Solidão não é a falta de gente para conversar

839 visualizações

Publicada em

Publicada em: Indústria automotiva
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
839
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Solidão não é a falta de gente para conversar

  1. 1. SOLIDÃOSolidão não é a falta de gente paraconversar, namorar, passear ou fazersexo... Isto é carência.Solidão não é o sentimento queexperimentamos pela ausência deentes queridos que não podem maisvoltar... Isto é saudade.Solidão não é o retiro voluntário que agente se impõe, às vezes, pararealinhar os pensamentos... Isto éequilíbrio.Solidão não é o claustro involuntárioque o destino nos impõecompulsoriamente para que revejamosa nossa vida...Isto é um princípio da natureza.Solidão não é o vazio de gente ao nossolado... Isto é circunstância.Solidão é muito mais do que isto. 1
  2. 2. SOLIDÃOSolidão é quando nos perdemos de nósmesmos e procuramos em vão pelanossa alma... As pessoas que amo,minhas amizades mais antigas, já sehabituaram aos meus longossilêncios,próprios de um sujeitoatarefado. Percebo que a mais recenteaquisição da minha alma ainda não.Mas aproveito para dizer a todos osamigos que, apesar do que se comenta,não sumi porque me acho envolvidoromanticamente com alguém; aforaalguns sentimentos de outrora quejamais se arrefecerão, e que as pessoasestão fartas de conhecer como meutema favorito, na expressão divertidaque costumo utilizar. Já experimenteide tudo nesta vida, desde uma paixãoavassaladora até aquele Amor, comletra maiúscula, de eternidades.Atualmente, porém, procuro apenas me 2
  3. 3. SOLIDÃOdeixar conduzir por mares calmos esem pressa, acolhendo a sugestãodaquela que me dizia, sempre, que eudevia brincar de ser feliz. E a felicidadedispensa atropelos, porque não é algo ase forçar, alcançar ou procurar; e simum olhar novo sobre tudo à nossa volta.Calhou de eu receber novamente otexto acima, já um velho conhecido, nomesmo instante em que parei pararesponder a determinadas inquietações,manifestadas em tantas mensagens amim endereçadas, inclusive de celular.Nada é por acaso. Espero,carinhosamente, que ele sirva de pontode partida para clarear algunspensamentos alheios. Mesmo exausto,me dedico de corpo e alma a essatarefa; chateado, porque recebo agoraafirmações de abandono, impregnadasde mágoa e de tristeza. Sendo que 3
  4. 4. SOLIDÃOjamais olvidei quaisquer pessoas quetenham se legitimado a fazerem parteda minha vida.A verdade é que pressinto o quanto aassola o mesmo tipo de solidão que meafligia antigamente. Não a solidão decorpos ausentes, de não estar junto apessoas; porque você poderá encontrá-las aos borbotões por aí, nestemundinho superlotado. Falo de umaespécie particular de solidão, queganha vida própria e se torna nossacriatura doméstica e inacessível. E quenós alimentamos sempre com ideiasequivocadas e distorcidas, nãoexistindo quem a mude ou a afugentedo coração. Há, de fato, alguns seresespeciais que servem de facilitadoresda nossa autodescoberta, fortalecendo-nos para combater essa falsa e ridículasensação de pequenez diante de um 4
  5. 5. SOLIDÃOuniverso ao redor sempre em expansão.Pois o universo, não importa o quantoele cresça, estará sempre da largura doabraço das almas seguras eautoconscientes, que se sabemextraordinárias no lugar e nascondições em que estão. Alcancei aforça libertadora dessa compreensãoem circunstâncias especiais da minhavida. Mas isso é uma conquista pessoal,não que dependamos necessariamentede alguém para isso.Porém, um dos motivos de a minhasolidão ter nascido comigo, de eu terprecocemente optado pelodistanciamento emocional, que limitavaas possibilidades da minha experiênciade vida, era justamente o medo devoltar a produzir inquietações na esferaíntima de outrem. Demorei muito paraconciliar a oportunidade de aprendizado 5
  6. 6. SOLIDÃOque os outros representam com aresponsabilidade espiritual por tudoaquilo que projetamos, sendo queacabei até reprisando a condição demeus temores quando era mais jovem.Quem me conhece não de perto, masintimamente, costuma dizer que eu soude produzir fortes apegos. E isso nãoera muito prazeroso no passado, porquecheguei a vivenciar apegosextremados, exigentes e caprichosos, eminha resposta acabava sendo a defazer o caminho inverso e me afastar,provocando mágoa. Daí pode imaginar omeu desconforto ao perceber essa suaansiedade excessiva e injustificável,ainda nos primeiros passos da nossaamizade, até fantasiando situaçõesinexistentes de esquecimento. Isso éruim e doloroso para você mesma. Edoloroso pra mim, que a quero tão bem 6
  7. 7. SOLIDÃOe não desejo ser o vetor dessesofrimento totalmente desnecessário.Hoje eu me sinto liberto, pois aprendi ame relacionar responsavelmente e semculpas. Mas eu permaneço nessecuidado vigilante de nunca acessar ouniverso de alguém para restringi-lo, esim para ampliá-lo. Pois o que você amaem mim, esse carisma que tantoiluminou os seus olhos, é simplesmentea porta convidativa que se abriu para ohorizonte de si mesma. Quero que vocême veja sempre assim, como alguémque veio para ajudá-la a projetar o seumelhor. E quando eu dispuser de umtempinho, conversaremos sim. Semagonias de espera, pois há um mundo aíque já era seu antes de eu existir nele;e que apenas desbravaremos juntos emmomentos de amizade e alegria,brindando e brincando de felicidade. 7
  8. 8. SOLIDÃOFÁTIMA IRENE PINTO 8

×