Mestrado em Planeamento e Operação de Transportes
MODELOS DE APOIO À DECISÃO
TRABALHO 2
GRUPO 1
Duarte Amorim da Cunha - N...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
1
Índice
ÍNDICE 1
1 RESUMO 2
2 INTRODUÇÃO 3
3 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA 4
...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
2
1 Resumo
Os nossos decisores, João Oliveira e Helena Oliveira, na se...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
3
2 Introdução
A escolha de um automóvel tem em conta diversos factore...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
4
3 Definição do Problema
3.1 Descrição do problema de Decisão/Avaliaç...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
5
exige apenas apreciações qualitativas sobre as diferenças de atracti...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
6
Figura 3.1 – Etapas da construção e validação do modelo
Na prática, ...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
7
Tabela 4.1 – Indicadores utilizados e tipo de descritores associados...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
8
combinado anunciado pelo fabricante (em Litros/100km) pelo preço méd...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
9
4.1.2.7 Potência
Um dos critérios de decisão comuns na escolha de um...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
10
período de garantia oferecido pelo fabricante do automóvel é uma ár...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
11
Tabela 4.6 - Descritor de Impacto da Segurança
Tabela 4.7 - Descrit...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
12
Tabela 4.12 - Descritor de Impacto do Volume da Bagageira
Tabela 4....
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
13
Figura 4.1 - Julgamentos para cada indicador de
desempenho
Figura 4...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
14
Tabela 4.17 - Escala de Valor do Custo Fixo
Tabela 4.18 - Escala de...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
15
Tabela 4.22 - Escala de Valor da Autonomia
Tabela 4.23 - Escala de ...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
16
Tabela 4.26 – Diferenças de atractividades de diferentes swings
Seg...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
17
Figura 4.3 – Pesos dos Critérios
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
18
5 Análise de Resultados
5.1 Avaliação dos Automóveis
Conjuntamente ...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
19
Tabela 5.2 – Pontuação Global dos 26 automóveis
Da análise da escal...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
20
Figura 5.1 – Escala Termométrica da Pontuação Global
5.2 Análise do...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
21
Tabela 5.3 – Análise do perfil dos 26 automóveis
Para cada opção de...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
22
Figura 5.3 - Pontuação nos diferentes critérios da opção Altea1.6 (...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
23
Figura 5.4 – Peso do critério Custo do Combustível
Figura 5.5 – Pes...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
24
Na Figura 5.4 e Figura 5.5 apresentam-se os valores dos pesos dos c...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
25
A decisão de escolha foi feita através de critérios bem definidos e...
IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho
26
7 Bibliografia
Bana e Costa, C. A., Beinat, E. (2005): “Model-struc...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Modelos de Apoio à Decisão_Relatório Trabalho 2

1.103 visualizações

Publicada em

Modelos de Apoio à Decisão. Mestrado de Planeamento e Operação de Transportes, Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa. Nota do Trabalho 17 / 20. Nota final 14 / 20.

Decision Support Models. MSc Transport Planning and Operation, Instituto Superior Tecnico, Lisbon University. Project course grade 17 / 20. Final grade 14 / 20

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.103
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Modelos de Apoio à Decisão_Relatório Trabalho 2

  1. 1. Mestrado em Planeamento e Operação de Transportes MODELOS DE APOIO À DECISÃO TRABALHO 2 GRUPO 1 Duarte Amorim da Cunha - Nº 50982 João Vieira - Nº 47104 Luís Neto - Nº 74776 Rui Couchinho - Nº 76756 2º Semestre 2012/2013
  2. 2. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 1 Índice ÍNDICE 1 1 RESUMO 2 2 INTRODUÇÃO 3 3 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA 4 3.1 Descrição do problema de Decisão/Avaliação 4 3.2 Identificação dos Actores e Decisores 4 3.3 Modelo de Avaliação a utilizar 4 4 ESTRUTURAÇÃO DO MODELO 6 4.1 Definição dos Critérios 6 4.1.1 Árvore de Valor 6 4.1.2 Indicadores utilizados 6 4.2 Definição dos Descritores de Impacto 10 4.3 Determinação das Escalas de Valor (Funções de Valor) 12 4.4 Determinação dos Pesos dos Critérios 15 5 ANÁLISE DE RESULTADOS 18 5.1 Avaliação dos Automóveis 18 5.2 Análise do Perfil dos Automóveis 20 5.3 Análise de Sensibilidade 22 5.4 Análise de Custo-Beneficio 24 6 CONCLUSÕES 24 7 BIBLIOGRAFIA 26
  3. 3. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 2 1 Resumo Os nossos decisores, João Oliveira e Helena Oliveira, na sequência da sua intenção de adquirir um novo automóvel, solicitaram o nosso auxílio de forma a tomar a decisão mais favorável, tendo em conta os seus valores e as suas preferências pessoais. Tendo a escolha de um automóvel de ter em consideração diversos factores de escolha, a complexidade do processo, justifica o uso de metodologias da análise de decisão para ajudar à estruturação do pensamento e do problema, através de processos racionais. Para tal recorreu-se à construção de um Modelo Multicritério de Apoio à Decisão baseado na metodologia MACBETH (Measuring Attractiveness by a Categorical Based Evaluation Technique) e suportada pelo software M-MACBETH. A abordagem MACBETH torna-se vantajosa porque permite eliminar os erros típicos que ocorrem durante um processo de decisão, quando se avaliam as preferências directas e quantitativamente. Após a construção do modelo, validação do mesmo pelo decisor e análise de resultados subsequente, recomenda-se ao decisor que opte pelo automóvel “Peugeot 308 SW 1.6” por se tratar da opção com maior valor, reflectindo os pontos de vista do decisor.
  4. 4. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 3 2 Introdução A escolha de um automóvel tem em conta diversos factores como o preço de aquisição, manutenção e operação, as suas características técnicas e físicas, traduzidas em termos de autonomia, segurança, potência, espaço de bagageira, entre outras, e algumas variáveis, mais ou menos subjectivas, como a estética do veículo ou a reputação do construtor. Esta decisão, pela complexidade proporcionada pelos vários critérios em jogo, justifica o uso de metodologias da análise de decisão para ajudar à estruturação do pensamento e do problema, através de processos racionais. O casal decisor selecionado pretende adquirir um automóvel do tipo familiar, com um bom espaço de bagageira, um baixo consumo e um custo por km satisfatório. O tipo de extras disponíveis, bem como o seu custo inicial, também influenciarão a decisão final do casal decisor. Os nossos decisores estão receptivos a avaliar não apenas automóveis movidos a combustíveis convencionais mas também modelos híbridos. Os veículos eléctricos, para já, estão rejeitados à partida devido aos problemas de baixa autonomia, que sendo um dos critérios que, para os decisores, tem um limiar de rejeição algo elevado, coloca os veículos eléctricos de fora do leque de opções a considerar. Assim, pretende-se construir um Modelo Multicritério de Apoio à Decisão baseado na metodologia MACBETH (Measuring Attractiveness by a Categorical Based Evaluation Technique) e suportada pelo software M-MACBETH para resolver o problema do nosso decisor na escolha do automóvel que lhe traz maior valor. A abordagem MACBETH torna-se vantajosa porque permite eliminar os erros típicos que ocorrem durante um processo de decisão, quando se avaliam as preferências directas e quantitativamente. O facto de utilizar um modelo compensatório de agregação aditiva na sua formulação facilita o decisor a atingir uma melhor compreensão do problema, ao decompô-lo em partes menores para depois as analisar em separado e as integrar construtivamente.
  5. 5. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 4 3 Definição do Problema 3.1 Descrição do problema de Decisão/Avaliação A escolha de um automóvel depende, além de preferências subjectivas e dificilmente mensuráveis como a estética do veículo ou a reputação do construtor, tem em conta muitos outros factores tais como o preço de aquisição, manutenção e operação, as suas características técnicas e físicas, traduzidas em termos de autonomia, segurança, potência, espaço de bagageira, para enumerar alguns. Havendo diversos critérios em jogo numa tomada de decisão deste tipo, justifica-se o uso de metodologias da análise de decisão para ajudar à estruturação do pensamento e do problema, através de processos racionais. Um modelo construído seguindo uma metodologia deste tipo apoia o decisor a escolher, com maior grau de segurança, a opção que melhor se adequa aos seus valores, preferências e necessidades. 3.2 Identificação dos Actores e Decisores Os nossos decisores, João Oliveira e Helena Oliveira, casados, ambos com 38 anos e Licenciados em Economia, na sequência da sua intenção de adquirir um novo automóvel dada a idade avançada do actual, solicitaram o nosso auxílio de forma a tomar a decisão mais favorável nesta compra. 3.3 Modelo de Avaliação a utilizar Neste trabalho de desenvolvimento pretende-se construir um Modelo Multicritério de Apoio à Decisão baseado na metodologia MACBETH (Measuring Attractiveness by a Categorical Based Evaluation Technique) e suportada pelo software M-MACBETH para resolver o problema do nosso decisor na escolha do automóvel que lhe traz maior valia face às suas intenções. A Abordagem MACBETH possibilita a avaliação de um leque de opções confrontando-as qualitativamente em termos das suas diferenças. Esta torna-se vantajosa pois permite eliminar logo à partida os erros típicos que ocorrem durante um processo de decisão, quando se avaliam as preferências directas e quantitativamente. O facto de utilizar um modelo compensatório de agregação aditiva na sua formulação facilita o decisor a atingir uma melhor compreensão do problema, ao decompô-lo em partes menores para depois as analisar em separado e as integrar construtivamente. MACBETH é uma metodologia de apoio à tomada de decisão, que possibilita apreciar opções tendo em conta múltiplos critérios. A diferenciação elementar entre a abordagem MACBETH e outros métodos de Análise de Decisão com múltiplos critérios é que a MACBETH
  6. 6. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 5 exige apenas apreciações qualitativas sobre as diferenças de atractividade entre componentes, para conceber pontuações para as opções em cada critério e para apreciar os critérios. Estas apreciações qualitativas consistem em sete categorias significativas de diferenças de atractividade: diferença de atractividade nula, muito fraca, fraca, moderada, forte, muito forte e extrema. Este método utiliza uma aplicação informática concebida especialmente para o efeito que permite que à medida que as apreciações qualitativas manifestadas pelo avaliador sejam introduzidas, o software verifica automaticamente a sua solidez e apresenta sugestões para reduzir eventuais inconsistências. Seguidamente, a metodologia MACBETH progride para a construção de um modelo quantitativo de avaliação. A partir das apreciações do avaliador e usando as funcionalidades do software, uma escala de pontos em cada critério e pesos relativos para os critérios são progressivamente sugeridos e discutidos. Em seguida, uma pontuação global é calculada para cada opção, fazendo a soma ponderada das suas pontuações nos múltiplos critérios. Esse sistema de pontuação global espelha a atractividade da opção relativa no combinado de todos os critérios. Distintas análises de sensibilidade e robustez resultantes do modelo construído irão possibilitar melhor a compreensão aprofundada do problema, bem como ajustá-lo e ainda de produzir asseverações sobre as prioridades a instituir ou opções a seleccionar. Tudo isso em situações de tomada de decisão em grupo ou individual. O software permite ainda diversas representações gráficas que ajudam à concepção de um relatório onde se inserem as recomendações elaboradas.
  7. 7. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 6 Figura 3.1 – Etapas da construção e validação do modelo Na prática, a conveniência destas actividades e a sua ordem de realização podem depender da especificidade de cada tomada de decisão. 4 Estruturação do Modelo 4.1 Definição dos Critérios 4.1.1 Árvore de Valor Durante o processo de definição e estruturação do problema, foram identificadas três áreas (Pontos de Vista Fundamentais) nas quais se contêm os indicadores de desempenho necessários para a tomada de decisão. Os Pontos de Vista Fundamentais identificados pelos decisores centraram-se na Imagem do veículo, nos custos, nas características técnicas e físicas e na garantia oferecida pelo fabricante do automóvel. 4.1.2 Indicadores utilizados Para explicitar objectivamente os pontos de vista fundamentais, foram definidos indicadores para os mesmos, conforme apresentado na Tabela 4.1. Estes indicadores, ou critérios, devem ser consensuais, independentes, exaustivos, mensuráveis, não-redundantes, operacionais e concisos, de modo a definir os seus descritores de impacto (Bana e Costa e Beinat, 2005). Estruturação Critérios: Estruturar os pontos de vista e identificar os critérios Opções: Definir as opções a serem avaliadas e as suas performances Avaliação Pontuação: Avaliar a atractividade de cada opção em cada critério Ponderação: Ponderar os critérios Recomendações Análise de resultados: Analisar a atractividade global de cada opção e explorar os resultados de modelo Análises de sensibilidade: Analisar a sensibilidade e robustez aos resultados do modelo à luz dos vários tipos de incerteza nos dados
  8. 8. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 7 Tabela 4.1 – Indicadores utilizados e tipo de descritores associados 4.1.2.1 Design O design de um veículo é, na maioria dos casos, um factor de grande relevância na escolha de um automóvel. Os decisores consideram um veículo com linhas desportivas como o tipo de design mais atraente, preferindo-o a um automóvel de linhas sóbrias ou clássicas e este último face a um carro de linhas mais futuristas e por isso invulgares. 4.1.2.2 Fiabilidade da Marca Os nossos decisores consideraram a fiabilidade da marca como um descritor importante do Ponto de Vista Fundamental “Imagem da Marca no Mercado”. Para operacionalizar este descritor, usou-se o índice de fiabilidade da DECO, obtido em 2012, a partir de um inquérito sobre fiabilidade realizado a 29.000 condutores de 5 países europeus. Este índice atribui uma pontuação às diversas marcas de automóveis que variam entre os 75 e os 95 pontos. 4.1.2.3 Custo de Combustível O custo de combustível tem uma importância primordial como tradutor dos custos de operação do veículo, sendo directamente relacionado com a distância percorrida e com a eficiência do automóvel (ceteris paribus). Este descritor é calculado multiplicando o consumo de combustível
  9. 9. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 8 combinado anunciado pelo fabricante (em Litros/100km) pelo preço médio do combustível em questão durante o último ano (de Maio de 2012 a 2013). O preço médio da gasolina 95 usado foi de 1,62€/L e o do gasóleo foi de 1,43€/L. Considerou-se que o consumo combinado traduz com eficácia o padrão de utilização do veículo por parte do decisor (2/3 do tempo circulando em ambiente urbano e 1/3 em extra-urbano). 4.1.2.4 Custo Fixo Os nossos decisores consideraram os custos de aquisição como um critério de extrema relevância na escolha de um veículo. Após uma maior reflexão sobre o tema dos custos, os decisores identificaram também a relevância dos custos de manutenção como um custo importante, bem como o seguro obrigatório (de danos próprios, dado que se trata de um automóvel novo e para os decisores este tipo de seguro é um preço que estão dispostos a pagar) e impostos de circulação. Para operacionalizar todos estes impactos num único descritor, optou-se por calcular um custo global, tendo em conta todas estas despesas. Para tal, foi necessário que o decisor estimasse, baseado no seu histórico de utilização de veículos, o número de km anuais realizados e o tempo de posse do veículo. Os valores estimados pelos decisores cifraram-se em 20.000 km anuais e a posse do automóvel durante 4 anos. Desta forma, calculou-se um custo médio, mensal, que reflecte: • o custo de aquisição do veículo, deduzido do valor residual do mesmo ao fim de 4 anos, dividido pelos 48 meses de posse do automóvel; • o custo das manutenções programadas pela marca em função do tempo de posse e dos km realizados; • a troca de pneus de 2 em 2 anos; • o imposto único de circulação; • o seguro de danos próprios. 4.1.2.5 Segurança Os decisores têm uma preocupação muito séria com a segurança dos ocupantes do veículo face a acidentes. Para tal, sugeriram a utilização da escala do Euro NCAP (Overall Rating), valorizada de uma a cinco estrelas. 4.1.2.6 Extras Para os decisores, apenas 3 extras são de importância relevante: Ar Condicionado, Rádio com leitor de MP3 e sistema de navegação por GPS integrado.
  10. 10. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 9 4.1.2.7 Potência Um dos critérios de decisão comuns na escolha de um automóvel é a sua potência, dado que proporciona maior prazer e segurança de condução. Os nossos decisores consideram que este é um critério importante para a sua decisão pelo que se introduz no modelo o valor da potência declarada em cv. 4.1.2.8 Emissão de CO2 Os nossos decisores têm uma consciência ambiental que os leva a ter como critério de decisão o impacto que as suas deslocações têm no ambiente. Desta forma, opta-se por incluir no modelo o nível de emissões de CO2 de cada veículo, em g/km. 4.1.2.9 Autonomia A autonomia de um veículo movido a combustíveis convencionais não se reveste de extrema importância dado que a autonomia média dos mesmos é elevada face às distâncias percorridas diariamente e a rede de postos de abastecimento é bastante densa. No entanto, o conforto proporcionado pela minimização de deslocações obrigatórias ao posto de abastecimento, tem algum impacto na decisão de aquisição. Assim, introduz-se este descritor, calculado pela razão entre a capacidade do depósito, em litros, pelo consumo combinado anunciado pelo fabricante, em litros por 100 km. 4.1.2.10 Comprimento Os decisores consideram que o espaço interior do veículo é importante como característica de conforto a bordo. Na falta de dados fiáveis para o espaço interior à frente e atrás, o decisor considerou adequada a utilização do indicador comprimento total do veículo, em mm, como um proxy para o conforto. No entanto, para o decisor, um automóvel com um comprimento muito elevado pode começar a trazer problemas de manobrabilidade e facilidade de estacionamento. 4.1.2.11 Volume da Bagageira Também devido ao elevado número de viagens de fim-de-semana e férias, realizada pelos decisores com a sua família, a capacidade da bagageira tem um impacto relevante na tomada de decisão de aquisição do automóvel. O volume da bagageira, em litros, anunciada pelo fabricante do automovél, é utilizada para medir o impacto deste descritor. 4.1.2.12 Anos de Garantia O período de garantia contra defeitos de fabrico é importante para os decisores na medida em que os protege contra avarias cuja reparação pode ter impactos financeiros severos. Assim, o
  11. 11. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 10 período de garantia oferecido pelo fabricante do automóvel é uma área de preocupação que o modelo deve considerar. 4.2 Definição dos Descritores de Impacto Para cada indicador ou critério definidos anteriormente, nesta fase é necessário definir um conjunto ordenado de níveis de desempenho plausíveis que avalie o grau de satisfação que cada critério apresenta e descreve os seus impactos associados (Bana e Costa e Beinat, 2005). Seguidamente, o decisor é chamado a atribuir dois níveis de referência a cada descritor. Esses níveis descrevem o que, para o decisor, são os níveis de desempenho considerados “bom” e “neutro”. Ao nível “bom” é atribuída uma pontuação de 100 pontos e ao nível “neutro” uma pontuação de 0 pontos. Os descritores resultantes estão descritos nas tabelas seguintes. Tabela 4.2 – Descritor de Impacto do Design do Veículo Tabela 4.3 - Descritor de Impacto da Fiabilidade Tabela 4.4 - Descritor de Impacto do Consumo de Combustível Tabela 4.5 - Descritor de Impacto do Custo Fixo
  12. 12. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 11 Tabela 4.6 - Descritor de Impacto da Segurança Tabela 4.7 - Descritor de Impacto dos Extras Tabela 4.8 - Descritor de Impacto da Potência Tabela 4.9 - Descritor de Impacto das Emissões de CO2 Tabela 4.10 - Descritor de Impacto da Autonomia Tabela 4.11 - Descritor de Impacto do Comprimento
  13. 13. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 12 Tabela 4.12 - Descritor de Impacto do Volume da Bagageira Tabela 4.13 - Descritor de Impacto do Nº de Anos de Garantia 4.3 Determinação das Escalas de Valor (Funções de Valor) Após o estabelecimento dos descritores de impacto, é necessário construir as funções de valor. Esta construção baseia-se na realização dos julgamentos para cada indicador de desempenho, avaliando qualitativamente as diferenças de atractividade entre pares de níveis de cada indicador. As perguntas feitas aos decisores seguem um padrão do tipo: “Como avalia a diferença de atractividade entre um veículo com linhas futuristas e pouco convencionais face a um veículo com linhas desportivas e agressivas?”. O decisor, apoiado na escala semântica M-MACBETH, responderia, neste exemplo, “forte”.
  14. 14. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 13 Figura 4.1 - Julgamentos para cada indicador de desempenho Figura 4.2 – Escala Termotérmica Após se terem feito as perguntas para todos os critérios e níveis de desempenho associados, obtiveram-se as seguintes escalas de valor do modelo. Tabela 4.14 - Escalas de Valor do Design do Veículo Tabela 4.15 - Escala de Valor da Fiabilidade Tabela 4.16 - Escala de Valor do Custo de Combustível
  15. 15. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 14 Tabela 4.17 - Escala de Valor do Custo Fixo Tabela 4.18 - Escala de Valor da Segurança Tabela 4.19 - Escala de Valor dos Extras Tabela 4.20 - Escala de Valor da Potência Tabela 4.21 - Escala de Valor das Emissões de CO2
  16. 16. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 15 Tabela 4.22 - Escala de Valor da Autonomia Tabela 4.23 - Escala de Valor do Comprimento Tabela 4.24 - Escala de Valor do Volume da Bagageira Tabela 4.25 - Escala de Valor do Nº de Anos de Garantia 4.4 Determinação dos Pesos dos Critérios Para a determinação dos pesos dos critérios, foi necessário questionar o decisor sobre a diferença de atractividades de diferentes swings, isto é, medir, na escala semântica M-MACBETH, a diferença de atractividade de diversas passagens entre níveis de referência de cada critério. Para tal, começou-se por ordenar os critérios por ordem decrescente de atractividade. Isto foi conseguido através de questões ao decisor em que se pediu para avaliar, partindo de um automóvel hipotético com todas as características no nível “neutro”, em que critério a passagem de do nível “neutro” para o “bom” seria mais atractiva. Este critério será, para o decisor, o mais importante. Repetindo a pergunta, partindo agora de um automóvel ao nível “neutro” em todos os critérios não avaliados e “bom” nos critérios identificados anteriormente, consegue-se obter a ordenação desejada.
  17. 17. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 16 Tabela 4.26 – Diferenças de atractividades de diferentes swings Seguidamente, questionou-se o decisor sobre a diferença de atractividade de pares de níveis, com perguntas do tipo “qual a diferença de atractividade entre a passagem do custo de combustível do nível “neutro” (6,5 l/100km) para o “bom” (5,5 l/100km) e a passagem da classificação NCAP do nível “neutro” (3 estrelas) para o “bom” (5 estrelas)?”. A partir das respostas do decisor preencheu-se a primeira linha, última coluna e a diagonal da matriz de julgamentos (Tabela 4.27), tendo os outros swings sido preenchidos automaticamente, por transitividade, pelo software M-MACBETH. Tabela 4.27 – Matriz de julgamentos Os pesos resultantes foram apresentados ao decisor para avaliação, que decidiu aceitá-los por achar que traduziam as suas preferências adequadamente.
  18. 18. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 17 Figura 4.3 – Pesos dos Critérios
  19. 19. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 18 5 Análise de Resultados 5.1 Avaliação dos Automóveis Conjuntamente com o decisor, seleccionaram-se 26 automóveis que estariam dentro das preferências do mesmo (Tabela 5.1). Obtiveram-se os dados de todos os critérios do modelo a partir dos fabricantes e de estudos sobre as marcas e o decisor avaliou qualitativamente o critério “design”. Tabela 5.1 – Características dos 26 automóveis considerados Após inserção dos dados das opções no modelo e determinadas as funções de valor e os pesos dos critérios, os resultados obtidos, apresentados na Tabela 5.2, reflectem a pontuação global dos 26 automóveis analisados.
  20. 20. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 19 Tabela 5.2 – Pontuação Global dos 26 automóveis Da análise da escala termométrica de pontuação global (Figura 5.1) denota-se que nenhum automóvel tem um valor acima do “bom”, havendo apenas uma opção com pouco valor, abaixo do nível “neutro”.
  21. 21. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 20 Figura 5.1 – Escala Termométrica da Pontuação Global 5.2 Análise do Perfil dos Automóveis Para uma melhor compreensão dos resultados do modelo, o software M-MACBETH disponibiliza uma análise do perfil dos equipamentos. A partir da ordenação apresentada na Tabela 5.3 consegue-se perceber que automóveis estão a contribuir de forma muito positiva (acima do “bom”), positiva (acima do “neutro”) ou negativa (abaixo do “neutro”) em determinado critério de substituição.
  22. 22. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 21 Tabela 5.3 – Análise do perfil dos 26 automóveis Para cada opção de automóvel, o software apresenta ainda as contribuições em cada critério permitindo verificar os pontos mais fortes e os mais fracos de cada um. Figura 5.2 – Pontuação nos diferentes critérios da opção 308SW1.6 (maior pontuação global)
  23. 23. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 22 Figura 5.3 - Pontuação nos diferentes critérios da opção Altea1.6 (segunda maior pontuação global) Da análise da Figura 5.2 e Figura 5.3 denota-se que, entre as opções mais bem pontuadas, o Seat Altea 1.6 tem uma grande vantagem no critério “custo fixo” face à opção Peugeot 308SW 1.6, perdendo grande valor devido à baixa pontuação no critério “custo de combustível”. Deste facto infere-se que, sendo o “custo fixo” o critério com maior peso e o “custo de combustível” o critério com o terceiro maior peso, uma pequena alteração nestes pesos poderá causar a inversão da ordem da pontuação global das duas opções analisadas. Assim, será proveitoso avançar com uma análise de sensibilidade a estes dois critérios para aferir da robustez do resultado da pontuação global face a pequenas alterações dos pesos. 5.3 Análise de Sensibilidade Após a análise de resultados globais do modelo considerou-se prudente proceder a uma análise de sensibilidade e robustez de forma a observar o que acontece aos ditos resultados quando se modificam quaisquer pesos dos critérios ou pontuações dos níveis de impacto. Esta análise reveste-se de uma importância de grande relevância dado que permite ter maior segurança na decisão tomada. Isto é, se por fazer pequenas alterações nas pontuações dos níveis ou nos pesos dos critérios, os valores das pontuações globais das opções não se modificam de tal maneira que ocorra uma inversão na ordenação final dessas opções. Escolhe-se, para esta análise, os critérios Custo de Combustível e Custo Fixo por serem os que têm os pesos mais elevados no modelo. Optou-se por não analisar o critério Segurança pois todas as opções consideradas têm a mesma pontuação neste critério. As opções representadas (308SW1.6, Octavia1.6 e Altea1.6) tratam-se das três opções com maior valor global e, por tal, mais susceptíveis de causar impacto na decisão final ao vermos os pesos dos critérios alterados.
  24. 24. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 23 Figura 5.4 – Peso do critério Custo do Combustível Figura 5.5 – Peso do critério Custo Fixo
  25. 25. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 24 Na Figura 5.4 e Figura 5.5 apresentam-se os valores dos pesos dos critérios (a roxo) Custo de Combustível e Custo Fixo a partir dos quais ocorre uma alteração na ordenação do valor das opções. Comparando esses valores com o valor obtido inicialmente (linha vertical a vermelho), verifica-se que os pesos necessitam de uma alteração importante para que essa inversão de ordenação ocorra, indicando uma solidez apreciável do julgamento inicial. 5.4 Análise de Custo-Beneficio O gráfico de Custo-Benefício apresenta-se como um gráfico bidimensional que opõe a pontuação global de cada automóvel (o beneficio) com o seu respectivo custo de aquisição. No gráfico apresentado na Figura 5.6 observam-se 4 automóveis que apresentam um melhor rácio Custo-Benefício. Esses equipamentos foram identificados na fronteira de eficiência, que está representada a vermelho. Figura 5.6 - Rácio Custo-Beneficio A fronteira de eficiência referida indica as opções de substituição não dominadas, significando isto que, perante um determinado custo de investimento, as opções de substituição que dominam as outras são aquelas que estão contidas na fronteira de eficiência. 6 Conclusões O estudo aqui realizado com recurso à metodologia de apoio à decisão serviu para tirar conclusões acerca da escolha da compra de um automóvel.
  26. 26. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 25 A decisão de escolha foi feita através de critérios bem definidos e indicados pelo decisor, cabendo ao facilitador (grupo de trabalho) o papel de ordenar os dados sob a forma de estrutura e árvore de valores de modo a facilitar a sua percepção e clarificar o seu valor. A recomendação de aquisição do novo automóvel para o decisor recai no “Peugeot 308 SW 1.6”, com 90,72 pontos, à frente da opção “Seat Altea 1.6” com 85,92 pontos e do “Skoda Octavia 1.6” com 80,10 pontos, que é dominado pela opção de maior valor global em todos os critérios excepto na Fiabilidade e Bagageira, empatando nos critérios Extras e NCAP. Para esta ordenação contribuiu o forte peso dado pelo decisor principalmente aos critérios Custo de Combustível e Custo Fixo. Enquanto o “Peugeot 308 SW 1.6” perde claramente no critério Custo Fixo, tem uma vantagem da mesma ordem de grandeza no critério Custo de Combustível que, tendo maior peso, contribui para o maior valor desta opção. As análises de sensibilidade feitas aos dois critérios referidos mostram que é necessária uma variação importante de cada um dos pesos, na ordem dos 25%, para haver inversão na ordenação de valor das duas opções, reforçando a recomendação pela opção “Peugeot 308 SW 1.6”.
  27. 27. IST - MPOT Modelos de Apoio à Decisão – 2º Trabalho 26 7 Bibliografia Bana e Costa, C. A., Beinat, E. (2005): “Model-structuring in public decision-aiding”. London School of Economics and Political Science, Working Paper, LSEOR 05.79. Bana e Costa, C.A., De Corte, J. M., Vansnick J. C.(2003): “MACBETH”, London School of Economics of Political Science, Working Paper, LSEOR 03.56. Bana e Costa, C.A., De Corte, J. M., Vansnick J. C.(2005): “MACBETH – Guia do utilizador”, London School of Economics of Political Science, Working Paper, LSEOR 03.56. Gonçalves, A., Ferreira, N., Silva, L.M. (2005): “Análise de Decisão – Escolha do Material para o Chassis de um Automóvel”. Instituto Superior Técnico, Mestrado em Engenharia da Concepção. MAD (2013): “Formação no sistema de apoio à decisão M-MACBETH – Guia do utilização”. Intituto Superior Técnico, Mestrado em Planeamento e Operação de Transportes. Bana e Costa, C.A., De Corte, J. M., Vansnick J. C.(2003): “MACBETH”, London School of Economics of Political Science, Working Paper, LSEOR 03.56. http://www.M-MACBETH.com http://www.deco.proteste.pt/motor/automoveis/noticia/fiabilidade-automovel-veredicto-para- 32-marcas

×