O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

41 newsletter setembro 2012

238 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

41 newsletter setembro 2012

  1. 1. Setembro / 2012 O diretor-executivo da Terra Roxa, Alexandre Farina, participou de reunião, em Florianópolis, da Comissão Técnica que estuda a viabilidade do Trem Pé-Vermelho, que ligará Ibiporã a Paiçandu. Participaram representantes do Labtrans, consultores, representantes do projeto da Pasta de Trens Regionais do Ministério dos Transportes e do governo do Paraná, e representantes das cidades de Londrina e Maringá. Na reunião foi feita uma pré-apresentação do estudo de viabilidade, já finalizado, para validação interna. O estudo deve ser apresentado ainda este mês ao Ministério dos Transportes, tornando-se disponível para consulta pública. PAC 2 Várias ações vêm sendo feitas para viabilizar a instalação do trem ligando Ibiporã a Paiçandu, orçado em R$ 670 milhões. Uma delas foi o cadastramento da proposta técnica no Ministério das Cidades para disputar recursos relacionados a projetos de mobilidade urbana, dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) Médias Cidades. O cadastro foi feito pela Secretaria Estadual de Infraestrutura e Logística, com apoio da Terra Roxa e das prefeituras das duas principais cidades do trecho (Maringá e Londrina). Projeto também está na Renai Outra iniciativa da Terra Roxa foi o envio do projeto Trem Pé-Vermelho para a Rede Nacional de Informação de Investimento (Renai). Trata-se de um portal do governo federal que divulga oportunidades de investimento com potencial para parcerias Público-Privada. “São algumas novas iniciativas, mas a Terra Roxa vem divulgando este projeto também em todas as nossas viagens de trabalho. Ele está sempre em pauta nas nossas ações”, afirma Alexandre Farina. 1 Viabilidade do Trem Pé-Vermelho TRI faz contatos prospectando novos mercados Rússia, Sul da África e Reino Unido. Essas são as novas frentes de contatos que a Agência de Desenvolvimento Terra Roxa vem mantendo em busca de informações e negócios que possam favorecer a região Norte do Paraná. Rússia No final de agosto, a analista de mercado internacional da TRI, Megumi Hayashi, participou do encontro “Mercado foco Rússia”, promovido pelo Centro Internacional de Negócios, da Fiep, e Apex, em Curitiba. Participaram do evento vários empresários, inclusive de Londrina e Maringá, que participam do projeto PEIEX– Projeto de Extensão Industrial Exportadora.
  2. 2. 2 O Segundo Megumi, no encontro foram apresentadas oportunidades no mercado russo nas áreas de máquinas e equipamentos, produtos alimentícios e moda. Para mais informações sobre as oportunidades com o mercado russo, os interessados podem entrar em contato com a TRI e PEIEX. No início de setembro a TRI recebeu o embaixador da Rússia no Brasil, Sergey Akopov, que veio estreitar laços na região e apresentar oportunidades de parcerias com empresas russas de destaque, na área de radares, estações meteorológicas, controle de tráfego aéreo, painéis fotovoltaicos e veículos militares. A TRI seguirá com os contatos no intuito de identificar possibilidades de interação do Norte do Paraná nestas oportunidades. Namíbia e Sul da África Também em agosto, a TRI recebeu o consultor da Namíbia, Ricardo Laktani para uma reunião. Ele apresentou o país africano como porta de entrada para vários países do sul da África e expôs a necessidade que se tem de importar produtos diversos para o desenvolvimento de suas economias. O objetivo do consultor é identificar os produtos da região e potenciais compradores naquele país. A Namíbia tem 2 milhões de habitantes e PIB de 20 bilhões de dólares. Está localizada na África Austral, que agrega cerca de 150 milhões de habitantes. Participaram desta reunião empresas dos setores de moda, alimentos, ração animal, móveis, lâmpadas, baterias, café, despachantes aduaneiros, transporte internacional de cargas, entre outros. De acordo com o presidente da TRI, Fernando Lopes Kireeff, estão em análise a organização de uma comitiva de empresários para visitar aquela região com a intenção de conhecer melhor o mercado e potenciais parceiros e também de organizar a visita de compradores daquela região para o Norte do Paraná. Oportunidades no Reino Unido A TRI também recebeu o contato de Eduardo Navarro, paranaense e sócio-diretor, em Londres, da consultoria KPMG, interessado em conhecer melhor o trabalho da agência norte- paranaense. Navarro é membro da Câmara Brasileira de Comércio em Londres. As conversações giraram em torno das oportunidades de negócios entre aquele país e a região norte do Paraná, abrindo as portas para que sejam iniciadas discussões sobre as formas de interação com o mercado britânico.
  3. 3. Outro importante contato feito no mês de agosto pela TRI foi com a Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China, órgão que concentra as oportunidades de negócios com aquele país. “Estamos criando laço com essa Câmara, que é a principal do mercado chinês”, comenta Alexandre Farina. O contato foi feito durante a feira “China Global Sourcing”, realizada em São Paulo e que reúne as empresas chinesas fornecedores de diversas áreas no mercado. No mesmo dia da Feira, Farina também participou, em São Paulo, da apresentação da prefeitura de Huizhou, na China. Huizhou é uma importante cidade chinesa da província de Cantão, com forte desenvolvimento industrial, qualidade de vida e desenvolvimento humano. “Representantes dessa região querem parcerias com empresas brasileiras. Eles vieram com uma comitiva formada por 40 empresas para fomentar negócios com o Brasil. Para se ter uma ideia, foram assinados contratos totalizando US$ 800 milhões em negócios entre empresas brasileiras e de Huizhou”, informa Farina. Ele acrescenta que a participação na apresentação foi importante para identificar linhas de ação com o mercado chinês. O norte do Paraná foi divulgado na Exposição Internacional de Inovações, na cidade de Kobe, no Japão, realizada nos dias 6 e 7 de setembro. A apresentação foi possível graças a aproximação feita pela TRI com a representação da província de Hyogo no Paraná. Por meio dessa aproximação, foi aberta a oportunidade de participação na Exposição, para onde foi enviado material de divulgação da região. 3 TRI faz contato com Câmara Brasil-China Muitos contatos são feitos rotineiramente Além de todos os contatos relacionados acima, a TRI procura e também vem sendo procurada por muitos representantes de entidades e de países, ampliando constantemente sua rede de relacionamento. EUA - Recentemente a TRI foi acionada pelo representante da Câmara Americana de Comércio (AMCHAM), Gustavo Glodes- Blum. O presidente Fernando Lopes Kireeff informa que está sendo discutida uma parceria oficial entre as instituições e oportunidades para que sejam criadas missões institucionais e empresariais para os EUA, numa ação conjunta entre a Câmara de Comércio e a TRI. Exposição no Japão
  4. 4. 4 Ásia - Outro contato importante realizado: por meio de indicação da Apex-Brasil, a TRI se apresentou às embaixadas brasileiras localizadas em Seul (Coreia do Sul) e Kuala Lampur (Malásia). Está sendo avaliada a possibilidade de enviar e receber missões empresariais entre os países, que estão abertos e em busca de novas oportunidades. Alemanha – Foi realizado o Fórum do Agronegócio Alemanha-Brasil, organizado pelo Centro Empresarial de Estudos Internacionais (CEEI) e Ministério da Agricultura e Abastecimento do Governo Federal da Alemanha, no final de agosto em São Paulo. Estiveram presentes cerca de 30 empresas alemãs de destaque no setor. A TRI desenvolveu um material com foco no agronegócio do Norte do Paraná, que foi encaminhado às empresas participantes. AHK - Câmara Brasil-Alemanha Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Camara Italo-Brasileira de Comércio e Indústria Abrasel - Associação Brasileira de Bares e Restaurantes CIN - Centro Internacional de Negócios do Paraná CEEI - Centro Empresarial de Estudos Internacionais BVMW - Confederação Alemã para Empresas de Pequeno e Médio Porte

×