SlideShare uma empresa Scribd logo
A DANÇA E SUA CARACTERÍSTICA SAGRADA
Marta Claus Magalhães
Graduada em Filosofia pela UFSJ – Universidade Federal de São João del -Rei, Pós - graduada em Filosofia Clínica pelo
Instituto Packter – Porto Alegre. Especialista em Dança Clássica pela Royal Acad emy of Dancing of London

Resumo: A dança e sua característica sagrada pretende mostrar, através de uma abordagem histór ica, que a Dança, hoje considerada uma das artes mais complexas, está presente na vida do homem desde os
períodos mais remotos e sua or igem foi como ato sagrado. O trabalho ora apresentado se preocupa em resg atar o valor do movimento do corpo como parte da vida cotidiana do homem e não como se considera na atual idade, uma arte, uma diversão ou mesmo um recurso para manter ou realçar a bel eza do corpo. Trata -se de
uma abordagem inicial e parcial sobre o tema que nos remete à necess idade de estudos mais aprofundados
tanto pelo ponto de vista historiográfico quanto pelo filosófico.
Palavras-chave: Dança, Deuses, Ato Sagrado.

A

Dança pode ser considera como uma arte das mais complexas. Para m apeá-la é
preciso que se volte no tempo, visto que os primeiros registros de movime ntos do
corpo – de expressões corporais – datam de 14.000 anos atrás. Historiadores que

tanto se ocuparam com a época pré-histórica, de forma global, deixaram em plano infer ior a questão
do movimento corporal usado na época. Só no séc XX, época em que a D ança passa a ser pesquisada como uma das mais importantes man ifestações do homem em aspectos sociais, rel igiosos,
culturais, entre outros, é que o estudo sobre o tema começou a ser aprofund ado, utilizando-se de
documentos iconográficos para mapear tanto a sua origem como a sua função.
O homem pré-histórico, da era Paleolítica, era predador. A sua subsistência era mantida através de caça, pesca e coleta. O homem era lançado ao destino e os animais, objetos de sua caça e
difíceis de serem vencidos, condici onavam a sua sobrevivência fornecendo o alimento, a pele para
sua roupa e os chifres para a manufatura de instrume ntos. O homem Paleolítico vivia em função dos
animais e, portanto, a sua Dança se referia a eles. Supõem-se através dos registros, ainda em núm ero pouco significativo, que sua Dança era um ato ritual. Figuras encontradas nas paredes de cave rnas e grutas, que datam de até 1000 anos, podem representar ancestrais de dançarinos. Um exe mplo disso é a figura encontrada na parede da gruta Gabillou na Dordonha, perto de Mussidan , na
França.
“A silhueta gravada de um personagem visto de perfil, de cerca de trinta centíme tros de altura. A cabeça e o
corpo estão cobertos por pele de bisão. As pernas, sem qualquer dúvida humanas, indicam uma espécie de
salto no lugar. O ângulo do torso com as pernas é de vinte e cinco a trinta graus”.

1

1

BOURCIER, Paul. História da Dança no Ocidente. In: Opus 86. Marina Appenzeller (Trad.). São Paulo: Martins Fontes, 1987. 340 p.
“Existência e Arte”- Revista Eletrônica do Grupo PET - Ciências Humanas, Estética e Artes da
Universidade Federal de São João Del-Rei - Ano I - Número I – janeiro a dezembro de 2005
CLAUS, Marta

2

Uma outra figura, na gruta de Trois -Frères, que se encontra próxima a Montesquiou -Avantes,
também na França, apesar de se encontrar isolada de outras representações, nos mostra além dos
movimentos, vestimentas que nos sugerem o caráter da dança que não difere do caráter sagrado
que ela tem nos dia de hoje. O sentido de sagrado aqui atribuído é o de consagração: ato ou efeito
de consagrar algo através de uma cerimônia, de um ato cerimonial de sagr ação; logo, a Dança leva e
eleva os homens a um plano superior a si mesmos. Através de giros em to rno de si entram em êxt ase e acreditam se comunicar com os espíritos.
Inúmeras outras figuras, em cavernas, objetos de uso diário e artesanias, além de documentos
da época, nos mostram que a dança no período Paleolítico mostra -se como um ato ritual que coloca
quem a executa em estado de transe. Animais, vestimentas especiais e máscaras também faziam
parte do ato ritual. A máscara , por sua vez, permanece até meados do século XVIII quando então é
substituída pela maquiagem. Contudo, em muitos lugares, como n o oriente médio por exemplo, ainda
hoje se usam máscaras e maquiagem em danças rituais.
Na Pré-história, em seu período Neolítico, o homem passa de predador a produtor. Aprende a
criar animais e a plantar, pensa a partir daí ser dono de seu destino. Começ a a se agrupar formando
cidades, cada qual com sua divindade protetora e cada grupo com seu próprio ritual, com a sua da nça. Mais tarde, com os movimentos migratórios – que se tornam significativos a partir do Séc. V a.C.
– o uso dos metais e a cultura vinda de outros povos, o homem modifica seus costumes e parte em
busca de um pensamento racional. Com isso , a Dança, antes de caráter ritual, de participação, passa
a culto de relação e, sem colocar o dançarino em transe , passa de ritual a cerimonial. Esta ca racterística fica bastante evidente quando nos reportamos à Grécia Arcaica, berço do pensamento filosóf ico e da civilização Ocidental.
É possível mapear de forma satisfatória, embora não exata ou definitiva, as Danças praticadas
na cultura grega, pois se fez presente desde sempre. A Dança na cultura grega fazia parte do cotid iano dos homens. Estava nos ritos religiosos, nas cerimônias cívicas, nas festas, fazia parte da ed ucação das crianças, do treinamento militar. Mas teve sua primeira manifestação como ato ritual, cerimonial.
O primeiro filósofo a fazer referência sobre a dança em sua obra foi Platão, mas por um ponto
de vista filosófico e não de quem está investigando a historia, pois afirma exi stir a dança de beleza e
a dança de figura (Leis I). Já o historiador Paul Bourcier, na obra A História da Dança no Ocidente,
sugere que se deve captar a dinâmica da dança grega, sua elaboração original, sua evolução em
função das transformações culturais e do contexto sócio -político e não apenas pelo ponto de vi sta da
beleza e da figura.
Ladeando mais um pouco a origem da dança na Grécia Arcaica ou antiga, pode -se afirmar,
segundo as narrativas lendárias dos poetas, que a mesma nasceu em Creta. Consoante Homero 2, a
dança foi ensinada aos mortais pelos deuses par a que aqueles os honrassem e os alegrassem; foi

2

Poeta grego considerado fundador da poesia épica. Dicionário de Mitologia Greco-Romana. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 93.
“Existência e Arte”- Revista Eletrônica do Grupo PET - Ciências Humanas, Estética e Artes da
Universidade Federal de São João Del-Rei - Ano I - Número I – janeiro a dezembro de 2005
A Dança e sua característica sagrada

3

3

em honra ao deus Dionísio que apareceram os primeiros grupos de dança e foram compostos os
primeiros Ditirambos 4. As pessoas que participavam dos Ditirambos travest iam-se em Sátiro, semideus representado por um ser meio homem meio animal, que durante o ritual evocava o deus ca ntando e dançando. Os gregos consideravam a Dança como dom dos imortais e como um meio de
comunicação entre os homens e os deuses. Vários autores e filósofos clássicos consideram que as
características dos deuses eram a ordem e o ritmo e que estas eram também caract erísticas das
Danças em seu louvor. Logo, não havia celebr ação sem Dança, pois esta era o melhor meio de se
agradar, honrar e alegrar um deus.
Sócrates, um dos grandes filósof os gregos, através de Platão em Leis VII, considerou a Dança
como a atividade que formava o cidadão por completo. A Dança daria propo rções corretas ao corpo,
seria fonte de boa saúde, além de ser ótima maneira de reflexão estética e filosófica, o que a faz ganhar espaço na educação grega. O homem grego não separava o corpo do espírito e acreditava que
o equilíbrio entre ambos que lhe trazia o conhecimento e a sabedoria.
A dança, como um ato sagrado, como um rito, era manifestada em lugares definidos como o s
templos, por exemplo, e também em manifestações específicas em que os sacerdotes a praticavam
para invocar o auxilio dos deuses ou para lhes agradecer. Os deuses eram invocados pelas danças
nas situações mais diversas como nascimentos, casamentos, mortes , guerras, colheitas e muitos
outros. Essas Danças em homenagem aos deuses pouco a pouco foram adquirindo um conjunto de
passos, gestos próprios para cada deus a ser invocado e cada situação – o que hoje denominamos
coreografia.
Mais tarde, com a introdução da busca do pensamento racional, o significado religioso da Da nça foi substituído pela Dança de congregação, de sagração . Eram praticadas em momentos de importância na vida dos cidadãos, como festas coletivas, ocasiões de guerras em diversas regiões da
Ásia e da Europa Oriental. Na Grécia, a Dança de sagração fazia parte do cotidiano, havia as de cu lto, festas e que geralmente se relacionavam com cultos florais, primaveris, e era praticada por j ovens. Um exemplo é a Dança das Ergastinas, jovens que eram encarregadas de fiar a lã para ofer ecer a Atena. Carregavam enormes cestas com flores e com a lã para fiar. Entre as Danças cotidianas
podemos citar a de Banquete. Era realizada por uma bailarina profissional (assim considerada por
fazer uso de técnica) e tinha o acompanhamento de tocadores de aulos (espécie de flauta doce). As
Danças de Banquete eram provocantes e muitas vezes faziam uso de acrobacias. As bailarinas tr ajavam roupas especiais que deixassem à mostra partes pudicas do corpo, como seios, coxas e nádegas.
Algumas das técnicas da Dança dos gregos sobrevive até hoje, uma delas é a meia ponta ou
relevé 5 absorvido pelo balé de corte e mais tarde pela técnica clássica. Muitos documentos de época

3

Deus do vinho e da embreaguês, da colheita e da fertilidade. Os gregos o cons ideram como protetor das belas-artes, em particular do
teatro, originado nas representações que faziam por ocasião das festas em honra ao deus. Id.,Ibid., p. 21.
4
Gênero poético grego composto por canto de cunho religioso em honra ao deus Dionísio e que deu origem a tragédia grega.
5
Em coreografia é o movimento a partir da posição dos pés rentes ao chão, que permite à dançarina ficar nas pontas (meia ponta para os
dançarinos) e retomar sua posição inicial.
“Existência e Arte”- Revista Eletrônica do Grupo PET - Ciências Humanas, Estética e Artes da
Universidade Federal de São João Del-Rei - Ano I - Número I – janeiro a dezembro de 2005
CLAUS, Marta

4

podem dar alguma noção sobre a técnica usada pelos gr egos. Existem textos de autores clássicos,
figuras orquésticas pintadas ou desenhadas em vasos e escritos de comentadores. Esses docume ntos, quando estudados, podem sugerir que os gregos procuravam uma harmonia, uma simetria, um
equilíbrio natural ao usare m a meia ponta ou o relevé. Os registros e documentos sugerem também
não haver movimentos livres, mas de gênero e m ímica determinada e com um fim específico. Gestos
mimétricos, como os de mãos estendidas horizontalmente ao chão significava tristeza, e algu ns nomes de danças como aletés, (corrida) e danças que imitavam animais como a da dança da coruja
(glaux) também aprecem com freqüência em d ocumentos da época.
Não nos passa despercebido que nessa época histór ica, precedente à Idade Média, havia
Dança também entre os Etruscos e os Romanos. Entre os Etruscos só se tem referência sobre a
Dança através de representações, pois não há, até hoje, conhecimento de textos escritos. Mas p odemos perceber, que recebeu forte influência dos gregos desde o Séc. VII a.C., pelas representações em que aparecem indícios de danças guerreiras, dionisíacas, de Banquete, entre outras. Sabese que a Dança Etrusca era em tempo rápido, ritmada e acompanhada por aulos e liras. As representações, a maioria encontradas em túmulos, most ram gestos específico de braços e pernas e ge stos de quiromonia, ou seja, movimentos harmônicos entre gestos e discursos, na mímica antiga. E ntretanto tais representações não são claras quanto ao sentido das Danças, o que até hoje , parece
ser uma incógnita.
Entre os Romanos, a Dança parecia ter um sentido mais claro e específico: Reis, República e
Império. Do séc. VII ao Séc. VI a.C., época dos Reis, Roma foi dominada pelos Etruscos; assim, as
Danças eram de origem agrária. Mas, podemos destacar também as danças guerreiras (costume
entre os Salinos) celebradas amplamente durante a primavera, e em honra a Marte, deus da guerra,
ou seja, ainda era uma Dança sagrada.
Contudo, desde o início da época da República, a influência dos Helenos predominou em R oma. As origens religiosas da Dança foram esquecidas e a mesma passou a ter um cunho recreativo,
colocada em plano inferior, e várias escolas de Dança encerraram suas atividades. Durante a época
do Império, a Dança volta à cena triunfante, mas c omo jogos de circo e atribuída a cortesãs, quando
a indecência é repudiada pela Igreja Católica. Assim, nos afastamos da Dança como ato sagrado
com intuito de cultuar os deuses e entendemos a sentença de anátema lançada pela Igreja e que
será sentida durante quase toda a Idade Média.

Referências bibliográficas:
BOURCIER, Paul. História da Dança no Ocidente. In: Opus 86. Marina Appenzeller (Trad.). São Paulo: Martins
Fontes, 1987. 340 p.
CHAUI, Marilena. Introdução à História da Filosofia. Vol I. São Paulo: Brasiliensae. 1 ed. 1994. 390 p.
Dicionário de Mitologia Greco -Romana. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 93.
FARO, Antonio José. Pequena História da Dança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1986. 150 p.
MICHAUT, Pierre. História do Ballet. In: Coleção “Saber Atual” . Maria Manuela Gouveia Antunes (Trad.). São
Paulo: Difusão E uropéia do Livro. 128 p.

“Existência e Arte”- Revista Eletrônica do Grupo PET - Ciências Humanas, Estética e Artes da
Universidade Federal de São João Del-Rei - Ano I - Número I – janeiro a dezembro de 2005

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História da Dança
História da DançaHistória da Dança
História da Dança
bbpn
 
Dança
DançaDança
O que é a dança contemporânea
O que é a dança contemporâneaO que é a dança contemporânea
O que é a dança contemporânea
Francisco Barão
 
DançA
DançADançA
DançA
martinsramon
 
Projeto historia da dança
Projeto historia da dançaProjeto historia da dança
Projeto historia da dança
Rosilea10
 
Dança na pré-história
Dança na pré-história Dança na pré-história
Dança na pré-história
Geanny Francyele
 
A Origem Da DançA
A Origem Da DançAA Origem Da DançA
A Origem Da DançA
martinsramon
 
A dança como resgate cultural
A dança como resgate cultural A dança como resgate cultural
A dança como resgate cultural
Naiá Covas
 
Conceito de dança Professor Rodrigo Costa
Conceito de dança Professor Rodrigo CostaConceito de dança Professor Rodrigo Costa
Conceito de dança Professor Rodrigo Costa
RODRIGO COSTA DE LIMA
 
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃODANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
VIVIAN TROMBINI
 
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEADANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
VIVIAN TROMBINI
 
A dança através da pintura
A dança através da pinturaA dança através da pintura
A dança através da pintura
Luiz Carlos Dias
 
Danca e pintura
Danca e pinturaDanca e pintura
Danca e pintura
Jose Santos
 
Adancaatravesdapintura
AdancaatravesdapinturaAdancaatravesdapintura
Adancaatravesdapintura
Beatris Lopes
 
Danca A Traves Da Pintura
Danca A Traves Da PinturaDanca A Traves Da Pintura
Danca A Traves Da Pintura
adam eva
 
A Danca Atraves Da Pintura
A Danca Atraves Da PinturaA Danca Atraves Da Pintura
A Danca Atraves Da Pintura
Joaquim Almeida
 
A Danca Atraves Da Pintura
A Danca Atraves Da PinturaA Danca Atraves Da Pintura
A Danca Atraves Da Pintura
cab3032
 
A dança através dos tempos
A dança através dos temposA dança através dos tempos
A dança através dos tempos
José Marques
 
201004261420historiadadanca
201004261420historiadadanca201004261420historiadadanca
201004261420historiadadanca
Maria Manuel
 

Mais procurados (19)

História da Dança
História da DançaHistória da Dança
História da Dança
 
Dança
DançaDança
Dança
 
O que é a dança contemporânea
O que é a dança contemporâneaO que é a dança contemporânea
O que é a dança contemporânea
 
DançA
DançADançA
DançA
 
Projeto historia da dança
Projeto historia da dançaProjeto historia da dança
Projeto historia da dança
 
Dança na pré-história
Dança na pré-história Dança na pré-história
Dança na pré-história
 
A Origem Da DançA
A Origem Da DançAA Origem Da DançA
A Origem Da DançA
 
A dança como resgate cultural
A dança como resgate cultural A dança como resgate cultural
A dança como resgate cultural
 
Conceito de dança Professor Rodrigo Costa
Conceito de dança Professor Rodrigo CostaConceito de dança Professor Rodrigo Costa
Conceito de dança Professor Rodrigo Costa
 
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃODANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
DANÇA CLÁSSICA E DANÇA DE SALÃO
 
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEADANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
 
A dança através da pintura
A dança através da pinturaA dança através da pintura
A dança através da pintura
 
Danca e pintura
Danca e pinturaDanca e pintura
Danca e pintura
 
Adancaatravesdapintura
AdancaatravesdapinturaAdancaatravesdapintura
Adancaatravesdapintura
 
Danca A Traves Da Pintura
Danca A Traves Da PinturaDanca A Traves Da Pintura
Danca A Traves Da Pintura
 
A Danca Atraves Da Pintura
A Danca Atraves Da PinturaA Danca Atraves Da Pintura
A Danca Atraves Da Pintura
 
A Danca Atraves Da Pintura
A Danca Atraves Da PinturaA Danca Atraves Da Pintura
A Danca Atraves Da Pintura
 
A dança através dos tempos
A dança através dos temposA dança através dos tempos
A dança através dos tempos
 
201004261420historiadadanca
201004261420historiadadanca201004261420historiadadanca
201004261420historiadadanca
 

Destaque

Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
vaniareginahistoria1
 
Arte romana
Arte romana Arte romana
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
guestcf1461dc
 
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e BarrocoMúsica, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Gabriel Resende
 
Antiguidade Clássica
Antiguidade ClássicaAntiguidade Clássica
Antiguidade Clássica
raphaelguilherme
 
Historia da arte - período da antiguidade - resumo
Historia da arte - período da antiguidade - resumoHistoria da arte - período da antiguidade - resumo
Historia da arte - período da antiguidade - resumo
Andrea Dressler
 
TEDx Manchester: AI & The Future of Work
TEDx Manchester: AI & The Future of WorkTEDx Manchester: AI & The Future of Work
TEDx Manchester: AI & The Future of Work
Volker Hirsch
 

Destaque (7)

Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
 
Arte romana
Arte romana Arte romana
Arte romana
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e BarrocoMúsica, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
 
Antiguidade Clássica
Antiguidade ClássicaAntiguidade Clássica
Antiguidade Clássica
 
Historia da arte - período da antiguidade - resumo
Historia da arte - período da antiguidade - resumoHistoria da arte - período da antiguidade - resumo
Historia da arte - período da antiguidade - resumo
 
TEDx Manchester: AI & The Future of Work
TEDx Manchester: AI & The Future of WorkTEDx Manchester: AI & The Future of Work
TEDx Manchester: AI & The Future of Work
 

Semelhante a 3 danca na antiguidade

420091014164533 linha do tempo historia da danca
420091014164533 linha do tempo   historia da danca420091014164533 linha do tempo   historia da danca
420091014164533 linha do tempo historia da danca
Gabriela Gontijo
 
A Dança como elemento de cultura e prática ritual
A Dança como elemento de cultura e prática ritualA Dança como elemento de cultura e prática ritual
A Dança como elemento de cultura e prática ritual
Hca Faro
 
Complexo de dança Guarulhos
Complexo de dança GuarulhosComplexo de dança Guarulhos
Complexo de dança Guarulhos
Nathéssia Marques
 
Dança ,corpo em acção
Dança ,corpo em acçãoDança ,corpo em acção
Dança ,corpo em acção
Carla Silva
 
Artes
ArtesArtes
Dança 1 ano.pptx
Dança 1 ano.pptxDança 1 ano.pptx
Dança 1 ano.pptx
CarolinaMagalhes54
 
O que é teatro
O que é teatroO que é teatro
Sagradas
SagradasSagradas
Sagradas
Rafael Almeida
 
Artigo-História da Música
Artigo-História da MúsicaArtigo-História da Música
Artigo-História da Música
joohnfer
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
joohnfer
 
A cultura grega
A cultura gregaA cultura grega
A cultura grega
Célio Alves de Moura
 
Danças nacionais populares joana
Danças nacionais populares joanaDanças nacionais populares joana
Danças nacionais populares joana
Jorge Luiz Queiroz
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
Thaissa Melo Freires
 
Trabalho final antropologia imagem
Trabalho final antropologia imagemTrabalho final antropologia imagem
Trabalho final antropologia imagem
José Marques
 
Curso de historia da arte
Curso de historia da arteCurso de historia da arte
Curso de historia da arte
Wanderson Amaral
 
A Origem Do Teatro
A Origem Do TeatroA Origem Do Teatro
A Origem Do Teatro
martinsramon
 
Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas   Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas
Andrea Dressler
 
Música mais um pouco de história
Música   mais um pouco de históriaMúsica   mais um pouco de história
Música mais um pouco de história
Dimithry Sousa
 
Historia geral-das-religioes-karina-bezerra
Historia geral-das-religioes-karina-bezerraHistoria geral-das-religioes-karina-bezerra
Historia geral-das-religioes-karina-bezerra
Sandra Helena
 
A religiao e a cultura na grecia antiga
A religiao e a cultura na grecia antigaA religiao e a cultura na grecia antiga
A religiao e a cultura na grecia antiga
putomiguel
 

Semelhante a 3 danca na antiguidade (20)

420091014164533 linha do tempo historia da danca
420091014164533 linha do tempo   historia da danca420091014164533 linha do tempo   historia da danca
420091014164533 linha do tempo historia da danca
 
A Dança como elemento de cultura e prática ritual
A Dança como elemento de cultura e prática ritualA Dança como elemento de cultura e prática ritual
A Dança como elemento de cultura e prática ritual
 
Complexo de dança Guarulhos
Complexo de dança GuarulhosComplexo de dança Guarulhos
Complexo de dança Guarulhos
 
Dança ,corpo em acção
Dança ,corpo em acçãoDança ,corpo em acção
Dança ,corpo em acção
 
Artes
ArtesArtes
Artes
 
Dança 1 ano.pptx
Dança 1 ano.pptxDança 1 ano.pptx
Dança 1 ano.pptx
 
O que é teatro
O que é teatroO que é teatro
O que é teatro
 
Sagradas
SagradasSagradas
Sagradas
 
Artigo-História da Música
Artigo-História da MúsicaArtigo-História da Música
Artigo-História da Música
 
História da Música
História da MúsicaHistória da Música
História da Música
 
A cultura grega
A cultura gregaA cultura grega
A cultura grega
 
Danças nacionais populares joana
Danças nacionais populares joanaDanças nacionais populares joana
Danças nacionais populares joana
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Trabalho final antropologia imagem
Trabalho final antropologia imagemTrabalho final antropologia imagem
Trabalho final antropologia imagem
 
Curso de historia da arte
Curso de historia da arteCurso de historia da arte
Curso de historia da arte
 
A Origem Do Teatro
A Origem Do TeatroA Origem Do Teatro
A Origem Do Teatro
 
Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas   Origem das Manifestações Artísticas
Origem das Manifestações Artísticas
 
Música mais um pouco de história
Música   mais um pouco de históriaMúsica   mais um pouco de história
Música mais um pouco de história
 
Historia geral-das-religioes-karina-bezerra
Historia geral-das-religioes-karina-bezerraHistoria geral-das-religioes-karina-bezerra
Historia geral-das-religioes-karina-bezerra
 
A religiao e a cultura na grecia antiga
A religiao e a cultura na grecia antigaA religiao e a cultura na grecia antiga
A religiao e a cultura na grecia antiga
 

Mais de Amanda Cardoso

Slides de aulas 2 semestre de 2013
Slides de aulas   2 semestre de 2013Slides de aulas   2 semestre de 2013
Slides de aulas 2 semestre de 2013
Amanda Cardoso
 
Saude1
Saude1Saude1
Saude1
Saude1Saude1
Saude
SaudeSaude
Corpo, saúde e beleza
Corpo, saúde e belezaCorpo, saúde e beleza
Corpo, saúde e beleza
Amanda Cardoso
 
19 história da política educacional no brasil império (2)
19 história da política educacional no brasil império (2)19 história da política educacional no brasil império (2)
19 história da política educacional no brasil império (2)
Amanda Cardoso
 
16 educação de meninas no final do xix
16    educação de meninas no final do xix16    educação de meninas no final do xix
16 educação de meninas no final do xix
Amanda Cardoso
 
15 a população negra na educação brasileira
15   a população negra na educação brasileira15   a população negra na educação brasileira
15 a população negra na educação brasileira
Amanda Cardoso
 
13 surgimento do-esporte_moderno
13   surgimento do-esporte_moderno13   surgimento do-esporte_moderno
13 surgimento do-esporte_moderno
Amanda Cardoso
 
13 surgimento do-esporte_moderno
13   surgimento do-esporte_moderno13   surgimento do-esporte_moderno
13 surgimento do-esporte_moderno
Amanda Cardoso
 
12 rousseau e a educação do corpo
12 rousseau e a educação do corpo12 rousseau e a educação do corpo
12 rousseau e a educação do corpo
Amanda Cardoso
 
10 meninos e meninas - expectativas corporais -
10   meninos e meninas -  expectativas corporais -10   meninos e meninas -  expectativas corporais -
10 meninos e meninas - expectativas corporais -
Amanda Cardoso
 
9 historia do esporte moderno marcelo proni
9 historia do esporte moderno marcelo proni  9 historia do esporte moderno marcelo proni
9 historia do esporte moderno marcelo proni
Amanda Cardoso
 
7 constituição da teorias pedagogicas
7  constituição da teorias pedagogicas7  constituição da teorias pedagogicas
7 constituição da teorias pedagogicas
Amanda Cardoso
 
6 gladiadores romanos
6   gladiadores romanos6   gladiadores romanos
6 gladiadores romanos
Amanda Cardoso
 
5 gladiadores e representações
5   gladiadores e representações5   gladiadores e representações
5 gladiadores e representações
Amanda Cardoso
 
4 dossie da vida dos gladiadores
4   dossie da vida dos gladiadores4   dossie da vida dos gladiadores
4 dossie da vida dos gladiadores
Amanda Cardoso
 

Mais de Amanda Cardoso (17)

Slides de aulas 2 semestre de 2013
Slides de aulas   2 semestre de 2013Slides de aulas   2 semestre de 2013
Slides de aulas 2 semestre de 2013
 
Saude1
Saude1Saude1
Saude1
 
Saude1
Saude1Saude1
Saude1
 
Saude
SaudeSaude
Saude
 
Corpo, saúde e beleza
Corpo, saúde e belezaCorpo, saúde e beleza
Corpo, saúde e beleza
 
19 história da política educacional no brasil império (2)
19 história da política educacional no brasil império (2)19 história da política educacional no brasil império (2)
19 história da política educacional no brasil império (2)
 
16 educação de meninas no final do xix
16    educação de meninas no final do xix16    educação de meninas no final do xix
16 educação de meninas no final do xix
 
15 a população negra na educação brasileira
15   a população negra na educação brasileira15   a população negra na educação brasileira
15 a população negra na educação brasileira
 
13 surgimento do-esporte_moderno
13   surgimento do-esporte_moderno13   surgimento do-esporte_moderno
13 surgimento do-esporte_moderno
 
13 surgimento do-esporte_moderno
13   surgimento do-esporte_moderno13   surgimento do-esporte_moderno
13 surgimento do-esporte_moderno
 
12 rousseau e a educação do corpo
12 rousseau e a educação do corpo12 rousseau e a educação do corpo
12 rousseau e a educação do corpo
 
10 meninos e meninas - expectativas corporais -
10   meninos e meninas -  expectativas corporais -10   meninos e meninas -  expectativas corporais -
10 meninos e meninas - expectativas corporais -
 
9 historia do esporte moderno marcelo proni
9 historia do esporte moderno marcelo proni  9 historia do esporte moderno marcelo proni
9 historia do esporte moderno marcelo proni
 
7 constituição da teorias pedagogicas
7  constituição da teorias pedagogicas7  constituição da teorias pedagogicas
7 constituição da teorias pedagogicas
 
6 gladiadores romanos
6   gladiadores romanos6   gladiadores romanos
6 gladiadores romanos
 
5 gladiadores e representações
5   gladiadores e representações5   gladiadores e representações
5 gladiadores e representações
 
4 dossie da vida dos gladiadores
4   dossie da vida dos gladiadores4   dossie da vida dos gladiadores
4 dossie da vida dos gladiadores
 

Último

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 

Último (20)

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 

3 danca na antiguidade

  • 1. A DANÇA E SUA CARACTERÍSTICA SAGRADA Marta Claus Magalhães Graduada em Filosofia pela UFSJ – Universidade Federal de São João del -Rei, Pós - graduada em Filosofia Clínica pelo Instituto Packter – Porto Alegre. Especialista em Dança Clássica pela Royal Acad emy of Dancing of London Resumo: A dança e sua característica sagrada pretende mostrar, através de uma abordagem histór ica, que a Dança, hoje considerada uma das artes mais complexas, está presente na vida do homem desde os períodos mais remotos e sua or igem foi como ato sagrado. O trabalho ora apresentado se preocupa em resg atar o valor do movimento do corpo como parte da vida cotidiana do homem e não como se considera na atual idade, uma arte, uma diversão ou mesmo um recurso para manter ou realçar a bel eza do corpo. Trata -se de uma abordagem inicial e parcial sobre o tema que nos remete à necess idade de estudos mais aprofundados tanto pelo ponto de vista historiográfico quanto pelo filosófico. Palavras-chave: Dança, Deuses, Ato Sagrado. A Dança pode ser considera como uma arte das mais complexas. Para m apeá-la é preciso que se volte no tempo, visto que os primeiros registros de movime ntos do corpo – de expressões corporais – datam de 14.000 anos atrás. Historiadores que tanto se ocuparam com a época pré-histórica, de forma global, deixaram em plano infer ior a questão do movimento corporal usado na época. Só no séc XX, época em que a D ança passa a ser pesquisada como uma das mais importantes man ifestações do homem em aspectos sociais, rel igiosos, culturais, entre outros, é que o estudo sobre o tema começou a ser aprofund ado, utilizando-se de documentos iconográficos para mapear tanto a sua origem como a sua função. O homem pré-histórico, da era Paleolítica, era predador. A sua subsistência era mantida através de caça, pesca e coleta. O homem era lançado ao destino e os animais, objetos de sua caça e difíceis de serem vencidos, condici onavam a sua sobrevivência fornecendo o alimento, a pele para sua roupa e os chifres para a manufatura de instrume ntos. O homem Paleolítico vivia em função dos animais e, portanto, a sua Dança se referia a eles. Supõem-se através dos registros, ainda em núm ero pouco significativo, que sua Dança era um ato ritual. Figuras encontradas nas paredes de cave rnas e grutas, que datam de até 1000 anos, podem representar ancestrais de dançarinos. Um exe mplo disso é a figura encontrada na parede da gruta Gabillou na Dordonha, perto de Mussidan , na França. “A silhueta gravada de um personagem visto de perfil, de cerca de trinta centíme tros de altura. A cabeça e o corpo estão cobertos por pele de bisão. As pernas, sem qualquer dúvida humanas, indicam uma espécie de salto no lugar. O ângulo do torso com as pernas é de vinte e cinco a trinta graus”. 1 1 BOURCIER, Paul. História da Dança no Ocidente. In: Opus 86. Marina Appenzeller (Trad.). São Paulo: Martins Fontes, 1987. 340 p. “Existência e Arte”- Revista Eletrônica do Grupo PET - Ciências Humanas, Estética e Artes da Universidade Federal de São João Del-Rei - Ano I - Número I – janeiro a dezembro de 2005
  • 2. CLAUS, Marta 2 Uma outra figura, na gruta de Trois -Frères, que se encontra próxima a Montesquiou -Avantes, também na França, apesar de se encontrar isolada de outras representações, nos mostra além dos movimentos, vestimentas que nos sugerem o caráter da dança que não difere do caráter sagrado que ela tem nos dia de hoje. O sentido de sagrado aqui atribuído é o de consagração: ato ou efeito de consagrar algo através de uma cerimônia, de um ato cerimonial de sagr ação; logo, a Dança leva e eleva os homens a um plano superior a si mesmos. Através de giros em to rno de si entram em êxt ase e acreditam se comunicar com os espíritos. Inúmeras outras figuras, em cavernas, objetos de uso diário e artesanias, além de documentos da época, nos mostram que a dança no período Paleolítico mostra -se como um ato ritual que coloca quem a executa em estado de transe. Animais, vestimentas especiais e máscaras também faziam parte do ato ritual. A máscara , por sua vez, permanece até meados do século XVIII quando então é substituída pela maquiagem. Contudo, em muitos lugares, como n o oriente médio por exemplo, ainda hoje se usam máscaras e maquiagem em danças rituais. Na Pré-história, em seu período Neolítico, o homem passa de predador a produtor. Aprende a criar animais e a plantar, pensa a partir daí ser dono de seu destino. Começ a a se agrupar formando cidades, cada qual com sua divindade protetora e cada grupo com seu próprio ritual, com a sua da nça. Mais tarde, com os movimentos migratórios – que se tornam significativos a partir do Séc. V a.C. – o uso dos metais e a cultura vinda de outros povos, o homem modifica seus costumes e parte em busca de um pensamento racional. Com isso , a Dança, antes de caráter ritual, de participação, passa a culto de relação e, sem colocar o dançarino em transe , passa de ritual a cerimonial. Esta ca racterística fica bastante evidente quando nos reportamos à Grécia Arcaica, berço do pensamento filosóf ico e da civilização Ocidental. É possível mapear de forma satisfatória, embora não exata ou definitiva, as Danças praticadas na cultura grega, pois se fez presente desde sempre. A Dança na cultura grega fazia parte do cotid iano dos homens. Estava nos ritos religiosos, nas cerimônias cívicas, nas festas, fazia parte da ed ucação das crianças, do treinamento militar. Mas teve sua primeira manifestação como ato ritual, cerimonial. O primeiro filósofo a fazer referência sobre a dança em sua obra foi Platão, mas por um ponto de vista filosófico e não de quem está investigando a historia, pois afirma exi stir a dança de beleza e a dança de figura (Leis I). Já o historiador Paul Bourcier, na obra A História da Dança no Ocidente, sugere que se deve captar a dinâmica da dança grega, sua elaboração original, sua evolução em função das transformações culturais e do contexto sócio -político e não apenas pelo ponto de vi sta da beleza e da figura. Ladeando mais um pouco a origem da dança na Grécia Arcaica ou antiga, pode -se afirmar, segundo as narrativas lendárias dos poetas, que a mesma nasceu em Creta. Consoante Homero 2, a dança foi ensinada aos mortais pelos deuses par a que aqueles os honrassem e os alegrassem; foi 2 Poeta grego considerado fundador da poesia épica. Dicionário de Mitologia Greco-Romana. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 93. “Existência e Arte”- Revista Eletrônica do Grupo PET - Ciências Humanas, Estética e Artes da Universidade Federal de São João Del-Rei - Ano I - Número I – janeiro a dezembro de 2005
  • 3. A Dança e sua característica sagrada 3 3 em honra ao deus Dionísio que apareceram os primeiros grupos de dança e foram compostos os primeiros Ditirambos 4. As pessoas que participavam dos Ditirambos travest iam-se em Sátiro, semideus representado por um ser meio homem meio animal, que durante o ritual evocava o deus ca ntando e dançando. Os gregos consideravam a Dança como dom dos imortais e como um meio de comunicação entre os homens e os deuses. Vários autores e filósofos clássicos consideram que as características dos deuses eram a ordem e o ritmo e que estas eram também caract erísticas das Danças em seu louvor. Logo, não havia celebr ação sem Dança, pois esta era o melhor meio de se agradar, honrar e alegrar um deus. Sócrates, um dos grandes filósof os gregos, através de Platão em Leis VII, considerou a Dança como a atividade que formava o cidadão por completo. A Dança daria propo rções corretas ao corpo, seria fonte de boa saúde, além de ser ótima maneira de reflexão estética e filosófica, o que a faz ganhar espaço na educação grega. O homem grego não separava o corpo do espírito e acreditava que o equilíbrio entre ambos que lhe trazia o conhecimento e a sabedoria. A dança, como um ato sagrado, como um rito, era manifestada em lugares definidos como o s templos, por exemplo, e também em manifestações específicas em que os sacerdotes a praticavam para invocar o auxilio dos deuses ou para lhes agradecer. Os deuses eram invocados pelas danças nas situações mais diversas como nascimentos, casamentos, mortes , guerras, colheitas e muitos outros. Essas Danças em homenagem aos deuses pouco a pouco foram adquirindo um conjunto de passos, gestos próprios para cada deus a ser invocado e cada situação – o que hoje denominamos coreografia. Mais tarde, com a introdução da busca do pensamento racional, o significado religioso da Da nça foi substituído pela Dança de congregação, de sagração . Eram praticadas em momentos de importância na vida dos cidadãos, como festas coletivas, ocasiões de guerras em diversas regiões da Ásia e da Europa Oriental. Na Grécia, a Dança de sagração fazia parte do cotidiano, havia as de cu lto, festas e que geralmente se relacionavam com cultos florais, primaveris, e era praticada por j ovens. Um exemplo é a Dança das Ergastinas, jovens que eram encarregadas de fiar a lã para ofer ecer a Atena. Carregavam enormes cestas com flores e com a lã para fiar. Entre as Danças cotidianas podemos citar a de Banquete. Era realizada por uma bailarina profissional (assim considerada por fazer uso de técnica) e tinha o acompanhamento de tocadores de aulos (espécie de flauta doce). As Danças de Banquete eram provocantes e muitas vezes faziam uso de acrobacias. As bailarinas tr ajavam roupas especiais que deixassem à mostra partes pudicas do corpo, como seios, coxas e nádegas. Algumas das técnicas da Dança dos gregos sobrevive até hoje, uma delas é a meia ponta ou relevé 5 absorvido pelo balé de corte e mais tarde pela técnica clássica. Muitos documentos de época 3 Deus do vinho e da embreaguês, da colheita e da fertilidade. Os gregos o cons ideram como protetor das belas-artes, em particular do teatro, originado nas representações que faziam por ocasião das festas em honra ao deus. Id.,Ibid., p. 21. 4 Gênero poético grego composto por canto de cunho religioso em honra ao deus Dionísio e que deu origem a tragédia grega. 5 Em coreografia é o movimento a partir da posição dos pés rentes ao chão, que permite à dançarina ficar nas pontas (meia ponta para os dançarinos) e retomar sua posição inicial. “Existência e Arte”- Revista Eletrônica do Grupo PET - Ciências Humanas, Estética e Artes da Universidade Federal de São João Del-Rei - Ano I - Número I – janeiro a dezembro de 2005
  • 4. CLAUS, Marta 4 podem dar alguma noção sobre a técnica usada pelos gr egos. Existem textos de autores clássicos, figuras orquésticas pintadas ou desenhadas em vasos e escritos de comentadores. Esses docume ntos, quando estudados, podem sugerir que os gregos procuravam uma harmonia, uma simetria, um equilíbrio natural ao usare m a meia ponta ou o relevé. Os registros e documentos sugerem também não haver movimentos livres, mas de gênero e m ímica determinada e com um fim específico. Gestos mimétricos, como os de mãos estendidas horizontalmente ao chão significava tristeza, e algu ns nomes de danças como aletés, (corrida) e danças que imitavam animais como a da dança da coruja (glaux) também aprecem com freqüência em d ocumentos da época. Não nos passa despercebido que nessa época histór ica, precedente à Idade Média, havia Dança também entre os Etruscos e os Romanos. Entre os Etruscos só se tem referência sobre a Dança através de representações, pois não há, até hoje, conhecimento de textos escritos. Mas p odemos perceber, que recebeu forte influência dos gregos desde o Séc. VII a.C., pelas representações em que aparecem indícios de danças guerreiras, dionisíacas, de Banquete, entre outras. Sabese que a Dança Etrusca era em tempo rápido, ritmada e acompanhada por aulos e liras. As representações, a maioria encontradas em túmulos, most ram gestos específico de braços e pernas e ge stos de quiromonia, ou seja, movimentos harmônicos entre gestos e discursos, na mímica antiga. E ntretanto tais representações não são claras quanto ao sentido das Danças, o que até hoje , parece ser uma incógnita. Entre os Romanos, a Dança parecia ter um sentido mais claro e específico: Reis, República e Império. Do séc. VII ao Séc. VI a.C., época dos Reis, Roma foi dominada pelos Etruscos; assim, as Danças eram de origem agrária. Mas, podemos destacar também as danças guerreiras (costume entre os Salinos) celebradas amplamente durante a primavera, e em honra a Marte, deus da guerra, ou seja, ainda era uma Dança sagrada. Contudo, desde o início da época da República, a influência dos Helenos predominou em R oma. As origens religiosas da Dança foram esquecidas e a mesma passou a ter um cunho recreativo, colocada em plano inferior, e várias escolas de Dança encerraram suas atividades. Durante a época do Império, a Dança volta à cena triunfante, mas c omo jogos de circo e atribuída a cortesãs, quando a indecência é repudiada pela Igreja Católica. Assim, nos afastamos da Dança como ato sagrado com intuito de cultuar os deuses e entendemos a sentença de anátema lançada pela Igreja e que será sentida durante quase toda a Idade Média. Referências bibliográficas: BOURCIER, Paul. História da Dança no Ocidente. In: Opus 86. Marina Appenzeller (Trad.). São Paulo: Martins Fontes, 1987. 340 p. CHAUI, Marilena. Introdução à História da Filosofia. Vol I. São Paulo: Brasiliensae. 1 ed. 1994. 390 p. Dicionário de Mitologia Greco -Romana. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 93. FARO, Antonio José. Pequena História da Dança. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1986. 150 p. MICHAUT, Pierre. História do Ballet. In: Coleção “Saber Atual” . Maria Manuela Gouveia Antunes (Trad.). São Paulo: Difusão E uropéia do Livro. 128 p. “Existência e Arte”- Revista Eletrônica do Grupo PET - Ciências Humanas, Estética e Artes da Universidade Federal de São João Del-Rei - Ano I - Número I – janeiro a dezembro de 2005