Pesquisa de informação científica: estratégias e fontes

44.672 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
15 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
44.672
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
24.406
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
524
Comentários
0
Gostaram
15
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pesquisa de informação científica: estratégias e fontes

  1. 1. Pesquisa de informação científica: estratégias e fontes
  2. 2. 1. fontes de informação
  3. 3. Podemos identificar três tipos de informação (carácter científico): Informação primária – artigos científicos, teses, relatórios Informação secundária – livros e artigos de revisão (review articles) Informação terciária – dicionários e enciclopédias O processo de recolha de informação deverá ser do geral para o particular - iniciar a pesquisa em fontes de informação terciárias e só por fim as fontes de informação primárias. 1.1. Tipologia 1. fontes de informação
  4. 4. 1.2. As fontes primárias de informação – artigos científicos Os resultados da investigação científica publicados constituem a informação de base, o primeiro estágio do ciclo da informação científica – artigos publicados em revistas científicas (journals) – papers de conferências científicas 1. fontes de informação
  5. 5. 1.2. As fontes primárias de informação – artigos científicos 1. fontes de informação O processo de peer review ou refereeing (revisão por pares): Processo utilizado na publicação de artigos e que consiste em submeter o trabalho científico à avaliação de um ou mais especialistas da área. Através deste processo é certificada a qualidade dos artigos publicados numa revista científica. O processo de recolha de informação deverá ser do geral para o particular - iniciar a pesquisa em fontes de informação terciárias e só por fim as fontes de informação primárias.
  6. 6. 1.2. As fontes primárias de informação – artigos científicos 1. fontes de informação Review articles – artigos de revisão de literatura: Sumarizam o progresso recente num determinado tópico ou área científica (state of the art); Constituem uma valiosa fonte de informação no início de qualquer trabalho de investigação, já que sumarizam e referem os artigos científicos mais relevantes numa dada área;
  7. 7. 1.2. As fontes primárias de informação – artigos científicos 1. fontes de informação A maior parte das bases de dados tem a possibilidade de limitar a pesquisa apenas aos artigos de revisão. Review articles – artigos de revisão de literatura: Existem revistas que publicam apenas artigos de revisão Ex: Annual Reviews
  8. 8. 1.2. As fontes primárias de informação – artigos científicos 1. fontes de informação Review articles – artigos de revisão de literatura: http://www.annualreviews.org/
  9. 9. 1.3. Artigos científicos. Pesquisa via web. 1. fontes de informação Actualmente, grande parte das publicações científicas estão acessíveis em formato digital: Em acesso livre - Open Access - Mediante subscrição
  10. 10. 1.3. Artigos científicos. Pesquisa via web. 1. fontes de informação Actualmente, grande parte das publicações científicas estão acessíveis em formato digital: Em acesso livre - Open Access - - em revistas científicas“open acess” Ex: Advances in Multimedia http://www.hindawi.com/journals/am/ - em bases de dados e portais disponíveis na web Ex: ERIC - http://www.eric.ed.gov/ - em repositórios institucionais ou temáticos EX: RCAAP - http://www.rcaap.pt/
  11. 11. 1.3. Artigos científicos. Pesquisa via web. 1. fontes de informação Actualmente, grande parte das publicações científicas estão acessíveis em formato digital: Mediante subscrição - bases de dados de informação científica Ex: Academic Search Complete - revistas científicas de editores comerciais Ex: Elsevier/ScienceDirect
  12. 12. 1.3. Artigos científicos. Pesquisa via web. 1. fontes de informação Motores de pesquisa na web - Google Scholar - Motor de pesquisa na web para publicações científicas; - Para além de toda a informação disponível gratuitamente na web, localiza informação indexada nas bases de dados de alguns editores, acessível mediante subscrição; - O acesso a grande parte dos artigos localizados via Google Scholar só será possível aos utilizadores das instituições subscritoras. http://scholar.google.pt/
  13. 13. 1.4. Bases de dados de artigos científicos. 1. fontes de informação Características: Colecções de referências bibliográficas de artigos científicos, que podem ser pesquisadas de diferentes formas; Constituem as ferramentas mais adequadas para localizar artigos científicos sobre um determinado tópico;
  14. 14. 1.4. Bases de dados de artigos científicos. 1. fontes de informação Características: Reúnem revistas de diferentes editores e permitem a realização de pesquisas abrangentes; Ferramentas adequadas para a realização de uma revisão bibliográfica num determinado assunto (estado da arte).
  15. 15. 1.4. Bases de dados de artigos científicos. 1. fontes de informação Conteúdos: Referênciais Texto integral
  16. 16. 1.4. Bases de dados de artigos científicos. 1. fontes de informação - Contêm apenas a referência bibliográfica dos artigos; - Podem fornecer o texto integral dos artigos através de links para os sites das revistas, caso: 1- haja subscrição desse conteúdo por parte da instituição - reconhecimento por IPs; 2- a publicação esteja disponível na web em "open access“. Referênciais
  17. 17. 1.4. Bases de dados de artigos científicos. 1. fontes de informação - Os artigos científicos pesquisados estão na sua maioria em texto integral; - O acesso ao texto integral dos artigos é limitado a um período cronológico; - A base de dados pode embargar o acesso ao texto integral do último ano de publicação. Texto integral
  18. 18. 1.4. Bases de dados de artigos científicos. 1. fontes de informação As bases de dados podem incluir outras publicações tais como papers de conferências, relatórios técnicos, normas técnicas, patentes, teses, etc.
  19. 19. 1.4. Bases de dados de artigos científicos. 1. fontes de informação Funcionalidades gerais: - Pesquisa avançada - Campos com informação estruturada - Controlo de qualidade na recuperação de informação - Ferramentas adicionais de análise de resultados - Informação das revistas e conteúdos indexados - Contagem de citações por artigo e pesquisa por referência citada
  20. 20. o acesso o na UA O acesso aos recursos subscritos pela UA é permitido a partir de qualquer computador. o fora da UA Alunos, docentes, investigadores ou funcionários da Universidade de Aveiro. O acesso a estes recursos em locais fora do domínio ua.pt, como em casa, ou no local de trabalho, é feito através da parametrização do computador pessoal para uma ligação a uma rede privada virtual – VPN. Informação sobre este serviço disponível na página dos STIC. O acesso às ferramentas/recursos electrónicos subscritos pela Universidade de Aveiro é feita através da autenticação do utilizador por reconhecimento do endereço IP, não havendo necessidade de qualquer login ou password. 1.4. Bases de dados de artigos científicos. 1. fontes de informação
  21. 21. 2. O processo de pesquisa
  22. 22. 2.1. Definir claramente a necessidade de informação 2. O processo de pesquisa Questões a definir: - Qual o objectivo da pesquisa? - Qual o nível de exaustividade? – as fontes de informação a utilizar e o tipo de pesquisa variam de acordo com o trabalho de investigação a realizar. - Definir apriori factores de limite tais como o tipo de documento, as datas limite, outros.
  23. 23. 2.2. Identificar e localizar as fontes de informação adequadas 2. O processo de pesquisa Questões a definir: Que ferramenta(s) usar para a pesquisa de informação científica? Por que base de dados começar?
  24. 24. 2.2. Identificar e localizar as fontes de informação adequadas 2. O processo de pesquisa Questões a definir: Como realizar pesquisas bibliográficas eficientes e encontrar a informação desejada? Identificar as ferramentas de pesquisa disponíveis e conhecer as suas funcionalidades (vantagens e desvantagens) de modo a tirar delas o melhor partido
  25. 25. 2.3. Estabelecer uma estratégia de pesquisa 2. O processo de pesquisa 1. Definir claramente o tópico de pesquisa; 2. Identificar os conceitos associados ao tópico e traduzir para língua inglesa. Na maior parte das bases de dados as pesquisa devem ser efectuadas em inglês. É possível fazer pesquisas bibliográficas noutras línguas (português, espanhol, francês, etc.), mas o universo de artigos disponíveis é bastante reduzido quando comparado ao inglês.
  26. 26. 2.3. Estabelecer uma estratégia de pesquisa 2. O processo de pesquisa Um aspecto muito importante no sucesso e pertinência dos resultados da pesquisa é a selecção adequada dos termos de assunto a utilizar.
  27. 27. 2.3. Estabelecer uma estratégia de pesquisa 2. O processo de pesquisa 3. Seleccionar os termos de pesquisa Deve ter em conta os sinónimos e formas alternativas dos termos: - sinónimos - plural/singular - abreviatura acrónimos (ex: UML - Unified Modeling Language) - variantes linguísticas (ex: organisation – UK e organization –US)
  28. 28. 2.3. Estabelecer uma estratégia de pesquisa 2. O processo de pesquisa 3. Truncatura Os termos de pesquisa podem ter diferentes terminações – singular, plural e adjectivos – sendo que todos poderão ser relevantes para a sua pesquisa. Se inserir o termo de pesquisa no singular, irá apenas recuperar registos que contenham a palavra nessa forma; a truncatura resolve esse problema.
  29. 29. 3. Truncatura Operador de truncatura - colocar a seguir à raíz da palavra consulte sempre nas páginas de ajuda das bases de dados qual o operador de truncatura aplicável ou$ * 2.3. Estabelecer uma estratégia de pesquisa 2. O processo de pesquisa Ex: child$ - recupera os termos child, childhood, children, childbirth
  30. 30. 3. Operadores boleanos 2.3. Estabelecer uma estratégia de pesquisa 2. O processo de pesquisa Um tema de pesquisa envolve geralmente mais do que um termo de assunto; a pesquisa booleana permite a combinação de diferentes termos numa única pesquisa, através do uso dos operadores and, or, not, near, onear.
  31. 31. and or not Multimedia communications and Mass media Multimedia communications or Multimedia technologies Multimedia communications not education 3. Operadores boleanos 2.3. Estabelecer uma estratégia de pesquisa 2. O processo de pesquisa
  32. 32. 2.4. Avaliar os resultados da pesquisa 2. O processo de pesquisa Que informação recuperamos? Que informação perdemos? Qual a qualidade da informação obtida? Qual a relevância da informação obtida? Qual a percentagem de ruído?
  33. 33. 2.5. Refazer a pesquisa - técnicas para refinar pesquisas 2. O processo de pesquisa Muitos resultados - deverá refinar a sua pesquisa, de forma a obter maior precisão e especificidade na sua lista de resultados, considerando: - combinação dos novos termos identificados com o operador booleano AND - termos de assunto mais específicos ou termos controlados (thesaurus) - limite a pesquisa a campos específicos (tipo de publicação, datas, autor, etc.)
  34. 34. 2.5. Refazer a pesquisa - técnicas para refinar pesquisas 2. O processo de pesquisa Poucos resultados ou nenhum – refazer a pesquisa, considerando: - formas alternativas do(s) termo(s) – sinónimos, forma plural/singular em combinação com o operador booleano OR - truncatura
  35. 35. 2.5. Refazer a pesquisa - técnicas para refinar pesquisas 2. O processo de pesquisa DICAS: Critério de ordenação da base de dados – esteja atento a este aspecto, geralmente a lista de resultados assume por defeito o critério da data (do mais recente para o mais antigo) - este critério pode ser mudado, em função da necessidade; Contagem de citações por artigo - algumas bases de dados fazem contagem de citações por artigo, estes dados constituem um poderoso indicador da relevância e impacto daquele artigo numa dada área de investigação;
  36. 36. 2.5. Refazer a pesquisa - técnicas para refinar pesquisas 2. O processo de pesquisa DICAS: Termos de assunto - os artigos que tratam de um mesmo tema, estão indexados na base de dados pelos mesmos descritores (termos de assunto); uma forma de identificar a forma correcta do termo é consultar um artigo relevante para o tema e identificar quais os descritores que o qualificam; Actualização de resultados - as bases de dados são actualizadas semanal ou diariamente, pelo que é fundamental a actualização dos resultados através da subscrição de alertas e/ou RSS feeds para uma dada pesquisa.
  37. 37. 3. Bases de dados de artigos científicos
  38. 38. 3. Bases de dados de artigos científicos
  39. 39. 3. Bases de dados de artigos científicos 3.1. IEEE Xplore • Mais de 2.7 milhões de artigos em texto integral; • 149 publicações do IEEE; • 23 publicações do IET; • 26 títulos novos adicionados em 2010; • Cooperação com a Wiley e com a IBM; • Disponível para dispositivos móveis (http://m.ieeexplore.ieee.org).
  40. 40. 3. Bases de dados de artigos científicos 3.2. ACM - Association of Computing Machinery The Guide Revistas dos maiores editores na área das Ciências da Computação. Com alguns artigos em texto integral. Digital Library Colecção de documentos em texto integral publicados pela ACM nos últimos 50 anos. http://portal.acm.org/ Pesquisa na “Digital Library” Pesquisa no “The guide”
  41. 41. 3. Bases de dados de artigos científicos 3.3. Academic Search Complete • Base de dados multidisciplinar; • Em texto integral; • Retrospectivas desde 1887; • Actualização diária; http://search.epnet.com/
  42. 42. 3. Bases de dados de artigos científicos http://www.ua.pt/sbidm/biblioteca
  43. 43. 4. Localização de revistas através do título
  44. 44. 3. Bases de dados de artigos científicos 4. Localização de revistas através do título 4.1. A to Z – catálogo de revistas electrónicas da UA O catálogo electrónico A to Z permite pesquisar os títulos das revistas electrónicas em texto integral, subscritas pela Universidade de Aveiro. http://www.ua.pt/sbidm/biblioteca/PageImage.aspx?id=8485
  45. 45. 3. Bases de dados de artigos científicos 4. Localização de revistas através do título 4.2. b-on Biblioteca do Conhecimento Online http://www.b-on.pt A b-on, Biblioteca do Conhecimento Online, reúne as principais editoras de revistas científicas internacionais. Inclui várias bases de dados, das quais se destacam as bases de dados ISI Web of Science e Academic Search Complete.
  46. 46. http://opac.ua.pt 3. Bases de dados de artigos científicos 4. Localização de revistas através do título 4.3. Catálogo bibliográfico das Bibliotecas da UA Para aceder às revistas em formato impresso nas Bibliotecas da UA, pesquise no catálogo bibliográfico.
  47. 47. 5. Repositórios institucionais
  48. 48. 3. Bases de dados de artigos científicos 5. Repositórios institucionais
  49. 49. http://biblioteca.sinbad.ua.pt/Teses/ 3. Bases de dados de artigos científicos 5. Repositórios institucionais 5.1. SInBAD – Biblioteca Digital da UA Teses e Dissertações da Universidade de Aveiro.
  50. 50. http://www.rcaap.pt 3. Bases de dados de artigos científicos 5. Repositórios institucionais 5.2. RCAAP – Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal
  51. 51. http://www.rcaap.pt 3. Bases de dados de artigos científicos 5. Repositórios institucionais 5.3. DRIVER – Digital Repository Infrastructure Vision for European Research
  52. 52. Portal das Bibliotecas da UA: toda a informação num único ponto de acesso! http://www.ua.pt/sbidm/biblioteca
  53. 53. A Biblioteca em forma na Web Social › blog › conheça-nos no facebook › siga-nos no twitter › vídeos no youtube › apresentações no slideshare › publicações no issuu http://www.ua.pt/sbidm/biblioteca/PageImage.aspx?id=9602
  54. 54. http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/ Estes conteúdos estão protegidos por uma licença Creative Commons:
  55. 55. Outubro 2010 Biblioteca da Universidade de Aveiro Serviços de Informação Documental e Museologia Pesquisa de informação científica online: estratégias e fontes

×