SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 109
Baixar para ler offline
Prof. André Luiz Marques
A Astronomia e o Dilúvio: alguma relação?
DEPTO. DE ASTRONOMIA DO NÚCLEO
DEPTO. DE ASTRONOMIA DO NÚCLEO
DEPTO. DE ASTRONOMIA DO NÚCLEO
DEPTO. DE ASTRONOMIA DO NÚCLEO
COORDENADOR EQUIPE DE APOIO (crescendo)
Rafael André Everson WilsonRicardo
IMPACTO
PROFUNDO
IMPACTO PROFUNDO
Será que foi apenas um asteroide
que extinguiu os dinossauros?
Em 1980, o geofísico Luiz Alvarez, da
Universidade da Califórnia, foi o
responsável por apresentar a hipótese de
que os dinossauros foram extintos devido
ao impacto de um gigantesco asteroide,
encontrando anomalias de irídio numa
fina camada do final do Cretáceo.
Irídio e os Dinossauros
1.O irídio é extraordinariamente raro na crosta terrestre, mas relativamente abundante (ou melhor,
muito menos raro) nos asteroides.
2.É então razoável pensar que o irídio encontrado nos sedimentos, exatamente no final do Cretáceo,
tinha que vir de um asteroide ou de algum outro corpo espacial.
3.Para o irídio se estabelecer de maneira uniforme, deve ter sido na forma de poeira flutuando na
estratosfera.
4.Para formar tal poeira, o asteroide deve ter causado uma grande explosão para atingir a Terra.
5.A explosão e a subsequente nuvem de material flutuando na atmosfera deveriam ter causado
mudanças nas condições ambientais em todo o mundo.
6.Estas mudanças radicais no clima global e ecologia devem ter causado a extinção de um grande
número de espécies.
7.O tempo de extinção dos dinossauros coincide perfeitamente com a idade dos sedimentos com a
anomalia do irídio.
8.Por isso, é razoável pensar que o irídio anomalia é uma evidência tangível da colisão de um
asteroide que pode ter provocado uma série de eventos que terminou com a extinção dos
dinossauros e muitos outros organismos.
https://biolcons.wordpress.com/2016/10/29/iridio-y-los-dinosaurios/
Cálculo da massa do asteroide
https://biolcons.wordpress.com/2016/10/29/iridio-y-los-dinosaurios/
Efeitos do Impacto “K/T”
Ondas de choque
Excessivo calor: 500º C
Velocidade de Expansão: 2500 km/h
Características do meteorito “K/T”
Diâmetro : 10 km
Velocidade de aproximação: 70.000 km/h
Teorias evolucionistas da extinção dos Dinossauros
1. A extinção se deu por combinação de impacto extraterrestre e outros
eventos descritos na Bíblia.
2. A extinção se deu devido ao impacto de asteroide da família Baptistina
3. A extinção não foi causada pelo impacto de asteroide
4. A extinção foi gradual até o período Paleoceno
5. A extinção se deu devido ao frio repentino seguido por outras mudanças ambientais
6. A extinção se deu por múltiplos fatores resultantes do impacto de asteroide
7. A extinção se deu exclusivamente por atividade vulcânica na região da Índia
8. A extinção se deu pela combinação de vulcanismo e chuva de asteroides
9. A extinção foi repentina (não gradual) devido ao impacto
10. A extinção se deu por tempestade de fogo resultante de asteroide
11. A extinção se deu pela combinação de mudanças climáticas e baixa diversidade
de herbívoros
12. A extinção se deu por múltiplos eventos resultantes de impacto meteorítico
13. A extinção se deu pelo frio resultante do impacto de um meteorito
14. A extinção foi gradual devido a desastres vulcânicos e mudanças ambientais
ALVES, Everton Fernando; BORGES, Michelson. A extinção dos dinossauros: semelhanças entre as propostas
evolucionista e criacionista. In:________. Revisitando as Origens. Maringá: Editorial NumarSCB, 2018, p.79-87.
DIFERENÇA ENTRE COMETA, ASTEROIDE, METEORO,
METEORITO E METEOROIDE
COMETA ASTEROIDE METEORO
METEORITO METEOROIDE
METEORO, POPULARMENTE CONHECIDO COMO ESTRELA CADENTE
VÍDEO METEORO CAI NA RÚSSIA
Bolas de fogo relatadas por sensores do governo dos EUA
ASTROBLEMA
“Cicatriz deixada na
superfície da Terra por
uma cratera de impacto
antiga, após modificação
por processos erosivos.”
http://sigep.cprm.gov.br/glossario/
verbete/astroblema.htm
http://press.exoss.org/a-astroblema-de-
aimores-mg-e-a-lama-do-rio-doce/
http://press.exoss.org/a-astroblema-de-aimores-mg-e-a-lama-do-rio-doce/
http://vintage.portaldoastronomo.org/tema_pag.php?id=9&pag=4
Distribuição das crateras de impacto de meteoritos pelo mundo
Em toda a Terra foram diagnosticadas 182 crateras
formadas por impacto meteorítico. Destas, apenas
6 estão localizadas em território brasileiro:
Araguainha (MT-GO), Vargeão (SC), Serra da
Cangalha (TO), Riachão (MA), Vista Alegre (PR) e
Cerro do Jarau (RS).
Número de Crateras de Impacto
http://www.bv.fapesp.br/pt/bolsas/138515/modelamento-numerico-de-estruturas-de-
impacto-brasileiras/
Astroblema Domo de Vargeão, SC
Registro de impacto
meteorítico
sobre rochas
vulcânicas da
Bacia do Paraná
(Crósta, et al. 2005)
10 MAIORES CRATERAS DE
METEOROS NA TERRA
http://www.ciencia-online.net/2014/05/top-10-maiores-crateras-de-impacto.html
Cratera de Vredefort – África do Sul
Os cientistas
estimam que esta
cratera tinha
originalmente
300 Km de
diâmetro.
Tem 130 km de
largura, mas
estima-se que
originalmente
possa ter 260 Km
de diâmetro.
Cratera de Sudbury - Canadá
Cratera de Chicxulub – Yucatán, México
Cerca de 150 Km de
diâmetro na península
de Yucatán,
e estima-se que tenha
tido 240 km
De diâmetro.
Teorias evolucionistas atribuem a extinção dos
dinossauros ao meteoro que causou este impacto.
Cratera de Popigai – Sibéria, Rússia
Cratera com cerca
de 100 km de
largura, em que o
impacto do
meteorito formou
diamantes, por ter
atingido um
depósito de grafite.
Cratera de Manicouagan –
Quebec, Canadá Cratera com
cerca de 100 km
de largura, uma
das mais bem
preservadas.
Estima-se que
tenha 214
milhões de anos.
Cratera de Acraman – Austrália
O Lago Acraman
preenche esta cratera de
impacto redonda,
escavada há 580 milhões
anos, no Sul da Austrália.
A cratera mede 90
quilômetros de diâmetro.
Cratera de Chesapeake – EUA
Cratera
submarina
estimada em 35
milhões de anos.
Cratera de Morokweng – África do Sul
Morokweng
formou-se há 145
milhões de anos e
tem 70
quilômetros de
largura. Amostras
de fragmentos
foram extraídas.
Cratera de Kara - Rússia
Com 70,3 milhões de anos de
idade erodida e exposta na
Península Yugorsky, na
Rússia. Pesquisadores
acreditam que a cratera de 65
km de largura já teve mais de
120 km de diâmetro.
Com 600 milhões de
anos de idade estende-se
pelo Montana e Idaho e é
a segunda maior cratera
de impacto nos Estados
Unidos. Pouco resta na
superfície da cratera de
60 km de largura, que
não foi descoberta até à
década de 1990.
Cratera Beaverhead – Estados Unidos
De onde teriam vindo os asteroides?
“...Entre Marte e Júpiter parece que falta um
planeta. O espaço é ocupado por um cinturão de
asteroides. O mesmo fenômeno que causou os
impactos na Lua pode ter atingido a Terra. Se
realmente houve um planeta entre Marte e Júpiter,
e se por algum motivo ele explodiu, isso explicaria
muito bem esse bombardeamento de meteoritos e
até mesmo os cometas. Há muitas evidências de
que a Terra também passou por um tremendo
bombardeamento de meteoritos no passado...”
ALVES, Everton Fernando; BORGES, Michelson. A extinção dos dinossauros: semelhanças entre as propostas
evolucionista e criacionista. In:________. Revisitando as Origens. Maringá: Editorial NumarSCB, 2018, p.79-87.
Novo Sistema Solar
Asteroides do Sistema Solar
www.scb.org.br
Livro “Uma Breve História da Terra”
Shoemaker, E.M. (1983) ‘Asteroid and comet bombardment of
the Earth’. Ann. Rev. Earth Planet. Sci., 11, 461–494.
Modelo de Schoemaker
Sistema Solar:
O Grande Bombardeamento
Shoemaker, E.M. (1983) ‘Asteroid and comet bombardment of
the Earth’. Ann. Rev. Earth Planet. Sci., 11, 461–494.
Modelo de Shoemaker
Crateras na Lua
30 mil crateras de impacto
Foto: André Luiz Marques – 28/04/18
Crateras na Lua
Manchas escuras
arredondadas - basalto
Crateras na Lua
Crateras em Mercúrio
Crateras em Mercúrio
https://oglobo.globo.com/sociedade/ciencia/nasa-encontra-grandes-depositos-de-gelo-
em-mercurio-6907935
Vênus
http://www.ccvalg.pt/astronomia/sistema_solar/venus.htm
Crateras em Vênus
Marte
Crateras em Marte
https://expresso.sapo.pt/sociedade/crateras-gemeas-explosivas-em-marte=f799535#gs.hWpiJLI
Crateras em Marte
Fobos
Júpiter
As luas galileanas de Júpiter
Saturno
Crateras nas luas de Saturno
Mimas Enceladus
Tethys
Urano
Crateras nas luas de Urano
Netuno
Crateras nas luas de Netuno
Tritão Tritão
Crateras em Plutão
Vídeo - Asteroide cai em Júpiter
“Algumas das novas ideias do catastrofismo propõem que cometas ou
asteroides poderiam levantar ondas do oceano até à altura de oito km e
gases a centenas de quilômetros acima da superfície da Terra. Outros
propuseram efeitos que incluem golpes de ar de 500ºC com a velocidade de
2.500 km por hora, os quais matariam metade dos seres na terra, e
terremotos globais acompanhados de ondas do solo que atingiriam 10
metros de altura. A abertura de rachaduras de 10 a 100 km e a formação
rápida de montanhas também têm sido propostas. Há inclusive uma
sugestão de que esses choques podem ter iniciado a separação do antigo
supercontinente chamado Gondwana.” (Ariel A. Roth)
http://www.filosofiadasorigens.org.br/fo/index.php/estruturas-conceituais-menu-
artigos/101-catastrofismo-sim
Catastrofismo? Sim!
Foi apenas um asteroide?
https://exame.abril.com.br/ciencia/nao-foi-apenas-um-meteoro-que-matou-dinossauros-diz-estudo/
Ondas Gigantescas
Será que a Arca resistiria?
Proporção de 6:1 – 300x50x10 côvados
Deus no controle
Juízo aos ímpios e graça aos santos – Gênesis 6:5-9
Pereceu toda a carne que se movia
sobre a terra Gênesis 7:21
Tsunamis gigantescas
Impacto de meteorito
Células de Convecção
Placas tectônicas
Datação das rochas ígneas
do assoalho oceânico
Exame Crítico da Datação Radiométrica
PRIMEIRA PARTE
•Uma Terra Recente?
•Um Levantamento de Métodosde Datação 25 – Eugene F. Chaffin
•O Debate Sobre a Idade da Terra 50- Lawrence Badash
•A Terra Recente63- Henry M. Morris
•Um Exame Crítico da Datação com Radiocarbono à Luz de Dados Dendocronológicos 72 –
Sidney P. Clementson
•Confirmadaa Idade MagnéticaRecenteda Terra 89 – Thomas G. Barnes
•Um Exame Crítico da Datação Radioativadas Rochas99 – Sidney P. Clementson
•Taxas de Difusão de Hélio Apontampara uma Terra Recente110 – Adauto J. B. Lourenço
•Tempo: Um Problema para os Modelos da História da Terra 122 – Urias Echterhoff
Takatohi
•Uma Revisão Crítica do Uniformismo na Geologia e o Dilúvio Universal 140 – A. W.
Mehlert
•Duas descobertasmuito relevantes para a datação radiométrica158 – Rodrigo M.
Pontes
SEGUNDA PARTE
•Relógios nas Rochas? 169 – Vernon R. Cupps, Ph.D.
•O Ícone das “Isócronas” 176 – Vernon R. Cupps, Ph.D.
•O relógio “Nobre” 184 – Vernon R. Cupps, Ph.D.
•Datação com Metal Alcalino: O Modelo de Datação de Rb-Sr 193 – Vernon R. Cupps,
Ph.D.
•Relógios de Terras Rarasos Modelos de Datação Sm-Nd e Lu-Hf (Primeira Parte) 201 –
Vernon R. Cupps, Ph.D.
•Relógios de Terras RarasOs Modelos de Datação Sm-Nd e Lu-Hf – (Segunda Parte) 206 –
Vernon R. Cupps, Ph.D.
•Relógios de Metais Pesados: Os Modelos de Datação U-Pb E Th-Pb 211 – Vernon R.
Cupps, Ph.D.
•Relógios de Metais Pesados o Modelo de Datação Pb-Pb 216 – Vernon R. Cupps, Ph.D.
Paleomagnetismo
Rochas que guardam um registro
magnético do campo vigente em
sua formação.
Minerais ferromagnéticos
Vine e Mathews – 1963
Bandas de rochas “normais”, alternado
com rochas magnetizadas inversamente.
Explicação
Expansão do assoalho oceânico e
reversões do campo geomagnético.
http://www.pnas.org/content/early/2018/08/14/1720404115
Inversão do campo magnético da Terra pode
acontecer mais rápido do que se pensava
https://ciberia.com.br/inversao-rapida-do-campo-magnetico-da-terra-43917
Inversão do campo magnético da Terra pode
acontecer mais rápido do que se pensava
Vários estudos científicos mostraram anteriormente que, ao longo
da existência da Terra, os polos magnéticos se inverteram várias
vezes, com pelo menos uma inversão completa há cerca de 773
mil anos.
Através da análise magnética e datação radiométrica, os cientistas
foram capazes de seguir o rastro à história geomagnética do
planeta durante um período de 16 mil anos. O novo estudo
mostrou que, há 98 mil anos, a polaridade foi invertida ao longo
de apenas alguns séculos, o que é 30 vezes mais rápido do que se
pensava anteriormente.
Inversão localizada do campo magnético
intriga pesquisadores
“[...] Nesta segunda amostra, coletada no
estado americano de Nevada, Bogue e
Glen constaram que alguma anomalia
também havia mudado o campo
magnético daquela região em
aproximadamente 0.14 grau por dia, ou
53 graus por ano. Mantida essa
velocidade, uma primeira interpretação
diria que os polos magnéticos poderiam
ter se invertido em menos de quatro
anos.[...]”
https://www.apolo11.com/curiosidades.php?posic=dat_20100910-104326.inc
Inversão localizada do campo magnético
intriga pesquisadores
“[...] Apesar da evidência científica da
alteração, Bogue acredita que é muito
cedo para afirmar que houve de fato uma
inversão magnética em tão pouco tempo,
já que não existe nenhuma amostra que
comprove a inversão total, nem na região
pesquisada ou em qualquer outra parte
do planeta. "Ao que tudo indica, parece
que ocorreu algum fenômeno localizado
que fez as linhas magnéticas se
movimentarem", disse Bogue.[...]”
https://www.apolo11.com/curiosidades.php?posic=dat_20100910-104326.inc
Modelo de Price
Principais impactos e placas
tectônicas: um modelo para a
evolução fanerozóica da
litosfera da Terra / Neville J.
Price, 2001
“Quando o meteorito penetra no manto superior (200 km de
profundidade), a produção de calor causará a fusão dessa porção
do manto... As grandes províncias ígneas (LIPs) continentais e
oceânicas são o resultado de impactos meteoríticos.” (Price, 2005)
O que teria provocado dezenas de violentas e
gigantescas erupções vulcânicas no Planeta Terra?
Modelo de Price
Províncias Ígneas no Mundo
Mais de 100 províncias ígneas já foram identificadas
A Província Paraná/Etendeka constitui o evento precursor de
uma província ainda maior (Província Atlântica?): O
desenvolvimento do assoalho do próprio Oceano Atlântico –
um hiper-vulcão linear (Cordilheira Meso Atlântica) com 15.000
km de extensão, fornecendo gigantescas quantidades de
material vulcânico, totalizando um volume de
aproximadamente 1.000.000.000 Km³ de lava basáltica, em
uma área de 106.400.000 km².
Modelo de Price
Modelo de Price
Mapa Geológico do Paraná
Aula de campo com o Dr. Nahor Neves
“A partir da 2ª Grande Guerra Mundial, cientistas (EUA, Canadá,
Austrália, URSS, etc.) conduziram uma série de experimentos com
potentes explosivos, que possibilitaram a caracterização (modelos
físicos e teóricos) de crateras provocadas por impactos meteoríticos
identificadas na Lua, em Marte, Vênus, Mercúrio e na própria
superfície da Terra. Assim, as crateras naturais (astroblemas) podem
ser identificadas, mesmo que tenha sido modificadas por profundos
processos erosivos, ou ainda estejam soterradas. (Price, 2005)
Modelo de Price
Modelo de Price
“...É difícil admitir que um grande número de pequenas células de
convecção poderão estar combinadas (alinhadas) para prover uma
força resultante capaz de conduzir (transportar) uma colossal placa
tectônica... este mecanismo parece ser extremamente improvável.”
(Price, 2005)
Modelo de Price
“...É difícil admitir que um grande número de pequenas células de
convecção poderão estar combinadas (alinhadas) para prover uma
força resultante capaz de conduzir (transportar) uma colossal placa
tectônica... este mecanismo parece ser extremamente improvável.”
(Price, 2005)
??
Modelo de Price
“O mecanismo capaz de gerar movimentação das placas
litosféricas, a partir dos ‘spreading-ridges’, chama-se ‘gravity-glide’
(deslizamento gravitacional), que ocorre na superfície inclinada e
lubrificada entre a litosfera e a astenosfera.” (Price, 2005)
O mecanismo motor não deverá ser encontrado no
interior da Terra (correntes convectivas)
“Estima-se que, no fanerozoico, o número de impactos de
meteoritos e cometas na superfície da Terra, com diâmetro
superior a 10 km, teria sido aproximadamente 1.500.” (Price, 2005)
PRICE, N.J. – Major Impacts and Plate Tectonics – A Model for the Phanerozoic
evolution of the Earth’s lithosphere. Ed. Routledge (London/New York), 346p. 2005
Modelo de Price
Modelo de Price
“Só podemos concluir que os principais eventos impactantes
(cometas e meteoritos) controlaram, conduziram ou determinaram
a história geológica da Terra em todo o fanerozoico” (Price, 2005)
Modelo de Price
“O mesmo evento impactante (o
mais enérgico de todo o
fanerozoico) que provocou os
extensivos e espessos derrames
basálticos da Província
ParanáEtendeka (possível cratera
com diâmetro superior a 500 km),
indiscutivelmente, também
originou a abertura das placas Sul
Americana / Africana” (Price,
2005)
Dorsais meso-oceânicas
Modelo de Price
“O registro estratigráfico do fanerozoico foi controlado, ou mesmo
determinado, pela incidência de eventos impactantes catastróficos.
Ou seja, dezenas destes eventos, em áreas oceânicas e continentais,
coincidem com limites estratigráficos” (Price, 2005)
Mapa das Bacias Sedimentares
Modelo de Price
“Muitos geólogos parecem mostrar uma natural antipatia para a
ideia (apesar das evidências) de que formas de vida,
especialmente no fanerozoico, foram subitamente extinguidas”
(Price, 2005)
Vasto Cemitério
Impactos meteóricos e suas consequências
Estudos do Dr. Nahor Neves de Souza Júnior
Considerações Finais
Impactos meteóricos e suas consequênciasConsiderações Finais
Percebe-se uma notável contradição entre a
conclusão dos artigos da geologia padrão e os
dados científicos, que apontam para uma
sucessão de eventos catastróficos globais,
interligados por um curto espaço de tempo, que
apontam para o quadro do Dilúvio descrito na
Bíblia.
Impactos meteóricos e suas consequências
Obrigado!
andreluizmarx@gmail.com
http://criacionistaconsciente.blogspot.com/
http://outrageografia.blogspot.com/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Astronomia geral
Astronomia geralAstronomia geral
Astronomia geral
Dalila Melo
 
Black holes powerpoint
Black holes powerpointBlack holes powerpoint
Black holes powerpoint
carmenmas98
 
Do Aliens Really Exist? (English Grammar and Comprehension Presentation IBA)
Do Aliens Really Exist? (English Grammar and Comprehension Presentation IBA)Do Aliens Really Exist? (English Grammar and Comprehension Presentation IBA)
Do Aliens Really Exist? (English Grammar and Comprehension Presentation IBA)
Yawar Khalid
 
Animismo e Espiritismo
Animismo e EspiritismoAnimismo e Espiritismo
Animismo e Espiritismo
Graça Maciel
 
2.11 - Os Tres Reinos.pptx
2.11 - Os Tres Reinos.pptx2.11 - Os Tres Reinos.pptx
2.11 - Os Tres Reinos.pptx
Marta Gomes
 

Mais procurados (20)

Prova Comentada - XVIII Exame de Ordem
Prova Comentada - XVIII Exame de OrdemProva Comentada - XVIII Exame de Ordem
Prova Comentada - XVIII Exame de Ordem
 
Astronomia geral
Astronomia geralAstronomia geral
Astronomia geral
 
Black holes powerpoint
Black holes powerpointBlack holes powerpoint
Black holes powerpoint
 
nephilim-stargates-tom-horn
nephilim-stargates-tom-hornnephilim-stargates-tom-horn
nephilim-stargates-tom-horn
 
Libertação
LibertaçãoLibertação
Libertação
 
Do Aliens Really Exist? (English Grammar and Comprehension Presentation IBA)
Do Aliens Really Exist? (English Grammar and Comprehension Presentation IBA)Do Aliens Really Exist? (English Grammar and Comprehension Presentation IBA)
Do Aliens Really Exist? (English Grammar and Comprehension Presentation IBA)
 
Animismo e Espiritismo
Animismo e EspiritismoAnimismo e Espiritismo
Animismo e Espiritismo
 
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...
Evolução em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo XX - Corpo e Espiritual e...
 
O universo
O universoO universo
O universo
 
Black hole presentation
Black hole presentationBlack hole presentation
Black hole presentation
 
Adulteração no Hino "Castelo Forte" do Hinário Adventista.
Adulteração no Hino "Castelo Forte" do Hinário Adventista.Adulteração no Hino "Castelo Forte" do Hinário Adventista.
Adulteração no Hino "Castelo Forte" do Hinário Adventista.
 
2.11 - Os Tres Reinos.pptx
2.11 - Os Tres Reinos.pptx2.11 - Os Tres Reinos.pptx
2.11 - Os Tres Reinos.pptx
 
Espécies de Pena
Espécies de PenaEspécies de Pena
Espécies de Pena
 
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
Evolução Em Dois Mundos - Primeira Parte - Capítulo I - Fluido Cósmico - 0304...
 
The Big Bang theory
The Big Bang theoryThe Big Bang theory
The Big Bang theory
 
1.3 a criacao
1.3   a criacao1.3   a criacao
1.3 a criacao
 
Novo cpc e processo de execução com o Prof. Dijosete Veríssimo.
Novo cpc e processo de execução com o Prof. Dijosete Veríssimo.Novo cpc e processo de execução com o Prof. Dijosete Veríssimo.
Novo cpc e processo de execução com o Prof. Dijosete Veríssimo.
 
Historia do espiritismo
Historia do espiritismoHistoria do espiritismo
Historia do espiritismo
 
Influências espirituais Sutis
Influências espirituais Sutis Influências espirituais Sutis
Influências espirituais Sutis
 
Astronomia
AstronomiaAstronomia
Astronomia
 

Semelhante a Impacto Profundo

Ultimo dia dinossauros
Ultimo dia dinossaurosUltimo dia dinossauros
Ultimo dia dinossauros
helenasvdias
 
Trabalhooo ñ mecha karalho
Trabalhooo ñ mecha karalhoTrabalhooo ñ mecha karalho
Trabalhooo ñ mecha karalho
CleisonMM
 
10º Ano Geologia SituaçãO Problema (Parte 2)
10º Ano   Geologia   SituaçãO Problema (Parte 2)10º Ano   Geologia   SituaçãO Problema (Parte 2)
10º Ano Geologia SituaçãO Problema (Parte 2)
Nuno Correia
 
Ficha informativa 1 que explicações para a extinção dos dinossauros
Ficha informativa 1   que explicações para a extinção dos dinossaurosFicha informativa 1   que explicações para a extinção dos dinossauros
Ficha informativa 1 que explicações para a extinção dos dinossauros
Maria Matias
 
Terra Universo. Carina
Terra Universo. CarinaTerra Universo. Carina
Terra Universo. Carina
guest5a034e
 
Terra Universo. Carina
Terra Universo. CarinaTerra Universo. Carina
Terra Universo. Carina
guest5a034e
 
Terra Universo. Carina
Terra Universo. CarinaTerra Universo. Carina
Terra Universo. Carina
guest5a034e
 
1 princípios básicos do raciocínio geológico
1   princípios básicos do raciocínio geológico1   princípios básicos do raciocínio geológico
1 princípios básicos do raciocínio geológico
margaridabt
 
Origem do universo prof. del
Origem do universo prof. delOrigem do universo prof. del
Origem do universo prof. del
ProfDelminda
 
Ficha informativa nº 1 - Extinção dos dinossauros
Ficha informativa nº 1 - Extinção dos dinossaurosFicha informativa nº 1 - Extinção dos dinossauros
Ficha informativa nº 1 - Extinção dos dinossauros
Ana Castro
 

Semelhante a Impacto Profundo (20)

Asteroides
AsteroidesAsteroides
Asteroides
 
Ultimo dia dinossauros
Ultimo dia dinossaurosUltimo dia dinossauros
Ultimo dia dinossauros
 
Geologia ExtinçãO Dos Dinossauros (I)
Geologia   ExtinçãO Dos Dinossauros (I)Geologia   ExtinçãO Dos Dinossauros (I)
Geologia ExtinçãO Dos Dinossauros (I)
 
A extinção dos Dinossauros 7 A
A extinção dos Dinossauros   7 AA extinção dos Dinossauros   7 A
A extinção dos Dinossauros 7 A
 
Extinção dos dinossauros
Extinção dos dinossaurosExtinção dos dinossauros
Extinção dos dinossauros
 
COMO SALVAR A HUMANIDADE DA COLISÃO SOBRE O PLANETA TERRA DE CORPOS VINDOS DO...
COMO SALVAR A HUMANIDADE DA COLISÃO SOBRE O PLANETA TERRA DE CORPOS VINDOS DO...COMO SALVAR A HUMANIDADE DA COLISÃO SOBRE O PLANETA TERRA DE CORPOS VINDOS DO...
COMO SALVAR A HUMANIDADE DA COLISÃO SOBRE O PLANETA TERRA DE CORPOS VINDOS DO...
 
Trabalhooo ñ mecha karalho
Trabalhooo ñ mecha karalhoTrabalhooo ñ mecha karalho
Trabalhooo ñ mecha karalho
 
10º Ano Geologia SituaçãO Problema (Parte 2)
10º Ano   Geologia   SituaçãO Problema (Parte 2)10º Ano   Geologia   SituaçãO Problema (Parte 2)
10º Ano Geologia SituaçãO Problema (Parte 2)
 
Ficha informativa 1 que explicações para a extinção dos dinossauros
Ficha informativa 1   que explicações para a extinção dos dinossaurosFicha informativa 1   que explicações para a extinção dos dinossauros
Ficha informativa 1 que explicações para a extinção dos dinossauros
 
Terra Universo. Carina
Terra Universo. CarinaTerra Universo. Carina
Terra Universo. Carina
 
Terra Universo. Carina
Terra Universo. CarinaTerra Universo. Carina
Terra Universo. Carina
 
Terra Universo. Carina
Terra Universo. CarinaTerra Universo. Carina
Terra Universo. Carina
 
Terra Universo. Carina
Terra Universo. CarinaTerra Universo. Carina
Terra Universo. Carina
 
Folder meteoritica
Folder meteoriticaFolder meteoritica
Folder meteoritica
 
1º ano – Biologia –Sobrevivencia humana fora da terra – Prof. Marcelo Costa –...
1º ano – Biologia –Sobrevivencia humana fora da terra – Prof. Marcelo Costa –...1º ano – Biologia –Sobrevivencia humana fora da terra – Prof. Marcelo Costa –...
1º ano – Biologia –Sobrevivencia humana fora da terra – Prof. Marcelo Costa –...
 
COMO EVITAR A EXTINÇÃO DA HUMANIDADE DE AMEAÇAS PROVOCADAS PELO PLANETA TERRA...
COMO EVITAR A EXTINÇÃO DA HUMANIDADE DE AMEAÇAS PROVOCADAS PELO PLANETA TERRA...COMO EVITAR A EXTINÇÃO DA HUMANIDADE DE AMEAÇAS PROVOCADAS PELO PLANETA TERRA...
COMO EVITAR A EXTINÇÃO DA HUMANIDADE DE AMEAÇAS PROVOCADAS PELO PLANETA TERRA...
 
1 princípios básicos do raciocínio geológico
1   princípios básicos do raciocínio geológico1   princípios básicos do raciocínio geológico
1 princípios básicos do raciocínio geológico
 
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
 
Origem do universo prof. del
Origem do universo prof. delOrigem do universo prof. del
Origem do universo prof. del
 
Ficha informativa nº 1 - Extinção dos dinossauros
Ficha informativa nº 1 - Extinção dos dinossaurosFicha informativa nº 1 - Extinção dos dinossauros
Ficha informativa nº 1 - Extinção dos dinossauros
 

Mais de André Luiz Marques

Mais de André Luiz Marques (20)

A Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença Mantida
A Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença MantidaA Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença Mantida
A Profecia das 2300 Tardes e Manhãs e a Crença Mantida
 
A geografia pré e pós-Dilúvio
A geografia pré e pós-DilúvioA geografia pré e pós-Dilúvio
A geografia pré e pós-Dilúvio
 
Pela graca sois salvos
Pela graca sois salvosPela graca sois salvos
Pela graca sois salvos
 
Quem sou eu - a formação do povo brasileiro
Quem sou eu - a formação do povo brasileiroQuem sou eu - a formação do povo brasileiro
Quem sou eu - a formação do povo brasileiro
 
Minerais e Rochas - Especialidade
Minerais e Rochas - EspecialidadeMinerais e Rochas - Especialidade
Minerais e Rochas - Especialidade
 
A Geografia pré e pós-Diluvio
A Geografia pré e pós-DiluvioA Geografia pré e pós-Diluvio
A Geografia pré e pós-Diluvio
 
A precisao da profecia das 2300 tardes e manhas
A precisao da profecia das 2300 tardes e manhasA precisao da profecia das 2300 tardes e manhas
A precisao da profecia das 2300 tardes e manhas
 
Jesus, da Criação à Restauração_35min
Jesus, da Criação à Restauração_35minJesus, da Criação à Restauração_35min
Jesus, da Criação à Restauração_35min
 
Criacionismo - Fé e Razão caminhando juntas
Criacionismo - Fé e Razão caminhando juntasCriacionismo - Fé e Razão caminhando juntas
Criacionismo - Fé e Razão caminhando juntas
 
Minerais e Rochas - especialidade
Minerais e Rochas - especialidadeMinerais e Rochas - especialidade
Minerais e Rochas - especialidade
 
Panspermia: jogando o problema ao espaço
Panspermia: jogando o problema ao espaço Panspermia: jogando o problema ao espaço
Panspermia: jogando o problema ao espaço
 
Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)
Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)
Panspermia: jogando o problema ao espaço (versão_20min)
 
Universo Criado - versao curta 20min
Universo Criado - versao curta 20minUniverso Criado - versao curta 20min
Universo Criado - versao curta 20min
 
Os movimentos da terra
Os movimentos da terraOs movimentos da terra
Os movimentos da terra
 
Concurso de literatura denominacional
Concurso de literatura denominacionalConcurso de literatura denominacional
Concurso de literatura denominacional
 
Qual o Tamanho de Deus?
Qual o Tamanho de Deus?Qual o Tamanho de Deus?
Qual o Tamanho de Deus?
 
Selo de Deus e a marca da besta
Selo de Deus e a marca da bestaSelo de Deus e a marca da besta
Selo de Deus e a marca da besta
 
A Arca de Noé e o Dilúvio
A Arca de Noé e o DilúvioA Arca de Noé e o Dilúvio
A Arca de Noé e o Dilúvio
 
Escavando a Bíblia (versão curta)
Escavando a Bíblia (versão curta)Escavando a Bíblia (versão curta)
Escavando a Bíblia (versão curta)
 
Escavando a Bíblia
Escavando a BíbliaEscavando a Bíblia
Escavando a Bíblia
 

Último

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
LeandroLima265595
 

Último (20)

História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 

Impacto Profundo

  • 1. Prof. André Luiz Marques A Astronomia e o Dilúvio: alguma relação?
  • 2. DEPTO. DE ASTRONOMIA DO NÚCLEO
  • 3. DEPTO. DE ASTRONOMIA DO NÚCLEO
  • 4. DEPTO. DE ASTRONOMIA DO NÚCLEO
  • 5. DEPTO. DE ASTRONOMIA DO NÚCLEO COORDENADOR EQUIPE DE APOIO (crescendo) Rafael André Everson WilsonRicardo
  • 7. IMPACTO PROFUNDO Será que foi apenas um asteroide que extinguiu os dinossauros? Em 1980, o geofísico Luiz Alvarez, da Universidade da Califórnia, foi o responsável por apresentar a hipótese de que os dinossauros foram extintos devido ao impacto de um gigantesco asteroide, encontrando anomalias de irídio numa fina camada do final do Cretáceo.
  • 8. Irídio e os Dinossauros 1.O irídio é extraordinariamente raro na crosta terrestre, mas relativamente abundante (ou melhor, muito menos raro) nos asteroides. 2.É então razoável pensar que o irídio encontrado nos sedimentos, exatamente no final do Cretáceo, tinha que vir de um asteroide ou de algum outro corpo espacial. 3.Para o irídio se estabelecer de maneira uniforme, deve ter sido na forma de poeira flutuando na estratosfera. 4.Para formar tal poeira, o asteroide deve ter causado uma grande explosão para atingir a Terra. 5.A explosão e a subsequente nuvem de material flutuando na atmosfera deveriam ter causado mudanças nas condições ambientais em todo o mundo. 6.Estas mudanças radicais no clima global e ecologia devem ter causado a extinção de um grande número de espécies. 7.O tempo de extinção dos dinossauros coincide perfeitamente com a idade dos sedimentos com a anomalia do irídio. 8.Por isso, é razoável pensar que o irídio anomalia é uma evidência tangível da colisão de um asteroide que pode ter provocado uma série de eventos que terminou com a extinção dos dinossauros e muitos outros organismos. https://biolcons.wordpress.com/2016/10/29/iridio-y-los-dinosaurios/
  • 9. Cálculo da massa do asteroide https://biolcons.wordpress.com/2016/10/29/iridio-y-los-dinosaurios/
  • 10. Efeitos do Impacto “K/T” Ondas de choque Excessivo calor: 500º C Velocidade de Expansão: 2500 km/h Características do meteorito “K/T” Diâmetro : 10 km Velocidade de aproximação: 70.000 km/h
  • 11. Teorias evolucionistas da extinção dos Dinossauros 1. A extinção se deu por combinação de impacto extraterrestre e outros eventos descritos na Bíblia. 2. A extinção se deu devido ao impacto de asteroide da família Baptistina 3. A extinção não foi causada pelo impacto de asteroide 4. A extinção foi gradual até o período Paleoceno 5. A extinção se deu devido ao frio repentino seguido por outras mudanças ambientais 6. A extinção se deu por múltiplos fatores resultantes do impacto de asteroide 7. A extinção se deu exclusivamente por atividade vulcânica na região da Índia 8. A extinção se deu pela combinação de vulcanismo e chuva de asteroides 9. A extinção foi repentina (não gradual) devido ao impacto 10. A extinção se deu por tempestade de fogo resultante de asteroide 11. A extinção se deu pela combinação de mudanças climáticas e baixa diversidade de herbívoros 12. A extinção se deu por múltiplos eventos resultantes de impacto meteorítico 13. A extinção se deu pelo frio resultante do impacto de um meteorito 14. A extinção foi gradual devido a desastres vulcânicos e mudanças ambientais ALVES, Everton Fernando; BORGES, Michelson. A extinção dos dinossauros: semelhanças entre as propostas evolucionista e criacionista. In:________. Revisitando as Origens. Maringá: Editorial NumarSCB, 2018, p.79-87.
  • 12.
  • 13. DIFERENÇA ENTRE COMETA, ASTEROIDE, METEORO, METEORITO E METEOROIDE COMETA ASTEROIDE METEORO METEORITO METEOROIDE
  • 14.
  • 15. METEORO, POPULARMENTE CONHECIDO COMO ESTRELA CADENTE
  • 16.
  • 17. VÍDEO METEORO CAI NA RÚSSIA
  • 18. Bolas de fogo relatadas por sensores do governo dos EUA
  • 19. ASTROBLEMA “Cicatriz deixada na superfície da Terra por uma cratera de impacto antiga, após modificação por processos erosivos.” http://sigep.cprm.gov.br/glossario/ verbete/astroblema.htm http://press.exoss.org/a-astroblema-de- aimores-mg-e-a-lama-do-rio-doce/
  • 22. Em toda a Terra foram diagnosticadas 182 crateras formadas por impacto meteorítico. Destas, apenas 6 estão localizadas em território brasileiro: Araguainha (MT-GO), Vargeão (SC), Serra da Cangalha (TO), Riachão (MA), Vista Alegre (PR) e Cerro do Jarau (RS). Número de Crateras de Impacto http://www.bv.fapesp.br/pt/bolsas/138515/modelamento-numerico-de-estruturas-de- impacto-brasileiras/
  • 23. Astroblema Domo de Vargeão, SC Registro de impacto meteorítico sobre rochas vulcânicas da Bacia do Paraná (Crósta, et al. 2005)
  • 24. 10 MAIORES CRATERAS DE METEOROS NA TERRA http://www.ciencia-online.net/2014/05/top-10-maiores-crateras-de-impacto.html
  • 25. Cratera de Vredefort – África do Sul Os cientistas estimam que esta cratera tinha originalmente 300 Km de diâmetro.
  • 26. Tem 130 km de largura, mas estima-se que originalmente possa ter 260 Km de diâmetro. Cratera de Sudbury - Canadá
  • 27. Cratera de Chicxulub – Yucatán, México Cerca de 150 Km de diâmetro na península de Yucatán, e estima-se que tenha tido 240 km De diâmetro. Teorias evolucionistas atribuem a extinção dos dinossauros ao meteoro que causou este impacto.
  • 28. Cratera de Popigai – Sibéria, Rússia Cratera com cerca de 100 km de largura, em que o impacto do meteorito formou diamantes, por ter atingido um depósito de grafite.
  • 29. Cratera de Manicouagan – Quebec, Canadá Cratera com cerca de 100 km de largura, uma das mais bem preservadas. Estima-se que tenha 214 milhões de anos.
  • 30. Cratera de Acraman – Austrália O Lago Acraman preenche esta cratera de impacto redonda, escavada há 580 milhões anos, no Sul da Austrália. A cratera mede 90 quilômetros de diâmetro.
  • 31. Cratera de Chesapeake – EUA Cratera submarina estimada em 35 milhões de anos.
  • 32. Cratera de Morokweng – África do Sul Morokweng formou-se há 145 milhões de anos e tem 70 quilômetros de largura. Amostras de fragmentos foram extraídas.
  • 33. Cratera de Kara - Rússia Com 70,3 milhões de anos de idade erodida e exposta na Península Yugorsky, na Rússia. Pesquisadores acreditam que a cratera de 65 km de largura já teve mais de 120 km de diâmetro.
  • 34. Com 600 milhões de anos de idade estende-se pelo Montana e Idaho e é a segunda maior cratera de impacto nos Estados Unidos. Pouco resta na superfície da cratera de 60 km de largura, que não foi descoberta até à década de 1990. Cratera Beaverhead – Estados Unidos
  • 35. De onde teriam vindo os asteroides? “...Entre Marte e Júpiter parece que falta um planeta. O espaço é ocupado por um cinturão de asteroides. O mesmo fenômeno que causou os impactos na Lua pode ter atingido a Terra. Se realmente houve um planeta entre Marte e Júpiter, e se por algum motivo ele explodiu, isso explicaria muito bem esse bombardeamento de meteoritos e até mesmo os cometas. Há muitas evidências de que a Terra também passou por um tremendo bombardeamento de meteoritos no passado...” ALVES, Everton Fernando; BORGES, Michelson. A extinção dos dinossauros: semelhanças entre as propostas evolucionista e criacionista. In:________. Revisitando as Origens. Maringá: Editorial NumarSCB, 2018, p.79-87.
  • 38. www.scb.org.br Livro “Uma Breve História da Terra”
  • 39. Shoemaker, E.M. (1983) ‘Asteroid and comet bombardment of the Earth’. Ann. Rev. Earth Planet. Sci., 11, 461–494. Modelo de Schoemaker Sistema Solar: O Grande Bombardeamento
  • 40. Shoemaker, E.M. (1983) ‘Asteroid and comet bombardment of the Earth’. Ann. Rev. Earth Planet. Sci., 11, 461–494. Modelo de Shoemaker
  • 41. Crateras na Lua 30 mil crateras de impacto
  • 42. Foto: André Luiz Marques – 28/04/18 Crateras na Lua Manchas escuras arredondadas - basalto
  • 48. Marte
  • 51. Fobos
  • 53. As luas galileanas de Júpiter
  • 55. Crateras nas luas de Saturno Mimas Enceladus Tethys
  • 56. Urano
  • 57. Crateras nas luas de Urano
  • 59. Crateras nas luas de Netuno Tritão Tritão
  • 61. Vídeo - Asteroide cai em Júpiter
  • 62. “Algumas das novas ideias do catastrofismo propõem que cometas ou asteroides poderiam levantar ondas do oceano até à altura de oito km e gases a centenas de quilômetros acima da superfície da Terra. Outros propuseram efeitos que incluem golpes de ar de 500ºC com a velocidade de 2.500 km por hora, os quais matariam metade dos seres na terra, e terremotos globais acompanhados de ondas do solo que atingiriam 10 metros de altura. A abertura de rachaduras de 10 a 100 km e a formação rápida de montanhas também têm sido propostas. Há inclusive uma sugestão de que esses choques podem ter iniciado a separação do antigo supercontinente chamado Gondwana.” (Ariel A. Roth) http://www.filosofiadasorigens.org.br/fo/index.php/estruturas-conceituais-menu- artigos/101-catastrofismo-sim Catastrofismo? Sim!
  • 63.
  • 64.
  • 65.
  • 66. Foi apenas um asteroide?
  • 68.
  • 69.
  • 70. Ondas Gigantescas Será que a Arca resistiria? Proporção de 6:1 – 300x50x10 côvados Deus no controle
  • 71. Juízo aos ímpios e graça aos santos – Gênesis 6:5-9
  • 72. Pereceu toda a carne que se movia sobre a terra Gênesis 7:21
  • 75.
  • 76.
  • 79. Datação das rochas ígneas do assoalho oceânico
  • 80. Exame Crítico da Datação Radiométrica PRIMEIRA PARTE •Uma Terra Recente? •Um Levantamento de Métodosde Datação 25 – Eugene F. Chaffin •O Debate Sobre a Idade da Terra 50- Lawrence Badash •A Terra Recente63- Henry M. Morris •Um Exame Crítico da Datação com Radiocarbono à Luz de Dados Dendocronológicos 72 – Sidney P. Clementson •Confirmadaa Idade MagnéticaRecenteda Terra 89 – Thomas G. Barnes •Um Exame Crítico da Datação Radioativadas Rochas99 – Sidney P. Clementson •Taxas de Difusão de Hélio Apontampara uma Terra Recente110 – Adauto J. B. Lourenço •Tempo: Um Problema para os Modelos da História da Terra 122 – Urias Echterhoff Takatohi •Uma Revisão Crítica do Uniformismo na Geologia e o Dilúvio Universal 140 – A. W. Mehlert •Duas descobertasmuito relevantes para a datação radiométrica158 – Rodrigo M. Pontes SEGUNDA PARTE •Relógios nas Rochas? 169 – Vernon R. Cupps, Ph.D. •O Ícone das “Isócronas” 176 – Vernon R. Cupps, Ph.D. •O relógio “Nobre” 184 – Vernon R. Cupps, Ph.D. •Datação com Metal Alcalino: O Modelo de Datação de Rb-Sr 193 – Vernon R. Cupps, Ph.D. •Relógios de Terras Rarasos Modelos de Datação Sm-Nd e Lu-Hf (Primeira Parte) 201 – Vernon R. Cupps, Ph.D. •Relógios de Terras RarasOs Modelos de Datação Sm-Nd e Lu-Hf – (Segunda Parte) 206 – Vernon R. Cupps, Ph.D. •Relógios de Metais Pesados: Os Modelos de Datação U-Pb E Th-Pb 211 – Vernon R. Cupps, Ph.D. •Relógios de Metais Pesados o Modelo de Datação Pb-Pb 216 – Vernon R. Cupps, Ph.D.
  • 81. Paleomagnetismo Rochas que guardam um registro magnético do campo vigente em sua formação. Minerais ferromagnéticos Vine e Mathews – 1963 Bandas de rochas “normais”, alternado com rochas magnetizadas inversamente. Explicação Expansão do assoalho oceânico e reversões do campo geomagnético.
  • 82. http://www.pnas.org/content/early/2018/08/14/1720404115 Inversão do campo magnético da Terra pode acontecer mais rápido do que se pensava
  • 83. https://ciberia.com.br/inversao-rapida-do-campo-magnetico-da-terra-43917 Inversão do campo magnético da Terra pode acontecer mais rápido do que se pensava Vários estudos científicos mostraram anteriormente que, ao longo da existência da Terra, os polos magnéticos se inverteram várias vezes, com pelo menos uma inversão completa há cerca de 773 mil anos. Através da análise magnética e datação radiométrica, os cientistas foram capazes de seguir o rastro à história geomagnética do planeta durante um período de 16 mil anos. O novo estudo mostrou que, há 98 mil anos, a polaridade foi invertida ao longo de apenas alguns séculos, o que é 30 vezes mais rápido do que se pensava anteriormente.
  • 84. Inversão localizada do campo magnético intriga pesquisadores “[...] Nesta segunda amostra, coletada no estado americano de Nevada, Bogue e Glen constaram que alguma anomalia também havia mudado o campo magnético daquela região em aproximadamente 0.14 grau por dia, ou 53 graus por ano. Mantida essa velocidade, uma primeira interpretação diria que os polos magnéticos poderiam ter se invertido em menos de quatro anos.[...]” https://www.apolo11.com/curiosidades.php?posic=dat_20100910-104326.inc
  • 85. Inversão localizada do campo magnético intriga pesquisadores “[...] Apesar da evidência científica da alteração, Bogue acredita que é muito cedo para afirmar que houve de fato uma inversão magnética em tão pouco tempo, já que não existe nenhuma amostra que comprove a inversão total, nem na região pesquisada ou em qualquer outra parte do planeta. "Ao que tudo indica, parece que ocorreu algum fenômeno localizado que fez as linhas magnéticas se movimentarem", disse Bogue.[...]” https://www.apolo11.com/curiosidades.php?posic=dat_20100910-104326.inc
  • 86. Modelo de Price Principais impactos e placas tectônicas: um modelo para a evolução fanerozóica da litosfera da Terra / Neville J. Price, 2001
  • 87. “Quando o meteorito penetra no manto superior (200 km de profundidade), a produção de calor causará a fusão dessa porção do manto... As grandes províncias ígneas (LIPs) continentais e oceânicas são o resultado de impactos meteoríticos.” (Price, 2005) O que teria provocado dezenas de violentas e gigantescas erupções vulcânicas no Planeta Terra? Modelo de Price
  • 88. Províncias Ígneas no Mundo Mais de 100 províncias ígneas já foram identificadas
  • 89. A Província Paraná/Etendeka constitui o evento precursor de uma província ainda maior (Província Atlântica?): O desenvolvimento do assoalho do próprio Oceano Atlântico – um hiper-vulcão linear (Cordilheira Meso Atlântica) com 15.000 km de extensão, fornecendo gigantescas quantidades de material vulcânico, totalizando um volume de aproximadamente 1.000.000.000 Km³ de lava basáltica, em uma área de 106.400.000 km². Modelo de Price
  • 91.
  • 93. Aula de campo com o Dr. Nahor Neves
  • 94. “A partir da 2ª Grande Guerra Mundial, cientistas (EUA, Canadá, Austrália, URSS, etc.) conduziram uma série de experimentos com potentes explosivos, que possibilitaram a caracterização (modelos físicos e teóricos) de crateras provocadas por impactos meteoríticos identificadas na Lua, em Marte, Vênus, Mercúrio e na própria superfície da Terra. Assim, as crateras naturais (astroblemas) podem ser identificadas, mesmo que tenha sido modificadas por profundos processos erosivos, ou ainda estejam soterradas. (Price, 2005) Modelo de Price
  • 95. Modelo de Price “...É difícil admitir que um grande número de pequenas células de convecção poderão estar combinadas (alinhadas) para prover uma força resultante capaz de conduzir (transportar) uma colossal placa tectônica... este mecanismo parece ser extremamente improvável.” (Price, 2005)
  • 96. Modelo de Price “...É difícil admitir que um grande número de pequenas células de convecção poderão estar combinadas (alinhadas) para prover uma força resultante capaz de conduzir (transportar) uma colossal placa tectônica... este mecanismo parece ser extremamente improvável.” (Price, 2005) ??
  • 97. Modelo de Price “O mecanismo capaz de gerar movimentação das placas litosféricas, a partir dos ‘spreading-ridges’, chama-se ‘gravity-glide’ (deslizamento gravitacional), que ocorre na superfície inclinada e lubrificada entre a litosfera e a astenosfera.” (Price, 2005) O mecanismo motor não deverá ser encontrado no interior da Terra (correntes convectivas)
  • 98.
  • 99. “Estima-se que, no fanerozoico, o número de impactos de meteoritos e cometas na superfície da Terra, com diâmetro superior a 10 km, teria sido aproximadamente 1.500.” (Price, 2005) PRICE, N.J. – Major Impacts and Plate Tectonics – A Model for the Phanerozoic evolution of the Earth’s lithosphere. Ed. Routledge (London/New York), 346p. 2005 Modelo de Price
  • 100. Modelo de Price “Só podemos concluir que os principais eventos impactantes (cometas e meteoritos) controlaram, conduziram ou determinaram a história geológica da Terra em todo o fanerozoico” (Price, 2005)
  • 101. Modelo de Price “O mesmo evento impactante (o mais enérgico de todo o fanerozoico) que provocou os extensivos e espessos derrames basálticos da Província ParanáEtendeka (possível cratera com diâmetro superior a 500 km), indiscutivelmente, também originou a abertura das placas Sul Americana / Africana” (Price, 2005)
  • 103. Modelo de Price “O registro estratigráfico do fanerozoico foi controlado, ou mesmo determinado, pela incidência de eventos impactantes catastróficos. Ou seja, dezenas destes eventos, em áreas oceânicas e continentais, coincidem com limites estratigráficos” (Price, 2005)
  • 104. Mapa das Bacias Sedimentares
  • 105. Modelo de Price “Muitos geólogos parecem mostrar uma natural antipatia para a ideia (apesar das evidências) de que formas de vida, especialmente no fanerozoico, foram subitamente extinguidas” (Price, 2005)
  • 107. Impactos meteóricos e suas consequências Estudos do Dr. Nahor Neves de Souza Júnior Considerações Finais
  • 108. Impactos meteóricos e suas consequênciasConsiderações Finais Percebe-se uma notável contradição entre a conclusão dos artigos da geologia padrão e os dados científicos, que apontam para uma sucessão de eventos catastróficos globais, interligados por um curto espaço de tempo, que apontam para o quadro do Dilúvio descrito na Bíblia.
  • 109. Impactos meteóricos e suas consequências Obrigado! andreluizmarx@gmail.com http://criacionistaconsciente.blogspot.com/ http://outrageografia.blogspot.com/