De Arquiteto a Detetive da Informação

465 visualizações

Publicada em

Apresentação feita no WIAD 2013 em São Paulo

Publicada em: Design
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
465
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
30
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

De Arquiteto a Detetive da Informação

  1. 1. De arquiteto a detetive da informação
  2. 2. Aqui nós vamos... • Contar quem somos • Repetir o que todo mundo já sabe • Falar um pouco da nossa história... • ...E o que nos levou a repensar nossa forma de trabalhar • Uma nova estratégia começou a surgir • Nosso processo atual • E nossas conclusões 21/4/2014 2
  3. 3. 21/4/2014 3 Quem somos?
  4. 4. Quem somos ? 421/4/2014 Luciana Terceiro Gerencia a equipe de Concepção & Interface de Produtos e dá uns pitacos nos projetos.
  5. 5. Quem somos ? 521/4/2014 Ana Paula Batista Rádio UOL e lidera pesquisas com usuários.
  6. 6. Fazemos parte da equipe de Concepção & Interface 21/4/2014 6
  7. 7. E trabalhamos nos produtos e serviços do UOL
  8. 8. 21/4/2014 8 O que todo mundo já sabe...
  9. 9. “Você deve começar com a experiência do consumidor e depois ir pra tecnologia. Você não deve começar pela tecnologia e depois descobrir como seu usuário vai utilizar seu produto." (Steve Jobs)
  10. 10. 21/4/2014 10 Todo profissional de UX sabe que conhecer seu usuário é primordial para desenhar a melhor solução de interface. Apesar de básico, sabemos que nem sempre esse contato é possível...
  11. 11. Viemos contar um pouco da nossa experiência, de como incorporamos aos poucos o papel de pesquisador e nos transformamos em arquiteto e detetive da informação.
  12. 12. Essa não é uma palestra de auto-ajuda, mas poderia ser.
  13. 13. 21/4/2014 13 O início de tudo
  14. 14. 14 Como conseguimos implantar uma cultura de pesquisa dentro da empresa?
  15. 15. Lááááá em 2005... Começamos fazendo pesquisa com consultorias externas, onde pudemos aprender bastante (mesmo).
  16. 16. Então, por que resolvemos tentar outra forma?
  17. 17. E que muita gente importante (como clientes, desenvolvedores..) se envolvia menos ainda. Notávamos que nossa participação era às vezes superficial...
  18. 18. Havia também a percepção que a entrega era demorada ... ... e muitas vezes os longos relatórios acabavam ficando de lado.
  19. 19. 21/4/2014 19 Nós não somos contra as consultorias, muito pelo contrário! Mas queríamos que a experiência do usuário se tornasse muito mais presente na nossa rotina.
  20. 20. Então, em 2009... Tentamos internalizar toda a infraestrutura de pesquisa (e aprendemos bastante também).
  21. 21. 21/4/2014 21 Mas a empresa ainda não estava preparada para esse passo. De certa forma, tentamos criar uma consultoria interna e a burocracia às vezes impedia muita coisa legal de acontecer...
  22. 22. E notamos que estávamos deixando uma parte muito importante de lado: a experiência de vivenciar a experiência.
  23. 23. Precisávamos trabalhar mais no engajamento do cliente e dos desenvolvedores: precisávamos envolvê-los mais....
  24. 24. E agora, como faríamos ?
  25. 25. 21/4/2014 25 Repensando nossa atuação
  26. 26. “Pesquisa” para fazer nossos usuários entenderem pesquisa!
  27. 27. Com essas experiências todas, pudemos identificar que estratégias funcionariam melhor dentro da nossa estrutura.
  28. 28. 21/4/2014 28 Resolvemos internalizar mais ainda a pesquisa
  29. 29. Cada analista responsável pelo seu produto passou a conduzir as pesquisas, com o suporte de uma única pessoa que entendia de metodologias e técnicas.
  30. 30. 21/4/2014 30 O início não foi fácil. Era necessário conciliar todas as tarefas de analista com as pesquisas (e em tempo recorde).
  31. 31. 21/4/2014 31 Tínhamos que “fazer dar certo” uma pesquisa mesmo que não houvesse apoio financeiro.
  32. 32. 21/4/2014 32 Mas somos arquitetos de informação brasileiros e não desistimos nunca!
  33. 33. 21/4/2014 33 Uma nova estratégia
  34. 34. 21/4/2014 34 Recomeçamos leve: pesquisas mais simples, muitas vezes feita com pessoal da casa.
  35. 35. E envolvendo sempre todos os clientes: eles também precisavam vivenciar essa experiência!
  36. 36. 21/4/2014 36 Muitas vezes sem experiência, nós aprendemos na prática (e dando umas gafes também).
  37. 37. A equipe foi sendo formada por pessoas com perfil misto, de pesquisador e analista. Buscamos tanto profissionais que já tenham tido experiência com pesquisa quanto pessoas que tenham muita vontade de pesquisar o usuário.
  38. 38. 21/4/2014 38 Assim, formamos um time dentro da nossa equipe, com analistas mais experientes em pesquisa e que pudessem dar o apoio necessário a todos.
  39. 39. 21/4/2014 39 Nosso processo
  40. 40. Nosso processo de pesquisa Área de Negócios Analista de Produtos Time de Pesquisas Proposta Aprovação Execução Alinhamento Resultados
  41. 41. 21/4/2014 41 O analista participa ativamente desde a concepção da pesquisa. Participa moderando, conversando com as pessoas, conduzindo focus groups ou simplesmente anotando - o que ele se sentir mais confortável e apto.
  42. 42. Princípio: Grande flexibilidade (de tempo e custo), o que nos permite fazer tanto pesquisas mais complexas quanto as mais rápidas e baratas
  43. 43. 21/4/2014 43 Menos documentação e mais insights, com propostas de interface feitas mais rapidamente.
  44. 44. Envolvimento de todos os players, sempre.
  45. 45. 21/4/2014 45 Benefícios
  46. 46. 21/4/2014 46 O acompanhamento próximo do analista fez com que ele absorvesse mais rapidamente e aplicasse no seu trabalho o que ele observa do usuário. Resultados mais rápidos !
  47. 47. 21/4/2014 47 Internalizando, fazemos com que o time de desenvolvimento e os clientes também acompanhem os problemas dos usuários de perto. Levamos todo mundo a fazer parte da pesquisa! Maior adesão nas soluções.
  48. 48. 21/4/2014 48 Como pesquisador e analista, nós conseguimos ter uma visão mais completa: Descobrimos com o usuário o que está ruim e conhecemos o contexto dos projetos para sugerir as melhores soluções. Resultados mais efetivos !
  49. 49. Com os resultados em mãos, passou a ficar bem mais fácil fazer pesquisas mais elaboradas. E contar com apoio de parceiros (de recrutamento, moderação, etc)
  50. 50. 21/4/2014 50 Nossas conclusões
  51. 51. 21/4/2014 5121/4/2014 51 Passamos de 8 pesquisas em 2011 para 22 em 2012 E temos planejadas 23 pesquisas só para o primeiro semestre de 2013 2011 2012 2013
  52. 52. 21/4/2014 52 Conquistamos infraestrutura para vitaminar nossas pesquisas, com notebooks exclusivos, Morae, filmadora,... Próxima aquisição
  53. 53. Nosso próximo passo é melhorar a análise do retorno e acompanhar os resultados a longo prazo
  54. 54. Não foi um processo rápido, mas fomos persistentes E seguimos com a filosofia que o arquiteto de informação precisa sair do computador e ver o mundo.
  55. 55. 21/4/2014 55 O usuário está lá fora!
  56. 56. Av. Brig. Faria Lima, 1.384, 4º andar CEP 01452-002 . São Paulo/SP Telefone: 11 3914.9559 www.uol.com.br 21/4/2014 56 Obrigado ;-) Equipe de Concepção & Interface de Produtos – P&D Luciana Terceiro – lhamamoto@uolinc.com Ana Paula Batista – abatista@uolinc.com

×