SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
EMPREGO DE ESTRUTURAS DE VALOR SUBSTANTIVO
Ao estudarmos os textos objetivos e subjetivos, observamos que o uso da terceira pessoa no texto
objetivo pretende passar uma neutralidade discursiva e que o texto subjetivo, marcando lingüisticamente a
primeira pessoa, revela um enunciador que se compromete diretamente com o que está escrito. Entretanto, não
é apenas assim que podemos marcar lingüisticamente o nível de comprometimento do enunciador com o que se
está dizendo. O uso predominante de substantivo ou de adjetivos indica maior ou menor comprometimento
explícito do enunciador, mesmo num texto objetivo ou subjetivo. Relembramos, grosso modo, as definições de
substantivo e de adjetivo:
Substantivo é a palavra que dá nome aos seres, animados e inanimados, concretos ou abstratos.
Adjetivo é a palavra que caracteriza os seres ou os objetos nomeados pelo substantivo, indicando-
lhes uma qualidade, caráter, modo de ser ou estado.
Se o substantivo dá nome às coisas, quando ele é usado, representa a reprodução de uma verdade, ainda
que seja a verdade do enunciador. Já o adjetivo, quando usado, representa um julgamento de valor do
enunciador, porque mostra quais são as características que ele observa e atribui àquele ser.
Observe as duas frases:
Os garçons do bar são simpáticos e isso conquista os fregueses.
A simpatia dos garçons do bar conquista os fregueses.
Na primeira frase, o uso do adjetivo marca uma opinião explícita do enunciador, que considera os
garçons simpáticos; na segunda, o uso do substantivo mostra que essa característica do enunciador não existe
porque ele a considera e sim “ganha vida” no substantivo, porque os garçons de fato são assim.
Observando as notícias e a maioria dos textos informativos, é possível perceber que o uso de adjetivos é
limitado, especialmente nos jornais, restringindo-se a adjetivos que determinam características físicas (homem
alto, menina branca, suspeito negro, carro preto) ou tentam evitar declarações incisivas (possível suspeita,
provável desvio de dinheiro).
Dessa forma, como os substantivos “dão nome às coisas”, o seu uso imprime ao texto uma “cara de
verdade”, confiando-lhe uma isenção maior do que o excesso de adjetivos. Neste momento, estudaremos o
emprego de estruturas substantivas, mas não o substantivo em si, mas seu desmembramento em sintagmas e
orações para construir o texto.
Como os sintagmas substantivos ligam-se entre si por preposições, o acúmulo de preposições pode se
prejudicial para o fluxo do texto. Da mesma forma, o encadeamento de diferentes orações pode aumentar muito
o texto, tornando a leitura densa. Nesse caso, a transformação de algumas dessas estruturas em orações ou o
caminho contrário, dosando os dois elementos, pode dinamizar o enunciado e dirimir dúvidas. De qualquer
forma, no uso dos mecanismos de substituição de estruturas de valor substantivo prevalecem as razões de estilo,
o desejo de reduzir ou aumentar o tamanho da frase, a necessidade de evitar repetições.
Vejamos os exemplos abaixo:
O teu regresso é mais do que necessário. [sujeito]
É mais do que necessário regressares. [sujeito]
É mais do que necessário que regresses. [sujeito]
O nosso pronunciamento convém ao partido. [sujeito]
Convém ao partido nós nos pronunciarmos. [sujeito]
Convém ao partido que nos pronunciemos. [sujeito]
Colégio Pedro II - Unidade Tijuca II
Departamento de Língua Portuguesa
Coordenadora: Rosângela Abraão
Professoras: Vanessa, Patrícia e Andreia
Ele reiterou a confiança no grupo. [objeto direto]
Ele reiterou confiar no grupo. [objeto direto]
Ele reiterou que confia no grupo. [objeto direto]
Eles me encarregaram do combate ao tráfico. [objeto indireto]
Eles me encarregaram de combater o tráfico. [objeto indireto]
Eles me encarregaram (de) que eu combatesse o tráfico [objeto indireto]
Ele tem esperança na vitória do Brasil. [complemento nominal]
Ele tem esperança em o Brasil vencer. [complemento nominal]
Ele tem esperança (em) que o Brasil vença. [complemento nominal]
A única certeza é a nossa luta até o fim. [predicativo]
A única certeza é lutarmos até o fim. [predicativo]
A única certeza é que lutaremos até o fim. [predicativo]
Uma coisa me assusta em ti: o choro à toa. [aposto]
Uma coisa me assusta em ti: chorares à toa. [aposto]
Uma coisa me assusta em ti: choras à toa. [aposto]
Observe que cada grupo contém o mesmo tipo de substituição, ou seja, a de uma expressão sem verbo por
outras duas com verbo. Assim, a primeira frase de cada trinca contém só uma oração, enquanto a segunda e a
terceira contêm duas. A segunda frase emprega um verbo em forma nominal; a terceira emprega um verbo no
modo subjuntivo ou indicativo e uma conjunção "que" (exceto no caso da apositiva).
As três possibilidades são gramaticalmente corretas. Cabe ao usuário optar pela construção que lhe pareça a
mais adequada aos seus objetivos de redação.
EXERCÍCIOS:
l) Seguindo o modelo dos exemplos, reescreva as frases abaixo, substituindo os termos em destaque por orações
equivalentes: a primeira com verbo em forma nominal; a segunda com a conjunção "que")
a) É essencial o término das obras.
b) Está correta a decisão do governo contra a inflação.
c) Cabe a cada um de nós a obediência à lei.
d) É importante a tua participação no negócio.
e) Parece indispensável o seu comparecimento à reunião.
f) Urge o início imediato das conversações de paz na Palestina.
g) Nosso repórter confirmou o envio, para você, das matérias sobre a guerra.
h) Ninguém gostou do teu afastamento do cargo.
g) A adoção do procedimento padrão por todos convém à operação.
j) Tenho certeza da inocência de seu irmão.
k) Jamais a acusei de violação de propriedade.
1) A música alta garantia a permanência de todos acordados.
2) Leia com atenção o seguinte trecho da crônica de Nélida Pinon, intitulada "Duas Rainhas", publicada no
jornal O Dia de 11 de setembro de 1997.
Assistindo ao cortejo fúnebre da princesa Diana, recordo a doce Inês de Castro, a lendária heroína dos
Lusíadas, de Camões. De imediato busco unir as duas mulheres, separadas por séculos, cultura, língua e mitologia. De
um lado, Inês, amante do príncipe herdeiro de Portugal, posta em sossego às margens do rio Mondego, de acordo
com a visão do Poeta. A viver, por força do amor que dedica ao príncipe, naquele engano de alma, quase sempre
manso e distraído, que a fortuna não deixaria durar muito. Logo os acólitos do rei, temerosos da crescente
influência que a mulher exercia sobre o príncipe, convencem o rei a matá-la, como forma de interromper aquele
perigoso encantamento amoroso que ameaçava a hegemonia real.
A ordem cumpre-se na ausência de Pedro que, ao retornar, descobre-se viúvo de um imorredoiro amor,
enquanto jura vingança. Ao tornar-se rei, anos depois, desenterra Inês, instala seus restos mortais no trono, com
tal gesto querendo ungi-la depois de morta. E obriga os assassinos, antes de levá-los à morte, a reverenciar aquele
repugnante amontoado de ossos. Impõe-lhes o espetáculo macabro que pretendia corrigir os desmandos da História.
Do outro lado Diana que, por casamento com o príncipe herdeiro, chegou a ser princesa real. E que breve
descobre que Charles, contrário ao príncipe Pedro, não a amava, mas a outra mulher. Uma constatação que a
mergulha no desespero e na instabilidade, levando-a a perseguir o amor onde estivesse, a despeito de sucessivos
fracassos. Não tendo inscrito no peito, como Inês, um nome a quem prantear ao longo dos anos. (...)
Marque com um X as equivalências substantivas que são, morfológica e semanticamente, aplicáveis ao trecho
original.
a) busco unir as duas mulheres (linhas 2-3) = a união das duas mulheres,
b) convencem o rei a matá-la (unhas 8-9) = de sua morte,
c) querendo ungi-la depois de morta (Unhas 13-4) = sua unção depois de morta,
d) obriga os assassinos a reverenciar aquele repugnante amontoado de ossos (linhas 14-5) = à reverência diante
daquele repugnante amontoado de ossos,
e) o espetáculo macabro que pretendia corrigir os desmandos da História (linha 16) = a correção dos
desmandos da História,
f) descobre que Charles não a amava, mas a outra mulher (Unhas 18-9) = o amor de Charles não por ela, mas
por outra mulher,
g) levando-a a perseguir o amor onde estivesse (linha 20) = à perseguição do amor onde estivesse.
3) Reescreva o trecho abaixo desfazendo a expressão substantiva e substituindo-a por uma oração de mesmo
valor:
Logo os acólitos do rei, temerosos da crescente influência que a mulher exercia sobre o príncipe,
convencem o rei a matá-la. (linhas 7-9)
4) Observe este trecho:
como forma de interromper aquele perigoso encantamento amoroso
A estrutura substantiva sublinhada no trecho acima foi reescrita de diversas maneiras, sem levar em
conta o significado original. Complete a lacuna com a forma verbal adequada.
a) como forma de impedir que aquele amor ____________ perigosamente. (encantar)
b) como forma de impedir aquele perigoso amor de ____________. (encantar)
c) como forma de impedir que aquele perigoso encantamento ____________. (amar)
d) como forma de impedir aquele perigoso encantamento de ____________. (amar)
e) como forma de impedir que ____________ aquele encanto amoroso. (perigar)
f) como forma de impedir aquele amor encantado de ____________ (perigar)
GABARITO
l) Seguindo o modelo dos exemplos, reescreva as frases abaixo, substituindo os termos em destaque por orações
equivalentes: a primeira com verbo em forma nominal; a segunda com a conjunção "que")
a) É essencial QUE AS OBRAS TERMINEM.
b) Está correto O GOVERNO DECIDIR CONTRA A INFLAÇÃO.
c) Cabe a cada um de nós OBEDECER À LEI.
d) É importante QUE TU PARTICIPES NO NEGÓCIO.
e) Parece indispensável QUE VOCÊ COMPAREÇA À REUNIÃO.
f) Urge QUE SE INICIEM IMEDIATAMENTE AS CONVERSAÇÕES DE PAZ NA PALESTINA.
g) Nosso repórter confirmou QUE ENVIOU PARA VOCÊ AS MATÉRIAS SOBRE A GUERRA.
h) Ninguém gostou DE QUE TU TE AFASTASSES DO CARGO.
g) Convém à operação QUE TODOS ADOREM O PROCEDIMENTO PADRÃO.
j) Tenho certeza DE QUE SEU IRMÃO É INOCENTE.
k) Jamais a acusei DE VIOLAR PROPRIEDADE.
1) A música alta garantia QUE TODOS PERMANECESSEM ACORDADOS.
2) CORRETAS:
a) busco unir as duas mulheres (linhas 2-3) = a união das duas mulheres,
c) querendo ungi-la depois de morta (Unhas 13-4) = sua unção depois de morta,
d) obriga os assassinos a reverenciar aquele repugnante amontoado de ossos (linhas 14-5) = à reverência diante
daquele repugnante amontoado de ossos,
e) o espetáculo macabro que pretendia corrigir os desmandos da História (linha 16) = a correção dos
desmandos da História,
f) descobre que Charles não a amava, mas a outra mulher (Unhas 18-9) = o amor de Charles não por ela, mas
por outra mulher,
g) levando-a a perseguir o amor onde estivesse (linha 20) = à perseguição do amor onde estivesse.
3) Reescreva o trecho abaixo desfazendo a expressão substantiva e substituindo-a por uma oração de mesmo
valor:
Logo os acólitos do rei, temerosos da crescente influência que a mulher exercia sobre o príncipe,
convencem o rei a matá-la. (linhas 7-9)
Logo os acólitos do rei, temerosos de QUE CRESCESSE A INFLUÊNCIA que a mulher exercia sobre o
príncipe, convencem o rei a matá-la.
4) Observe este trecho
a) como forma de impedir que aquele amor ENCANTASSE perigosamente. (encantar)
b) como forma de impedir aquele perigoso amor de ENCANTAR (encantar)
c) como forma de impedir que aquele perigoso encantamento AMASSE (amar)
d) como forma de impedir aquele perigoso encantamento de AMAR (amar)
e) como forma de impedir que PERIGASSE aquele encanto amoroso. (perigar)
f) como forma de impedir aquele amor encantado de PERIGAR (perigar)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 87-88
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 87-88Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 87-88
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 87-88luisprista
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126luisprista
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 127-128
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 127-128Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 127-128
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 127-128luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 81 (e 81 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 81 (e 81 r)Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 81 (e 81 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 81 (e 81 r)luisprista
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 97-98
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 97-98Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 97-98
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 97-98luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122luisprista
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 67-68
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 67-68Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 67-68
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 67-68luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 77
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 77Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 77
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 77luisprista
 
3º ano cap 1 hexa respostas
3º ano cap 1 hexa respostas3º ano cap 1 hexa respostas
3º ano cap 1 hexa respostasFátima Lima
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 107-108
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 107-108Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 107-108
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 107-108luisprista
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 113-114
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 113-114Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 113-114
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 113-114luisprista
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 65-66
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 65-66Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 65-66
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 65-66luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 80-81
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 80-81Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 80-81
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 80-81luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 105-106
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 105-106Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 105-106
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 105-106luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 35
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 35Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 35
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 35luisprista
 
Lp22 p1 2011
Lp22 p1 2011Lp22 p1 2011
Lp22 p1 2011Maria Gnv
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 49-50Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 49-50luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 63-64
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 63-64Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 63-64
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 63-64luisprista
 

Mais procurados (20)

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 87-88
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 87-88Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 87-88
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 87-88
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 127-128
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 127-128Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 127-128
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 127-128
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 81 (e 81 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 81 (e 81 r)Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 81 (e 81 r)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 81 (e 81 r)
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 97-98
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 97-98Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 97-98
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 97-98
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 67-68
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 67-68Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 67-68
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 67-68
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 77
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 77Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 77
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 77
 
3º ano cap 1 hexa respostas
3º ano cap 1 hexa respostas3º ano cap 1 hexa respostas
3º ano cap 1 hexa respostas
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 107-108
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 107-108Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 107-108
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 107-108
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 113-114
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 113-114Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 113-114
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 113-114
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 65-66
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 65-66Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 65-66
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 65-66
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 80-81
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 80-81Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 80-81
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 80-81
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 105-106
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 105-106Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 105-106
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 105-106
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 35
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 35Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 35
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 35
 
Lp22 p1 2011
Lp22 p1 2011Lp22 p1 2011
Lp22 p1 2011
 
Oitavo a
Oitavo aOitavo a
Oitavo a
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 49-50Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 49-50
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 63-64
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 63-64Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 63-64
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 63-64
 

Semelhante a 04 - Estruturas com valor substantivo + exercícios

Amor cortês - Literatura Portuguesa
Amor cortês - Literatura PortuguesaAmor cortês - Literatura Portuguesa
Amor cortês - Literatura PortuguesaTatiana Azenha
 
Estudo do texto. Interpretação e compreensão de texto.
Estudo do texto. Interpretação e compreensão de texto.Estudo do texto. Interpretação e compreensão de texto.
Estudo do texto. Interpretação e compreensão de texto.Aires Jones
 
COESÃO-e-COERÊNCIA-TEXTUAL.ppt
COESÃO-e-COERÊNCIA-TEXTUAL.pptCOESÃO-e-COERÊNCIA-TEXTUAL.ppt
COESÃO-e-COERÊNCIA-TEXTUAL.pptAna Oliveira
 
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Coesão e Coerência
www.AulasDePortuguesApoio.com  -  Português -  Coesão e Coerênciawww.AulasDePortuguesApoio.com  -  Português -  Coesão e Coerência
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Coesão e CoerênciaVideoaulas De Português Apoio
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 94-95
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 94-95Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 94-95
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 94-95luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112luisprista
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagemLudmiilaa
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 9-10
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 9-10Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 9-10
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 9-10luisprista
 

Semelhante a 04 - Estruturas com valor substantivo + exercícios (12)

Figuras de linguagem para o enem 2017
Figuras de linguagem para o enem 2017Figuras de linguagem para o enem 2017
Figuras de linguagem para o enem 2017
 
Amor cortês - Literatura Portuguesa
Amor cortês - Literatura PortuguesaAmor cortês - Literatura Portuguesa
Amor cortês - Literatura Portuguesa
 
Estudo do texto. Interpretação e compreensão de texto.
Estudo do texto. Interpretação e compreensão de texto.Estudo do texto. Interpretação e compreensão de texto.
Estudo do texto. Interpretação e compreensão de texto.
 
COESÃO-e-COERÊNCIA-TEXTUAL.ppt
COESÃO-e-COERÊNCIA-TEXTUAL.pptCOESÃO-e-COERÊNCIA-TEXTUAL.ppt
COESÃO-e-COERÊNCIA-TEXTUAL.ppt
 
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Coesão e Coerência
www.AulasDePortuguesApoio.com  -  Português -  Coesão e Coerênciawww.AulasDePortuguesApoio.com  -  Português -  Coesão e Coerência
www.AulasDePortuguesApoio.com - Português - Coesão e Coerência
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 94-95
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 94-95Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 94-95
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 94-95
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
 
Fichas avaliacao
Fichas avaliacaoFichas avaliacao
Fichas avaliacao
 
1º literatura
1º literatura1º literatura
1º literatura
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 9-10
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 9-10Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 9-10
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 9-10
 

Mais de NAPNE

Literatura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoLiteratura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoNAPNE
 
Fisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoFisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoNAPNE
 
Sistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoSistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoNAPNE
 
Slide renascimento cultural
Slide   renascimento culturalSlide   renascimento cultural
Slide renascimento culturalNAPNE
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoNAPNE
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasNAPNE
 
NAFTA
NAFTANAFTA
NAFTANAPNE
 
Imperialismo - EUA
Imperialismo - EUAImperialismo - EUA
Imperialismo - EUANAPNE
 
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)NAPNE
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - RealismoNAPNE
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosNAPNE
 
Resumo - Física
Resumo - FísicaResumo - Física
Resumo - FísicaNAPNE
 
Digestão em humanos
Digestão em humanosDigestão em humanos
Digestão em humanosNAPNE
 
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)NAPNE
 
Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonNAPNE
 
Atividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaAtividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaNAPNE
 
Geografia - Paisagens
Geografia - PaisagensGeografia - Paisagens
Geografia - PaisagensNAPNE
 
Ciências - Atividade
Ciências - AtividadeCiências - Atividade
Ciências - AtividadeNAPNE
 
Cruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaCruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaNAPNE
 
Apostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e RomaApostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e RomaNAPNE
 

Mais de NAPNE (20)

Literatura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoLiteratura - Naturalismo
Literatura - Naturalismo
 
Fisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoFisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - Resumo
 
Sistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoSistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - Resumo
 
Slide renascimento cultural
Slide   renascimento culturalSlide   renascimento cultural
Slide renascimento cultural
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - Introdução
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
 
NAFTA
NAFTANAFTA
NAFTA
 
Imperialismo - EUA
Imperialismo - EUAImperialismo - EUA
Imperialismo - EUA
 
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - Exercícios
 
Resumo - Física
Resumo - FísicaResumo - Física
Resumo - Física
 
Digestão em humanos
Digestão em humanosDigestão em humanos
Digestão em humanos
 
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
 
Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príon
 
Atividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaAtividades - Pré-História
Atividades - Pré-História
 
Geografia - Paisagens
Geografia - PaisagensGeografia - Paisagens
Geografia - Paisagens
 
Ciências - Atividade
Ciências - AtividadeCiências - Atividade
Ciências - Atividade
 
Cruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaCruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e Cultura
 
Apostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e RomaApostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e Roma
 

Último

Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 

Último (20)

Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 

04 - Estruturas com valor substantivo + exercícios

  • 1. EMPREGO DE ESTRUTURAS DE VALOR SUBSTANTIVO Ao estudarmos os textos objetivos e subjetivos, observamos que o uso da terceira pessoa no texto objetivo pretende passar uma neutralidade discursiva e que o texto subjetivo, marcando lingüisticamente a primeira pessoa, revela um enunciador que se compromete diretamente com o que está escrito. Entretanto, não é apenas assim que podemos marcar lingüisticamente o nível de comprometimento do enunciador com o que se está dizendo. O uso predominante de substantivo ou de adjetivos indica maior ou menor comprometimento explícito do enunciador, mesmo num texto objetivo ou subjetivo. Relembramos, grosso modo, as definições de substantivo e de adjetivo: Substantivo é a palavra que dá nome aos seres, animados e inanimados, concretos ou abstratos. Adjetivo é a palavra que caracteriza os seres ou os objetos nomeados pelo substantivo, indicando- lhes uma qualidade, caráter, modo de ser ou estado. Se o substantivo dá nome às coisas, quando ele é usado, representa a reprodução de uma verdade, ainda que seja a verdade do enunciador. Já o adjetivo, quando usado, representa um julgamento de valor do enunciador, porque mostra quais são as características que ele observa e atribui àquele ser. Observe as duas frases: Os garçons do bar são simpáticos e isso conquista os fregueses. A simpatia dos garçons do bar conquista os fregueses. Na primeira frase, o uso do adjetivo marca uma opinião explícita do enunciador, que considera os garçons simpáticos; na segunda, o uso do substantivo mostra que essa característica do enunciador não existe porque ele a considera e sim “ganha vida” no substantivo, porque os garçons de fato são assim. Observando as notícias e a maioria dos textos informativos, é possível perceber que o uso de adjetivos é limitado, especialmente nos jornais, restringindo-se a adjetivos que determinam características físicas (homem alto, menina branca, suspeito negro, carro preto) ou tentam evitar declarações incisivas (possível suspeita, provável desvio de dinheiro). Dessa forma, como os substantivos “dão nome às coisas”, o seu uso imprime ao texto uma “cara de verdade”, confiando-lhe uma isenção maior do que o excesso de adjetivos. Neste momento, estudaremos o emprego de estruturas substantivas, mas não o substantivo em si, mas seu desmembramento em sintagmas e orações para construir o texto. Como os sintagmas substantivos ligam-se entre si por preposições, o acúmulo de preposições pode se prejudicial para o fluxo do texto. Da mesma forma, o encadeamento de diferentes orações pode aumentar muito o texto, tornando a leitura densa. Nesse caso, a transformação de algumas dessas estruturas em orações ou o caminho contrário, dosando os dois elementos, pode dinamizar o enunciado e dirimir dúvidas. De qualquer forma, no uso dos mecanismos de substituição de estruturas de valor substantivo prevalecem as razões de estilo, o desejo de reduzir ou aumentar o tamanho da frase, a necessidade de evitar repetições. Vejamos os exemplos abaixo: O teu regresso é mais do que necessário. [sujeito] É mais do que necessário regressares. [sujeito] É mais do que necessário que regresses. [sujeito] O nosso pronunciamento convém ao partido. [sujeito] Convém ao partido nós nos pronunciarmos. [sujeito] Convém ao partido que nos pronunciemos. [sujeito] Colégio Pedro II - Unidade Tijuca II Departamento de Língua Portuguesa Coordenadora: Rosângela Abraão Professoras: Vanessa, Patrícia e Andreia
  • 2. Ele reiterou a confiança no grupo. [objeto direto] Ele reiterou confiar no grupo. [objeto direto] Ele reiterou que confia no grupo. [objeto direto] Eles me encarregaram do combate ao tráfico. [objeto indireto] Eles me encarregaram de combater o tráfico. [objeto indireto] Eles me encarregaram (de) que eu combatesse o tráfico [objeto indireto] Ele tem esperança na vitória do Brasil. [complemento nominal] Ele tem esperança em o Brasil vencer. [complemento nominal] Ele tem esperança (em) que o Brasil vença. [complemento nominal] A única certeza é a nossa luta até o fim. [predicativo] A única certeza é lutarmos até o fim. [predicativo] A única certeza é que lutaremos até o fim. [predicativo] Uma coisa me assusta em ti: o choro à toa. [aposto] Uma coisa me assusta em ti: chorares à toa. [aposto] Uma coisa me assusta em ti: choras à toa. [aposto] Observe que cada grupo contém o mesmo tipo de substituição, ou seja, a de uma expressão sem verbo por outras duas com verbo. Assim, a primeira frase de cada trinca contém só uma oração, enquanto a segunda e a terceira contêm duas. A segunda frase emprega um verbo em forma nominal; a terceira emprega um verbo no modo subjuntivo ou indicativo e uma conjunção "que" (exceto no caso da apositiva). As três possibilidades são gramaticalmente corretas. Cabe ao usuário optar pela construção que lhe pareça a mais adequada aos seus objetivos de redação. EXERCÍCIOS: l) Seguindo o modelo dos exemplos, reescreva as frases abaixo, substituindo os termos em destaque por orações equivalentes: a primeira com verbo em forma nominal; a segunda com a conjunção "que") a) É essencial o término das obras. b) Está correta a decisão do governo contra a inflação. c) Cabe a cada um de nós a obediência à lei. d) É importante a tua participação no negócio. e) Parece indispensável o seu comparecimento à reunião. f) Urge o início imediato das conversações de paz na Palestina. g) Nosso repórter confirmou o envio, para você, das matérias sobre a guerra. h) Ninguém gostou do teu afastamento do cargo. g) A adoção do procedimento padrão por todos convém à operação. j) Tenho certeza da inocência de seu irmão. k) Jamais a acusei de violação de propriedade. 1) A música alta garantia a permanência de todos acordados. 2) Leia com atenção o seguinte trecho da crônica de Nélida Pinon, intitulada "Duas Rainhas", publicada no jornal O Dia de 11 de setembro de 1997. Assistindo ao cortejo fúnebre da princesa Diana, recordo a doce Inês de Castro, a lendária heroína dos Lusíadas, de Camões. De imediato busco unir as duas mulheres, separadas por séculos, cultura, língua e mitologia. De um lado, Inês, amante do príncipe herdeiro de Portugal, posta em sossego às margens do rio Mondego, de acordo com a visão do Poeta. A viver, por força do amor que dedica ao príncipe, naquele engano de alma, quase sempre manso e distraído, que a fortuna não deixaria durar muito. Logo os acólitos do rei, temerosos da crescente influência que a mulher exercia sobre o príncipe, convencem o rei a matá-la, como forma de interromper aquele perigoso encantamento amoroso que ameaçava a hegemonia real.
  • 3. A ordem cumpre-se na ausência de Pedro que, ao retornar, descobre-se viúvo de um imorredoiro amor, enquanto jura vingança. Ao tornar-se rei, anos depois, desenterra Inês, instala seus restos mortais no trono, com tal gesto querendo ungi-la depois de morta. E obriga os assassinos, antes de levá-los à morte, a reverenciar aquele repugnante amontoado de ossos. Impõe-lhes o espetáculo macabro que pretendia corrigir os desmandos da História. Do outro lado Diana que, por casamento com o príncipe herdeiro, chegou a ser princesa real. E que breve descobre que Charles, contrário ao príncipe Pedro, não a amava, mas a outra mulher. Uma constatação que a mergulha no desespero e na instabilidade, levando-a a perseguir o amor onde estivesse, a despeito de sucessivos fracassos. Não tendo inscrito no peito, como Inês, um nome a quem prantear ao longo dos anos. (...) Marque com um X as equivalências substantivas que são, morfológica e semanticamente, aplicáveis ao trecho original. a) busco unir as duas mulheres (linhas 2-3) = a união das duas mulheres, b) convencem o rei a matá-la (unhas 8-9) = de sua morte, c) querendo ungi-la depois de morta (Unhas 13-4) = sua unção depois de morta, d) obriga os assassinos a reverenciar aquele repugnante amontoado de ossos (linhas 14-5) = à reverência diante daquele repugnante amontoado de ossos, e) o espetáculo macabro que pretendia corrigir os desmandos da História (linha 16) = a correção dos desmandos da História, f) descobre que Charles não a amava, mas a outra mulher (Unhas 18-9) = o amor de Charles não por ela, mas por outra mulher, g) levando-a a perseguir o amor onde estivesse (linha 20) = à perseguição do amor onde estivesse. 3) Reescreva o trecho abaixo desfazendo a expressão substantiva e substituindo-a por uma oração de mesmo valor: Logo os acólitos do rei, temerosos da crescente influência que a mulher exercia sobre o príncipe, convencem o rei a matá-la. (linhas 7-9) 4) Observe este trecho: como forma de interromper aquele perigoso encantamento amoroso A estrutura substantiva sublinhada no trecho acima foi reescrita de diversas maneiras, sem levar em conta o significado original. Complete a lacuna com a forma verbal adequada. a) como forma de impedir que aquele amor ____________ perigosamente. (encantar) b) como forma de impedir aquele perigoso amor de ____________. (encantar) c) como forma de impedir que aquele perigoso encantamento ____________. (amar) d) como forma de impedir aquele perigoso encantamento de ____________. (amar) e) como forma de impedir que ____________ aquele encanto amoroso. (perigar) f) como forma de impedir aquele amor encantado de ____________ (perigar)
  • 4. GABARITO l) Seguindo o modelo dos exemplos, reescreva as frases abaixo, substituindo os termos em destaque por orações equivalentes: a primeira com verbo em forma nominal; a segunda com a conjunção "que") a) É essencial QUE AS OBRAS TERMINEM. b) Está correto O GOVERNO DECIDIR CONTRA A INFLAÇÃO. c) Cabe a cada um de nós OBEDECER À LEI. d) É importante QUE TU PARTICIPES NO NEGÓCIO. e) Parece indispensável QUE VOCÊ COMPAREÇA À REUNIÃO. f) Urge QUE SE INICIEM IMEDIATAMENTE AS CONVERSAÇÕES DE PAZ NA PALESTINA. g) Nosso repórter confirmou QUE ENVIOU PARA VOCÊ AS MATÉRIAS SOBRE A GUERRA. h) Ninguém gostou DE QUE TU TE AFASTASSES DO CARGO. g) Convém à operação QUE TODOS ADOREM O PROCEDIMENTO PADRÃO. j) Tenho certeza DE QUE SEU IRMÃO É INOCENTE. k) Jamais a acusei DE VIOLAR PROPRIEDADE. 1) A música alta garantia QUE TODOS PERMANECESSEM ACORDADOS. 2) CORRETAS: a) busco unir as duas mulheres (linhas 2-3) = a união das duas mulheres, c) querendo ungi-la depois de morta (Unhas 13-4) = sua unção depois de morta, d) obriga os assassinos a reverenciar aquele repugnante amontoado de ossos (linhas 14-5) = à reverência diante daquele repugnante amontoado de ossos, e) o espetáculo macabro que pretendia corrigir os desmandos da História (linha 16) = a correção dos desmandos da História, f) descobre que Charles não a amava, mas a outra mulher (Unhas 18-9) = o amor de Charles não por ela, mas por outra mulher, g) levando-a a perseguir o amor onde estivesse (linha 20) = à perseguição do amor onde estivesse. 3) Reescreva o trecho abaixo desfazendo a expressão substantiva e substituindo-a por uma oração de mesmo valor: Logo os acólitos do rei, temerosos da crescente influência que a mulher exercia sobre o príncipe, convencem o rei a matá-la. (linhas 7-9) Logo os acólitos do rei, temerosos de QUE CRESCESSE A INFLUÊNCIA que a mulher exercia sobre o príncipe, convencem o rei a matá-la. 4) Observe este trecho a) como forma de impedir que aquele amor ENCANTASSE perigosamente. (encantar) b) como forma de impedir aquele perigoso amor de ENCANTAR (encantar) c) como forma de impedir que aquele perigoso encantamento AMASSE (amar) d) como forma de impedir aquele perigoso encantamento de AMAR (amar) e) como forma de impedir que PERIGASSE aquele encanto amoroso. (perigar) f) como forma de impedir aquele amor encantado de PERIGAR (perigar)