Homossexualidade, na ótica espirita

744 visualizações

Publicada em

Palestra sobre a homossexualidade pela ótica espirita, baseada nas obras básicas espiritas. Realizada por Eduardo Ottonelli Pithan

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
744
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
46
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Homossexualidade, na ótica espirita

  1. 1. Eduardo Ottonelli Pithan Grupo Vagalumes – Novo Hamburgo E-mail: eduardopithan64@gmail.com Facebook: facebook.com/Eduardoo.pithan 82042277 “Eu sei, e estou certo no Senhor Jesus, que nada é em si mesmo imundo a não ser para aquele que assim o considera; para esse é imundo” (Paulo, Romanos, 14:14.)
  2. 2. EVANGELHO SEGUNDO ESPIRITISMO, Allan Kardec, Cap X. LIVRO DOS ESPIRITOS, Allan Kardec, questões 115, 200, 201, 202, 606 e 822 AÇÃO E REAÇÃO, André Luiz por Chico Xavier, Capítulo XV. VIDA E SEXO, André Luiz por Chico Xavier, Capítulo XXI. SEXO E DESTINO, André Luiz por Chico Xavier, Capítulo V. HOMOSSEXUALIDADE sob a ótica do espírito imortal, Andrei Moreira, capítulo VII
  3. 3. O que diz a Ciência: A homossexualidade deixou de ser considerada doença pela Associação Americana de Psiquiatria em 1973. Para a ciência a homossexualidade não precisa de "cura", visto não ser uma doença. Hoje é considerada apenas como uma "orientação sexual" dentro de uma "diversidade". No Brasil, em 1985, o Conselho Federal de Psicologia deixou de considerar a homossexualidade como um desvio sexual e, em 1999, estabeleceu regras para a atuação dos psicólogos em relação às questões de orientação sexual.
  4. 4. 1. Natureza humana e espiritual 2. Sexo nos espíritos 3. Como nos desenvolvemos nas experiências com ambos os sexos 4. Como agir frente a homossexualidade (nossa ou dos outros) 5. Causas da homossexualidade para o espiritismo e psicologia 6. Como o Cristão (espirita) deve agir frente a um irmão que passa por esta provação ou expiação.
  5. 5. Criado simples e Ignorante • Estagia nos reinos inferiores da natureza Reino Mineral • Aprende a interação com os demais elementos (não tem definição de sexo; trocas com o meio). Reino Vegetal • Principia o processo de despertar da sensibilidade e da troca com o meio (ambos os sexos - ATRAÇÃO) Reino animal inferior • Desenvolve o instinto, a inteligência rudimentar e inicia o desenvolvimento do pensamento e das emoções (ambos os sexos) - INSTINTO Reino Hominal • Aprimora os sentidos, o pensamento e o domínio sobre as emoções (nos dois sexos) RAZÃO - SENTIMENTO Como o Espiritismo entende o ser humano e sua natureza O homem dorme no mineral, agita-se no vegetal, sonha no animal, desperta no reino hominal e sublima-se no angelical. Léon Denis
  6. 6. 115. Uns Espíritos foram criados bons e outros maus? Deus criou todos os Espíritos simples e ignorantes, ou seja, sem conhecimento. Deu a cada um deles uma missão, com o fim de os esclarecer e progressivamente conduzir à perfeição, pelo conhecimento da verdade e para os aproximar dele. A felicidade eterna e sem perturbações, eles a encontrarão nessa perfeição. Os Espíritos adquirem, o conhecimento passando pelas provas que Deus lhes impõe. Uns aceitam essas provas com submissão e chegam mais prontamente ao seu destino; outros não conseguem sofrê-las sem lamentação, e assim permanecem, por sua culpa, distanciados da perfeição e da felicidade prometida.
  7. 7. 606. Donde tiram os animais o princípio inteligente que constitui a alma de natureza especial de que são dotados? “Do elemento inteligente universal.” a) - Então, emanam de um único princípio a inteligência do homem e a dos animais? “Sem dúvida alguma, porém, no homem, passou por uma elaboração que a coloca acima da que existe no animal.”
  8. 8. “Em nenhum caso, ser-nos-á lícito subestimar a importância da energia sexual que, na essência, verte da Criação Divina para a constituição e sustentação de todas as criaturas.” Francisco Cândido Xavier pelo Espírito Emmanuel, Vida e sexo, Cap 5 Segundo os orientadores espirituais da associação Médico-espírita de Minas Gerais, a Energia Sexual é a segunda maior força do orbe, perdendo somente para o AMOR, que é a manifestação absoluta do criador
  9. 9. Tudo que lhe forneça alegria de alma e lhe vitalize o sentimento e o afeto. Isso, desde as sensações da erótica até a criatividade no exercício do pensar, passando por todo trabalho útil que promova o progresso e lhe forneça sentido e significado para o existir. Andrei Moreira, Homossexualidade sob a ótica do espírito Imortal , Cap 7, pg 146.
  10. 10. “A sexualidade é fonte de bênçãos, e a relação entre dois seres, quando baseada no respeito e na consideração, é fonte de alegrias revitalizadoras do afeto e da emoção, mantendo o indivíduo conectado com o melhor exercício cocriador.” Andrei Moreira, Homossexualidade sob a ótica do espírito Imortal , Cap 7, pg 149.
  11. 11. 200. Têm sexos os Espíritos “Não como o entendeis, pois que os sexos dependem da organização. Há entre eles amor e simpatia, mas baseados na concordância dos sentimentos.” 201. Em nossa existência, pode o Espírito que animou o corpo de um homem animar o de uma mulher e vice-versa? “Decerto; são os mesmos os Espíritos que animam os homens e as mulheres.” 202. Quando errante, que prefere o Espírito; encarnar no corpo de um homem, ou no de uma mulher? “Isso pouco lhe importa. O que o guia na escolha são as provas por que haja de passar.” Comentário de Allan Kardec Os Espíritos encarnam como homens ou como mulheres, porque não têm sexo. Visto que lhes cumpre progredir em tudo, cada sexo, como cada posição social, lhes proporciona provações e deveres especiais e, com isso, ensejo de ganharem experiência. Aquele que só como homem encarnasse só saberia o que sabem os homens.
  12. 12. HOMEM Limites a Lei na família Racionalidade Objetividade Falam menos Impulsividade agressividade Fora de casa MULHER Ser mãe – Gerar vida Subjetividade Passionalidade Fala mais Mais conciliadora mansa Dentro de casa
  13. 13. 822. Sendo iguais perante a lei de Deus, devem os homens ser iguais também perante as leis humanas? “O primeiro princípio de justiça é este: Não façais aos outros o que não quereríeis que vos fizessem.” a) - Assim sendo, uma legislação, para ser perfeitamente justa, deve consagrar a igualdade dos direitos do homem e da mulher? “Dos direitos, sim; das funções, não. Preciso é que cada um esteja no lugar que lhe compete. Ocupe-se do exterior o homem e do interior a mulher, cada um de acordo com a sua aptidão. A lei humana, para ser equitativa, deve consagrar a igualdade dos direitos do homem e da mulher. Todo privilégio a um ou a outro concedido é contrário à justiça. A emancipação da mulher acompanha o progresso da civilização. Sua escravização marcha de par com a barbaria. Os sexos, além disso, só existem na organização física. Visto que os Espíritos podem encarnar num e noutro, sob esse aspecto nenhuma diferença há entre eles. Devem, por conseguinte, gozar dos mesmos direitos.”
  14. 14. “A vida espiritual pura e simples se rege por afinidades eletivas essenciais; no entanto, através de milênios e milênios, o espirito passa por fileira imensa de reencarnações, ora em posição de feminilidade, ora em condições de masculinidade, o que sedimenta o fenômeno da bissexualidade, mais ou menos pronunciado, em quase todas as criaturas. O homem e a mulher serão, desse modo, de maneira respectiva, acentuadamente masculino ou acentuadamente feminina, sem especificação psicológica absoluta.” Francisco Cândido Xavier pelo Espírito Emmanuel, Vida e Sexo, Cap 21.
  15. 15. “Em certas circunstâncias evolutivas, encarnamos como homem; em outras, como mulher. E, ainda, em determinadas oportunidades de aprendizagem e de renovação, o Espirito pode vir ocupar uma vestimenta corporal oposta à tendência íntima que vivencia. O fenômeno é análogo ao que se refere à área masculina tanto quanto a feminina. Independentemente da forma da sexualidade que estamos vivenciando no presente, procuremos aceitá-la em plenitude, visto que há sempre, em qualquer condição, a oportunidade de adquirimos experiências e, por consequência, progredirmos espiritualmente, vencendo desafios e promovendo realizações. Devemos, assim, viver em paz com nossa experiência sexual atual, valorizando nosso aprendizado e, em tempo algum, culpar- nos ou atribuir culpa a alguém” Francisco do Espirito Santo Neto e Espírito Hammed, As dores da alma, pg 54. Como agir na experiência homossexual
  16. 16. “A pior situação que podemos viver é passar toda uma existência sem nos dar o devido amor e respeito, fazendo coisas completamente diferentes do que sentimos. Se não nos aceitarmos, quem nos aceitará? Se nós não nos amarmos, quem nos amará? Somente optando pelo autorespeito é que conseguiremos o respeito alheio.” Francisco do Espirito Santo Neto e Espírito Hammed, Os prazeres da alma, pg 69. AUTOACEITAÇÃO
  17. 17. Consequência natural do reflexo mental e emocional na vivência no mesmo sexo por muitas encarnações Condição facilitadora da execução da missão espiritual Situação provacional e expiacional decorrente do abuso das faculdades genésicas e do sentimento alheio Reflexo mental condicionado decorrente de situações obsessivas Condição reativa decorrente do processo educacional atual e/ou de traumas infantoadolescentes
  18. 18. “(...) pode ocorrer que o espírito percorra uma série de existências num mesmo sexo, o que faz que, durante muito tempo, ele possa conservar, no estado de espirito, o caráter de homem ou mulher do qual a marca permaneceu nele. Não é senão o que ocorre a um certo grau de adiantamento e desmaterialização que a influência da matéria se apaga completamente, e com ela o caráter dos sexos.” “(...) Mudando de sexo, poderá, pois, sob essa impressão e em sua nova encarnação, conservar os gostos, as tendências e o caráter inerente ao sexo que acaba de deixar. Assim se explicam certas anomalias aparentes que se notam no caráter de certos homens e de certas mulheres” Allan Kardec, Revista Espírita, 1866 (janeiro) p.7. 1. Consequência natural do reflexo mental e emocional na vivência no mesmo sexo por muitas encarnações
  19. 19. “A face disso, a individualidade em trânsito, da experiência feminina para a masculina ou vice versa, ao envergar o casulo físico, demonstrará fatalmente os traços da feminilidade em que terá estagiado por muitos séculos, em que pese ao corpo de formação masculina que o segregue, verificando-se análogo processo com referência à mulher nas mesmas circunstâncias. Obviamente compreensível, em vista do exposto, que o Espírito no renascimento, entre os homens, pode tomar um corpo feminino ou masculino, não apenas atendendo-se ao imperativo de encargos particulares em determinado setor de ação, como também no que concerne a obrigações regenerativas.” Chico Xavier ditado por André Luiz, Vida e Sexo, Cap 21.
  20. 20. “Nessa definição, porém, não incluímos os grandes corações e os belos caracteres que, em muitas circunstâncias, reencarnam em corpos que lhes não correspondem aos mais recônditos sentimentos, posição solicitada por eles próprios, no intuito de operarem com mais segurança e valor, não só o acrisolamento moral de si mesmos, como também a execução de tarefas especializadas, através de estágios perigosos de solidão, em favor do campo social terrestre que se lhes vale da renúncia construtiva para acelerar o passo no entendimento da vida e no progresso espiritual.” Chico Xavier ditado por André Luiz, Ação e Reação, Cap XV 2. Condição facilitadora da execução da missão espiritual
  21. 21. E, ainda, em muitos outros casos, Espíritos cultos e sensíveis, aspirando a realizar tarefas específicas na elevação de agrupamentos humanos e, consequentemente, na elevação de si próprios, rogam dos Instrutores da Vida Maior que os assistem a própria internação no campo físico, em vestimenta carnal oposta à estrutura psicológica pela qual transitoriamente se definem. Escolhem com isso viver temporariamente ocultos na armadura carnal, com o que se garantem contra arrastamentos irreversíveis, no mundo afetivo, de maneira a perseverarem, sem maiores dificuldades, nos objetivos que abraçam. Chico Xavier ditado por Emmanuel, Vida e Sexo, Cap 19
  22. 22. “...À mulher criminosa que, depois de arrastar o homem à devassidão e à delinquência, cria para si mesma terrível alienação mental para além do sepulcro, requisitando, quase sempre, a internação em corpo masculino, a fim de que, nas teias do infortúnio de sua emotividade, saiba edificar no seu ser o respeito que deve ao homem, perante o Senhor.” Chico Xavier ditado por André Luiz, Ação e Reação, Cap 15 3. Situação provacional e expiacional decorrente do abuso das faculdades genésicas e do sentimento alheio
  23. 23. “...em muitas ocasiões, quando o homem tiraniza a mulher, furtando-lhe os direitos e cometendo abusos, em nome de sua pretensa superioridade, desorganiza-se ele próprio a tal ponto que, inconsciente e desequilibrado, é conduzido pelos agentes da Lei Divina a renascimento doloroso, em corpo feminino, para que, no extremo desconforto íntimo, aprenda a venerar na mulher sua irmã e companheira, filha e mãe, diante de Deus...” Chico Xavier ditado por André Luiz, Ação e Reação, Cap 15
  24. 24. “... O homem que abusou das faculdades genésicas, arruinando a existência de outras pessoas com a destruição de uniões construtivas e lares diversos, em muitos casos é induzido a buscar nova posição, no renascimento físico, em corpo morfologicamente feminino, aprendendo, em regime de prisão, a reajustar os próprios sentimentos, e a mulher que agiu de igual modo é impulsionada à reencarnação em corpo morfologicamente masculino, com idênticos fins....” Chico Xavier ditado por Emmanuel, Vida e Sexo, Cap 21.
  25. 25.  Sabemos que o processo nocivo é a influência nociva e recíproca de duas mentes, encarnadas ou desencarnadas, determinado pela afinidade e sintonia nos aspectos menos positivos da vida.  Em psicografia os espíritos esclareceram que espíritos que vivenciam longo processo de simbiose mental e emocional, como a dos processos obsessivos, podem acabar por incorporar o desejo afetivo-sexual do espirito ao qual estão ou estiveram profundamente vinculados, experimentando uma influência em seu interesse afetivo-sexual, sendo a homossexualidade uma das possibilidades de vivência nesse caso.  Uma vez compreendida a vivência da bissexualidade psíquica, apresentada por Emmanuel, como decorrente do processo evolutivo, fica fácil compreender que a simbiose mental e emocional pode ser um gatilho que desperte núcleos psíquicos e afetivos adormecidos no espirito decorrentes de sua vivências transatas nos diferentes sexos. 4. Reflexo mental condicionado decorrente de situações obsessivas
  26. 26. 5. Condição reativa decorrente do processo educacional atual e/ou de traumas infantoadolescentes São as questões apontadas pela psicologia decorrentes das relações entre pais e filhos que podem ser causadoras desse estado. • Complexo de édipo mal resolvido • Agressão e violências na infância • Abusos sexuais
  27. 27. BEM-AVENTURADOS OS QUE SÃO MISERICORDIOSOS 1. Bem-aventurados os que são misericordiosos, porque obterão misericórdia. (S. MATEUS, cap. V, v. 7.). 2. Como é que vedes um argueiro no olho do vosso irmão, quando não vedes uma trave no vosso olho? - Ou, como é que dizeis ao vosso irmão: Deixa-me tirar um argueiro ao teu olho, vós que tendes no vosso uma trave? - Hipócritas, tirai primeiro a trave ao vosso olho e depois, então, vede como podereis tirar o argueiro do olho do vosso irmão. (S. MATEUS, cap. VII, vv. 3 a 5.). 3. Não julgueis, a fim de não serdes julgados; - porquanto sereis julgados conforme houverdes julgado os outros; empregar-se-á convosco a mesma medida de que voz tenhais servido para com os outros. (S. MATEUS, cap. VII, vv. 1 e 2.) 4. Então, os escribas e os fariseus lhe trouxeram uma mulher que fora surpreendida em adultério e, pondo-a de pé no meio do povo, - disseram a Jesus: “Mestre, esta mulher acaba de ser surpreendida em adultério; - ora, Moisés, pela lei, ordena que se lapidem as adúlteras. Qual sobre isso a tua opinião?” - Diziam isto para o tentarem e terem de que o acusar. Jesus, porém, abaixando-se, entrou a escrever na terra com o dedo. - Como continuassem a interrogá-lo, ele se levantou e disse: “Aquele dentre vós que estiver sem pecado, atire a primeira pedra.” - Em seguida, abaixando-se de novo, continuou a escrever no chão. - Quanto aos que o interrogavam, esses, ouvindo-o falar daquele modo, se retiraram, um após outro, afastando-se primeiro os velhos. Ficou, pois, Jesus a sós com a mulher, colocada no meio da praça. Então, levantando-se, perguntou-lhe Jesus: “Mulher, onde estão os que te acusaram? Ninguém te condenou?” - Ela respondeu: “Não, Senhor.” Disse-lhe Jesus: “Também eu não te julgo. Vá e não peques mais.”
  28. 28. Ser MISERICORDIOSO (aceitar a sua condição e a dos outros) Não OLHEM para os OUTROS, mas antes para si mesmo Não JULGAR (Ninguém em nenhuma condição) Não CONDENEM ninguém, nós não somos inocentes nem puros
  29. 29. O que mede o caráter de um espírito não é a opção sexual, mas suas atitudes. Se somos Cristãos, nosso exemplo é o Cristo. Jesus é base e modelo. Amor, Respeito, Tolerância e Inclusão
  30. 30. Gratos pela paciência Obrigado de todo coração

×