Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 77

4.267 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.267
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.644
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 77

  1. 1. Em «para dar infantes à coroa portuguesa» (ll. 2-3), o sujeito é a) nulo expletivo. b) nulo subentendido, reportando-se a D. João. c) nulo subentendido, reportando-se a D. Maria Ana. d) «infantes».
  2. 2. D. Maria Ana Josefa, que chegou há mais de dois anos para dar infantes à coroa portuguesa
  3. 3. «Que caiba a culpa ao rei, nem pensar, primeiro porque a esterilidade não é mal dos homens, das mulheres sim, por isso são repudiadas tantas vezes [...]» (ll. 5-7) mostra que o narrador [discurso direto livre] a) é participante e está a ser irónico. b) está focalizado segundo a perspectiva de Baltasar. c) é objectivo. [d. d. l.] d) ainda que omnisciente, assume uma voz marcada pelos preconceitos de época.
  4. 4. «e inda agora a procissão vai na praça» (ll. 8-9) significa que a) o rei ainda teria mais filhos ilegítimos. b) só naquele momento começavam as relações entre rei e rainha. c) rei e a rainha teriam vários filhos. d) uma procissão atravessava realmente a praça.
  5. 5. No longo período nas linhas 18-33, é-nos dito que o rei a) era persistente, embora impotente, ao contrário do que se esperaria de um jovem. b) é vigoroso, tem vinte e um anos, mas, por a rainha ser pouco atraente, não concretiza o ato sexual. c) tem relações sexuais com a rainha duas vezes por semana, ejaculando muito esperma. d) não cumpria os chamados «deveres conjugais», por «cristianíssima retenção moral».
  6. 6. os líquidos comuns […], pródigos os do soberano, como se espera de um homem que ainda não fez vinte e dois anos
  7. 7. [além das orações] rainha que, a mais das preces, se sacrifica a uma imobilidade total depois de retirar-se de si e da cama o esposo, para que se não perturbem em seu gerativo acomodamento os líquidos comuns, escassos os seus por falta de estímulo e tempo, e cristianíssima retenção moral
  8. 8. Ainda no mesmo período (ll. 18-33), ficamos a saber que a rainha, a) nas suas relações sexuais, revelava-se humilde e paciente, pelo que se prolongavam os jogos amorosos com o rei. b) além de rezar, após o ato sexual ficava o mais possível imóvel, a fim de aumentar as possibilidades de gerar um filho. c) rebelde e sensual, não era, porém, suficientemente estimulada por o ato sexual ser rápido. d) porque para ela era grande sacrifício ter relações sexuais, duranrte o ato rezava e ficava imóvel.
  9. 9. O sujeito de «fizeram inchar» (l. 32) é a)nulo indeterminado. b)«líquidos comuns». c)nulo subentendido. d)composto. «nem a persistência do rei […] nem a paciência e humildade da rainha […] fizeram inchar até hoje a barriga de D. Maria Ana»
  10. 10. «inchar a barriga de D. Maria Ana» (ll. 3233) é a)uma anáfora. b)uma perífrase [eufemística] para ‘engravidam a rainha’. c)alusão brincalhona aos iogurtes Actívia. | d)hipérbole.
  11. 11. A basílica que o rei está a levantar (ao longo do parágrafo das ll. 34-59) é a)um modelo de brincar. b)a verdadeira Basílica de S. Pedro. c)o modelo do Convento de Mafra. d)o Convento de Mafra.
  12. 12. O pronome «elas» (l. 52) tem como referente a) «a ordem e a solenidade» (50). b) «camaristas» (52) c) «as vigilantes entidades» (51), cujo antecendente é «as figuras dos profetas e dos santos» (46). d) «coisas sagradas» (50).
  13. 13. Na linha 60, «no» é a) ‘nu’, porque despiram o rei. b) uma anáfora (que, precedida de nasal, implica um ene). [despiram-*o >-no] c) o pronome «nos» abreviado. d) uma catáfora cujo referente é «o rei».
  14. 14. antecedente Que espere. Por enquanto, ainda el-rei está a preparar-se para a noite. Despiram-no os camaristas anáfora (pronome)
  15. 15. A enumeração nas linhas 60-66 visa a) enfatizar a importância do ato que se seguiria. b) mostrar o poder de D. João V. c) justificar a impotência do rei. d) caricaturar a repartição de tarefas pelos servidores do rei.
  16. 16. «já não tarda um minuto que D. João V se encaminhe ao quarto da rainha» (ll. 67-68) passa-se a)em Mafra. b)na praça de S. Pedro. c)em Roma. d)em Lisboa.
  17. 17. O conector que introduz o último período (l. 69) tem sentido a)consecutivo. b)de adição. c)de oposição. (preparativos versus visita) d)conclusivo.
  18. 18. A visita que se anuncia no último parágrafo do texto (ll. 69-70) visa propor ao rei que a) prometa ter um filho. b) seja mais paciente com Maria Ana. c) faça uma promessa. d) visite Mafra.
  19. 19. A gravidez da rainha virá a ser atribuída a a) um milagre de franciscano. b) um milagre do Papa Francisco. c) um milagre de Eusébio. d) ereção [= o erigir, o construir] do convento de Mafra.
  20. 20. A promessa de construção do convento teve de ser cumprida dado o nascimento de a) D. Maria Bárbara. b) D. João V. c) Baltasar. d) D. José.
  21. 21. Um amigo de Baltasar chamava-se a) João Lisboa. b) João Elvas. c) José Castelo Branco. d) João Portalegre.
  22. 22. Sete-Sóis e Blimunda foram casados, ainda que pouco convencionalmente, por a) Bartolomeu. b) Frei Miguel da Anunciação. c) Frei António de S. José. d) Baltasar.
  23. 23. Blimunda e Baltasar conheceram-se a) em Mafra, durante a construção do convento. b) em Lisboa, no baptizado do infante. c) durante a guerra. d) em Lisboa, quando a mãe de Blimunda era vítima da Inquisição.
  24. 24. Blimunda via por dentro a) antes de comer pão, de manhã. b) depois de beber água. c) à noite, depois de jantar. d) antes de fazer cocó, de manhã.
  25. 25. Grupo I 100 pontos A 70 1 2 3 4 20 (12 + 8) 20 (12 + 8) 15 (9 + 6) 15 (9 + 6) B 30 (18 + 12) 60 40
  26. 26. Escreve texto expositivo-argumentativo com vinte conectores, um de cada fila do quadro da p. 344. Assegura-te de que se trata mesmo de conector (por vezes, usamos a mesma expressão mas sem a função de articulador que interessa aqui — por exemplo, na frase «ficou em primeiro lugar», «em primeiro lugar» não é conector). Procura que o texto não pareça demasiado artificial. Se os articuladores ficarem muito concentrados, a exposição perderá naturalidade. Sublinha os conectores. Depois, sob a redação, copia-os e classifica cada um (segundo a ideia expressa, conforme as designações no manual).
  27. 27. TPC — Completa o trabalho que iniciaste em aula. (Se ainda não o fizeste, termina leitura leitura de Memorial do Convento.)

×