SlideShare uma empresa Scribd logo

Mulheres de atenas

Aparecida Mallagoli
Aparecida Mallagoli
Aparecida MallagoliAuxiliar de enfermagem

Mulheres de atenas

1 de 43
Baixar para ler offline
Mulheres de Atenas
Diálogo greco-medieval
Análise
 Estrutural
 Sintática
 Semântica
 Lexical
 Intertextual
 Discursiva
Mulheres de Atenas – Chico Buarque
de Holanda (1989)
 Mirem-se no exemplo
(refrão)
 1.Daquelas mulheres de Atenas
2.Vivem pros seus maridos
3.Orgulho e raça de Atenas
 4.Quando amadas, se perfumam
5.Se banham com leite, se
arrumam
6.Suas melenas
7.Quando fustigadas não choram
8.Se ajoelham, pedem imploram
9.Mais duras penas; cadenas
 Mirem-se no exemplo
10.Daquelas mulheres de Atenas
11.Sofrem pros seus maridos
12.Poder e força de Atenas
 13.Quando eles embarcam
soldados
14.Elas tecem longos bordados
15.Mil quarentenas
16.E quando eles voltam, sedentos
17.Querem arrancar, violentos
18.Carícias plenas, obscenas.
 Mirem-se no exemplo
19.Daquelas mulheres de Atenas
20.Despem-se pros maridos
21.Bravos guerreiros de Atenas
 22.Quando eles se entopem de vinho
23.Costumam buscar um carinho
24.De outras falenas
25.Mas no fim da noite, aos pedaços
26.Quase sempre voltam pros seus braços
27.De suas pequenas, Helenas
 Mirem-se no exemplo
28.Daquelas mulheres de Atenas:
29.Geram pros seus maridos,
30.Os novos filhos de Atenas.
 31.Elas não têm gosto ou vontade,
32.Nem defeito, nem qualidade;
33.Têm medo apenas.
34.Não tem sonhos, só tem presságios.
35.O seu homem, mares, naufrágios...
36.Lindas sirenas, morenas
Mirem-se no exemplo
37.Daquelas mulheres de Atenas
38.Temem por seus maridos
39.Heróis e amantes de Atenas
40.As jovens viúvas marcadas
41.E as gestantes abandonadas
42.Não fazem cenas
43.Vestem-se de negro, se encolhem
44.Se conformam e se recolhem
45.às suas novenas
Serenas
Mirem-se no exemplo
Daquelas mulheres de Atenas
Secam por seus maridos
Orgulho e raça de Atenas
Estrutura do texto: raízes medievais
 Cinco estrofes: 9 versos cada uma.
 As estrofes apresentam um esquema fixo de
rimas:
 o quarto verso rima sempre com o quinto:
 “Quando amadas, se perfumam/Se banham
com leite, se arrumam”
 “Quando eles embarcam soldados/Elas tecem
longo bordados”
 “Quando eles se entopem de vinho/Costumam
buscar um carinho”
 “Elas não têm gosto ou vontade/Nem defeito,
nem qualidade”
 “As jovem viúvas marcadas/E as gestantes
abandonadas”
 o sétimo e o oitavo:
 “Quando fustigadas não choram/se ajoelham,
pedem imploram”
 “ e quando eles voltam, sedentos/querem
arrancar, violentos
 “mas no fim da noite, aos pedaços/quase
sempre voltam pros braços”
 “ Não tem sonhos, só tem presságios/o seu
homem, mares, naufrágios...”
 “ Vestem-se de negro, se encolhem/se
conformam e se recolhem

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de aula / Produção de textos: reportagem
Plano de aula / Produção de textos: reportagemPlano de aula / Produção de textos: reportagem
Plano de aula / Produção de textos: reportagemNéia Capitu
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - MensagemIga Almeida
 
Historia da Literatura (orígem)
Historia da Literatura (orígem)Historia da Literatura (orígem)
Historia da Literatura (orígem)Joselma Mendes
 
Avaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio
Avaliação de Língua Portuguesa Ensino MédioAvaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio
Avaliação de Língua Portuguesa Ensino MédioMarcia Oliveira
 
Dominó - Figuras de Linguagem.pdf
Dominó - Figuras de Linguagem.pdfDominó - Figuras de Linguagem.pdf
Dominó - Figuras de Linguagem.pdfWilsonCharles11
 
Folhas caídas características gerais da obra
Folhas caídas  características gerais da obraFolhas caídas  características gerais da obra
Folhas caídas características gerais da obraHelena Coutinho
 
Noções de versificação
Noções de versificaçãoNoções de versificação
Noções de versificaçãoMaria Oliveira
 
A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...
A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...
A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...Joselma Mendes
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slideJaciara Mota
 
Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramáticoGlauco Souza
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordelGracita Fraga
 
Texto de divulgação científica
Texto de divulgação científicaTexto de divulgação científica
Texto de divulgação científicaJosiele Dognani
 

Mais procurados (20)

A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Plano de aula / Produção de textos: reportagem
Plano de aula / Produção de textos: reportagemPlano de aula / Produção de textos: reportagem
Plano de aula / Produção de textos: reportagem
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
 
Historia da Literatura (orígem)
Historia da Literatura (orígem)Historia da Literatura (orígem)
Historia da Literatura (orígem)
 
Avaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio
Avaliação de Língua Portuguesa Ensino MédioAvaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio
Avaliação de Língua Portuguesa Ensino Médio
 
Metrificação
MetrificaçãoMetrificação
Metrificação
 
Dominó - Figuras de Linguagem.pdf
Dominó - Figuras de Linguagem.pdfDominó - Figuras de Linguagem.pdf
Dominó - Figuras de Linguagem.pdf
 
Folhas caídas características gerais da obra
Folhas caídas  características gerais da obraFolhas caídas  características gerais da obra
Folhas caídas características gerais da obra
 
Camões lírico-épico-vb
Camões lírico-épico-vbCamões lírico-épico-vb
Camões lírico-épico-vb
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Noções de versificação
Noções de versificaçãoNoções de versificação
Noções de versificação
 
A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...
A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...
A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
 
Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramático
 
Contexto de Os Lusíadas
Contexto de Os LusíadasContexto de Os Lusíadas
Contexto de Os Lusíadas
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
Texto de divulgação científica
Texto de divulgação científicaTexto de divulgação científica
Texto de divulgação científica
 

Destaque

INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA Isabel Aguiar
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILIsabel Aguiar
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALIsabel Aguiar
 
O REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IO REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IIsabel Aguiar
 
Rebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogRebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogIsabel Aguiar
 
A EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXA EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXIsabel Aguiar
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOIsabel Aguiar
 
Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro Isabel Aguiar
 
SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889Isabel Aguiar
 
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870Isabel Aguiar
 
Mulheres de Atenas e Esparta
Mulheres de Atenas e Esparta Mulheres de Atenas e Esparta
Mulheres de Atenas e Esparta Alan Kauan
 
Ilíada - Análise literária
Ilíada - Análise literáriaIlíada - Análise literária
Ilíada - Análise literária210314
 
Apresentação de "Introdução a Homero"
Apresentação de "Introdução a Homero"Apresentação de "Introdução a Homero"
Apresentação de "Introdução a Homero"Renata Cardoso
 

Destaque (20)

INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
INDEPENDÊNCIAS NA AMÉRICA
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
 
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIALA SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
A SOCIEDADE MINERADORA NO BRASIL COLONIAL
 
O REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO IO REINADO DE D. PEDRO I
O REINADO DE D. PEDRO I
 
Rebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blogRebelioes regenciais blog
Rebelioes regenciais blog
 
A EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXA EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIX
 
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIOQUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
QUESTÕES DE HISTÓRIA - BRASIL IMPÉRIO
 
Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro Slide imigração e fim trafico negreiro
Slide imigração e fim trafico negreiro
 
AFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASILAFRICANOS NO BRASIL
AFRICANOS NO BRASIL
 
SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889SEGUNDO REINADO 1840-1889
SEGUNDO REINADO 1840-1889
 
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
GUERRA DO PARAGUAI 1864-1870
 
Mulheres de Atenas e Esparta
Mulheres de Atenas e Esparta Mulheres de Atenas e Esparta
Mulheres de Atenas e Esparta
 
Homero
HomeroHomero
Homero
 
Homero e seus poemas
Homero e seus poemasHomero e seus poemas
Homero e seus poemas
 
Atualidades 05.08
Atualidades 05.08Atualidades 05.08
Atualidades 05.08
 
Ilíada - Homero
Ilíada - HomeroIlíada - Homero
Ilíada - Homero
 
Ilíada - Análise literária
Ilíada - Análise literáriaIlíada - Análise literária
Ilíada - Análise literária
 
Apresentação de "Introdução a Homero"
Apresentação de "Introdução a Homero"Apresentação de "Introdução a Homero"
Apresentação de "Introdução a Homero"
 
A Odisséia - Turma 1602
A Odisséia - Turma 1602A Odisséia - Turma 1602
A Odisséia - Turma 1602
 
Odisseia
OdisseiaOdisseia
Odisseia
 

Semelhante a Mulheres de atenas

Normas de versificação
Normas de versificaçãoNormas de versificação
Normas de versificaçãoDeia1975
 
LITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptx
LITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptxLITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptx
LITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptxLeidimarabatista
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gabaPéricles Penuel
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gabaPéricles Penuel
 
Poesia de cordel e cultura popular brasileira
Poesia de cordel e cultura popular brasileiraPoesia de cordel e cultura popular brasileira
Poesia de cordel e cultura popular brasileiraAndrea Nascimento
 
Apresentação para décimo primeiro ano, aula 61
Apresentação para décimo primeiro ano, aula 61Apresentação para décimo primeiro ano, aula 61
Apresentação para décimo primeiro ano, aula 61luisprista
 
Tipos De Poesias
Tipos De PoesiasTipos De Poesias
Tipos De Poesiasklauddia
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesjulykathy
 
Língua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literaturaLíngua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literaturacursinhoembu
 
Poema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docxPoema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docxssusere47050
 
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2012
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2012Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2012
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2012ma.no.el.ne.ves
 
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)Cristina Ramos
 
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptxCASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptxRildeniceSantos
 

Semelhante a Mulheres de atenas (20)

Normas de versificação
Normas de versificaçãoNormas de versificação
Normas de versificação
 
LITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptx
LITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptxLITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptx
LITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptx
 
Atividades cordel (1)
Atividades cordel (1)Atividades cordel (1)
Atividades cordel (1)
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
 
Poesia de cordel e cultura popular brasileira
Poesia de cordel e cultura popular brasileiraPoesia de cordel e cultura popular brasileira
Poesia de cordel e cultura popular brasileira
 
Apresentação para décimo primeiro ano, aula 61
Apresentação para décimo primeiro ano, aula 61Apresentação para décimo primeiro ano, aula 61
Apresentação para décimo primeiro ano, aula 61
 
Tipos De Poesias
Tipos De PoesiasTipos De Poesias
Tipos De Poesias
 
Os lusiadas - camões
Os lusiadas - camõesOs lusiadas - camões
Os lusiadas - camões
 
Dos Engenhos Da Poesia Edson Soares Martins
Dos Engenhos Da Poesia Edson Soares MartinsDos Engenhos Da Poesia Edson Soares Martins
Dos Engenhos Da Poesia Edson Soares Martins
 
Língua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literaturaLíngua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literatura
 
A lirica
A liricaA lirica
A lirica
 
Poema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docxPoema _ aula sobre poema.docx
Poema _ aula sobre poema.docx
 
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2012
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2012Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2012
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2012
 
Nota iii escansão poemas
Nota iii escansão poemasNota iii escansão poemas
Nota iii escansão poemas
 
Grécia
GréciaGrécia
Grécia
 
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
 
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptxCASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
CASTRO ALVES (2) (1) (2).pptx
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
 
Construção de poemas
Construção de poemasConstrução de poemas
Construção de poemas
 

Mais de Aparecida Mallagoli

Mais de Aparecida Mallagoli (20)

Identidade do povo_brasileiro
Identidade do povo_brasileiroIdentidade do povo_brasileiro
Identidade do povo_brasileiro
 
João cabral de_melo_neto
João cabral de_melo_netoJoão cabral de_melo_neto
João cabral de_melo_neto
 
Noivado do sepulcro
Noivado do sepulcroNoivado do sepulcro
Noivado do sepulcro
 
João de deus
João de deusJoão de deus
João de deus
 
As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]
As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]
As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]
 
As concepã‡ã•es pedagã“gicas na histã“ria da educaã‡ãƒo brasileira
As concepã‡ã•es pedagã“gicas na histã“ria da educaã‡ãƒo brasileiraAs concepã‡ã•es pedagã“gicas na histã“ria da educaã‡ãƒo brasileira
As concepã‡ã•es pedagã“gicas na histã“ria da educaã‡ãƒo brasileira
 
Amor de perdição
Amor de perdiçãoAmor de perdição
Amor de perdição
 
As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]
As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]
As pupilas do_senhor_reitor_-_slides[1]
 
Almeida garret -_poemas
Almeida garret -_poemasAlmeida garret -_poemas
Almeida garret -_poemas
 
A intertextualidade[1]
A intertextualidade[1]A intertextualidade[1]
A intertextualidade[1]
 
Estruturalismo xpós estruturalismo
Estruturalismo xpós estruturalismoEstruturalismo xpós estruturalismo
Estruturalismo xpós estruturalismo
 
Romantismo -slides (2)
Romantismo  -slides (2)Romantismo  -slides (2)
Romantismo -slides (2)
 
Romantismo -slides (1)
Romantismo  -slides (1)Romantismo  -slides (1)
Romantismo -slides (1)
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Estruturalismo xpós estruturalismo
Estruturalismo xpós estruturalismoEstruturalismo xpós estruturalismo
Estruturalismo xpós estruturalismo
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Sóror mariana alcoforado
Sóror mariana alcoforadoSóror mariana alcoforado
Sóror mariana alcoforado
 
Sóror mariana alcoforado
Sóror mariana alcoforadoSóror mariana alcoforado
Sóror mariana alcoforado
 
Gil vicente -_slides_ii
Gil vicente -_slides_iiGil vicente -_slides_ii
Gil vicente -_slides_ii
 
Camoes
CamoesCamoes
Camoes
 

Mulheres de atenas

  • 2. Análise  Estrutural  Sintática  Semântica  Lexical  Intertextual  Discursiva
  • 3. Mulheres de Atenas – Chico Buarque de Holanda (1989)  Mirem-se no exemplo (refrão)  1.Daquelas mulheres de Atenas 2.Vivem pros seus maridos 3.Orgulho e raça de Atenas  4.Quando amadas, se perfumam 5.Se banham com leite, se arrumam 6.Suas melenas 7.Quando fustigadas não choram 8.Se ajoelham, pedem imploram 9.Mais duras penas; cadenas  Mirem-se no exemplo 10.Daquelas mulheres de Atenas 11.Sofrem pros seus maridos 12.Poder e força de Atenas  13.Quando eles embarcam soldados 14.Elas tecem longos bordados 15.Mil quarentenas 16.E quando eles voltam, sedentos 17.Querem arrancar, violentos 18.Carícias plenas, obscenas.
  • 4.  Mirem-se no exemplo 19.Daquelas mulheres de Atenas 20.Despem-se pros maridos 21.Bravos guerreiros de Atenas  22.Quando eles se entopem de vinho 23.Costumam buscar um carinho 24.De outras falenas 25.Mas no fim da noite, aos pedaços 26.Quase sempre voltam pros seus braços 27.De suas pequenas, Helenas  Mirem-se no exemplo 28.Daquelas mulheres de Atenas: 29.Geram pros seus maridos, 30.Os novos filhos de Atenas.  31.Elas não têm gosto ou vontade, 32.Nem defeito, nem qualidade; 33.Têm medo apenas. 34.Não tem sonhos, só tem presságios. 35.O seu homem, mares, naufrágios... 36.Lindas sirenas, morenas
  • 5. Mirem-se no exemplo 37.Daquelas mulheres de Atenas 38.Temem por seus maridos 39.Heróis e amantes de Atenas 40.As jovens viúvas marcadas 41.E as gestantes abandonadas 42.Não fazem cenas 43.Vestem-se de negro, se encolhem 44.Se conformam e se recolhem 45.às suas novenas Serenas Mirem-se no exemplo Daquelas mulheres de Atenas Secam por seus maridos Orgulho e raça de Atenas
  • 6. Estrutura do texto: raízes medievais  Cinco estrofes: 9 versos cada uma.  As estrofes apresentam um esquema fixo de rimas:  o quarto verso rima sempre com o quinto:  “Quando amadas, se perfumam/Se banham com leite, se arrumam”  “Quando eles embarcam soldados/Elas tecem longo bordados”  “Quando eles se entopem de vinho/Costumam buscar um carinho”  “Elas não têm gosto ou vontade/Nem defeito, nem qualidade”  “As jovem viúvas marcadas/E as gestantes abandonadas”  o sétimo e o oitavo:  “Quando fustigadas não choram/se ajoelham, pedem imploram”  “ e quando eles voltam, sedentos/querem arrancar, violentos  “mas no fim da noite, aos pedaços/quase sempre voltam pros braços”  “ Não tem sonhos, só tem presságios/o seu homem, mares, naufrágios...”  “ Vestem-se de negro, se encolhem/se conformam e se recolhem
  • 7. O terceiro rima com o sexto e o nono: “Orgulho e raça de Atenas/suas melenas/mais duras penas; cadenas” Poder e força de Atenas/mil quarentenas/carícias plenas, obscenas” “ Bravos guerreiros de Atenas/de outras falenas/de suas pequenas, Helenas”  “ Os novos filhos de Atenas/Têm medo apenas/lindas serenas, morenas”  Heróis e amantes de Atenas/Não fazem cenas/Às suas novenas, serenas”
  • 8. Métrica  Métrica: o refrão tem 14 sílabas poéticas:  Mi/rem/se/ noe/xem/plo/da/que/las/um/lhe/res/de a/te/  1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14  O segundo verso: 6 sílabas - trovadorescas  Vi/vem/pros/seus/ma/ri/  1 2 3 4 5 6  So/frem/pros/seus/ma/ri/  Ge/ram/ pros/ seus/ ma/ri/dos  Te/mem/ por/ seus/ ma/ri/dos
  • 9. Terceiro: 8 sílabas Or/gu/lhoe/ra/ça/dea/te/nas/  1 2 3 4 5 6 7 8  Po/der/e/for/ça/dea/te/nas/  Bra/vos/gue/rrei/ros/dea/te/nas/  Os/no/vos/fi/lhos/dea/te/nas/  He/róis/ea/man/tes/dea/te/nas/  Os/no/vos/fi/lhos/dea/te/nas/  He/róis/e a/man/tes/dea/te/nas/
  • 10. Quarto: 8 sílabas  Quan/do a/ma/das/, se/ per/fu/mam/  Quan/do e/les/ em/bar/cam/ sol/da/dos  Quan/do e/les/ se em/to/pem/ de/ vi/nho  E/las/ não/ têm/ gos/to ou/ von/ta/de  As/ jo/vens/ vi/ú/vas/ mar/ca/das
  • 11. Quinto: 8 sílabas  Se/ ba/nham/ com/ lei/te/, se a/rru/mam  E/las/ te/cem/ lon/gos/ bor/da/dos  Cos/tu/mam/ bus/car/ um/ ca/ri/nho  Nem/ de/fei/to/, nem/ qua/li/da/de  E as/ ges/tan/tes/ a/ban/do/na/das
  • 12. Sexto: 4 sílabas  Su/as/ me/le/nas  Mil/ qua/ren/te/nas  De ou/tras/ fa/le/nas  Têm/ me/do a/pe/nas  Não/ fa/zem/ ce/nas
  • 13. Sétimo: 8 sílabas  Quan/do/ fus/ti/ga/das/ não/ cho/ram  E/ quan/do e/les/ vol/tam/ se/den/tos,  Mas/ no/ fim/ da/ noi/te, aos/ pe/da/ços  Não/ têm/ so/nhos/, só/ têm/ pre/ssá/gios  Ves/tem/-se/ de/ ne/gro/, se en/co/lhem
  • 14. Oitavo: 8 sílabas Se a/jo/e/lham/, pe/dem/ im/plo/ram Que/rem/ a/rran/car/, vi/o/len/tos Qua/se/ sem/pre/ vol/tam/ pros/ bra/ços O/ seu/ ho/mem/, ma/res/, nau/frá/gios Se/ com/for/mam/ e/ se/ re/co/lhem
  • 15. Nono: 8 sílabas  Mais/ du/ras/ pe/nas/, ca/de/nas/  Ca/rí/cias/ ple/nas/, obs/ce/nas/  De/ suas/ pe/que/nas/, He/le/nas/  Lin/das/ si/re/nas/, mo/re/nas/  Às/ suas/ no/ve/nas/, se/re/nas/
  • 16. Octossílabos  O octossílabo foi um dos versos mais usados pelos trovadores galego- portugueses, principalmente nas cantigas de amor. Importado da poesia narrativa e didática do Norte e do Sul da França.  Com o declínio da poesia trovadoresca, caiu em desuso; reapareceu no século XIX, como influência francesa.
  • 17. Refrão Mirem-se no exemplo daquelas mulheres de Atenas  As ideias básicas do poema são reafirmadas pelo fim do poema que traz o refrão, como se quisesse iniciar uma sexta estrofe. “Mirem-se no exemplo/daquelas mulheres de Atenas Secam por seus maridos Orgulho e raça de Atenas”  As advertências fazem remissão à situação cíclica das ladainhas: o autor deixa livre para a reflexão do leitor que poderá buscar no subconsciente qualquer fato que se assemelha às advertências anteriores para completá-lo; por isso, o refrão vem no início de cada estrofe.
  • 18. Paralelismo: cantigas medievais “Ondas do mar de Vigo, Se vistes meu amigo? E ai Deus, se verrá cedo! Ondas do mar levado Se vistes meu amado? E ai Deus, se verrá cedo? Se vistes meu amigo, O por que eu sospiro? E ai Deus, se verrá cedo! Se vistes meu amado, Por que ei gran coidado? E ai Deus, se verrá cedo! (CODAX, Martim)
  • 19.  O refrão introduz o 2º verso; nele, verifica-se uma ideia de múltiplas escolhas:  Vivem pros seus maridos  Sofrem pros seus maridos  Despem-se pros seus maridos  Geram pros seus maridos  Temem por seus maridos
  • 20. Em todas as estrofes, há poucas variações entre si, mantendo-se fixas as formas “pros seus maridos” e “Atenas”
  • 21. Cantiga de amor  Há semelhança com as Cantigas de Bernardo de Bonaval, XII e XIII, por meio da métrica de 14 sílabas poéticas.
  • 22. Sintaxe textual: Sintagma Nominal: sujeito Refrão: eixo mais importante; Carga significativa centrada no verbo, sempre em terceira pessoa do plural, tendo como SN ELAS, as mulheres de Atenas. Representadas, no coletivo, pelas figuras de Penélope e Helena.
  • 23. Menção a HelenaXPenélope  A menção indica a rara beleza de Helena: os maridos buscam os carinhos de outras “falenas” (outro SN)  Mantêm em suas residências uma mulher de beleza maior (Penélope) para quem sempre voltam para os braços, sem reminiscência de seus atos extraconjugais.
  • 24.  Há,também, outro SN que é introduzido no enredo e faz parte do contexto, sem importância central:  ELES (soldados, seus maridos, bravos guerreiros etc)
  • 25. Sintagma Verbal: verbos - 3ª do plural A ação ocorre no presente do indicativo, denunciando a vida infeliz das mulheres de Atenas: vivem, sofrem, despem-se, geram, temem, secam Os verbos indicam a forma cíclica das funções e das vidas daquelas mulheres. O ciclo se inicia com o verbo viver e se fecha com o verbo secar, isto é, morrer. Durante o trajeto, despem-se para seus maridos com a finalidade única de gerarem os filhos, pois o amor deles é desfrutado pelas famosas heteras (falenas) ou amantes; afora isso, só fazem sofrer e temer. Tais sintagmas resumem uma existência quase sem muito propósito e sem autonomia, como escravas de seus próprios maridos.
  • 26. Marcadores de oralidade  Pouca característica de oralidade no poema: refrão - a conjunção (em contração) “pros”.
  • 27. Marcadores da narrativa  Tempo - não se define época ou momento histórico; (considera-se um tempo genérico, falando no presente, mas se referindo a um passado indeterminado).  Espaço - Atenas, menções de mares e de guerras (supostamente em terras distantes, fato denunciado pelas ausências e naufrágios de seus maridos).  Verbos - Fazem a função da narrativa, pois exibem a condição dos sujeitos atenienses.
  • 28. Mirem-se Do ponto de vista gramatical, o autor dirige a narrativa ao conjunto de mulheres que se submetem aos valores da sociedade patriarcal no instante presente. Esse conjunto está representado gramaticalmente pelo sujeito da forma verbal de terceira pessoa do plural do imperativo afirmativo: mirem-se (vocês).
  • 29. Léxico: Cadena  Cadena é um espanholismo que significa “cadeia, corrente”. Segundo o Aurélio é o “meio empregado para tirar dos chifres do touro, sem perigo, o laço que o prende”. Os dois sentidos significam um aprisionamento ou acorrentamento; portanto, cadenas nos remete à cadeia em que as mulheres de Atenas vivem, aprisionadas pelos desejos e caprichos de seus maridos.
  • 30. Falena Falena – Aurélio: “gênero de insetos lepidópteros, noctuídeos, que reúne mariposas noturnas cujas larvas, fitófagas, são nocivas a culturas vegetais”. Metáfora: prostituta.  Ao usar o verbete falena, o autor estabelece uma das metáforas mais significativas do poema.  Sentido denotativo, falena significa mariposa de ação noturna, ou seja, que brilha à noite.  No sentido conotativo, o termo falena, empregado no poema, faz alusão às prostitutas, as quais brilham à noite, ou seja, que têm vidas noturnas, que são procuradas à noite pelos maridos.
  • 31. Edward MacNall Burns Historiador: “O lugar de companheiras sociais e intelectuais dos maridos foi ocupado por mulheres estranhas, as famosas heteras”.
  • 32. Semântica  Palavras enfatizadoras da vida das mulheres atenienses: amadas... carinhos; pedem... imploram; fustigadas... penas;  carícias... carinhos; gosto... vontade; sonhos... presságios;  amadas... fustigadas; violentos... amantes; violentos... carinho;  defeito... qualidade; amadas... abandonadas; encolhem... confortam.  Antítese do poema: vivem... secam (morrem).
  • 33. Expressividade  na sua estrutura: referências à cultura grega do período clássico.  emoção estética da música  A canção é inteiramente metaforizada.
  • 34. Metáfora - Sentido semântico  Se banham com leite  Tecem longos bordados  Mil quarentenas  Aos pedaços  Carícias Plenas  Falenas  Voltam pros braços  Helena  Não têm sonhos  Não têm vontade  Jovens viúvas marcadas  Não fazem cenas  Vestem-se de negros  Secam  Despem-se pros maridos  Temem por seus maridos  Não veem o sol nem a rua.  Preservam-se  Anos a fio à espera de seus maridos  Cansados, fatigados.  Fazer sexo  Prostitutas.  Procuram  Beleza de mulher / mulher bela.  Vida vazia  Não amam  Aprisionadas  Subserviência, sem murmurar.  Viúvas  Morrem  Fazem sexo  Inseguras
  • 35. Antítese: ideias contrárias  Expressa a condição feminina da mulher ateniense:  defeito... qualidade; vivem... secam (morrem); despem-se... vestem-se; gosto... vontade;  amadas... abandonadas; embarcam (partem)... voltam etc.
  • 36. Anacoluto: mantém a construção idêntica das estrofes  “Lindas sirenas (sereias) / Morenas”; “Se confortam e se recolhem / às suas novenas /  Serenas”; “Querem arrancar violentos / Carícias plenas”;
  • 37. Eufemismo – sentido semântico  Se banham com leite  Despem-se pros maridos  Costumam buscar os carinhos  Se entopem de vinhos  Aos pedaços  Falenas (mariposas)  (Violentos), Carícias plenas  Não têm gosto ou vontades  Nem defeito nem qualidade  Lindas sirenas Morenas  Se confortam e se recolhem  Aprisionam-se em casa.  São usadas pelos maridos  Traem suas mulheres  Embriagam-se  Imundos  Prostitutas  Estupro, fazer sexo violentamente  Mal amadas  Abjeto (desprezível)  Prostitutas  Se aprisionam
  • 38. Gradação  Sequência encadeada em ordem crescente: “Se ajoelham, pedem, imploram / Mais duras penas / Cadenas” (cadeias).  Verbos: vivem, sofrem, despem-se, geram, temem, secam
  • 39. Zeugma: imprimir um ritmo de reflexão  “Elas não têm gosto ou vontade / Nem defeito nem qualidade / (elas) têm medo apenas” / (elas) Não têm sonhos, só têm presságios / O seu homem (tem) mares,naufrágios / Lindas sirenas / Morenas”. O zeugma: marcado pela elipse de um termo integrante da oração o qual foi mencionado anteriormente - quando se refere à mulher, o autor usa o verbo “têm”, considerando que elas não têm sonhos, mas apenas prenúncios e agouro a respeito do futuro; portanto, têm medo apenas; O homem tem o mar, o naufrágio (aventura) e lindas sereias morenas, ou mulheres para seus deleites, enquanto as esposas ficam encarceradas em casa, “banhando-se com leite”, pela ausência do ar da rua.
  • 40. Intertextualidade: Odisseia  Com o poema Odisseia, com a história e a mitologia da Grécia  O poema faz referências à obra mitológica grega de Homero, mais notadamente à história de Penélope, à despersonalização das mulheres de Atenas e à passagem pela ilha das sereias, vivida por Ulisses.  Segundo a história de Penélope, em Odisseia, a virtuosa esposa de Ulisses convence seus pretendentes de que deveria fazer uma túnica, que serviria de mortalha para cobrir o corpo de Laertes, o venerável pai de Ulisses, que com a notícia do casamento de sua nora, morreria de depressão, dado ao avançado da idade; como era costume das mulheres tecerem uma mortalha para os entes queridos que se encontravam prestas a deixar esse mundo, Penélope usa desse artifício para ganhar tempo com seus pretendentes, os quais aquiesceram de pronto, por ser uma proposta justa.
  • 41.  Entretanto, ela nunca a terminaria, pois na tentativa de fazer com que seus pretendentes desistissem da ideia de disputar o lugar de Ulisses, ela desmanchava a noite o que fazia durante o dia; por isso, a esposa do aventureiro Ulisses é conhecida na mitologia grega como o símbolo da mulher que tece longos bordados, enquanto seus maridos se ausentam por períodos delongados.  No poema de Chico Buarque essa referência à Penélope é feita na segunda estrofe:  “Quando eles embarcam, soldados / Elas tecem longos bordados / Mil quarentenas”.  Ao se referir às mulheres atenienses, o autor expõe a vida de completa subserviência a que elas se submetiam para seus maridos.
  • 42. Intertextualidade: Ilíada  Helena é usada pela deusa Vênus para servir como prêmio para o príncipe Páris. Ao apaixonar-se por ele, ela é tida como vulgar, por haver deixado de amar seu verdadeiro marido.  Essa situação foi abordada e defendida por Górgias, um sofista e mestre da retórica clássica grega, que escreveu um discurso intitulado Elogio a Helena, em 414 a.C.  A questão colocada por Górgias era que Helena, apesar de casada com Menelau e, do ponto de vista moral ligada a ele, tinha também o direito de apaixonar-se por Páris, dando vazão aos seus sentimentos;  Todavia, Vênus prometera a Páris não apenas Helena, mas o amor de Helena, dizendo: “... Se o amor é um deus, como poderia ter resistido e vencer o divino poder dos deuses quem é mais fraco do que eles? Se se trata de uma enfermidade humana e de um erro da mente, não há que se censurar como se fosse uma culpa, mas considerá-la apenas uma má sorte”.  Os versos que salientam uma absoluta despersonalização das mulheres de Atenas estão na quarta estrofe: “Elas não têm gosto ou vontade / Nem defeitos nem qualidade / Têm medo apenas”.
  • 43. Ilha das Sereias  Outra referência à epopeia de Homero é o momento da passagem de Ulisses, em sua longa viagem, pela ilha das Sereias, próximo ao golfo de Nápoles. Segundo o épico, Ulisses tapou com cera os ouvidos de seus companheiros e pediu que o amarrassem ao mastro do navio, para que nem ele nem a tripulação se deixassem seduzir pelo canto de morte das sereias;  Entretanto, ele queria saber como era esse canto. Essa passagem é lembrada nos versos: “O seu homem, mares, naufrágios / Lindas sirenas / Morenas”. Sirenas,  Segundo o Aurélio, é o mesmo que sirene (objeto emissor de som, muito usado em navios) ou sereia. O aparelho que produz som tem esse nome por lembrar o hipnotizante canto das sereias da mitologia.