SlideShare uma empresa Scribd logo
Estado de Alagoas
Prefeitura Municipal de Santana do Ipanema
Secretaria Municipal de Saúde
Núcleo de Promoção da Saúde – NUPS
Departamento de Atenção Básica - DAB
PLANO DE INSTRUMENTALIZAÇÃO
Santana do Ipanema
Abril de 2013
Prefeito Municipal
JOSÉ MÁRIO DA SILVA
Vice-Prefeito Municipal
ADENILSON OLIVEIRA
Secretária Municipal de Saúde
PETRÚCIA MARIA DE MATOS
Coordenação do NUPS
MARIA JOSÉ SILVA GUIMARÃES
Coordenação de Atenção à Saúde
MARIA APARECIDA DE ALBUQUERQUE RAMALHO
Equipe Técnica
JOÃO PAULO MENDES
Técnico da Promoção da Saúde
OTÁVIO SEVERINO BARBOSA SOUZA
Assistente Administrativo
SUMÁRIO
Introdução............................................................................................... 01
Objetivos................................................................................................ 02
Justificativa........................................................................................... 03
Metodologia............................................................................................ 04
Cronograma............................................................................................ 05
Recursos................................................................................................. 06
Orçamento............................................................................................... 07
Avaliação................................................................................................. 08
Referências............................................................................................. 09
1
I – INTRODUÇÃO
A Hipertensão Arterial é uma doença caracterizada pela elevação da
pressão exercida pelo sangue sobre os vasos arteriais, que levam a complicações
sobre os chamados órgãos alvos, que são os rins, cérebro, olho e o próprio coração.
Cifras superiores a 130/80 medidas por um aparelho de pressão
adequado sobre o braço já são consideradas anormais.
A Hipertensão é a causadora de 40% dos derrames cerebrais e 25% dos
Infartos do coração, participando efetivamente dos 37% de óbitos no Brasil
relacionados com as doenças cardiovasculares. Cifras superiores a 115/75mmHg já
são causadoras de elevação da mortalidade . Os fatores de risco para Hipertensão são
o excesso do consumo de sal, obesidade, sedentarismo, alcoolismo e
preponderantemente o fator hereditário. A hipertensão por tratar-se de uma doença
sistêmica, isto é, atinge vários órgãos podendo levar a complicações e danos
irreversíveis ao doente.
No coração ela pode levar ao surgimento de Hipertrofia Ventricular, que é
o aumento da espessura do músculo cardíaco, que passa a necessitar de maior aporte
sanguíneo devido à força exagerada que tem de realizar para vencer a barreira imposta
pela Pressão Alta. Este mecanismo leva a um descontrole entre a oferta e a
necessidade de oxigênio pelas células cardíacas, aumentando o risco de um Infarto e
levando a uma rigidez da musculatura cardíaca, fenômeno conhecido como Alteração
do Relaxamento.
Preocupada com o descontrole do acompanhamento e detecção precoce
de pacientes portadores de Hipertensão Arterial a Secretaria Municipal de Saúde de
Santana do Ipanema, através das Coordenações de Atenção Primária à Saúde e
Núcleo de Promoção da Saúde elaborou este Plano de Instrumentalização, propondo
que através de uma capacitação para os Agentes Comunitários de Saúde das Zonas
rural e urbana, sendo ministrada pela Coordenação de Atenção Básica e auxiliada pela
Coordenação de Promoção da Saúde somando esforços de todos os envolvidos com
essa grave situação de saúde pública, buscando a reorganização da atenção básica,
tendo como estratégias principais a prevenção dessas doenças, suas complicações e a
promoção da saúde, objetivando, assim, uma melhor qualidade de vida.
2
II - OBJETIVOS:
II.I - OBJETIVO GERAL:
O objetivo do Plano de Instrumentalização é buscar melhores resultados no
trabalho dos Agentes Comunitários de Saúde, a partir da capacitação sobre a
Hipertensão Arterial e suas complicações, diagnóstico e tratamento, almejando
condições adequadas de saúde e maior autonomia e satisfação de usuários,
fazendo com que haja mudança no processo de trabalho, envolvendo maior
valorização da comunicação e dos espaços de participação, do trabalho em
equipe, das parcerias, do uso de dispositivos de qualificação, a escuta e os
projetos terapêuticos, da produção e apropriação coletiva de instrumentos, como
mapas clínicos e organizacionais, do uso da informação e ferramentas do
planejamento, do monitoramento e avaliação das intervenções
II.II - OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
Instrumentalizar e estimular os Agentes Comunitários de Saúde - ACS da
Estratégia de Saúde da Família – ESF e Programa de Agentes Comunitários de
Saúde – PACS abarcados na Atenção Básica, para que promovam medidas
coletivas e individuais de prevenção primária, enfocando os fatores de risco
advindos da Hipertensão Arterial;
Orientar e sistematizar medidas de prevenção, detecção, controle e vinculação
dos hipertensos e inseridos e acompanhados pela atenção básica;
Reconhecer as situações que requerem atendimento na Rede Especializada de
Saúde;
Reconhecer as complicações da HA, possibilitando as reabilitações psicológica,
física e social dos portadores de implicações por HA e com o auxilio dos
profissionais de nível superior, encaminhá-los ao NASF ou outras instituições
existente no município.
3
III – JUSTIFICATIVA
A Hipertensão Arterial por ser multicausal e multifatorial e por não acarretar
frequentemente qualquer sintoma aos pacientes, por envolver orientações voltadas
para vários objetivos, o sucesso da consecução dessas metas é bastante limitado
quando decorre da ação de um único profissional. Pois, objetivos múltiplos no
tratamento e acompanhamento dos pacientes hipertensos exigem diferentes
abordagens e a participação dos Agentes Comunitários de Saúde nesse processo irá
proporcionar ações diferenciadas no acompanhamento dos mesmos.
Tratar e até mesmo prevenir a hipertensão arterial envolve,
fundamentalmente. Ensinamentos para que se processem mudanças dos hábitos de
vida, tanto no que se refere ao tratamento não-medicamentoso quanto ao tratamento
com agentes anti-hipertensivos. A consecução dessas mudanças é lenta e, na maioria
das vezes, penosa e por serem medidas educativas, necessitam continuidade em sua
implementação.
É considerado exatamente esse aspecto que o trabalho dos Agentes
Comunitários de Saúde, ao invés do médico ou enfermeiro isoladamente, poderá dar
aos pacientes e à comunidade uma gama muito maior de informações, procurando
torná-los participantes ativos das ações que a eles estarão sendo dirigidas, e com
motivação suficiente para vencer o desafio de adotar atitudes que tornem essas ações
efetivas e definitivas.
4
IV - METODOLOGIA
Sem a pretensão de contemplar todos os aspectos que envolvem a
patologia, esta proposta, pretende ao menos abordar suas características mais
relevantes, orientando as ações desenvolvidas pelas equipes de saúde, com o objetivo
de aperfeiçoar recursos dentro de critérios científicos.
A abordagem conjunta das coordenações de Promoção da Saúde e
Atenção Primária à Saúde justifica- se pela apresentação dos fatores comuns e dos
condicionantes que agrava ou influi em seu acometimento, legitimando a importância
da cooperação para efetivamente melhorar a saúde dos portadores de Hipertensão
Arterial.
A metodologia parte da análise dos indicadores do Sistema de Informação
da Atenção Básica – SIAB e do Sistema de Acompanhamento do Hipertenso e
Diabético – HIPERDIA, sendo que sua abordagem didática dar-se-á em conjunto com
os técnicos idealizadores da proposta, assim, além de abordar a doença, causas e
fatores; deverá contemplar os seguintes eixos da Política Nacional de Promoção da
Saúde – NUPS:
- Promoção da Alimentação Saudável
- Promoção de Atividade Física
- Prevenção e Controle do Tabagismo
5
V - CRONOGRAMA DE ATIVIDADES
Período: DEFINIR com a COORDENAÇÂO
DIA/MES/ANO LOCAL TEMA - TURNO RESPONSÁVEL
CARGA
HORÁRIA
1º
CENTRO
HIPERTENSÃO
MANHÃ - ACS
ZONA RURAL
NUPS - DAB 6H
1º
CENTRO
HIPERTENSÃO
TARDE - ACS
ZONA URBANA
NUPS - DAB 6H
6
VI – RECURSOS HUMANOS
A operacionalização do respectivo Plano de Instrumentalização ficará a
cargo das equipes: Departamento de Atenção Básica à Saúde e Núcleo de Promoção
da Saúde – NUPS e, será dirigida pela equipe multidisciplinar de profissionais como:
Enfermeiros, Nutricionista e Pedagogo (este no auxilio didático, para efetivação do
aprendizado)
VII – RECURSOS MATERIAIS:
Computador, data show, papel, caneta, oficio, convites, pranchas, pasta
classificadora, ficha de leitura, cartazes.
7
VIII - ORÇAMENTO
Os custos para execução desta proposta serão financiados com Recursos
Próprios da Secretaria Municipal de Saúde.
Material/Serviço Custo
Papel Sulfite A4 R$ 50,00
Cartucho para Impressora R$ 30,00
Pasta Classificadora p/ 87 participantes
Material Educativo (Panfleto de Hipertensão) R$ 250,00
Cooffee Break p/ 90 participantes
Total R$ 400,00
8
IX - AVALIAÇÃO
Será considerado satisfatório se for cumprido o cronograma previsto e
mantida a participação ativa dos atores sociais deste processo de construção, em prol
da formação de valores na melhoria das condições de saúde nas comunidades.
10
X - REFERÊNCIA
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Ações
Programáticas Estratégicas.Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e
ao diabetes mellitus: hipertensão arterial e diabetes mellitus / Departamento de Ações
Programáticas Estratégicas. – Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaRuth Milhomem
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoLaíz Coutinho
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Luis Dantas
 
Ações do Programa Saúde na Escola (PSE)
Ações do Programa Saúde na Escola (PSE)Ações do Programa Saúde na Escola (PSE)
Ações do Programa Saúde na Escola (PSE)Adriano Monteiro
 
O trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúdeO trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúdeAlinebrauna Brauna
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaMario Gandra
 
A politica nacional_de_atenção_a_saude_do_homem_validacao_avasus
A politica nacional_de_atenção_a_saude_do_homem_validacao_avasusA politica nacional_de_atenção_a_saude_do_homem_validacao_avasus
A politica nacional_de_atenção_a_saude_do_homem_validacao_avasussedis-suporte
 
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos IdososPoliticas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos IdososDany Romeira
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)apemfc
 
Politica de atencao_integral_a_saude_da_pessoa_idosa_no_sussp_2010
Politica de atencao_integral_a_saude_da_pessoa_idosa_no_sussp_2010Politica de atencao_integral_a_saude_da_pessoa_idosa_no_sussp_2010
Politica de atencao_integral_a_saude_da_pessoa_idosa_no_sussp_2010Joaquim Wilmar
 
FINANCIAMENTO DO SUS.pptx
FINANCIAMENTO DO SUS.pptxFINANCIAMENTO DO SUS.pptx
FINANCIAMENTO DO SUS.pptxssuser51d27c1
 
Anexo 8-profissão-de-serviço-social
Anexo 8-profissão-de-serviço-socialAnexo 8-profissão-de-serviço-social
Anexo 8-profissão-de-serviço-socialRosane Domingues
 
Programa saúde na escola–pse.ppt
Programa saúde na escola–pse.pptPrograma saúde na escola–pse.ppt
Programa saúde na escola–pse.pptSMEdeItabaianinha
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familiakarensuelen
 

Mais procurados (20)

Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
Saúde do idoso
Saúde do idosoSaúde do idoso
Saúde do idoso
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Enfermagem do idoso
Enfermagem do idosoEnfermagem do idoso
Enfermagem do idoso
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso
 
Ações do Programa Saúde na Escola (PSE)
Ações do Programa Saúde na Escola (PSE)Ações do Programa Saúde na Escola (PSE)
Ações do Programa Saúde na Escola (PSE)
 
Conceitos e ferramentas da Epidemiologia
Conceitos e ferramentas da EpidemiologiaConceitos e ferramentas da Epidemiologia
Conceitos e ferramentas da Epidemiologia
 
O trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúdeO trabalho do agente comunitário de saúde
O trabalho do agente comunitário de saúde
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
 
Visita domiciliar
Visita domiciliarVisita domiciliar
Visita domiciliar
 
Idoso
IdosoIdoso
Idoso
 
A politica nacional_de_atenção_a_saude_do_homem_validacao_avasus
A politica nacional_de_atenção_a_saude_do_homem_validacao_avasusA politica nacional_de_atenção_a_saude_do_homem_validacao_avasus
A politica nacional_de_atenção_a_saude_do_homem_validacao_avasus
 
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos IdososPoliticas públicas e Direitos dos Idosos
Politicas públicas e Direitos dos Idosos
 
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
Política Nacional de Atenção Básica (PNAB)
 
Politica de atencao_integral_a_saude_da_pessoa_idosa_no_sussp_2010
Politica de atencao_integral_a_saude_da_pessoa_idosa_no_sussp_2010Politica de atencao_integral_a_saude_da_pessoa_idosa_no_sussp_2010
Politica de atencao_integral_a_saude_da_pessoa_idosa_no_sussp_2010
 
FINANCIAMENTO DO SUS.pptx
FINANCIAMENTO DO SUS.pptxFINANCIAMENTO DO SUS.pptx
FINANCIAMENTO DO SUS.pptx
 
Anexo 8-profissão-de-serviço-social
Anexo 8-profissão-de-serviço-socialAnexo 8-profissão-de-serviço-social
Anexo 8-profissão-de-serviço-social
 
Programa saúde na escola–pse.ppt
Programa saúde na escola–pse.pptPrograma saúde na escola–pse.ppt
Programa saúde na escola–pse.ppt
 
Saude da familia
Saude da familiaSaude da familia
Saude da familia
 

Destaque

Hipertensão arterial powerpoint
Hipertensão arterial   powerpoint Hipertensão arterial   powerpoint
Hipertensão arterial powerpoint AnaRitaPinheiro
 
Plano de aula do tabagismo
Plano de aula do tabagismoPlano de aula do tabagismo
Plano de aula do tabagismodeborapeti
 
Projeto pressão arterial alta
Projeto pressão arterial altaProjeto pressão arterial alta
Projeto pressão arterial altaLeonidaSiewerdt
 
Dia mundial de combate a hipertensão
Dia mundial de combate a hipertensãoDia mundial de combate a hipertensão
Dia mundial de combate a hipertensãoThiago Gacciona
 
Plano de aula Ciências
Plano de aula CiênciasPlano de aula Ciências
Plano de aula CiênciasFLÁVIA DUARTE
 
Modelo de projeto ação educativa
Modelo de projeto ação educativaModelo de projeto ação educativa
Modelo de projeto ação educativarosa07
 
História da Vida e da Terra
História da Vida e da TerraHistória da Vida e da Terra
História da Vida e da Terracpfss
 
3 programas atencao_saude[1]
3 programas atencao_saude[1]3 programas atencao_saude[1]
3 programas atencao_saude[1]Bruna Larissa
 
Revisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão ArterialRevisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão ArterialCassyano Correr
 
Diabetes e hipertensao
Diabetes e hipertensaoDiabetes e hipertensao
Diabetes e hipertensaoLiryLima
 
Plano de aula 7 aves e mamiferos
Plano de aula 7 aves e mamiferosPlano de aula 7 aves e mamiferos
Plano de aula 7 aves e mamiferosfamiliaestagio
 
Trabalho hipertensão arterial 1
Trabalho   hipertensão arterial 1Trabalho   hipertensão arterial 1
Trabalho hipertensão arterial 1R.C.T
 
Palestra Nutrição na Hipertensão
Palestra Nutrição na HipertensãoPalestra Nutrição na Hipertensão
Palestra Nutrição na HipertensãoJuliana Nólibos
 

Destaque (20)

Hipertensao Arterial
Hipertensao ArterialHipertensao Arterial
Hipertensao Arterial
 
Hipertensão arterial powerpoint
Hipertensão arterial   powerpoint Hipertensão arterial   powerpoint
Hipertensão arterial powerpoint
 
Plano de aula do tabagismo
Plano de aula do tabagismoPlano de aula do tabagismo
Plano de aula do tabagismo
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
 
Plano de aula 1 alana
Plano de aula 1   alanaPlano de aula 1   alana
Plano de aula 1 alana
 
Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterial
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica
 
Projeto pressão arterial alta
Projeto pressão arterial altaProjeto pressão arterial alta
Projeto pressão arterial alta
 
Dia mundial de combate a hipertensão
Dia mundial de combate a hipertensãoDia mundial de combate a hipertensão
Dia mundial de combate a hipertensão
 
Plano de aula Ciências
Plano de aula CiênciasPlano de aula Ciências
Plano de aula Ciências
 
Modelo de projeto ação educativa
Modelo de projeto ação educativaModelo de projeto ação educativa
Modelo de projeto ação educativa
 
História da Vida e da Terra
História da Vida e da TerraHistória da Vida e da Terra
História da Vida e da Terra
 
3 programas atencao_saude[1]
3 programas atencao_saude[1]3 programas atencao_saude[1]
3 programas atencao_saude[1]
 
Revisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão ArterialRevisão sobre Hipertensão Arterial
Revisão sobre Hipertensão Arterial
 
Diabetes e hipertensao
Diabetes e hipertensaoDiabetes e hipertensao
Diabetes e hipertensao
 
Planos de aula
Planos de aulaPlanos de aula
Planos de aula
 
Plano de aula 7 aves e mamiferos
Plano de aula 7 aves e mamiferosPlano de aula 7 aves e mamiferos
Plano de aula 7 aves e mamiferos
 
Plano de aula I
Plano de aula IPlano de aula I
Plano de aula I
 
Trabalho hipertensão arterial 1
Trabalho   hipertensão arterial 1Trabalho   hipertensão arterial 1
Trabalho hipertensão arterial 1
 
Palestra Nutrição na Hipertensão
Palestra Nutrição na HipertensãoPalestra Nutrição na Hipertensão
Palestra Nutrição na Hipertensão
 

Semelhante a Plano de sensibilização hipertensão

Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdfGiza Carla Nitz
 
Plano municipal de saúde 2010 2013
Plano municipal de saúde 2010 2013Plano municipal de saúde 2010 2013
Plano municipal de saúde 2010 2013Iranildo Ribeiro
 
Trabalho plano municipal
Trabalho plano municipalTrabalho plano municipal
Trabalho plano municipalBi_Oliveira
 
0370-L - Cadernos de atenção básica nº 7 - Hipertensão arterial sistêmica – H...
0370-L - Cadernos de atenção básica nº 7 - Hipertensão arterial sistêmica – H...0370-L - Cadernos de atenção básica nº 7 - Hipertensão arterial sistêmica – H...
0370-L - Cadernos de atenção básica nº 7 - Hipertensão arterial sistêmica – H...bibliotecasaude
 
Atenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de OsórioAtenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de OsórioEduc&Saude
 
Promocaosaude políticas
Promocaosaude políticasPromocaosaude políticas
Promocaosaude políticasMarcos Nery
 
Pns2012 2015 07jun
Pns2012 2015 07junPns2012 2015 07jun
Pns2012 2015 07juntccardoso
 
1.manual orientacao formulacao_acoes
1.manual orientacao formulacao_acoes1.manual orientacao formulacao_acoes
1.manual orientacao formulacao_acoesRegiany Prata
 
Pronutri sicnut-vd
Pronutri sicnut-vdPronutri sicnut-vd
Pronutri sicnut-vdMab Davilla
 
Relatório Hiperdia
Relatório HiperdiaRelatório Hiperdia
Relatório HiperdiaJayne Moura
 
Hipertensão arterial e_saúde_bucal_
Hipertensão arterial e_saúde_bucal_Hipertensão arterial e_saúde_bucal_
Hipertensão arterial e_saúde_bucal_sedis-suporte
 
Auditoria, Controle e Programação dos Serviços de Saúde
Auditoria, Controle e Programação dos Serviços de SaúdeAuditoria, Controle e Programação dos Serviços de Saúde
Auditoria, Controle e Programação dos Serviços de SaúdeHelenice Alexandrino
 

Semelhante a Plano de sensibilização hipertensão (20)

Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
 
Plano municipal de saúde 2010 2013
Plano municipal de saúde 2010 2013Plano municipal de saúde 2010 2013
Plano municipal de saúde 2010 2013
 
Trabalho plano municipal
Trabalho plano municipalTrabalho plano municipal
Trabalho plano municipal
 
0370-L - Cadernos de atenção básica nº 7 - Hipertensão arterial sistêmica – H...
0370-L - Cadernos de atenção básica nº 7 - Hipertensão arterial sistêmica – H...0370-L - Cadernos de atenção básica nº 7 - Hipertensão arterial sistêmica – H...
0370-L - Cadernos de atenção básica nº 7 - Hipertensão arterial sistêmica – H...
 
Atenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de OsórioAtenção básica no município de Osório
Atenção básica no município de Osório
 
Promocaosaude políticas
Promocaosaude políticasPromocaosaude políticas
Promocaosaude políticas
 
Pns2012 2015 07jun
Pns2012 2015 07junPns2012 2015 07jun
Pns2012 2015 07jun
 
1.manual orientacao formulacao_acoes
1.manual orientacao formulacao_acoes1.manual orientacao formulacao_acoes
1.manual orientacao formulacao_acoes
 
Homero_Saude_bucal
Homero_Saude_bucalHomero_Saude_bucal
Homero_Saude_bucal
 
CNS_Setembro2023 (1).pdf
CNS_Setembro2023 (1).pdfCNS_Setembro2023 (1).pdf
CNS_Setembro2023 (1).pdf
 
Amaq nasf (1)
Amaq nasf (1)Amaq nasf (1)
Amaq nasf (1)
 
Pronutri sicnut-vd
Pronutri sicnut-vdPronutri sicnut-vd
Pronutri sicnut-vd
 
Relatório Hiperdia
Relatório HiperdiaRelatório Hiperdia
Relatório Hiperdia
 
SAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptxSAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptx
 
SAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptxSAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptx
 
Hipertensão arterial e_saúde_bucal_
Hipertensão arterial e_saúde_bucal_Hipertensão arterial e_saúde_bucal_
Hipertensão arterial e_saúde_bucal_
 
Serviços
ServiçosServiços
Serviços
 
VIGILÂNCIA EM SAÚDE
VIGILÂNCIA EM SAÚDEVIGILÂNCIA EM SAÚDE
VIGILÂNCIA EM SAÚDE
 
Linha guiatuberculose
Linha guiatuberculoseLinha guiatuberculose
Linha guiatuberculose
 
Auditoria, Controle e Programação dos Serviços de Saúde
Auditoria, Controle e Programação dos Serviços de SaúdeAuditoria, Controle e Programação dos Serviços de Saúde
Auditoria, Controle e Programação dos Serviços de Saúde
 

Último

Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaComando Resgatai
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40vitoriaalyce2011
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédioifbauab
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 

Último (20)

Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 

Plano de sensibilização hipertensão

  • 1. Estado de Alagoas Prefeitura Municipal de Santana do Ipanema Secretaria Municipal de Saúde Núcleo de Promoção da Saúde – NUPS Departamento de Atenção Básica - DAB PLANO DE INSTRUMENTALIZAÇÃO Santana do Ipanema Abril de 2013
  • 2. Prefeito Municipal JOSÉ MÁRIO DA SILVA Vice-Prefeito Municipal ADENILSON OLIVEIRA Secretária Municipal de Saúde PETRÚCIA MARIA DE MATOS Coordenação do NUPS MARIA JOSÉ SILVA GUIMARÃES Coordenação de Atenção à Saúde MARIA APARECIDA DE ALBUQUERQUE RAMALHO Equipe Técnica JOÃO PAULO MENDES Técnico da Promoção da Saúde OTÁVIO SEVERINO BARBOSA SOUZA Assistente Administrativo
  • 3. SUMÁRIO Introdução............................................................................................... 01 Objetivos................................................................................................ 02 Justificativa........................................................................................... 03 Metodologia............................................................................................ 04 Cronograma............................................................................................ 05 Recursos................................................................................................. 06 Orçamento............................................................................................... 07 Avaliação................................................................................................. 08 Referências............................................................................................. 09
  • 4. 1 I – INTRODUÇÃO A Hipertensão Arterial é uma doença caracterizada pela elevação da pressão exercida pelo sangue sobre os vasos arteriais, que levam a complicações sobre os chamados órgãos alvos, que são os rins, cérebro, olho e o próprio coração. Cifras superiores a 130/80 medidas por um aparelho de pressão adequado sobre o braço já são consideradas anormais. A Hipertensão é a causadora de 40% dos derrames cerebrais e 25% dos Infartos do coração, participando efetivamente dos 37% de óbitos no Brasil relacionados com as doenças cardiovasculares. Cifras superiores a 115/75mmHg já são causadoras de elevação da mortalidade . Os fatores de risco para Hipertensão são o excesso do consumo de sal, obesidade, sedentarismo, alcoolismo e preponderantemente o fator hereditário. A hipertensão por tratar-se de uma doença sistêmica, isto é, atinge vários órgãos podendo levar a complicações e danos irreversíveis ao doente. No coração ela pode levar ao surgimento de Hipertrofia Ventricular, que é o aumento da espessura do músculo cardíaco, que passa a necessitar de maior aporte sanguíneo devido à força exagerada que tem de realizar para vencer a barreira imposta pela Pressão Alta. Este mecanismo leva a um descontrole entre a oferta e a necessidade de oxigênio pelas células cardíacas, aumentando o risco de um Infarto e levando a uma rigidez da musculatura cardíaca, fenômeno conhecido como Alteração do Relaxamento. Preocupada com o descontrole do acompanhamento e detecção precoce de pacientes portadores de Hipertensão Arterial a Secretaria Municipal de Saúde de Santana do Ipanema, através das Coordenações de Atenção Primária à Saúde e Núcleo de Promoção da Saúde elaborou este Plano de Instrumentalização, propondo que através de uma capacitação para os Agentes Comunitários de Saúde das Zonas rural e urbana, sendo ministrada pela Coordenação de Atenção Básica e auxiliada pela Coordenação de Promoção da Saúde somando esforços de todos os envolvidos com essa grave situação de saúde pública, buscando a reorganização da atenção básica, tendo como estratégias principais a prevenção dessas doenças, suas complicações e a promoção da saúde, objetivando, assim, uma melhor qualidade de vida.
  • 5. 2 II - OBJETIVOS: II.I - OBJETIVO GERAL: O objetivo do Plano de Instrumentalização é buscar melhores resultados no trabalho dos Agentes Comunitários de Saúde, a partir da capacitação sobre a Hipertensão Arterial e suas complicações, diagnóstico e tratamento, almejando condições adequadas de saúde e maior autonomia e satisfação de usuários, fazendo com que haja mudança no processo de trabalho, envolvendo maior valorização da comunicação e dos espaços de participação, do trabalho em equipe, das parcerias, do uso de dispositivos de qualificação, a escuta e os projetos terapêuticos, da produção e apropriação coletiva de instrumentos, como mapas clínicos e organizacionais, do uso da informação e ferramentas do planejamento, do monitoramento e avaliação das intervenções II.II - OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Instrumentalizar e estimular os Agentes Comunitários de Saúde - ACS da Estratégia de Saúde da Família – ESF e Programa de Agentes Comunitários de Saúde – PACS abarcados na Atenção Básica, para que promovam medidas coletivas e individuais de prevenção primária, enfocando os fatores de risco advindos da Hipertensão Arterial; Orientar e sistematizar medidas de prevenção, detecção, controle e vinculação dos hipertensos e inseridos e acompanhados pela atenção básica; Reconhecer as situações que requerem atendimento na Rede Especializada de Saúde; Reconhecer as complicações da HA, possibilitando as reabilitações psicológica, física e social dos portadores de implicações por HA e com o auxilio dos profissionais de nível superior, encaminhá-los ao NASF ou outras instituições existente no município.
  • 6. 3 III – JUSTIFICATIVA A Hipertensão Arterial por ser multicausal e multifatorial e por não acarretar frequentemente qualquer sintoma aos pacientes, por envolver orientações voltadas para vários objetivos, o sucesso da consecução dessas metas é bastante limitado quando decorre da ação de um único profissional. Pois, objetivos múltiplos no tratamento e acompanhamento dos pacientes hipertensos exigem diferentes abordagens e a participação dos Agentes Comunitários de Saúde nesse processo irá proporcionar ações diferenciadas no acompanhamento dos mesmos. Tratar e até mesmo prevenir a hipertensão arterial envolve, fundamentalmente. Ensinamentos para que se processem mudanças dos hábitos de vida, tanto no que se refere ao tratamento não-medicamentoso quanto ao tratamento com agentes anti-hipertensivos. A consecução dessas mudanças é lenta e, na maioria das vezes, penosa e por serem medidas educativas, necessitam continuidade em sua implementação. É considerado exatamente esse aspecto que o trabalho dos Agentes Comunitários de Saúde, ao invés do médico ou enfermeiro isoladamente, poderá dar aos pacientes e à comunidade uma gama muito maior de informações, procurando torná-los participantes ativos das ações que a eles estarão sendo dirigidas, e com motivação suficiente para vencer o desafio de adotar atitudes que tornem essas ações efetivas e definitivas.
  • 7. 4 IV - METODOLOGIA Sem a pretensão de contemplar todos os aspectos que envolvem a patologia, esta proposta, pretende ao menos abordar suas características mais relevantes, orientando as ações desenvolvidas pelas equipes de saúde, com o objetivo de aperfeiçoar recursos dentro de critérios científicos. A abordagem conjunta das coordenações de Promoção da Saúde e Atenção Primária à Saúde justifica- se pela apresentação dos fatores comuns e dos condicionantes que agrava ou influi em seu acometimento, legitimando a importância da cooperação para efetivamente melhorar a saúde dos portadores de Hipertensão Arterial. A metodologia parte da análise dos indicadores do Sistema de Informação da Atenção Básica – SIAB e do Sistema de Acompanhamento do Hipertenso e Diabético – HIPERDIA, sendo que sua abordagem didática dar-se-á em conjunto com os técnicos idealizadores da proposta, assim, além de abordar a doença, causas e fatores; deverá contemplar os seguintes eixos da Política Nacional de Promoção da Saúde – NUPS: - Promoção da Alimentação Saudável - Promoção de Atividade Física - Prevenção e Controle do Tabagismo
  • 8. 5 V - CRONOGRAMA DE ATIVIDADES Período: DEFINIR com a COORDENAÇÂO DIA/MES/ANO LOCAL TEMA - TURNO RESPONSÁVEL CARGA HORÁRIA 1º CENTRO HIPERTENSÃO MANHÃ - ACS ZONA RURAL NUPS - DAB 6H 1º CENTRO HIPERTENSÃO TARDE - ACS ZONA URBANA NUPS - DAB 6H
  • 9. 6 VI – RECURSOS HUMANOS A operacionalização do respectivo Plano de Instrumentalização ficará a cargo das equipes: Departamento de Atenção Básica à Saúde e Núcleo de Promoção da Saúde – NUPS e, será dirigida pela equipe multidisciplinar de profissionais como: Enfermeiros, Nutricionista e Pedagogo (este no auxilio didático, para efetivação do aprendizado) VII – RECURSOS MATERIAIS: Computador, data show, papel, caneta, oficio, convites, pranchas, pasta classificadora, ficha de leitura, cartazes.
  • 10. 7 VIII - ORÇAMENTO Os custos para execução desta proposta serão financiados com Recursos Próprios da Secretaria Municipal de Saúde. Material/Serviço Custo Papel Sulfite A4 R$ 50,00 Cartucho para Impressora R$ 30,00 Pasta Classificadora p/ 87 participantes Material Educativo (Panfleto de Hipertensão) R$ 250,00 Cooffee Break p/ 90 participantes Total R$ 400,00
  • 11. 8 IX - AVALIAÇÃO Será considerado satisfatório se for cumprido o cronograma previsto e mantida a participação ativa dos atores sociais deste processo de construção, em prol da formação de valores na melhoria das condições de saúde nas comunidades.
  • 12. 10 X - REFERÊNCIA Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus: hipertensão arterial e diabetes mellitus / Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília: Ministério da Saúde, 2001.