Pesquisa Bibliografica

186.208 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
8 comentários
24 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
186.208
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.388
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.895
Comentários
8
Gostaram
24
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pesquisa Bibliografica

  1. 1. A pesquisa bibliográfica como procedimento de investigação Letícia Strehl Bibliotecária – Bib. Central UFRGS Doutoranda – PPGCOM UFRGS Em dia com a pesquisa – PPGCOM – 24/10/2008
  2. 2. Tópicos <ul><li>Uma definição para pesquisa bibliográfica </li></ul><ul><li>A pesquisa bibliográfica e as fases e instâncias da investigação científica </li></ul><ul><li>Recursos para realização de uma boa pesquisa bibliográfica </li></ul><ul><li>Quais são as fontes de um trabalho científico? </li></ul><ul><li>Recuperação da informação </li></ul><ul><ul><li>Bases de dados </li></ul></ul><ul><ul><li>Formas de representação da informação </li></ul></ul><ul><ul><li>Dicas de pesquisa </li></ul></ul>
  3. 3. Levantamento de dados e a diversidade das fontes <ul><li>Toda pesquisa implica o levantamento de dados de variadas fontes, quaisquer que sejam os métodos ou técnicas empregadas. Os dois processos pelos quais se podem obter os dados são: </li></ul><ul><ul><li>documentação direta : levantamento de dados no próprio lugar onde os fenômenos ocorrem realizado por intermédio de pesquisas de campo e de laboratório; </li></ul></ul><ul><ul><li>documentação indireta : utilização de dados coletados por outras pessoas obtidos por intermédio de pesquisa documental (fontes primárias) e pesquisa bibliográfica (fontes secundárias). </li></ul></ul>MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E.M. Metodologia do trabalho científico. 5.ed. rev. .ampl. São Paulo: Atlas, 2001. p. 43
  4. 4. Quais são as fontes de um trabalho científico? <ul><li>“Uma tese estuda um objeto por meio de determinados instrumentos . Muitas vezes o objeto é um livro e os instrumentos, outros livros. É o caso de, suponhamos, uma tese sobre o pensamento econômico de Adam Smith, cujo objeto é constituído por livros de Adam Smith, enquanto os instrumentos são outros livros sobre Adam Smith.” </li></ul>Fontes primárias Fontes secundárias Eco, Umberto. Como se faz uma tese.  21.ed. São Paulo: Perspectiva, 2008. p. 35
  5. 5. O que é a pesquisa bibliográfica? <ul><li>A pesquisa bibliográfica ou de fontes secundárias “trata-se do levantamento de toda a bibliografia já publicada em forma de livros, revistas, publicações avulsas em imprensa escrita[, documentos eletrônicos] . Sua finalidade é colocar o pesquisador em contato direto com tudo aquilo que foi escrito sobre determinado assunto, com o objetivo de permitir ao cientista o reforço paralelo na análise de suas pesquisas ou manipulação de suas informações.” </li></ul>MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E.M. Metodologia do trabalho científico. 5.ed. rev. ampl. São Paulo: Atlas, 2001. p. 43-44
  6. 6. A habilidade do pesquisador para realização da pesquisa bibliográfica <ul><li>“Organizar uma bibliografia significa buscar aquilo cuja existência ainda se ignora. O bom pesquisador é aquele que é capaz de entrar numa biblioteca [e/ou consultar uma base de dados] sem ter a mínima idéia sobre um tema e sair dali sabendo um pouco mais sobre ele.” </li></ul>Eco, Umberto. Como se faz uma tese.  21.ed. São Paulo: Perspectiva, 2008. p. 42
  7. 7. Os resultados obtidos por intermédio da pesquisa bibliográfica auxiliarão no desenvolvimento de todas as fases e instâncias da investigação empreendida
  8. 8. A pesquisa bibliográfica e as fases e instâncias da investigação LOPES, Maria Immacolata V. de. Pesquisa em comunicação : formulação de um modelo metodológico. 4.ed. São Paulo: Loyola, 1999. p.134
  9. 9. Pirâmide de produção do conhecimento QUIVY, Raymond; VAN CAMPENHOUDT, Luc. Manual de investigacao em ciencias sociais. 3. ed. Lisboa: Gradiva, c1995. Adaptação de Cinara Rosenfield
  10. 10. Pirâmide de produção do conhecimento e a pesquisa bibliográfica: percepção pessoal Dados produzidos em campo, laboratório e documentos Livros Livros e artigos com relatos de pesq. Pesquisa bibliogr. (cada qual com sua fonte)
  11. 11. Dicas para a fase anterior à pesquisa bibliográfica <ul><li>Creswell sugere </li></ul><ul><ul><li>a redação de um título resumido para o estudo. Tente completar a frase: “meu estudo é sobre...” </li></ul></ul><ul><ul><li>a formulação de questões: “que perguntas devem ser respondidas no estudo proposto?” </li></ul></ul><ul><li>Além do título, Eco sugere a redação da introdução e do sumário: </li></ul><ul><ul><li>Essas partes serão reestruturadas inúmeras vezes no decorrer do trabalho. “Mas a reestruturação será mais bem feita se contar com um ponto de partida.” </li></ul></ul>CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa : métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2.ed. Port Alegre: Artmed, 2007. p. 43-44. Eco, Umberto. Como se faz uma tese .  21.ed. São Paulo: Perspectiva, 2008. p. 81
  12. 12. As etapas da pesquisa bibliográfica <ul><li>Identificação </li></ul><ul><ul><li>Do aspecto a ser pesquisado </li></ul></ul><ul><ul><li>Do tipo de documento que se deseja conhecer </li></ul></ul><ul><ul><li>Das bases de dados e bibliotecas que podem indexar estes materiais </li></ul></ul><ul><li>Realização da busca </li></ul><ul><ul><li>Formulação da estratégia de busca para cada fonte selecionada </li></ul></ul><ul><ul><li>Análise dos resultados de busca </li></ul></ul><ul><ul><li>Identificação das referências pertinentes </li></ul></ul><ul><li>Localização e acesso ao documento </li></ul><ul><li>Fichamento </li></ul>
  13. 13. 1 Identificação
  14. 14. 1.1 Identificação do aspecto a ser pesquisado
  15. 15. 1.1 Identificação do aspecto a ser pesquisado <ul><li>Abordagem teórica ou empírica do objeto de estudo; </li></ul><ul><li>Método de pesquisa </li></ul><ul><li>Técnica de pesquisa </li></ul>
  16. 16. 1.2 Identificação do tipo de documento que se deseja conhecer
  17. 17. 1.2 Identificação do tipo de documento que se deseja conhecer <ul><li>Livros </li></ul><ul><li>Artigos de periódicos </li></ul><ul><li>Trabalhos apresentados em eventos </li></ul><ul><li>Teses e dissertações </li></ul><ul><li>Sítios na Internet e blogs </li></ul><ul><li>Etc </li></ul>
  18. 18. 1.3 Onde pesquisar esses documentos?
  19. 19. 1.3 Onde pesquisar esses documentos? -- Todos os tipos -- <ul><li>Catálogos e repositórios digitais das universidades </li></ul><ul><ul><li>UFRGS, PUCRS, USP, Harvard, etc. </li></ul></ul><ul><li>Google e Google acadêmico </li></ul><ul><li>Sítios das próprias editoras </li></ul>
  20. 20. 1.3 Onde pesquisar esses documentos? -- Livros-- <ul><li>Catálogos das bibliotecas nacionais </li></ul><ul><ul><li>Brasileira, do Congresso do EUA, francesa, britânica, etc. </li></ul></ul><ul><li>Google livros </li></ul><ul><li>Sítios das livrarias </li></ul>
  21. 21. 1.3 Onde pesquisar esses documentos? -- Artigos de periódicos-- <ul><ul><li>Web of Science </li></ul></ul><ul><ul><li>Scopus </li></ul></ul><ul><ul><li>SciELO </li></ul></ul><ul><ul><li>PortCom </li></ul></ul><ul><ul><li>Outras bases de dados especializadas gratuitas ou disponibilizadas no Portal de Periódicos da CAPES </li></ul></ul>
  22. 22. 1.3 Onde pesquisar esses documentos? -- Teses e dissertações-- <ul><ul><li>Bibliotecas e repositórios digitais das universidades </li></ul></ul><ul><ul><li>Biblioteca de Teses e Dissertações do IBICT (congrega as informações de quase todas as universidades brasileiras que possuem seu próprio repositório) </li></ul></ul>
  23. 23. 1.3 Onde pesquisar esses documentos? -- Sítios na Internet e Blogs-- <ul><ul><li>Favoritos socializados </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Delicious , Connotea e CiteULike </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Diretórios especializados </li></ul></ul>
  24. 24. 2 Realização da busca
  25. 25. 2.1 Formulação da estratégia de busca para cada fonte selecionada
  26. 26. 2.1 Formulação da estratégia de busca para cada fonte selecionada <ul><li>[Mesmo com as vantagens das bases de dados], “você ainda precisará desenvolver uma estratégia e adquir habilidade de busca para que, na medida do possível, consiga identificar apenas aqueles itens que estão diretamente relacionados ao assunto que lhe interessa, eliminando os milhares que não estão” </li></ul>BELL, J. Projeto de pesquisa : guia para pesquisadores iniciantes em educação, saúde e ciências sociais. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 71
  27. 27. 2.1 Desafios para formulação de boas estratégias de busca (1) <ul><li>Identificar palavras-chave representativas da forma como o assunto é tratado na literatura </li></ul><ul><ul><li>Geralmente, o orientador pode fornecer dicas importantes neste sentido, seja enumerando possíveis palavras-chave, seja indicando um conjunto de trabalhos significativos sobre o tema </li></ul></ul>
  28. 28. 2.1 Desafios para formulação de boas estratégias de busca (2) <ul><li>Conhecer as especificadades de cada base de dados </li></ul><ul><ul><li>Os documentos cobertos </li></ul></ul><ul><ul><li>As regras específicas para construção de expressões de busca </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Símbolos usados para o operadores booleanos (“AND, E, +” “OR, OU, =“ etc) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Regras de truncagem (* # ! etc) para substituição de caractéres e coisas do gênero. Ex.: WOM#N </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>A forma como são indexados os assuntos </li></ul></ul>
  29. 29. 2.1 Sobre a forma como são indexados os registros <ul><li>O sistema utiliza um vocabulário controlado para indexar os assuntos na base de dados ou adota a terminologia utilizada pelos próprios autores? </li></ul>Linguagem natural Vocabulário controlado
  30. 30. <ul><li>Coisas que você precisa pensar quando faz uma pesquisa em uma base de dados e não recupera qualquer registro? </li></ul><ul><ul><li>Pesquisei em uma base que não indexa os documentos da área... </li></ul></ul><ul><ul><li>Utilizei termos que não são representativos do assunto que procuro... </li></ul></ul><ul><ul><li>Utilizei termos conceitualmente representativos, mas seus sinônimos é que são adotados pela base de dados... </li></ul></ul><ul><ul><li>Bom, somente depois de esgotadas todas estas possibilidades, pode-se COGITAR que ninguém tenha escrito algo sobre o tema – Neste caso: Fale com seu orientador!!!!! </li></ul></ul>
  31. 31. Para além da busca por palavras-chave (1): a recuperação de documentos por citações <ul><li>Premissa: documentos tematicamente afins citam referências semelhantes </li></ul><ul><li>Tenho um documento muito importante para o desenvolvimento de meu tema: </li></ul><ul><ul><li>Que trabalhos foram nele citados? </li></ul></ul><ul><ul><li>Quem citou este trabalho? </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Bases de dados como a Web of Science, Scopus e Google Acadêmico respondem estas questões </li></ul></ul></ul>
  32. 32. Para além da busca por palavras-chave (2): a recuperação de documentos por usuários com interesses comuns <ul><li>Premissa: pessoas com interesses comuns apresentam comportamentos semelhantes de busca e uso da informação </li></ul><ul><ul><li>Tenho um documento como favorito, quem mais o tem? </li></ul></ul><ul><ul><li>Uso este marcador (antigas palavras-chave) para organizar meu “acervo” quem mais o usa? </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ferramentar de socialização de favoritos como Delicious , Connotea, CiteULike etc. respondem estas questões </li></ul></ul></ul>
  33. 33. Para além da busca por palavras-chave (3) e, neste caso, para além do computador <ul><li>Premissa: documentos tematicamente afins estão proximamente localizados nas estantes das bibliotecas </li></ul><ul><ul><li>“Dirija-se às estantes, examine os títulos dos livros na área que você está pesquisando e em torno dela. (...) Examine os índices. Os títulos dos livros as vezes podem ser enganosos, mas os sumários darão um boa idéia do que realmente tratam os livros e da linguagem utilizada.” </li></ul></ul>BELL, J. Projeto de pesquisa : guia para pesquisadores iniciantes em educação, saúde e ciências sociais. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 71-72
  34. 34. <ul><li>Sempre desconfie dos resultados de suas buscas, refaça-as inúmeras vezes com estratégias alternativas. As bases de dados não são tão espertas como imaginamos </li></ul><ul><ul><li>Distinção entre singular e plural </li></ul></ul><ul><ul><li>Confusão entre homônimos </li></ul></ul>
  35. 35. Recursos para manter os resultados de sua pesquisa bibliográfica atualizada <ul><li>Algumas bases de dados disponibilizam alertas: </li></ul><ul><ul><li>Novos documentos que satisfazem aos parâmetros de uma dada expressão de busca (WoS e Scopus, por exemplo) </li></ul></ul><ul><ul><li>Documentos recém publicados que também citam um trabalho por nós considerado importante </li></ul></ul><ul><li>Algumas editoras disponibilizam alertas com os sumários dos fascículos recém publicados </li></ul>
  36. 36. Localização e acesso ao documento
  37. 37. Documentos disponíveis eletronicamente <ul><li>Documentos Gratuitos </li></ul><ul><ul><li>Muitos documentos importantes são publicados seguindo a filosofia do livre acesso </li></ul></ul><ul><ul><li>Alguns autores e instituições disponibilizam a versão integral de seus textos, mesmo nos casos de publicações editadas comercialmente </li></ul></ul><ul><li>Documentos editados comercialmente </li></ul><ul><ul><li>Portal CAPES </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Periódicos texto integral </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Bases de dados de texto integral </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Periódicos e livros assinados pela BC-UFRGS </li></ul></ul><ul><ul><li>E-mail para o autor </li></ul></ul>
  38. 38. Documentos impressos <ul><li>Acervos das bibliotecas geograficamente acessíveis </li></ul><ul><li>E também geograficamente inacessíves </li></ul><ul><ul><li>Empréstimo entre bibliotecas </li></ul></ul><ul><ul><li>COMUT </li></ul></ul>
  39. 39. CUIDADO!!!!!! <ul><li>Muitos documentos imprescindíveis para uma pesquisa não estão disponíveis eletronicamente, não limite-se apenas a ler aquilo que está mais facilmente acessível. Dependendo da área, você deixará de conhecer uma literatura importante. </li></ul><ul><li>Evite o máximo citação de citação “não só por honestidade, mas também por prudência.” </li></ul>Eco, Umberto. Como se faz uma tese.  21.ed. São Paulo: Perspectiva, 2008. p. 74
  40. 40. 3 Fichamento
  41. 41. Dicas de fichamento <ul><li>“ Assim que começamos as leituras devemos começar a registrar” </li></ul><ul><li>“ Conforme o andamento da leitura, anote as questões que lhe pareçam importantes e destaque-as. Esteja alerta para os temas recorrentes, categorias e palavras-chave, que se tornarão cada vez mais importantes na busca pela estrutura ou esqueleto da própria pesquisa.” </li></ul><ul><li>“ Sempre deixe bem claro, em suas anotações, qual é a citação e qual é sua paráfrase (...)” – [Asssim você evitará incorrer em plágio] </li></ul><ul><li>“ quando você tiver estabelecido uma rotina, o registro das informações torna-se (ou deve tornar-se) automático.” </li></ul>BELL, J. Projeto de pesquisa : guia para pesquisadores iniciantes em educação, saúde e ciências sociais. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 58 e 67
  42. 42. Programas de computador para auxiliar no fichamento <ul><li>EndNote, ProCite e Reference Manager estão entre os mais conhecidos programas de computador que facilitam a coleta, o armazenamento e a recuperação das referências e fichas compiladas para realização de um projeto </li></ul><ul><li>Temos acesso na UFRGS ao EndNote Web por intermédio do Portal da CAPES </li></ul>
  43. 43. Como acessar de casa os recursos que tenho na UFRGS? http://www.biblioteca.ufrgs.br/capes.htm
  44. 44. Obrigada! [email_address]

×