SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
Baixar para ler offline
A Geografia Pré e
Pós-Dilúvio
Prof. André Luiz Marques
1. O Dilúvio foi global ou apenas
regional? O que diz a Bíblia e as
evidências científicas? Há alguma
literatura científica a respeito?
E as águas prevaleceram excessivamente sobre a terra; e
todos os altos montes que havia debaixo de todo o céu,
foram cobertos.
Quinze côvados acima prevaleceram as águas; e os montes
foram cobertos.
E expirou toda a carne que se movia sobre a terra, tanto de
ave como de gado e de feras, e de todo o réptil que se
arrasta sobre a terra, e todo o homem.
Tudo o que tinha fôlego de espírito de vida em suas narinas,
tudo o que havia em terra seca, morreu.
Gênesis 7:19-22
Relatos de um Dilúvio
Universal fora da Bíblia
Existem mais de 270 relatos de um dilúvio universal fora
da Bíblia. Destacam-se os seguintes:
1. Judaico
2. Judaico-cristão
3. Sudoeste da Tanzânia
4. China
5. Babilônia – Gilgamesh
6. Índia
7. Caldeus
8. Austrália
9. Grécia
10. México
11. Asteca
12. Inca
13. Estados Unidos
14. Índios Delaware
15. Groelândia
16. Egito
17. Inglaterra
18. Polinésia
19. Ilhas Fiji
20. Perú
https://creationsciencenews.com/2010/09/02/ha-relatos-do-diluvio-em-quase-todas-civilizacoes-espalhadas-pelo-mundo/
21. Uro
22. Maia
23. Pascuense
24. Mapuche
25. Yanomami
26. Alcorão
27. Atlântida (?)
“Algumas das novas ideias do catastrofismo propõem que cometas ou
asteroides poderiam levantar ondas do oceano até à altura de oito km e gases
a centenas de quilômetros acima da superfície da Terra. Outros propuseram
efeitos que incluem golpes de ar de 500ºC com a velocidade de 2.500 km por
hora, os quais matariam metade dos seres na terra, e terremotos globais
acompanhados de ondas do solo que atingiriam 10 metros de altura. A
abertura de rachaduras de 10 a 100 km e a formação rápida de montanhas
também têm sido propostas. Há inclusive uma sugestão de que esses
choques podem ter iniciado a separação do antigo supercontinente chamado
Gondwana.” (Ariel A. Roth)
http://www.filosofiadasorigens.org.br/fo/index.php/estruturas-conceituais-menu-
artigos/101-catastrofismo-sim
Catastrofismo? Sim!
Modelo de Price
Principais impactos e placas
tectônicas: um modelo para a
evolução fanerozóica da
litosfera da Terra / Neville J.
Price, 2001
Mapa das Bacias Sedimentares
https://exame.abril.com.br/ciencia/nao-foi-apenas-um-meteoro-que-matou-dinossauros-diz-estudo/
2. Como era a geografia da
superfície da Terra antes do
Dilúvio? Chovia, fazia frio,
tinham desertos...?
Obra de Suas Mãos
Quando a Terra saiu das mãos de seu Criador, era
extraordinariamente bela. Variada era a sua superfície, contendo
montanhas, colinas e planícies, entrecortadas por majestosos rios
e formosos lagos; as colinas e montanhas, entretanto, não eram
abruptas e escabrosas, tendo em grande quantidade tremendos
despenhadeiros e medonhos abismos como hoje elas são; as
arestas agudas e ásperas do pétreo arcabouço da terra estavam
sepultadas por sob o solo fértil, que por toda parte produzia um
pujante crescimento de vegetação. Não havia asquerosos
pântanos nem áridos desertos. Graciosos arbustos e delicadas
flores saudavam a vista aonde quer que esta se volvesse. As
elevações estavam coroadas de árvores mais majestosas do que
qualquer que hoje exista. O ar, incontaminado por miasmas
perniciosos, era puro e saudável. A paisagem toda sobrepujava em
beleza os terrenos ornamentados do mais soberbo palácio. A
hoste angélica olhava este cenário com deleite, e regozijava-se
com as obras maravilhosas de Deus. PP 17.2Patriarcas e Profetas, p. 17
3. Quais evidências científicas
podem corroborar esta visão
pré-diluviana?
https://origememrevista.com.br/2017/08/24/o-mundo-pre-diluviano/
Mundo pré-diluviano
Maior concentração de oxigênio e pressão atmosférica
Dossel ou canopla de água ao redor do planeta
Montanhas mais baixas
Ausência de chuvas
Oceanos rasos e o ciclo hidrológico
Uniformidade de temperatura em todo o planeta
Animais e plantas maiores
4. Como teria sido essa
catástrofe hídrica? De onde
veio e para onde foi toda a
água?
5. Como a Arca de Noé poderia
ter resistido ao Dilúvio?
Ondas Gigantescas
Será que a Arca resistiria?
Proporção de 6:1 – 300x50x10 côvados
Deus no controle
6. O criacionismo tem algum
modelo científico que
reinterpreta a teoria da deriva
continental? (Teoria das
Hidroplacas).
Proposta pelo engenheiro
mecânico norte-
americano Walter Brown,
em 1980, em seu livro In the
Beginning: Compelling Evidence
for Creation and the Flood.
Placas tectônicas
7. Quais as principais
evidências geológicas,
geomorfológicas e
paleontológicas do Dilúvio
global?
Mapa das Bacias Sedimentares
Modelo de Price
“O registro estratigráfico do fanerozoico foi controlado, ou mesmo
determinado, pela incidência de eventos impactantes catastróficos.
Ou seja, dezenas destes eventos, em áreas oceânicas e continentais,
coincidem com limites estratigráficos” (Price, 2005)
Vasto Cemitério
Modelo de Price
“Muitos geólogos parecem mostrar uma natural antipatia para a
ideia (apesar das evidências) de que formas de vida,
especialmente no fanerozoico, foram subitamente extinguidas”
(Price, 2005)
Tecidos moles em fósseis de
dinossauros
Contatos Plano-paralelos
Contato entre
camadas de
rochas do tipo
plano-paralelo
Semelhante a um
bolo de camadas
“Quando o meteorito penetra no manto superior (200 km de
profundidade), a produção de calor causará a fusão dessa porção
do manto... As grandes províncias ígneas (LIPs) continentais e
oceânicas são o resultado de impactos meteoríticos.” (Price, 2005)
O que teria provocado dezenas de violentas e
gigantescas erupções vulcânicas no Planeta Terra?
Modelo de Price
Províncias Ígneas no Mundo
Mais de 100 províncias ígneas já foram identificadas
Aula de campo com o Dr. Nahor Neves
Dorsais meso-oceânicas
Simulando o Dilúvio
e formação das rochas
sedimentares
Vídeo ''Simulação do Dilúvio''
Formação do Petróleo
Formação do Petróleo
Formação de carvão
8. Após o Dilúvio, como teria ficado a
geografia da Terra? Como explicar a
diferença de temperatura, glaciações,
crateras de meteoritos, os cânions,
crátons, planaltos, planícies, depressões,
Cordilheiras, terraços, bacias
sedimentares com fósseis etc.?
A população humana e de animais e plantas
tiveram que se readaptar às novas condições
http://vintage.portaldoastronomo.org/tema_pag.php?id=9&pag=4
Distribuição das crateras de impacto de meteoritos pelo mundo
Em toda a Terra foram diagnosticadas 182 crateras
formadas por impacto meteorítico. Destas, apenas
6 estão localizadas em território brasileiro:
Araguainha (MT-GO), Vargeão (SC), Serra da
Cangalha (TO), Riachão (MA), Vista Alegre (PR) e
Cerro do Jarau (RS).
Número de Crateras de Impacto
http://www.bv.fapesp.br/pt/bolsas/138515/modelamento-numerico-de-estruturas-de-
impacto-brasileiras/
9. A Terra será restaurada
pelo Criador como era antes
do Dilúvio?
Nova Terra
“...Eis que faço novas todas as
coisas...” (Apocalipse 21:5)
Isaías 66:22,23
10. Numa “Terra plana”, o
Dilúvio poderia ocorrer?
Não, pois as condições físicas de uma Terra plana
não permitiriam tal catástrofe que envolveu tantos
fatores que só se explicam numa Terra globo.
Meteoros iriam quebrar o domo de vidro;
Não teria o efeito da subducção para as placas tectônicas;
De onde viria toda a água e para onde voltaria?
Não haviam terrenos cobertos por glaciares pra ser a borda da
Terra plana, pois a temperatura era semelhante por todo o globo.
Terra plana?
Evidências da Terra Redonda
Eratóstenes de Cirene
Calculou a circunferência da Terra,
chegando próximo à medida que
Sabemos hoje com precisão
(40.053 Km).
Evidências da Terra Redonda
Nunca foram vistos eclipses lunares assim
Evidências da Terra Redonda
Eclipses lunares reais
Evidências da Terra Redonda
Evidências da Terra Redonda
Evidências da Terra Redonda
Evidências da Terra Redonda
Efeito de Coriólis
Considerações finais sobre a
geografia pré e pós Dilúvio
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A primeira viagem missionaria de paulo
A primeira viagem missionaria de pauloA primeira viagem missionaria de paulo
A primeira viagem missionaria de pauloGeysa Farias
 
Lição 01- Conhecendo o Livro de Isaías
Lição 01- Conhecendo o Livro de IsaíasLição 01- Conhecendo o Livro de Isaías
Lição 01- Conhecendo o Livro de IsaíasMaxsuel Aquino
 
A História de Israel - Aula 2 - Os Patriarcas
A História de Israel - Aula 2 - Os PatriarcasA História de Israel - Aula 2 - Os Patriarcas
A História de Israel - Aula 2 - Os PatriarcasPr. Luiz Carlos Lopes
 
Abraão a esperança do pai da fé
Abraão a esperança do pai da féAbraão a esperança do pai da fé
Abraão a esperança do pai da féMárcio Martins
 
GEOGRAFIA BÍBLICA - ANTIGO TESTAMENTO
GEOGRAFIA BÍBLICA - ANTIGO TESTAMENTOGEOGRAFIA BÍBLICA - ANTIGO TESTAMENTO
GEOGRAFIA BÍBLICA - ANTIGO TESTAMENTORODRIGO FERREIRA
 
geografia bíblica, hidrografia de israel.
geografia bíblica, hidrografia de israel.geografia bíblica, hidrografia de israel.
geografia bíblica, hidrografia de israel.RODRIGO FERREIRA
 
A geografia do Egito na história bíblica
A geografia do Egito na história bíblicaA geografia do Egito na história bíblica
A geografia do Egito na história bíblicaCleber Olympio
 
LIÇÃO 12 - NOVOS CÉUS E NOVA TERRA
LIÇÃO 12 - NOVOS CÉUS E NOVA TERRALIÇÃO 12 - NOVOS CÉUS E NOVA TERRA
LIÇÃO 12 - NOVOS CÉUS E NOVA TERRALourinaldo Serafim
 
Josué informações e curiosidades
Josué   informações e curiosidadesJosué   informações e curiosidades
Josué informações e curiosidadesClube_Santo
 
Geografia biblica slide
Geografia biblica slideGeografia biblica slide
Geografia biblica slideAndré Rocha
 
A Origem e História da Bíblia
A Origem e História da BíbliaA Origem e História da Bíblia
A Origem e História da BíbliaAntonio Fernandes
 
Geografia bíblica
Geografia bíblicaGeografia bíblica
Geografia bíblicaNatan Silva
 
O NOVO TESTAMENTO
O NOVO TESTAMENTO O NOVO TESTAMENTO
O NOVO TESTAMENTO Eli Vieira
 
Geografia bíblica conflitos no oriente médio
Geografia bíblica   conflitos no oriente médioGeografia bíblica   conflitos no oriente médio
Geografia bíblica conflitos no oriente médioFabrício Almeida
 
Josue seminario 4
Josue seminario 4 Josue seminario 4
Josue seminario 4 Elisa Schenk
 

Mais procurados (20)

A primeira viagem missionaria de paulo
A primeira viagem missionaria de pauloA primeira viagem missionaria de paulo
A primeira viagem missionaria de paulo
 
Lição 01- Conhecendo o Livro de Isaías
Lição 01- Conhecendo o Livro de IsaíasLição 01- Conhecendo o Livro de Isaías
Lição 01- Conhecendo o Livro de Isaías
 
A História de Israel - Aula 2 - Os Patriarcas
A História de Israel - Aula 2 - Os PatriarcasA História de Israel - Aula 2 - Os Patriarcas
A História de Israel - Aula 2 - Os Patriarcas
 
Abraão a esperança do pai da fé
Abraão a esperança do pai da féAbraão a esperança do pai da fé
Abraão a esperança do pai da fé
 
A Criação do Mundo
A Criação do MundoA Criação do Mundo
A Criação do Mundo
 
História de israel
História de israelHistória de israel
História de israel
 
GEOGRAFIA BÍBLICA - ANTIGO TESTAMENTO
GEOGRAFIA BÍBLICA - ANTIGO TESTAMENTOGEOGRAFIA BÍBLICA - ANTIGO TESTAMENTO
GEOGRAFIA BÍBLICA - ANTIGO TESTAMENTO
 
geografia bíblica, hidrografia de israel.
geografia bíblica, hidrografia de israel.geografia bíblica, hidrografia de israel.
geografia bíblica, hidrografia de israel.
 
A geografia do Egito na história bíblica
A geografia do Egito na história bíblicaA geografia do Egito na história bíblica
A geografia do Egito na história bíblica
 
A verdadeira pascoa
A verdadeira pascoaA verdadeira pascoa
A verdadeira pascoa
 
LIÇÃO 12 - NOVOS CÉUS E NOVA TERRA
LIÇÃO 12 - NOVOS CÉUS E NOVA TERRALIÇÃO 12 - NOVOS CÉUS E NOVA TERRA
LIÇÃO 12 - NOVOS CÉUS E NOVA TERRA
 
Josué informações e curiosidades
Josué   informações e curiosidadesJosué   informações e curiosidades
Josué informações e curiosidades
 
Geografia biblica slide
Geografia biblica slideGeografia biblica slide
Geografia biblica slide
 
A Origem e História da Bíblia
A Origem e História da BíbliaA Origem e História da Bíblia
A Origem e História da Bíblia
 
Geografia bíblica
Geografia bíblicaGeografia bíblica
Geografia bíblica
 
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
 
O NOVO TESTAMENTO
O NOVO TESTAMENTO O NOVO TESTAMENTO
O NOVO TESTAMENTO
 
O povo-hebreu
O povo-hebreuO povo-hebreu
O povo-hebreu
 
Geografia bíblica conflitos no oriente médio
Geografia bíblica   conflitos no oriente médioGeografia bíblica   conflitos no oriente médio
Geografia bíblica conflitos no oriente médio
 
Josue seminario 4
Josue seminario 4 Josue seminario 4
Josue seminario 4
 

Semelhante a A Geografia pré e pós-Diluvio

A História de Adão e Eva - Chan Thonas (traduzido).pdf
A História de Adão e Eva - Chan Thonas (traduzido).pdfA História de Adão e Eva - Chan Thonas (traduzido).pdf
A História de Adão e Eva - Chan Thonas (traduzido).pdfELIAS OMEGA
 
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana FinalA Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana FinalProfMario De Mori
 
Introdução a paleontologia
Introdução a paleontologiaIntrodução a paleontologia
Introdução a paleontologiaParaaula
 
A conspiração evolucionista
A conspiração evolucionistaA conspiração evolucionista
A conspiração evolucionistaHilton da Silva
 
Ficha informativa 1 que explicações para a extinção dos dinossauros
Ficha informativa 1   que explicações para a extinção dos dinossaurosFicha informativa 1   que explicações para a extinção dos dinossauros
Ficha informativa 1 que explicações para a extinção dos dinossaurosMaria Matias
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicomargaridabt
 
Terra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudançaTerra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudançaIsabel Lopes
 
Estrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da TerraEstrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da Terracleiton denez
 
AULA 2 - RELEVO DO BRASIL
AULA 2 - RELEVO DO BRASILAULA 2 - RELEVO DO BRASIL
AULA 2 - RELEVO DO BRASILCADUCOCFRENTE2
 
Mobilidade Geológica
Mobilidade GeológicaMobilidade Geológica
Mobilidade GeológicaTânia Reis
 
Terra, um planeta em mudança
Terra, um planeta em mudançaTerra, um planeta em mudança
Terra, um planeta em mudançajoanabreu
 

Semelhante a A Geografia pré e pós-Diluvio (20)

Impacto profundo 30_minutos
Impacto profundo 30_minutosImpacto profundo 30_minutos
Impacto profundo 30_minutos
 
Impacto Profundo
Impacto ProfundoImpacto Profundo
Impacto Profundo
 
A História de Adão e Eva - Chan Thonas (traduzido).pdf
A História de Adão e Eva - Chan Thonas (traduzido).pdfA História de Adão e Eva - Chan Thonas (traduzido).pdf
A História de Adão e Eva - Chan Thonas (traduzido).pdf
 
Aula Geologia
Aula Geologia Aula Geologia
Aula Geologia
 
A Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana FinalA Geologia e a Ação Humana Final
A Geologia e a Ação Humana Final
 
Introdução a paleontologia
Introdução a paleontologiaIntrodução a paleontologia
Introdução a paleontologia
 
A causa do dilúvio
A causa do dilúvioA causa do dilúvio
A causa do dilúvio
 
A conspiração evolucionista
A conspiração evolucionistaA conspiração evolucionista
A conspiração evolucionista
 
Ficha informativa 1 que explicações para a extinção dos dinossauros
Ficha informativa 1   que explicações para a extinção dos dinossaurosFicha informativa 1   que explicações para a extinção dos dinossauros
Ficha informativa 1 que explicações para a extinção dos dinossauros
 
Princípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológicoPrincípios básicos do raciocínio geológico
Princípios básicos do raciocínio geológico
 
NOSSA ORIGEM
NOSSA ORIGEMNOSSA ORIGEM
NOSSA ORIGEM
 
Avaliação de história 6º ano
Avaliação de história 6º anoAvaliação de história 6º ano
Avaliação de história 6º ano
 
Terra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudançaTerra um planeta em mudança
Terra um planeta em mudança
 
Estrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da TerraEstrutura Interna da Terra
Estrutura Interna da Terra
 
AULA 2 - RELEVO DO BRASIL
AULA 2 - RELEVO DO BRASILAULA 2 - RELEVO DO BRASIL
AULA 2 - RELEVO DO BRASIL
 
Estudo a criação!
Estudo a criação!Estudo a criação!
Estudo a criação!
 
Estruturadaterra
EstruturadaterraEstruturadaterra
Estruturadaterra
 
Mobilidade Geológica
Mobilidade GeológicaMobilidade Geológica
Mobilidade Geológica
 
Mudanças climáticas
Mudanças climáticasMudanças climáticas
Mudanças climáticas
 
Terra, um planeta em mudança
Terra, um planeta em mudançaTerra, um planeta em mudança
Terra, um planeta em mudança
 

Mais de André Luiz Marques

A Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença Mantida
A Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença MantidaA Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença Mantida
A Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença MantidaAndré Luiz Marques
 
Quem sou eu - a formação do povo brasileiro
Quem sou eu - a formação do povo brasileiroQuem sou eu - a formação do povo brasileiro
Quem sou eu - a formação do povo brasileiroAndré Luiz Marques
 
Minerais e Rochas - Especialidade
Minerais e Rochas - EspecialidadeMinerais e Rochas - Especialidade
Minerais e Rochas - EspecialidadeAndré Luiz Marques
 
A precisao da profecia das 2300 tardes e manhas
A precisao da profecia das 2300 tardes e manhasA precisao da profecia das 2300 tardes e manhas
A precisao da profecia das 2300 tardes e manhasAndré Luiz Marques
 
Jesus, da Criação à Restauração_35min
Jesus, da Criação à Restauração_35minJesus, da Criação à Restauração_35min
Jesus, da Criação à Restauração_35minAndré Luiz Marques
 
Criacionismo - Fé e Razão caminhando juntas
Criacionismo - Fé e Razão caminhando juntasCriacionismo - Fé e Razão caminhando juntas
Criacionismo - Fé e Razão caminhando juntasAndré Luiz Marques
 
Minerais e Rochas - especialidade
Minerais e Rochas - especialidadeMinerais e Rochas - especialidade
Minerais e Rochas - especialidadeAndré Luiz Marques
 
Panspermia: jogando o problema ao espaço
Panspermia: jogando o problema ao espaço Panspermia: jogando o problema ao espaço
Panspermia: jogando o problema ao espaço André Luiz Marques
 
Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)
Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)
Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)André Luiz Marques
 
Universo Criado - versao curta 20min
Universo Criado - versao curta 20minUniverso Criado - versao curta 20min
Universo Criado - versao curta 20minAndré Luiz Marques
 
Concurso de literatura denominacional
Concurso de literatura denominacionalConcurso de literatura denominacional
Concurso de literatura denominacionalAndré Luiz Marques
 
Escavando a Bíblia (versão curta)
Escavando a Bíblia (versão curta)Escavando a Bíblia (versão curta)
Escavando a Bíblia (versão curta)André Luiz Marques
 
Noite Astronômica - Universo Criado
Noite Astronômica - Universo CriadoNoite Astronômica - Universo Criado
Noite Astronômica - Universo CriadoAndré Luiz Marques
 

Mais de André Luiz Marques (20)

A Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença Mantida
A Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença MantidaA Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença Mantida
A Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença Mantida
 
Pela graca sois salvos
Pela graca sois salvosPela graca sois salvos
Pela graca sois salvos
 
Quem sou eu - a formação do povo brasileiro
Quem sou eu - a formação do povo brasileiroQuem sou eu - a formação do povo brasileiro
Quem sou eu - a formação do povo brasileiro
 
Minerais e Rochas - Especialidade
Minerais e Rochas - EspecialidadeMinerais e Rochas - Especialidade
Minerais e Rochas - Especialidade
 
A precisao da profecia das 2300 tardes e manhas
A precisao da profecia das 2300 tardes e manhasA precisao da profecia das 2300 tardes e manhas
A precisao da profecia das 2300 tardes e manhas
 
Jesus, da Criação à Restauração_35min
Jesus, da Criação à Restauração_35minJesus, da Criação à Restauração_35min
Jesus, da Criação à Restauração_35min
 
Criacionismo - Fé e Razão caminhando juntas
Criacionismo - Fé e Razão caminhando juntasCriacionismo - Fé e Razão caminhando juntas
Criacionismo - Fé e Razão caminhando juntas
 
Minerais e Rochas - especialidade
Minerais e Rochas - especialidadeMinerais e Rochas - especialidade
Minerais e Rochas - especialidade
 
Panspermia: jogando o problema ao espaço
Panspermia: jogando o problema ao espaço Panspermia: jogando o problema ao espaço
Panspermia: jogando o problema ao espaço
 
Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)
Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)
Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)
 
Universo Criado - versao curta 20min
Universo Criado - versao curta 20minUniverso Criado - versao curta 20min
Universo Criado - versao curta 20min
 
Os movimentos da terra
Os movimentos da terraOs movimentos da terra
Os movimentos da terra
 
Concurso de literatura denominacional
Concurso de literatura denominacionalConcurso de literatura denominacional
Concurso de literatura denominacional
 
Qual o Tamanho de Deus?
Qual o Tamanho de Deus?Qual o Tamanho de Deus?
Qual o Tamanho de Deus?
 
Selo de Deus e a marca da besta
Selo de Deus e a marca da bestaSelo de Deus e a marca da besta
Selo de Deus e a marca da besta
 
A Arca de Noé e o Dilúvio
A Arca de Noé e o DilúvioA Arca de Noé e o Dilúvio
A Arca de Noé e o Dilúvio
 
Escavando a Bíblia (versão curta)
Escavando a Bíblia (versão curta)Escavando a Bíblia (versão curta)
Escavando a Bíblia (versão curta)
 
Escavando a Bíblia
Escavando a BíbliaEscavando a Bíblia
Escavando a Bíblia
 
Noite Astronômica - Universo Criado
Noite Astronômica - Universo CriadoNoite Astronômica - Universo Criado
Noite Astronômica - Universo Criado
 
A Arca de Noé e o Dilúvio
A Arca de Noé e o DilúvioA Arca de Noé e o Dilúvio
A Arca de Noé e o Dilúvio
 

Último

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfLUCASAUGUSTONASCENTE
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 

Último (20)

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 

A Geografia pré e pós-Diluvio

  • 1. A Geografia Pré e Pós-Dilúvio Prof. André Luiz Marques
  • 2. 1. O Dilúvio foi global ou apenas regional? O que diz a Bíblia e as evidências científicas? Há alguma literatura científica a respeito?
  • 3. E as águas prevaleceram excessivamente sobre a terra; e todos os altos montes que havia debaixo de todo o céu, foram cobertos. Quinze côvados acima prevaleceram as águas; e os montes foram cobertos. E expirou toda a carne que se movia sobre a terra, tanto de ave como de gado e de feras, e de todo o réptil que se arrasta sobre a terra, e todo o homem. Tudo o que tinha fôlego de espírito de vida em suas narinas, tudo o que havia em terra seca, morreu. Gênesis 7:19-22
  • 4. Relatos de um Dilúvio Universal fora da Bíblia Existem mais de 270 relatos de um dilúvio universal fora da Bíblia. Destacam-se os seguintes: 1. Judaico 2. Judaico-cristão 3. Sudoeste da Tanzânia 4. China 5. Babilônia – Gilgamesh 6. Índia 7. Caldeus 8. Austrália 9. Grécia 10. México 11. Asteca 12. Inca 13. Estados Unidos 14. Índios Delaware 15. Groelândia 16. Egito 17. Inglaterra 18. Polinésia 19. Ilhas Fiji 20. Perú https://creationsciencenews.com/2010/09/02/ha-relatos-do-diluvio-em-quase-todas-civilizacoes-espalhadas-pelo-mundo/ 21. Uro 22. Maia 23. Pascuense 24. Mapuche 25. Yanomami 26. Alcorão 27. Atlântida (?)
  • 5.
  • 6. “Algumas das novas ideias do catastrofismo propõem que cometas ou asteroides poderiam levantar ondas do oceano até à altura de oito km e gases a centenas de quilômetros acima da superfície da Terra. Outros propuseram efeitos que incluem golpes de ar de 500ºC com a velocidade de 2.500 km por hora, os quais matariam metade dos seres na terra, e terremotos globais acompanhados de ondas do solo que atingiriam 10 metros de altura. A abertura de rachaduras de 10 a 100 km e a formação rápida de montanhas também têm sido propostas. Há inclusive uma sugestão de que esses choques podem ter iniciado a separação do antigo supercontinente chamado Gondwana.” (Ariel A. Roth) http://www.filosofiadasorigens.org.br/fo/index.php/estruturas-conceituais-menu- artigos/101-catastrofismo-sim Catastrofismo? Sim!
  • 7. Modelo de Price Principais impactos e placas tectônicas: um modelo para a evolução fanerozóica da litosfera da Terra / Neville J. Price, 2001
  • 8. Mapa das Bacias Sedimentares
  • 10. 2. Como era a geografia da superfície da Terra antes do Dilúvio? Chovia, fazia frio, tinham desertos...?
  • 11. Obra de Suas Mãos Quando a Terra saiu das mãos de seu Criador, era extraordinariamente bela. Variada era a sua superfície, contendo montanhas, colinas e planícies, entrecortadas por majestosos rios e formosos lagos; as colinas e montanhas, entretanto, não eram abruptas e escabrosas, tendo em grande quantidade tremendos despenhadeiros e medonhos abismos como hoje elas são; as arestas agudas e ásperas do pétreo arcabouço da terra estavam sepultadas por sob o solo fértil, que por toda parte produzia um pujante crescimento de vegetação. Não havia asquerosos pântanos nem áridos desertos. Graciosos arbustos e delicadas flores saudavam a vista aonde quer que esta se volvesse. As elevações estavam coroadas de árvores mais majestosas do que qualquer que hoje exista. O ar, incontaminado por miasmas perniciosos, era puro e saudável. A paisagem toda sobrepujava em beleza os terrenos ornamentados do mais soberbo palácio. A hoste angélica olhava este cenário com deleite, e regozijava-se com as obras maravilhosas de Deus. PP 17.2Patriarcas e Profetas, p. 17
  • 12. 3. Quais evidências científicas podem corroborar esta visão pré-diluviana?
  • 13. https://origememrevista.com.br/2017/08/24/o-mundo-pre-diluviano/ Mundo pré-diluviano Maior concentração de oxigênio e pressão atmosférica Dossel ou canopla de água ao redor do planeta Montanhas mais baixas Ausência de chuvas Oceanos rasos e o ciclo hidrológico Uniformidade de temperatura em todo o planeta Animais e plantas maiores
  • 14. 4. Como teria sido essa catástrofe hídrica? De onde veio e para onde foi toda a água?
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20. 5. Como a Arca de Noé poderia ter resistido ao Dilúvio?
  • 21. Ondas Gigantescas Será que a Arca resistiria? Proporção de 6:1 – 300x50x10 côvados Deus no controle
  • 22. 6. O criacionismo tem algum modelo científico que reinterpreta a teoria da deriva continental? (Teoria das Hidroplacas).
  • 23. Proposta pelo engenheiro mecânico norte- americano Walter Brown, em 1980, em seu livro In the Beginning: Compelling Evidence for Creation and the Flood.
  • 25. 7. Quais as principais evidências geológicas, geomorfológicas e paleontológicas do Dilúvio global?
  • 26. Mapa das Bacias Sedimentares
  • 27. Modelo de Price “O registro estratigráfico do fanerozoico foi controlado, ou mesmo determinado, pela incidência de eventos impactantes catastróficos. Ou seja, dezenas destes eventos, em áreas oceânicas e continentais, coincidem com limites estratigráficos” (Price, 2005)
  • 29. Modelo de Price “Muitos geólogos parecem mostrar uma natural antipatia para a ideia (apesar das evidências) de que formas de vida, especialmente no fanerozoico, foram subitamente extinguidas” (Price, 2005)
  • 30. Tecidos moles em fósseis de dinossauros
  • 31. Contatos Plano-paralelos Contato entre camadas de rochas do tipo plano-paralelo Semelhante a um bolo de camadas
  • 32. “Quando o meteorito penetra no manto superior (200 km de profundidade), a produção de calor causará a fusão dessa porção do manto... As grandes províncias ígneas (LIPs) continentais e oceânicas são o resultado de impactos meteoríticos.” (Price, 2005) O que teria provocado dezenas de violentas e gigantescas erupções vulcânicas no Planeta Terra? Modelo de Price
  • 33. Províncias Ígneas no Mundo Mais de 100 províncias ígneas já foram identificadas
  • 34. Aula de campo com o Dr. Nahor Neves
  • 36. Simulando o Dilúvio e formação das rochas sedimentares Vídeo ''Simulação do Dilúvio''
  • 40.
  • 41. 8. Após o Dilúvio, como teria ficado a geografia da Terra? Como explicar a diferença de temperatura, glaciações, crateras de meteoritos, os cânions, crátons, planaltos, planícies, depressões, Cordilheiras, terraços, bacias sedimentares com fósseis etc.?
  • 42. A população humana e de animais e plantas tiveram que se readaptar às novas condições
  • 44. Em toda a Terra foram diagnosticadas 182 crateras formadas por impacto meteorítico. Destas, apenas 6 estão localizadas em território brasileiro: Araguainha (MT-GO), Vargeão (SC), Serra da Cangalha (TO), Riachão (MA), Vista Alegre (PR) e Cerro do Jarau (RS). Número de Crateras de Impacto http://www.bv.fapesp.br/pt/bolsas/138515/modelamento-numerico-de-estruturas-de- impacto-brasileiras/
  • 45. 9. A Terra será restaurada pelo Criador como era antes do Dilúvio?
  • 46. Nova Terra “...Eis que faço novas todas as coisas...” (Apocalipse 21:5) Isaías 66:22,23
  • 47. 10. Numa “Terra plana”, o Dilúvio poderia ocorrer?
  • 48. Não, pois as condições físicas de uma Terra plana não permitiriam tal catástrofe que envolveu tantos fatores que só se explicam numa Terra globo. Meteoros iriam quebrar o domo de vidro; Não teria o efeito da subducção para as placas tectônicas; De onde viria toda a água e para onde voltaria? Não haviam terrenos cobertos por glaciares pra ser a borda da Terra plana, pois a temperatura era semelhante por todo o globo.
  • 50. Evidências da Terra Redonda Eratóstenes de Cirene Calculou a circunferência da Terra, chegando próximo à medida que Sabemos hoje com precisão (40.053 Km).
  • 51. Evidências da Terra Redonda Nunca foram vistos eclipses lunares assim
  • 52. Evidências da Terra Redonda Eclipses lunares reais
  • 56. Evidências da Terra Redonda Efeito de Coriólis
  • 57. Considerações finais sobre a geografia pré e pós Dilúvio Obrigado!