SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 89
Baixar para ler offline
Workshop de Surveys
Agenda
- O que é? Quando usar? (14:00 – 14:15)
- Processo (14:15 – 14:25)
- Desenvolvendo um questionário (14-25 – 15:25)
* Respiro * (15:25 – 15:40)
- Avaliando questionários (15:40 – 16:00)
- Hands-on time! ( 16:00 – 16:20 )
- Amostra, Recrutamento e Incentivos (16:20 – 16:40)
- Análise( 16:40 – 16:50 )

- Reportando os resultados (16:50 – 17:00)

12/2/2014

2
O que é? Quando usar?

12/2/2014

3
O que é?

12/2/2014

4
O que é Survey?
• Survey = levantamento de
dados.
• “Método para coletar
informações de pessoas
acerca de suas ideias,
sentimentos, planos, crenças,
bem como origem social,
educacional e financeira” –
(Fink & Kosecoff, 1985, p. 13)
12/2/2014

5
O que é Questionário?
• Questionário = instrumento utilizado no survey.
• “Um conjunto de perguntas sobre um determinado
tópico que não testa a habilidade do respondente,
mas mede sua opinião, seus interesses, aspectos da
personalidade e informação biográfica”
– (Yaremko, Harari, Harrison & Lynn 1986, p. 186)

12/2/2014

6
Tipos de Surveys
• Formulários online
• Formulários em papel autoadministrados (questionários)
• Entrevistas estruturadas
• Entrevistas estruturadas pelo
telefone
• Enquetes
• Aplicações podem ser
diversas
Tipos de Entrevistas
• Estruturada (nível fácil): o entrevistador se
mantém fiel ao roteiro e não explora assuntos
que podem surgir durante a entrevista.
• Semiestruturada (nível moderado): o
entrevistador possui um roteiro dos tópicos ou
perguntas e pode explorar as respostas se
achar necessário.
• Não estruturada (nível difícil): o entrevistador
apenas tem um assunto e realiza perguntas de
modo flexível. Pode explorar e se aprofundar
nos assuntos.
Quando usar ?

-

Medir e dimensionar:
- Requisitos de usuário.
- Preferências.
- Funcionalidades.
- Segmentação dos
consumidores.

Pós
Lançamento

Design

Estratégia

-

Feedbacks
quantitativos em
protótipos

-

Satisfação e
adoção do produto
Quando usar ?
• Quando você sabe o que quer: dados quantitativos e/ou
dados qualitativos de atitudes, crenças, opiniões,
preferências, motivações – comportamento self-reported.
• Observar o atual comportamento não é relevante, ou você
pode fazer pesquisas de campo/testes de usabilidade para
complementar os dados levantados.
• Você quer atingir um grande número de pessoas para derivar
um comportamento padrão de todo o público.
• Quando você tem tempo e budget suficientes.
• Quando você tem acesso aos
consumidores/prospects/usuários.
Quando usar ?

Prós
-

-

-

Meio fácil de coletar dados
qualitativos
Meio fácil para coletar
respostas abertas de
muitos respondentes.
Flexível (telefone, web, email, papel)
Facilmente combinado com
outras técnicas
(observação, focus groups,
testes de usabilidade).

Contras
-

-

-

Exige conhecimento
específico (amostra,
análise dos dados,...)
Pode levar bastante tempo
(mais do que você
imagina)
Não é o melhor meio de
avaliar usabilidade (o que
as pessoas dizem não é o
que elas fazem – combinar
com observação)
Processo

12/2/2014

12
Processo
Processo
• Entender:
– Objetivos a serem estudados
– O que deve ser melhorado (site, alguma interação
específica...)
– Público-alvo (demográfico, background ou
comportamental)

• Pesquise:
– Brainstorm com o time possíveis questões e abordagens
– Revisar pesquisas anteriores
– Entrevistar interessados e acordar um objetivo comum na
pesquisa
– Os dados já existem em algum lugar?
Processo

• Comece por um outline!
Tópicos:
- Esclareça os objetivos,
- Análise (qual o formato de
resultado é esperado?)
- Incentivos,
- Como os participantes
serão recrutados
- Como será feito o convite
- Tamanho da amostra
- Metodologia
- Duração
- Questionário
Ética na Pesquisa

• Resolução 196/96:
diretrizes e normas
para pesquisa com
seres humanos.

• Baseada em 4
princípios: autonomia,
não-maleficência,
beneficência e justiça.
Desenvolvendo um
questionário

12/2/2014

17
Seções de um Questionário

Introdução
Demográficas
Questões
Introdução
• Dê instruções para o
preenchimento (140
caracteres)
• Exponha como serão
exibidas as questões
obrigatórias (opcional)
• Garanta a privacidade dos
dados que estão sendo
solicitados.
• Permita que o usuário
desista do preenchimento.
Demográficas
• Questões demográficas devem ser
colocadas somente se houver realmente
um objetivo pra elas.
• Coloque primeiro as questões que filtram
os respondentes (que vão delimitar se a
sequência de preenchimento é
obrigatória).
• Considere mensagens de conclusão: se
terminou preenchimento, se qualificou
para responder toda a pesquisa.
Formulando as questões

Objetividade é
a palavrachave!

• Use a abordagem de funil (perguntas
gerais para específicas),
• Comece com perguntas fáceis,
• Considere iniciar a pesquisa com
questões de pré-teste,
• Mantenha as questões e sessões curtas
– evite o cansaço!
• Inclua instruções e um exemplo,
• Não pergunte sobre comportamentos
repetitivos ou não marcantes,
Curva aproximada do esquecimento
Formulando as questões
• Sempre inclua uma opção “outros” de resposta:
– Eu não sei
– Prefiro não responder
– Todas anteriores

• Utilize linguagem familiar – pense nas questões
como uma conversa,
• Mostre apenas dados mutuamente excludentes,
• Evite: questionar tendenciosamente ou guiar,
• Evite: Questões que “aparecem” após alguma
seleção
• Evite: Palavras com significado vago
Formulando as questões

• Pergunte “o quanto você...” em vez de
“você...”
• A ordem dos itens afeta as respostas,
• Varie as respostas, use termos
negativos,
• Faça uma pergunta mais de uma vez,
em momentos diferentes da pesquisa,
• Utilize questões tanto fechadas quanto
abertas.
(embora inconsciente e automaticamente)

Fonte:
Reeves, B., & Nass, C. (1996). The media equation: How people treat computers, television and new media like real people and places. Cambridge:
Cambridge University Press.
Evitando respostas educadas

• Crie uma distância entre o meio de
avaliação e o objeto a ser avaliado:
– Se possível, utilize papel ou
computadores separados
– Linguagem (“nosso site” X “o site”)
– Design da pesquisa, diferente do site
– Sem branding ?
Nunca o entrevistador pode
- Influenciar respostas dos participantes com
alteração da expressão facial, gestos ou
entonação na voz.
Devemos ser totalmente Poker face!
Lembrete

• Nem sempre o que uma pessoa diz
que faz é o que ela realmente faz.
• Algumas realmente esquecem e outras
tentam passar uma boa imagem de si
mesmas.
Neste caso, é bom observar o
entrevistado enquanto ele realiza uma ou
mais atividades
(investigação contextual)
Dicas
• Conquiste o entrevistado no início.
• Faça perguntas relevantes.
• Pense no perfil de quem vai responder para
não criar perguntas complexas.
• Não crie perguntas que pode ter mais de um
sentido.
• Não induza o participante a responder o que
você quer.
• Evite perguntas que fazem o participante
pensar muito para poder responder, ele não
lembrará. Ao invés de perguntar quantas
vezes no ano, pergunte quantas vezes no
último mês.
Tipos de Perguntas

Fechadas
- Utilizado para avaliar algo e obter um feedback rápido.
- Muito usado para obter dados quantitativos.
- Requer que o entrevistado conheça as respostas prováveis e
escolha uma delas.
- Restringe a abrangência do assunto.
Qual o horário que você almoça?
( ) 12h
( ) 12h30
( ) 13h
Tipos de Perguntas

Abertas
- São exploratórias, ou seja, não há limitação para as respostas
dos entrevistados.
- É útil quando temos pouco ou nenhum conhecimento sobre um
assunto.
- Serve para coletar opiniões e fatos desconhecidos ou
inesperados.
- Análise das perguntas é complexa.
- Mais utilizada para obter informações qualitativas.
Qual o horário que você almoça?
___________________________
___________________________
Tipos de Perguntas

Semi-Abertas
- É o misto da fechada com a aberta.
- O entrevistado seleciona uma possível resposta e faz a
justificativa da sua escolha ou cita uma outra opção.
- Permite que se entenda o motivo da opção escolhida.
Qual o horário que você almoça? Justifique sua resposta.
( ) 12h
( ) 12h30
( ) 13h
__________________________________
__________________________________
Tipos de Perguntas

Dicôtomica
- São questões em que apenas temos uma variável boolena e
oposta a outra como Sim/Não ou Concordo/Não Condordo.
- Pode também ter uma questão aberta de justificativa da opção
escolhida ou mais uma opção caso a pessoa não saiba
responder, como ( ) não sei
Você já comprou o livro de UX? Justifique sua resposta.
( ) Sim
( ) Não
_________________
Tipos de Perguntas

Encadeadas
- É quando a segunda resposta depende da primeira resposta.
- Podem ser fechada, aberta ou semi-aberta.
- Utilizada quando uma pergunta tem um complemento em outra
questão e que necessita de uma sequência lógica.
Qual dispositivo você mais usa?
( ) computador
( ) smartphone
( ) tablet
Se você escolheu a opção computador -> Quais sites você costuma
acessar?
Se você escolheu a opção smartphone -> Você possui conexão 3G?
Se você escolheu a opção tablet -> Quais aplicativos você possui
instalado?
Tipos de Perguntas

Ordem de preferência
- Onde são apresentadas várias opções ao entrevistado e não há
opção correta.
Numere as opções de acordo com sua preferência de horário para
almoçar:
( ) 12h
( ) 12h30
( ) 13h
( ) 13h30
Tipos de Perguntas

Múltipla Escolha
- É quando se tem um conjunto de respostas válidas e
deseja saber as.
- Utilizada para descobrir as atividades mais frequentes que
o entrevistado faz.
- Você pode limitar o número de opções.
Quais atividades você realiza diariamente? (marque até três opções)
( ) andar de bicicleta
( ) fazer caminhada
( ) comer frutas
( ) dormir cedo
( ) ir ao parque
( ) levar o cachorro para passear
Tipos de Perguntas

Faixas de Valores
- Utilizado para questões delicadas como idade e salário, onde os
participantes podem não querer responder o valor exato.
- Lembre-se de não sobrepor valores como 20-30 / 30-40, onde o
30 aparece em duas opções.
Idade:
( ) abaixo de 21
( ) 21-30
( ) 31-40
( ) 41-50
( ) 51-60
Tipos de Perguntas

Escala de Likert
- Utilizado para opiniões, atitudes ou satisfação.
- A questão é uma afirmação.
- Normalmente temos 5 respostas.
É fácil aprender sobre questionários através de um workshop:
( ) concordo plenamente
( ) concordo parcialmente
( ) não concordo nem discordo
( ) discordo parcialmente
( ) discordo totalmente
Tipos de Perguntas

Escala de Diferenciais Semânticos
- Utilizado explorar atitudes e opiniões bipolares.
- Normalmente temos 5 ou 7 respostas. Mas podemos ter um
número par 4 ou 6 caso queremos evitar que as pessoas fiquem
em “cima do muro”.
De acordo com sua opinião, o site é:
bonito ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) feio
claro ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) confuso
útil
( ) ( ) ( ) ( ) ( ) inútil
Entendimento errado da escala
NPS (Net Promoter Score)

• Pergunte a uma amostra aleatória de
sua pesquisa sobre recomendações
(com um campo aberto para
explicações)
* RESPIRO *

12/2/2014

42
Avaliando Alguns
questionários

12/2/2014

43
Avaliando alguns (1/3) questionários

• Uma pesquisa de uma página que
questiona sobre o registro online de
uma cidade, para serviços recreativos
Avaliando alguns (2/3) questionários

• Uma enquete sobre a capacidade dos
candidatos a vice-presidente.
Avaliando alguns (3/3) questionários

• Uma parte de uma pesquisa feita pela
HBO.
Hans-on time!

12/2/2014

67
• Descreva um outline de
uma pesquisa para seu
produto.
– Objetivo: alguma
necessidade já levantada
– Ou: conhecer seus usuários
e opiniões de uso.
Amostra, Recrutamento
e Incentivos

12/2/2014

69
Tamanho da Amostra

Margem de erro
Tamanho da Amostra

Sample Size Calculator: http://www.surveysystem.com/sscalc.htm
Como os participantes serão recrutados

Fonte

Prós

Contra

Site independente

-

Garantia de encontrar uma
amostra suficiente e efetiva
para seus critérios,
Incentivos geralmente já estão
incluídos,
Pode ser fácil manter pesquisas
grandes.

-

Gratuito
Acostumados a receber e-mails
deste remetente
Investiu no site, então é mais
propenso a responder a
pesquisa

-

Usuários Registrados

-

-

-

Interceptações

-

Gratuito
Coleta respostas no contexto de
uso

-

-

-

Respondentes podem ser
“profissionais de pesquisa”,
Pode ser caro

Pode precisar de um incentivo
Pode não aceitar pesquisas que
levem mais de 15 min para
responder
Alguns podem ficar bravos com
o contato e reclamar (minoria)
Pode não gerar uma amostra
suficiente
Pode levar bastante tempo para
coletar respondentes
suficientes,
Podem não aceitar pesquisas
que levam mais de 10 min para
responder
Pode utilizar o canal para
reclamar do produto/serviço.
Aceitação da pesquisa se baseia em: esforço
percebido, recompensa e confiança
Como será feito o convite

• Determine o script que será utilizado
para convidar os participantes
• Lembre-se sempre de passar:
confiança, a quantidade de esforço
necessário e a recompensa
• Recompensa: non-cash
Incentivos
Quando não usar incentivos

Quando usar incentivos
•
•

• A população é grande, como
por exemplo uma pesquisa
nacional,
• Uma resposta já gera
informações suficientes para
serem utilizadas (entrevista),
• O respondente pode levar o
tempo que quiser para
responder a questão,
• O propósito da entrevista é
gerar dados de interesses
gerais para os públicos,
• A pesquisa não contém
questões controversas ou não
consideradas intrusivas.
Fonte: Conselho da Associação dos Profissionais de Estatísticas Federais
http://www.copafs.org/seminars/use_of_incentives_five_questions.aspx

•
•

•
•
•
•
•
•

Quando a população de interesse é
pequena,
Compensar o participante quando há
riscos envolvidos (p.e. questionar sobre
atividades ilegais),
Incentivar boa vontade quando houver
alguma evidência de não cooperação,
Intrusões ou solicitações não
convencionais (entrevistas longas,
manter um diário,...)
Questões sensíveis são questionadas,
Há um “gatekeeper”
Envolve um período de pesquisa
O alvo são pessoas que geralmente são
alvos de pesquisas (CEOs,...)
O participante tem algum custo
envolvido,
Se há alguma organização que
geralmente paga para o público
responder pesquisas (médicos,...)
Incentivos
• Afeta diretamente:
– Pode alterar a composição da amostra de
respondentes,
– Pode mudar a estimativa dos resultados
comparativamente às respostas pagas X
respostais reias (incluindo potencial efeito em
respostas nulas ou como eles respondem.
– Ambos podem ser positivos ou negativos

• Afeta indiretamente:
– Reduz os esforços de recrutamento,
– Influencia as expectativas dos participantes,
– Encoraja a falsificação entre alguns
participantes.
Incentivos

•
•
•
•

Quanto?
Quando? Pré-pagas X Pós-pagas
Como? Cash ou Cash-equivalent
Incentivos diferenciais pelo públicoalvo?
• Uso de condicionais para recebimento
dos incentivos (%)
Análise

12/2/2014

78
Análise

• Estatística descritiva:
– Sumarizar os dados (frequência, média,
derivação, etc..)

• Estatística inferencial:
– Projeta conclusões sobre uma população
a partir de uma amostra,
– Assume uma probabilidade,
– Permite a estimativa de erros.
Um pouquinho de estatística básica....

• Probabilidade
– Jogue uma moeda: probabilidade de cara X
coroa ?
– Chance de seus resultados serem uma
casualidade
– Vezes que a moeda for jogada (tamanho da
amostra) importa

• Erro
– Diferença entre o que a população quer
dizer, e o que sua amostra quer dizer.
– Quanto maior for sua amostra, o erro diminui,
e a confiança aumenta
Mais um pouquinho de estatística básica...

• Estimativa de erro
– Nível e intervalos de confiança
• Ex: Nós estamos 95% confiantes que a nossa
amostra estatística (80% de preferência por incluir
uma funcionalidade de busca) é entre + ou – 5%
do parâmetro da população.
• Auxilia a determinar o mínimo da amostra

• Correlação

Margem de erro

– Pesquisas são boas para medir fortes
associações entre variáveis
• Ex: A correlação entre Usable e Enjoyable foi .83.
Mais um pouquinho ainda!

• Desvio padrão
Mais um pouquinho ainda!
• Tabulação cruzada
- Formule hipóteses
- Procure pelo que NÃO está lá
- Procure pelo obvio
- Mantenha a mente aberta
- Confie nos dados
- Observe o “n”

http://www.custominsight.com/articles/crosstabsample.asp
Vc quer saber mais né? 
Reportando os
resultados

12/2/2014

85
Reportando os resultados
•
•
•
•
•
•
•

Resumo executivo *
Pesquisas anteriores, hipóteses e objetivos
Metodologia utilizada
Resultados
Discussão
Recomendação
Anexos: Formulário, Dados, Detalhamento
da Análise
Reportando os resultados
• Dicas:
– Faça um relatório de resultados conciso,
– Utilize gráficos para enfatizar os pontos
principais,
– Inclua screenshots,
– Reporte tanto resultados positivos quanto
negativos,
– Evite jargões,
– Distribua um PDF,
– Armazene em um lugar acessível para
futuras consultas.
Checlist para lançamento
•

Confirme a origem da amostra,

•

Faça um teste de QA no formulário,

•

Valide com os interessados,

•

Decida sobre os incentivos e organize a logística,

•

Crie um template de email

•

Receba uma aprovação oficial

•

Faça um teste de QA no email

•

Disponibilize um email / telefone para suporte

•

Launch!
Obrigado ;-)
Equipe de Concepção & Interface de Produtos – P&D

Av. Brig. Faria Lima, 1.384, 4º andar
CEP 01452-002 . São Paulo/SP
Telefone: 11 3914.9559
www.uol.com.br

12/2/2014

89

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Design sprint workshop techleap
Design sprint workshop techleapDesign sprint workshop techleap
Design sprint workshop techleapNelson Vasconcelos
 
sensedia - Design Sprint
sensedia - Design Sprint sensedia - Design Sprint
sensedia - Design Sprint melidevelopers
 
Sprint Lab baseado no Google Design Sprint
Sprint Lab baseado no Google Design SprintSprint Lab baseado no Google Design Sprint
Sprint Lab baseado no Google Design SprintHeller de Paula
 
Hack2B - Design Sprint Workshop
Hack2B - Design Sprint WorkshopHack2B - Design Sprint Workshop
Hack2B - Design Sprint WorkshopAna Paula Batista
 
Deep Dive Material Design, e um pouquinho sobre mobile UX
Deep Dive Material Design, e um pouquinho sobre mobile UXDeep Dive Material Design, e um pouquinho sobre mobile UX
Deep Dive Material Design, e um pouquinho sobre mobile UXNelson Vasconcelos
 
Construindo um produto - da ideia ao desenvolvimento
Construindo um produto - da ideia ao desenvolvimentoConstruindo um produto - da ideia ao desenvolvimento
Construindo um produto - da ideia ao desenvolvimentoAna Paula Batista
 
Onboarding: Uma questão de sobrevivência - Nelson Vasconcelos
Onboarding: Uma questão de sobrevivência - Nelson VasconcelosOnboarding: Uma questão de sobrevivência - Nelson Vasconcelos
Onboarding: Uma questão de sobrevivência - Nelson VasconcelosNelson Vasconcelos
 
UX para desenvolvedores - QCon Rio 2015
UX para desenvolvedores - QCon Rio 2015UX para desenvolvedores - QCon Rio 2015
UX para desenvolvedores - QCon Rio 2015Samantha Rosa
 
Inspetor Bugiganga - pesquisas criativas para desenvolvimento ágil
Inspetor Bugiganga - pesquisas criativas para desenvolvimento ágilInspetor Bugiganga - pesquisas criativas para desenvolvimento ágil
Inspetor Bugiganga - pesquisas criativas para desenvolvimento ágilDTStartups
 
Como montar e facilitar um workshop de Design Sprint - Coletivo Mola
Como montar e facilitar um workshop de Design Sprint - Coletivo MolaComo montar e facilitar um workshop de Design Sprint - Coletivo Mola
Como montar e facilitar um workshop de Design Sprint - Coletivo MolaColetivo Mola
 
UX and Material Design: Criando Aplicativos Android do Jeito Certo - Androido...
UX and Material Design: Criando Aplicativos Android do Jeito Certo - Androido...UX and Material Design: Criando Aplicativos Android do Jeito Certo - Androido...
UX and Material Design: Criando Aplicativos Android do Jeito Certo - Androido...Nelson Vasconcelos
 
UX e Métodos Ágeis: Adversários ou Parceiros?
UX e Métodos Ágeis: Adversários ou Parceiros?UX e Métodos Ágeis: Adversários ou Parceiros?
UX e Métodos Ágeis: Adversários ou Parceiros?Carlos Rosemberg
 
Startups + UX = ♥
Startups + UX = ♥Startups + UX = ♥
Startups + UX = ♥Neue Labs
 
Design thinking aplicado ao serviço público
Design thinking aplicado ao serviço públicoDesign thinking aplicado ao serviço público
Design thinking aplicado ao serviço públicoColaborativismo
 
Workshop Sandbox Experience da Jane Vita
Workshop Sandbox Experience da Jane VitaWorkshop Sandbox Experience da Jane Vita
Workshop Sandbox Experience da Jane VitaMayra de Souza
 
Product Design Sprint
Product Design SprintProduct Design Sprint
Product Design SprintRobson Santos
 

Mais procurados (20)

Design sprint workshop techleap
Design sprint workshop techleapDesign sprint workshop techleap
Design sprint workshop techleap
 
sensedia - Design Sprint
sensedia - Design Sprint sensedia - Design Sprint
sensedia - Design Sprint
 
The design sprint v1.0
The design sprint v1.0The design sprint v1.0
The design sprint v1.0
 
[Coletivo Ação] Webinar introdução ao Design Sprint Com Mayra de Souza
[Coletivo Ação] Webinar introdução ao Design Sprint Com Mayra de Souza[Coletivo Ação] Webinar introdução ao Design Sprint Com Mayra de Souza
[Coletivo Ação] Webinar introdução ao Design Sprint Com Mayra de Souza
 
Sprint Lab baseado no Google Design Sprint
Sprint Lab baseado no Google Design SprintSprint Lab baseado no Google Design Sprint
Sprint Lab baseado no Google Design Sprint
 
Hack2B - Design Sprint Workshop
Hack2B - Design Sprint WorkshopHack2B - Design Sprint Workshop
Hack2B - Design Sprint Workshop
 
Deep Dive Material Design, e um pouquinho sobre mobile UX
Deep Dive Material Design, e um pouquinho sobre mobile UXDeep Dive Material Design, e um pouquinho sobre mobile UX
Deep Dive Material Design, e um pouquinho sobre mobile UX
 
Construindo um produto - da ideia ao desenvolvimento
Construindo um produto - da ideia ao desenvolvimentoConstruindo um produto - da ideia ao desenvolvimento
Construindo um produto - da ideia ao desenvolvimento
 
Onboarding: Uma questão de sobrevivência - Nelson Vasconcelos
Onboarding: Uma questão de sobrevivência - Nelson VasconcelosOnboarding: Uma questão de sobrevivência - Nelson Vasconcelos
Onboarding: Uma questão de sobrevivência - Nelson Vasconcelos
 
UX para desenvolvedores - QCon Rio 2015
UX para desenvolvedores - QCon Rio 2015UX para desenvolvedores - QCon Rio 2015
UX para desenvolvedores - QCon Rio 2015
 
Inspetor Bugiganga - pesquisas criativas para desenvolvimento ágil
Inspetor Bugiganga - pesquisas criativas para desenvolvimento ágilInspetor Bugiganga - pesquisas criativas para desenvolvimento ágil
Inspetor Bugiganga - pesquisas criativas para desenvolvimento ágil
 
Como montar e facilitar um workshop de Design Sprint - Coletivo Mola
Como montar e facilitar um workshop de Design Sprint - Coletivo MolaComo montar e facilitar um workshop de Design Sprint - Coletivo Mola
Como montar e facilitar um workshop de Design Sprint - Coletivo Mola
 
UX and Material Design: Criando Aplicativos Android do Jeito Certo - Androido...
UX and Material Design: Criando Aplicativos Android do Jeito Certo - Androido...UX and Material Design: Criando Aplicativos Android do Jeito Certo - Androido...
UX and Material Design: Criando Aplicativos Android do Jeito Certo - Androido...
 
UX e Métodos Ágeis: Adversários ou Parceiros?
UX e Métodos Ágeis: Adversários ou Parceiros?UX e Métodos Ágeis: Adversários ou Parceiros?
UX e Métodos Ágeis: Adversários ou Parceiros?
 
Startups + UX = ♥
Startups + UX = ♥Startups + UX = ♥
Startups + UX = ♥
 
Prototipagem - Validação de ideias através de Design Thinking
Prototipagem - Validação de ideias através de Design ThinkingPrototipagem - Validação de ideias através de Design Thinking
Prototipagem - Validação de ideias através de Design Thinking
 
Design thinking aplicado ao serviço público
Design thinking aplicado ao serviço públicoDesign thinking aplicado ao serviço público
Design thinking aplicado ao serviço público
 
Workshop Sandbox Experience da Jane Vita
Workshop Sandbox Experience da Jane VitaWorkshop Sandbox Experience da Jane Vita
Workshop Sandbox Experience da Jane Vita
 
Product Design Sprint
Product Design SprintProduct Design Sprint
Product Design Sprint
 
Lean UX
Lean UXLean UX
Lean UX
 

Semelhante a Workshop de Surveys

Transformational Design Thinking - Aula 10
Transformational Design Thinking - Aula 10Transformational Design Thinking - Aula 10
Transformational Design Thinking - Aula 10Lu Terceiro
 
Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5Lu Terceiro
 
Pesquisa de Guerrilha - Entendendo seu usuário com agilidade e baixo custo
Pesquisa de Guerrilha - Entendendo seu usuário com agilidade e baixo custoPesquisa de Guerrilha - Entendendo seu usuário com agilidade e baixo custo
Pesquisa de Guerrilha - Entendendo seu usuário com agilidade e baixo custoAna Paula Batista
 
Aula 04 pesquisa_qualitativa_09 e 12_03
Aula 04 pesquisa_qualitativa_09 e 12_03Aula 04 pesquisa_qualitativa_09 e 12_03
Aula 04 pesquisa_qualitativa_09 e 12_03Imes Fafica Catanduva
 
COMO MULTIPLICAR SUA VELOCIDADE DE LEITURA
COMO MULTIPLICAR SUA VELOCIDADE DE LEITURACOMO MULTIPLICAR SUA VELOCIDADE DE LEITURA
COMO MULTIPLICAR SUA VELOCIDADE DE LEITURAWanderson Silveira
 
Guião de pesquisa
Guião de pesquisaGuião de pesquisa
Guião de pesquisaIsabel Lopes
 
Metodologia de trabalho de campo ufvjm junho 2010
Metodologia de trabalho de campo ufvjm  junho 2010Metodologia de trabalho de campo ufvjm  junho 2010
Metodologia de trabalho de campo ufvjm junho 2010Bruno Dias Bento
 
4 como organizar o trabalho - big 6
4   como organizar o trabalho - big 64   como organizar o trabalho - big 6
4 como organizar o trabalho - big 6Biblioteca Amares
 
35. unidade 5_-_instrumentos_e_tecnicas_de_coleta_e_analise_de_dados_26_pags._
35. unidade 5_-_instrumentos_e_tecnicas_de_coleta_e_analise_de_dados_26_pags._35. unidade 5_-_instrumentos_e_tecnicas_de_coleta_e_analise_de_dados_26_pags._
35. unidade 5_-_instrumentos_e_tecnicas_de_coleta_e_analise_de_dados_26_pags._Tanise de Abreu
 
Workshop - Personas
Workshop - PersonasWorkshop - Personas
Workshop - PersonasVoël
 
Guia de Literacia da Informação
Guia de Literacia da InformaçãoGuia de Literacia da Informação
Guia de Literacia da Informaçãobe-djoaoII
 
Big six aula assistida
Big six aula assistidaBig six aula assistida
Big six aula assistidaMaria Oliveira
 
Como elaborar um projeto de pesquisa: elementos componentes
Como elaborar um projeto de pesquisa: elementos componentesComo elaborar um projeto de pesquisa: elementos componentes
Como elaborar um projeto de pesquisa: elementos componentesHelena Degreas
 

Semelhante a Workshop de Surveys (20)

Transformational Design Thinking - Aula 10
Transformational Design Thinking - Aula 10Transformational Design Thinking - Aula 10
Transformational Design Thinking - Aula 10
 
Pesquisa Complemento
Pesquisa ComplementoPesquisa Complemento
Pesquisa Complemento
 
Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5Transformational Design Thinking - Aula 5
Transformational Design Thinking - Aula 5
 
Francisco arsego
Francisco arsegoFrancisco arsego
Francisco arsego
 
Avalição
AvaliçãoAvalição
Avalição
 
Pesquisa de Guerrilha - Entendendo seu usuário com agilidade e baixo custo
Pesquisa de Guerrilha - Entendendo seu usuário com agilidade e baixo custoPesquisa de Guerrilha - Entendendo seu usuário com agilidade e baixo custo
Pesquisa de Guerrilha - Entendendo seu usuário com agilidade e baixo custo
 
Aula 04 pesquisa_qualitativa_09 e 12_03
Aula 04 pesquisa_qualitativa_09 e 12_03Aula 04 pesquisa_qualitativa_09 e 12_03
Aula 04 pesquisa_qualitativa_09 e 12_03
 
Coleta de dados
Coleta de dadosColeta de dados
Coleta de dados
 
COMO MULTIPLICAR SUA VELOCIDADE DE LEITURA
COMO MULTIPLICAR SUA VELOCIDADE DE LEITURACOMO MULTIPLICAR SUA VELOCIDADE DE LEITURA
COMO MULTIPLICAR SUA VELOCIDADE DE LEITURA
 
Guião de pesquisa
Guião de pesquisaGuião de pesquisa
Guião de pesquisa
 
Big6 - Guião de pesquisa de Informação
Big6 - Guião de pesquisa de InformaçãoBig6 - Guião de pesquisa de Informação
Big6 - Guião de pesquisa de Informação
 
Big 6 biblioteca
Big 6 bibliotecaBig 6 biblioteca
Big 6 biblioteca
 
Metodologia de trabalho de campo ufvjm junho 2010
Metodologia de trabalho de campo ufvjm  junho 2010Metodologia de trabalho de campo ufvjm  junho 2010
Metodologia de trabalho de campo ufvjm junho 2010
 
Guião de Pesquisa
Guião de PesquisaGuião de Pesquisa
Guião de Pesquisa
 
4 como organizar o trabalho - big 6
4   como organizar o trabalho - big 64   como organizar o trabalho - big 6
4 como organizar o trabalho - big 6
 
35. unidade 5_-_instrumentos_e_tecnicas_de_coleta_e_analise_de_dados_26_pags._
35. unidade 5_-_instrumentos_e_tecnicas_de_coleta_e_analise_de_dados_26_pags._35. unidade 5_-_instrumentos_e_tecnicas_de_coleta_e_analise_de_dados_26_pags._
35. unidade 5_-_instrumentos_e_tecnicas_de_coleta_e_analise_de_dados_26_pags._
 
Workshop - Personas
Workshop - PersonasWorkshop - Personas
Workshop - Personas
 
Guia de Literacia da Informação
Guia de Literacia da InformaçãoGuia de Literacia da Informação
Guia de Literacia da Informação
 
Big six aula assistida
Big six aula assistidaBig six aula assistida
Big six aula assistida
 
Como elaborar um projeto de pesquisa: elementos componentes
Como elaborar um projeto de pesquisa: elementos componentesComo elaborar um projeto de pesquisa: elementos componentes
Como elaborar um projeto de pesquisa: elementos componentes
 

Mais de Ana Paula Batista

Melhorando a experiência de uso através de micro-interações
Melhorando a experiência de uso através de micro-interaçõesMelhorando a experiência de uso através de micro-interações
Melhorando a experiência de uso através de micro-interaçõesAna Paula Batista
 
Launchpad Build-BH - Migrando para um mundo material
Launchpad Build-BH - Migrando para um mundo materialLaunchpad Build-BH - Migrando para um mundo material
Launchpad Build-BH - Migrando para um mundo materialAna Paula Batista
 
Design Sprint - Lecciones Aprendidas (Meetup Lima - Ago/2016)
Design Sprint - Lecciones Aprendidas (Meetup Lima - Ago/2016)Design Sprint - Lecciones Aprendidas (Meetup Lima - Ago/2016)
Design Sprint - Lecciones Aprendidas (Meetup Lima - Ago/2016)Ana Paula Batista
 
Moderando Testes de Usabilidade
Moderando Testes de UsabilidadeModerando Testes de Usabilidade
Moderando Testes de UsabilidadeAna Paula Batista
 

Mais de Ana Paula Batista (9)

Community Sprint
Community SprintCommunity Sprint
Community Sprint
 
Melhorando a experiência de uso através de micro-interações
Melhorando a experiência de uso através de micro-interaçõesMelhorando a experiência de uso através de micro-interações
Melhorando a experiência de uso através de micro-interações
 
Hack2B Startups - UX?
Hack2B Startups - UX?Hack2B Startups - UX?
Hack2B Startups - UX?
 
Launchpad Build-BH - Migrando para um mundo material
Launchpad Build-BH - Migrando para um mundo materialLaunchpad Build-BH - Migrando para um mundo material
Launchpad Build-BH - Migrando para um mundo material
 
Design Sprint - Lecciones Aprendidas (Meetup Lima - Ago/2016)
Design Sprint - Lecciones Aprendidas (Meetup Lima - Ago/2016)Design Sprint - Lecciones Aprendidas (Meetup Lima - Ago/2016)
Design Sprint - Lecciones Aprendidas (Meetup Lima - Ago/2016)
 
Material Design
Material DesignMaterial Design
Material Design
 
UX para Startups
UX para StartupsUX para Startups
UX para Startups
 
Como mimar seus usuários
Como mimar seus usuáriosComo mimar seus usuários
Como mimar seus usuários
 
Moderando Testes de Usabilidade
Moderando Testes de UsabilidadeModerando Testes de Usabilidade
Moderando Testes de Usabilidade
 

Workshop de Surveys

  • 2. Agenda - O que é? Quando usar? (14:00 – 14:15) - Processo (14:15 – 14:25) - Desenvolvendo um questionário (14-25 – 15:25) * Respiro * (15:25 – 15:40) - Avaliando questionários (15:40 – 16:00) - Hands-on time! ( 16:00 – 16:20 ) - Amostra, Recrutamento e Incentivos (16:20 – 16:40) - Análise( 16:40 – 16:50 ) - Reportando os resultados (16:50 – 17:00) 12/2/2014 2
  • 3. O que é? Quando usar? 12/2/2014 3
  • 5. O que é Survey? • Survey = levantamento de dados. • “Método para coletar informações de pessoas acerca de suas ideias, sentimentos, planos, crenças, bem como origem social, educacional e financeira” – (Fink & Kosecoff, 1985, p. 13) 12/2/2014 5
  • 6. O que é Questionário? • Questionário = instrumento utilizado no survey. • “Um conjunto de perguntas sobre um determinado tópico que não testa a habilidade do respondente, mas mede sua opinião, seus interesses, aspectos da personalidade e informação biográfica” – (Yaremko, Harari, Harrison & Lynn 1986, p. 186) 12/2/2014 6
  • 7. Tipos de Surveys • Formulários online • Formulários em papel autoadministrados (questionários) • Entrevistas estruturadas • Entrevistas estruturadas pelo telefone • Enquetes • Aplicações podem ser diversas
  • 8. Tipos de Entrevistas • Estruturada (nível fácil): o entrevistador se mantém fiel ao roteiro e não explora assuntos que podem surgir durante a entrevista. • Semiestruturada (nível moderado): o entrevistador possui um roteiro dos tópicos ou perguntas e pode explorar as respostas se achar necessário. • Não estruturada (nível difícil): o entrevistador apenas tem um assunto e realiza perguntas de modo flexível. Pode explorar e se aprofundar nos assuntos.
  • 9. Quando usar ? - Medir e dimensionar: - Requisitos de usuário. - Preferências. - Funcionalidades. - Segmentação dos consumidores. Pós Lançamento Design Estratégia - Feedbacks quantitativos em protótipos - Satisfação e adoção do produto
  • 10. Quando usar ? • Quando você sabe o que quer: dados quantitativos e/ou dados qualitativos de atitudes, crenças, opiniões, preferências, motivações – comportamento self-reported. • Observar o atual comportamento não é relevante, ou você pode fazer pesquisas de campo/testes de usabilidade para complementar os dados levantados. • Você quer atingir um grande número de pessoas para derivar um comportamento padrão de todo o público. • Quando você tem tempo e budget suficientes. • Quando você tem acesso aos consumidores/prospects/usuários.
  • 11. Quando usar ? Prós - - - Meio fácil de coletar dados qualitativos Meio fácil para coletar respostas abertas de muitos respondentes. Flexível (telefone, web, email, papel) Facilmente combinado com outras técnicas (observação, focus groups, testes de usabilidade). Contras - - - Exige conhecimento específico (amostra, análise dos dados,...) Pode levar bastante tempo (mais do que você imagina) Não é o melhor meio de avaliar usabilidade (o que as pessoas dizem não é o que elas fazem – combinar com observação)
  • 14. Processo • Entender: – Objetivos a serem estudados – O que deve ser melhorado (site, alguma interação específica...) – Público-alvo (demográfico, background ou comportamental) • Pesquise: – Brainstorm com o time possíveis questões e abordagens – Revisar pesquisas anteriores – Entrevistar interessados e acordar um objetivo comum na pesquisa – Os dados já existem em algum lugar?
  • 15. Processo • Comece por um outline! Tópicos: - Esclareça os objetivos, - Análise (qual o formato de resultado é esperado?) - Incentivos, - Como os participantes serão recrutados - Como será feito o convite - Tamanho da amostra - Metodologia - Duração - Questionário
  • 16. Ética na Pesquisa • Resolução 196/96: diretrizes e normas para pesquisa com seres humanos. • Baseada em 4 princípios: autonomia, não-maleficência, beneficência e justiça.
  • 18. Seções de um Questionário Introdução Demográficas Questões
  • 19. Introdução • Dê instruções para o preenchimento (140 caracteres) • Exponha como serão exibidas as questões obrigatórias (opcional) • Garanta a privacidade dos dados que estão sendo solicitados. • Permita que o usuário desista do preenchimento.
  • 20. Demográficas • Questões demográficas devem ser colocadas somente se houver realmente um objetivo pra elas. • Coloque primeiro as questões que filtram os respondentes (que vão delimitar se a sequência de preenchimento é obrigatória). • Considere mensagens de conclusão: se terminou preenchimento, se qualificou para responder toda a pesquisa.
  • 21. Formulando as questões Objetividade é a palavrachave! • Use a abordagem de funil (perguntas gerais para específicas), • Comece com perguntas fáceis, • Considere iniciar a pesquisa com questões de pré-teste, • Mantenha as questões e sessões curtas – evite o cansaço! • Inclua instruções e um exemplo, • Não pergunte sobre comportamentos repetitivos ou não marcantes,
  • 22. Curva aproximada do esquecimento
  • 23. Formulando as questões • Sempre inclua uma opção “outros” de resposta: – Eu não sei – Prefiro não responder – Todas anteriores • Utilize linguagem familiar – pense nas questões como uma conversa, • Mostre apenas dados mutuamente excludentes, • Evite: questionar tendenciosamente ou guiar, • Evite: Questões que “aparecem” após alguma seleção • Evite: Palavras com significado vago
  • 24. Formulando as questões • Pergunte “o quanto você...” em vez de “você...” • A ordem dos itens afeta as respostas, • Varie as respostas, use termos negativos, • Faça uma pergunta mais de uma vez, em momentos diferentes da pesquisa, • Utilize questões tanto fechadas quanto abertas.
  • 25. (embora inconsciente e automaticamente) Fonte: Reeves, B., & Nass, C. (1996). The media equation: How people treat computers, television and new media like real people and places. Cambridge: Cambridge University Press.
  • 26. Evitando respostas educadas • Crie uma distância entre o meio de avaliação e o objeto a ser avaliado: – Se possível, utilize papel ou computadores separados – Linguagem (“nosso site” X “o site”) – Design da pesquisa, diferente do site – Sem branding ?
  • 27. Nunca o entrevistador pode - Influenciar respostas dos participantes com alteração da expressão facial, gestos ou entonação na voz. Devemos ser totalmente Poker face!
  • 28. Lembrete • Nem sempre o que uma pessoa diz que faz é o que ela realmente faz. • Algumas realmente esquecem e outras tentam passar uma boa imagem de si mesmas. Neste caso, é bom observar o entrevistado enquanto ele realiza uma ou mais atividades (investigação contextual)
  • 29. Dicas • Conquiste o entrevistado no início. • Faça perguntas relevantes. • Pense no perfil de quem vai responder para não criar perguntas complexas. • Não crie perguntas que pode ter mais de um sentido. • Não induza o participante a responder o que você quer. • Evite perguntas que fazem o participante pensar muito para poder responder, ele não lembrará. Ao invés de perguntar quantas vezes no ano, pergunte quantas vezes no último mês.
  • 30. Tipos de Perguntas Fechadas - Utilizado para avaliar algo e obter um feedback rápido. - Muito usado para obter dados quantitativos. - Requer que o entrevistado conheça as respostas prováveis e escolha uma delas. - Restringe a abrangência do assunto. Qual o horário que você almoça? ( ) 12h ( ) 12h30 ( ) 13h
  • 31. Tipos de Perguntas Abertas - São exploratórias, ou seja, não há limitação para as respostas dos entrevistados. - É útil quando temos pouco ou nenhum conhecimento sobre um assunto. - Serve para coletar opiniões e fatos desconhecidos ou inesperados. - Análise das perguntas é complexa. - Mais utilizada para obter informações qualitativas. Qual o horário que você almoça? ___________________________ ___________________________
  • 32. Tipos de Perguntas Semi-Abertas - É o misto da fechada com a aberta. - O entrevistado seleciona uma possível resposta e faz a justificativa da sua escolha ou cita uma outra opção. - Permite que se entenda o motivo da opção escolhida. Qual o horário que você almoça? Justifique sua resposta. ( ) 12h ( ) 12h30 ( ) 13h __________________________________ __________________________________
  • 33. Tipos de Perguntas Dicôtomica - São questões em que apenas temos uma variável boolena e oposta a outra como Sim/Não ou Concordo/Não Condordo. - Pode também ter uma questão aberta de justificativa da opção escolhida ou mais uma opção caso a pessoa não saiba responder, como ( ) não sei Você já comprou o livro de UX? Justifique sua resposta. ( ) Sim ( ) Não _________________
  • 34. Tipos de Perguntas Encadeadas - É quando a segunda resposta depende da primeira resposta. - Podem ser fechada, aberta ou semi-aberta. - Utilizada quando uma pergunta tem um complemento em outra questão e que necessita de uma sequência lógica. Qual dispositivo você mais usa? ( ) computador ( ) smartphone ( ) tablet Se você escolheu a opção computador -> Quais sites você costuma acessar? Se você escolheu a opção smartphone -> Você possui conexão 3G? Se você escolheu a opção tablet -> Quais aplicativos você possui instalado?
  • 35. Tipos de Perguntas Ordem de preferência - Onde são apresentadas várias opções ao entrevistado e não há opção correta. Numere as opções de acordo com sua preferência de horário para almoçar: ( ) 12h ( ) 12h30 ( ) 13h ( ) 13h30
  • 36. Tipos de Perguntas Múltipla Escolha - É quando se tem um conjunto de respostas válidas e deseja saber as. - Utilizada para descobrir as atividades mais frequentes que o entrevistado faz. - Você pode limitar o número de opções. Quais atividades você realiza diariamente? (marque até três opções) ( ) andar de bicicleta ( ) fazer caminhada ( ) comer frutas ( ) dormir cedo ( ) ir ao parque ( ) levar o cachorro para passear
  • 37. Tipos de Perguntas Faixas de Valores - Utilizado para questões delicadas como idade e salário, onde os participantes podem não querer responder o valor exato. - Lembre-se de não sobrepor valores como 20-30 / 30-40, onde o 30 aparece em duas opções. Idade: ( ) abaixo de 21 ( ) 21-30 ( ) 31-40 ( ) 41-50 ( ) 51-60
  • 38. Tipos de Perguntas Escala de Likert - Utilizado para opiniões, atitudes ou satisfação. - A questão é uma afirmação. - Normalmente temos 5 respostas. É fácil aprender sobre questionários através de um workshop: ( ) concordo plenamente ( ) concordo parcialmente ( ) não concordo nem discordo ( ) discordo parcialmente ( ) discordo totalmente
  • 39. Tipos de Perguntas Escala de Diferenciais Semânticos - Utilizado explorar atitudes e opiniões bipolares. - Normalmente temos 5 ou 7 respostas. Mas podemos ter um número par 4 ou 6 caso queremos evitar que as pessoas fiquem em “cima do muro”. De acordo com sua opinião, o site é: bonito ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) feio claro ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) confuso útil ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) inútil
  • 41. NPS (Net Promoter Score) • Pergunte a uma amostra aleatória de sua pesquisa sobre recomendações (com um campo aberto para explicações)
  • 44. Avaliando alguns (1/3) questionários • Uma pesquisa de uma página que questiona sobre o registro online de uma cidade, para serviços recreativos
  • 45.
  • 46. Avaliando alguns (2/3) questionários • Uma enquete sobre a capacidade dos candidatos a vice-presidente.
  • 47.
  • 48. Avaliando alguns (3/3) questionários • Uma parte de uma pesquisa feita pela HBO.
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 60.
  • 61.
  • 62.
  • 63.
  • 64.
  • 65.
  • 66.
  • 68. • Descreva um outline de uma pesquisa para seu produto. – Objetivo: alguma necessidade já levantada – Ou: conhecer seus usuários e opiniões de uso.
  • 71. Tamanho da Amostra Sample Size Calculator: http://www.surveysystem.com/sscalc.htm
  • 72. Como os participantes serão recrutados Fonte Prós Contra Site independente - Garantia de encontrar uma amostra suficiente e efetiva para seus critérios, Incentivos geralmente já estão incluídos, Pode ser fácil manter pesquisas grandes. - Gratuito Acostumados a receber e-mails deste remetente Investiu no site, então é mais propenso a responder a pesquisa - Usuários Registrados - - - Interceptações - Gratuito Coleta respostas no contexto de uso - - - Respondentes podem ser “profissionais de pesquisa”, Pode ser caro Pode precisar de um incentivo Pode não aceitar pesquisas que levem mais de 15 min para responder Alguns podem ficar bravos com o contato e reclamar (minoria) Pode não gerar uma amostra suficiente Pode levar bastante tempo para coletar respondentes suficientes, Podem não aceitar pesquisas que levam mais de 10 min para responder Pode utilizar o canal para reclamar do produto/serviço.
  • 73. Aceitação da pesquisa se baseia em: esforço percebido, recompensa e confiança
  • 74. Como será feito o convite • Determine o script que será utilizado para convidar os participantes • Lembre-se sempre de passar: confiança, a quantidade de esforço necessário e a recompensa • Recompensa: non-cash
  • 75. Incentivos Quando não usar incentivos Quando usar incentivos • • • A população é grande, como por exemplo uma pesquisa nacional, • Uma resposta já gera informações suficientes para serem utilizadas (entrevista), • O respondente pode levar o tempo que quiser para responder a questão, • O propósito da entrevista é gerar dados de interesses gerais para os públicos, • A pesquisa não contém questões controversas ou não consideradas intrusivas. Fonte: Conselho da Associação dos Profissionais de Estatísticas Federais http://www.copafs.org/seminars/use_of_incentives_five_questions.aspx • • • • • • • • Quando a população de interesse é pequena, Compensar o participante quando há riscos envolvidos (p.e. questionar sobre atividades ilegais), Incentivar boa vontade quando houver alguma evidência de não cooperação, Intrusões ou solicitações não convencionais (entrevistas longas, manter um diário,...) Questões sensíveis são questionadas, Há um “gatekeeper” Envolve um período de pesquisa O alvo são pessoas que geralmente são alvos de pesquisas (CEOs,...) O participante tem algum custo envolvido, Se há alguma organização que geralmente paga para o público responder pesquisas (médicos,...)
  • 76. Incentivos • Afeta diretamente: – Pode alterar a composição da amostra de respondentes, – Pode mudar a estimativa dos resultados comparativamente às respostas pagas X respostais reias (incluindo potencial efeito em respostas nulas ou como eles respondem. – Ambos podem ser positivos ou negativos • Afeta indiretamente: – Reduz os esforços de recrutamento, – Influencia as expectativas dos participantes, – Encoraja a falsificação entre alguns participantes.
  • 77. Incentivos • • • • Quanto? Quando? Pré-pagas X Pós-pagas Como? Cash ou Cash-equivalent Incentivos diferenciais pelo públicoalvo? • Uso de condicionais para recebimento dos incentivos (%)
  • 79. Análise • Estatística descritiva: – Sumarizar os dados (frequência, média, derivação, etc..) • Estatística inferencial: – Projeta conclusões sobre uma população a partir de uma amostra, – Assume uma probabilidade, – Permite a estimativa de erros.
  • 80. Um pouquinho de estatística básica.... • Probabilidade – Jogue uma moeda: probabilidade de cara X coroa ? – Chance de seus resultados serem uma casualidade – Vezes que a moeda for jogada (tamanho da amostra) importa • Erro – Diferença entre o que a população quer dizer, e o que sua amostra quer dizer. – Quanto maior for sua amostra, o erro diminui, e a confiança aumenta
  • 81. Mais um pouquinho de estatística básica... • Estimativa de erro – Nível e intervalos de confiança • Ex: Nós estamos 95% confiantes que a nossa amostra estatística (80% de preferência por incluir uma funcionalidade de busca) é entre + ou – 5% do parâmetro da população. • Auxilia a determinar o mínimo da amostra • Correlação Margem de erro – Pesquisas são boas para medir fortes associações entre variáveis • Ex: A correlação entre Usable e Enjoyable foi .83.
  • 82. Mais um pouquinho ainda! • Desvio padrão
  • 83. Mais um pouquinho ainda! • Tabulação cruzada - Formule hipóteses - Procure pelo que NÃO está lá - Procure pelo obvio - Mantenha a mente aberta - Confie nos dados - Observe o “n” http://www.custominsight.com/articles/crosstabsample.asp
  • 84. Vc quer saber mais né? 
  • 86. Reportando os resultados • • • • • • • Resumo executivo * Pesquisas anteriores, hipóteses e objetivos Metodologia utilizada Resultados Discussão Recomendação Anexos: Formulário, Dados, Detalhamento da Análise
  • 87. Reportando os resultados • Dicas: – Faça um relatório de resultados conciso, – Utilize gráficos para enfatizar os pontos principais, – Inclua screenshots, – Reporte tanto resultados positivos quanto negativos, – Evite jargões, – Distribua um PDF, – Armazene em um lugar acessível para futuras consultas.
  • 88. Checlist para lançamento • Confirme a origem da amostra, • Faça um teste de QA no formulário, • Valide com os interessados, • Decida sobre os incentivos e organize a logística, • Crie um template de email • Receba uma aprovação oficial • Faça um teste de QA no email • Disponibilize um email / telefone para suporte • Launch!
  • 89. Obrigado ;-) Equipe de Concepção & Interface de Produtos – P&D Av. Brig. Faria Lima, 1.384, 4º andar CEP 01452-002 . São Paulo/SP Telefone: 11 3914.9559 www.uol.com.br 12/2/2014 89

Notas do Editor

  1. Fonte: Barbosa, Simone D. J. Interação humano-computador, 2010.