Slides aula 11 modelo agrário agrícola

739 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
739
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slides aula 11 modelo agrário agrícola

  1. 1. Abrindo o debate Estado de Resistência (vídeo) Refletir sobre: 1) Novas desigualdades, direitos, alimento e democracia 2) Relação diversidade cultural e diversidade ambiental 3) Por que estado de resistência?
  2. 2. GEOGRAFIA DA RIQUEZA, FOME E MEIO AMBIENTE: crítica ao atual Modelo Agrário/Agrícola de Uso dos Recursos Naturais CARLOS WALTER PORTO GONÇALVES Geografia Agrária I - Profa. Marta Aula 9
  3. 3. Sobre o Autor Graduado em Geografia (1972), Mestre em Geografia (1985) e Doutor em Ciências (1998) todos pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. É professor adjunto da Universidade Federal Fluminense, pesquisador do CNPq e do Conselho Latinoamericano de Ciências Sociais - CLACSO. Tem vários livros e artigos publicados em revistas científicas no Brasil e no exterior. Em 2008 ganhou o Prêmio Casa de las Américas (Cuba) em literatura brasileira por seu livro A Globalização da Natureza e a Natureza da Globalização, 2006. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Social, atuando principalmente nos temas: território-territorialidade, conflito social, movimentos sociais e saber local.
  4. 4. Divisão do trabalho e subordinação da agricultura Cresce a INTERDEPENDÊNCIA ECONÔMICA entre os diversos MOMENTOS DO PROCESSO PRODUTIVO que passam a constituir sistemas distintos e separados, que SE INTERLIGAM VIA MEDIAÇÃO DO MERCADO. Neste cenário se observa uma CRESCENTE SUBORDINAÇÃO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA (no sentido estrito) ao capital comercial, industrial e financeiro
  5. 5. Características do Modelo Agrário/Agrícola MODELO AGRÁRIO Formas de apropriação dos recursos naturais = propriedade privada e concentração fundiária MODELO AGRÍCOLA Sistema de uso da terra (ou sistema agrícola) = Monocultura MODELO movido pela ACUMULAÇÃO DE CAPITAL sustentada na MERCANTILIZAÇÃO GENERALIZADA dos RECURSOS NATURAIS, da PRODUÇÃO AGRÍCOLA, do CONHECIMENTO etc.
  6. 6. Características do Modelo Agrário/Agrícola • Separação entre conhecimento e reprodução social, entre saber e fazer • Separação entre produção e reprodução (monopólio de sementes) • Transferência de tecnologia em lugar de Diálogo entre diferentes matrizes de racionalidade • Novas Relações Sociais e de Poder e Segurança Alimentar • MODELO e SOCIEDADE MODERNO – COLONIAL
  7. 7. A fome como um problema geopolítico Há toda uma Geopolítica implicada no debate sobre fome e meio ambiente “Nossas reservas estão em silos no Kansas. (p. 208)” (declaração de autoridade indiana, 2000) Os estoques internacionais de alimentos estão cada vez mais sob o controle das grandes corporações transnacionais que lucram com a especulação no mercado de futuros, o que contribui para estimular a alta volatilidade dos preços dos alimentos...
  8. 8. SEGURANÇA ALIMENTAR e SOBERANIA ALIMENTAR Segurança alimentar – o abastecimento alimentar como uma questão de segurança nacional. Além da oferta, a garantia de acesso aos alimentos por parte dos povos mostra-se como questão crucial. Soberania alimentar - segundo a Via Campesina, é o direito dos povos e de seus países de definirem sua política agrária e alimentar, sem dumping por parte de países terceiros. O direito de os camponeses produzirem alimentos e o direito dos consumidores de poderem decidir o que querem consumir e como e quem o deve produzir.
  9. 9. MATRIZES de RACIONALIDADE • RACIONALIDADE ATOMÍSTICO - INDIVIDUAL OCIDENTAL ou Racionalidade Científica Européia Descartes, Galileo, Newton- o homem e todas as coisas são individualizadas, o todo orgânico é decomposto em suas partes constituintes até alcançar a unidade irredutível, o átomo (caracterizado por suas forças intrínsecas). Guarda afinidade com a Racionalidade Econômica Mercantil.
  10. 10. REVOLUÇÃO VERDE e RELAÇÕES DE PODER • Desenvolvimento Técnico-científico como resposta à fome e à miséria no campo num contexto de polarização ideológica • Complexo Técnico-científico, Industrial-financeiro, Logístico e Educacional • Indústria de Alta Tecnologia e Processo de Normatização (Normas de Qualidade)
  11. 11. CONTRADIÇÕES do “SUCESSO” da REVOLUÇÃO VERDE Cresce Diminui Produção Renda diferencial I (localização e fertilidade) Produtividade Consumo de insumos Postos de trabalho Impactos ambientais População rural Agricultura de mercado Diversidade Biológica, Cultural, Social Concentração de capitais Desigualdades sociais Preços Relativos Agrícolas População urbana Fome no Mundo
  12. 12. Dinâmica entre Matéria e Energia • Cada espécie é um momento de repouso no fluxo entre matéria e energia • Diversidade biológica e complexidade dos circuitos de matéria e energia • Produtividade biológica e eficiência energética natural, o caso dos trópicos
  13. 13. Balanço Energético – Simplificação do ecossistema e ineficiência energética – Simplificação do ecossistema e impactos na saúde humana – Esterilização do solo com o uso de herbicidas (substrato inerte), dependência de fertilizantes e ineficiência hídrica – Mecanização e uso de energia fóssil (agricultura sem agricultores) – Dependência de insumos externos para assegurar o equilíbrio dinâmico
  14. 14. DE OGM A OTM • A diferença entre um cultivar e um produto de laboratório: experimentação e convivência com a natureza • Limites da ciência e domínio do político • OTM - Ruptura de barreiras naturais e razão econômico-mercantil x evolução genética, adaptação e interdependência • Riscos de erosão genética e contaminação ou poluição genética • Estratégia comercial das grandes corporações • Dupla moral, geografia desigual da injustiça ambiental
  15. 15. O AMBIENTE EM QUESTÃO – Temporalidades e Territorialidades distintas inscritas e escritas por diferentes povos, matrizes de racionalidade, patrimônio da humanidade. – Natureza como riqueza e não recurso (um meio e não um fim) – Relação cidade-campo em discussão

×