SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Métodos Anticoncepcionais
- um direito também de
adolescentes -
1. Os métodos têm relação apenas com “Planejamento
Familiar”?
2. Como são atendidos e quais são os espaços para que
cuidem de suas saúdes sexuais e reprodutivas?
3. Existem métodos contra-indicados?
4. Existe um método que seja melhor?
5. Qual o acesso que adolescentes têm aos métodos?
PARA PENSAR -PARA PENSAR - adolescentesadolescentes
1. MÉTODOS ≠ PLANEJAMENTO FAMILIAR: o “uso de método”
não está necessariamente relacionado ao “Planejamento
Familiar”, principalmente entre adolescentes.
2. PROGRAMAS “DE ADULTOS”: São poucos os serviços
amigáveis estabelecidos e/ou profissionais capacitados e
seguros para o atendimento de adolescentes em SSR.
ALGUMAS RESPOSTASALGUMAS RESPOSTAS
3. NÃO HÁ CONTRA-INDICAÇÕES: Nenhum método é “contra-
indicado” para adolescentes.
 DIU e Injetáveis trimestrais: geralmente não são
receitados para jovens abaixo de 20 anos ou nulíparas,
mas podem ser usados (categoria 2- podem ser usados,
pois benefícios são maiores que o risco).
 Vasectomia e Ligadura: lei 9263/96 de Planejamento
Familiar – só podem ser feitos em pessoas com mais de
25 anos OU que tenham pelo menos 2 filhos vivos.
ALGUMAS RESPOSTASALGUMAS RESPOSTAS
4. NÃO existe um “método melhor” para jovens!
 Mas ainda há questões a serem discutidas:
 Pílula: pode ser usada nos 2 anos subseqüentes à
menarca;
 Tabelinha: além de falhar, não combina com irregularidade
menstrual;
 Diafragma: é difícil de esconder dos pais e nem todas se
sentem à vontade para introduzir o dedo na vagina;
 Camisinha: depende da vontade do parceiro e da
negociação para o uso.
ALGUMAS RESPOSTASALGUMAS RESPOSTAS
5. DIREITOS
- ECA
- LEGISLAÇÃO
- Diretrizes Educacionais -
PCN
 Não há menção expressa
sobre direitos sexuais e
reprodutivos de
adolescentes.
ALGUMAS RESPOSTASALGUMAS RESPOSTAS
ACESSO
- SUS
- Conselhos Tutelares
 Poucos serviços atendem
adolescentes;
 Receio de profissionais
prescreverem métodos,
principalmente para menores de
idade.
≠
 decidir ter ou não filhos;
 decidir quando e quantos filhos;
 ter acesso a serviços apropriados de saúde;
 ter acesso a métodos anticoncepcionais
(eficientes, seguros, legais, aceitáveis);
 fazer uma escolha informada dos métodos.
DIREITOSDIREITOS
REPRODUTIVOSREPRODUTIVOS
DIREITOSDIREITOS de adolescentesde adolescentes
e jovense jovens
 PRIVACIDADE: ser atendido/a sozinho/a, em espaço privado e
apropriado.
 CONFIDENCIALIDADE: acordo entre profissional e cliente no qual
informações discutidas não podem ser repassadas a pais e/ou
responsáveis sem a permissão expressa do/a adolescente.
Diretrizes (FEBRASGO, SBP)
DIREITOSDIREITOS de adolescentesde adolescentes
e jovense jovens
A confidencialidade se mantém quando:
 o/a adolescente tem capacidade para avaliar sua questão e de
conduzir-se por seus próprios meios para solucioná-la;
 a não revelação aos pais ou responsáveis não acarretar
nenhum problema ao/à adolescente.
• Comportamentais ou de Abstinência Sexual
• Amenorréia da Lactação (LAM)
• Barreira
• Hormonais
• Dispositivo Intra-Uterino (DIU)
• Cirúrgicos ou Definitivos
• Anticoncepção de Emergência
MÉTODOSMÉTODOS
ANTICONCEPCIONAISANTICONCEPCIONAIS
ou de ABSTINÊNCIA SEXUALou de ABSTINÊNCIA SEXUAL
TABELINHA TEMPERATURAMUCO CERVICAL
Evitar relações sexuais com penetração vaginal
durante o período fértil da mulher.
Eficácia: de 80% a 97% (maior para ciclos regulares)
MÉTODOSMÉTODOS
COMPORTAMENTAISCOMPORTAMENTAIS
MÉTODO DA AMENORRÉIA DA
LACTAÇÃO
(LAM)
Suspensão da ovulação
durante a amamentação.
Eficácia: de 98% a 99,5%
Condições: método temporário
 Amenorréia (ausência da menstruação)
 Aleitamento exclusivo (nenhum outro líquido)
 Recém-nascido com menos de 6 meses
Impedem o contato dos espermatozóides com o óvulo, formando uma barreira
(física ou química)
Eficácia:
 Preservativo masculino: 86% a 97%
 Preservativo feminino: 79% a 95%
 Diafragma: 79% a 97%
 Espermicida: 80% a 94%
MÉTODOS DE BARREIRAMÉTODOS DE BARREIRA
DUPLA PROTEÇÃO:
DST/HIV + Gravidez
PRESERVATIVOSDIAFRAGMA GELÉIA ESPERMICIDA
INJETÁVEISANEL VAGINAL IMPLANTES
PÍLULAS
COMBINADAS
MINIPÍLULASADESIVO
MÉTODOS HORMONAISMÉTODOS HORMONAIS
Inibem a ovulação através da utilização de hormônios (diária,
mensal, trimestral ou a cada 3 anos).
Eficácia:
 Pílulas combinadas: 92% a 99,9%
 Minipílulas: 99,8% na amamentação
exclusiva
 Injetáveis: 99,8%
 Implantes: 99,9%
 Adesivo e Anel vaginal: 99,4%
MÉTODOS HORMONAISMÉTODOS HORMONAIS
Tipos: - Diferentes hormônios
- Diferentes dosagens
- Diferentes modos de utilização
 Métodos Combinados: pílula, injetável mensal, anel vaginal e adesivo.
 Métodos somente com progesterona*: minipílula, injetável trimestral,
implante e diu com hormônio.
* Os métodos hormonais somente com progesterona podem ser
utilizados durante o aleitamento materno.
MÉTODOS HORMONAISMÉTODOS HORMONAIS
DISPOSITIVO INTRA-DISPOSITIVO INTRA-
UTERINO (DIU)UTERINO (DIU)
São pequenas peças feitas de plástico contendo cobre
ou hormônio que, colocadas na cavidade uterina,
evitam a gravidez.
Como funcionam:
- imobilizam ou matam os
espermatozóides;
- alteram a mobilidade tubária
- impedem a implantação do óvulo
fecundado (ambiente uterino hostil)
Tcu 380
Multiload
375
Mirena
Procedimento cirúrgico para a anticoncepção
definitiva da mulher através da obstrução das
trompas, o que impedirá o encontro do óvulo com os
espermatozóides.
MÉTODO CIRÚRGICOMÉTODO CIRÚRGICO
VOLUNTÁRIOVOLUNTÁRIO
FEMININO - LAQUEADURAFEMININO - LAQUEADURA
Eficácia: 99,5%
Lei 9.263/96 – Critérios para
realização do método.
Procedimento cirúrgico para a anticoncepção definitiva
do homem através da obstrução dos canais
deferentes, impedindo que os espermatozóides
produzidos nos testículos se juntem ao sêmen.
Lei 9.263/96 – Critérios para
realização do método.
Eficácia: 99,9%
MÉTODO CIRÚRGICOMÉTODO CIRÚRGICO
VOLUNTÁRIOVOLUNTÁRIO
MASCULINO - VASECTOMIAMASCULINO - VASECTOMIA
 Em relações sexuais desprotegidas.
 Na falha do método de escolha.
 Em situações de violência sexual.
São métodos de emergência que podem evitar a gravidez:
ANTICONCEPÇÃO DEANTICONCEPÇÃO DE
EMERGÊNCIAEMERGÊNCIA
Normatizada pelo Ministério da Saúde em 1996:
 Pílulas combinadas – Método de YUSPE
 Pílulas de progestogênio isolado
 Pode reduzir o número de abortos inseguros
 Não existem contra-indicações ao uso do método.
ANTICONCEPÇÃO DEANTICONCEPÇÃO DE
EMERGÊNCIAEMERGÊNCIA
 Não usar como método de rotina – efeitos
colaterais mais intensos e menos efetiva do que um
método anticoncepcional regular.
 Não é abortiva - A AE não funciona se já tiver
ocorrido a implantação do ovo no útero. Também
não trará problemas para o embrião.
Método de YUSPE – duas doses:
 1ª dose - até 5 dias após a relação sexual
 2ª dose - 12 horas após a primeira dose
Progestogênio Isolado – dois esquemas:
 Esquema 1 – 1ª dose até 5 dias após a relação sexual
2ª dose 12 horas após a primeira dose
 Esquema 2 – Dose única de levonorgestrel
ADMINISTRAÇÃO DAADMINISTRAÇÃO DA
ANTICONCEPÇÃO DEANTICONCEPÇÃO DE
EMERGÊNCIAEMERGÊNCIA
“... a reprodução humana natural é um
processo que envolve gametas masculinos e
femininos e sua união na fertilização. A
gravidez é a parte desse processo que se
inicia com a IMPLANTAÇÃO do concepto
dentro do organismo da mulher.”
(Organização Mundial de Saúde)
CONCEITO DECONCEITO DE
GRAVIDEZ - OMSGRAVIDEZ - OMS
FECUNDAÇÃOFECUNDAÇÃO
FECUNDAÇÃO E GRAVIDEZFECUNDAÇÃO E GRAVIDEZ
 Ovo fecundado:
3 a 5 dias para
chegar ao útero.
 Implantação:
1 a 3 dias para
implantar-se no
endométrio
(geralmente 5 a 7
dias após a
fecundação).
1. BEMFAM. Sociedade Civil Bem-Estar Familiar no Brasil. Direitos sexuais e
reprodutivos. Formação em Saúde Sexual e Reprodutiva – Mód. 1. Departamento de
Educação e Comunicação. 2003
2. BEMFAM. Sociedade Civil Bem-Estar Familiar no Brasil. Planejamento familiar.
Formação em Saúde Sexual e Reprodutiva – Mód. 3. Departamento de Educação e
Comunicação. 2003
3. BEMFAM. Sociedade Civil Bem-Estar Familiar no Brasil. Normas técnicas em
anticoncepção. Rio de Janeiro: BEMFAM, [2003].
4. VENTURA, Miriam. Direitos Reprodutivos no Brasil. São Paulo: M. Ventura, 2002.
5. BEMFAM. Sociedade Civil Bem-Estar Familiar no Brasil. Atualização em anticoncepção
e anticoncepção de emergência. Treinamento de multiplicadores. BEMFAM. Rio de
Janeiro. 11, 12 e 13 de dezembro de 2003.
6. ECOS. Gravidez de adolescentes entre 10 e 14 anos e vulnerabilidade social. São Paulo.
2004.
7. www.anticoncepcao.org.br
BIBLIOGRAFIABIBLIOGRAFIA
Obrigada!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
Alinebrauna Brauna
 
Fisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Fisiologia e mecanismo do trabalho de partoFisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Fisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Karen Kaline
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
LASM_UIT
 

Mais procurados (20)

Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
Menopausa e Climatério
Menopausa e Climatério Menopausa e Climatério
Menopausa e Climatério
 
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro períodoCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
 
Planejamento familiar
Planejamento familiarPlanejamento familiar
Planejamento familiar
 
Contracepção: métodos que apoiam o planejamento reprodutivo
Contracepção: métodos que apoiam o planejamento reprodutivoContracepção: métodos que apoiam o planejamento reprodutivo
Contracepção: métodos que apoiam o planejamento reprodutivo
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
 
Ists
IstsIsts
Ists
 
Consulta de pre natal
Consulta de pre natalConsulta de pre natal
Consulta de pre natal
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
 
Fisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Fisiologia e mecanismo do trabalho de partoFisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Fisiologia e mecanismo do trabalho de parto
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
 
Infecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente TransmissíveisInfecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente Transmissíveis
 
Saude da mulher1
Saude da mulher1Saude da mulher1
Saude da mulher1
 
Metodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos speMetodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos spe
 

Destaque

Planeamento familiar e métodos contracetivos
Planeamento familiar e métodos contracetivosPlaneamento familiar e métodos contracetivos
Planeamento familiar e métodos contracetivos
BESL
 
Amamentação medicamentos compatíveis
Amamentação medicamentos compatíveisAmamentação medicamentos compatíveis
Amamentação medicamentos compatíveis
julianacbr
 
Marlin gonzalez
Marlin gonzalezMarlin gonzalez
Marlin gonzalez
aikomar
 
ApresentaçãO Setor Hospitalar Setembro 2010
ApresentaçãO Setor Hospitalar   Setembro 2010ApresentaçãO Setor Hospitalar   Setembro 2010
ApresentaçãO Setor Hospitalar Setembro 2010
williansfiori
 
Planejamento noivos1
Planejamento noivos1Planejamento noivos1
Planejamento noivos1
Adila Trubat
 
Curso holding familiar
Curso holding familiarCurso holding familiar
Curso holding familiar
pccarmo
 
Planejamento familiar maj peclat
Planejamento familiar maj peclatPlanejamento familiar maj peclat
Planejamento familiar maj peclat
Luis Carlos Silva
 
Convivencia familiar - Aula 4
Convivencia familiar - Aula 4Convivencia familiar - Aula 4
Convivencia familiar - Aula 4
RASC EAD
 

Destaque (20)

Planeamento familiar e métodos contracetivos
Planeamento familiar e métodos contracetivosPlaneamento familiar e métodos contracetivos
Planeamento familiar e métodos contracetivos
 
Anticoncepção em situações especiais
Anticoncepção em situações especiaisAnticoncepção em situações especiais
Anticoncepção em situações especiais
 
Amamentação medicamentos compatíveis
Amamentação medicamentos compatíveisAmamentação medicamentos compatíveis
Amamentação medicamentos compatíveis
 
Marlin gonzalez
Marlin gonzalezMarlin gonzalez
Marlin gonzalez
 
Anticoncepção
AnticoncepçãoAnticoncepção
Anticoncepção
 
ApresentaçãO Setor Hospitalar Setembro 2010
ApresentaçãO Setor Hospitalar   Setembro 2010ApresentaçãO Setor Hospitalar   Setembro 2010
ApresentaçãO Setor Hospitalar Setembro 2010
 
Planejamento familíar
Planejamento familíarPlanejamento familíar
Planejamento familíar
 
ContracepçãO Geral
ContracepçãO   GeralContracepçãO   Geral
ContracepçãO Geral
 
Holding patrimonial familiar
Holding patrimonial familiarHolding patrimonial familiar
Holding patrimonial familiar
 
Ebd lição 3
Ebd lição 3Ebd lição 3
Ebd lição 3
 
Manual de Planejamento familiar
Manual de Planejamento familiarManual de Planejamento familiar
Manual de Planejamento familiar
 
4102497
41024974102497
4102497
 
Planejamento noivos1
Planejamento noivos1Planejamento noivos1
Planejamento noivos1
 
Estado atual do Planejamento Familiar no Brasil
Estado atual do Planejamento Familiar no BrasilEstado atual do Planejamento Familiar no Brasil
Estado atual do Planejamento Familiar no Brasil
 
Planejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúde
Planejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúdePlanejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúde
Planejamento familiar, Orientação Sexual e Cuidados gerais - saúde
 
Curso holding familiar
Curso holding familiarCurso holding familiar
Curso holding familiar
 
Não se metam na minha vida filhos rebeldes
Não se metam na minha vida   filhos rebeldesNão se metam na minha vida   filhos rebeldes
Não se metam na minha vida filhos rebeldes
 
Planejamento familiar maj peclat
Planejamento familiar maj peclatPlanejamento familiar maj peclat
Planejamento familiar maj peclat
 
Convivencia familiar - Aula 4
Convivencia familiar - Aula 4Convivencia familiar - Aula 4
Convivencia familiar - Aula 4
 
Gravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaGravidez na Adolescência
Gravidez na Adolescência
 

Semelhante a Planjamento familiar

Metodos contraceptivos e planeamento familiar
Metodos contraceptivos e planeamento familiarMetodos contraceptivos e planeamento familiar
Metodos contraceptivos e planeamento familiar
CarinaGarrido
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiar
Zaara Miranda
 
mtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.ppt
mtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.pptmtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.ppt
mtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.ppt
NAYRARAFAELAVIDO
 
Planeamentofamiliaremtodoscontracetivos 120612033258-phpapp02
Planeamentofamiliaremtodoscontracetivos 120612033258-phpapp02Planeamentofamiliaremtodoscontracetivos 120612033258-phpapp02
Planeamentofamiliaremtodoscontracetivos 120612033258-phpapp02
Luiz Vicente Gargiulo
 
Projeto mitos da_sexualidade_2016-ana rita carreira
Projeto mitos da_sexualidade_2016-ana rita carreiraProjeto mitos da_sexualidade_2016-ana rita carreira
Projeto mitos da_sexualidade_2016-ana rita carreira
Leonor Alves
 
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 anoSeminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
NTE RJ14/SEEDUC RJ
 
Leonardo mendes 418 m+®todos contraceptivos leonardo 8_b
Leonardo mendes 418 m+®todos contraceptivos leonardo 8_bLeonardo mendes 418 m+®todos contraceptivos leonardo 8_b
Leonardo mendes 418 m+®todos contraceptivos leonardo 8_b
Angela Boucinha
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
Isabel Lopes
 
EDUCAÇÃO SEXUAL ALUNOS SENAC REALIZARAM O TRABALHO
EDUCAÇÃO SEXUAL ALUNOS SENAC REALIZARAM O TRABALHOEDUCAÇÃO SEXUAL ALUNOS SENAC REALIZARAM O TRABALHO
EDUCAÇÃO SEXUAL ALUNOS SENAC REALIZARAM O TRABALHO
RAFAEL COSTA
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiar
Zaara Miranda
 
métodos contracetivos
 métodos contracetivos métodos contracetivos
métodos contracetivos
Isabel Lopes
 
Mtodoscontraceptivos7c 110628063301-phpapp02
Mtodoscontraceptivos7c 110628063301-phpapp02Mtodoscontraceptivos7c 110628063301-phpapp02
Mtodoscontraceptivos7c 110628063301-phpapp02
Pelo Siro
 
Ludmila oitavo ano - atividade pontuada - métodos
Ludmila   oitavo ano - atividade pontuada - métodosLudmila   oitavo ano - atividade pontuada - métodos
Ludmila oitavo ano - atividade pontuada - métodos
professoraludmila
 

Semelhante a Planjamento familiar (20)

Gravidez na Adolescencia
Gravidez  na AdolescenciaGravidez  na Adolescencia
Gravidez na Adolescencia
 
Metodos contraceptivos e planeamento familiar
Metodos contraceptivos e planeamento familiarMetodos contraceptivos e planeamento familiar
Metodos contraceptivos e planeamento familiar
 
Métodos anticoncepcionais naturais
Métodos anticoncepcionais naturaisMétodos anticoncepcionais naturais
Métodos anticoncepcionais naturais
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiar
 
mtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.ppt
mtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.pptmtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.ppt
mtodos-contraceptivos-1199534859604562-3.ppt
 
Métodos contraceptivos humanos
Métodos contraceptivos humanosMétodos contraceptivos humanos
Métodos contraceptivos humanos
 
Planeamentofamiliaremtodoscontracetivos 120612033258-phpapp02
Planeamentofamiliaremtodoscontracetivos 120612033258-phpapp02Planeamentofamiliaremtodoscontracetivos 120612033258-phpapp02
Planeamentofamiliaremtodoscontracetivos 120612033258-phpapp02
 
Projeto mitos da_sexualidade_2016-ana rita carreira
Projeto mitos da_sexualidade_2016-ana rita carreiraProjeto mitos da_sexualidade_2016-ana rita carreira
Projeto mitos da_sexualidade_2016-ana rita carreira
 
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 anoSeminário métodos contraceptivos 8 ano
Seminário métodos contraceptivos 8 ano
 
Leonardo mendes 418 m+®todos contraceptivos leonardo 8_b
Leonardo mendes 418 m+®todos contraceptivos leonardo 8_bLeonardo mendes 418 m+®todos contraceptivos leonardo 8_b
Leonardo mendes 418 m+®todos contraceptivos leonardo 8_b
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
Métodos contraceptivos trabalho internato
Métodos contraceptivos   trabalho internatoMétodos contraceptivos   trabalho internato
Métodos contraceptivos trabalho internato
 
EDUCAÇÃO SEXUAL ALUNOS SENAC REALIZARAM O TRABALHO
EDUCAÇÃO SEXUAL ALUNOS SENAC REALIZARAM O TRABALHOEDUCAÇÃO SEXUAL ALUNOS SENAC REALIZARAM O TRABALHO
EDUCAÇÃO SEXUAL ALUNOS SENAC REALIZARAM O TRABALHO
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiar
 
métodos contracetivos
 métodos contracetivos métodos contracetivos
métodos contracetivos
 
56984013-Metodos-Contraceptivos-Slides.ppt
56984013-Metodos-Contraceptivos-Slides.ppt56984013-Metodos-Contraceptivos-Slides.ppt
56984013-Metodos-Contraceptivos-Slides.ppt
 
Mtodoscontraceptivos7c 110628063301-phpapp02
Mtodoscontraceptivos7c 110628063301-phpapp02Mtodoscontraceptivos7c 110628063301-phpapp02
Mtodoscontraceptivos7c 110628063301-phpapp02
 
Ludmila oitavo ano - atividade pontuada - métodos
Ludmila   oitavo ano - atividade pontuada - métodosLudmila   oitavo ano - atividade pontuada - métodos
Ludmila oitavo ano - atividade pontuada - métodos
 
Folheto Gravidez na adolescencia
Folheto Gravidez na adolescenciaFolheto Gravidez na adolescencia
Folheto Gravidez na adolescencia
 
Métodos Contraceptivos.ppt
Métodos Contraceptivos.pptMétodos Contraceptivos.ppt
Métodos Contraceptivos.ppt
 

Mais de Alinebrauna Brauna (20)

Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricos
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricosOrientacoes coleta analise_dados_antropometricos
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricos
 
Livro completo senad5
Livro completo senad5Livro completo senad5
Livro completo senad5
 
Radis 131 web
Radis 131 webRadis 131 web
Radis 131 web
 
Copia de radis_129_23maio2013
Copia de radis_129_23maio2013Copia de radis_129_23maio2013
Copia de radis_129_23maio2013
 
O que são conferências 21.05.2012
O que são conferências 21.05.2012O que são conferências 21.05.2012
O que são conferências 21.05.2012
 
Pmaq
PmaqPmaq
Pmaq
 
Pmaq
PmaqPmaq
Pmaq
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Todo sentimento
Todo sentimentoTodo sentimento
Todo sentimento
 
Suas os desafios da assistencia social
Suas   os desafios da assistencia socialSuas   os desafios da assistencia social
Suas os desafios da assistencia social
 
Slides infanto completo
Slides infanto completoSlides infanto completo
Slides infanto completo
 
Saúde mental
Saúde mentalSaúde mental
Saúde mental
 
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociaisO papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
 
Mpcda
MpcdaMpcda
Mpcda
 
Histórico sobre o eca
Histórico sobre o ecaHistórico sobre o eca
Histórico sobre o eca
 
Politica de ad
Politica de adPolitica de ad
Politica de ad
 
Perguntas e-respostas-crack
Perguntas e-respostas-crackPerguntas e-respostas-crack
Perguntas e-respostas-crack
 
Palestra álcool
Palestra álcoolPalestra álcool
Palestra álcool
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
 

Planjamento familiar

  • 1. Métodos Anticoncepcionais - um direito também de adolescentes -
  • 2. 1. Os métodos têm relação apenas com “Planejamento Familiar”? 2. Como são atendidos e quais são os espaços para que cuidem de suas saúdes sexuais e reprodutivas? 3. Existem métodos contra-indicados? 4. Existe um método que seja melhor? 5. Qual o acesso que adolescentes têm aos métodos? PARA PENSAR -PARA PENSAR - adolescentesadolescentes
  • 3. 1. MÉTODOS ≠ PLANEJAMENTO FAMILIAR: o “uso de método” não está necessariamente relacionado ao “Planejamento Familiar”, principalmente entre adolescentes. 2. PROGRAMAS “DE ADULTOS”: São poucos os serviços amigáveis estabelecidos e/ou profissionais capacitados e seguros para o atendimento de adolescentes em SSR. ALGUMAS RESPOSTASALGUMAS RESPOSTAS
  • 4. 3. NÃO HÁ CONTRA-INDICAÇÕES: Nenhum método é “contra- indicado” para adolescentes.  DIU e Injetáveis trimestrais: geralmente não são receitados para jovens abaixo de 20 anos ou nulíparas, mas podem ser usados (categoria 2- podem ser usados, pois benefícios são maiores que o risco).  Vasectomia e Ligadura: lei 9263/96 de Planejamento Familiar – só podem ser feitos em pessoas com mais de 25 anos OU que tenham pelo menos 2 filhos vivos. ALGUMAS RESPOSTASALGUMAS RESPOSTAS
  • 5. 4. NÃO existe um “método melhor” para jovens!  Mas ainda há questões a serem discutidas:  Pílula: pode ser usada nos 2 anos subseqüentes à menarca;  Tabelinha: além de falhar, não combina com irregularidade menstrual;  Diafragma: é difícil de esconder dos pais e nem todas se sentem à vontade para introduzir o dedo na vagina;  Camisinha: depende da vontade do parceiro e da negociação para o uso. ALGUMAS RESPOSTASALGUMAS RESPOSTAS
  • 6. 5. DIREITOS - ECA - LEGISLAÇÃO - Diretrizes Educacionais - PCN  Não há menção expressa sobre direitos sexuais e reprodutivos de adolescentes. ALGUMAS RESPOSTASALGUMAS RESPOSTAS ACESSO - SUS - Conselhos Tutelares  Poucos serviços atendem adolescentes;  Receio de profissionais prescreverem métodos, principalmente para menores de idade. ≠
  • 7.  decidir ter ou não filhos;  decidir quando e quantos filhos;  ter acesso a serviços apropriados de saúde;  ter acesso a métodos anticoncepcionais (eficientes, seguros, legais, aceitáveis);  fazer uma escolha informada dos métodos. DIREITOSDIREITOS REPRODUTIVOSREPRODUTIVOS
  • 8. DIREITOSDIREITOS de adolescentesde adolescentes e jovense jovens  PRIVACIDADE: ser atendido/a sozinho/a, em espaço privado e apropriado.  CONFIDENCIALIDADE: acordo entre profissional e cliente no qual informações discutidas não podem ser repassadas a pais e/ou responsáveis sem a permissão expressa do/a adolescente. Diretrizes (FEBRASGO, SBP)
  • 9. DIREITOSDIREITOS de adolescentesde adolescentes e jovense jovens A confidencialidade se mantém quando:  o/a adolescente tem capacidade para avaliar sua questão e de conduzir-se por seus próprios meios para solucioná-la;  a não revelação aos pais ou responsáveis não acarretar nenhum problema ao/à adolescente.
  • 10. • Comportamentais ou de Abstinência Sexual • Amenorréia da Lactação (LAM) • Barreira • Hormonais • Dispositivo Intra-Uterino (DIU) • Cirúrgicos ou Definitivos • Anticoncepção de Emergência MÉTODOSMÉTODOS ANTICONCEPCIONAISANTICONCEPCIONAIS
  • 11. ou de ABSTINÊNCIA SEXUALou de ABSTINÊNCIA SEXUAL TABELINHA TEMPERATURAMUCO CERVICAL Evitar relações sexuais com penetração vaginal durante o período fértil da mulher. Eficácia: de 80% a 97% (maior para ciclos regulares) MÉTODOSMÉTODOS COMPORTAMENTAISCOMPORTAMENTAIS
  • 12. MÉTODO DA AMENORRÉIA DA LACTAÇÃO (LAM) Suspensão da ovulação durante a amamentação. Eficácia: de 98% a 99,5% Condições: método temporário  Amenorréia (ausência da menstruação)  Aleitamento exclusivo (nenhum outro líquido)  Recém-nascido com menos de 6 meses
  • 13. Impedem o contato dos espermatozóides com o óvulo, formando uma barreira (física ou química) Eficácia:  Preservativo masculino: 86% a 97%  Preservativo feminino: 79% a 95%  Diafragma: 79% a 97%  Espermicida: 80% a 94% MÉTODOS DE BARREIRAMÉTODOS DE BARREIRA DUPLA PROTEÇÃO: DST/HIV + Gravidez PRESERVATIVOSDIAFRAGMA GELÉIA ESPERMICIDA
  • 15. Inibem a ovulação através da utilização de hormônios (diária, mensal, trimestral ou a cada 3 anos). Eficácia:  Pílulas combinadas: 92% a 99,9%  Minipílulas: 99,8% na amamentação exclusiva  Injetáveis: 99,8%  Implantes: 99,9%  Adesivo e Anel vaginal: 99,4% MÉTODOS HORMONAISMÉTODOS HORMONAIS
  • 16. Tipos: - Diferentes hormônios - Diferentes dosagens - Diferentes modos de utilização  Métodos Combinados: pílula, injetável mensal, anel vaginal e adesivo.  Métodos somente com progesterona*: minipílula, injetável trimestral, implante e diu com hormônio. * Os métodos hormonais somente com progesterona podem ser utilizados durante o aleitamento materno. MÉTODOS HORMONAISMÉTODOS HORMONAIS
  • 17. DISPOSITIVO INTRA-DISPOSITIVO INTRA- UTERINO (DIU)UTERINO (DIU) São pequenas peças feitas de plástico contendo cobre ou hormônio que, colocadas na cavidade uterina, evitam a gravidez. Como funcionam: - imobilizam ou matam os espermatozóides; - alteram a mobilidade tubária - impedem a implantação do óvulo fecundado (ambiente uterino hostil) Tcu 380 Multiload 375 Mirena
  • 18. Procedimento cirúrgico para a anticoncepção definitiva da mulher através da obstrução das trompas, o que impedirá o encontro do óvulo com os espermatozóides. MÉTODO CIRÚRGICOMÉTODO CIRÚRGICO VOLUNTÁRIOVOLUNTÁRIO FEMININO - LAQUEADURAFEMININO - LAQUEADURA Eficácia: 99,5% Lei 9.263/96 – Critérios para realização do método.
  • 19. Procedimento cirúrgico para a anticoncepção definitiva do homem através da obstrução dos canais deferentes, impedindo que os espermatozóides produzidos nos testículos se juntem ao sêmen. Lei 9.263/96 – Critérios para realização do método. Eficácia: 99,9% MÉTODO CIRÚRGICOMÉTODO CIRÚRGICO VOLUNTÁRIOVOLUNTÁRIO MASCULINO - VASECTOMIAMASCULINO - VASECTOMIA
  • 20.  Em relações sexuais desprotegidas.  Na falha do método de escolha.  Em situações de violência sexual. São métodos de emergência que podem evitar a gravidez: ANTICONCEPÇÃO DEANTICONCEPÇÃO DE EMERGÊNCIAEMERGÊNCIA Normatizada pelo Ministério da Saúde em 1996:  Pílulas combinadas – Método de YUSPE  Pílulas de progestogênio isolado
  • 21.  Pode reduzir o número de abortos inseguros  Não existem contra-indicações ao uso do método. ANTICONCEPÇÃO DEANTICONCEPÇÃO DE EMERGÊNCIAEMERGÊNCIA  Não usar como método de rotina – efeitos colaterais mais intensos e menos efetiva do que um método anticoncepcional regular.  Não é abortiva - A AE não funciona se já tiver ocorrido a implantação do ovo no útero. Também não trará problemas para o embrião.
  • 22. Método de YUSPE – duas doses:  1ª dose - até 5 dias após a relação sexual  2ª dose - 12 horas após a primeira dose Progestogênio Isolado – dois esquemas:  Esquema 1 – 1ª dose até 5 dias após a relação sexual 2ª dose 12 horas após a primeira dose  Esquema 2 – Dose única de levonorgestrel ADMINISTRAÇÃO DAADMINISTRAÇÃO DA ANTICONCEPÇÃO DEANTICONCEPÇÃO DE EMERGÊNCIAEMERGÊNCIA
  • 23. “... a reprodução humana natural é um processo que envolve gametas masculinos e femininos e sua união na fertilização. A gravidez é a parte desse processo que se inicia com a IMPLANTAÇÃO do concepto dentro do organismo da mulher.” (Organização Mundial de Saúde) CONCEITO DECONCEITO DE GRAVIDEZ - OMSGRAVIDEZ - OMS
  • 25. FECUNDAÇÃO E GRAVIDEZFECUNDAÇÃO E GRAVIDEZ  Ovo fecundado: 3 a 5 dias para chegar ao útero.  Implantação: 1 a 3 dias para implantar-se no endométrio (geralmente 5 a 7 dias após a fecundação).
  • 26. 1. BEMFAM. Sociedade Civil Bem-Estar Familiar no Brasil. Direitos sexuais e reprodutivos. Formação em Saúde Sexual e Reprodutiva – Mód. 1. Departamento de Educação e Comunicação. 2003 2. BEMFAM. Sociedade Civil Bem-Estar Familiar no Brasil. Planejamento familiar. Formação em Saúde Sexual e Reprodutiva – Mód. 3. Departamento de Educação e Comunicação. 2003 3. BEMFAM. Sociedade Civil Bem-Estar Familiar no Brasil. Normas técnicas em anticoncepção. Rio de Janeiro: BEMFAM, [2003]. 4. VENTURA, Miriam. Direitos Reprodutivos no Brasil. São Paulo: M. Ventura, 2002. 5. BEMFAM. Sociedade Civil Bem-Estar Familiar no Brasil. Atualização em anticoncepção e anticoncepção de emergência. Treinamento de multiplicadores. BEMFAM. Rio de Janeiro. 11, 12 e 13 de dezembro de 2003. 6. ECOS. Gravidez de adolescentes entre 10 e 14 anos e vulnerabilidade social. São Paulo. 2004. 7. www.anticoncepcao.org.br BIBLIOGRAFIABIBLIOGRAFIA