Antiguidade Clássica

33.367 visualizações

Publicada em

Slides da introdução temática e cronologia sumária da Grécia Antiga.

1 comentário
16 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
33.367
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
209
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
663
Comentários
1
Gostaram
16
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Antiguidade Clássica

  1. 1. Antiguidade Clássica Grécia e Roma
  2. 2. A Grécia Antiga Parthenon: Templo dedicado à deusa Athena, na Acrópole (cidade alta) de Atenas, construído no século V a.C., sob governo de Péricles.
  3. 3. Acrópole: cidade alta Visão geral (porém atual) de Atenas Na Antiguidade, a base da sociedade grega era a pólis, a cidade-Estado grega.
  4. 4. A pólis grega: unidade básica A pólis grega em geral se formava em torno à Acrópole (parte alta, dedicada aos templos); Possuía um espaço central público, a ágora (a praça pública grega); Nos arredores da ágora havia o mercado e o ginásio de esportes.
  5. 5. “O homem é um animal político” (Aristóteles, IV a.C.) Pólis: política (debate, discussão na praça pública) Duas esferas: pública e privada Pública: assuntos de interesse coletivo, discussões políticas sobre os rumos da cidade-Estado Privada: patrimônio, família, casamento, lar (mulher/gineceu)
  6. 6. Democracia e Escravidão Democracia ateniense (séc. V a.C.): homens livres, cidadãos, maiores de 21 anos; democracia direta – política e filosofia, trabalhos intelectuais Escravidão: escravos por dívidas e prisioneiros de guerra – força física, trabalhos manuais
  7. 7. “Há na espécie humana indivíduos tão inferiores a outros como o corpo é em relação à alma; são homens dos quais o emprego da força física é o melhor que deles se obtém. Tais indivíduos são destinados, por natureza, à escravidão, não possuem razão além do necessário, são animais desprovidos da plenitude da razão. (...)Todos os que se furtam da escravidão vão- se entregar à filosofia ou a política” (Aristóteles, Política)
  8. 8. A Escola de Atenas (1510), Rafael Sanzio O Renascimento (XV-XVI) buscou inspiração no mundo clássico e retomou o homem como medida de todas as coisas
  9. 9. Homens x Mulheres Homem: vida pública Mulher: vida privada (lar – reprodução) Exclusão da vida política (Atenas) (Esparta: liberdade pouco maior) Amor nobre: entre homens sabedoria “O Banquete”, Platão Beleza: corpo x alma beleza do corpo = beleza da alma Ética e Estética = o belo é bom; o mau é feio “Mulheres de Atenas” (1976): Chico Buarque
  10. 10. Cronologia História Grega 1. Período pré-homérico (XX – XII a.C.): Civilização cretense e micênica (jônios, eólios, aqueus, dórios) – Formação da população grega; 2. Período Homérico (XII – VIII a.C.): poucas informações: Ilíada (guerra de Tróia) e Odisséia (aventuras do herói Ulisses), poesia épica de Homero. *Genos: pequenas unidades agrícolas auto- suficientes chefiadas pelo pater;
  11. 11. 3. Período Arcaico (VI – V a.C.): Desagregação dos genos, formação da aristocracia (eupátridas: bem-nacidos), latifundiários. Formação da pólis Oligarquias (governo de poucos) 4. Período Clássico (V – IV a.C.): Guerras Médicas (greco-persas) (490 – 480 a.C.) Guerra do Peloponeso (Atenas x Esparta) (431 -404 a.C.) Apogeu ateniense (democracia, artes, filosofia) Século de Ouro, Século de Péricles (V a.C.) 5. Período Helenístico (III – II a.C.): Domínio Macedônico (Alexandre, 338 a.C.) Helenismo (cultura grega + oriental) Gregos = helenos / Grécia = Hélade
  12. 12. A Roma Antiga Anfiteatro Flaviano, dito “Coliseu”
  13. 13. Herança grega: rupturas e permanências Permanências: * cidade-Estado com instituições políticas que beneficiam uma aristocracia de homens livres * Escravidão: base da estrutura socioeconômica; explorada até as últimas consequências como a relação social de trabalho * politeísmo / mitologia: “latinização” dos deuses gregos. Ex.: Dioniso > Baco; Athena > Minerva; Ares > Marte * Filosofia e artes: humanismo
  14. 14. Rupturas: *Não houve evolução política até a democracia – o poder sempre permaneceu nas mãos da aristocracia: tensões sociais (terras, escravidão, cristianismo) sempre reprimidas violentamente * Centralização: se a Grécia estava dividida em cidades-Estado autônomas, Roma incorporou as cidades a seu redor e centralizou a administração e a política.
  15. 15. Cronologia História Romana  Monarquia (753 – 509 a.C.) (VIII – VI a.C.) * Fundação e origens da cidade * Domínio etrusco (um dos primeiros povos) * Divisão social: reis, patrícios, clientes, plebeus e escravos 7. República: (509 – 27 a.C.) (VI – I a.C.) * Domínio político dos patrícios (oligarquia) * Senado: maior e mais poderosa instituição política romana (administração, legislação e tesouro) * Guerras Púnicas – contra Cartago: expansionismo romano (III-II) * tensões sociais: patrícios x plebeus – Lei das 12 tábuas * Questão agrária: irmãos Graco (tribunos da Plebe) * Revolta de Espartaco (revolta de escravos) (73 a.C.) * Crise: Guerra Civil: ditaduras militares – generais * Triunviratos: Júlio César e Otávio Augusto
  16. 16. 3. Império romano (27 a.C. – 476 d.C.) (I a.C. – V d.C.) Alto Império (I a.C. – III d.C.) - centralização do poder nas mãos do imperador - permanência da política expansionista - Otávio Augusto (27 a.C. – 14 d.C.): * * *apogeu da civilização romana – século de ouro romano – Artes e literatura (Cícero, Ovídio, Virgílio, Tito Lívio etc.) * Pax Romana: “pão e circo” – estabilidade
  17. 17. Baixo Império (III – V d.C.) Crise da civilização: - Fim da expansão - Crise da mão-de-obra escravista - Pressão dos bárbaros nas fronteiras - Cristianismo x paganismo
  18. 18. Heranças romanas República: Res publica “governo da coisa pública” contraposição à monarquia (divisão dos poderes) “bem-comum” Direito romano: Fundamentos do direito atual Solução prática às tensões sociais e guerras de conquista (Lei das 12 tábuas) 3 grandes ramos: Direito Civil (cidadãos de Roma); Direito das gentes (estrangeiros / povos conquistados); Direito Natural (aspecto filosófico do Direito) Latim: Idioma romano, deu origem ao francês, espanhol e português, entre outros; Idioma que dominou a Idade Média (privilégio dos clérigos).
  19. 19. Origens: mitológica e histórica
  20. 20. Origem lendária Região de terras férteis: centro da Península Itálica (Lácio), banhada pelo rio Tibre. Rômulo e Remo – jogados ao rio Tibre Salvos por uma loba, que os amamentou e criou Rômulo matou Remo e se tornou o 1º. Rei de Roma Origem lendária, descrita pelo poeta latino Virgílio, na obra intitulada Eneida (poema épico romano).
  21. 21. Origem “real”, histórica Os italiotas (+ - 2000 a.C.): ocuparam a região central (entre eles, os latinos); Os etruscos (VIII a.C.): Ocuparam, inicialmente, a região central, depois expandiram seus domínios ao norte; Os gregos (VIII a.C.) Ocuparam a região sul: Magna Grécia
  22. 22. A Monarquia Romana (753 – 509 a.C.)  Roma era apenas uma cidade-Estado Rei, Senado e Assembléia Curial  Rei: etrusco; chefe militar, religioso e juiz; fiscalizado pela Assembléia Curial e pelo Senado.  Senado (do latim senex = velho, ancião): conselho formado por anciãos, responsáveis pela chefia de grandes famílias (génos), ligadas por laços de parentesco e culturais. Suas funções eram legislar (elaborar leis) e fiscalizar as ações do rei.  Assembléia Curial: formada por cidadãos (soldados), agrupados em cúrias (conjunto de dez clãs; clãs = conjunto de famílias ligadas por supostos antepassados comuns). Sua função era eleger altos funcionários e aprovar ou rejeitar leis. Reunia-se, porém, somente quando convocada pelo rei, e não constituía espaço de livre debate.
  23. 23. Sociedade Romana  Patrícios: grandes proprietários de terras, rebanhos e escravos; desfrutavam de direitos políticos e desempenhavam altas funções públicas (exército, religião, justiça, administração).  Clientes: homens livres que se associavam aos patrícios, prestando-lhes diversos serviços em troca de auxílio econômico e proteção social. Fundamentais para a dominação política patrícia.  Plebeus: homens e mulheres livres dedicados ao comércio, ao artesanato e aos trabalhos agrícolas. Maioria da população e, a princípio, não tinham direitos de cidadãos: não tinham direito de exercer cargos públicos nem participar da Assembléia Curial.  Escravos: inicialmente, eram os devedores incapazes de honrar suas dívidas. Depois, com a expansão militar, o grupo passou a incluir prisioneiros de guerra. Realizavam as mais diversas atividades (agricultura, artesanato etc.). Eram considerados um bem material, uma propriedade; não tinham, absolutamente, qualquer direito, individual ou político.

×