SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
O Grupo e a Psicoeducação
Hewdy Lobo Ribeiro
Médico Psiquiatra e Psicoterapeuta ABP/AMB
CREMESP 114681
Diretor Vida Mental
Coordenador Pós-Graduação VM/UNIP
Psicoeducação
• A TCC se caracteriza pelo trabalho colaborativo entre paciente e terapeuta de
forma ativa, diretiva e breve
• Altamente centrada e estruturada
• Requer conhecimento do paciente sobre:
• Metodologia da TCC (ex: estrutura das sessões, modelos cognitivos, estratégias cognitivas)
• Sobre tratamento como um todo (ex: necessidades de encaminhamentos, uso de
medicamentos, adesão à outras modalidades terapêuticas, funcionamento do serviço)
• Sobre sua queixa / Transtorno Mental / funcionamento mental
• Psicoeducação potencializa o processo terapêutico
• Muito comum grupos de psicoeducação em contexto de saúde mental, em que
pacientes e familiares são orientados coletivamente
Psicoeducação
• Técnica recorrente na Terapia Cognitivo-Comportamental
• Menezes, Melo e Souza (2011):
• Psicoeducação começou a ser utilizada como tratamento adicional de fármacos a
partir dos anos 70
• Necessidade não só do tratamento medicamentoso, mas também de uma
orientação aos pacientes sobre os diversos fatores que envolvem uma transtorno
• Intuito de manter paciente inserido na comunidade
• Modelo de reabilitação psicossocial
• É uma forma de aprendizagem capaz de proporcionar o indivíduo a
desenvolver pensamentos, ideias e reflexões sobre si e sobre o mundo
• Permite mudanças de pensamentos e portanto de comportamentos
Psicoeducação
• Importante função de orientar o paciente em diversos aspectos
• Permite que participantes tornem-se sujeitos de sua própria história
• Características básicas:
• Informações úteis e práticas
• Acolhimento do sofrimento
• Quebrar mitos
• Responder dúvidas
• Desenvolver habilidades
• Pode ser aplicada por diversos profissionais da saúde, desde que
preparados para as reações ao tema no grupo
• Pode ser aplicada nos diversos serviços de saúde
Psicoeducação
• Revisão Sistemática de Nogueira et al. (2017)
• 15 artigos nacionais classificados em duas categorias: Transtornos e Grupos
• Categoria Transtornos (55%)
• A psicoeducação apresenta-se como uma técnica mais eficaz no tratamento
psicológico individual ou grupal de transtornos mentais
• Importância de psicoeducar o paciente sobre a TCC e sobre o seu transtorno
• Um dos princípios da TCC é ensinar o paciente a ser seu próprio terapeuta
• É eficiente para familiarizar o paciente sobre o funcionamento da TCC
• Modelo cognitivo-comportamental
• Erros cognitivos
• Tarefas de casa
Psicoeducação
• Revisão Sistemática de Nogueira et al. (2017)
• É eficaz para nortear o paciente e sua família, por exemplo, sobre o
funcionamento de uma doença ou transtorno:
• Sobre diagnósticos e sintomas
• Sobre o próprio tratamento
• Facilita processos de mudança, de aceitação ou melhora dos pacientes
• É estratégia eficaz para modificar aspectos negativos vivenciados por
pessoas que enfrentam por auxiliar compreender a natureza e o tratamento
da doença
• Promove ensinamentos teóricos e práticos para que possam compreender e
desenvolver melhores estratégias para lidar com o transtorno
• Contribui para enfrentar possíveis estigmas e preconceitos
Psicoeducação
• Favorece melhora de qualidade de vida
• Favorece insight/ crítica sobre a doença
• Melhor adesão ao tratamento farmacológico
• Auxilia a promoção de hábitos saudáveis
• Promove regularidade no estilo de vida
• Colabora para o controle do abuso de substâncias
• Ensina identificar precocemente recaídas
Psicoeducação em Grupo
• Psicoeducação em grupos (45%)
• Promove o funcionamento social de pessoas com transtornos mentais
diversos - vista como uma das intervenções mais importantes a ser utilizada
na TCC
• Amplificam-se sentimentos de mútua ajuda entre os próprios participantes
do grupo
• Colabora para que as pessoas sintam-se mais motivadas a ajudar uma as
outras que vivenciam experiências parecidas
• Oportunidade de ajudar outras pessoas, bem como de ser ajudado por
outros
Psicoeducação em Grupo
• Psicoeducação está presente em grupos de apoio, grupos de
orientação, de treinamento e grupos terapêuticos
• Grupos de Treinamento de habilidades Sociais são essencialmente
psicoeducativos
• Propicia explorar melhor as habilidades de relacionamento, o
ajustamento social e os estilos de vida
• Permite vivências semelhantes às situações do dia a dia por
favorecer a aprendizagem a partir da experiência do outro
• Sempre aborda as dificuldades dos participantes e seus
conhecimentos sobre a doença e tratamentos
Psicoeducação em Grupo
• Permite os integrantes a lidar com seus problemas e angústias,
proporcionando um espaço para reflexões e novas aprendizagens
• Sofrimentos compartilhados (mesmo que em grupos heterogêneos)
• Compartilhamento e trocas de experiências sobre a doença que possuem,
seus sintomas, origens e percursos
• Permite um ambiente terapêutico em que à pessoa lida com questões
interpessoais constantemente
• Permite que reconheçam as suas dificuldades e os pensamento, emoção
e comportamentos relacionados
• Permite a discussão de estratégias de intervenções para promover
mudanças
Importante
• Nunca esquecer que cada indivíduo é um indivíduo, cada família é uma
família, cada grupo é um grupo
• Identificar necessidades de acordo com características dos pacientes que
acessam o serviço e momento do tratamento
• Criatividade para tornar processo lúdico é importante, mas palestras
também são recursos reconhecidamente úteis
• Importante tornar materiais trabalhado atraentes – se não serão
esquecidos, ou nem serão lidos
• Importante ter banco de conteúdos de qualidade e de fácil acesso
• Sempre checar se discussões estão fazendo sentido para todos os
participantes
Exemplo de Grupo de Psicoeducação
• Familiares de recém chegados ao CAPS AD
• Projeto planejamento a partir de demanda dos familiares (percebida nos
grupos de referência)
• Objetivos:
• Quebrar resistências quanto ao tratamento
• Estimular a aderência, uma vez que é uma intervenção breve e objetiva
• Possibilitar mudanças imediatas na relação família- paciente
• Informar a família sobre a síndrome da Dependência Química e todos seus
aspectos biopsicossociais
• Discutir sobre temas que envolvem o papel do familiar no tratamento
• Conscientizar o familiar sobre o funcionamento do tratamento da dependência
química e da codependência
Exemplo de Grupo de Psicoeducação
• Grupo estruturado com 8 sessões
• Grupo fechado (após 8 sessões novo grupo de familiares inicia processo)
• Grupos até 12 participantes
• Duração de 120 minutos
• Todos os familiares passaram por sessão individual para avaliação e
convite
• Familiares poderiam estar concomitantemente em outro grupo (sem foco
na psicoeducação)
• A participação no grupo de psicoeducação para familiares não estava
condicionada ao tratamento do paciente dependente químico no CAPS
AD
Exemplo de Grupo de Psicoeducação
• Estrutura das sessões:
• Meditação para foco no aqui e agora
• Discussão do tema central a partir de dinâmica, recurso audiovisual ou
leitura – discussão centrada nas experiências dos participantes
• Entrega do folheto de leitura para casa
• Presente: todos participantes ganhavam uma pasta para colocar
materiais de leitura ganhados nas sessões (tarefas de casa)
Exemplo de Grupo de Psicoeducação
• Sessões:
• Sessão 1
• Acolhimento
• Apresentação dos participantes (em círculo, nome, o que está precisando receber e o que
poderia oferecer ao grupo – ex: precisando de compreensão e disposta a dar companhia)
• Apresentação dos objetivos do grupo
• Seleção de temas a partir dos interesses dos participantes e das sugestões do terapeuta
• Contrato de funcionamento do grupo
• Tema: Aspectos biopsicossociais da dependência química (causas, consequências e
necessidades no cuidado)
• Recurso: discussão a partir de perguntas disparadoras (ex: o que causa a dependência
química? Como a dependência impacta a vida das pessoas? O que o indivíduo precisa para
melhorar?) e elaboração de esquema no flipchart
Exemplo de Grupo de Psicoeducação
• Sessão 2:
• Tema: Diferença de uso, uso nocivo e dependência, diagnóstico da
dependência química, gravidade da dependência
• Recurso: leitura de exemplos de 4 casos (um de uso, outro de abuso,
dependência leve e outro de dependência grave)
• Sessão 3
• Tema: As substâncias psicoativas e suas consequências / álcool, maconha,
cocaína e crack
• Recuso: apresentação de imagens em ppt
Exemplo de Grupo de Psicoeducação
• Sessão 4
• Tema: Codependência
• Recurso: trechos do filme “Quando um homem ama uma mulher” com roteiro para
discussão (comportamentos do marido, impacto sobre as filhas, papel dos
familiares no tratamento)
• Reflexão sobre rede de apoio através da dinâmica do barbante (cada um segura
uma ponta do barbante, diz uma situação que precisa de ajuda para poder cuidar
mais de si, e joga o rolo para o outro sem soltar, ao final fazer reflexão sobre a rede
que se forma)
• Sessão 5
• Tema: Modelo cognitivo (situação, pensamento, sentimento, comportamento)
• Recurso: dinâmica dos balões (cada um tem um balão e não pode deixar cair no
chão, terapeuta vai pedindo um a um que saia e deixe seu balão, até que fica uma
pessoa com todos os balões – impossível de sustentar)
Exemplo de Grupo de Psicoeducação
• Sessão 6
• Tema: Comorbidades Psiquiátricas
• Depressão, ansiedade, transtornos de personalidade e psicóticos
• Recursos:
• Vídeo OMS sobre Depressão: Eu tinha um cachorro preto, seu nome era depressão
• Ver em casa: https://www.youtube.com/watch?v=RTcmNwK4420
• Folheto com descrição breve de cada transtorno
• Sessão 7
• Tema: grupos de mútua ajuda - Naranon, Amor exigente, Pastoral da
Sobriedade
• Recurso: Presença de representantes dos grupos (apresentaram como é a
dinâmica em seus grupos, filosofia, passos)
Exemplo de Grupo de Psicoeducação
• Sessão 8
• Sessão final, com resumo do que foi aprendido, feedbacks do terapeuta e
dos familiares e confraternização
• Recursos:
• Dinâmica sobre o que leva e o que deixou no grupo
• Escreveram cartas para si mesmos com aprendizados e pensamentos que estiveram
presentes para lerem em momentos de dificuldade
Bibliografia
Menezes SL, Souza MCBM. Grupo de psicoeducação no transtorno afetivo bipolar:
reflexão sobre o modo asilar e o modo psicossocial. Rev Esc Enferm USP, 2011; 45(4):
996-1001.
Carlos André Nogueira; Kelly Nunes Crisostomo; Rafaela dos Santos Souza; Jessica de
Macedo do Prado. A IMPORTÂNCIA DA PSICOEDUCAÇÃO NA TERAPIA COGNITIVO-
COMPORTAMENTAL: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. Revista das Ciências da Saúde do
Oeste Baiano - Higia 2017; 2 (1): 108 – 120.
Figlie N, Bordin s, Laranjeira R. Aconselhamento em Dependência Química. 3ª ed. São
Paulo:Roca, 2015
Del Prete ZAP, Del Prete A. Psicologia das relações interpessoais: vivências para o
trabalho em grupo. Petrópolis: Vozes, 2002.
Zanelatto N, Laranjeira R. O tratamento da dependência química e as terapias cognitivo-
comportamentais. Porto Alegre: Artmed, 2013.
Obrigado!
• lobo@vidamental.com.br
• (11) 9 9622-8835
• youtube.com/vidamental (confiram a playlist Pós-Graduação)
• vidamental.com.br
• vidamental.psc.br
• facebook.com/vidamental
• zerocigarro.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Alexandre Simoes
 
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptxAula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptxCarlaNishimura3
 
Trabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticosTrabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticosSarah Karenina
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaMarcelo da Rocha Carvalho
 
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaCaio Maximino
 
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e CognitivaTratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e CognitivaMarcelo da Rocha Carvalho
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaAroldo Gavioli
 
Teorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicasTeorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicasMarceloSantos887
 

Mais procurados (20)

Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
 
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptxAula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
Aula 02_Aconselhamento e Psico. Breve[1].pptx
 
A terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamentalA terapia cognitivo comportamental
A terapia cognitivo comportamental
 
Grupoterapias
GrupoterapiasGrupoterapias
Grupoterapias
 
Trabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticosTrabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticos
 
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia CognitivaAcompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
Acompanhamento Terapêutico, Transtornos Alimentares e Terapia Cognitiva
 
Relacao terapeutica
Relacao terapeuticaRelacao terapeutica
Relacao terapeutica
 
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCCAnsiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Psicoterapias miriam
Psicoterapias miriamPsicoterapias miriam
Psicoterapias miriam
 
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologia
 
Saúde Mental
Saúde Mental Saúde Mental
Saúde Mental
 
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e CognitivaTratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
Tratamento da Depressão em Terapia Comportamental e Cognitiva
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Grupo Operativo
Grupo OperativoGrupo Operativo
Grupo Operativo
 
A estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCC
A estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCCA estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCC
A estrutura da Primeira Sessão Padrão na TCC
 
Psicodrama
Psicodrama   Psicodrama
Psicodrama
 
Teorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicasTeorias e técnicas psicoterápicas
Teorias e técnicas psicoterápicas
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
 

Semelhante a O grupo e a psicoeducação

Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasMarcelo da Rocha Carvalho
 
A Atuação do Psicólogo em Contextos Específicos
A Atuação do Psicólogo em Contextos EspecíficosA Atuação do Psicólogo em Contextos Específicos
A Atuação do Psicólogo em Contextos EspecíficosJonilson Cardozo
 
Aula plano de intervenção psicoterapias
Aula plano de intervenção psicoterapiasAula plano de intervenção psicoterapias
Aula plano de intervenção psicoterapiasAna Sofia
 
Aula plano de intervenção psicoterapias
Aula plano de intervenção psicoterapiasAula plano de intervenção psicoterapias
Aula plano de intervenção psicoterapiasAna Sofia
 
Terapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentaisTerapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentaisRodrigo Abreu
 
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Marcelo da Rocha Carvalho
 
Coesão Grupal e Fatores Terapêuticos
Coesão Grupal e Fatores TerapêuticosCoesão Grupal e Fatores Terapêuticos
Coesão Grupal e Fatores TerapêuticosFernanda Valentin
 
Psicologia cl+¡nica
Psicologia cl+¡nicaPsicologia cl+¡nica
Psicologia cl+¡nicaflamarandr
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacionalNdiaCortez
 
Aula Deise Nunes - Curso 4
Aula Deise Nunes - Curso 4Aula Deise Nunes - Curso 4
Aula Deise Nunes - Curso 4multicentrica
 
A psicologia e a sua importância no mundo (1)
A psicologia e a sua importância no mundo (1)A psicologia e a sua importância no mundo (1)
A psicologia e a sua importância no mundo (1)Filipe Leal
 
1-História da Terapia Cognitiva.pptx
1-História da Terapia Cognitiva.pptx1-História da Terapia Cognitiva.pptx
1-História da Terapia Cognitiva.pptxJulianamarciafonseca
 

Semelhante a O grupo e a psicoeducação (20)

Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutasPsicoterapia orientações aos psicoterapeutas
Psicoterapia orientações aos psicoterapeutas
 
Como Devem ser os Grupos para Familiares de Paciente Deprimidos?
Como Devem ser os Grupos para Familiares de Paciente Deprimidos?Como Devem ser os Grupos para Familiares de Paciente Deprimidos?
Como Devem ser os Grupos para Familiares de Paciente Deprimidos?
 
Psicoterapia de grupo
Psicoterapia de grupoPsicoterapia de grupo
Psicoterapia de grupo
 
Conceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia CognitivaConceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia Cognitiva
 
A Atuação do Psicólogo em Contextos Específicos
A Atuação do Psicólogo em Contextos EspecíficosA Atuação do Psicólogo em Contextos Específicos
A Atuação do Psicólogo em Contextos Específicos
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
 
Diálogos socráticos: qual a aplicação prática na Terapia Cognitivo-Comportame...
Diálogos socráticos: qual a aplicação prática na Terapia Cognitivo-Comportame...Diálogos socráticos: qual a aplicação prática na Terapia Cognitivo-Comportame...
Diálogos socráticos: qual a aplicação prática na Terapia Cognitivo-Comportame...
 
Como é o Tratamento em Grupo para Pacientes Psicóticos?
Como é o Tratamento em Grupo para Pacientes Psicóticos?Como é o Tratamento em Grupo para Pacientes Psicóticos?
Como é o Tratamento em Grupo para Pacientes Psicóticos?
 
Como é o Tratamento em Grupo para Pacientes Psicóticos?
Como é o Tratamento em Grupo para Pacientes Psicóticos?Como é o Tratamento em Grupo para Pacientes Psicóticos?
Como é o Tratamento em Grupo para Pacientes Psicóticos?
 
Aula plano de intervenção psicoterapias
Aula plano de intervenção psicoterapiasAula plano de intervenção psicoterapias
Aula plano de intervenção psicoterapias
 
Aula plano de intervenção psicoterapias
Aula plano de intervenção psicoterapiasAula plano de intervenção psicoterapias
Aula plano de intervenção psicoterapias
 
Terapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentaisTerapias Cognitivas- compoortamentais
Terapias Cognitivas- compoortamentais
 
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
 
Coesão Grupal e Fatores Terapêuticos
Coesão Grupal e Fatores TerapêuticosCoesão Grupal e Fatores Terapêuticos
Coesão Grupal e Fatores Terapêuticos
 
Psicologia cl+¡nica
Psicologia cl+¡nicaPsicologia cl+¡nica
Psicologia cl+¡nica
 
IPDCGrupos_psicoeducativos.pdf
IPDCGrupos_psicoeducativos.pdfIPDCGrupos_psicoeducativos.pdf
IPDCGrupos_psicoeducativos.pdf
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
 
Aula Deise Nunes - Curso 4
Aula Deise Nunes - Curso 4Aula Deise Nunes - Curso 4
Aula Deise Nunes - Curso 4
 
A psicologia e a sua importância no mundo (1)
A psicologia e a sua importância no mundo (1)A psicologia e a sua importância no mundo (1)
A psicologia e a sua importância no mundo (1)
 
1-História da Terapia Cognitiva.pptx
1-História da Terapia Cognitiva.pptx1-História da Terapia Cognitiva.pptx
1-História da Terapia Cognitiva.pptx
 

Mais de Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional

Mais de Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional (20)

Vida Mental | Psiquiatria Organizacional
Vida Mental | Psiquiatria OrganizacionalVida Mental | Psiquiatria Organizacional
Vida Mental | Psiquiatria Organizacional
 
Livro: Intercâmbio das Psicoterapias
Livro: Intercâmbio das PsicoterapiasLivro: Intercâmbio das Psicoterapias
Livro: Intercâmbio das Psicoterapias
 
Como diferenciar pensamento e sentimento em TCC?
Como diferenciar pensamento e sentimento em TCC?Como diferenciar pensamento e sentimento em TCC?
Como diferenciar pensamento e sentimento em TCC?
 
Como diferenciar os pensamento de fatos em TCC?
Como diferenciar os pensamento de fatos em TCC?Como diferenciar os pensamento de fatos em TCC?
Como diferenciar os pensamento de fatos em TCC?
 
O que é envelhecer com saúde?
O que é envelhecer com saúde?O que é envelhecer com saúde?
O que é envelhecer com saúde?
 
Como melhorar os serviços de saúde para idosos?
Como melhorar os serviços de saúde para idosos?Como melhorar os serviços de saúde para idosos?
Como melhorar os serviços de saúde para idosos?
 
O que é transtorno neurocognitivo maior?
O que é transtorno neurocognitivo maior?O que é transtorno neurocognitivo maior?
O que é transtorno neurocognitivo maior?
 
O que é delirium em idosos?
O que é delirium em idosos? O que é delirium em idosos?
O que é delirium em idosos?
 
O que é transtorno neurocognitivo leve?
O que é transtorno neurocognitivo leve?O que é transtorno neurocognitivo leve?
O que é transtorno neurocognitivo leve?
 
Como prevenir o suicídio?
Como prevenir o suicídio?Como prevenir o suicídio?
Como prevenir o suicídio?
 
Como Prevenir a Dependência Química entre os Jovens?
Como Prevenir a Dependência Química entre os Jovens?Como Prevenir a Dependência Química entre os Jovens?
Como Prevenir a Dependência Química entre os Jovens?
 
Como é o manejo dos transtornos ansiosos?
Como é o manejo dos transtornos ansiosos?Como é o manejo dos transtornos ansiosos?
Como é o manejo dos transtornos ansiosos?
 
Caso Clínico de Psicose: discussão multiprofissional
Caso Clínico de Psicose: discussão multiprofissionalCaso Clínico de Psicose: discussão multiprofissional
Caso Clínico de Psicose: discussão multiprofissional
 
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissionalCaso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional
 
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional no hospital psiqui...
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional no hospital psiqui...Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional no hospital psiqui...
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional no hospital psiqui...
 
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional de caso ambulatorial
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional de caso ambulatorialCaso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional de caso ambulatorial
Caso Clínico de Esquizofrenia: discussão multiprofissional de caso ambulatorial
 
Como resolver dependência de álcool?
Como resolver dependência de álcool?Como resolver dependência de álcool?
Como resolver dependência de álcool?
 
O que é comissão técnica de classificação?
O que é comissão técnica de classificação?O que é comissão técnica de classificação?
O que é comissão técnica de classificação?
 
Como é a entrevista clínica de crianças de 0 a 1 ano em neurociências?
Como é a entrevista clínica de crianças de 0 a 1 ano em neurociências?Como é a entrevista clínica de crianças de 0 a 1 ano em neurociências?
Como é a entrevista clínica de crianças de 0 a 1 ano em neurociências?
 
Como é a entrevista clínica de crianças de 2 a 12 anos em neurociências?
Como é a entrevista clínica de crianças de 2 a 12 anos em neurociências?Como é a entrevista clínica de crianças de 2 a 12 anos em neurociências?
Como é a entrevista clínica de crianças de 2 a 12 anos em neurociências?
 

Último

AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfRodrigoSimonato2
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfGiza Carla Nitz
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfmarrudo64
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....TharykBatatinha
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfamaroalmeida74
 
Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoDjalmadeAndrade2
 
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfGiza Carla Nitz
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfGiza Carla Nitz
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdfGiza Carla Nitz
 

Último (17)

AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
 
Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalho
 
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
 

O grupo e a psicoeducação

  • 1. O Grupo e a Psicoeducação Hewdy Lobo Ribeiro Médico Psiquiatra e Psicoterapeuta ABP/AMB CREMESP 114681 Diretor Vida Mental Coordenador Pós-Graduação VM/UNIP
  • 2. Psicoeducação • A TCC se caracteriza pelo trabalho colaborativo entre paciente e terapeuta de forma ativa, diretiva e breve • Altamente centrada e estruturada • Requer conhecimento do paciente sobre: • Metodologia da TCC (ex: estrutura das sessões, modelos cognitivos, estratégias cognitivas) • Sobre tratamento como um todo (ex: necessidades de encaminhamentos, uso de medicamentos, adesão à outras modalidades terapêuticas, funcionamento do serviço) • Sobre sua queixa / Transtorno Mental / funcionamento mental • Psicoeducação potencializa o processo terapêutico • Muito comum grupos de psicoeducação em contexto de saúde mental, em que pacientes e familiares são orientados coletivamente
  • 3. Psicoeducação • Técnica recorrente na Terapia Cognitivo-Comportamental • Menezes, Melo e Souza (2011): • Psicoeducação começou a ser utilizada como tratamento adicional de fármacos a partir dos anos 70 • Necessidade não só do tratamento medicamentoso, mas também de uma orientação aos pacientes sobre os diversos fatores que envolvem uma transtorno • Intuito de manter paciente inserido na comunidade • Modelo de reabilitação psicossocial • É uma forma de aprendizagem capaz de proporcionar o indivíduo a desenvolver pensamentos, ideias e reflexões sobre si e sobre o mundo • Permite mudanças de pensamentos e portanto de comportamentos
  • 4. Psicoeducação • Importante função de orientar o paciente em diversos aspectos • Permite que participantes tornem-se sujeitos de sua própria história • Características básicas: • Informações úteis e práticas • Acolhimento do sofrimento • Quebrar mitos • Responder dúvidas • Desenvolver habilidades • Pode ser aplicada por diversos profissionais da saúde, desde que preparados para as reações ao tema no grupo • Pode ser aplicada nos diversos serviços de saúde
  • 5. Psicoeducação • Revisão Sistemática de Nogueira et al. (2017) • 15 artigos nacionais classificados em duas categorias: Transtornos e Grupos • Categoria Transtornos (55%) • A psicoeducação apresenta-se como uma técnica mais eficaz no tratamento psicológico individual ou grupal de transtornos mentais • Importância de psicoeducar o paciente sobre a TCC e sobre o seu transtorno • Um dos princípios da TCC é ensinar o paciente a ser seu próprio terapeuta • É eficiente para familiarizar o paciente sobre o funcionamento da TCC • Modelo cognitivo-comportamental • Erros cognitivos • Tarefas de casa
  • 6. Psicoeducação • Revisão Sistemática de Nogueira et al. (2017) • É eficaz para nortear o paciente e sua família, por exemplo, sobre o funcionamento de uma doença ou transtorno: • Sobre diagnósticos e sintomas • Sobre o próprio tratamento • Facilita processos de mudança, de aceitação ou melhora dos pacientes • É estratégia eficaz para modificar aspectos negativos vivenciados por pessoas que enfrentam por auxiliar compreender a natureza e o tratamento da doença • Promove ensinamentos teóricos e práticos para que possam compreender e desenvolver melhores estratégias para lidar com o transtorno • Contribui para enfrentar possíveis estigmas e preconceitos
  • 7. Psicoeducação • Favorece melhora de qualidade de vida • Favorece insight/ crítica sobre a doença • Melhor adesão ao tratamento farmacológico • Auxilia a promoção de hábitos saudáveis • Promove regularidade no estilo de vida • Colabora para o controle do abuso de substâncias • Ensina identificar precocemente recaídas
  • 8. Psicoeducação em Grupo • Psicoeducação em grupos (45%) • Promove o funcionamento social de pessoas com transtornos mentais diversos - vista como uma das intervenções mais importantes a ser utilizada na TCC • Amplificam-se sentimentos de mútua ajuda entre os próprios participantes do grupo • Colabora para que as pessoas sintam-se mais motivadas a ajudar uma as outras que vivenciam experiências parecidas • Oportunidade de ajudar outras pessoas, bem como de ser ajudado por outros
  • 9. Psicoeducação em Grupo • Psicoeducação está presente em grupos de apoio, grupos de orientação, de treinamento e grupos terapêuticos • Grupos de Treinamento de habilidades Sociais são essencialmente psicoeducativos • Propicia explorar melhor as habilidades de relacionamento, o ajustamento social e os estilos de vida • Permite vivências semelhantes às situações do dia a dia por favorecer a aprendizagem a partir da experiência do outro • Sempre aborda as dificuldades dos participantes e seus conhecimentos sobre a doença e tratamentos
  • 10. Psicoeducação em Grupo • Permite os integrantes a lidar com seus problemas e angústias, proporcionando um espaço para reflexões e novas aprendizagens • Sofrimentos compartilhados (mesmo que em grupos heterogêneos) • Compartilhamento e trocas de experiências sobre a doença que possuem, seus sintomas, origens e percursos • Permite um ambiente terapêutico em que à pessoa lida com questões interpessoais constantemente • Permite que reconheçam as suas dificuldades e os pensamento, emoção e comportamentos relacionados • Permite a discussão de estratégias de intervenções para promover mudanças
  • 11. Importante • Nunca esquecer que cada indivíduo é um indivíduo, cada família é uma família, cada grupo é um grupo • Identificar necessidades de acordo com características dos pacientes que acessam o serviço e momento do tratamento • Criatividade para tornar processo lúdico é importante, mas palestras também são recursos reconhecidamente úteis • Importante tornar materiais trabalhado atraentes – se não serão esquecidos, ou nem serão lidos • Importante ter banco de conteúdos de qualidade e de fácil acesso • Sempre checar se discussões estão fazendo sentido para todos os participantes
  • 12. Exemplo de Grupo de Psicoeducação • Familiares de recém chegados ao CAPS AD • Projeto planejamento a partir de demanda dos familiares (percebida nos grupos de referência) • Objetivos: • Quebrar resistências quanto ao tratamento • Estimular a aderência, uma vez que é uma intervenção breve e objetiva • Possibilitar mudanças imediatas na relação família- paciente • Informar a família sobre a síndrome da Dependência Química e todos seus aspectos biopsicossociais • Discutir sobre temas que envolvem o papel do familiar no tratamento • Conscientizar o familiar sobre o funcionamento do tratamento da dependência química e da codependência
  • 13. Exemplo de Grupo de Psicoeducação • Grupo estruturado com 8 sessões • Grupo fechado (após 8 sessões novo grupo de familiares inicia processo) • Grupos até 12 participantes • Duração de 120 minutos • Todos os familiares passaram por sessão individual para avaliação e convite • Familiares poderiam estar concomitantemente em outro grupo (sem foco na psicoeducação) • A participação no grupo de psicoeducação para familiares não estava condicionada ao tratamento do paciente dependente químico no CAPS AD
  • 14. Exemplo de Grupo de Psicoeducação • Estrutura das sessões: • Meditação para foco no aqui e agora • Discussão do tema central a partir de dinâmica, recurso audiovisual ou leitura – discussão centrada nas experiências dos participantes • Entrega do folheto de leitura para casa • Presente: todos participantes ganhavam uma pasta para colocar materiais de leitura ganhados nas sessões (tarefas de casa)
  • 15. Exemplo de Grupo de Psicoeducação • Sessões: • Sessão 1 • Acolhimento • Apresentação dos participantes (em círculo, nome, o que está precisando receber e o que poderia oferecer ao grupo – ex: precisando de compreensão e disposta a dar companhia) • Apresentação dos objetivos do grupo • Seleção de temas a partir dos interesses dos participantes e das sugestões do terapeuta • Contrato de funcionamento do grupo • Tema: Aspectos biopsicossociais da dependência química (causas, consequências e necessidades no cuidado) • Recurso: discussão a partir de perguntas disparadoras (ex: o que causa a dependência química? Como a dependência impacta a vida das pessoas? O que o indivíduo precisa para melhorar?) e elaboração de esquema no flipchart
  • 16. Exemplo de Grupo de Psicoeducação • Sessão 2: • Tema: Diferença de uso, uso nocivo e dependência, diagnóstico da dependência química, gravidade da dependência • Recurso: leitura de exemplos de 4 casos (um de uso, outro de abuso, dependência leve e outro de dependência grave) • Sessão 3 • Tema: As substâncias psicoativas e suas consequências / álcool, maconha, cocaína e crack • Recuso: apresentação de imagens em ppt
  • 17. Exemplo de Grupo de Psicoeducação • Sessão 4 • Tema: Codependência • Recurso: trechos do filme “Quando um homem ama uma mulher” com roteiro para discussão (comportamentos do marido, impacto sobre as filhas, papel dos familiares no tratamento) • Reflexão sobre rede de apoio através da dinâmica do barbante (cada um segura uma ponta do barbante, diz uma situação que precisa de ajuda para poder cuidar mais de si, e joga o rolo para o outro sem soltar, ao final fazer reflexão sobre a rede que se forma) • Sessão 5 • Tema: Modelo cognitivo (situação, pensamento, sentimento, comportamento) • Recurso: dinâmica dos balões (cada um tem um balão e não pode deixar cair no chão, terapeuta vai pedindo um a um que saia e deixe seu balão, até que fica uma pessoa com todos os balões – impossível de sustentar)
  • 18. Exemplo de Grupo de Psicoeducação • Sessão 6 • Tema: Comorbidades Psiquiátricas • Depressão, ansiedade, transtornos de personalidade e psicóticos • Recursos: • Vídeo OMS sobre Depressão: Eu tinha um cachorro preto, seu nome era depressão • Ver em casa: https://www.youtube.com/watch?v=RTcmNwK4420 • Folheto com descrição breve de cada transtorno • Sessão 7 • Tema: grupos de mútua ajuda - Naranon, Amor exigente, Pastoral da Sobriedade • Recurso: Presença de representantes dos grupos (apresentaram como é a dinâmica em seus grupos, filosofia, passos)
  • 19. Exemplo de Grupo de Psicoeducação • Sessão 8 • Sessão final, com resumo do que foi aprendido, feedbacks do terapeuta e dos familiares e confraternização • Recursos: • Dinâmica sobre o que leva e o que deixou no grupo • Escreveram cartas para si mesmos com aprendizados e pensamentos que estiveram presentes para lerem em momentos de dificuldade
  • 20. Bibliografia Menezes SL, Souza MCBM. Grupo de psicoeducação no transtorno afetivo bipolar: reflexão sobre o modo asilar e o modo psicossocial. Rev Esc Enferm USP, 2011; 45(4): 996-1001. Carlos André Nogueira; Kelly Nunes Crisostomo; Rafaela dos Santos Souza; Jessica de Macedo do Prado. A IMPORTÂNCIA DA PSICOEDUCAÇÃO NA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. Revista das Ciências da Saúde do Oeste Baiano - Higia 2017; 2 (1): 108 – 120. Figlie N, Bordin s, Laranjeira R. Aconselhamento em Dependência Química. 3ª ed. São Paulo:Roca, 2015 Del Prete ZAP, Del Prete A. Psicologia das relações interpessoais: vivências para o trabalho em grupo. Petrópolis: Vozes, 2002. Zanelatto N, Laranjeira R. O tratamento da dependência química e as terapias cognitivo- comportamentais. Porto Alegre: Artmed, 2013.
  • 21. Obrigado! • lobo@vidamental.com.br • (11) 9 9622-8835 • youtube.com/vidamental (confiram a playlist Pós-Graduação) • vidamental.com.br • vidamental.psc.br • facebook.com/vidamental • zerocigarro.com.br