SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
ReinoReino MoneraMonera
Cap. 6 – 1ª SérieCap. 6 – 1ª Série
Professora: Alexsandra RibeiroProfessora: Alexsandra Ribeiro
Reino MoneraReino Monera
• Bactérias e Cianobactérias.
• Procariontes.
• Apenas ribossomos como
organóides.
• Revestimento: parede celular e
membrana plasmática.
• Mesossomo: dobra da membrana
onde ocorre produção de
energia.
Reino MoneraReino Monera
• Heterótrofos
(decompositores ou
parasitas) ou Autótrofos
(quimiossíntese e
fotossíntese).
• Reprodução Assexuada:
Cissiparidade ou Bipartição
e Gemiparidade ou
Brotamento.
• Reprodução Sexuada:
Conjugação.
Tipos de BactériasTipos de Bactérias
Parede celularParede celular
Bactéria Gram-Positiva
Bactéria Gram-Negativa
Nutrição BacterianaNutrição Bacteriana
HETERÓTROFAS OU HETEROTRÓFICAS
• Alimentam-se do alimento que obtém parasitando seres vivos ou decompondo
cadáveres.
• As bactérias parasitas são responsáveis pelo surgimento de inúmeras infecções
em plantas e animais. As bactérias decompositoras são responsáveis pela
reciclagem da matéria orgânica na natureza, pois catabolizam (desmancham)
as moléculas mais complexas, tornando-as disponíveis na natureza para outras
formas de vida.
AUTÓTROFAS OU AUTOTRÓFICAS
•Algumas bactérias possuem uma proteína, conhecida como bacterioclorofila, que
capta a energia da luz para a síntese (fabricação) de glicose, são as bactérias
fotossintetizantes:
6 CO2 + 12 H2S + energia da luz → C6H12O6 + 6 H2O + 12 S
•Outras bactérias obtêm a energia para a síntese de glicose a partir de reações
químicas, nesse caso, dizemos que são quimiossintetizantes:
2 NO-2
+ O2 → 2NO-3
+ energia (a bactéria oxida o nitrato e obtém energia)
6 CO2 + 12H + energia → C6H12O6 + 6H2O (energia é usada na síntese da glicose)
Respiração BacterianaRespiração Bacteriana
• Para sobreviver, as bactérias necessitam catabolizar (desmanchar) a glicose
para a obtenção da energia acumulada em suas ligações químicas. Isso pode
ser feito com ou sem o auxílio do oxigênio.
• Respiração anaeróbia ou fermentação: quando se cataboliza a glicose sem o
auxílio do oxigênio
C6H12O6 → 2 C3H6O3 + energia
• Respiração aeróbia: se o catabolismo da glicose é feito com o auxílio de
oxigênio
C6H12O6 + 6 O2 → + 6 CO2 + 6H2O + energia
• A energia obtida é utilizada na regeneração do ADP para ATP. A fermentação
fornece cerca de 33 calorias, o suficiente para converter 2 ADPs em ATPs. Já a
respiração aeróbia permite a obtenção de aproximadamente 673 calorias,
suficientes para converter 63 ADPs em ATPs. Ou seja, o catabolismo da glicose
através da respiração aeróbia é muito mais proveitoso.
• Existem bactérias que são exclusivamente anaeróbias ou aeróbias, mas existem
algumas que, na presença de oxigênio são aeróbias e se ele não estiver
presente atuam como anaeróbias, são chamadas de anaeróbias facultativas.
Reprodução BacterianaReprodução Bacteriana
• Reprodução assexuada
- A forma de reprodução mais
comum entre as bactérias é a
bipartição ou cissiparidade. É
muito simples: quando o
ambiente está favorável, isto é,
as condições de sobrevivência
são boas, ocorre a duplicação
do material genético bacteriano
e a divisão da célula em duas.
Isso permite que algumas
bactérias se dividam a cada 10
minutos!
Reprodução BacterianaReprodução Bacteriana
• Quando o ambiente está desfavorável à
bactéria pode utilizar essa forma de reprodução
para originar esporos (constituídos pelo
material genético da bactéria envolto pela
membrana plasmática e uma capa protetora),
que lhes permite permanecer em latência
durante períodos prolongados, até que as
condições favoráveis se restabeleçam. Os
esporos são resistentes à falta de umidade,
temperaturas elevadas, radiação ultravioleta
(em pequenas quantidades) e substâncias
químicas, como o álcool. Isso acontece com o
vírus da hepatite, por exemplo, e por isso
causa uma grande preocupação nos
profissionais da saúde, que buscam formas
para garantir sua total eliminação do ambiente,
para que um paciente com hepatite não
contamine as outras pessoas que venham ao
serviço de saúde.
Bacillus anthracis - os
esporos são esféricos e a
forma vegetativa, em
forma de bastão.
Reprodução BacterianaReprodução Bacteriana
• Reprodução SEXUADA pode ocorrer com a transferência ou a
incorporação de material genético, três tipos:
• TRANSFORMAÇÃO
 Quando uma bactéria absorve e incorpora fragmentos de material
genético do meio. Ao reproduzir-se a bactéria passa a enviar
também esse material genético às células filhas.
• TRANSDUÇÃO
 Ocorre auxiliada pela ação viral. O vírus, ao multiplicar-se dentro de
uma bactéria pode encapsular fragmentos de DNA bacteriano e
introduzi-lo em outra bactéria. Ao reproduzir-se a bactéria passa a
enviar também esse material genético para as células filhas.
Reprodução BacterianaReprodução Bacteriana
• CONJUGAÇÃO
 Quando ocorre a união citoplasmática
entre bactérias, através de pequenas
ligações (pontes). O DNA de uma
bactéria é transferido à outra, que o
incorpora. Isso normalmente ocorre com
os plasmídeos (a bactéria portadora do
plasmídeo transmite uma cópia à outra) -
dessa forma uma bactéria resistente a
um determinado antibiótico pode
transmitir essa resistência às demais
bactérias. Ao reproduzir-se a bactéria
passa a enviar também esse material
genético para as células-filhas. Bactérias efetuando a
conjugação
Importância das BactériasImportância das Bactérias
 As bactérias representam a maior
parte do material vivo deste
planeta e também possuem
capacidade extraordinária de
reprodução. Deduz-se, portanto,
que são as responsáveis pela
maior parte das trocas químicas
realizadas entre os seres vivos e o
planeta.
 Elas desmancham as fezes e os
cadáveres, devolvendo ao meio
ambiente as moléculas que
estavam na estrutura do
organismo desses seres e na
composição desses dejetos. Essa
reciclagem fertiliza o solo e
garante a continuidade da vida.
Algumas bactérias podem fixar o
nitrogênio atmosférico (N2) em suas
estruturas celulares. Outras liberam
nitratos (NO-3
) no solo, fertilizando-o.
Veja o exemplo das bactérias do
gênero Rhizobium, que vivem dentro
das raízes das plantas leguminosas,
fixam o nitrogênio atmosférico e
fornecem compostos nitrogenados a
essas plantas.
Importância das BactériasImportância das Bactérias
 A indústria farmacêutica utiliza
bactérias para a produção de
antibióticos e vitaminas. A indústria
química emprega as bactérias na
produção de acetona, metanol,
butanol e outros.
 Os processos de tratamento de
esgotos também utilizam as
bactérias (anaeróbicas) no
processo de degradação dos
resíduos orgânicos. Nas usinas de
reciclagem de lixo, são utilizadas
na produção de adubos de
compostagem. Atualmente há
pesquisas para o desenvolvimento
de bactérias que decomponham
plásticos e outros derivados de
petróleo.
Antibiograma: em uma cultura de
bactérias são colocados pequenos
pedacinhos de papel contendo
diferentes tipos e concentrações de
antibióticos. Procura-se aqueles
que tiveram o efeito mais
significativo (maior halo de inibição).
Importância das BactériasImportância das Bactérias
 A moderna biotecnologia permitiu a modificação do
material genético de algumas bactérias, fazendo com
que elas passassem a produzir insulina para o
tratamento da diabetes.
 Até a cirurgia plástica faz uso das bactérias. A toxina
botulínica, produzida pelas bactérias da espécie
Clostridium botulinum tem a capacidade de paralisar
a musculatura, relaxando-a. É conhecida pelo nome
comercial de Botox, muito usada pelos cirurgiões
plásticos, em pequenas quantidades, para a
atenuação de rugas e marcas de expressão e
também para o tratamento de pessoas com paralisia
cerebral.
 Podem ser usadas na produção de alimentos
(Streptococcus e Lactobacillus - na produção de
iogurtes, queijos, leites fermentados e outros;
Corynebacterium produz o ácido glutâmico ou
glutamato monossódico, vendido comercialmente
como aji-no-moto; Acetobacter transforma o vinho em
vinagre) e bebidas.
Clostridium botulinum -
produtor da toxina
botulínica (Botox)
VACINAÇÃOVACINAÇÃO
• É produzida a partir de partes da bactéria ou de bactérias
enfraquecidas inativas, capazes de estimular nosso sistema
imunológico a produzir anticorpos.
• Dentre as vacinas mais usadas estão: a tríplice bacteriana (DPT,
composta por toxinas atenuadas do tétano e da difteria e bacilo
morto encapsulado da coqueluche) e BCG (Bacilo Calmette e
Guerin, uma cepa enfraquecida do bacilo da tuberculose)
• Se não tivermos sucesso na prevenção das doenças bacterianas,
teremos que usar medicamentos específicos para destruir as
bactérias, que são os antibióticos.
Na tabela abaixo, válida para todo território nacional, indica, de formaNa tabela abaixo, válida para todo território nacional, indica, de forma
resumida, em que idade cada vacina obrigatória deve ser aplicada.resumida, em que idade cada vacina obrigatória deve ser aplicada.
Grupo / Idade Vacinas
Ao nascer1
BCG (contra a Tuberculose) + vacina contra a hepatite B (VHB)
11 mês Contra a hepatite B (VHB)2
2 meses Tríplice bacteriana (DTP – contra Difteria , tétano e coqueluche) + contra a poliomielite (OPV)
4 meses Tríplice bacteriana (DTP) + contra a poliomielite (OPV)
6 meses Tríplice bacteriana (DTP) + contra a poliomielite (OPV) + contra a hepatite B (VHB) + contra a
febre amarela (FA)
9 meses Contra o Sarampo (VSPO)
12 meses Tríplice viral (TV – contra sarampo, rubéola e caxumba)
15 meses Tríplice bacteriana (DTP) + contra a poliomielite (OPV)
10 a 11 anos3
Contra a febre amarela (FA) + dupla adulto (DT – contra tétano)4
Puerpera Contra a rubéola (VCR)5
Fonte: Programa Nacional de Imunizações: 25 anos. Brasília: Ministério da Saúde, 1998. pl41.
1-Caso a vacina BCG não tenha sido administrada na maternidade (primeiros dias de vida), aplicar na primeira visita ao
serviço de saúde juntamente com a VHB.
2- Operacionalmente a segunda dose da VHB poderá ser administrada aos dois meses de idade, juntamente com a DTP e
a OPV.
3- Reforço de dez em dez anos durante toda a vida.
4- Em gestantes e nos casos de ferimentos graves, o reforço será administrado cinco anos depois da última dose.
5- Caso a VCR não tenha sido aplicado na puerpera, na maternidade, administrá-la na primeira visita ao serviço de saúde.
ANTIBIÓTICOSANTIBIÓTICOS
• Medicamentos produzidos
especificamente para atuar nas
células bacterianas, impedindo sua
reprodução (bacteriostáticos) ou
destruindo-as (bactericida).
• Um dos exames mais importantes
(e menos realizado!) para a
definição do tratamento de uma
doença bacteriana é o
antibiograma, que consiste em
cultivar as bactérias que causam a
doença na pessoa e testar qual
antibiótico é mais efetivo para o
tratamento.
Mycobacterium tuberculosis
coletado no escarro de um
doente de tuberculose
Algas CianofíceasAlgas Cianofíceas
• O Conceito
As algas cianofíceas também
são chamadas de algas azuis.
Estão entre os seres vivos
mais comuns que podem ser
encontrados nas águas dos
lagos, rios e oceanos.
• Estrutura Celular
É semelhante à das bactérias,
com a presença da clorofila
do tipo A, que pode ficar solta
no citoplasma ou apoiada
sobre membranas em
camadas (lamelas).
Estrutura celular de uma
cianofícea
Algas CianofíceasAlgas Cianofíceas
 Nutrição
• As cianofíceas são autótrofas e fazem o processo da fotossíntese:
6 CO2 + 12 H20 + energia da luz → C6H12O6 + 6 O2
• O resíduo da fotossíntese é o gás oxigênio (O2), cujo excedente (pois as algas
azuis fazem respiração aeróbia), se mistura com a água e a atmosfera, repondo
o consumo dos demais seres aeróbios e da combustão dos combustíveis.
• São responsáveis pela produção de quase todo Oxigênio presente na
atmosfera terrestre.
 Reprodução
• A grande maioria das cianofíceas reproduz-se de forma assexuada, por
bipartição ou cissiparidade.
• As colônias filamentosas de algas podem reproduzir-se assexuadamente por
um processo chamado de hormogonia: pequenos fragmentos da colônia se
separam, formando novos filamentos coloniais.
• Em condições desfavoráveis as cianofíceas formam os acinetos, semelhantes
aos esporos das bactérias.
Importância das algas cianofíceasImportância das algas cianofíceas
As cianofíceas podem ser
encontradas na água doce,
salgada ou salobra, no solo
úmido, sobre a casca de
árvores, rochas ou até mesmo
em fontes termais com
temperatura superior a 80ºC!
Assim como certas bactérias,
elas também possuem a
capacidade de fixar o
nitrogênio do ar (N2),
transformando em nitratos
(NO-3
), fertilizando o solo e as
águas dos oceanos, rios e
lagos.
Cianobactéria filamentosa
formando colônias.
As cianofíceas possuem
uma extraordinária
capacidade de adaptação aos
mais diversos tipos de
ambientes, por isso
constituem-se excelentes
colonizadores de ambientes.
Principais BacteriosesPrincipais Bacterioses
• Coqueluche  Bordetella pertussis.
• Difteria ou Crupe  Corynebacterium diphteriae. (gram positiva)
• Tétano  Clostridium tetani. (gram positiva)
• Febre tifóide  Salmonella typhi. (gram negativa)
• Sífilis  Treponema pallidum.
• Hanseníase ou Lepra  Mycobacterium leprae. (gram positiva)
• Gastrites  Helicobacter pylori. (gram negativa)
• Febre Q  Coxiella burnetti
• Febre Maculosa  Rickettsia rickettsii
• Disenteria bacilar  Shigella sp.
• Gastroenterites  Salmonella sp.
Principais BacteriosesPrincipais Bacterioses
• Tuberculose  Mycobacterium tuberculosis. (gram positiva)
• Meningite  Neisseria meningitidis. (gram negativa)
• Gonorréia  Neisseria gonorrheae. (gram negativa)
• Cólera  Vibrio cholerae. (gram negativa)
• Leptospirose  Leptospira enterrogans. (gram negativa)
• Antraz  Bacillus anthracis. (gram positiva)
• Botulismo  Clostridium botulinium. (gram positiva)
• Peste Bubônica  Yersinia pestis. (gram positiva)
• Pneumonia  Streptococcus pneumoniae. (gram positiva)
 Diplococcus pneumoniae
BibliografiaBibliografia
• LOPES, Sônia. Bio, Volume 2. 2ªEdição. Editora Saraiva.2003.
• LAURENCE, J. Biologia. Vírus, Unicelulares e Fungos. Módulo 5 –
Ensino Médio. Editora Nova Geração. 2001.
• CHEIDA, Luiz Eduardo. Biologia Integrada. Volume 2. FTD. 2002.
• AMABIS, J. M., MARTHO, G. R. Fundamentos da Biologia Moderna.
Volume Único. 3ª Edição revisada e atualizada. Ed. Moderna.
2002.
• PELCZAR, M. et all. Microbiologia. Volume Um. Editora McGraw-Hill
Ltda. 1980.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reprodução e o reino monera
Reprodução e o reino moneraReprodução e o reino monera
Reprodução e o reino monerafloripa-lucas
 
Reino Monera 2015
Reino Monera 2015Reino Monera 2015
Reino Monera 2015emanuel
 
Tópicos em biotecnologia clonagem
Tópicos em biotecnologia    clonagemTópicos em biotecnologia    clonagem
Tópicos em biotecnologia clonagemMaría Paula B
 
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)NAPNE
 
Biologia 1
Biologia 1Biologia 1
Biologia 1D3xter
 
Pdf reino monera [ sid. ]
Pdf   reino monera [ sid. ]Pdf   reino monera [ sid. ]
Pdf reino monera [ sid. ]Sid Siqueira
 
Virologia - Super super med
Virologia - Super super medVirologia - Super super med
Virologia - Super super medemanuel
 
O reino bactéria e o reino arquea
O reino bactéria e o reino arqueaO reino bactéria e o reino arquea
O reino bactéria e o reino arqueaGlayson Sombra
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologialetyap
 
Polo palmares virus completo
Polo palmares virus completoPolo palmares virus completo
Polo palmares virus completomarciliosilva01
 

Mais procurados (20)

Reprodução e o reino monera
Reprodução e o reino moneraReprodução e o reino monera
Reprodução e o reino monera
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Reino Monera 2015
Reino Monera 2015Reino Monera 2015
Reino Monera 2015
 
Tópicos em biotecnologia clonagem
Tópicos em biotecnologia    clonagemTópicos em biotecnologia    clonagem
Tópicos em biotecnologia clonagem
 
4 monera
4   monera4   monera
4 monera
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Biologia 1
Biologia 1Biologia 1
Biologia 1
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologia
 
Pdf reino monera [ sid. ]
Pdf   reino monera [ sid. ]Pdf   reino monera [ sid. ]
Pdf reino monera [ sid. ]
 
Apresentação bacterias
Apresentação bacteriasApresentação bacterias
Apresentação bacterias
 
2 s aula 3_monera _março_2014
2 s aula 3_monera _março_20142 s aula 3_monera _março_2014
2 s aula 3_monera _março_2014
 
Virologia - Super super med
Virologia - Super super medVirologia - Super super med
Virologia - Super super med
 
O reino bactéria e o reino arquea
O reino bactéria e o reino arqueaO reino bactéria e o reino arquea
O reino bactéria e o reino arquea
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologia
 
Polo palmares virus completo
Polo palmares virus completoPolo palmares virus completo
Polo palmares virus completo
 
Slides monera
Slides moneraSlides monera
Slides monera
 

Semelhante a PROCTOTISTAS

Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino moneraBantim27
 
bacteria - características gerais, importância ecológica
bacteria - características gerais, importância ecológicabacteria - características gerais, importância ecológica
bacteria - características gerais, importância ecológicanatboy51
 
Especialidade de bactérias
Especialidade de bactériasEspecialidade de bactérias
Especialidade de bactériasEd Wilson Santos
 
Aula 05 - Nutrição, metabolismo e reprodução bacteriana (1).pdf
Aula 05 - Nutrição, metabolismo e reprodução bacteriana (1).pdfAula 05 - Nutrição, metabolismo e reprodução bacteriana (1).pdf
Aula 05 - Nutrição, metabolismo e reprodução bacteriana (1).pdfProfYasminBlanco
 
AULA 3 - BACTÉRIAS.pdf
AULA 3 - BACTÉRIAS.pdfAULA 3 - BACTÉRIAS.pdf
AULA 3 - BACTÉRIAS.pdfJordniaMatias2
 
Slide e resumo: Reino monera
Slide e resumo: Reino moneraSlide e resumo: Reino monera
Slide e resumo: Reino moneraRonanzito
 
Bacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elasBacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elasEvandro Batista
 
Aula bacterias e_doencas_associadas
Aula bacterias e_doencas_associadasAula bacterias e_doencas_associadas
Aula bacterias e_doencas_associadasRenato Físico
 

Semelhante a PROCTOTISTAS (20)

Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
bacteria - características gerais, importância ecológica
bacteria - características gerais, importância ecológicabacteria - características gerais, importância ecológica
bacteria - características gerais, importância ecológica
 
bacteria.ppt
bacteria.pptbacteria.ppt
bacteria.ppt
 
bacteria.ppt
bacteria.pptbacteria.ppt
bacteria.ppt
 
Especialidade de bactérias
Especialidade de bactériasEspecialidade de bactérias
Especialidade de bactérias
 
Aula 05 - Nutrição, metabolismo e reprodução bacteriana (1).pdf
Aula 05 - Nutrição, metabolismo e reprodução bacteriana (1).pdfAula 05 - Nutrição, metabolismo e reprodução bacteriana (1).pdf
Aula 05 - Nutrição, metabolismo e reprodução bacteriana (1).pdf
 
Biologia aula 1
Biologia aula 1Biologia aula 1
Biologia aula 1
 
Biologia aula 1
Biologia aula 1Biologia aula 1
Biologia aula 1
 
bacteria.ppt
bacteria.pptbacteria.ppt
bacteria.ppt
 
Monera
MoneraMonera
Monera
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Biologia 1enemexercício
Biologia 1enemexercícioBiologia 1enemexercício
Biologia 1enemexercício
 
Biologia 1
Biologia 1Biologia 1
Biologia 1
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
AULA 3 - BACTÉRIAS.pdf
AULA 3 - BACTÉRIAS.pdfAULA 3 - BACTÉRIAS.pdf
AULA 3 - BACTÉRIAS.pdf
 
Slide e resumo: Reino monera
Slide e resumo: Reino moneraSlide e resumo: Reino monera
Slide e resumo: Reino monera
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
Bacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elasBacterias e as doenças causadas por elas
Bacterias e as doenças causadas por elas
 
Vírus e reino monera[1]
Vírus e reino monera[1]Vírus e reino monera[1]
Vírus e reino monera[1]
 
Aula bacterias e_doencas_associadas
Aula bacterias e_doencas_associadasAula bacterias e_doencas_associadas
Aula bacterias e_doencas_associadas
 

Mais de José Antonio Paniagua

Dogma central da biologia parte 1 videoaula
Dogma central da biologia parte 1 videoaulaDogma central da biologia parte 1 videoaula
Dogma central da biologia parte 1 videoaulaJosé Antonio Paniagua
 
Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016
Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016
Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016José Antonio Paniagua
 
Ligacoes quimicas 9° anos a, b e c 2016
Ligacoes quimicas 9° anos a, b e c 2016Ligacoes quimicas 9° anos a, b e c 2016
Ligacoes quimicas 9° anos a, b e c 2016José Antonio Paniagua
 
Revisão dos capítulos 3 e 4 do livro didático de ciências para recuperação pa...
Revisão dos capítulos 3 e 4 do livro didático de ciências para recuperação pa...Revisão dos capítulos 3 e 4 do livro didático de ciências para recuperação pa...
Revisão dos capítulos 3 e 4 do livro didático de ciências para recuperação pa...José Antonio Paniagua
 
Revisão para recuperação paralela em Ciências da Natureza - 8º anos 2014
Revisão para recuperação paralela em Ciências da Natureza - 8º anos 2014  Revisão para recuperação paralela em Ciências da Natureza - 8º anos 2014
Revisão para recuperação paralela em Ciências da Natureza - 8º anos 2014 José Antonio Paniagua
 
Protagonista da medicina do futuro 2012
Protagonista da medicina do futuro 2012Protagonista da medicina do futuro 2012
Protagonista da medicina do futuro 2012José Antonio Paniagua
 
Recentes avanços moleculares e aspectos genético clínicos em síndrome de down
Recentes avanços moleculares e aspectos genético clínicos em síndrome de downRecentes avanços moleculares e aspectos genético clínicos em síndrome de down
Recentes avanços moleculares e aspectos genético clínicos em síndrome de downJosé Antonio Paniagua
 
Rntc rede nacional de terapia celular 2013
Rntc   rede nacional de terapia celular 2013Rntc   rede nacional de terapia celular 2013
Rntc rede nacional de terapia celular 2013José Antonio Paniagua
 
Associação entre uso de mochilas escolares e escoliose em adolescentes de esc...
Associação entre uso de mochilas escolares e escoliose em adolescentes de esc...Associação entre uso de mochilas escolares e escoliose em adolescentes de esc...
Associação entre uso de mochilas escolares e escoliose em adolescentes de esc...José Antonio Paniagua
 
Apostila Genética para o 3º ano do Ensino Médio 64 pag.
Apostila Genética para o 3º ano do Ensino Médio 64 pag.Apostila Genética para o 3º ano do Ensino Médio 64 pag.
Apostila Genética para o 3º ano do Ensino Médio 64 pag.José Antonio Paniagua
 
Dna de brasileiro é 80% europeu, indica estudo da ucb df
Dna de brasileiro é 80% europeu, indica estudo da ucb dfDna de brasileiro é 80% europeu, indica estudo da ucb df
Dna de brasileiro é 80% europeu, indica estudo da ucb dfJosé Antonio Paniagua
 
Pró reitoria de pós-graduação e pesquisa programa de pós-graduação stricto se...
Pró reitoria de pós-graduação e pesquisa programa de pós-graduação stricto se...Pró reitoria de pós-graduação e pesquisa programa de pós-graduação stricto se...
Pró reitoria de pós-graduação e pesquisa programa de pós-graduação stricto se...José Antonio Paniagua
 

Mais de José Antonio Paniagua (20)

Dogma central da biologia parte 1 videoaula
Dogma central da biologia parte 1 videoaulaDogma central da biologia parte 1 videoaula
Dogma central da biologia parte 1 videoaula
 
Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016
Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016
Vidrarias e Equipamentos de Laboratório de Citologia EEVMF 3º e 2º anos 2016
 
Ligacoes quimicas 9° anos a, b e c 2016
Ligacoes quimicas 9° anos a, b e c 2016Ligacoes quimicas 9° anos a, b e c 2016
Ligacoes quimicas 9° anos a, b e c 2016
 
Exercícios de química
Exercícios de químicaExercícios de química
Exercícios de química
 
Revisão dos capítulos 3 e 4 do livro didático de ciências para recuperação pa...
Revisão dos capítulos 3 e 4 do livro didático de ciências para recuperação pa...Revisão dos capítulos 3 e 4 do livro didático de ciências para recuperação pa...
Revisão dos capítulos 3 e 4 do livro didático de ciências para recuperação pa...
 
Revisão para recuperação paralela em Ciências da Natureza - 8º anos 2014
Revisão para recuperação paralela em Ciências da Natureza - 8º anos 2014  Revisão para recuperação paralela em Ciências da Natureza - 8º anos 2014
Revisão para recuperação paralela em Ciências da Natureza - 8º anos 2014
 
Protagonista da medicina do futuro 2012
Protagonista da medicina do futuro 2012Protagonista da medicina do futuro 2012
Protagonista da medicina do futuro 2012
 
Recentes avanços moleculares e aspectos genético clínicos em síndrome de down
Recentes avanços moleculares e aspectos genético clínicos em síndrome de downRecentes avanços moleculares e aspectos genético clínicos em síndrome de down
Recentes avanços moleculares e aspectos genético clínicos em síndrome de down
 
Rntc rede nacional de terapia celular 2013
Rntc   rede nacional de terapia celular 2013Rntc   rede nacional de terapia celular 2013
Rntc rede nacional de terapia celular 2013
 
Associação entre uso de mochilas escolares e escoliose em adolescentes de esc...
Associação entre uso de mochilas escolares e escoliose em adolescentes de esc...Associação entre uso de mochilas escolares e escoliose em adolescentes de esc...
Associação entre uso de mochilas escolares e escoliose em adolescentes de esc...
 
Apostila Genética para o 3º ano do Ensino Médio 64 pag.
Apostila Genética para o 3º ano do Ensino Médio 64 pag.Apostila Genética para o 3º ano do Ensino Médio 64 pag.
Apostila Genética para o 3º ano do Ensino Médio 64 pag.
 
Dna de brasileiro é 80% europeu, indica estudo da ucb df
Dna de brasileiro é 80% europeu, indica estudo da ucb dfDna de brasileiro é 80% europeu, indica estudo da ucb df
Dna de brasileiro é 80% europeu, indica estudo da ucb df
 
O Esqueleto Humano - Sistema Ósseo
O Esqueleto Humano - Sistema ÓsseoO Esqueleto Humano - Sistema Ósseo
O Esqueleto Humano - Sistema Ósseo
 
Sistema Ósseo
Sistema ÓsseoSistema Ósseo
Sistema Ósseo
 
Sistema muscular e. fundamental . ppt
Sistema muscular e. fundamental . pptSistema muscular e. fundamental . ppt
Sistema muscular e. fundamental . ppt
 
Ligações química
Ligações químicaLigações química
Ligações química
 
Sistema cardivascular
Sistema cardivascularSistema cardivascular
Sistema cardivascular
 
Reino protoctista completo
Reino protoctista completoReino protoctista completo
Reino protoctista completo
 
La referencia jap
La referencia japLa referencia jap
La referencia jap
 
Pró reitoria de pós-graduação e pesquisa programa de pós-graduação stricto se...
Pró reitoria de pós-graduação e pesquisa programa de pós-graduação stricto se...Pró reitoria de pós-graduação e pesquisa programa de pós-graduação stricto se...
Pró reitoria de pós-graduação e pesquisa programa de pós-graduação stricto se...
 

Último

13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxAntonioVieira539017
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................mariagrave
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 

Último (20)

13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptxRENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
RENASCIMENTO E HUMANISMO_QUIZ 7º ANO.pptx
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 

PROCTOTISTAS

  • 1. ReinoReino MoneraMonera Cap. 6 – 1ª SérieCap. 6 – 1ª Série Professora: Alexsandra RibeiroProfessora: Alexsandra Ribeiro
  • 2. Reino MoneraReino Monera • Bactérias e Cianobactérias. • Procariontes. • Apenas ribossomos como organóides. • Revestimento: parede celular e membrana plasmática. • Mesossomo: dobra da membrana onde ocorre produção de energia.
  • 3. Reino MoneraReino Monera • Heterótrofos (decompositores ou parasitas) ou Autótrofos (quimiossíntese e fotossíntese). • Reprodução Assexuada: Cissiparidade ou Bipartição e Gemiparidade ou Brotamento. • Reprodução Sexuada: Conjugação.
  • 4. Tipos de BactériasTipos de Bactérias
  • 5. Parede celularParede celular Bactéria Gram-Positiva Bactéria Gram-Negativa
  • 6. Nutrição BacterianaNutrição Bacteriana HETERÓTROFAS OU HETEROTRÓFICAS • Alimentam-se do alimento que obtém parasitando seres vivos ou decompondo cadáveres. • As bactérias parasitas são responsáveis pelo surgimento de inúmeras infecções em plantas e animais. As bactérias decompositoras são responsáveis pela reciclagem da matéria orgânica na natureza, pois catabolizam (desmancham) as moléculas mais complexas, tornando-as disponíveis na natureza para outras formas de vida. AUTÓTROFAS OU AUTOTRÓFICAS •Algumas bactérias possuem uma proteína, conhecida como bacterioclorofila, que capta a energia da luz para a síntese (fabricação) de glicose, são as bactérias fotossintetizantes: 6 CO2 + 12 H2S + energia da luz → C6H12O6 + 6 H2O + 12 S •Outras bactérias obtêm a energia para a síntese de glicose a partir de reações químicas, nesse caso, dizemos que são quimiossintetizantes: 2 NO-2 + O2 → 2NO-3 + energia (a bactéria oxida o nitrato e obtém energia) 6 CO2 + 12H + energia → C6H12O6 + 6H2O (energia é usada na síntese da glicose)
  • 7. Respiração BacterianaRespiração Bacteriana • Para sobreviver, as bactérias necessitam catabolizar (desmanchar) a glicose para a obtenção da energia acumulada em suas ligações químicas. Isso pode ser feito com ou sem o auxílio do oxigênio. • Respiração anaeróbia ou fermentação: quando se cataboliza a glicose sem o auxílio do oxigênio C6H12O6 → 2 C3H6O3 + energia • Respiração aeróbia: se o catabolismo da glicose é feito com o auxílio de oxigênio C6H12O6 + 6 O2 → + 6 CO2 + 6H2O + energia • A energia obtida é utilizada na regeneração do ADP para ATP. A fermentação fornece cerca de 33 calorias, o suficiente para converter 2 ADPs em ATPs. Já a respiração aeróbia permite a obtenção de aproximadamente 673 calorias, suficientes para converter 63 ADPs em ATPs. Ou seja, o catabolismo da glicose através da respiração aeróbia é muito mais proveitoso. • Existem bactérias que são exclusivamente anaeróbias ou aeróbias, mas existem algumas que, na presença de oxigênio são aeróbias e se ele não estiver presente atuam como anaeróbias, são chamadas de anaeróbias facultativas.
  • 8. Reprodução BacterianaReprodução Bacteriana • Reprodução assexuada - A forma de reprodução mais comum entre as bactérias é a bipartição ou cissiparidade. É muito simples: quando o ambiente está favorável, isto é, as condições de sobrevivência são boas, ocorre a duplicação do material genético bacteriano e a divisão da célula em duas. Isso permite que algumas bactérias se dividam a cada 10 minutos!
  • 9. Reprodução BacterianaReprodução Bacteriana • Quando o ambiente está desfavorável à bactéria pode utilizar essa forma de reprodução para originar esporos (constituídos pelo material genético da bactéria envolto pela membrana plasmática e uma capa protetora), que lhes permite permanecer em latência durante períodos prolongados, até que as condições favoráveis se restabeleçam. Os esporos são resistentes à falta de umidade, temperaturas elevadas, radiação ultravioleta (em pequenas quantidades) e substâncias químicas, como o álcool. Isso acontece com o vírus da hepatite, por exemplo, e por isso causa uma grande preocupação nos profissionais da saúde, que buscam formas para garantir sua total eliminação do ambiente, para que um paciente com hepatite não contamine as outras pessoas que venham ao serviço de saúde. Bacillus anthracis - os esporos são esféricos e a forma vegetativa, em forma de bastão.
  • 10. Reprodução BacterianaReprodução Bacteriana • Reprodução SEXUADA pode ocorrer com a transferência ou a incorporação de material genético, três tipos: • TRANSFORMAÇÃO  Quando uma bactéria absorve e incorpora fragmentos de material genético do meio. Ao reproduzir-se a bactéria passa a enviar também esse material genético às células filhas. • TRANSDUÇÃO  Ocorre auxiliada pela ação viral. O vírus, ao multiplicar-se dentro de uma bactéria pode encapsular fragmentos de DNA bacteriano e introduzi-lo em outra bactéria. Ao reproduzir-se a bactéria passa a enviar também esse material genético para as células filhas.
  • 11. Reprodução BacterianaReprodução Bacteriana • CONJUGAÇÃO  Quando ocorre a união citoplasmática entre bactérias, através de pequenas ligações (pontes). O DNA de uma bactéria é transferido à outra, que o incorpora. Isso normalmente ocorre com os plasmídeos (a bactéria portadora do plasmídeo transmite uma cópia à outra) - dessa forma uma bactéria resistente a um determinado antibiótico pode transmitir essa resistência às demais bactérias. Ao reproduzir-se a bactéria passa a enviar também esse material genético para as células-filhas. Bactérias efetuando a conjugação
  • 12. Importância das BactériasImportância das Bactérias  As bactérias representam a maior parte do material vivo deste planeta e também possuem capacidade extraordinária de reprodução. Deduz-se, portanto, que são as responsáveis pela maior parte das trocas químicas realizadas entre os seres vivos e o planeta.  Elas desmancham as fezes e os cadáveres, devolvendo ao meio ambiente as moléculas que estavam na estrutura do organismo desses seres e na composição desses dejetos. Essa reciclagem fertiliza o solo e garante a continuidade da vida. Algumas bactérias podem fixar o nitrogênio atmosférico (N2) em suas estruturas celulares. Outras liberam nitratos (NO-3 ) no solo, fertilizando-o. Veja o exemplo das bactérias do gênero Rhizobium, que vivem dentro das raízes das plantas leguminosas, fixam o nitrogênio atmosférico e fornecem compostos nitrogenados a essas plantas.
  • 13. Importância das BactériasImportância das Bactérias  A indústria farmacêutica utiliza bactérias para a produção de antibióticos e vitaminas. A indústria química emprega as bactérias na produção de acetona, metanol, butanol e outros.  Os processos de tratamento de esgotos também utilizam as bactérias (anaeróbicas) no processo de degradação dos resíduos orgânicos. Nas usinas de reciclagem de lixo, são utilizadas na produção de adubos de compostagem. Atualmente há pesquisas para o desenvolvimento de bactérias que decomponham plásticos e outros derivados de petróleo. Antibiograma: em uma cultura de bactérias são colocados pequenos pedacinhos de papel contendo diferentes tipos e concentrações de antibióticos. Procura-se aqueles que tiveram o efeito mais significativo (maior halo de inibição).
  • 14. Importância das BactériasImportância das Bactérias  A moderna biotecnologia permitiu a modificação do material genético de algumas bactérias, fazendo com que elas passassem a produzir insulina para o tratamento da diabetes.  Até a cirurgia plástica faz uso das bactérias. A toxina botulínica, produzida pelas bactérias da espécie Clostridium botulinum tem a capacidade de paralisar a musculatura, relaxando-a. É conhecida pelo nome comercial de Botox, muito usada pelos cirurgiões plásticos, em pequenas quantidades, para a atenuação de rugas e marcas de expressão e também para o tratamento de pessoas com paralisia cerebral.  Podem ser usadas na produção de alimentos (Streptococcus e Lactobacillus - na produção de iogurtes, queijos, leites fermentados e outros; Corynebacterium produz o ácido glutâmico ou glutamato monossódico, vendido comercialmente como aji-no-moto; Acetobacter transforma o vinho em vinagre) e bebidas. Clostridium botulinum - produtor da toxina botulínica (Botox)
  • 15. VACINAÇÃOVACINAÇÃO • É produzida a partir de partes da bactéria ou de bactérias enfraquecidas inativas, capazes de estimular nosso sistema imunológico a produzir anticorpos. • Dentre as vacinas mais usadas estão: a tríplice bacteriana (DPT, composta por toxinas atenuadas do tétano e da difteria e bacilo morto encapsulado da coqueluche) e BCG (Bacilo Calmette e Guerin, uma cepa enfraquecida do bacilo da tuberculose) • Se não tivermos sucesso na prevenção das doenças bacterianas, teremos que usar medicamentos específicos para destruir as bactérias, que são os antibióticos.
  • 16. Na tabela abaixo, válida para todo território nacional, indica, de formaNa tabela abaixo, válida para todo território nacional, indica, de forma resumida, em que idade cada vacina obrigatória deve ser aplicada.resumida, em que idade cada vacina obrigatória deve ser aplicada. Grupo / Idade Vacinas Ao nascer1 BCG (contra a Tuberculose) + vacina contra a hepatite B (VHB) 11 mês Contra a hepatite B (VHB)2 2 meses Tríplice bacteriana (DTP – contra Difteria , tétano e coqueluche) + contra a poliomielite (OPV) 4 meses Tríplice bacteriana (DTP) + contra a poliomielite (OPV) 6 meses Tríplice bacteriana (DTP) + contra a poliomielite (OPV) + contra a hepatite B (VHB) + contra a febre amarela (FA) 9 meses Contra o Sarampo (VSPO) 12 meses Tríplice viral (TV – contra sarampo, rubéola e caxumba) 15 meses Tríplice bacteriana (DTP) + contra a poliomielite (OPV) 10 a 11 anos3 Contra a febre amarela (FA) + dupla adulto (DT – contra tétano)4 Puerpera Contra a rubéola (VCR)5 Fonte: Programa Nacional de Imunizações: 25 anos. Brasília: Ministério da Saúde, 1998. pl41. 1-Caso a vacina BCG não tenha sido administrada na maternidade (primeiros dias de vida), aplicar na primeira visita ao serviço de saúde juntamente com a VHB. 2- Operacionalmente a segunda dose da VHB poderá ser administrada aos dois meses de idade, juntamente com a DTP e a OPV. 3- Reforço de dez em dez anos durante toda a vida. 4- Em gestantes e nos casos de ferimentos graves, o reforço será administrado cinco anos depois da última dose. 5- Caso a VCR não tenha sido aplicado na puerpera, na maternidade, administrá-la na primeira visita ao serviço de saúde.
  • 17. ANTIBIÓTICOSANTIBIÓTICOS • Medicamentos produzidos especificamente para atuar nas células bacterianas, impedindo sua reprodução (bacteriostáticos) ou destruindo-as (bactericida). • Um dos exames mais importantes (e menos realizado!) para a definição do tratamento de uma doença bacteriana é o antibiograma, que consiste em cultivar as bactérias que causam a doença na pessoa e testar qual antibiótico é mais efetivo para o tratamento. Mycobacterium tuberculosis coletado no escarro de um doente de tuberculose
  • 18. Algas CianofíceasAlgas Cianofíceas • O Conceito As algas cianofíceas também são chamadas de algas azuis. Estão entre os seres vivos mais comuns que podem ser encontrados nas águas dos lagos, rios e oceanos. • Estrutura Celular É semelhante à das bactérias, com a presença da clorofila do tipo A, que pode ficar solta no citoplasma ou apoiada sobre membranas em camadas (lamelas). Estrutura celular de uma cianofícea
  • 19. Algas CianofíceasAlgas Cianofíceas  Nutrição • As cianofíceas são autótrofas e fazem o processo da fotossíntese: 6 CO2 + 12 H20 + energia da luz → C6H12O6 + 6 O2 • O resíduo da fotossíntese é o gás oxigênio (O2), cujo excedente (pois as algas azuis fazem respiração aeróbia), se mistura com a água e a atmosfera, repondo o consumo dos demais seres aeróbios e da combustão dos combustíveis. • São responsáveis pela produção de quase todo Oxigênio presente na atmosfera terrestre.  Reprodução • A grande maioria das cianofíceas reproduz-se de forma assexuada, por bipartição ou cissiparidade. • As colônias filamentosas de algas podem reproduzir-se assexuadamente por um processo chamado de hormogonia: pequenos fragmentos da colônia se separam, formando novos filamentos coloniais. • Em condições desfavoráveis as cianofíceas formam os acinetos, semelhantes aos esporos das bactérias.
  • 20. Importância das algas cianofíceasImportância das algas cianofíceas As cianofíceas podem ser encontradas na água doce, salgada ou salobra, no solo úmido, sobre a casca de árvores, rochas ou até mesmo em fontes termais com temperatura superior a 80ºC! Assim como certas bactérias, elas também possuem a capacidade de fixar o nitrogênio do ar (N2), transformando em nitratos (NO-3 ), fertilizando o solo e as águas dos oceanos, rios e lagos. Cianobactéria filamentosa formando colônias. As cianofíceas possuem uma extraordinária capacidade de adaptação aos mais diversos tipos de ambientes, por isso constituem-se excelentes colonizadores de ambientes.
  • 21. Principais BacteriosesPrincipais Bacterioses • Coqueluche  Bordetella pertussis. • Difteria ou Crupe  Corynebacterium diphteriae. (gram positiva) • Tétano  Clostridium tetani. (gram positiva) • Febre tifóide  Salmonella typhi. (gram negativa) • Sífilis  Treponema pallidum. • Hanseníase ou Lepra  Mycobacterium leprae. (gram positiva) • Gastrites  Helicobacter pylori. (gram negativa) • Febre Q  Coxiella burnetti • Febre Maculosa  Rickettsia rickettsii • Disenteria bacilar  Shigella sp. • Gastroenterites  Salmonella sp.
  • 22. Principais BacteriosesPrincipais Bacterioses • Tuberculose  Mycobacterium tuberculosis. (gram positiva) • Meningite  Neisseria meningitidis. (gram negativa) • Gonorréia  Neisseria gonorrheae. (gram negativa) • Cólera  Vibrio cholerae. (gram negativa) • Leptospirose  Leptospira enterrogans. (gram negativa) • Antraz  Bacillus anthracis. (gram positiva) • Botulismo  Clostridium botulinium. (gram positiva) • Peste Bubônica  Yersinia pestis. (gram positiva) • Pneumonia  Streptococcus pneumoniae. (gram positiva)  Diplococcus pneumoniae
  • 23. BibliografiaBibliografia • LOPES, Sônia. Bio, Volume 2. 2ªEdição. Editora Saraiva.2003. • LAURENCE, J. Biologia. Vírus, Unicelulares e Fungos. Módulo 5 – Ensino Médio. Editora Nova Geração. 2001. • CHEIDA, Luiz Eduardo. Biologia Integrada. Volume 2. FTD. 2002. • AMABIS, J. M., MARTHO, G. R. Fundamentos da Biologia Moderna. Volume Único. 3ª Edição revisada e atualizada. Ed. Moderna. 2002. • PELCZAR, M. et all. Microbiologia. Volume Um. Editora McGraw-Hill Ltda. 1980.