Léon Denis Depois da Morte, Primeira Parte, Capítulo 7: O Materialismo e o Positivismo Depois da Morte, Terceira Parte, Capítulo 28: Utilidade dos Estudos Psicológicos Depois da Morte, Quarta Parte, Capítulo 36: Espíritos Inferiores