Q
iuba
                      da
                    s
                    ria




L
                                      ...
— Por amor. Um amor que começou em 1.920,
                                                           Como surgiu
quando ch...
Já pensou quantos dias ele teria que descansar,
antes de aproveitar as belezas da Quinta da Boa
Vista?
Logo, o funcionário...
— Os animais soltos assim, nunca                 O Rossio Pequeno passou a chamar-se Praça Onze
        machucavam as pess...
Igreja de Sant’Ana
            A próxima foto era uma igreja:
            — Vô, essa igreja aqui não é aquela onde o tio
 ...
A Igreja de Sant'Ana, antes era         Ao lado da Igreja de Sant'Ana
uma capela pequena e ficava             acontecia a ...
A Rua de Santana
— E será que o Padre sabe disso?
— Nunca perguntei. Mas se não souber, alguém
                           ...
A Rua das Flores passou a chamar-se Rua de Santana,
quando foi construída a Igreja de Sant'Ana...
— Aquela da foto do casa...
s   Vovô Jaime e Liuba olhavam seriamente a próxima

                               e     foto: um grande navio no Porto d...
Vovô Jaime e Liuba ainda estavam rindo,
Eu gostava de ficar no ponto do bonde, perto
                                     ...
Parecida com um vale, a Praça Onze era cercada pelo
Morro da Providência; o Morro do Pinto e o de São
Carlos.A Praça era o...
— Tia Ciata? Era irmã da sua mãe?               — Já vou, mãe. Vou ver só mais uma foto.
Vovô Jaime riu antes de responder...
—Vô, qual
                       é a próxima
                           foto?

         — Liceu de Artes e Ofícios!
      ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Liuba descobre histórias da Praça Onze

1.846 visualizações

Publicada em

As histórias são contadas a partir do album do avô do Liuba (que em polonês quer dizer amor).

Publicada em: Educação, Diversão e humor
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.846
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
29
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Liuba descobre histórias da Praça Onze

  1. 1. Q iuba da s ria L uando Liuba viu a foto no livro grande favorito ó ist ze do vovô Jaime, ficou surpreso: e h On — Vô, que praça é esta? Ih, o senhor está com br a uma roupa engraçada! o sc raç — Esta é a Praça Onze e minha roupa não tem de P nada de engraçada. Naquele tempo os homens se vestiam assim. — Mas vô, a Praça Onze não é aquela que tem só Carnaval? — Não, Liuba... o Carnaval é que tem a Praça Onze. — Não entendi... — Pra você entender, tenho que te contar a história da Praça Onze desde o começo. Liuba já estava curioso e foi logo pedindo: — Puxa, vô, conta! Adoro histórias! Vovô Jaime tossiu um pouquinho, sentou Liuba em seu colo e começou a falar sobre aquele livro grande favorito, com a tal foto da Praça Onze. — Este aqui, Liuba, é meu álbum de fotografias, recortes e pesquisas sobre a Praça Onze. — Mas, porque o senhor coleciona coisas dessa Texto & Ilustração Blan Tavares Praça?
  2. 2. — Por amor. Um amor que começou em 1.920, Como surgiu quando cheguei ao Brasil e fui morar lá. Eu era um rapazinho cheio de sonhos e... a Praça Onze? — Mas, vô, o senhor prometeu contar a história da Praça Onze! — Ah! É mesmo, tem razão. A Praça Onze, antes Sempre que D. João VI preparava-se para de ser Praça Onze, era... descansar na Quinta da Boa Vista, reclamava da enorme distância que percorreria. E os olhos de Liuba, acompanhavam a história do Certo dia, um dos funcionários da Corte viu vovô Jaime, grudados nas fotos, recortes e pes- extenso matagal, próximo de uma área bem quisas do livrão favorito. pantanosa, conhecida como São Diogo. Só os bichinhos da floresta viviam naquele lugar. Assim, o funcionário percebeu que por ali, fazendo um aterro e uma estrada, a Quinta da Boa Vista ficaria menos longe e D. João VI chegaria mais rápido. — Mas, vô, se o D. João VI estava indo pra Quinta da Boa Vista descansar, qual era o problema dele se cansar no caminho? — Naquele tempo, Liuba, as estradas não eram asfaltadas e as carruagens sacudiam tanto, que D. João VI, certamente, chegava com o corpo totalmente dolorido.
  3. 3. Já pensou quantos dias ele teria que descansar, antes de aproveitar as belezas da Quinta da Boa Vista? Logo, o funcionário da corte teve permissão para fazer vários aterros até o pântano sumir e a terra ficar durinha. No meio do terreno, deixaram aberto uma vala bem grande, para drenagem das águas da chuva... — Aí, se chovesse muito, o pântano não encheria de novo, né? — Isso mesmo. Sem a vala, quando chovesse muito as águas que descem dos morros em volta, não teriam para onde correr. Após a canalização, o valão passou a chamar-se Canal do Mangue. Muitas famílias foram se mudando para as novas ruas, criadas próximas ao Mangue. Naquele tempo, a Praça Onze chamava-se Rossio Pequeno e todos os moradores jogavam lixo sobre ela e soltavam seus animais domésticos. — A Praça não era cercada, vô? — Não. E também não tinha brinquedos, bancos ou mesinhas com jogo de dama. Tudo era muito simples: uma clareira grande, todo mundo livre pra lá e pra cá, sem se importar com os animais soltos.
  4. 4. — Os animais soltos assim, nunca O Rossio Pequeno passou a chamar-se Praça Onze machucavam as pessoas? em 1865, numa homenagem à vitória do Brasil na batalha do Riachuelo em 11 de junho daquele ano. — Eram mansinhos, domésticos: cachorro, gatos, E com a mudança de nome, o Rossio Pequeno — porcos, vacas, cavalos... e era muito divertido, agora Praça Onze de Junho — continuou crescendo principalmente porque as crianças inventavam e se modificando, assim como você. diferentes jogos e brincadeiras. Liuba abraçou vovô Jaime. O bairro cresceu rapidamente, motivando a primeira — Você é muito legal, vô, adoro você! obra de embelezamento em 1846, quando foi — Eu também te adoro muito! Mas a história não construído um belo chafariz, obra do arquiteto francês acabou, não. Vire a página. Grandjean de Montigny, e plantaram belíssimas E os olhos de Liuba continuaram ansiosos por mais casuarinas. histórias da Praça Onze. — Casuarinas são árvores? — São árvores de origem australiana que atingem 25 metros de altura, crescem rápido e seu tronco, de madeira avermelhada, é ótimo para carpintaria. Em 1855, nove anos depois da obra de embeleza- mento, os cariocas se reuniram em torno do chafariz. Todos queriam ver o primeiro balão, desses que carregam pessoas. Infelizmente, minutos depois caiu no mar.
  5. 5. Igreja de Sant’Ana A próxima foto era uma igreja: — Vô, essa igreja aqui não é aquela onde o tio Rodolfo casou? — Isso mesmo! Parabéns, Liuba, por sua ótima memória visual. — Não é memória não... olha a cicatriz na perna por causa daquele tombo na escada. Liuba puxou a perna do short e fez cara de dor. — Na verdade, você não caiu da escada, lembra? Aconteceu que ao descer correndo, você rolou a rampa e agarrou no zinco solto do portão. — Ah! Naquela época eu era uma criança muito bagunceira... — O que quer dizer com naquela época? Você nem Casa fez oito anos ainda! Paroquial — Mas o senhor disse que era uma rapazinho bem comportado, quando tinha a minha idade. — Ora essa, você escolhe muito bem as palavras! Ainda está interessado na história da Igreja de Sant'Ana? — É uma história bonita? — Belíssima. — Pode falar, vô.
  6. 6. A Igreja de Sant'Ana, antes era Ao lado da Igreja de Sant'Ana uma capela pequena e ficava acontecia a famosíssima festa do Divino, com danças, fogos de Arti- bem ali, quase em frente à Central fícios, leilão de prendas, pau-de-sebo, do Brasil... cavalhadas. Essa festa sempre — Já sei vô, naquele lugar onde a começava no Sábado de Aleluia e gente pega o trem Deodoro-Parador. só terminava pela coroação do — Isso mesmo! Mas naquele tempo, Imperador do Divino, representado a Central do Brasil era só um terreno por um garoto de uns doze anos, conhecido como Campo da Cidade. ricamente trajado de casaca, calção Depois, este Campo da Cidade pas- de veludo encarnado, meias de seda sou a chamar-se Praça da República, e espada. naquele lugar onde tem o Hospital Certo dia, quando resolveram construir Souza Aguiar... a Estrada de Ferro Central do Brasil, — É! Mamãe me levou lá, pra dar onde a gente pega o Deodoro-Parador, pontos, depois do tombo na igreja, tiveram que demolir a Igreja de Sant'Ana. lembra? — Que horror! Deus não ficou zangado, — Lembro. Você tem uma senhora vô? memória, hein? — Ficou um pouquinho. Mas logo, ele — Valeu, vô. Continua. viu que estavam construindo outra, — Como eu dizia, era uma capela esta mesma da foto, e tudo ficou bem. que foi crescendo graças aos esfor- O interessante, é que construíram a ços das pessoas que tinham muita nova Matriz de Sant'Ana no terreno em fé na Santa Ana. Logo, todo mundo que seria construída a Cadeia Pública. começou a chamar o Campo da Foi difícil as pessoas pararem de chamar Cidade de Campo de Sant'Ana. aquele lugar de Largo da Cadeia Pública.
  7. 7. A Rua de Santana — E será que o Padre sabe disso? — Nunca perguntei. Mas se não souber, alguém já foi mais comprida. um dia contará pra ele. As histórias são sempre assim: de um pequenino fato, recordamos quase todos os acontecimentos. Liuba olhou a próxima foto sem entender: Liuba ficou em pé, constrangido por interromper — Olha só, vô, tiraram foto de uma rua vazia. vovô Jaime com um pedido que nada tinha com — Como assim, vazia? E as casas com esses a Igreja de Sant'Ana: jardins lindos, não contam? — Vô, tô com vontade de fazer xixi e beber água. — Mas o senhor não aparece na foto, ora! O senhor me espera? — Por que isso não é uma foto, Liuba. É a Entre uma tosse e outra, vovô Jaime respondeu cópia reduzida de uma pintura. Foi presente que ele poderia ir tranqüilo. de um amigo meu, também colecionador da — Não sai daí não, hein vô? Praça Onze. Repare bem como a rua é diferente — Não saio não. Você vai gostar da próxima foto. daquela que eu te mostrei na foto da Igreja de E assim, Liuba correu para o banheiro o mais rápido Sant'Ana. que pode. — É mesmo. Naquela foto tem edifícios, tem o Metrô no fim da rua... como é mesmo o nome dessa rua? — Rua de Santana. Aliás, antigamente, o fim dessa rua não era ali no muro do metrô, não — Não? E era onde, então? — Essa rua quando surgiu, não se chamava Rua de Santana. Seu nome era Rua das Flores, certamente por causa dos jardins bonitos que os moradores gostavam de cultivar.
  8. 8. A Rua das Flores passou a chamar-se Rua de Santana, quando foi construída a Igreja de Sant'Ana... — Aquela da foto do casamento. — Isso mesmo. Na Rua de Santana funcionavam muitos bares animados. — Vô, qual era o tamanho da Rua de Santana? — Assim, em números eu não sei. Mas aquele muro do Metrô não existia. A Rua de Santana começava bem pertinho da Estrada de Ferro. — Onde passa o Deodoro-Parador. — Isso, Liuba, acertou de novo! — E por que a Rua de Santana encurtou? — Por causa de duas importantes obras: a Avenida OBRAS Presidente Vargas e o Metrô. — Agora tem edifícios altos na Rua de Santana. — É Liuba... o progresso é necessário e muitas vezes do triste, porque modifica nossas lembranças. Ainda bem que existem livros, retratos e pinturas. Senão, a gente METRÔ esquecia tudo. Liuba abraça vovô Jaime, para ele não ficar triste com saudades tão bonitas.
  9. 9. s Vovô Jaime e Liuba olhavam seriamente a próxima e foto: um grande navio no Porto do Rio de Janeiro. nt — Vô, o senhor estava neste navio? s Imigr a ça d o — Minha irmã estava. Eu havia chegado no ano anterior. a Pr — E por que o senhor e sua irmã vieram sozinhos? — Todos precisavam fugir da guerra. Então, meus A pais juntavam dinheiro e vinha um de cada vez. — Depois seus pais vieram? — Não. Morreram na guerra. Mas vamos falar da Praça Onze dos Imigrantes, antes que eu fique triste. — O que é imigrante? — São pessoas que entram em um país estranho para viver. E este foi o meu caso. Escolhi o Brasil e a Cidade do Rio de Janeiro, porque uns amigos nossos mandavam carta lá para Polônia, onde nasci, contando como o povo daqui é alegre, carinhoso e compreensivo. — Os seus amigos moravam na Praça Onze? — Moravam. Por ser um bairro perto de tudo que precisávamos, todos queriam morar lá. Naquele tempo, na Praça Onze, ouvíamos muitos idiomas diferentes, por causa de imigrantes italianos, portugueses, turcos, poloneses, libaneses, sendo que havia mais portugueses e italianos.
  10. 10. Vovô Jaime e Liuba ainda estavam rindo, Eu gostava de ficar no ponto do bonde, perto quando a próxima foto provocou mais da Praça, olhando as moças italianas que um monte de gargalhadas: passavam no final da tarde. — Vovô, o que é isto? Depois, quase de noitinha, eu gostava também — Uma peruca de mulher e pó de arroz. de passar pelas janelas das casas e ficava — Mas estão na sua cabeça! Quem fez olhando outras moças que conversavam animadas, isto com o senhor? enquanto os vizinhos organizavam alguma festa. — Um sujeito animadíssimo que morava As famílias gostavam muito de fazer festas na Praça Onze. O nome dele era Heitor. com músicas e assim eu conheci sua avó, Rosa, Neste dia aqui, ele fez isto porque perdi dançando shotish, o rítmo da moda. uma aposta em pleno Carnaval. — Mas vô, a vovó Rosa falou que o senhor — E qual era a aposta? pisava nos pés dela! — Não posso falar. Quando você ficar — Nos pés dela e de todas as moças que rapaz eu conto. Mas eu ia dizendo que... dançavam comigo. Por isso fiquei um tempão Vovô Jaime coçou a cabeça e Liuba, entre solteiro. risos, corrigiu: — E como conseguiu se casar com a vovó? — O senhor não ia dizendo nada, vô. Só — Ela também pisava nos meus pés e nos pés falou do segredo da tal aposta. de todos os rapazes que dançavam com ela. — Pois é isso! Falava sobre o Carnaval da Praça Onze de Junho! Liuba e vovô Jaime deram boas gargalhadas.
  11. 11. Parecida com um vale, a Praça Onze era cercada pelo Morro da Providência; o Morro do Pinto e o de São Carlos.A Praça era o ponto de encontro do pessoal animado que descia desses morros, cantando seus sambas, vestidos de azul e branco, cores tradicionais. Dizem que o pessoal do Morro da Providência foi o que mais lotou e animou os Carnavais da Praça. Eram grupos de brincalhões mascarados ou sem máscaras, fantasiados ou não, que cantavam e dançavam ao som de instrumentos ligeiros como: cuícas, tamborins... — Lá no meu Clube é assim também, vô. — É um pouco diferente, Liuba. As folias de rua hoje, perderam aquela animação do meu tempo. Todo mundo prefere se fechar no Clube, porque acha mais seguro. E desfile mesmo, só no Sambódromo. — O senhor não gosta do Sambódromo? — Gosto sim. Mas gosto mais do Carnaval aqui no meu livrão favorito, o meu álbum de saudades. Ainda lembro quando o Heitor dizia que o samba só saiu dos morros, por causa do Carnaval da Praça Onze, que tinha um número grande de Clubes, Blocos carnavalescos e a contagiante alegria dos habitantes daquela área. O ponto de referência do samba, na Praça Onze, era a casa da Tia Ciata, na R.Visconde de Itaúna.
  12. 12. — Tia Ciata? Era irmã da sua mãe? — Já vou, mãe. Vou ver só mais uma foto. Vovô Jaime riu antes de responder: — Não, Liuba. Você já está atrasado. Vá se — Não. Todo mundo a tratava de Tia Ciata. vestir. Vovô Jaime concordou com a mãe de Liuba, Para nós é a fada madrinha do samba. sua nora, e prometeu esperá-lo chegar da — O senhor ia muito lá, na casa dessa Tia? escola para continuar contando Histórias da — Ia sempre com o Heitor. Era uma casa Praça Onze. grande com um quintal muito agradável. Marcaram a página bem marcada e com — O que o senhor fazia lá? um abraço despediram-se, logo depois, na — Apreciava o samba. Um rítmo que mexe porta do ônibus. com o corpo por dentro e por fora, a gente sente o chão vibrar. — Então, o senhor não pisava nos pés de ninguém? — Não pisava porque não sei sambar e só ficava olhando o Heitor cantar, divertindo a todos. — Vô, o senhor já foi ver o desfile no Sambódromo? — Ainda não. Mas o neto do Heitor vai desfilar ano que vem e prometeu me levar Tomara que sua avó Rosa não crie caso... Neste momento, Liuba ouve sua mãe chamar: — Hora da escola, Liuba! Vá se vestir!
  13. 13. —Vô, qual é a próxima foto? — Liceu de Artes e Ofícios! Quando você voltar, conto Escola o que aprendi por lá! — Legal, vô! Até mais tarde! Fim

×