SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Umbuzeiro
Bruno Djvan
Henrique Bernardino
Rodrigo Moura
• Spondias tuberosa L., popularmente
conhecido como umbuzeiro, imbuzeiro e jique,
é uma árvore de pequeno porte (mede até seis
metros de altura), pertencente
à família das anacardiáceas, de copa larga (até
quinze metros de largura), originária
dos chapadões semiáridos do Nordeste
brasileiro, que se destaca por fornecer sombra e
aconchego;
Bruno
• Dada a importância de suas raízes, foi
chamada "árvore sagrada do Sertão"
por Euclides da Cunha;
• Sua raiz conserva água e produz uma
batata, que em época de grande
estiagem, é utilizada como alimento;
• O umbuzeiro vive mais ou menos 100
anos, e é um símbolo de resistência.
Bruno
Uso pelo homem
Bruno
• A partir de projetos de beneficiamento do
umbu em minifábricas do sertão baiano,
essa fruta passou a ter importância na
geração de renda e organização das
comunidades rurais daquela região;
• Suas folhas, de grande valor alimentício,
com gosto "azedinho", também são
usadas como alimento pelos seres
humanos.
Bruno
• O fruto do umbuzeiro é denominado umbu
ou imbu;
• O seu fruto é muito apreciado e consumido,
tanto pelo homem como pela fauna, possuindo
um caroço revestido por uma suculenta polpa e,
na superfície, por uma película esverdeada,
tendendo, à medida que amadurece, para a cor
amarela.
Bruno
Umbu
Henrique
• A palavra que lhe deu esse nome é o
“ymbu”, de origem tupi-guarani, que
significa “árvore que dá de beber”, uma
referência a sua característica de
armazenamento de água, especialmente
da raiz, qualidade necessária para
sobrevivência nos longos períodos de
seca no seu habitat natural, a Caatinga.
Henrique
• A planta pode alcançar sete metros, tem
tronco curto e copa em forma de guarda-
chuva;
• As flores são brancas, agrupadas,
perfumadas, com néctar que é retirado
pelas abelhas para se alimentarem e
produzirem mel.
Henrique
Henrique
• O fruto é pequeno e arredondado, de casca
lisa ou com pequenos pelos, que lhe
conferem uma textura levemente aveludada;
• Com cheiro doce e sabor agradável,
levemente azedo, o umbu tem a coloração
verde-amarelada;
• Grande parte da sua composição é aquosa e
possui consideráveis propriedades
nutricionais, sendo rico em vitamina C;
• É muito apreciado para consumo humano in
natura ou beneficiado, na produção de
polpas de fruta, sorvete, geleias e doces;
Henrique
• Vale salientar que o fruto maduro dura no
máximo dois ou três dias, o que dificulta o
consumo in natura;
• O fruto e a folha do umbuzeiro também são
utilizados na alimentação animal;
• Como a maioria das plantas na Caatinga, o
umbuzeiro perde todas as suas folhas nos
períodos de seca, mas volta a florescer
assim que começam a cair as primeiras
chuvas;
• A frutificação segue o mesmo percurso,
estando os frutos maduros 60 dias após a
abertura das flores.
Henrique
• As raízes do umbuzeiro, em formato de
batatas, podem ser utilizadas na culinária
popular e apresentam um sabor adocicado;
• As populações tradicionais utilizam o suco da
raiz nos casos de escorbuto, doença que tem
como sintomas hemorragias nas gengivas
em decorrência de carência grave de
vitamina C;
• Em períodos de estiagem forte, a água
armazenada nas raízes pode ser consumida
por pessoas e animais;
• Ainda se atribui a ela propriedades
medicinais antidiarreicas.
Henrique
Cruzamentos
Rodrigo
• O umbu-cajá é resultante do cruzamento
natural entre cajá e umbu;
• O Umbuguela é o resultado do
cruzamento do Umbu com a Seriguela.
Rodrigo
Propagação:
Rodrigo
• Sementes: Utilizadas para produção de
porta-enxertos, para enxertia(quebra de
dormência); Germinação ocorre entre 9 e
210 dias;
• Estaquia: Difícil enraizamento, e devem
ser tratadas com ácido indolbutírico;
• Alporquia: Apresenta índice de pega 80%;
Rodrigo
Clima e Solo
Rodrigo
• Pluviosidade anual que varia de menos de
400 a 800 mm, requer clima quente com
temperatura entre 13 e 38°, UR entre 30 a
80% e insolação de 2000 a 3000 horas
por ano;
• O umbuzeiro desenvolve-se nos mais
variados tipos de solos do nordeste
brasileiro onde há uma maior ocorrência
de luvissolos e argissolos;
• Durante a estação seca suas folhas
entram em senescência e a planta
permanece em estado de dormência;
Rodrigo
Plantio
Bruno
• Pode ser feito numa área desmatada ou
área com cobertura vegetal;
• Deve-se traçar curvas de nível nas linhas
do plantio;
• Sulcos para armazenar água;
• As covas devem ficar na parte inferior dos
sulcos;
• Espaçamentos de 8 x 8m;
• Para reduzir custos de implantação,
plantar culturas anuais entre as linhas. Ex:
Feijão-de-corda, feijão-guandu e sorgo.
Bruno
Principais Pragas
Bruno
• COLEOPTERA: SCARABAEIDAE Conhecido
como cascudo ataca os ramos novos dos
umbuzeiros, destruindo as inflorescências e
as folhas novas, em algumas plantas
provoca a queda dos pequenos frutos ou
causa lesões em sua casca;
• COLEOPTERA: BRUCHIDAE Seus danos
são decorrentes da alimentação das larvas
no interior das sementes provocando lesões
ao embrião, que resulta em redução ou
perda total do poder germinativo.
Bruno
Doenças:
Henrique
• Verrugose-dos-frutos (Elsinoe sp)
• Septoriose (Septoria sp), causadas por
fungos.
Henrique
Colheita:
Henrique
• Feita manualmente;
• Devem ser colhidos no seu estádio de
maturação (inchado), para facilitar o
transporte;
• São colocados em sacos ou caixas e
levados para os centros consumidores.
Henrique
Produtos:
Rodrigo
• Bastante apreciado in natura;
• Polpa;
• Sorvete;
• Doce;
• Geléia ;
• Sucos engarrafados;
• Vinho;
• Vinagre;
• Acetona ;
• Salada das folhas.
Rodrigo
Produtores
Rodrigo
Coopercuc – Bahia
• Cooperativa de Agropecuária Familiar de Canudos,
Uauá e Curaçá;
• Com mais de 25 anos de trabalho com beneficiamento
das frutas da região do semiárido baiano,
a COOPERCUC foi formalizada em 2004, com quarenta
e quatro cooperados;
• O trabalho começou com a chegada de freiras à Uauá,
trazendo novas formas de beneficiamento;
• O trabalho se expandiu para Curaçá e Canudos e, hoje,
a COOPERCUC atua junto a 450 famílias, em 18
comunidades.
Rodrigo
Coopes – Bahia
• Cooperativa de Produção da Região do Piemonte
da Diamantina;
• A Cooperativa de Produção da Região do
Piemonte da Diamantina (COOPES) foi fundada
no dia 02 de maio de 2005, pela união de diversos
coletivos de Capim Grosso, BA;
• Essa é uma cooperativa de produtores da
agricultura familiar que se juntaram na defesa dos
seus interesses econômicos e sociais, cuja
primeira meta foi a melhoria da qualidade dos
seus produtos, divulgação e inserção no mercado.
Rodrigo
Umbu, fruta da resistência
“árvore sagrada do Sertão”
Obrigado!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila fruticultura
Apostila fruticulturaApostila fruticultura
Apostila fruticultura
Rogger Wins
 

Mais procurados (20)

Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
Implantação de um pomar
Implantação de um pomarImplantação de um pomar
Implantação de um pomar
 
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozManejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
 
Aula 02 propagação e implantação de plantas ornamentais
Aula 02   propagação e implantação de plantas ornamentaisAula 02   propagação e implantação de plantas ornamentais
Aula 02 propagação e implantação de plantas ornamentais
 
Poda de árvores frutíferas
Poda  de árvores frutíferasPoda  de árvores frutíferas
Poda de árvores frutíferas
 
Poaceae Sistemática Vegetal
Poaceae Sistemática Vegetal Poaceae Sistemática Vegetal
Poaceae Sistemática Vegetal
 
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e PragasCana-de-açúcar - Doenças e Pragas
Cana-de-açúcar - Doenças e Pragas
 
Aula 2 introdução floricultura
Aula 2   introdução floriculturaAula 2   introdução floricultura
Aula 2 introdução floricultura
 
A cultura da banana minicurso
A cultura da banana   minicursoA cultura da banana   minicurso
A cultura da banana minicurso
 
Umbuzeiro (spondias tuberosa) ednei
Umbuzeiro (spondias tuberosa)   edneiUmbuzeiro (spondias tuberosa)   ednei
Umbuzeiro (spondias tuberosa) ednei
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
 
Vigor em semente
Vigor em sementeVigor em semente
Vigor em semente
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
 
A cultura da goiaba
A cultura da goiabaA cultura da goiaba
A cultura da goiaba
 
cultura da Acerola
cultura da Acerola cultura da Acerola
cultura da Acerola
 
Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)
 
Cultivo de alface
Cultivo de alface Cultivo de alface
Cultivo de alface
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
Apostila fruticultura
Apostila fruticulturaApostila fruticultura
Apostila fruticultura
 

Destaque

Propagação artificial aula 2
Propagação artificial  aula 2Propagação artificial  aula 2
Propagação artificial aula 2
rafaelpicanco
 

Destaque (20)

"O umbuzeiro e o Semiárido brasileiro"
 "O umbuzeiro e o Semiárido brasileiro" "O umbuzeiro e o Semiárido brasileiro"
"O umbuzeiro e o Semiárido brasileiro"
 
Palestra imbuzeiro
Palestra imbuzeiroPalestra imbuzeiro
Palestra imbuzeiro
 
Plantas Tìpicas da Caatinga
Plantas Tìpicas da CaatingaPlantas Tìpicas da Caatinga
Plantas Tìpicas da Caatinga
 
Apostilha meio ambiente
Apostilha meio ambienteApostilha meio ambiente
Apostilha meio ambiente
 
Uso sustentável do Umbuzeiro
Uso sustentável do UmbuzeiroUso sustentável do Umbuzeiro
Uso sustentável do Umbuzeiro
 
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia ComparadaSistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
Sistema Reprodutor Comparado - Fisiologia Comparada
 
A cajaraneira spondias sp.
A cajaraneira spondias sp.A cajaraneira spondias sp.
A cajaraneira spondias sp.
 
Flores da caatinga
Flores da caatingaFlores da caatinga
Flores da caatinga
 
Lepidópteros (lagartas)
Lepidópteros (lagartas)Lepidópteros (lagartas)
Lepidópteros (lagartas)
 
Propagação artificial aula 2
Propagação artificial  aula 2Propagação artificial  aula 2
Propagação artificial aula 2
 
Mastigophora
MastigophoraMastigophora
Mastigophora
 
Cadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandiocaCadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandioca
 
Fertilização artificial em peixes terminado
Fertilização artificial em peixes terminadoFertilização artificial em peixes terminado
Fertilização artificial em peixes terminado
 
piscicultura
pisciculturapiscicultura
piscicultura
 
Flores da Caatinga
Flores da CaatingaFlores da Caatinga
Flores da Caatinga
 
POMAR AGROECOLÓGICO
POMAR AGROECOLÓGICOPOMAR AGROECOLÓGICO
POMAR AGROECOLÓGICO
 
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidorAula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
 
Reprodução Artificial de Peixes
Reprodução Artificial de PeixesReprodução Artificial de Peixes
Reprodução Artificial de Peixes
 
Flores da caatinga
Flores da caatingaFlores da caatinga
Flores da caatinga
 
Piscicultura
PisciculturaPiscicultura
Piscicultura
 

Semelhante a Umbuzeiro - Caatinga

Semelhante a Umbuzeiro - Caatinga (20)

Catalogue – Pão de Açúcar hypermarket
Catalogue – Pão de Açúcar hypermarketCatalogue – Pão de Açúcar hypermarket
Catalogue – Pão de Açúcar hypermarket
 
Manejo, Propagação e Características das Florestas de Araucária
Manejo, Propagação e Características das Florestas de AraucáriaManejo, Propagação e Características das Florestas de Araucária
Manejo, Propagação e Características das Florestas de Araucária
 
Caqui
CaquiCaqui
Caqui
 
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do paisAula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
Aula Nativas do Brasil frutas naturais do pais
 
Aula_Cultura da manga.pdf
Aula_Cultura da manga.pdfAula_Cultura da manga.pdf
Aula_Cultura da manga.pdf
 
Cultura de videira 1
Cultura de videira 1Cultura de videira 1
Cultura de videira 1
 
Agroecologia - Cabeça de negro
Agroecologia - Cabeça de negroAgroecologia - Cabeça de negro
Agroecologia - Cabeça de negro
 
Litchia
LitchiaLitchia
Litchia
 
Citrus de mesa
Citrus de mesaCitrus de mesa
Citrus de mesa
 
Efeitos do extrato aquoso syzygium cumini
Efeitos do extrato aquoso  syzygium cuminiEfeitos do extrato aquoso  syzygium cumini
Efeitos do extrato aquoso syzygium cumini
 
Goiaba
GoiabaGoiaba
Goiaba
 
Mat primas parte1
Mat primas parte1Mat primas parte1
Mat primas parte1
 
Anexo 4 cartilha sementes
Anexo 4 cartilha sementesAnexo 4 cartilha sementes
Anexo 4 cartilha sementes
 
Pera.
Pera.Pera.
Pera.
 
A Diversidade Das Flores
A Diversidade Das FloresA Diversidade Das Flores
A Diversidade Das Flores
 
A Diversidade Das Flores
A Diversidade Das FloresA Diversidade Das Flores
A Diversidade Das Flores
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
 
Abc umbuzeiro
Abc umbuzeiroAbc umbuzeiro
Abc umbuzeiro
 
ABC Umbuzeiro valorize o que e seu
ABC Umbuzeiro valorize o que e seuABC Umbuzeiro valorize o que e seu
ABC Umbuzeiro valorize o que e seu
 
Olericultura 1
Olericultura 1Olericultura 1
Olericultura 1
 

Mais de Bruno Djvan Ramos Barbosa

Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 

Mais de Bruno Djvan Ramos Barbosa (20)

TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMATRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
TRANSLOCAÇÃO DE SOLUTOS PELO FLOEMA
 
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
Sistema Reprodutor Masculino e Feminino
 
Síndrome de Down
Síndrome de Down Síndrome de Down
Síndrome de Down
 
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IVEducação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
Educação sexual - Estágio Supervisionado III e IV
 
cactáceas da caatinga
cactáceas da caatinga cactáceas da caatinga
cactáceas da caatinga
 
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
Avaliação da dinâmica da água no solo, evapotranspiração da cultura e estado ...
 
Água nas Plantas
Água nas PlantasÁgua nas Plantas
Água nas Plantas
 
Aplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
Aplicação da Geoestatística em Ciências AgrariasAplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
Aplicação da Geoestatística em Ciências Agrarias
 
Relações hídricas parte 7
Relações hídricas parte 7Relações hídricas parte 7
Relações hídricas parte 7
 
Relações hídricas
Relações hídricasRelações hídricas
Relações hídricas
 
Relações hídricas parte 13
Relações hídricas parte 13Relações hídricas parte 13
Relações hídricas parte 13
 
Relações hídricas parte 12
Relações hídricas parte 12Relações hídricas parte 12
Relações hídricas parte 12
 
Relações hídricas parte 11
Relações hídricas parte 11Relações hídricas parte 11
Relações hídricas parte 11
 
Relações hídricas parte 10
Relações hídricas parte 10Relações hídricas parte 10
Relações hídricas parte 10
 
Relações hídricas parte 9
Relações hídricas parte 9Relações hídricas parte 9
Relações hídricas parte 9
 
Relações hídricas parte 8
Relações hídricas parte 8Relações hídricas parte 8
Relações hídricas parte 8
 
Relações hídricas parte 6
Relações hídricas parte 6Relações hídricas parte 6
Relações hídricas parte 6
 
Relações hídricas parte 5
Relações hídricas parte 5Relações hídricas parte 5
Relações hídricas parte 5
 
Relações hídricas parte 4
Relações hídricas parte 4Relações hídricas parte 4
Relações hídricas parte 4
 
Relações hídricas parte 3
Relações hídricas parte 3Relações hídricas parte 3
Relações hídricas parte 3
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 

Umbuzeiro - Caatinga

  • 2. • Spondias tuberosa L., popularmente conhecido como umbuzeiro, imbuzeiro e jique, é uma árvore de pequeno porte (mede até seis metros de altura), pertencente à família das anacardiáceas, de copa larga (até quinze metros de largura), originária dos chapadões semiáridos do Nordeste brasileiro, que se destaca por fornecer sombra e aconchego; Bruno
  • 3. • Dada a importância de suas raízes, foi chamada "árvore sagrada do Sertão" por Euclides da Cunha; • Sua raiz conserva água e produz uma batata, que em época de grande estiagem, é utilizada como alimento; • O umbuzeiro vive mais ou menos 100 anos, e é um símbolo de resistência. Bruno
  • 5. • A partir de projetos de beneficiamento do umbu em minifábricas do sertão baiano, essa fruta passou a ter importância na geração de renda e organização das comunidades rurais daquela região; • Suas folhas, de grande valor alimentício, com gosto "azedinho", também são usadas como alimento pelos seres humanos. Bruno
  • 6. • O fruto do umbuzeiro é denominado umbu ou imbu; • O seu fruto é muito apreciado e consumido, tanto pelo homem como pela fauna, possuindo um caroço revestido por uma suculenta polpa e, na superfície, por uma película esverdeada, tendendo, à medida que amadurece, para a cor amarela. Bruno
  • 8. • A palavra que lhe deu esse nome é o “ymbu”, de origem tupi-guarani, que significa “árvore que dá de beber”, uma referência a sua característica de armazenamento de água, especialmente da raiz, qualidade necessária para sobrevivência nos longos períodos de seca no seu habitat natural, a Caatinga. Henrique
  • 9. • A planta pode alcançar sete metros, tem tronco curto e copa em forma de guarda- chuva; • As flores são brancas, agrupadas, perfumadas, com néctar que é retirado pelas abelhas para se alimentarem e produzirem mel. Henrique
  • 11. • O fruto é pequeno e arredondado, de casca lisa ou com pequenos pelos, que lhe conferem uma textura levemente aveludada; • Com cheiro doce e sabor agradável, levemente azedo, o umbu tem a coloração verde-amarelada; • Grande parte da sua composição é aquosa e possui consideráveis propriedades nutricionais, sendo rico em vitamina C; • É muito apreciado para consumo humano in natura ou beneficiado, na produção de polpas de fruta, sorvete, geleias e doces; Henrique
  • 12. • Vale salientar que o fruto maduro dura no máximo dois ou três dias, o que dificulta o consumo in natura; • O fruto e a folha do umbuzeiro também são utilizados na alimentação animal; • Como a maioria das plantas na Caatinga, o umbuzeiro perde todas as suas folhas nos períodos de seca, mas volta a florescer assim que começam a cair as primeiras chuvas; • A frutificação segue o mesmo percurso, estando os frutos maduros 60 dias após a abertura das flores. Henrique
  • 13. • As raízes do umbuzeiro, em formato de batatas, podem ser utilizadas na culinária popular e apresentam um sabor adocicado; • As populações tradicionais utilizam o suco da raiz nos casos de escorbuto, doença que tem como sintomas hemorragias nas gengivas em decorrência de carência grave de vitamina C; • Em períodos de estiagem forte, a água armazenada nas raízes pode ser consumida por pessoas e animais; • Ainda se atribui a ela propriedades medicinais antidiarreicas. Henrique
  • 15. • O umbu-cajá é resultante do cruzamento natural entre cajá e umbu; • O Umbuguela é o resultado do cruzamento do Umbu com a Seriguela. Rodrigo
  • 17. • Sementes: Utilizadas para produção de porta-enxertos, para enxertia(quebra de dormência); Germinação ocorre entre 9 e 210 dias; • Estaquia: Difícil enraizamento, e devem ser tratadas com ácido indolbutírico; • Alporquia: Apresenta índice de pega 80%; Rodrigo
  • 19. • Pluviosidade anual que varia de menos de 400 a 800 mm, requer clima quente com temperatura entre 13 e 38°, UR entre 30 a 80% e insolação de 2000 a 3000 horas por ano; • O umbuzeiro desenvolve-se nos mais variados tipos de solos do nordeste brasileiro onde há uma maior ocorrência de luvissolos e argissolos; • Durante a estação seca suas folhas entram em senescência e a planta permanece em estado de dormência; Rodrigo
  • 21. • Pode ser feito numa área desmatada ou área com cobertura vegetal; • Deve-se traçar curvas de nível nas linhas do plantio; • Sulcos para armazenar água; • As covas devem ficar na parte inferior dos sulcos; • Espaçamentos de 8 x 8m; • Para reduzir custos de implantação, plantar culturas anuais entre as linhas. Ex: Feijão-de-corda, feijão-guandu e sorgo. Bruno
  • 23. • COLEOPTERA: SCARABAEIDAE Conhecido como cascudo ataca os ramos novos dos umbuzeiros, destruindo as inflorescências e as folhas novas, em algumas plantas provoca a queda dos pequenos frutos ou causa lesões em sua casca; • COLEOPTERA: BRUCHIDAE Seus danos são decorrentes da alimentação das larvas no interior das sementes provocando lesões ao embrião, que resulta em redução ou perda total do poder germinativo. Bruno
  • 25. • Verrugose-dos-frutos (Elsinoe sp) • Septoriose (Septoria sp), causadas por fungos. Henrique
  • 27. • Feita manualmente; • Devem ser colhidos no seu estádio de maturação (inchado), para facilitar o transporte; • São colocados em sacos ou caixas e levados para os centros consumidores. Henrique
  • 29. • Bastante apreciado in natura; • Polpa; • Sorvete; • Doce; • Geléia ; • Sucos engarrafados; • Vinho; • Vinagre; • Acetona ; • Salada das folhas. Rodrigo
  • 31. Coopercuc – Bahia • Cooperativa de Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá; • Com mais de 25 anos de trabalho com beneficiamento das frutas da região do semiárido baiano, a COOPERCUC foi formalizada em 2004, com quarenta e quatro cooperados; • O trabalho começou com a chegada de freiras à Uauá, trazendo novas formas de beneficiamento; • O trabalho se expandiu para Curaçá e Canudos e, hoje, a COOPERCUC atua junto a 450 famílias, em 18 comunidades. Rodrigo
  • 32. Coopes – Bahia • Cooperativa de Produção da Região do Piemonte da Diamantina; • A Cooperativa de Produção da Região do Piemonte da Diamantina (COOPES) foi fundada no dia 02 de maio de 2005, pela união de diversos coletivos de Capim Grosso, BA; • Essa é uma cooperativa de produtores da agricultura familiar que se juntaram na defesa dos seus interesses econômicos e sociais, cuja primeira meta foi a melhoria da qualidade dos seus produtos, divulgação e inserção no mercado. Rodrigo
  • 33. Umbu, fruta da resistência “árvore sagrada do Sertão” Obrigado!!!