SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=273023568101
Red de Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
Sistema de Información Científica
Rocha, J.C.T.; Tatmatsu, D.I.B.; Vilela, D.A.
Associação entre uso de mochilas escolares e escoliose em adolescentes de escolas públicas e privadas
Motricidade, vol. 8, núm. Supl. 2, 2012, pp. 803-809
Fundação Técnica e Científica do Desporto
Vila Real, Portugal
Como citar este artigo Número completo Mais informações do artigo Site da revista
Motricidade,
ISSN (Versão impressa): 1646-107X
motricidade.hmf@gmail.com
Fundação Técnica e Científica do Desporto
Portugal
www.redalyc.org
Projeto acadêmico não lucrativo, desenvolvido pela iniciativa Acesso Aberto
Motricidade © FTCD/FIP-MOC
2012, vol. 8, n. S2, pp. 803-809 Suplemento do 1º EIPEPS
Associação entre uso de mochilas escolares e escoliose em
adolescentes de escolas públicas e privadas
Association between use of school backpacks and scoliosis in adolescents
in public and private schools
J.C.T. Rocha, D.I.B. Tatmatsu, D.A. Vilela
ARTIGO ORIGINAL | ORIGINAL ARTICLE
RESUMO
Este estudo de corte transversal analisou o uso e o peso de mochilas e sua relação com a presença ou
não de escoliose em estudantes de escolas públicas e privadas com idade de 12 anos no município de
Quixadá-Ceará. Foram analisados 228 escolares, que se submeteram a uma avaliação fisioterapêutica,
utilizando-se de simetógrafo para análise qualitativa na postura em pé, observando-se os perfis
anterior, lateral e posterior. Para identificação da escoliose primária utilizamos o teste de Adam e o
escoliômetro. Os testes utilizados para verificar associação entre variáveis foram: Qui-Quadrado e V de
Cràmer. Comparando os escolares de ambos os gêneros, observou-se que não houve significância
estatística entre sexo e escoliose, embora tenham sido encontrados mais casos, em números absolutos,
desta alteração em meninas. Houve associação significativa entre alunos de escola pública e peso do
material escolar, muito embora o modo de uso da mochila pareça ser mais relevante do que o peso da
mesma na população estudada.
Palavras-chave: escoliose, adolescente, saúde escolar
ABSTRACT
This cross-sectional study examined the use of backpacks and weight and its relation to the presence
or absence of scoliosis in students from public and private schools at the age of 12 years in the city of
Quixadá-Ceará.We analyzed 228 school children, who underwent a physical therapy evaluation, using
the simetograph for qualitative analysis in the standing posture, observing the profiles, lateral and
posterior. For identification of primary scoliosis the Adam's test and a escoliometer were used. The
tests used to verify associations between variables were: Chi-square and Cramer's V. Comparing
students of both genders, it was observed that there was no statistical significance between sex and
scoliosis, although more cases have been found in absolute numbers, this change in girls. A significant
association between public school students and weight of school materials, although the mode of use
of the backpack appears to be more relevant than the same weight in the population studied.
Keywords: scoliosis, adolescents, health education
Submetido: 01.08.2011 | Aceite: 14.09.2011
José Carlos Tatmatsu Rocha. Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Brasil.
Daniely Ildegardes Brito Tatmatsu. Departamento de Psicologia, Universidade Federal do Ceará, Brasil.
Daisy de Araújo Vilela. Departamento de Fisioterapia, Universidade Federal de Goiás, Brasil.
Endereço para correspondência: José Carlos Tatmatsu Rocha. Rua Alexandre Baraúna, 949 - Rodolfo Teófilo. CEP
60430-160 - Fortaleza – CE, Brasil.
E-mail: tatmatsu@ufc.br
804 | J.C.T. Rocha, D.I.B. Tatmatsu, D.A. Vilela
A estabilidade postural é definida como a
habilidade de manter ou controlar o centro da
massa com relação à base da sustentação,
impedindo quedas e movimentos inadequados
(Penha, João, Casarotto, Amino, & Penteado,
2005). A faixa etária compreendida entre os 7 a
12 anos é a mais suscetível a desenvolver
alterações posturais de tronco, dentre as mais
comuns, a escoliose. A etiologia da escoliose
idiopática da adolescência é desconhecida e
descrita como multifatorial e diversos estudos
têm mostrado que sua prevalência é maior no
sexo feminino (Espírito Santo, Guimarães, &
Galera, 2011). Não há anormalidades estrutu-
rais na escoliose funcional, sendo a curva
reversível, podendo manifestar-se em escolares
cujo mecanismo postural foi alterado em de-
corrência do crescimento muito rápido, assim
como em crianças cujos membros inferiores
apresentam comprimento desigual.
A Gibosidade, rotação das vértebras e do
gradil costal, no sentido posterior, para o lado
da convexidade da curva, na infância tem um
prognóstico ruim, geralmente progredindo
para um comprometimento respiratório. O
tratamento é difícil e a cirurgia é realizada na
infância, numa tentativa de controlar a pro-
gressão inexorável, acarretando também nos
riscos inerentes à uma intervenção cirúrgica
(Kaspiris, Grivas, Weiss, & Turnbull , 2011). A
educação postural deve ser um processo
educacional que se paute no fornecimento de
informações para um grupo de indivíduos
sobre tais questões (Fernandes, Casarotto, &
João, 2008). É imprescindível desenvolver
ações de promoção da saúde no contexto esco-
lar, passando pelo respeito às possibilidades e
limites do corpo, do intelecto, das emoções e
da participação social (Grivas, Vasiliadis, &
O´Brien, 2008). Os atuais programas de saúde
desenvolvidos em estabelecimentos de ensino
no Brasil estão voltados à saúde bucal, ocular,
auditiva, mental, nutricional, vigilâncias
sanitária e epidemiológica, mas não contem-
plam a educação postural (Brasil, 2009).
Contrariamente nos Países Baixos, existem
alguns programas de prevenção de alterações
posturais, como no caso da escoliose, com
bons resultados (Grivas, Vasiliadis, Savidou, &
Triantafyllopoulos, 2008), muito embora,
alguns trabalhos coloquem em dúvida a relação
custo-benefício dessa prevenção (Kapoor, La-
ham, & Sawyer, 2008). Hoje está provada que
a incidência da cirurgia pode ser reduzida
significativamente nas áreas onde a escoliose
idiopática poderia ser detetada numa fase
inicial através destes programas. A realidade
do ambiente de estudo como o transporte de
material escolar acima do peso, a arquitetura
desfavorável da escola e mobiliários fora dos
padrões ergonômicos, pode agravar e/ou
comprometer os hábitos posturais dos esco-
lares (Thilagaratnam, 2007).
A perspetiva é que os hábitos inadequados
sejam modificados e medidas preventivas de
doenças da coluna se estabeleçam. Nesse senti-
do, a proposta desse trabalho é a associação
entre identificação de escoliose e uso de
mochilas em crianças de doze anos de idade,
nas redes públicas e privadas em uma cidade
da região Nordeste do Brasil. Tal trabalho visa
contribuir, através de dados, para a formulação
de propostas de ações estratégicas com intuito
de promover a saúde postural nas escolas
públicas do País.
MÉTODO
Amostra
Trata-se de uma pesquisa observacional, de
corte transversal, realizada com estudantes de
ambos os sexos que freqüentavam a 7ª série do
ensino fundamental da rede pública e privada
na cidade de Quixadá, Ceará, no ano de 2008.
Nesse ano, o município de Quixadá contava
com 3359 escolares ma¬triculados na 7ª série
do total de 6 escolas que possuíam turmas
nessa idade. A pesquisa foi realizada em 3
escolas públicas e 2 particulares do Ensino
Fundamental no município de Quixadá-Ceará.
A amostra de conveniência envolveu um
universo de 228 alunos avaliados, sendo 81
estudantes do sexo masculino e 147 do sexo
feminino. O tamanho da amostra deu-se
devido ao fato de que foram avaliados todos os
Mochilas escolares e escoliose em adolescentes | 805
alunos que devolveram os Termos assinados
pelos pais ou responsáveis.
Das quatro escolas públicas da área urbana
de Quixadá que possuíam alunos na faixa
etária do estudo, apenas uma não concordou
em colaborar com a pesquisa. Participaram
todas as demais escolas públicas, ou seja, três
escolas públicas e dois estabelecimentos priva-
dos que atendiam a essa faixa etária.
Constituíram critérios de inclusão, jovens
com 12 anos de idade e que aceitaram
voluntariamente participar da pesquisa. Os
alunos que receberam algum tipo de
tratamento ortopédico ou fisioterapêutico nos
últimos doze meses e/ou apresentaram algum
transtorno ortopédico ou neurológico foram
excluídos da pesquisa. O projeto de pesquisa
foi enviado ao Comitê de Ética e Pesquisa
(CEP) da Universidade Federal do Ceará, de
acordo com a Resolução 196/96, sobre
Diretrizes e Normas Regulamentadoras de
Pesquisa Envolvendo Seres Humanos, sendo
aprovado com Recomendação no CONEP, sob
número 0058/08. Foram enviadas cartas
dirigidas aos pais, no modelo de Termo de
Consentimento Livre Esclarecido, convidando
os pais que aceitassem participar da pesquisa,
para uma reunião com hora e data definida
para apresentação da proposta do trabalho.
Instrumentos e Procedimentos
Utilizou-se os protocolos de avaliação
qualitativa de Penha et al. (2005) com o uso de
simetógrafo, devido à facilidade de manuseio,
baixo custo e deslocamento do equipamento.
Os sujeitos tiveram os pontos anatômicos
correspondentes ao maléolo lateral e medial,
cabeça da fíbula, trocânter maior do fêmur,
espinhas ilíacas ântero-superiores, espinhas
ilíacas póstero - superiores, processo estiloide
da ulna, epicôndilo lateral do úmero, processo
coracoide, ângulo inferior da escápula e
apófises espinhosas da região cervical (C5 e
C7), torácica (T2 e T7) e lombar (L1 e L5),
marcados com lápis dermatológico.
Para identificação da escoliose primária
utilizamos o teste de Adam e o escoliômetro,
métodos bastante sensíveis à deteção da
escoliose (Patias, Grivas, Kaspiris, Aggouris, &
Drakoutos, 2010). O teste de Adam é realizado
posicionando-se a criança em pé, mantendo os
pés unidos em posição anatômica e braços
pendentes e laterais, joelhos retilíneos e
estendidos. O púbere foi orientado a inclinar a
cabeça, braços estendidos e inclinando-se para
baixo realizando uma lenta flexão anterior do
tronco, levando as mãos em direção aos pés
sem flexionar os joelhos, até o limite de dor da
criança. Durante a realização do teste o
avaliador ficou atrás do escolar, com os olhos
no mesmo nível das vértebras do entrevistado.
A cada movimento de descida do escolar o
terapeuta acompanhava, podendo detetar de
imediato, assimetria das regiões paravertebrais,
sendo considerado como gibosidade quando o
indivíduo apresentou convexidade contraposta
a um achatamento contralateral. Os resultados
possíveis para este teste foram: presença de
gibosidade (suspeita de escoliose) ou ausência
de gibosidade.
O "escoliômetro" foi utilizado em três áreas
de interesse: na parte superior do tórax (T3-
T4) principal torácica (T5, T12) e na área
tóraco-lombar (T12-L1 ou L2-L3). Na sessão
de flexão de tronco, o adolescente examinado
estava sentado em uma cadeira (40 cm de
altura) e foi convidado a fletir o tronco
anteriormente e colocar a cabeça entre os
joelhos com os ombros soltos, cotovelos e
mãos posicionadas em linha reta entre os
joelhos.
Análise Estatística
Os dados foram tabulados e digitados no
software SPSS for Windows, versão 18.0. As
variáveis do estudo eram do tipo qualitativa e,
por conseguinte, os testes utilizados na análise
da verificação da variação de frequências e do
grau de associação entre as variáveis foram
Qui-Quadrado (para os cruzamentos de
variáveis com dois itens) e V de Cramer (para
os cruzamentos de variáveis com três ou mais
itens). O nível de significância estabelecido foi
o equivalente a p < .05.
806 | J.C.T. Rocha, D.I.B. Tatmatsu, D.A. Vilela
RESULTADOS
Nosso grupo populacional constou de 228
alunos, sendo a maioria (72.37 %) originária
de escolas públicas e 27.63 % de instituições
particulares. Os estudantes da rede privada
totalizaram 33.7 % do sexo masculino e 66.3 %
feminino. Na rede pública 63.33 % eram do
sexo feminino e 36.57 % do sexo masculino.
Não houve correlação positiva entre gêneros
e escoliose. No entanto, do total de alunos
pesquisados, houve maior número de casos de
gibosidade na população feminina, pois dos
110 púberes que apresentaram a deformidade
na coluna, 65.46% foram do sexo feminino
(n=72) e 34.54%, do grupo masculino (n= 38)
(ver Tabela 1).
Tabela 1.
Presença de Escoliose por gênero em escolares (12 anos).
Quixadá, Ceará, julho de 2008
Presença de
Escoliose
Sexo
Total
Masculino Feminino
Sim 34.54% 65.46% 110
Não 36.44% 63.55% 118
Total 81 147 228
Ao relacionarmos o número total de alunos
com a presença ou não de escoliose e tipo de
escola, observamos que o número de alunos
com essa alteração biomecânica foi maior nos
alunos das escolas públicas (75.45%) dos que
da rede privada (24.55%) não sendo, entre-
tanto, um dado estatisticamente significativo.
Tabela 2.
Presença de Escoliose por escola em escolares (12 anos).
Quixadá, Ceará, julho de 2008
Presença de
Escoliose
Escola
Total
Pública Privada
Sim 75.45% 24.55% 110
Não 69.49% 30.51% 118
Total 72.36% 27.63% 228
Quanto à variável tipo de escola versus peso
da mochila e presença ou não de escoliose,
houve associação significativa dos alunos de
escola pública e peso do material escolar,
principalmente entre os alunos que utilizavam
um peso adequado, ou seja, até 2 kg. (χ²=4.0,
gl=1, p = .04) (ver Tabela 3).
Os alunos da rede privada que utilizaram
mochilas com peso entre três a quatro quilos,
representaram 40.74% da população de jovens
das particulares que apresentaram escoliose,
muito embora essa faixa de peso seja
considerada uma média adequada para a idade,
pois estipula-se como carga ideal até 10 % da
massa corporal. Os casos que apresentaram
desvio lateral da coluna ocorreram nos
estudantes que fizeram uso das mochilas com
rodas e cujo peso não ultrapassou 2 kg
(50.64%), dado estatisticamente significativo
(χ²=4.84, gl=1, p = .028). O segundo maior
número de casos deu-se no grupo que utilizou
a mochila lateralmente, ou seja, colocada em
apenas um dos ombros (ver Tabela 4).
Tabela 3.
Relação Escoliose versus Peso da mochila versus tipo de Escola em escolares (12 anos). Quixadá,Ceará julho de 2008
Tipo de Escola/
Presença de Escoliose
Peso da mochila
Total
0 a 2.0 kg 2.1 a 3.0 kg 3.1 a 4.0 kg 4.1 a 5.0 kg > 5 kg
Sim 53.03% 30.12% 14.45% 2.40% 0.00% 83
Pública Não 36.58% 48.78% 14.64% 0.00% 0.00% 82
Total 44.84% 39.39% 14.54% 1.23% 0.00% 165
Sim 22.22% 14.81% 40.74% 22.23% 0.00% 27
Privada Não 16.66% 27.77% 33.33% 16.66% 5.57% 36
Total 19.04% 22.22% 36.50% 19.07% 3.17% 63
Mochilas escolares e escoliose em adolescentes | 807
Tabela 4.
Correlação Escoliose versus Peso da mochila versus em escolares (12 anos). Quixadá,Ceará, julho de 2008
Presença de Escoliose/
Modo de uso da mochila
Peso da mochila
Total
0 a 2.0 kg 2.1 a 3.0 kg 3.1 a 4.0 kg 4.1 a 5.0 kg > 5 kg
Sim
Cruzado 33.33% 16.66% 38.88% 11.13% 0.00% 18
Lateral 33.35% 26.66% 33.33% 6.66% 0.00% 15
Com rodas 50.64% 28.59% 14.28% 6.49% 0.00% 77
Total 45.45% 26.36% 20.90% 7.29% 0.00% 110
Não
Cruzado 6.66% 46.66% 30.00% 10% 6.68% 30
Lateral 29.16% 33.33% 33.35% 4.16% 0.00% 24
Com rodas 42.18% 43.75% 10.93% 3.15% 0.00% 64
Total 30.50% 42.37% 20.33% 5.11% 1.69% 118
DISCUSSÃO
Na população estudada, não houve maior
progressão da curvatura escoliótica nas meni-
nas, diferente do que as pesquisas mais recen-
tes têm mostrado (Jaja, Didia, & Ekere, 2008;
Wong, Hui, Rajan, & Chia, 2005), muito
embora nos achados de Charles, Daures, Rosa
e Dimeglio (2006) também não tenha havido
diferença significativa entre os gêneros.
Stokes (1989) constatou que a causa da
progressão da escoliose é primariamente bio-
mecânica. De acordo com sua tese, a curvatura
lateral altera a geometria muscular e vertebral
e o padrão de ativação muscular, causando uma
assimetria na força da musculatura vertebral.
Seu estudo confirmou que a força mecânica
influencia o crescimento e, portanto, a forma
vertebral em crianças.
A associação significativa encontrada nos
alunos de escola pública e peso do material
escolar nos fazem refletir que, embora o peso
das mochilas (até 2 kg) do tipo carrinho ter
sido abaixo do peso ideal, ou seja, 10% do peso
do estudante, a forma como esse estudante fez
uso da mochila, foi mais importante do que o
peso em si. De fato, muitos alunos ao
adentrarem a sala onde foram entrevistados,
empurravam a mochila à medida que venciam
a inércia do objeto, em vez de o puxarem
próximo ao corpo e na altura da cintura, que
seria o modo mais adequado de se transportar
tal equipamento.
A presença de escoliose encontrada ao
correlacionarmos o manuseio da mochila com
rodas corrobora com as propostas de Smith e
Fernie (1991), ao analisar a biomecânica fun-
cional da coluna, concluíram que a presença de
rotação axial combinada com inclinação lateral,
no caso do uso de mochilas com rodinhas,
pode contribuir para o desenvolvimento de
curvas escolióticas exageradas. Além disso, o
transporte assimétrico proporcionado pela mo-
chila com rodas gera sobrecarga e assimetria na
coluna vertebral.
Embora não se possa afirmar que alunos
das escolas públicas são todos carentes, o que
pudemos observar é que a maioria tinha ori-
gem nas classes econômicas menos favore-
cidas. O fato de haver maior número de casos
de escoliose nos púberes das instituições públi-
cas poderia ser explicado por fatores ambien-
tais, como a ausência de: nutrição balanceada e
regular uso de calçados adequados e casas com
saneamento básico, fatores esses, verdadeiros
moduladores do fenótipo. Além disso, a partir
dos seis e sete anos de idade, a estatura reflete
os fatores socioeconômicos e ambientais em
que vive a criança (Patias et al., 2010).
O excesso de peso e o transporte inade-
quado do material escolar, a ausência de ativi-
dade física específica, os mobiliários não ade-
quados à necessidade do escolar e posturas
incorretas adotadas durante as aulas e em
período extraescolar, são fatores predispo-
808 | J.C.T. Rocha, D.I.B. Tatmatsu, D.A. Vilela
nentes ou agravantes da escoliose em escolares
(Santos et al., 2009). Esse mesmo autor, ao
pesquisar 146 escolares de escola pública na
Bahia verificou que 50% dos meninos entre 10
e 12 anos com gibosidade estavam com o peso
do material inadequado, sendo essa diferença
estatisticamente significativa (p = .009).
A escola apresenta-se como o local ideal
para prevenir e orientar os escolares com rela-
ção aos desequilíbrios posturais, informando e
conscientizando a comunidade escolar sobre a
importância da prevenção (Andrade, Araújo, &
Vilar, 2005).
Nossos achados nos permitem concluir que
houve maior número de casos suspeitos de
escoliose no grupo de estudantes de escolas
públicas, que fizeram uso de mochilas do tipo
carrinho de forma inadequada, apesar do pouco
peso. Sugere-se trabalhos com amostras maio-
res e que possam utilizar grupos controle dos
alunos que utilizam as mochilas na altura da
cintura e outro grupo que faz uso da mochila
puxando a mesma, bem como isolando a variá-
vel peso da mochila.
Recomenda-se ainda que sejam criados
programas nas escolas, de orientações postu-
rais, incluindo avaliações periódicas (semes-
trais ou anuais) para deteção/evolução de des-
vios posturais, encaminhamento quando neces-
sário e tratamento específico. Estas propostas
estão de acordo com o Programa Saúde na
Escola, Decreto n. 6.286 (2007), onde temas
trabalhados em sala de aula devem desen-
cadear uma reflexão e uma mudança de com-
portamento sobre as práticas de saúde dos
próprios professores, alunos, funcionários e
comunidade escolar.
Agradecimentos:
Nada a declarar.
Conflito de Interesses:
Nada a declarar.
Financiamento:
Nada a declarar.
REFERÊNCIAS
Andrade, S. C., Araújo, A. G. R., & Vilar, M. J. P.
(2005). "Escola de Coluna": Revisão histórica e
sua aplicação na lombalgia crônica. Revista
Brasileira de Reumatologia, 45(4), 224-228. doi:
10.1590/S0482-50042005000400006
Charles, Y. P., Daures, J. P., de Rosa, V., & Dime-
glio, A. (2006). Progression risk of idiopathic
juvenile scoliosis during pubertal growth. Spine,
31(17),1933-1942. doi: 10.1097/01.brs.00002
29230.68870.97
Decreto n° 6. 286, de 5 de dezembro (2007).
Programa Saúde na Escola. Brasília. Recuperado
em 15 agosto de 2011, de portal.mec.gov.br.
Espírito Santo, A., Guimarães, L.V., & Galera, M. F.
(2011) Prevalência de escoliose idiopática e
variáveis associadas em escolares do ensino
fundamental de escolas municipais de Cuiabá.
Revista Brasileira de Epidemiologia, 14(2), 347-
356. doi: 10.1590/S1415-790X2011000200015
Fernandes, S. M. S., Casarotto, R. A., & João, S. M.
A. (2008) Efeitos de sessões educativas no uso
das mochilas escolares em estudantes do
ensino fundamental I. Revista Brasileira de
Fisioterapia, 12(6),447-453. doi: 10.1590/S1413
-35552008005000002.
Grivas, T. B., Vasiliadis, E., & O´Brien, J. P. (2008).
Suggestions for improvement of school
screening for idiopathic scoliosis. Studies in
Health Technology and Informatics, 140, 245-248.
doi: 10.3233/978-1-58603-888-5-245.
Grivas,T. B., Vasiliadis, E., Savidou, O. D., & Trian-
tafyllopoulos, G. (2008). What a school
screening program could contribute in clinical
research of idiopathic scoliosis aetiology.
Disability and Rehabilitation, 30(10), 752-762.
doi: 10.1080/09638280802041086.
Jaja, B. N., Didia, B. C., & Ekere, A. U. (2008).
Rotation of spinal curvatures of patients with
structural scoliosis. West African Journal of
Medicine, 27(2), 111-113.
Kapoor, M., Laham, S. G., & Sawyer, J. R. (2008).
Children at risk identified in an urban scoliosis
school screening program: A new model.
Journal of Pediatric Orthopaedics, 17(6), 281-287.
Kaspiris, A., Grivas, T. B., Weiss, H. R., & Turnbull,
D. (2011). Surgical and conservative treatment
of patients with congenital scoliosis: A search
for long-term results. Scoliosis, 6(12), 2-17. doi:
10.1186/1748-7161-6-12
Patias, P., Grivas, T.B., Kaspiris, A., Aggouris, C., &
Drakoutos, E. (2010). A review of the trunk
Mochilas escolares e escoliose em adolescentes | 809
surface metrics used as Scoliosis and other
deformities evaluation indices. Scoliosis, 5, 12.
doi: 10.1186/1748-7161-5-12.
Penha, P. J., João, S. M. A., Casarotto, R. A., Amino,
C. J., & Penteado, D. C. (2005) Postural assess-
ment of girls between 7 and 10 years of age.
Clinics, 60(1), 9-16.
Santos, C. I. S., Cunha, A. B. N., Braga, V. P., Saad,
I. A. B., Ribeiro, M. Â. G., Conti, P. B. M., &
Oberg, T. D. (2009). Occurrence of postural
deviations in children of a school of Jaguariúna,
São Paulo. Revista Paulista de Pediatria, 27(1), 74-
80. doi: 10.1590/S0103-05822009000100012
Smith, T. J., & Fernie, G. R. (1991) Functional
biomechanics of the spine. Spine, 16(10), 1197-
1203. doi: 00007632-199110000-00012
Stokes, I. A. F. (1989). Axial rotation component of
thoracic scoliosis. Journal of Orthopaedic Research,
7(5), 702-708. doi: 10.1002/jor.1100070511.
Thilagaratnam, S. (2007). School-based screening
for scoliosis: is it cost-effective? Singapore
Medical Journal, 48(11), 1012-1017.
Wong, H., Hui, J., Rajan, U., & Chia, H. (2005).
Idiopathic scoliosis in Singapore schoolchil-
dren: A prevalence study 15 years into the
screening program. Spine, 30(10), 1188-1196.
doi: 10.1097/01.brs.0000162280.95076.bb
Todo o conteúdo da revista Motricidade está licenciado sob a Creative Commons, exceto
quando especificado em contrário e nos conteúdos retirados de outras fontes bibliográficas.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Associação entre uso de mochilas escolares e escoliose em adolescentes de escolas públicas e privadas. 2012 Scielo

Comportamento sexual de adolescentes Embu
Comportamento sexual de adolescentes EmbuComportamento sexual de adolescentes Embu
Comportamento sexual de adolescentes Embu
Gecopros
 
Rede de Zoologia interativa: É Possível uma Mudança no Perfil Conceitual de E...
Rede de Zoologia interativa: É Possível uma Mudança no Perfil Conceitual de E...Rede de Zoologia interativa: É Possível uma Mudança no Perfil Conceitual de E...
Rede de Zoologia interativa: É Possível uma Mudança no Perfil Conceitual de E...
blogplec
 
Fatores associados à obesidade em escolares
Fatores associados à obesidade em escolaresFatores associados à obesidade em escolares
Fatores associados à obesidade em escolares
gisa_legal
 
Texto espaços socioeducativos laura fonseca - dia 30 de setembro
Texto espaços socioeducativos   laura fonseca - dia 30 de setembroTexto espaços socioeducativos   laura fonseca - dia 30 de setembro
Texto espaços socioeducativos laura fonseca - dia 30 de setembro
Profesonline
 
eStADO NUtRICIONAl De eSCOlAReS De SeIS A DeZ ANOS De IDADe DA ReDe MUNICIPAl...
eStADO NUtRICIONAl De eSCOlAReS De SeIS A DeZ ANOS De IDADe DA ReDe MUNICIPAl...eStADO NUtRICIONAl De eSCOlAReS De SeIS A DeZ ANOS De IDADe DA ReDe MUNICIPAl...
eStADO NUtRICIONAl De eSCOlAReS De SeIS A DeZ ANOS De IDADe DA ReDe MUNICIPAl...
junyor souza
 
11 lajpe 893_andre_taschetto
11 lajpe 893_andre_taschetto11 lajpe 893_andre_taschetto
11 lajpe 893_andre_taschetto
loebens
 
Etica 03 estudo sobre o respeito ao principio da autonomia em criancas
Etica 03   estudo sobre o respeito ao principio da autonomia em criancasEtica 03   estudo sobre o respeito ao principio da autonomia em criancas
Etica 03 estudo sobre o respeito ao principio da autonomia em criancas
gisa_legal
 
éTica 03 estudo sobre o respeito ao princípio da autonomia em crianças
éTica 03   estudo sobre o respeito ao princípio da autonomia em criançaséTica 03   estudo sobre o respeito ao princípio da autonomia em crianças
éTica 03 estudo sobre o respeito ao princípio da autonomia em crianças
gisa_legal
 

Semelhante a Associação entre uso de mochilas escolares e escoliose em adolescentes de escolas públicas e privadas. 2012 Scielo (20)

Comportamento sexual de adolescentes Embu
Comportamento sexual de adolescentes EmbuComportamento sexual de adolescentes Embu
Comportamento sexual de adolescentes Embu
 
Modelo de TCC UNICSUL (U. CRUZEIRO DO SUL)
Modelo de TCC UNICSUL (U. CRUZEIRO DO SUL)Modelo de TCC UNICSUL (U. CRUZEIRO DO SUL)
Modelo de TCC UNICSUL (U. CRUZEIRO DO SUL)
 
Rede de Zoologia interativa: É Possível uma Mudança no Perfil Conceitual de E...
Rede de Zoologia interativa: É Possível uma Mudança no Perfil Conceitual de E...Rede de Zoologia interativa: É Possível uma Mudança no Perfil Conceitual de E...
Rede de Zoologia interativa: É Possível uma Mudança no Perfil Conceitual de E...
 
0103 0582-rpp-32-03-0223
0103 0582-rpp-32-03-02230103 0582-rpp-32-03-0223
0103 0582-rpp-32-03-0223
 
A ginástica vai à escola Educação Física Escolar
A ginástica vai à escola Educação Física EscolarA ginástica vai à escola Educação Física Escolar
A ginástica vai à escola Educação Física Escolar
 
Fatores associados à obesidade em escolares
Fatores associados à obesidade em escolaresFatores associados à obesidade em escolares
Fatores associados à obesidade em escolares
 
Texto espaços socioeducativos laura fonseca - dia 30 de setembro
Texto espaços socioeducativos   laura fonseca - dia 30 de setembroTexto espaços socioeducativos   laura fonseca - dia 30 de setembro
Texto espaços socioeducativos laura fonseca - dia 30 de setembro
 
os produtos digitais do mercado
os produtos digitais do mercadoos produtos digitais do mercado
os produtos digitais do mercado
 
Vol3 ciencias
Vol3 cienciasVol3 ciencias
Vol3 ciencias
 
eStADO NUtRICIONAl De eSCOlAReS De SeIS A DeZ ANOS De IDADe DA ReDe MUNICIPAl...
eStADO NUtRICIONAl De eSCOlAReS De SeIS A DeZ ANOS De IDADe DA ReDe MUNICIPAl...eStADO NUtRICIONAl De eSCOlAReS De SeIS A DeZ ANOS De IDADe DA ReDe MUNICIPAl...
eStADO NUtRICIONAl De eSCOlAReS De SeIS A DeZ ANOS De IDADe DA ReDe MUNICIPAl...
 
Ebook andrea final
Ebook andrea finalEbook andrea final
Ebook andrea final
 
11 lajpe 893_andre_taschetto
11 lajpe 893_andre_taschetto11 lajpe 893_andre_taschetto
11 lajpe 893_andre_taschetto
 
445 4
445 4445 4
445 4
 
Esboco De Um Projeto Elaine Valdeni Eliane Adalcino
Esboco De Um Projeto Elaine Valdeni Eliane AdalcinoEsboco De Um Projeto Elaine Valdeni Eliane Adalcino
Esboco De Um Projeto Elaine Valdeni Eliane Adalcino
 
XII Seminário de Educação Física Escolar - Resumos dos trabalhos da área temá...
XII Seminário de Educação Física Escolar - Resumos dos trabalhos da área temá...XII Seminário de Educação Física Escolar - Resumos dos trabalhos da área temá...
XII Seminário de Educação Física Escolar - Resumos dos trabalhos da área temá...
 
Etica 03 estudo sobre o respeito ao principio da autonomia em criancas
Etica 03   estudo sobre o respeito ao principio da autonomia em criancasEtica 03   estudo sobre o respeito ao principio da autonomia em criancas
Etica 03 estudo sobre o respeito ao principio da autonomia em criancas
 
éTica 03 estudo sobre o respeito ao princípio da autonomia em crianças
éTica 03   estudo sobre o respeito ao princípio da autonomia em criançaséTica 03   estudo sobre o respeito ao princípio da autonomia em crianças
éTica 03 estudo sobre o respeito ao princípio da autonomia em crianças
 
2010 doação de órgãos e tecidos o que sabem os estudantes do ensino médio-ja...
2010 doação de órgãos e tecidos  o que sabem os estudantes do ensino médio-ja...2010 doação de órgãos e tecidos  o que sabem os estudantes do ensino médio-ja...
2010 doação de órgãos e tecidos o que sabem os estudantes do ensino médio-ja...
 
RELATÓRIO DE PESQUISA SOBRE PROJETO GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA.SOCIOLOGIA.PROF....
RELATÓRIO DE PESQUISA SOBRE PROJETO GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA.SOCIOLOGIA.PROF....RELATÓRIO DE PESQUISA SOBRE PROJETO GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA.SOCIOLOGIA.PROF....
RELATÓRIO DE PESQUISA SOBRE PROJETO GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA.SOCIOLOGIA.PROF....
 
Pediculose
PediculosePediculose
Pediculose
 

Mais de José Antonio Paniagua

Revisão dos capítulos 3 e 4 do livro didático de ciências para recuperação pa...
Revisão dos capítulos 3 e 4 do livro didático de ciências para recuperação pa...Revisão dos capítulos 3 e 4 do livro didático de ciências para recuperação pa...
Revisão dos capítulos 3 e 4 do livro didático de ciências para recuperação pa...
José Antonio Paniagua
 
Revisão para recuperação paralela em Ciências da Natureza - 8º anos 2014
Revisão para recuperação paralela em Ciências da Natureza - 8º anos 2014  Revisão para recuperação paralela em Ciências da Natureza - 8º anos 2014
Revisão para recuperação paralela em Ciências da Natureza - 8º anos 2014
José Antonio Paniagua
 
Apostila Genética para o 3º ano do Ensino Médio 64 pag.
Apostila Genética para o 3º ano do Ensino Médio 64 pag.Apostila Genética para o 3º ano do Ensino Médio 64 pag.
Apostila Genética para o 3º ano do Ensino Médio 64 pag.
José Antonio Paniagua
 

Mais de José Antonio Paniagua (20)

Dogma central da biologia parte 1 videoaula
Dogma central da biologia parte 1 videoaulaDogma central da biologia parte 1 videoaula
Dogma central da biologia parte 1 videoaula
 
Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016
Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016
Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016
 
Ligacoes quimicas 9° anos a, b e c 2016
Ligacoes quimicas 9° anos a, b e c 2016Ligacoes quimicas 9° anos a, b e c 2016
Ligacoes quimicas 9° anos a, b e c 2016
 
Exercícios de química
Exercícios de químicaExercícios de química
Exercícios de química
 
Revisão dos capítulos 3 e 4 do livro didático de ciências para recuperação pa...
Revisão dos capítulos 3 e 4 do livro didático de ciências para recuperação pa...Revisão dos capítulos 3 e 4 do livro didático de ciências para recuperação pa...
Revisão dos capítulos 3 e 4 do livro didático de ciências para recuperação pa...
 
Revisão para recuperação paralela em Ciências da Natureza - 8º anos 2014
Revisão para recuperação paralela em Ciências da Natureza - 8º anos 2014  Revisão para recuperação paralela em Ciências da Natureza - 8º anos 2014
Revisão para recuperação paralela em Ciências da Natureza - 8º anos 2014
 
Protagonista da medicina do futuro 2012
Protagonista da medicina do futuro 2012Protagonista da medicina do futuro 2012
Protagonista da medicina do futuro 2012
 
Recentes avanços moleculares e aspectos genético clínicos em síndrome de down
Recentes avanços moleculares e aspectos genético clínicos em síndrome de downRecentes avanços moleculares e aspectos genético clínicos em síndrome de down
Recentes avanços moleculares e aspectos genético clínicos em síndrome de down
 
Rntc rede nacional de terapia celular 2013
Rntc   rede nacional de terapia celular 2013Rntc   rede nacional de terapia celular 2013
Rntc rede nacional de terapia celular 2013
 
Apostila Genética para o 3º ano do Ensino Médio 64 pag.
Apostila Genética para o 3º ano do Ensino Médio 64 pag.Apostila Genética para o 3º ano do Ensino Médio 64 pag.
Apostila Genética para o 3º ano do Ensino Médio 64 pag.
 
Dna de brasileiro é 80% europeu, indica estudo da ucb df
Dna de brasileiro é 80% europeu, indica estudo da ucb dfDna de brasileiro é 80% europeu, indica estudo da ucb df
Dna de brasileiro é 80% europeu, indica estudo da ucb df
 
O Esqueleto Humano - Sistema Ósseo
O Esqueleto Humano - Sistema ÓsseoO Esqueleto Humano - Sistema Ósseo
O Esqueleto Humano - Sistema Ósseo
 
Sistema Ósseo
Sistema ÓsseoSistema Ósseo
Sistema Ósseo
 
Sistema muscular e. fundamental . ppt
Sistema muscular e. fundamental . pptSistema muscular e. fundamental . ppt
Sistema muscular e. fundamental . ppt
 
Ligações química
Ligações químicaLigações química
Ligações química
 
Sistema cardivascular
Sistema cardivascularSistema cardivascular
Sistema cardivascular
 
Reino protoctista completo
Reino protoctista completoReino protoctista completo
Reino protoctista completo
 
PROCTOTISTAS
PROCTOTISTASPROCTOTISTAS
PROCTOTISTAS
 
La referencia jap
La referencia japLa referencia jap
La referencia jap
 
Pró reitoria de pós-graduação e pesquisa programa de pós-graduação stricto se...
Pró reitoria de pós-graduação e pesquisa programa de pós-graduação stricto se...Pró reitoria de pós-graduação e pesquisa programa de pós-graduação stricto se...
Pró reitoria de pós-graduação e pesquisa programa de pós-graduação stricto se...
 

Último

4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 

Associação entre uso de mochilas escolares e escoliose em adolescentes de escolas públicas e privadas. 2012 Scielo

  • 1. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=273023568101 Red de Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal Sistema de Información Científica Rocha, J.C.T.; Tatmatsu, D.I.B.; Vilela, D.A. Associação entre uso de mochilas escolares e escoliose em adolescentes de escolas públicas e privadas Motricidade, vol. 8, núm. Supl. 2, 2012, pp. 803-809 Fundação Técnica e Científica do Desporto Vila Real, Portugal Como citar este artigo Número completo Mais informações do artigo Site da revista Motricidade, ISSN (Versão impressa): 1646-107X motricidade.hmf@gmail.com Fundação Técnica e Científica do Desporto Portugal www.redalyc.org Projeto acadêmico não lucrativo, desenvolvido pela iniciativa Acesso Aberto
  • 2. Motricidade © FTCD/FIP-MOC 2012, vol. 8, n. S2, pp. 803-809 Suplemento do 1º EIPEPS Associação entre uso de mochilas escolares e escoliose em adolescentes de escolas públicas e privadas Association between use of school backpacks and scoliosis in adolescents in public and private schools J.C.T. Rocha, D.I.B. Tatmatsu, D.A. Vilela ARTIGO ORIGINAL | ORIGINAL ARTICLE RESUMO Este estudo de corte transversal analisou o uso e o peso de mochilas e sua relação com a presença ou não de escoliose em estudantes de escolas públicas e privadas com idade de 12 anos no município de Quixadá-Ceará. Foram analisados 228 escolares, que se submeteram a uma avaliação fisioterapêutica, utilizando-se de simetógrafo para análise qualitativa na postura em pé, observando-se os perfis anterior, lateral e posterior. Para identificação da escoliose primária utilizamos o teste de Adam e o escoliômetro. Os testes utilizados para verificar associação entre variáveis foram: Qui-Quadrado e V de Cràmer. Comparando os escolares de ambos os gêneros, observou-se que não houve significância estatística entre sexo e escoliose, embora tenham sido encontrados mais casos, em números absolutos, desta alteração em meninas. Houve associação significativa entre alunos de escola pública e peso do material escolar, muito embora o modo de uso da mochila pareça ser mais relevante do que o peso da mesma na população estudada. Palavras-chave: escoliose, adolescente, saúde escolar ABSTRACT This cross-sectional study examined the use of backpacks and weight and its relation to the presence or absence of scoliosis in students from public and private schools at the age of 12 years in the city of Quixadá-Ceará.We analyzed 228 school children, who underwent a physical therapy evaluation, using the simetograph for qualitative analysis in the standing posture, observing the profiles, lateral and posterior. For identification of primary scoliosis the Adam's test and a escoliometer were used. The tests used to verify associations between variables were: Chi-square and Cramer's V. Comparing students of both genders, it was observed that there was no statistical significance between sex and scoliosis, although more cases have been found in absolute numbers, this change in girls. A significant association between public school students and weight of school materials, although the mode of use of the backpack appears to be more relevant than the same weight in the population studied. Keywords: scoliosis, adolescents, health education Submetido: 01.08.2011 | Aceite: 14.09.2011 José Carlos Tatmatsu Rocha. Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Brasil. Daniely Ildegardes Brito Tatmatsu. Departamento de Psicologia, Universidade Federal do Ceará, Brasil. Daisy de Araújo Vilela. Departamento de Fisioterapia, Universidade Federal de Goiás, Brasil. Endereço para correspondência: José Carlos Tatmatsu Rocha. Rua Alexandre Baraúna, 949 - Rodolfo Teófilo. CEP 60430-160 - Fortaleza – CE, Brasil. E-mail: tatmatsu@ufc.br
  • 3. 804 | J.C.T. Rocha, D.I.B. Tatmatsu, D.A. Vilela A estabilidade postural é definida como a habilidade de manter ou controlar o centro da massa com relação à base da sustentação, impedindo quedas e movimentos inadequados (Penha, João, Casarotto, Amino, & Penteado, 2005). A faixa etária compreendida entre os 7 a 12 anos é a mais suscetível a desenvolver alterações posturais de tronco, dentre as mais comuns, a escoliose. A etiologia da escoliose idiopática da adolescência é desconhecida e descrita como multifatorial e diversos estudos têm mostrado que sua prevalência é maior no sexo feminino (Espírito Santo, Guimarães, & Galera, 2011). Não há anormalidades estrutu- rais na escoliose funcional, sendo a curva reversível, podendo manifestar-se em escolares cujo mecanismo postural foi alterado em de- corrência do crescimento muito rápido, assim como em crianças cujos membros inferiores apresentam comprimento desigual. A Gibosidade, rotação das vértebras e do gradil costal, no sentido posterior, para o lado da convexidade da curva, na infância tem um prognóstico ruim, geralmente progredindo para um comprometimento respiratório. O tratamento é difícil e a cirurgia é realizada na infância, numa tentativa de controlar a pro- gressão inexorável, acarretando também nos riscos inerentes à uma intervenção cirúrgica (Kaspiris, Grivas, Weiss, & Turnbull , 2011). A educação postural deve ser um processo educacional que se paute no fornecimento de informações para um grupo de indivíduos sobre tais questões (Fernandes, Casarotto, & João, 2008). É imprescindível desenvolver ações de promoção da saúde no contexto esco- lar, passando pelo respeito às possibilidades e limites do corpo, do intelecto, das emoções e da participação social (Grivas, Vasiliadis, & O´Brien, 2008). Os atuais programas de saúde desenvolvidos em estabelecimentos de ensino no Brasil estão voltados à saúde bucal, ocular, auditiva, mental, nutricional, vigilâncias sanitária e epidemiológica, mas não contem- plam a educação postural (Brasil, 2009). Contrariamente nos Países Baixos, existem alguns programas de prevenção de alterações posturais, como no caso da escoliose, com bons resultados (Grivas, Vasiliadis, Savidou, & Triantafyllopoulos, 2008), muito embora, alguns trabalhos coloquem em dúvida a relação custo-benefício dessa prevenção (Kapoor, La- ham, & Sawyer, 2008). Hoje está provada que a incidência da cirurgia pode ser reduzida significativamente nas áreas onde a escoliose idiopática poderia ser detetada numa fase inicial através destes programas. A realidade do ambiente de estudo como o transporte de material escolar acima do peso, a arquitetura desfavorável da escola e mobiliários fora dos padrões ergonômicos, pode agravar e/ou comprometer os hábitos posturais dos esco- lares (Thilagaratnam, 2007). A perspetiva é que os hábitos inadequados sejam modificados e medidas preventivas de doenças da coluna se estabeleçam. Nesse senti- do, a proposta desse trabalho é a associação entre identificação de escoliose e uso de mochilas em crianças de doze anos de idade, nas redes públicas e privadas em uma cidade da região Nordeste do Brasil. Tal trabalho visa contribuir, através de dados, para a formulação de propostas de ações estratégicas com intuito de promover a saúde postural nas escolas públicas do País. MÉTODO Amostra Trata-se de uma pesquisa observacional, de corte transversal, realizada com estudantes de ambos os sexos que freqüentavam a 7ª série do ensino fundamental da rede pública e privada na cidade de Quixadá, Ceará, no ano de 2008. Nesse ano, o município de Quixadá contava com 3359 escolares ma¬triculados na 7ª série do total de 6 escolas que possuíam turmas nessa idade. A pesquisa foi realizada em 3 escolas públicas e 2 particulares do Ensino Fundamental no município de Quixadá-Ceará. A amostra de conveniência envolveu um universo de 228 alunos avaliados, sendo 81 estudantes do sexo masculino e 147 do sexo feminino. O tamanho da amostra deu-se devido ao fato de que foram avaliados todos os
  • 4. Mochilas escolares e escoliose em adolescentes | 805 alunos que devolveram os Termos assinados pelos pais ou responsáveis. Das quatro escolas públicas da área urbana de Quixadá que possuíam alunos na faixa etária do estudo, apenas uma não concordou em colaborar com a pesquisa. Participaram todas as demais escolas públicas, ou seja, três escolas públicas e dois estabelecimentos priva- dos que atendiam a essa faixa etária. Constituíram critérios de inclusão, jovens com 12 anos de idade e que aceitaram voluntariamente participar da pesquisa. Os alunos que receberam algum tipo de tratamento ortopédico ou fisioterapêutico nos últimos doze meses e/ou apresentaram algum transtorno ortopédico ou neurológico foram excluídos da pesquisa. O projeto de pesquisa foi enviado ao Comitê de Ética e Pesquisa (CEP) da Universidade Federal do Ceará, de acordo com a Resolução 196/96, sobre Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisa Envolvendo Seres Humanos, sendo aprovado com Recomendação no CONEP, sob número 0058/08. Foram enviadas cartas dirigidas aos pais, no modelo de Termo de Consentimento Livre Esclarecido, convidando os pais que aceitassem participar da pesquisa, para uma reunião com hora e data definida para apresentação da proposta do trabalho. Instrumentos e Procedimentos Utilizou-se os protocolos de avaliação qualitativa de Penha et al. (2005) com o uso de simetógrafo, devido à facilidade de manuseio, baixo custo e deslocamento do equipamento. Os sujeitos tiveram os pontos anatômicos correspondentes ao maléolo lateral e medial, cabeça da fíbula, trocânter maior do fêmur, espinhas ilíacas ântero-superiores, espinhas ilíacas póstero - superiores, processo estiloide da ulna, epicôndilo lateral do úmero, processo coracoide, ângulo inferior da escápula e apófises espinhosas da região cervical (C5 e C7), torácica (T2 e T7) e lombar (L1 e L5), marcados com lápis dermatológico. Para identificação da escoliose primária utilizamos o teste de Adam e o escoliômetro, métodos bastante sensíveis à deteção da escoliose (Patias, Grivas, Kaspiris, Aggouris, & Drakoutos, 2010). O teste de Adam é realizado posicionando-se a criança em pé, mantendo os pés unidos em posição anatômica e braços pendentes e laterais, joelhos retilíneos e estendidos. O púbere foi orientado a inclinar a cabeça, braços estendidos e inclinando-se para baixo realizando uma lenta flexão anterior do tronco, levando as mãos em direção aos pés sem flexionar os joelhos, até o limite de dor da criança. Durante a realização do teste o avaliador ficou atrás do escolar, com os olhos no mesmo nível das vértebras do entrevistado. A cada movimento de descida do escolar o terapeuta acompanhava, podendo detetar de imediato, assimetria das regiões paravertebrais, sendo considerado como gibosidade quando o indivíduo apresentou convexidade contraposta a um achatamento contralateral. Os resultados possíveis para este teste foram: presença de gibosidade (suspeita de escoliose) ou ausência de gibosidade. O "escoliômetro" foi utilizado em três áreas de interesse: na parte superior do tórax (T3- T4) principal torácica (T5, T12) e na área tóraco-lombar (T12-L1 ou L2-L3). Na sessão de flexão de tronco, o adolescente examinado estava sentado em uma cadeira (40 cm de altura) e foi convidado a fletir o tronco anteriormente e colocar a cabeça entre os joelhos com os ombros soltos, cotovelos e mãos posicionadas em linha reta entre os joelhos. Análise Estatística Os dados foram tabulados e digitados no software SPSS for Windows, versão 18.0. As variáveis do estudo eram do tipo qualitativa e, por conseguinte, os testes utilizados na análise da verificação da variação de frequências e do grau de associação entre as variáveis foram Qui-Quadrado (para os cruzamentos de variáveis com dois itens) e V de Cramer (para os cruzamentos de variáveis com três ou mais itens). O nível de significância estabelecido foi o equivalente a p < .05.
  • 5. 806 | J.C.T. Rocha, D.I.B. Tatmatsu, D.A. Vilela RESULTADOS Nosso grupo populacional constou de 228 alunos, sendo a maioria (72.37 %) originária de escolas públicas e 27.63 % de instituições particulares. Os estudantes da rede privada totalizaram 33.7 % do sexo masculino e 66.3 % feminino. Na rede pública 63.33 % eram do sexo feminino e 36.57 % do sexo masculino. Não houve correlação positiva entre gêneros e escoliose. No entanto, do total de alunos pesquisados, houve maior número de casos de gibosidade na população feminina, pois dos 110 púberes que apresentaram a deformidade na coluna, 65.46% foram do sexo feminino (n=72) e 34.54%, do grupo masculino (n= 38) (ver Tabela 1). Tabela 1. Presença de Escoliose por gênero em escolares (12 anos). Quixadá, Ceará, julho de 2008 Presença de Escoliose Sexo Total Masculino Feminino Sim 34.54% 65.46% 110 Não 36.44% 63.55% 118 Total 81 147 228 Ao relacionarmos o número total de alunos com a presença ou não de escoliose e tipo de escola, observamos que o número de alunos com essa alteração biomecânica foi maior nos alunos das escolas públicas (75.45%) dos que da rede privada (24.55%) não sendo, entre- tanto, um dado estatisticamente significativo. Tabela 2. Presença de Escoliose por escola em escolares (12 anos). Quixadá, Ceará, julho de 2008 Presença de Escoliose Escola Total Pública Privada Sim 75.45% 24.55% 110 Não 69.49% 30.51% 118 Total 72.36% 27.63% 228 Quanto à variável tipo de escola versus peso da mochila e presença ou não de escoliose, houve associação significativa dos alunos de escola pública e peso do material escolar, principalmente entre os alunos que utilizavam um peso adequado, ou seja, até 2 kg. (χ²=4.0, gl=1, p = .04) (ver Tabela 3). Os alunos da rede privada que utilizaram mochilas com peso entre três a quatro quilos, representaram 40.74% da população de jovens das particulares que apresentaram escoliose, muito embora essa faixa de peso seja considerada uma média adequada para a idade, pois estipula-se como carga ideal até 10 % da massa corporal. Os casos que apresentaram desvio lateral da coluna ocorreram nos estudantes que fizeram uso das mochilas com rodas e cujo peso não ultrapassou 2 kg (50.64%), dado estatisticamente significativo (χ²=4.84, gl=1, p = .028). O segundo maior número de casos deu-se no grupo que utilizou a mochila lateralmente, ou seja, colocada em apenas um dos ombros (ver Tabela 4). Tabela 3. Relação Escoliose versus Peso da mochila versus tipo de Escola em escolares (12 anos). Quixadá,Ceará julho de 2008 Tipo de Escola/ Presença de Escoliose Peso da mochila Total 0 a 2.0 kg 2.1 a 3.0 kg 3.1 a 4.0 kg 4.1 a 5.0 kg > 5 kg Sim 53.03% 30.12% 14.45% 2.40% 0.00% 83 Pública Não 36.58% 48.78% 14.64% 0.00% 0.00% 82 Total 44.84% 39.39% 14.54% 1.23% 0.00% 165 Sim 22.22% 14.81% 40.74% 22.23% 0.00% 27 Privada Não 16.66% 27.77% 33.33% 16.66% 5.57% 36 Total 19.04% 22.22% 36.50% 19.07% 3.17% 63
  • 6. Mochilas escolares e escoliose em adolescentes | 807 Tabela 4. Correlação Escoliose versus Peso da mochila versus em escolares (12 anos). Quixadá,Ceará, julho de 2008 Presença de Escoliose/ Modo de uso da mochila Peso da mochila Total 0 a 2.0 kg 2.1 a 3.0 kg 3.1 a 4.0 kg 4.1 a 5.0 kg > 5 kg Sim Cruzado 33.33% 16.66% 38.88% 11.13% 0.00% 18 Lateral 33.35% 26.66% 33.33% 6.66% 0.00% 15 Com rodas 50.64% 28.59% 14.28% 6.49% 0.00% 77 Total 45.45% 26.36% 20.90% 7.29% 0.00% 110 Não Cruzado 6.66% 46.66% 30.00% 10% 6.68% 30 Lateral 29.16% 33.33% 33.35% 4.16% 0.00% 24 Com rodas 42.18% 43.75% 10.93% 3.15% 0.00% 64 Total 30.50% 42.37% 20.33% 5.11% 1.69% 118 DISCUSSÃO Na população estudada, não houve maior progressão da curvatura escoliótica nas meni- nas, diferente do que as pesquisas mais recen- tes têm mostrado (Jaja, Didia, & Ekere, 2008; Wong, Hui, Rajan, & Chia, 2005), muito embora nos achados de Charles, Daures, Rosa e Dimeglio (2006) também não tenha havido diferença significativa entre os gêneros. Stokes (1989) constatou que a causa da progressão da escoliose é primariamente bio- mecânica. De acordo com sua tese, a curvatura lateral altera a geometria muscular e vertebral e o padrão de ativação muscular, causando uma assimetria na força da musculatura vertebral. Seu estudo confirmou que a força mecânica influencia o crescimento e, portanto, a forma vertebral em crianças. A associação significativa encontrada nos alunos de escola pública e peso do material escolar nos fazem refletir que, embora o peso das mochilas (até 2 kg) do tipo carrinho ter sido abaixo do peso ideal, ou seja, 10% do peso do estudante, a forma como esse estudante fez uso da mochila, foi mais importante do que o peso em si. De fato, muitos alunos ao adentrarem a sala onde foram entrevistados, empurravam a mochila à medida que venciam a inércia do objeto, em vez de o puxarem próximo ao corpo e na altura da cintura, que seria o modo mais adequado de se transportar tal equipamento. A presença de escoliose encontrada ao correlacionarmos o manuseio da mochila com rodas corrobora com as propostas de Smith e Fernie (1991), ao analisar a biomecânica fun- cional da coluna, concluíram que a presença de rotação axial combinada com inclinação lateral, no caso do uso de mochilas com rodinhas, pode contribuir para o desenvolvimento de curvas escolióticas exageradas. Além disso, o transporte assimétrico proporcionado pela mo- chila com rodas gera sobrecarga e assimetria na coluna vertebral. Embora não se possa afirmar que alunos das escolas públicas são todos carentes, o que pudemos observar é que a maioria tinha ori- gem nas classes econômicas menos favore- cidas. O fato de haver maior número de casos de escoliose nos púberes das instituições públi- cas poderia ser explicado por fatores ambien- tais, como a ausência de: nutrição balanceada e regular uso de calçados adequados e casas com saneamento básico, fatores esses, verdadeiros moduladores do fenótipo. Além disso, a partir dos seis e sete anos de idade, a estatura reflete os fatores socioeconômicos e ambientais em que vive a criança (Patias et al., 2010). O excesso de peso e o transporte inade- quado do material escolar, a ausência de ativi- dade física específica, os mobiliários não ade- quados à necessidade do escolar e posturas incorretas adotadas durante as aulas e em período extraescolar, são fatores predispo-
  • 7. 808 | J.C.T. Rocha, D.I.B. Tatmatsu, D.A. Vilela nentes ou agravantes da escoliose em escolares (Santos et al., 2009). Esse mesmo autor, ao pesquisar 146 escolares de escola pública na Bahia verificou que 50% dos meninos entre 10 e 12 anos com gibosidade estavam com o peso do material inadequado, sendo essa diferença estatisticamente significativa (p = .009). A escola apresenta-se como o local ideal para prevenir e orientar os escolares com rela- ção aos desequilíbrios posturais, informando e conscientizando a comunidade escolar sobre a importância da prevenção (Andrade, Araújo, & Vilar, 2005). Nossos achados nos permitem concluir que houve maior número de casos suspeitos de escoliose no grupo de estudantes de escolas públicas, que fizeram uso de mochilas do tipo carrinho de forma inadequada, apesar do pouco peso. Sugere-se trabalhos com amostras maio- res e que possam utilizar grupos controle dos alunos que utilizam as mochilas na altura da cintura e outro grupo que faz uso da mochila puxando a mesma, bem como isolando a variá- vel peso da mochila. Recomenda-se ainda que sejam criados programas nas escolas, de orientações postu- rais, incluindo avaliações periódicas (semes- trais ou anuais) para deteção/evolução de des- vios posturais, encaminhamento quando neces- sário e tratamento específico. Estas propostas estão de acordo com o Programa Saúde na Escola, Decreto n. 6.286 (2007), onde temas trabalhados em sala de aula devem desen- cadear uma reflexão e uma mudança de com- portamento sobre as práticas de saúde dos próprios professores, alunos, funcionários e comunidade escolar. Agradecimentos: Nada a declarar. Conflito de Interesses: Nada a declarar. Financiamento: Nada a declarar. REFERÊNCIAS Andrade, S. C., Araújo, A. G. R., & Vilar, M. J. P. (2005). "Escola de Coluna": Revisão histórica e sua aplicação na lombalgia crônica. Revista Brasileira de Reumatologia, 45(4), 224-228. doi: 10.1590/S0482-50042005000400006 Charles, Y. P., Daures, J. P., de Rosa, V., & Dime- glio, A. (2006). Progression risk of idiopathic juvenile scoliosis during pubertal growth. Spine, 31(17),1933-1942. doi: 10.1097/01.brs.00002 29230.68870.97 Decreto n° 6. 286, de 5 de dezembro (2007). Programa Saúde na Escola. Brasília. Recuperado em 15 agosto de 2011, de portal.mec.gov.br. Espírito Santo, A., Guimarães, L.V., & Galera, M. F. (2011) Prevalência de escoliose idiopática e variáveis associadas em escolares do ensino fundamental de escolas municipais de Cuiabá. Revista Brasileira de Epidemiologia, 14(2), 347- 356. doi: 10.1590/S1415-790X2011000200015 Fernandes, S. M. S., Casarotto, R. A., & João, S. M. A. (2008) Efeitos de sessões educativas no uso das mochilas escolares em estudantes do ensino fundamental I. Revista Brasileira de Fisioterapia, 12(6),447-453. doi: 10.1590/S1413 -35552008005000002. Grivas, T. B., Vasiliadis, E., & O´Brien, J. P. (2008). Suggestions for improvement of school screening for idiopathic scoliosis. Studies in Health Technology and Informatics, 140, 245-248. doi: 10.3233/978-1-58603-888-5-245. Grivas,T. B., Vasiliadis, E., Savidou, O. D., & Trian- tafyllopoulos, G. (2008). What a school screening program could contribute in clinical research of idiopathic scoliosis aetiology. Disability and Rehabilitation, 30(10), 752-762. doi: 10.1080/09638280802041086. Jaja, B. N., Didia, B. C., & Ekere, A. U. (2008). Rotation of spinal curvatures of patients with structural scoliosis. West African Journal of Medicine, 27(2), 111-113. Kapoor, M., Laham, S. G., & Sawyer, J. R. (2008). Children at risk identified in an urban scoliosis school screening program: A new model. Journal of Pediatric Orthopaedics, 17(6), 281-287. Kaspiris, A., Grivas, T. B., Weiss, H. R., & Turnbull, D. (2011). Surgical and conservative treatment of patients with congenital scoliosis: A search for long-term results. Scoliosis, 6(12), 2-17. doi: 10.1186/1748-7161-6-12 Patias, P., Grivas, T.B., Kaspiris, A., Aggouris, C., & Drakoutos, E. (2010). A review of the trunk
  • 8. Mochilas escolares e escoliose em adolescentes | 809 surface metrics used as Scoliosis and other deformities evaluation indices. Scoliosis, 5, 12. doi: 10.1186/1748-7161-5-12. Penha, P. J., João, S. M. A., Casarotto, R. A., Amino, C. J., & Penteado, D. C. (2005) Postural assess- ment of girls between 7 and 10 years of age. Clinics, 60(1), 9-16. Santos, C. I. S., Cunha, A. B. N., Braga, V. P., Saad, I. A. B., Ribeiro, M. Â. G., Conti, P. B. M., & Oberg, T. D. (2009). Occurrence of postural deviations in children of a school of Jaguariúna, São Paulo. Revista Paulista de Pediatria, 27(1), 74- 80. doi: 10.1590/S0103-05822009000100012 Smith, T. J., & Fernie, G. R. (1991) Functional biomechanics of the spine. Spine, 16(10), 1197- 1203. doi: 00007632-199110000-00012 Stokes, I. A. F. (1989). Axial rotation component of thoracic scoliosis. Journal of Orthopaedic Research, 7(5), 702-708. doi: 10.1002/jor.1100070511. Thilagaratnam, S. (2007). School-based screening for scoliosis: is it cost-effective? Singapore Medical Journal, 48(11), 1012-1017. Wong, H., Hui, J., Rajan, U., & Chia, H. (2005). Idiopathic scoliosis in Singapore schoolchil- dren: A prevalence study 15 years into the screening program. Spine, 30(10), 1188-1196. doi: 10.1097/01.brs.0000162280.95076.bb Todo o conteúdo da revista Motricidade está licenciado sob a Creative Commons, exceto quando especificado em contrário e nos conteúdos retirados de outras fontes bibliográficas.