Professora Adriana Gotschalg
Disciplina Ciências
2014
VISITA AO
ESPAÇO DO CONHECIMENTO UFMG
O Espaço do Conhecimento UFMG apresenta-se como um espaço de
formação e de divulgaçã...
Na sequência, uma instalação, simulando um ambiente e um experimento
laboratoriais, trata de uma das mais célebres tentati...
Figura 4: crânio verdadeiro de mais de 12 mil anos.
Ainda nessa seção, apreciaremos uma réplica do importante sítio arqueo...
Figura 7: Cosmogonia Judaico-Cristã Figura 8: Cosmogonia Grega
Figura 9: Cosmogonia Maia-Quiché Figura 10: Cosmogonia Yoru...
Figura 12: Histórico da troca de mercadorias
Atuando como fósseis linguísticos, os nomes dos lugares também guardam, na
pa...
ORIENTAÇÕES ESPECIAIS
1. NÃO leve celular, nem mochila. Caso leve alguma bolsa, favor deixá-la no ônibus.
2. NÃO é necessá...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Espaco do conhecimento ufmg

1.095 visualizações

Publicada em

Para quem quer visitar o Espaço UFMG do Conhecimento, no circuito cultural da Praça da Liberdade em BH.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.095
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
647
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Espaco do conhecimento ufmg

  1. 1. Professora Adriana Gotschalg Disciplina Ciências 2014
  2. 2. VISITA AO ESPAÇO DO CONHECIMENTO UFMG O Espaço do Conhecimento UFMG apresenta-se como um espaço de formação e de divulgação científica diferenciado. A sua função primordial é estimular a reflexão, apresentando o que há de mais avançado nas pesquisas universitárias em uma linguagem esteticamente atraente e, ao mesmo tempo, acessível e rigorosa. Além da exploração de temas ligados às ciências, às artes e às tecnologias, o Espaço do Conhecimento apresenta um observatório e um planetário para os estudos da Astronomia. O Planetário possui um conjunto de projetores de imagens que permite, entre outras, a visão do céu como se fosse de qualquer local do Planeta, em qualquer época – passado, presente ou futuro, utilizando, para isso, um programa conhecido nosso, o Stellarium. Na ocasião, assistiremos ao documentário Limite, que trata da exploração dos limites do universo observável usando vários instrumentos, inclusive grandes telescópios. Nessa jornada o objetivo principal é expandir esses limites a regiões cada vez mais distantes, para entender a estrutura do universo e suas transformações ao longo do tempo. Além do Planetário, visitaremos dois andares da exposição Demasiado Humano. A partir da questão básica sobre a busca do conhecimento, esta exposição tem como temas a origem do universo, o surgimento da espécie humana e o povoamento da Terra, as cosmogonias, o papel da escrita, a globalização, os diálogos culturais, a diversidade linguística e o homem em relação à biodiversidade. Quarto andar: Origens Nesta seção, a exposição Demasiado humano apresenta diversas teorias e descobertas produzidas por vários ramos da ciência contemporânea (como a Astrofísica, a Paleontologia, a Arqueologia e a Genética), em suas tentativas de responder às dúvidas dos homens quanto às suas origens. Abrindo o andar e iniciando a seção Origens, encontra-se um grande painel ilustrado, intitulado “Extratos do tempo” (Figura 1). Desenvolvido com base nas mais recentes teorias e dados provindos de observações astronômicas avançadas, esse painel foi concebido segundo a ideia do Universo em constante expansão, tanto no espaço quanto no tempo. Figura 1: Painel “Extratos do Tempo”
  3. 3. Na sequência, uma instalação, simulando um ambiente e um experimento laboratoriais, trata de uma das mais célebres tentativas da ciência em desvendar “a origem da vida na atmosfera primitiva da Terra: o experimento de Miller” (Figura 2). Figura 2: O experimento de Miller A Teoria da Evolução poderá ser explorada através de plataformas interativas, de observação de ossadas de grandes répteis (Figura 3) e de painéis lúdicos e ilustrativos. Figura 3: Exposição de fósseis Os primeiros vestígios humanos na América estão presentes no Espaço através da exposição de um crânio de um homem que viveu em Minas Gerais há mais de 12 mil anos (Figura 4). Integrante dos primeiros grupos humanos caçadores- coletores, esse homem teria pertencido mesmo grupo populacional a que pertenceu Luzia, uma jovem que viveu na região de Lagoa Santa, há mais de 11 mil anos, e cujo esqueleto é considerado como o fóssil humano mais antigo das Américas.
  4. 4. Figura 4: crânio verdadeiro de mais de 12 mil anos. Ainda nessa seção, apreciaremos uma réplica do importante sítio arqueológico de Montalvânia, onde os chãos e os paredões rochosos dos sítios da região da Serra do Aristeu possuem a peculiaridade de terem sido decorados, principalmente, com relevos picotados nas pedras, ao invés de pinturas (Figuras 5 e 6). Figura 5: Réplica do Sítio Arqueológico de Montalvânia Figura 6: Pinturas rupestres (detalhe) Terceiro andar: Vertentes Esta seção é dedicada à abordagem da diferença como fundamento da cultura. Esse tema é tratado através da variedade de formas de pensamento e expressão (diversas linguagens, línguas, imagens sonoras e visuais – tudo o que representa as culturas) usadas pelos homens e que marcam sua passagem pela Terra. De uma forma muito interessante, a exposição mostra a origem humana em algumas culturas, cosmogonia, como as ilustradas nas figuras 7 a 11.
  5. 5. Figura 7: Cosmogonia Judaico-Cristã Figura 8: Cosmogonia Grega Figura 9: Cosmogonia Maia-Quiché Figura 10: Cosmogonia Yorubá Figura 11: Cosmogonia Maxacali A natureza cultural da dimensão humana foi profundamente afetada pela necessidade de sobrevivência, mas também pela força da escrita, e pelo trânsito de pessoas e mercadorias. Abre-se diante de nós o trânsito, entre a América e o restante do mundo, de objetos e mercadorias e também de visões de mundo que se difundem e se impõem (Figura 12).
  6. 6. Figura 12: Histórico da troca de mercadorias Atuando como fósseis linguísticos, os nomes dos lugares também guardam, na paisagem, a memória e os vestígios do trânsito, das trocas, das línguas e das culturas. Por isso, a Exposição apresenta o estudo da toponímia (estudo da origem dos nomes dos lugares), em especial da fitotoponímia (estudo da origem dos nomes das plantas), como fonte privilegiada para o conhecimento das relações ambientais, socioculturais e históricas que moldaram a ocupação humana de determinada região, ilustrado nas figuras 13 e 14. Figura 13: Painel de fitotoponímia Figura 14: Exemplos de culturas brasileiras Esperamos que a visita ao Espaço do Conhecimento UFMG promova, além da complementação do conhecimento discutido dentro da sala de aula, uma maior sensibilização sobre questões científicas e culturais e incentive o gosto pelos museus. Aproveite para voltar ao Espaço do Conhecimento com toda a família!
  7. 7. ORIENTAÇÕES ESPECIAIS 1. NÃO leve celular, nem mochila. Caso leve alguma bolsa, favor deixá-la no ônibus. 2. NÃO é necessário tirar fotos. 3. Leve este roteiro e lápis para fazer as anotações que considerar necessárias. 4. Por se tratarem de ambientes climatizados (19o C), é aconselhável que se leve o agasalho. 5. Lembre-se que a visita é uma aula fora da escola. Portanto, a dinâmica deve ser a mesma da sala de aula: mesmo que esteja ansioso(a) para perguntar, levante a mão e espere que o mediador da visita passe a vez para você. A interação entre você e a exposição é, sim, de extrema importância. Porém conversas paralelas não devem acontecer em hipótese alguma. Tenha uma ótima experiência no Museu! Adriana Gotschalg Professora de Ciências FONTES BIBLIOGRÁFICAS http://www.espacodoconhecimento.org.br FOTOGRAFIA Adriana Gotschalg

×