SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
HOLOCAUSTO o horror do genocídio nazi.
“ A brutalidade inspira respeito. As massas têm necessidade de quem lhes incuta temor, que as converta numa mole temerosa e submissa. Não quero que os campos de concentração se transformem em pensões familiares. O terror é o mais eficaz dos instrumentos políticos… Os descontentes e os insubmissos, quando souberem o que os espera nos campos de concentração, pensarão duas vezes antes de nos desafiarem. Agrediremos os nossos adversários com uma feroz brutalidade, não hesitando em vergá-los ao interesse da nação”. Adolf Hitler, discurso em Março de 1933 aquando da inauguração dos dois primeiros campos de concentração – Oranienburg e Dachau.
 
O nazismo, em nome da pureza da  raça ariana , iniciou uma campanha de  eliminação em massa  dos seus “inimigos”: opositores políticos, seguidores de seitas religiosas, doentes mentais, sem-abrigo, pequenos criminosos, alcoólicos, ciganos e judeus. Em consequência deste programa de “limpeza étnica”,  10 milhões  de pessoas foram exterminadas, especialmente nos campos de concentração nazis entre 1942 e 1945. Estima-se que o número de  judeus mortos  se tenha aproximado dos  seis milhões , enquanto os outros  quatro milhões  se repartem por todos os países ocupados, por  indivíduos de todos os credos, raças, níveis sociais e etnias . Em suma, no seu  passeio  pela Europa os nazis deixaram atrás de si uma marca indelével de terror. Embora tivessem sido utilizados os mais diversos métodos de execução, o sistema desenvolveu uma tecnologia própria para concretizar a  “solução final para o problema judaico” : a  morte em câmaras de gás  com capacidade para eliminar centenas de vítimas de uma só vez, seguida de cremação em fornos especialmente concebidos para a destruição de cadáveres em massa (no campo de concentração de Auschwitz, por exemplo, o número diário de mortos parece ter sido superior a 20 mil).
As inscrições significam « O TRABALHO LIBERTA », o que não deixa de ser verdade: as pessoas efectivamente morriam de excesso de trabalho e nessa perspectiva libertavam-se do sofrimento imposto, em forma de fumo, uma vez cremadas.
O início do pesadelo: a perseguição e a deportação forçada.
 
Enquanto milhares de prisioneiros foram imediatamente executados por pelotões de fuzilamento…
 
 
 
 
 
… milhões de outros, foram enviados para os campos de extermínio, onde os esperou uma curta existência de sofrimento e trabalho forçado até à morte.
Estação de Auschwitz: os que sobreviviam à viagem de comboio eram inspeccionados por médicos.
Os que eram considerados aptos eram postos a trabalhar...
… os outros, os que não podiam servir a “máquina nazi”...
...eram condenados às câmaras de gás, sem distinção de sexo ou idade.
Depois de assassinados os seus corpos eram levados, por outros prisioneiros, para...
… grandes fornos crematórios, na tentativa de “destruir as provas”.
Para além da tortura, das agressões, do trabalho forçado e da fome, muitos prisioneiros foram obrigados a submeter-se a experiências médicas...
… como, por exemplo, queimaduras, injecção de vírus, esterilização, cirurgias sem anestesia…
Quando as tropas aliadas começaram a descobrir os campos de concentração ficaram chocados com a macabra realidade encontrada...
 
 
 
 
… e com os relatos daqueles que conseguiram sobreviver à barbárie nazi.
 
 
 
Mapa do terror  que mostra os principais campos de concentração nazis – os Lager -espalhados pela Europa.
Apesar de alguns fanáticos racistas e anti-semitas, infelizmente talvez demasiados nos tempos que correm, continuarem a defender que todo o holocausto não passou de uma enorme mentira fabricada pelos Aliados, após a 2ª Guerra Mundial, esta é a triste história da real  barbárie nazi , bem visível pelo rasto de dor e morte que deixou por quase toda a Europa na demente   tentativa de  extermínio em massa dos seus opositores  e de  genocídio do povo judeu . No entanto, a responsabilidade por esta monstruosidade não deve ser atribuída à totalidade do povo alemão que, na sua maioria, desconhecia o que se passava nos campos de morte, mas que nada podia fazer para contrariar o maior crime colectivo da História.
 
FIM Rui Manuel da Costa Neto

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialAlan
 
9º ano - Segunda guerra mundial
9º ano - Segunda guerra mundial9º ano - Segunda guerra mundial
9º ano - Segunda guerra mundialJanaína Bindá
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUKéliton Ferreira
 
PPT - A 2ª. Guerra de uma forma diferente
PPT - A 2ª. Guerra de uma forma diferentePPT - A 2ª. Guerra de uma forma diferente
PPT - A 2ª. Guerra de uma forma diferentejosafaslima
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918Daniel Alves Bronstrup
 
A Guerra Fria (ppt)
A Guerra Fria (ppt)A Guerra Fria (ppt)
A Guerra Fria (ppt)Janayna Lira
 
A Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes Totalitários
A Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes TotalitáriosA Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes Totalitários
A Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes TotalitáriosPortal do Vestibulando
 
A primeira guerra mundial slides
A primeira guerra mundial   slidesA primeira guerra mundial   slides
A primeira guerra mundial slidesJuliana_hst
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrialjoana71
 
Caracteristicas Do Fascismo
Caracteristicas Do FascismoCaracteristicas Do Fascismo
Caracteristicas Do FascismoCarlos Vieira
 
História 9º ano slide Guerra Fria
História   9º ano slide Guerra FriaHistória   9º ano slide Guerra Fria
História 9º ano slide Guerra FriaJanaína Bindá
 

Mais procurados (20)

O Nazismo
O NazismoO Nazismo
O Nazismo
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
9º ano - Segunda guerra mundial
9º ano - Segunda guerra mundial9º ano - Segunda guerra mundial
9º ano - Segunda guerra mundial
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
 
A guerra fria
A guerra friaA guerra fria
A guerra fria
 
PPT - A 2ª. Guerra de uma forma diferente
PPT - A 2ª. Guerra de uma forma diferentePPT - A 2ª. Guerra de uma forma diferente
PPT - A 2ª. Guerra de uma forma diferente
 
O holocausto
O holocaustoO holocausto
O holocausto
 
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 19183ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
3ºano - Primeira Guerra Mundial - 1914 a 1918
 
A Guerra Fria (ppt)
A Guerra Fria (ppt)A Guerra Fria (ppt)
A Guerra Fria (ppt)
 
A Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes Totalitários
A Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes TotalitáriosA Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes Totalitários
A Crise de 1929 e a Ascensão dos Regimes Totalitários
 
3º ano primeira guerra mundial
3º ano   primeira guerra mundial3º ano   primeira guerra mundial
3º ano primeira guerra mundial
 
A primeira guerra mundial slides
A primeira guerra mundial   slidesA primeira guerra mundial   slides
A primeira guerra mundial slides
 
3° ano - Guerra Fria
3° ano - Guerra Fria3° ano - Guerra Fria
3° ano - Guerra Fria
 
Fascismo e nazismo
Fascismo e nazismoFascismo e nazismo
Fascismo e nazismo
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Caracteristicas Do Fascismo
Caracteristicas Do FascismoCaracteristicas Do Fascismo
Caracteristicas Do Fascismo
 
História 9º ano slide Guerra Fria
História   9º ano slide Guerra FriaHistória   9º ano slide Guerra Fria
História 9º ano slide Guerra Fria
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 

Destaque

Destaque (20)

Campos De ConcentraçãO
Campos De ConcentraçãOCampos De ConcentraçãO
Campos De ConcentraçãO
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
Holocausto
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
Holocausto
 
HOLOCAUSTO
HOLOCAUSTOHOLOCAUSTO
HOLOCAUSTO
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
Holocausto
 
EUTANÁSIA
EUTANÁSIAEUTANÁSIA
EUTANÁSIA
 
Holocausto nazi
Holocausto nazi Holocausto nazi
Holocausto nazi
 
A Eutanásia
A EutanásiaA Eutanásia
A Eutanásia
 
El holocausto nazi
El holocausto naziEl holocausto nazi
El holocausto nazi
 
Eutanasia
EutanasiaEutanasia
Eutanasia
 
Fases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra MundialFases Da 2ª Guerra Mundial
Fases Da 2ª Guerra Mundial
 
Trabalho da eutanásia
Trabalho da eutanásiaTrabalho da eutanásia
Trabalho da eutanásia
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
 
Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e Nazi
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
 
La eutanasia, ventajas y desventajas
La eutanasia, ventajas y desventajas La eutanasia, ventajas y desventajas
La eutanasia, ventajas y desventajas
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
A Reforma
A ReformaA Reforma
A Reforma
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
 

Semelhante a Holocausto (20)

Corpo Doente
Corpo DoenteCorpo Doente
Corpo Doente
 
Nazismo
Nazismo Nazismo
Nazismo
 
Os Campos De ConcentraçãO
Os Campos De ConcentraçãOOs Campos De ConcentraçãO
Os Campos De ConcentraçãO
 
Becre holocausto jan 2014
Becre holocausto jan 2014Becre holocausto jan 2014
Becre holocausto jan 2014
 
JORNAL – AUTOFAGIA INDEPENDENTE: HOLOCAUSTO JUDAICO.
JORNAL – AUTOFAGIA INDEPENDENTE: HOLOCAUSTO JUDAICO.JORNAL – AUTOFAGIA INDEPENDENTE: HOLOCAUSTO JUDAICO.
JORNAL – AUTOFAGIA INDEPENDENTE: HOLOCAUSTO JUDAICO.
 
O holocausto (1)
O holocausto (1)O holocausto (1)
O holocausto (1)
 
Boletim da BE Holocausto jan 2015
Boletim da BE Holocausto jan 2015Boletim da BE Holocausto jan 2015
Boletim da BE Holocausto jan 2015
 
Nazismo
NazismoNazismo
Nazismo
 
O que foi o holocausto?
O que foi o holocausto?O que foi o holocausto?
O que foi o holocausto?
 
Holocausto miguelsalgueiromeira-120508083632-phpapp02
Holocausto miguelsalgueiromeira-120508083632-phpapp02Holocausto miguelsalgueiromeira-120508083632-phpapp02
Holocausto miguelsalgueiromeira-120508083632-phpapp02
 
Nazismo
NazismoNazismo
Nazismo
 
A perseguição aos judeus......
A perseguição aos judeus......A perseguição aos judeus......
A perseguição aos judeus......
 
O Holocausto Ii
O Holocausto IiO Holocausto Ii
O Holocausto Ii
 
A perseguição aos judeus......
A perseguição aos judeus......A perseguição aos judeus......
A perseguição aos judeus......
 
Livro aristides
Livro aristidesLivro aristides
Livro aristides
 
Alemanha
AlemanhaAlemanha
Alemanha
 
Minorias na II guerra mundial
Minorias na II guerra mundial Minorias na II guerra mundial
Minorias na II guerra mundial
 
Holocausto (Miguel Salgueiro Meira)
Holocausto   (Miguel Salgueiro Meira)Holocausto   (Miguel Salgueiro Meira)
Holocausto (Miguel Salgueiro Meira)
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
Holocausto
 
Auschwitz historia
Auschwitz historiaAuschwitz historia
Auschwitz historia
 

Holocausto

  • 1. HOLOCAUSTO o horror do genocídio nazi.
  • 2. “ A brutalidade inspira respeito. As massas têm necessidade de quem lhes incuta temor, que as converta numa mole temerosa e submissa. Não quero que os campos de concentração se transformem em pensões familiares. O terror é o mais eficaz dos instrumentos políticos… Os descontentes e os insubmissos, quando souberem o que os espera nos campos de concentração, pensarão duas vezes antes de nos desafiarem. Agrediremos os nossos adversários com uma feroz brutalidade, não hesitando em vergá-los ao interesse da nação”. Adolf Hitler, discurso em Março de 1933 aquando da inauguração dos dois primeiros campos de concentração – Oranienburg e Dachau.
  • 3.  
  • 4. O nazismo, em nome da pureza da raça ariana , iniciou uma campanha de eliminação em massa dos seus “inimigos”: opositores políticos, seguidores de seitas religiosas, doentes mentais, sem-abrigo, pequenos criminosos, alcoólicos, ciganos e judeus. Em consequência deste programa de “limpeza étnica”, 10 milhões de pessoas foram exterminadas, especialmente nos campos de concentração nazis entre 1942 e 1945. Estima-se que o número de judeus mortos se tenha aproximado dos seis milhões , enquanto os outros quatro milhões se repartem por todos os países ocupados, por indivíduos de todos os credos, raças, níveis sociais e etnias . Em suma, no seu passeio pela Europa os nazis deixaram atrás de si uma marca indelével de terror. Embora tivessem sido utilizados os mais diversos métodos de execução, o sistema desenvolveu uma tecnologia própria para concretizar a “solução final para o problema judaico” : a morte em câmaras de gás com capacidade para eliminar centenas de vítimas de uma só vez, seguida de cremação em fornos especialmente concebidos para a destruição de cadáveres em massa (no campo de concentração de Auschwitz, por exemplo, o número diário de mortos parece ter sido superior a 20 mil).
  • 5. As inscrições significam « O TRABALHO LIBERTA », o que não deixa de ser verdade: as pessoas efectivamente morriam de excesso de trabalho e nessa perspectiva libertavam-se do sofrimento imposto, em forma de fumo, uma vez cremadas.
  • 6. O início do pesadelo: a perseguição e a deportação forçada.
  • 7.  
  • 8. Enquanto milhares de prisioneiros foram imediatamente executados por pelotões de fuzilamento…
  • 9.  
  • 10.  
  • 11.  
  • 12.  
  • 13.  
  • 14. … milhões de outros, foram enviados para os campos de extermínio, onde os esperou uma curta existência de sofrimento e trabalho forçado até à morte.
  • 15. Estação de Auschwitz: os que sobreviviam à viagem de comboio eram inspeccionados por médicos.
  • 16. Os que eram considerados aptos eram postos a trabalhar...
  • 17. … os outros, os que não podiam servir a “máquina nazi”...
  • 18. ...eram condenados às câmaras de gás, sem distinção de sexo ou idade.
  • 19. Depois de assassinados os seus corpos eram levados, por outros prisioneiros, para...
  • 20. … grandes fornos crematórios, na tentativa de “destruir as provas”.
  • 21. Para além da tortura, das agressões, do trabalho forçado e da fome, muitos prisioneiros foram obrigados a submeter-se a experiências médicas...
  • 22. … como, por exemplo, queimaduras, injecção de vírus, esterilização, cirurgias sem anestesia…
  • 23. Quando as tropas aliadas começaram a descobrir os campos de concentração ficaram chocados com a macabra realidade encontrada...
  • 24.  
  • 25.  
  • 26.  
  • 27.  
  • 28. … e com os relatos daqueles que conseguiram sobreviver à barbárie nazi.
  • 29.  
  • 30.  
  • 31.  
  • 32. Mapa do terror que mostra os principais campos de concentração nazis – os Lager -espalhados pela Europa.
  • 33. Apesar de alguns fanáticos racistas e anti-semitas, infelizmente talvez demasiados nos tempos que correm, continuarem a defender que todo o holocausto não passou de uma enorme mentira fabricada pelos Aliados, após a 2ª Guerra Mundial, esta é a triste história da real barbárie nazi , bem visível pelo rasto de dor e morte que deixou por quase toda a Europa na demente tentativa de extermínio em massa dos seus opositores e de genocídio do povo judeu . No entanto, a responsabilidade por esta monstruosidade não deve ser atribuída à totalidade do povo alemão que, na sua maioria, desconhecia o que se passava nos campos de morte, mas que nada podia fazer para contrariar o maior crime colectivo da História.
  • 34.  
  • 35. FIM Rui Manuel da Costa Neto